A Escola tem Futuro?Rui CanárioArtmed, 2006
Rui Canárioeducador português
extratos(André Camargo :: novembro/2012)
O século XXFoi marcado pelo triunfo do projeto deescolarizaçãoA hegemonia da forma escolar, a naturalização e apersistênci...
Mas esse mesmo século pode ser visto como umperíodo de barbáries que tiveram, na Europacivilizada e escolarizada, as suas ...
Quanto mais as nossas sociedades se escolarizam, maisse confrontam com problemas de ordens social eambiental que configura...
Há um desequilíbrio acentuado entre:- o conhecimento científico e técnico quemarca as nossas sociedades&- a imaturidade so...
Escola!Durante séculos, asaprendizagens foramrealizadas emcontinuidade com aexperiência e porimersão na própriarealidade s...
Acontece que a escola – invenção históricarecente – instituiu um espaço e um tempodistintos, destinados às aprendizagens.
Consagrou, por um lado, adicotomia aprender-agir e, por outro,modalidades deaprendizagem que sebaseiam não nacontinuidade,...
A separação da realidade social produziu umefeito de fechamento da escola sobre simesma, cujos inconvenientes estão bempat...
Subestimar a experiência dos aprendentes tem-se traduzido em um déficit de sentido dotrabalho escolar, marcando negativame...
Na prática“é necessário que as crianças que chegam à escola sejamrapidamente transformadas em alunos. Essatransformação, n...
ExemploEsta história diz respeito a um exame acadêmico ese passou com o célebre físico Niels Bohr, aquem, em prova oral, o...
• Primeira solução: deixar cair o barômetro do telhado ecalcular a altura do edifício a partir da medição do tempogasto na...
Depois de enunciar váriasoutras soluções e perante umprofessor previsivelmente irritado,o aluno ainda conseguiu propor,de ...
Tratava-se de utilizar o barômetro como moedade troca para obter a informação desejada naportaria do prédio.
As três características mais marcantesda ESCOLA1. Menosprezo pela experiência não-escolar do aluno
2. Dificuldade dos alunos em atribuir sentidoàs tarefas escolares impostas
3. Tendência a ensinar soluções e darrespostasSubestimando a capacidade de pesquisa e dedescoberta, que exige competências...
Afinal, a maior parte dos problemas importantes tem caráteraberto e indeterminado, admitindo uma pluralidadede soluções po...
HegemoniaEsta forma escolar de conceber o processo de aprenderfoi, progressiva e tendencialmente, constituindo-se como aún...
Esse empobrecimento do campo e dopensamento educativos privou a própria formaescolar de referenciais exteriores que lheper...
NaturalizaçãoA progressiva escolarização das nossassociedades conduziu a quase fazercoincidir a educação com a escola, com...
A escola correspondea uma invençãohistórica recente queemerge nosprincípios damodernidade,coincidindo com atransição dasso...
Apesar de serinequivocamente umacriação humana, aescola, ao tornar-sehegemônica, sofreu umprocesso de“naturalização”, que ...
Só coisa ruim?Não, também uma conquista histórica“a escola correspondeu a uma formidável invençãoorganizacional, que permi...
A escola do futuro?Do meu ponto de vista, é desejável que, nofuturo, a escola possa ser um lugar onde seaprende pelo traba...
Também é desejávelque a escola seja um lugar privilegiado paradesenvolver e estimular o gosto pelo atointelectual de apren...
Finalmenteé bom que a escola corresponda a um lugar onde seadquira o gosto pela política, ou seja:• onde se vive a democra...
É forçoso reconhecer que a escolaatual está bem longe desses anseios!
Para transformar a escolaÉ necessárioagir em3planosfundamentais
É preciso pensar a escola apartir da educação não-escolar1. A escola é muito dificilmentemodificável a partir da suaprópri...
É imprescindível caminhar nosentido de desalienar otrabalho escolar, para que aação de aprender possa servista como uma “o...
As transformações daeducação, e em particular daescola, devem ser o resultadode movimentos sociais quearticulem um projeto...
Em Suma“O grande problema hojenão é só saber como será aescola do futuro, massaber se há um futuro paraa escola.De uma ent...
Muitas das críticas àescolarização, particularmenteas que foram desenvolvidaspelo filósofo austríaco IvanIllich (1926-2002...
A Educação transcende em muito as fronteirasda escola e o modelo ali desenvolvido só teráfuturo se ele tornar-se poroso e ...
André Camargocasaoito@gmail.comfacebook.com/andrecamargocosta
A escola tem futuro
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A escola tem futuro

1.202 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.202
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A escola tem futuro

  1. 1. A Escola tem Futuro?Rui CanárioArtmed, 2006
  2. 2. Rui Canárioeducador português
  3. 3. extratos(André Camargo :: novembro/2012)
  4. 4. O século XXFoi marcado pelo triunfo do projeto deescolarizaçãoA hegemonia da forma escolar, a naturalização e apersistência da configuração organizacional doestabelecimento de ensino
  5. 5. Mas esse mesmo século pode ser visto como umperíodo de barbáries que tiveram, na Europacivilizada e escolarizada, as suas expressões máximas
  6. 6. Quanto mais as nossas sociedades se escolarizam, maisse confrontam com problemas de ordens social eambiental que configuram autênticos impasses decivilização
  7. 7. Há um desequilíbrio acentuado entre:- o conhecimento científico e técnico quemarca as nossas sociedades&- a imaturidade social e política(expressa na incapacidade de controlar os efeitosindesejáveis do progresso)
  8. 8. Escola!Durante séculos, asaprendizagens foramrealizadas emcontinuidade com aexperiência e porimersão na própriarealidade social.
  9. 9. Acontece que a escola – invenção históricarecente – instituiu um espaço e um tempodistintos, destinados às aprendizagens.
  10. 10. Consagrou, por um lado, adicotomia aprender-agir e, por outro,modalidades deaprendizagem que sebaseiam não nacontinuidade, mas naruptura com aexperiência.
  11. 11. A separação da realidade social produziu umefeito de fechamento da escola sobre simesma, cujos inconvenientes estão bempatentes no desejo recorrentementemanifestado de “ligar a escola à vida”.
  12. 12. Subestimar a experiência dos aprendentes tem-se traduzido em um déficit de sentido dotrabalho escolar, marcando negativamente arelação com o saber.
  13. 13. Na prática“é necessário que as crianças que chegam à escola sejamrapidamente transformadas em alunos. Essatransformação, no entanto, tem um preço: é o fim da individualidade e dasingularidade de cada sujeito, além da não-valorização de suaexperiência anterior na construção e aquisição de novosconhecimentos, o que torna difícil dar um sentido positivo para otrabalho e a experiência escolares.”fonte: entrevista a Revista Impressão Pedagógica
  14. 14. ExemploEsta história diz respeito a um exame acadêmico ese passou com o célebre físico Niels Bohr, aquem, em prova oral, o professor teria perguntadocomo se media a altura de um edifício com base nautilização de um barômetro. A resposta esperadatinha como base a variação dos valores da pressãoatmosférica, medida na base e no topo do edifício.O aluno foi propondo soluções, sucessivamenterejeitadas pelo professor por não corresponderem auma “boa resposta”
  15. 15. • Primeira solução: deixar cair o barômetro do telhado ecalcular a altura do edifício a partir da medição do tempogasto na queda (recorrendo a um cronômetro)• Segunda: pendurar o barômetro com uma corda, a partirdo telhado e até tocar no chão. Descer e medir a corda• Terceira: colocar o barômetro ao sol e determinar a alturado edifício, a partir do conhecimento da altura dobarômetro, do comprimento de suas sombras e do próprioedifício• Quarta: utilizar o barômetro como unidade-padrão para“medir” o edifício em “barômetros”
  16. 16. Depois de enunciar váriasoutras soluções e perante umprofessor previsivelmente irritado,o aluno ainda conseguiu propor,de forma provocativa, uma última maneira deproceder para resolver o problema, recorrendo, destavez, a competências de natureza social.
  17. 17. Tratava-se de utilizar o barômetro como moedade troca para obter a informação desejada naportaria do prédio.
  18. 18. As três características mais marcantesda ESCOLA1. Menosprezo pela experiência não-escolar do aluno
  19. 19. 2. Dificuldade dos alunos em atribuir sentidoàs tarefas escolares impostas
  20. 20. 3. Tendência a ensinar soluções e darrespostasSubestimando a capacidade de pesquisa e dedescoberta, que exige competências para equacionarproblemas e imaginar diferentes soluções.
  21. 21. Afinal, a maior parte dos problemas importantes tem caráteraberto e indeterminado, admitindo uma pluralidadede soluções possíveis
  22. 22. HegemoniaEsta forma escolar de conceber o processo de aprenderfoi, progressiva e tendencialmente, constituindo-se como aúnica maneira de conceber a educação, o que teve duasconsequências fundamentais:1. Conferir à escola o quase monopólio da açãoeducativa (desvalorizando os saberes não adquiridos porvia escolar)2. Contaminar todas as modalidades educativasnão-escolares, transformando-as à sua imagem esemelhança
  23. 23. Esse empobrecimento do campo e dopensamento educativos privou a própria formaescolar de referenciais exteriores que lhepermitiriam criticar-se e se transformar. Emsíntese, durante o século XX, a educaçãotornou-se refém da forma escolar.
  24. 24. NaturalizaçãoA progressiva escolarização das nossassociedades conduziu a quase fazercoincidir a educação com a escola, comose fossem a mesma coisa.
  25. 25. A escola correspondea uma invençãohistórica recente queemerge nosprincípios damodernidade,coincidindo com atransição dassociedades de AntigoRegime para asmodernassociedades liberais eindustriais.
  26. 26. Apesar de serinequivocamente umacriação humana, aescola, ao tornar-sehegemônica, sofreu umprocesso de“naturalização”, que tornadifícil um distanciamentocrítico. Ou seja, a escolanão é vista como umarealidade social, mas simcomo algo de “natural”e, portanto, imutável.
  27. 27. Só coisa ruim?Não, também uma conquista histórica“a escola correspondeu a uma formidável invençãoorganizacional, que permitiu que um mestrepudesse ensinar simultaneamente muitos alunos,como se fossem um só. A invenção da organizaçãopor classes permitiu passar do ensino individual aoensino simultâneo e, assim, lançar a base do queviria a ser uma escola de massas.”fonte: entrevista a Revista Impressão Pedagógica
  28. 28. A escola do futuro?Do meu ponto de vista, é desejável que, nofuturo, a escola possa ser um lugar onde seaprende pelo trabalho, e não para otrabalho.
  29. 29. Também é desejávelque a escola seja um lugar privilegiado paradesenvolver e estimular o gosto pelo atointelectual de aprender cujo valor reside na possibilidade deinvestir o que se aprende(para “ler” e intervir no mundo)
  30. 30. Finalmenteé bom que a escola corresponda a um lugar onde seadquira o gosto pela política, ou seja:• onde se vive a democracia• onde se aprende• a ser intolerante com as injustiças• e a exercer o direito à palavra
  31. 31. É forçoso reconhecer que a escolaatual está bem longe desses anseios!
  32. 32. Para transformar a escolaÉ necessárioagir em3planosfundamentais
  33. 33. É preciso pensar a escola apartir da educação não-escolar1. A escola é muito dificilmentemodificável a partir da suaprópria lógica2. Nossas aprendizagensmais importantes sãoda ordem do não-formal1.
  34. 34. É imprescindível caminhar nosentido de desalienar otrabalho escolar, para que aação de aprender possa servista como uma “obra”.2.
  35. 35. As transformações daeducação, e em particular daescola, devem ser o resultadode movimentos sociais quearticulem um projeto deescola com um projeto socialNão será possível uma escolaque promova a realização dapessoa, livre de tiranias e deexploração, em um sociedadebaseada em valores e empressupostos que sejam o seuoposto3.
  36. 36. Em Suma“O grande problema hojenão é só saber como será aescola do futuro, massaber se há um futuro paraa escola.De uma entrevista aPaula Nadal
  37. 37. Muitas das críticas àescolarização, particularmenteas que foram desenvolvidaspelo filósofo austríaco IvanIllich (1926-2002), quedefendia uma sociedade seminstituições oficiais de ensino,aparecem hoje como bastanterealistas. Em muitosaspectos, a escola deixoude ser a solução para fazerparte do problema.
  38. 38. A Educação transcende em muito as fronteirasda escola e o modelo ali desenvolvido só teráfuturo se ele tornar-se poroso e deixar-secontaminar por diferentes formas educativas.”
  39. 39. André Camargocasaoito@gmail.comfacebook.com/andrecamargocosta

×