Identidade do povo_brasileiro

333 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
333
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Identidade do povo_brasileiro

  1. 1. Identidade do povo brasileiro Calidoscópio cultural
  2. 2. Portos de passagem  Veloso  Da Matta  Ortiz  Veloso e Madeira  Antonio Houais  Gilberto Freire  Vannucchi  Rega  Silvio Romero  Sergio Buarque de Holanda  Paulo Prado  Cassiano Ricardo  outros
  3. 3. Veloso  Trata da miscigenação do branco, do índio e do negro por meio de raízes históricas étnicas, interdisciplinarmente com a vida social. Na visão do autor, ainda que historicamente, a mistura de raças devesse ter gerado um povo triste, isto não aconteceu, ao contrário, a mistura do índio, triste, do negro, banzo e do português, do fado, gerou um povo alegre, que contrasta, portanto, com suas origens e realidade étnico-cultural.
  4. 4. Da Matta  O homem se distingue dos outros animais por ter a capacidade de se identificar, justificar, singularizar e saber quem ele é. Assim sendo, esse antropólogo trata da questão da identidade, a partir de quem somos, como somos e por que somos.
  5. 5. Relação do homem com a sociedade  Para da Matta, a identidade cultural é algo muito importante, uma vez que é responsável para definir o homem em relação a si mesmo e em relação à sociedade: conhecer a si mesmo, saber como as pessoas se associam por atributos sociais, com os quais se identificam e com os quais forma uma história. Portanto, é em relação ao social, que o indivíduo se identifica e se faz identificar.
  6. 6.  O modo de ser e de fazer de uma determinada sociedade é uma memória social, pois há relação com um tempo já vivido e em relação a cada momento lembrado que, popularmente, é designado tradição, todavia, cientificamente, Cultura.  Para tal teórico, a cultura não só é uma tradição mantida no grupo social, como, sobretudo, um estilo, em relação a outros grupos sociais, que define socialmente o modo de ser e de fazer as coisas.
  7. 7.  As diferenças culturais, por exemplo, têm fatores comuns, relativos à natureza humana, tais como: moradia, alimento, manifestações artísticas, rituais e diversões.  No entanto, há diferença na forma de realizar e de transformar o que se é e o que se faz, considerando-se que cada um é ser social; mas, ao mesmo tempo, o ser social é particular em relação a outro ser social.  Por isso, a identidade de um grupo social é o que marca e revela o que é próprio de cada grupo social.
  8. 8. Ortiz  Postula que a identidade é uma unidade abstrata e, por isso, não pode ser compreendida nos eventos que são particulares, ou seja, não se situa na concretude do presente, mas se desvenda, enquanto virtualidade, ao vincular as formas sociais que a sustentam.
  9. 9.  De acordo ainda com Ortiz, há uma diferença entre os grupos sociais que é particular de cada grupo. Postula, também, que há uma memória nacional, relativa a todos os grupos da Nação, decorrente da cultura nacional.  Esta não se constitui na dimensão dos valores de cada grupo social, mas sim de um discurso instituído pelo Poder, para integrar valores concretos de diferentes grupos sociais, em uma totalidade mais ampla, de forma a manter a sociedade nacional como um todo.
  10. 10.  Para o autor, os intelectuais e os artistas são mediadores da construção social, porque esses deslocam as manifestações concretas de sua esfera particular e as articulam a uma totalidade transcendentes, sendo esta a esfera particular.
  11. 11. Veloso e Madeira  Consideram que a identidade brasileira surge da comunicação entre grupos altamente diferentes, quanto à etnia e à língua. Entretanto, devido ao trabalho e à sobrevivência, foi necessário um fluxo de comunicação entre os grupos, branco, negro, índio e imigrantes. Esses fluxos propiciaram identificações entre tais grupos e marcaram diferenças.  Progressivamente em sua interação com o Outro, os brasileiros se identificaram como semelhantes entre si e diferentes dos europeus; todavia, suas representações foram condicionadas, de acordo com o ponto de vista do europeu.  Para as autoras, do ponto de vista antropológico, o conhecimento do que somos decorre do que vivemos e com o quem nos identificamos.
  12. 12. Antonio Houais  Humanista que se ateve ao estudo da língua falada no Brasil, assegura que o brasileiro tem uma identidade própria ao usar a língua portuguesa, que o diferencia dos demais países lusófonos, uma vez que as políticas, a história e as culturas típicas de cada país são responsáveis para formar universos de práticas sociais próprias, que são diferentes uma das outras.  Nesse sentido, para tal estudioso, a língua tem história e esta decorre da incorporação de conteúdos lingüísticos ao longo dos tempos, entretanto, cada conteúdo pode ser mutável, pois os fenômenos que ocorrem em um tempo e espaço podem ser entendidos de formas diferentes em um outro tempo e espaço.  Dessa forma, para se entender a Cultura e a sua relação com o uso da língua, é necessário considerar que a natureza dos fatos exerça e receba influências culturais do vivido pelos grupos sociais e que isso esteja presente no uso da língua.
  13. 13. Gilberto Freire  Tal sociólogo define a cultura pela reação dela com a natureza humana; segundo a qual decorre da interação que os membros de grupo social têm pelos atos de trabalho, de fala; de forma a diferenciar-se como um grupo em relação aos outros e, ao mesmo tempo, pela interação social de grupos diferentes.  O autor postula que a interação comunicativa é a base da cultura, isto é, a linguagem, a construção de regras e normas sociais e de um processo produtivo, a capacidade de modificação do meio ambiente decorrem da capacidade de comunicação com o outro.  O sociólogo defende também que, especificamente no Brasil, a religião tornou-se um ponto de encontro e de união de duas culturas, a do senhor-branco e o do escravo-negro, embora sempre tenha havido uma barreira, intransponível, entre negros e brancos. Todavia, a religião é o ponto de convergência entre esses grupos.
  14. 14. Vannucchi  Considera a cultura brasileira como um fenômeno histórico enraizado em âmbito social, econômico e político, que se desenvolve e repercute no cotidiano de todos os brasileiros.  Neste caso, para o antropólogo, a cultura brasileira é diferenciada pelas influências do meio, pelas diversas atividades econômicas, pela criatividade nativa e pela incorporação de outros contextos culturais estrangeiros.  Nesse sentido, embora todas as sociedades realizem coisas parecidas no cotidiano, o que as identifica social e culturalmente é o modo de ser e de fazer estas coisas, logo, cada sociedade apresenta uma identidade própria, ou seja, como os seus membros realizam ações, tanto coletivas como individuais.
  15. 15. Rega  O homem é tanto produtor como produto da cultura, de forma a se tornar um documento vivo da história da humanidade.
  16. 16. Silvio Romero  A identidade cultural do brasileiro resulta das características da formação étnica do nosso povo 
  17. 17. Sergio Buarque de Holanda (1995)  A identidade cultural do brasileiro decorre do caráter e/ou índole do povo; assim sendo, situa as raízes culturais do brasileiro na cordialidade
  18. 18. Paulo Prado/Cassiano Ricardo e outros  Paulo Prado (1996 ), na tristeza  Cassiano Ricardo (1994) na bondade;  Outros autores situam a identidade cultural do brasileiro nos hábitos, costumes, manifestações artísticas, religiosidade e até em festas populares como carnaval;   Outros, ainda, identificam culturalmente o brasileiro por suas crenças, por exemplo, o compadrismo, o descompromisso, o paternalismo governamental, os preconceitos raciais, o sincretismo religioso, a valorização do estrangeiro e a rejeição do que é nacional. 

×