Classes sociais 19

592 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
592
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
188
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Classes sociais 19

  1. 1. Componentes : Dener, Giovani, Marlon, Vinicius
  2. 2. Os cidadãos Os homens livres e nascidos nas cidades-estados eram proprietários de terras, formavam a aristocracia rural, e possuíam uma boa condição econômica e social. Conhecidos como eupátridas em Atenas, eram os únicos que possuíam direitos políticos. Vale lembrar que as mulheres e crianças de Atenas não eram considerados cidadãos e, portanto, não podiam participar da vida pública. Formavam a minoria da sociedade. Os estrangeiros Originários de outras cidades-estados, colônias ou regiões, os periecos trabalhavam com artesanato e comércio. Não podiam participar da vida pública de Atenas, pois não possuíam direitos políticos. Os periecos também não podiam ser proprietários rurais. Os escravos Era a grande maioria da sociedade. Eram, principalmente, prisioneiros de guerras, capturados e comercializados. Executavam quase todo tipo de trabalho, desde atividades domésticas até trabalho pesado na extração de minérios. A base da mão-de-obra na agricultura também era escrava. Tinham uma vida marcada por sofrimento, pobreza e desrespeito. Em função destas condições, ocorreram várias revoltas sociais envolvendo os escravos gregos.
  3. 3. Em Esparta a sociedade era estamental, ou seja, dividida em camadas sociais onde havia pouca mobilidade. A sociedade estava composta da seguinte forma: Esparciatas: eram os cidadãos de Esparta. Filhos de mães e pais espartanos, haviam recebido a educação espartana. Esta camada social era composta por políticos, integrantes do exército e ricos proprietários de terras. Só os esparciatas tinham direitos políticos. Periecos: eram pequenos comerciantes e artesãos. Moravam na periferia da cidade e não possuíam direitos políticos. Não recebiam educação, porém tinham que combater no exército, quando convocados. Eram obrigados a pagar impostos. Hilotas: levavam uma vida miserável, pois eram obrigados a trabalhar quase de graça nas terras dos esparciatas. Não tinham direitos políticos e eram alvos de humilhações e massacres. Chegaram a organizar várias revoltas sociais em Esparta, combatidas com extrema violência pelo exército.
  4. 4. O feudalismo foi um sistema social e político que se desenvolveu na Europa no período conhecido como Idade Média. É provável que tenha começado após o reino de Carlos Magno, líder do Império Romano. As pessoas estabeleciam relacionamentos dentro de suas unidades que lhes permitiam viver em relativa paz. Como funcionava o feudalismo Para proteger-se, os senhores das terras locais construíam castelos. Eles contavam, também, com guerreiros a cavalo chamados cavaleiros. Um senhor e seus cavaleiros selavam um pacto, prestando juramentos de lealdade. A cada cavaleiro, também conhecido como vassalo, o senhor concedia um pedaço de terra chamado feudo. Os camponeses ocupavam a posição mais baixa na sociedade feudal, trabalhando na terra e prestando outros serviços para os senhores e vassalos. Os servos da gleba eram camponeses que viviam próximo ao castelo do senhor. Não eram escravos, mas também não eram livres para sair dali. Eles deviam ao senhor trabalho e alimentos. Em troca, recebiam proteção contra ataques externos.
  5. 5. O feudalismo surgiu em tempos de violência e desordem. O novo sistema trouxe segurança e ordem, permitindo que as pessoas viajassem e que o comércio se desenvolvesse. As pessoas começaram a enriquecer, e o uso do dinheiro tornou-se mais comum. Com o tempo, os vassalos passaram a pagar aluguel a seus senhores, em vez de prestar serviços militares a eles. No século XIV o feudalismo já havia desaparecido quase por completo. Os europeus criaram novas formas de governo, não baseadas no feudo. A monarquia – o governo exercido por reis – fortaleceu-se.
  6. 6. A estrutura feudal está associada a formas de descentralização política, com a posse condicional da terra pelos senhores feudais baseada em algum tipo de serviço por eles prestado. Para garantir os serviços civis e militares de que carece, o soberano reparte as suas terras em feudos que distribui por vassalos com quem estabelece um contrato. Na sua essência, o feudalismo ocupou uma fatia mais ou menos significativa no seu tempo histórico. É uma forma de organização interna das classes dominantes, que une estreitamente quatro elementos: vassalagem, benefício, senhorio e sistema dominial de exploração da terra. São considerados elementos fundamentais do feudalismo: 1. a relação direta do soberano e do vassalo firmada através dum contrato que liga as partes a uma fidelidade recíproca, devendo uma à outra proteção como permuta dos seus comuns serviços; 2. o domínio útil da terra, na condição de assegurar o serviço de numerosas pessoas, e o usufruto direto concedido ao residente
  7. 7. E um conjunto de mudanças, que ocorreram na Europa nos séculos XVIII e XIX, teve inicio na Inglaterra, trocando homens por maquinas. Primeira etapa da Revolução Industrial (1760-1860), somente na Inglaterra, surgimento de indústrias de tecidos de algodão, usando o tear mecânico, o aperfeiçoamento das máquinas a vapor contribuíram para a continuação da Revolução. Segunda etapa Países como França, Alemanha, Itália e Rússia se industrializaram, utilização do aço, o uso da energia elétrica e dos combustíveis derivados do petróleo, a invenção do motor a explosão, da locomotiva a vapor e o desenvolvimento de produtos químicos marcaram esse período. Terceira etapa: (1900- Agora) o computador, fax, celular, a tecnologia.

×