Empreendedorismo (17/11/2014)

615 visualizações

Publicada em

Slides da aula apresentada no dia 17 de novembro de 2014.

Disciplina: Gestão de Projetos e Empreendedorismo.

Tema da aula: Como nasce um empreendimento? Ideação. Plano de Negócios. Quadro do Modelo de Negócios. Lean Canvas e Lean Startup.

Publicada em: Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
615
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
30
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Empreendedorismo (17/11/2014)

  1. 1. Empreendedorismo Alessandro Almeida | www.alessandroalmeida.com 17/11/2014 2° Semestre de 2014 SIN-NA7
  2. 2. Ou, o gatilho do empreendedor!
  3. 3. Uma ideia! Execução! Uma necessidade (minha ou de outra pessoa) Incômodo com alguma situação Ociosidade Crises Sofrimento ONDE TUDO COMEÇA:
  4. 4. Uma ideia! Execução! Uma necessidade (minha ou de outra pessoa) Incômodo com alguma situação Ociosidade Crises Sofrimento ONDE TUDO COMEÇA:
  5. 5. Desenvolvendo uma ideia
  6. 6. Vocês são empreendedores em busca de uma nova oportunidade de negócio Em grupos, realizem um brainstorming que busque soluções para um problema escolhido pelo grupo
  7. 7. Selecionem duas soluções e... Descrevam cada solução em uma frase objetiva, de fácil entendimento O que é necessário para implementá-la? Como o modelo de negócio será viabilizado?
  8. 8. GERAÇÃO SÍNTESE
  9. 9. Nosso próximo passo!
  10. 10. Os nove componentes que definem um modelo de negócios
  11. 11. Um Modelo de Negócios descreve a lógica de criação, entrega e captura de valor por parte de uma organização
  12. 12. Como podemos documentar nosso modelo de negócios?
  13. 13. Documento onde o negócio é descrito nos detalhes pertinentes aos objetivos que visa cumprir e ao público a quem é apresentado “objetivos que visa cumprir”... desde um estudo da viabilidade da ideia até a obtenção de recursos para iniciar o empreendimento
  14. 14. Pode ser um documento complexo... Plano de Marketing ▪Análise do mercado, dos concorrentes, dos fornecedores e dos clientes Estratégia de Marketing ▪Objetivos, produto, preço, distribuição, comunicação Plano Financeiro ▪Investimentos iniciais, apuração dos resultados, fluxo de caixa, ponto de equilíbrio Produção e Operações ▪Equipamentos Etc... ... e com dezenas de páginas
  15. 15. Basicamente, sua construção é um exercício de pesquisa feito por um empreendedor... Antes mesmo de ter começado a criar o produto
  16. 16. Considera a premissa de que é possível responder a maioria das interrogações de um empreendimento, antes de colocar a ideia em prática
  17. 17. Somente após finalizar o plano de negócios o empreendimento entra em operação...
  18. 18. Em poucas semanas ou meses alguém pode fazer acontecer a ideia que você teve hoje!
  19. 19. Por isso, talvez o modelo tradicional de Plano de Negócios fique obsoleto...
  20. 20. ...ou possa ser resultado de um trabalho mais dinâmico, colaborativo e focado no cliente
  21. 21. Os nove componentes
  22. 22. 1.Segmentos de Clientes 2.Proposta de Valor 3.Canais 4.Relações com os Clientes 5.Fontes de Receita 6.Principais Recursos 7.Principais Atividades 8.Principais Parceiros 9.Estrutura de Custos
  23. 23. Para quem estamos criando valor? Quem são os nossos clientes mais importantes?
  24. 24. Nespresso Residências Empresas
  25. 25. Quais problemas de nossos clientes estamos ajudando a resolver? Quais necessidades estamos satisfazendo? Quais pacotes de produtos e serviços estamos oferecendo a cada segmento de clientes?
  26. 26. Nespresso Expresso de alto nível e qualidade de restaurante em casa
  27. 27. Através de quais canais os segmentos de clientes querem ser abordados? Como iremos alcançar e nos comunicar com os Segmentos de Clientes?
  28. 28. Nespresso Nespresso Boutiques nespresso.com Call Center Revenda Pedido por correio
  29. 29. Como conquistamos, mantemos e expandimos nossa base de clientes? Quais tipos de relações desejamos estabelecer? Pode variar desde relações pessoais até automatizadas
  30. 30. Nespresso Clube Nespresso
  31. 31. Por qual benefício (valor) nossos clientes estão dispostos a pagar? Por qual pagam atualmente? Qual é o modelo de precificação?
  32. 32. Nespresso Principais receitas: Cápsulas Outras: Máquinas e Acessórios
  33. 33. Quais são os recursos mais importantes exigidos pelas Propostas de Valor, Segmentos de Clientes, Canais, Relações com os Clientes e Fontes de Receita para fazer o modelo de negócios funcionar?
  34. 34. Nespresso Canais de distribuição Fábricas Marcas Patentes do sistema
  35. 35. Quais são as atividades mais importantes exigidas pelas Propostas de Valor, Segmentos de Clientes, Canais, Relações com os Clientes e Fontes de Receita para fazer o modelo de negócios funcionar?
  36. 36. Nespresso Marketing Produção Logística
  37. 37. Quem são os nossos principais parceiros e fornecedores? Quais recursos cruciais estamos adquirindo de nossos parceiros? Quais atividades cruciais nossos parceiros executam?
  38. 38. Nespresso Fabricantes de máquinas de café Produtores de café
  39. 39. Quais os custos mais importantes em nosso modelo de negócios? Dentre os principais recursos e atividades, quais são os mais caros?
  40. 40. Nespresso Fabricação Marketing Distribuição & Canais
  41. 41. O Quadro do Modelo de Negócios permite a visualização dos nove componentes de um negócio em uma única página...
  42. 42. Referências: http://bmgenbrasil.com/ e http://www.businessmodelgeneration.com/ Nespresso Expresso de alto nível e qualidade de restaurante em casa Clube Nespresso Residências Nespresso Boutiques nespresso.com Call Center Revenda Principais receitas: Cápsulas Outras: Máquinas e Acessórios Fabricação Marketing Distribuição & Canais Marketing Produção Canais de distribuição Fábricas Marcas Patentes do sistema Fabricantes de máquinas de café Produtores de café Logística Empresas Pedido por correio
  43. 43. VALOR
  44. 44. EFICIÊNCIA
  45. 45. Construção colaborativa! Equipe Clientes Parceiros e Fornecedores Todos que puderem contribuir! Permite uma visão clara e rápida do modelo de negócios
  46. 46. A construção do Quadro pode ser tão trabalhosa quanto a criação de um Plano de Negócios, mas o processo é menos burocrático... E muito mais dinâmico e divertido!
  47. 47. Células de Estudo (2014) Promover a evolução cultural de crianças, jovens e adultos de comunidades carentes através da utilização de todos os recursos tecnológicos e pedagógicos disponíveis
  48. 48. Células de Estudo (2014) Promover a evolução cultural de crianças, jovens e adultos de comunidades carentes através da utilização de todos os recursos tecnológicos e pedagógicos disponíveis Adolescentes Crianças Adultos Famílias dos participantes do projeto Somente moradores de regiões periférias (avaliar indicador: IDH?)
  49. 49. Células de Estudo (2014) Promover a evolução cultural de crianças, jovens e adultos de comunidades carentes através da utilização de todos os recursos tecnológicos e pedagógicos disponíveis Adolescentes Crianças Adultos Famílias dos participantes do projeto Somente moradores de regiões periférias (avaliar indicador: IDH?) Escolas públicas (rede estadual) ONGs da região?
  50. 50. Células de Estudo (2014) Promover a evolução cultural de crianças, jovens e adultos de comunidades carentes através da utilização de todos os recursos tecnológicos e pedagógicos disponíveis Adolescentes Crianças Adultos Famílias dos participantes do projeto Somente moradores de regiões periférias (avaliar indicador: IDH?) Escolas públicas (rede estadual) ONGs da região? Rede de empregos Encontro anual das células APLs e Cooperativas
  51. 51. Células de Estudo (2014) Promover a evolução cultural de crianças, jovens e adultos de comunidades carentes através da utilização de todos os recursos tecnológicos e pedagógicos disponíveis Adolescentes Crianças Adultos Famílias dos participantes do projeto Somente moradores de regiões periférias (avaliar indicador: IDH?) Escolas públicas (rede estadual) ONGs da região? Rede de empregos Encontro anual das células APLs e Cooperativas Principal: Doações (PF ou PJ) Venda de material didático (preço de custo)
  52. 52. Células de Estudo (2014) Promover a evolução cultural de crianças, jovens e adultos de comunidades carentes através da utilização de todos os recursos tecnológicos e pedagógicos disponíveis Adolescentes Crianças Adultos Famílias dos participantes do projeto Somente moradores de regiões periférias (avaliar indicador: IDH?) Escolas públicas (rede estadual) ONGs da região? Rede de empregos Encontro anual das células APLs e Cooperativas Principal: Doações (PF ou PJ) Venda de material didático (preço de custo) Marca Voluntários Dinâmica inovadora
  53. 53. Células de Estudo (2014) Promover a evolução cultural de crianças, jovens e adultos de comunidades carentes através da utilização de todos os recursos tecnológicos e pedagógicos disponíveis Adolescentes Crianças Adultos Famílias dos participantes do projeto Somente moradores de regiões periférias (avaliar indicador: IDH?) Escolas públicas (rede estadual) ONGs da região? Rede de empregos Encontro anual das células APLs e Cooperativas Principal: Doações (PF ou PJ) Venda de material didático (preço de custo) Criar material didático Promover os cursos e eventos Captação de recursos e voluntários Marca Voluntários Dinâmica inovadora
  54. 54. Células de Estudo (2014) Promover a evolução cultural de crianças, jovens e adultos de comunidades carentes através da utilização de todos os recursos tecnológicos e pedagógicos disponíveis Adolescentes Crianças Adultos Famílias dos participantes do projeto Somente moradores de regiões periférias (avaliar indicador: IDH?) Escolas públicas (rede estadual) ONGs da região? Rede de empregos Encontro anual das células APLs e Cooperativas Principal: Doações (PF ou PJ) Venda de material didático (preço de custo) Criar material didático Promover os cursos e eventos Captação de recursos e voluntários Marca Voluntários Dinâmica inovadora Escolas Empresas ONGs Associações dos Bairros
  55. 55. Células de Estudo (2014) Promover a evolução cultural de crianças, jovens e adultos de comunidades carentes através da utilização de todos os recursos tecnológicos e pedagógicos disponíveis Adolescentes Crianças Adultos Famílias dos participantes do projeto Somente moradores de regiões periférias (avaliar indicador: IDH?) Escolas públicas (rede estadual) ONGs da região? Rede de empregos Encontro anual das células APLs e Cooperativas Principal: Doações (PF ou PJ) Venda de material didático (preço de custo) Material didático Ajuda de custo para os voluntários Criar material didático Promover os cursos e eventos Captação de recursos e voluntários Marca Voluntários Dinâmica inovadora Escolas Empresas ONGs Associações dos Bairros
  56. 56. Mais uma opção para definir o seu modelo de negócios
  57. 57. A partir das ideias do Business Model Canvas (o Quadro do Modelo de negócios, que citamos nos slides anteriores), Ash Maurya criou o Lean Canvas
  58. 58. A estrutura do Lean Canvas é semelhante ao Quadro do Modelo de Negócios, mas o autor substituiu alguns componentes... Quadro do Modelo de Negócios Lean Canvas Principais parceiros O problema Principais atividades A solução Principais recursos Métricas principais Relações com os clientes Vantagem competitiva
  59. 59. Instituição humana projetada para criar novos produtos e serviços sob condições de extrema incerteza Um empreendimento
  60. 60. Em vez de lançar um produto totalmente acabado, a partir de um plano de negócios, a ideia é testar hipóteses, apresentando um produto mínimo viável aos stakeholders Hipóteses apresentadas no Quadro do Modelo de Negócios
  61. 61. Produto Mínimo Viável... Maneira mais rápida de entregar valor para o cliente (produto ou serviço), obtendo feedbacks para rodar novamente o ciclo e gerar um novo produto mínimo viável
  62. 62. Produto Mínimo Viável... É definido na Proposta de Valor do Quadro do Modelo de Negócios Qual será o produto mínimo viável?
  63. 63. O foco é buscar um modelo de negócios adequado a partir da constante interação com o público-alvo
  64. 64. Planejamento Requisitos Análise & Design Implementação Teste Avaliação
  65. 65. Planejamento Requisitos Análise & Design Implementação Teste Avaliação Produto mínimo viável
  66. 66. Planejamento Requisitos Análise & Design Implementação Teste Avaliação Feedback de clientes
  67. 67. Jogarei fora meus livros sobre Plano de Negócios!!!
  68. 68. QUADRO DO MODELO DE NEGÓCIOS PLANO DE NEGÓCIOS •Foco na entrega de valor no menor prazo possível (fluxo da startup enxuta) •Maior participação das partes interessadas no processo de criação •Dinamismo •Permite testar as hipóteses (fluxo da startup enxuta) •Apresentação simples pode ser essencial para a “venda” da ideia (pitch) •Análise detalhada do cenário •Mais planejamento •Foco na mitigação de riscos •Visão das possibilidades •Mais tempo para ter algum produto ou serviço disponível •Pode ser exigido pelos possíveis investidores
  69. 69. QUADRO DO MODELO DE NEGÓCIOS PLANO DE NEGÓCIOS •Foco na entrega de valor no menor prazo possível (fluxo da startup enxuta) •Maior participação das partes interessadas no processo de criação •Dinamismo •Permite testar as hipóteses (fluxo da startup enxuta) •Apresentação simples pode ser essencial para a “venda” da ideia (pitch) •Análise detalhada do cenário •Mais planejamento •Foco na mitigação de riscos •Visão das possibilidades •Mais tempo para ter algum produto ou serviço disponível •Pode ser exigido pelos possíveis investidores
  70. 70. QUADRO DO MODELO DE NEGÓCIOS PLANO DE NEGÓCIOS •Foco na entrega de valor no menor prazo possível (fluxo da startup enxuta) •Maior participação das partes interessadas no processo de criação •Dinamismo •Permite testar as hipóteses (fluxo da startup enxuta) •Apresentação simples pode ser essencial para a “venda” da ideia (pitch) •Análise detalhada do cenário •Mais planejamento •Foco na mitigação de riscos •Visão das possibilidades •Mais tempo para ter algum produto ou serviço disponível •Pode ser exigido pelos possíveis investidores
  71. 71. O Quadro do Modelo de Negócios pode ser um ponto de partida para o Plano de Negócios... Após vários ciclos de teste das hipóteses
  72. 72. O Quadro do Modelo de Negócios pode ser um resumo do Plano de Negócios existente... Para colher os benefícios da metodologia, você terá que assumir o risco de descartar o Plano de Negócios criado
  73. 73. Eles também podem ser criados em paralelo... Loucura!
  74. 74. A combinação do Quadro do Modelo de Negócios + metodologia Startup Enxuta pode ser o ideal para quem deseja empreender – principalmente – em negócios digitais... Colaboração Velocidade Simplicidade Participação constante do cliente
  75. 75. O Plano de Negócios não pode ser ignorado, pois será útil para fornecer uma visão detalhada de como o empreendimento vai funcionar... O empreendedor deve avaliar o melhor momento de construí-lo
  76. 76. 1.Assumir riscos racionalmente 2.Identificar oportunidades sistematicamente 3.Valorizar e buscar o conhecimento 4.Habilidade com a organização 5.Tomada de decisões como um processo
  77. 77. 6.Desenvolver a liderança 7.Dinamismo, nunca acomodação 8.Autonomia 9.Otimismo 10.“Tino” empresarial
  78. 78. alessandro.almeida@uol.com.br www.alessandroalmeida.com/unifieo.htm www.slideshare.net/alessandroalmeida

×