Reuniao Clinica 28/03 - Supercentenários

565 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
565
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
31
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Reuniao Clinica 28/03 - Supercentenários

  1. 1. ARTIGO SESSÃO CLÍNICA R4 ALANA MENESES SANTOS
  2. 2. INTRODUÇÃOCentenários (100–104 anos)Semi-supercentenários (105–109 anos)Supercentenários (110–119 anos)
  3. 3. INTRODUÇÃO• Supercentenários raros 1:5 milhões em países industrializados• Kestenbaum and Ferguson (2005) EUA-2000: 105 SC/32.920 C• Social Security Administration: Censo americano 1900 – 100.000 nascidas em 1900, homens e mulheres: • Centenários: 0.51% /3.2% • Semisupercentenário: 0.03% / 0.25% • Supercentenário: 0% / 0.004%
  4. 4. Questionamentos
  5. 5. 41% era independente ou dependente levee 15% teve AVC.Doenças que eram comuns nos centenários(DCV, AVC), eram raras nossupercentenários
  6. 6. Willcox DC, Willcox BJ, Wang NC, He Q, Rosenbaum M,Suzuki M. Life at the extreme limit: phenotypiccharacteristics of supercentenarians in Okinawa. JGerontol A Biol Sci Med Sci. 2008;63:1201–1208 83% dos supercentenários não apresentou doença clínica importante até os 105 anos.
  7. 7. • Centenários, 103 anos – AVC, DM, DCV, HAS, Ca, Ca de pele, osteoporose, tireoidopatias, Demência, DPOC – 43% antes dos 80 anos Sobreviventes (survivors) – 42% após os 80 anos  “Adiadores” (delayers) – 15% sem doença até os 100 anos  “Escapadores”(escapers) – Apesar de não ter incapacidades, longo período de doença
  8. 8. Questionamentos• Doenças relacionadas à idade eram raras e início adiado entre os supercentenarianos.• Os participantes de 100 anos não seriam velhos o suficiente para avaliar as relações entre morbidade, incapacidade e sobrevivência próximo do limite de vida.
  9. 9. Objetivo1. Analisar SUPERCENTENÁRIOS a) História médica/Morbidade (doenças) b) Avaliação funcional (física e cognitiva)2. Comparar com outros grupos longevos: controles, nonagenários, centenários e semisupercentenários.
  10. 10. HIPÓTESETHE COMPRESSION OF MORBIDITYHYPOTHESIS – JAMES FRIES, 1980
  11. 11. MÉTODO“Welcome to the largest and most comprehensive study of centenarians and their families in the world!To Discover the Secrets of A Long Healthy and Happy Life…” http://www.bumc.bu.edu/centenarian/
  12. 12. • NECS 1994 Todos centenários de 8 2000 cidades de Boston (demência) Centenários dos EUA 1997 Supercentenários 2012: “We are actively seeking subjects to be in the New England Centenarian Study. The criteria are simply subjects age 105+ years old and their family members.”
  13. 13. • NECS – Centenários: • 30% com certidão • 70% idade - conhecida devido ao censo em 1900. Confirmava com parentes – Mais jovens: • Participantes sem predisposição para longevidade – Follow-up: 13 anos, média de 03 anos
  14. 14. • NECS 1761 longevos Semisupercentenários Supercentenários Nonagenários Centenários (105-109a) (110-119a) (87-99a) (100-104) N= 430 N= 104 n=343 N= 884 38% 25% 20% 13% 62% 75% 80% 87%
  15. 15. MÉTODOHistória médicaAvaliação física/ funcionalAvaliação cognitiva
  16. 16. - Desde 1999 - Medicações - Presença e idade de início de doençasCâncer: tipoDCV: angina, arritmia, ICC, IAMDPOC: enfisema, bronquiteDemênciaDiabetesHASOsteoporose ou fratura (punho, quadril e vértebra)AVC
  17. 17. Independente: 80–100mínima assistência: 60–79 dependência parcial: 40–59 muito dependente: 20–39 CORTE : < 80dependência total : 0–19
  18. 18. Avaliação cognitiva• Blessed Information-Memory-Concentration [BIMC] Test – Total de 37 pontos: • > 34: sem compromentimento significante • 27–33: compromentimento leve • 21–26: compromentimento moderado • <20: compromentimento severo Corte: <27
  19. 19. RESULTADOSAdiamento no início das doenças relacionadas à idade
  20. 20. Frequência do perfil de morbidade entre os três grupos de idade Survivors (onset of at least one disease prior to age 80 years) Delayers (onset of at least one disease between ages of 80 and 99) Escapers (onset of at least one disease after age 100 years) Excluído HAS e OP.
  21. 21. Trajetória de início das doenças
  22. 22. Hazard Ratios (razão de risco – “risco relativo”) das Doenças Associadas à Idade dosGrupos dos Centenários versus Controles
  23. 23. Hazard Ratios (razão de risco – “risco relativo”) das Doenças Associadas à Idade dosGrupos dos Centenários versus Controles
  24. 24. Hazard Ratios (razão de risco – “risco relativo”) das Doenças Associadas à Idade dosGrupos dos Centenários versus Controles
  25. 25. Hazard Ratios (razão de risco – “risco relativo”) das Doenças Associadas à Idade dosGrupos dos Centenários versus Controles
  26. 26. Hazard Ratios (razão de risco – “risco relativo”) das Doenças Associadas à Idade dosGrupos dos Centenários versus Controles
  27. 27. Hazard Ratios (razão de risco – “risco relativo”) das Doenças Associadas à Idade dosGrupos dos Centenários versus Controles
  28. 28. Hazard Ratios (razão de risco – “risco relativo”) das Doenças Associadas à Idade dosGrupos dos Centenários versus Controles
  29. 29. Estimativa da Idade quando um percentil específico de sujeitostem a primeira experiência de doença associada à idade. atraso 27a
  30. 30. Atraso da morbidade geralDCV, câncer, DPOC, demência, DM, AVC CONTROLE: 71 anos NONAGENÁRIOS: 90 anos CENTENÁRIOS: 95 anos SEMISUPERCENTENÁRIOS: 100 SUPERCENTENÁRIOS: 109 anos
  31. 31. Porcentagem de anos gastos com doençaSupercentenários comprimiram a morbidade mais que os outros
  32. 32. Os que escaparam até os últimos 3 meses de vida sem doença Centenários 3% Semisupercentenários 4% Supercentenários 10%
  33. 33. RESULTADOSAdiamento no início das doenças relacionadas a idade Declínio da função cognitiva
  34. 34. BIMCAplicado em 1374 longevos2075 testes (52% mais de dois testes)3 anos de seguimentoSexo, idade no teste, grupo centenário e interação entreo grupo e idade
  35. 35. SC melhores resultados para mesma idadeA taxa de declínio cognitivo é maior nos mais velhos
  36. 36. Trajetória do declínio cognitivo (Blessed score < 27) nosdiferentes grupos de centenários separados por sexo
  37. 37. Idade de início de declínio cognitivo (Blessed <27) 108
  38. 38. RESULTADOSAdiamento no início das doenças relacionadas a idade Declínio da função cognitiva Declínio da função física
  39. 39. Barthel IndexAplicado em 1605 longevos 313 Nonagenários 794 Centenários 394 Semisupercentenários 102 Supercentenários2681 testes (80% mais de dois testes)3,75 anos de seguimentoSexo, idade no teste, grupo centenário e interação entreo grupo e idade
  40. 40. Trajetória de declínio funcional nos grupos (Barthel<80)
  41. 41. Idade de início de declínio funcional (Barthel <80)
  42. 42. Limitações do estudo1) Efeito voluntário saudável Não afetaria comparações SC menor efeito, foco era estudo genético2) 13% de supercentenários é masculino Outros trabalhos não concordam Subestimando funcionalidade e cognição Erro censo americano3) Amostra História familiar de longevidade excepcional Não serve de base populacional
  43. 43. DISCUSSÃO
  44. 44. - Nonagenários x Centenários x semisupercentenários x SUPERcentenários: 1) Atraso início de doenças relacionadas a idade 2) Atraso declínio funcional e cognitivo. 3) Hazzard ratio mais baixos- SC quando adoecem, já são mais velhos do que a média de vida nos nascidos na corte de 1900.- Sexo masculino obteve melhores resultados, quanto a função física funcional e cognitiva. Mais saudáveis?? - Mulheres são mais longevas - Homens maior mortalidade - Homens que sobrevivem são mais saudáveis
  45. 45. - Algumas doenças foram praticamente inexistentes entre supercentenários, como doença de Parkinson e diabetes. - Doenças incompátiveis com sobrevivência de SC - Efeito voluntário saudável. - Centenários podem ser controle: pelo atraso no início das doenças ou ausência
  46. 46. THE COMPRESSION OF MORBIDITYHYPOTHESIS – JAMES FRIES, 1980“Exaustão da reserva funcional é a chave para entender o limite daexpectativa de vida”As the limit of human life span was effectively approached withsupercentenarians, compression of morbidity was generally observed.
  47. 47. CONCLUSÃO- Progressivo atraso no início do comprometimentofísico, cognitvo, doenças relacionadas a idade, e da morbidadeem geral com o aumento da idade.- Pessoas com idades > 100 anos, têm uma resistência cada vezmaior em relação a doenças relacionadas à idade e porincapacidades e que a sobrevivência de supercentenários seaproxima dos limites da reserva órgânica funcional do serhumano para enfrentar com sucesso as causas agudas de morte
  48. 48. Lista de Supercentenários Age (as of 26Rank Name Sex Birth date Death date Country March 2012) 21 Jeanne 4 August 122 years,1 F February France Calment 1997 164 days 1875 24 30 Sarah 119 years, United2 F September December Knauss 97 days States 1880 1999 Lucy 16 July 21 March 117 years, United3 F Hannah 1875 1993 248 days States Marie- 29 August 16 April 117 years,4 Louise F Canada 1880 1998 230 days Meilleur 14 María 27 August 116 years,5 F September Ecuador Capovilla 2006 347 days 1889 http://en.wikipedia.org/wiki/Supercentenarian
  49. 49. 14 Besse Cooper F 26 August 1896 115 years, 213 days United States
  50. 50. OBRIGADA

×