Aula 06 portugues - aula 03

144 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
144
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 06 portugues - aula 03

  1. 1. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 1 Aula 03 Concordância nominal e verbal. Chegamos à nossa terceira aula! Estou muito feliz de ver vários companheiros participando do fórum. Sei que o conteúdo das diversas disciplinas para esta prova é grande, mas evite deixar a matéria acumular; pois esse é um elemento desmotivador. Não se abale com a sobrecarga de conteúdo, pense que metade dos candidatos inscritos leva o concurso a sério, a outra metade desiste de estudar ou se engana, estudando pouco. Mas seu investimento é para estar no grupo forte que vai passar! Por isso estamos aqui! Queremos vê-lo mais forte, mais confiante para “arrebentar” na hora da prova!!! Olha, pessoal! Peço que olhem novamente a aula 1, pois eu fiz uma retificação do comentário da questão 45. Procurei manter a paginação para evitar desperdício de impressão, ok?! O tema desta aula é muito importante. Então, atenção na teoria, porque vamos praticar bastante!!! Bom, na aula 1, vimos a estrutura básica da oração e faltou nos determos aos tipos de sujeito, para entendermos a flexão do verbo (concordância verbal). Nesta aula também vamos trabalhar as possibilidades de flexão do predicativo e do adjunto adnominal (concordância nominal). O assunto “voz verbal passiva” não está especificamente previsto no edital do INSS, mas isso é cobrado justamente na concordância verbal. Por isso, trabalharemos este assunto no final desta aula. Vamos a um breve resumo! Tipos de sujeito 1. Determinado a) Simples: constituído de apenas um núcleo (palavra de valor substantivo). Uma boa Constituição é desejada por todos. Adj Adn Adj Adn núcleo sujeito simples predicado Muito cuidado quando o sujeito é extenso, pois o verbo fica distante do núcleo do sujeito e algumas vezes pode haver confusão na flexão do verbo. Veja: O valor das mensalidades do curso preparatório para a carreira jurídica subiu muito no último semestre. Mas tome cuidado com as expressões partitivas a maior parte, grande parte, a maioria, grande número, que podem fazer com que o verbo concorde com o núcleo ou com o adjunto adnominal: Português para INSS (questões comentadas)
  2. 2. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 2 A maior parte dos constituintes se retirou. Grande parte dos torcedores aplaudiram a jogada. O mesmo pode ocorrer com o substantivo coletivo com especificador que, no plural (adjunto adnominal), pode levar o verbo ao singular ou ao plural. Veja: Um bando de ladrões invadiu a festa. Um bando de ladrões invadiram a festa. b. Sujeito composto: formado por mais de um núcleo: Manuel e Cristina pretendem casar-se. núcleo conjunção aditiva núcleo predicado Cuidado quando o sujeito composto estiver depois do verbo, pois este pode concordar por atração: Discutiram muito o chefe e o funcionário. Discutiu muito o chefe e o funcionário. Se houver ideia de reciprocidade, o verbo vai para o plural: Estimam-se o chefe e o funcionário. c. Oculto ou desinencial: é o que ocorre quando a terminação verbal (primeiras e segundas pessoas e a terceira do imperativo) dispensa o uso do pronome pessoal correspondente: Estou muito feliz. (eu) Estás muito feliz. (tu) Para o teu carro. (tu no imperativo) Pare o seu carro. (você no imperativo) Voltaremos logo! (nós) Voltastes logo! (vós) d. Elíptico: aquele que não está literalmente escrito na oração. Há omissão (elipse) do sujeito por estar facilmente subentendido no contexto: Os alunos ficaram descontentes com a atitude do professor. Deixaram de ir à aula no dia seguinte. O verbo “Deixaram” está flexionado no plural, porque o seu sujeito está subentendido: “Os alunos”. 2. Indeterminado a) Com o verbo na terceira pessoa do plural sem o sujeito escrito no texto: Falaram bem de você. Colocaram o anúncio. Alugaram o apartamento. Observe que não há referência a outra palavra como o verbo do sujeito elíptico faz. b) Com o “índice de indeterminação do sujeito” se e verbo no singular: Precisa -se de ajudantes. VTI IIS objeto indireto Os verbos transitivos indiretos (VTI), intransitivos (VI) e de ligação (VL), quando acrescidos do pronome “se” (índice de indeterminação do sujeito), terão sujeito indeterminado e devem ficar sempre no singular: Trata-se de casos delicadíssimos. (verbo transitivo indireto) Vive-se melhor fora das cidades grandes. (verbo intransitivo) É-se muito pretensioso na adolescência. (verbo de ligação)
  3. 3. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 3 3. Oração sem sujeito: I - Verbos que exprimem fenômenos da natureza: Venta muito naquela cidade. Amanhã não choverá. Amanheceu! Choveu pouco no último mês. II - Verbo haver significando existir, ocorrer: Havia muitas pessoas na sala. Há vários problemas na empresa. Tome cuidado quando esse verbo for o principal numa locução verbal. Seu verbo auxiliar não pode se flexionar. Veja: Deve haver vários problemas na empresa. (“vários problemas” é apenas um complemento do verbo) Tem havido vários problemas na empresa. (“vários problemas” é apenas um complemento do verbo) Está havendo vários problemas na empresa. (“vários problemas” é apenas um complemento do verbo) Mas, quando se substitui o verbo “haver” por seus sinônimos “existir” ou “ocorrer”, passa-se a sujeito determinado simples. Veja: Existem vários problemas na empresa. (“vários problemas” é o sujeito) Devem existir vários problemas na empresa.(“vários problemas” é o sujeito) Têm ocorrido vários problemas na empresa. (“vários problemas” é o sujeito) Estão ocorrendo vários problemas na empresa. (“vários problemas” é o sujeito) III - Verbos haver e fazer indicando tempo decorrido ou fenômeno natural: Já faz meses que não viajo com ele. (É a primeira oração que não tem sujeito) Há três anos não vejo minha família. (É a primeira oração que não tem sujeito) Há quatro dias não a vejo. (É a primeira oração que não tem sujeito) Faz muito frio na Europa. IV- Verbos ser, estar e ir (este, quando seguido de para) na indicação de tempo. São três horas. Hoje são dez de setembro. Hoje está muito frio. Já vai para 4 anos que não leio esse jornal. (É a primeira oração que não tem sujeito) Observe que o verbo “ser” concorda com a quantidade de tempo. Não quer dizer que “três horas” e “dez de setembro” (nas orações acima) sejam sujeitos. Deve-se lembrar que todos os verbos vistos podem fazer parte de uma locução verbal. Assim, sendo eles os verbos principais, devem os verbos auxiliares flexionar-se conforme visto acima: Deve ventar muito naquelas cidades. Amanhã não deve chover. Podia haver muitas pessoas na sala. Pode ter havido muitas pessoas na sala. Está fazendo muito frio na Europa. Devem ser três horas. Já deve ir para quatro anos que não leio esse jornal.
  4. 4. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 4 A concordância utilizando o pronome apassivador “se”: Vimos que o pronome “se”, com o verbo transitivo indireto (VTI), intransitivo (VI) e de ligação (VL), tem o nome de índice de indeterminação do sujeito (IIS). Com isso o verbo fica flexionado obrigatoriamente na terceira pessoa do singular. Agora, veremos o pronome “se” com o verbo transitivo direto (VTD) ou com o verbo transitivo direto e indireto (VTDI). Esse “se” é chamado de pronome apassivador. Isso força a seguinte estrutura: VTD + se + sujeito paciente É natural você fazer a seguinte pergunta: se o verbo é transitivo direto, onde está o objeto direto? Bom, como dissemos que esse pronome “se” é o apassivador (P Ap), então temos voz passiva sintética. Na voz passiva, não existe objeto direto. O termo que seria o objeto direto passou a ser o sujeito paciente. Isso será visto adiante na transposição de voz verbal. Por enquanto, tenha em mente a estrutura anterior. Isso ocorre em muitas questões de concordância verbal. Veja como: Aluga-se casa. Alugam-se casas. VTD +PAp+ sujeito paciente VTD + PAp + sujeito paciente Veja que “aluga” é verbo transitivo direto. Assim, o pronome “se” é apassivador e o termo posterior “casa” é o sujeito paciente. Toda vez que tivermos esta estrutura passiva sintética, troque-a pela analítica (casa é alugada), para ter certeza de que realmente há voz passiva. Veja no segundo exemplo. O sujeito ficou no plural (“casas”), por isso o verbo também se flexionou no plural: “Alugam”. Transpondo para a analítica (casas são alugadas), confirmamos que temos voz passiva. O pronome apassivador não ocorre só com o verbo transitivo direto (VTD). Ele também ocorre com o verbo transitivo direto e indireto (VTDI): VTDI + se + OI + sujeito paciente Veja a aplicação: Enviaram-se ao gerente pedidos de aumento. VTDI + PAp + OI + sujeito paciente Para se ter certeza de que há pronome apassivador, basta transformarmos para a voz passiva analítica: Pedidos de aumento foram enviados ao gerente. Essas construções podem ser estruturadas também com locução verbal. Para isso, basta observar a transitividade do verbo principal (sempre o último). Veja: Deve-se alugar casa. Devem-se alugar casas. P Ap + VTD + sujeito paciente P Ap + VTD + sujeito paciente
  5. 5. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 5 Estão-se enviando ao gerente pedidos de aumento. P Ap + VTDI + OI + sujeito paciente Concordância com o pronome relativo “que”: Conversei com o fundador da instituição que cuida de crianças carentes. A oração grifada possui o verbo “cuida”, o qual é transitivo indireto. Seu objeto indireto é “de crianças carentes”. Assim o termo que falta é o sujeito. Perceba que o pronome relativo “que” retoma o substantivo “instituição”. Assim, quando lemos “que”, entendemos “instituição” e então teríamos: “a instituição cuida de crianças carentes”. Veja: Conversei com o fundador da instituição que cuida de crianças carentes. Conversei com o fundador da instituição. A instituição cuida de crianças carentes. É fácil achar o pronome relativo: basta substituí-lo pelos também pronomes relativos “o qual, a qual, os quais, as quais”. Concordância com o pronome relativo “o qual” e suas variações (a qual, os quais, as quais): Este pronome também inicia uma oração subordinada adjetiva. Algumas leis que estão em vigor no país deverão ser revistas. Algumas leis as quais estão em vigor no país deverão ser revistas. Note que “Algumas leis” é o sujeito da locução verbal “deverão ser revistas”, e o pronome relativo “que” (ou “as quais”) é o sujeito do verbo “estão”. Quando se lê “que” ou “os quais”, devemos entender o substantivo “leis”: leis estão em vigor no país. Concordância verbal com o sujeito oracional: Toda vez que houver um verbo referindo-se ao sujeito oracional (oração subordinada substantiva subjetiva), obrigatoriamente deverá permanecer na terceira pessoa do singular. Para ficar bem claro. Quando tivermos um sujeito oracional, troquemos pela palavra ISSO. Como este vocábulo está no singular, o verbo também estará. Vamos fazer um teste: Veja alguns exemplos com orações desenvolvidas: É preciso que se adotem providências eficazes. VL + predicativo + sujeito oracional VTIsujeito objeto indireto VTIsujeito objeto indireto
  6. 6. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 6 Parece estar comprovado que soluções mágicas não funcionam. Locução verbal de ligação + predicativo + sujeito oracional Convém que você fique. VI + sujeito oracional Veja alguns exemplos com orações reduzidas: É preciso adotarem-se providências eficazes. VL + predicativo + sujeito oracional (oração reduzida de infinitivo) Parece estar comprovado não funcionarem soluções mágicas. Locução verbal de ligação + predicativo + sujeito oracional (oração reduzida de infinitivo) Parece ser ela a pessoa indicada. VI + sujeito oracional (oração reduzida de infinitivo) Coube-nos sustentar aquela informação. VTI + OI + sujeito oracional (oração reduzida de infinitivo) Questão 1: TRE PE 2011 Técnico Leia atentamente as afirmações a seguir. I. Essas qualidades contraditórias fazem seu gênio ... Substituindo-se o segmento grifado acima por Esse conjunto de qualidades contraditórias, o verbo fazer pode ser mantido no plural sem prejuízo para a concordância verbal. II. ... Delacroix, o criador de antíteses coloridas tão sonoras quanto as da poesia de Victor Hugo. Respeitando-se a concordância verbal e, em linhas gerais, o sentido, o segmento grifado acima pode ser assim reescrito: quanto as que costumam haver na poesia de Victor Hugo. III. Cézanne admira a maestria plástica de Rubens ... Mantém-se o respeito à concordância verbal e, em linhas gerais, ao sentido caso a frase acima seja assim reescrita: Cézanne admira as obras em que se revela a maestria plástica de Rubens. Está correto SOMENTE o que se afirma em (A) I e III. (B) II e III. (C) I. (D) III. (E) I e II. Comentário: O tópico I está errado, porque, com a substituição, o núcleo do sujeito (“conjunto”) faria com que o verbo “fazer” fosse flexionado no singular, e não no plural, como foi afirmado. Veja: Esse conjunto de qualidades contraditórias faz seu gênio... Com isso, podemos eliminar as alternativas (A), (C) e (E). Isso é preciso. Isso parece estar comprovado. Isso convém. Isso é preciso. Isso parece estar comprovado. Isso parece. Isso nos coube.
  7. 7. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 7 O tópico II está errado, pois, na locução verbal “costumam haver”, o verbo “haver” é o principal e está sendo empregado no sentido de “existir”. Assim, não há sujeito e esta locução verbal deve se flexionar no singular. Veja: ... Delacroix, o criador de antíteses coloridas tão sonoras quanto as que costuma haver na poesia de Victor Hugo. O tópico III está correto. Quanto ao sentido, subentende-se que “a maestria plástica”, em sentido figurado, representa as obras relacionadas a Rubens. Assim, essa maestria é revelada nessas obras. Por isso, de maneira geral, preserva-se o sentido. Quanto à concordância verbal, perceba que o verbo “admira” está corretamente flexionado no singular, concordando com “Cézanne”. O verbo “revela” é transitivo direto, o pronome “se” é apassivador e o sujeito paciente “a maestria plástica de Rubens” está no singular, forçando este verbo ao singular. Gabarito: D Questão 2: TRT 24ªR 2011 Técnico A frase em que há desrespeito às normas de concordância verbal e nominal é: (A) Uma das mais efetivas conquistas decorrentes do avanço tecnológico está na obtenção de safras recordes em áreas reduzidas de plantio. (B) Já estão sendo levados a efeito a aplicação dos recursos tecnológicos no setor de serviços, garantindo-lhes enorme importância na economia. (C) Um feito considerável, resultante das inovações tecnológicas, foi a introdução do uso do etanol em veículos, o que possibilitou o sucesso dos carros flex. (D) A produção de bioplásticos degradáveis constitui um projeto de alto impacto, que vai permitir uma forte expansão da indústria química. (E) Desenvolvem-se atualmente projetos de produção de diesel, a ser obtido a partir do caldo da cana, que não contém enxofre, como o mineral. Comentário: A alternativa (A) está correta, porque o verbo “está” concorda com o sujeito “uma das mais efetivas conquistas decorrentes”, cujo núcleo é “uma”, forçando este verbo ao singular. Note que a expressão “uma das mais efetivas conquistas decorrentes” é apenas o adjunto adnominal e não interfere na concordância. A expressão “do avanço tecnológico” é o complemento nominal e também não interfere na concordância. A alternativa (B) é a incorreta, pois o sujeito paciente “a aplicação” deve forçar a locução verbal “estão sendo levados” a se flexionar no singular e feminino: a aplicação dos recursos tecnológicos já está sendo levada a efeito... Note que o termo “dos recursos tecnológicos” é o complemento nominal e não interfere na concordância. Quanto à concordância nominal, perceba que o pronome “lhes” está flexionado no plural, pois se refere a “serviços”. A concordância com “setor” seria a ideal: garantindo ao setor (“-lhe”) enorme importância. Mas a concordância com “serviços” também é correta: garantindo aos serviços (“- lhes”) enorme importância. (Neste caso, semanticamente, “setor” estaria
  8. 8. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 8 subentendido.) A alternativa (C) está correta, pois o verbo “foi” concorda com o sujeito “Um feito considerável” e o verbo “possibilitou” está no singular, porque o seu sujeito é o pronome relativo “que”, o qual retoma o pronome “o”. A alternativa (D) está correta, pois o verbo “constitui” flexiona-se no singular, para concordar com “produção”, que é o núcleo do sujeito. A locução verbal “vai permitir” está flexionada no singular, porque seu sujeito é o pronome relativo “que”, o qual retoma o substantivo singular “projeto”. A alternativa (E) está correta, pois o verbo “Desenvolvem” é transitivo direto, o pronome “se” é apassivador e o núcleo do sujeito paciente é “projetos”, forçando este verbo ao plural. A locução verbal “ser obtido” está flexionada no singular e no masculino, porque seu sujeito está elíptico e se refere a “diesel”. O verbo “contém” está flexionado no singular, porque o seu sujeito é o pronome relativo “que”, o qual retoma a expressão “caldo de cana”. Gabarito: B Questão 3: TRT 24ªR 2011 Técnico Com a substituição dos segmentos grifados pela expressão entre parênteses ao final da transcrição, o verbo que deverá ser colocado no plural está em: (A) ... em breve, o local vai abrigar um complexo voltado principalmente para o turismo religioso. (a região do Agreste/Trairi). (B) A ocupação portuguesa só se efetivou no final do século, com a fundação do Forte dos Reis Magos e da Vila de Natal. (A ocupação pelos portugueses). (C) A região é grande produtora de sal, petróleo e frutas ... (A região de dunas, falésias e praias desertas). (D) O turismo de aventura encontra seu espaço no Polo Serrano ... (O turismo voltado para atividades de aventura). (E) ... e começou a ganhar importância a extração do sal ... (os recursos obtidos com a extração do sal). Comentário: A alternativa (A) está correta, porque tanto o sujeito “o local”, quanto “a região do Agreste/Trairi” levam a locução verbal “vai abrigar” ao singular. A alternativa (B) está correta, porque tanto o sujeito “A ocupação portuguesa”, quanto “A ocupação pelos portugueses” levam o verbo “efetivou” ao singular. A alternativa (C) está correta, porque o sujeito original “A região”, na segunda construção, foi apenas ampliado pelo adjunto adnominal “de dunas, falésias e praias desertas”, o qual não interfere na concordância verbal. A alternativa (D) está correta, porque o sujeito original “O turismo de aventura”, na segunda construção, foi apenas ampliado pela oração subordinada adjetiva restritiva reduzida de particípio “voltado para atividades de aventura”, a qual não interfere na concordância verbal. A alternativa (E) é a errada, porque o sujeito original “a extração”, seguido de seu complemento nominal “do sal” leva o verbo para o singular. Com a substituição por um núcleo plural “recursos”, naturalmente o verbo irá se flexionar no plural. Veja:
  9. 9. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 9 ...e começaram a ganhar importância os recursos obtidos com a extração do sal. Gabarito: B Questão 4: BB 2011 Escriturário A frase em que a concordância verbal e nominal está inteiramente respeitada é: (A) Ainda não foi suficiente os investimentos na tentativa de redução dos índices de pobreza verificados em todo o mundo. (B) Em relação ao poder aquisitivo, ainda se observa dados assustadores quanto à miséria em que vivem populações inteiras. (C) São claras algumas implicações políticas na área do desenvolvimento humano, pois é imprescindível a ação do poder público na erradicação da miséria. (D) Deve ser levado em conta a sustentabilidade do crescimento econômico, para que se garanta melhorias efetivas das condições de vida da população. (E) Alguns especialistas tende a atribuir à crise financeira a principal razão do retrocesso nos resultados satisfatórios que já tinha sido alcançado. Comentário: A alternativa (A) está errada, pois o sujeito “os investimentos” leva o verbo e seu predicativo ao plural: “foram suficientes”. Note que “verificados” está corretamente flexionado no plural e masculino, por concordar com “índices”. A alternativa (B) está errada, pois o verbo “observa” é transitivo direto, o pronome “se” é apassivador e o sujeito paciente é “dados assustadores”, forçando este verbo ao plural: ainda se observam dados assustadores. O verbo intransitivo “vivem” está corretamente flexionado, porque seu sujeito é “populações inteiras”. Note que “em que” é o adjunto adverbial de modo. (Vivem como? Na miséria.) A alternativa (C) é a correta, pois o verbo “São” e o predicativo “claras” estão concordando com o sujeito “algumas implicações políticas”. O verbo “é” e o predicativo “imprescindível” estão concordando com o sujeito “a ação do poder público”. A alternativa (D) está errada, pois a locução verbal da voz passiva “deve ser levado” tem como sujeito “a sustentabilidade”, o qual força a locução ao singular e feminino: Deve ser levada em conta a sustentabilidade. O verbo “garanta” deve se flexionar no plural, por ser transitivo direto, o pronome “se” é apassivador e o sujeito paciente “melhorias efetivas” força este verbo ao plural: ...que se garantam melhorias efetivas... A alternativa (E) está errada, pois o sujeito “Alguns especialistas” leva o verbo “tende” a se flexionar no plural: tendem. Na oração seguinte, a locução verbal da voz passiva “tinha sido alcançado” deve se flexionar no plural e masculino, por que o seu sujeito é o pronome relativo “que”, o qual retoma o substantivo “resultados”: retrocesso nos resultados satisfatórios que já tinham sido alcançados. Gabarito: C
  10. 10. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 10 Questão 5: BB 2011 Escriturário A concordância verbal e nominal está inteiramente correta na frase: (A) Muitos migrantes nordestinos, que se retiraram para o Sudeste em busca de melhores condições de vida, estão voltando agora para sua região, atraídos pelo bom desempenho da economia. (B) Os investimentos anunciados para o complexo industrial do Porto de Suape, onde se encontra o estaleiro Atlântico Sul, modificou radicalmente a dinâmica da economia da região. (C) Várias empresas, brasileiras e multinacionais, que se instalou no complexo do Porto de Suape, estão gerando dezenas de milhares de empregos à população, antes sem qualquer opção de trabalho. (D) Para todos aqueles que vive na região, a abertura de postos de trabalho significaram a possibilidade de planejar a vida, com projetos de longo prazo, aliados à renda e à estabilidade. (E) O desenvolvimento de tecnologias portadoras de futuro, referência às inovações tecnológicas, resultaram no surgimento de um dos ambientes mais ricos do país na área de inovação e empreendedorismo. Comentário: A alternativa (A) é a correta, pois, na oração principal, a locução verbal “estão voltando” está flexionada no plural, para concordar com o sujeito “Muitos migrantes nordestinos”. Na segunda oração, o verbo “retiraram” está flexionado no plural, porque o sujeito é o pronome relativo “que”, o qual retoma a expressão “muitos migrantes nordestinos”. O particípio “atraídos” está corretamente flexionado no plural para também concordar com “Muitos migrantes nordestinos”. A alternativa (B) está errada, pois, na oração principal, o substantivo “investimentos” é o núcleo do sujeito e força o verbo “modificou” ao plural. O verbo “encontra” está corretamente flexionado no singular, porque o sujeito é “o estaleiro Atlântico Sul”. Veja: Os investimentos anunciados para o complexo industrial do Porto de Suape, onde se encontra o estaleiro Atlântico Sul, modificaram radicalmente a dinâmica da economia da região. A alternativa (C) está errada, pois o verbo “instalou” tem como sujeito o pronome relativo “que”, o qual retoma a expressão plural “Várias empresas, brasileiras e multinacionais”, forçando este verbo ao plural. Já a locução verbal “estão gerando” está corretamente flexionada porque concorda com o sujeito “Várias empresas, brasileiras e multinacionais”. Várias empresas, brasileiras e multinacionais, que se instalaram no complexo do Porto de Suape, estão gerando dezenas de milhares de empregos à população, antes sem qualquer opção de trabalho. A alternativa (D) está errada, pois o verbo “vive” tem como sujeito o pronome relativo “que”, o qual retoma o pronome plural “aqueles”, forçando este verbo ao plural. Na oração seguinte, o núcleo do sujeito “abertura” força o verbo “significaram” ao singular. O adjetivo “aliados” está concordando corretamente com “projetos”.
  11. 11. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 11 Para todos aqueles que vivem na região, a abertura de postos de trabalho significou a possibilidade de planejar a vida, com projetos de longo prazo, aliados à renda e à estabilidade. A alternativa (E) está errada, pois o verbo “resultaram” deve se flexionar no singular, porque o núcleo de seu sujeito está no singular (“desenvolvimento”). O desenvolvimento de tecnologias portadoras de futuro, referência às inovações tecnológicas, resultou no surgimento de um dos ambientes mais ricos do país na área de inovação e empreendedorismo. Gabarito: A Questão 6: TRT 18ªR 2008 Técnico A concordância verbo-nominal está inteiramente correta na frase: (A) A tendência a diminuir o tempo de escrita, aproximando-a ao ritmo da fala, é percebida nas conversas que os adolescentes costumam manter pela internet. (B) Já foi feito mudanças na língua portuguesa em situações em que eram bem menos intensas o ritmo de entrada de palavras e conceitos no cotidiano das pessoas. (C) A correspondência eletrônica que vem substituindo os padrões de comunicação oficial estão se tornando mais informais e rápidas, especialmente nas empresas privadas. (D) A revolução digital ampliou o léxico de muitos idiomas, o português entre eles, e os fizeram pela incorporação de inúmeras palavras vindas diretamente do inglês. (E) O número total de falantes de uma língua são essenciais na determinação da importância que devem ter esse idioma em relação aos demais. Comentário: A palavra em negrito foi corrigida e a sublinhada é a referência para a concordância. a) A tendência a diminuir o tempo de escrita, aproximando-a ao ritmo da fala, é percebida nas conversas que os adolescentes costumam manter pela internet. Esta é a alternativa correta, pois o sujeito “A tendência” leva a locução verbal passiva “é percebida” para o singular e feminino. Note que o pronome “a”, em “aproximando-a”, concorda com “escrita”, por isso está flexionado corretamente. A locução “costumam manter” encontra-se no plural, porque concorda com o sujeito “os adolescentes”. b) Já foram feitas mudanças na língua portuguesa em situações em que era bem menos intenso o ritmo de entrada de palavras e (de) conceitos no cotidiano das pessoas. A locução verbal “foram feitas” deve ser flexionada no plural e feminino para concordar com o núcleo do sujeito “mudanças”. O verbo de ligação “era” e seu predicativo “intenso” deve concordar com “ritmo”, que é o núcleo do sujeito. É importante perceber que o adjunto adnominal está composto, e uma preposição “de” ficou subentendida: “ritmo de entrada de palavras e (de) conceitos”. c) A correspondência eletrônica que vem substituindo os padrões de
  12. 12. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 12 comunicação oficial está se tornando mais informal e rápida, especialmente nas empresas privadas. A locução verbal “está se tornando” deve flexionar-se no singular, pois seu sujeito “A correspondência eletrônica” encontra-se no singular. Esta locução verbal é de ligação, por isso “informal” e “rápida” são predicativos compostos do sujeito, devendo concordar com este mesmo sujeito. Portanto, singular e feminino. d) A revolução digital ampliou o léxico de muitos idiomas, o português entre eles, e o fez pela incorporação de inúmeras palavras vindas diretamente do inglês. A expressão “A revolução digital” é o sujeito dos verbos “ampliou” e “fez”, por isso devem flexionar-se no singular. O pronome demonstrativo reduzido “o” retoma a estrutura “ampliou o léxico de muitos idiomas”; por isso deve se flexionar no singular e masculino. e) O número total de falantes de uma língua é essencial na determinação da importância que deve ter esse idioma em relação aos demais. O núcleo do sujeito (“número”) leva o verbo de ligação “é” e seu predicativo “essencial” para o singular. A locução verbal “deve ter” flexiona-se obrigatoriamente no singular, por concordar com o sujeito “esse idioma”. Note que essa locução é transitiva direta e seu objeto direto é o “que”, o qual retoma “importância”. Gabarito: A Questão 7: TRE MG 2009 Técnico Se for passado para o plural o termo grifado, deverá permanecer no singular o verbo que está em: (A) ... e o processo de desertificação do país continua em crescimento assombroso. (B) Só haverá esperança para os vastos espaços das Geraes ... (C) "Ainda bem que existe o Parque" ... (D) ... exclama o vaqueiro ... (E) ... onde acontece o surpreendente espetáculo da bioluminescência ... Comentário: Note que a banca sublinhou um termo em cada frase. O verbo só vai para o plural se este termo sublinhado for o sujeito e é justamente isso que a banca quer que você note. Somente na alternativa (B) o termo sublinhado não é o sujeito, pois vimos que o verbo “haver”, no sentido de “existir, ocorrer”, não possui sujeito; por isso o verbo flexiona-se no singular. O termo “esperanças” é o objeto direto do verbo “haverá”. Agora veja que todos os termos sublinhados são o sujeito da oração: (A) os processos de desertificação do país continuam em crescimento assombroso. sujeito VI Adj Adv de modo (C) "Ainda bem que existem os Parques" ... VI sujeito (D) ... exclamam os vaqueiros ... (OD está no texto) VTD sujeito (E) ... onde acontecem os surpreendentes espetáculos da bioluminescência ... Adj Adv lugar VI sujeito Gabarito: B
  13. 13. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 13 Questão 8: Agente Fiscal de Rendas-SP 2006 Considere a seguinte frase: A busca de distinção entre o que é “do bem” e o que é “do mal” traz consigo um dilema (...). O verbo trazer deverá flexionar-se numa forma do plural caso se substitua o elemento sublinhado por (A) Essa divisão entre o bem e o mal, à medida que se acentua nos indivíduos, (...). (B) As oscilações que todo indivíduo experimenta entre o bem e o mal (...). (C) O fato de quase todas as pessoas oscilarem entre o bem e o mal (...). (D) A dificuldade de eles distinguirem entre as boas e as más ações (...). (E) Muitas pessoas sabem que tal alternativa, nas diferentes situações, (...). Comentário: Primeiro, devemos observar que, na frase original, o núcleo do sujeito do verbo “traz” é o substantivo “busca”. Na reescrita, para que o verbo fique no plural, deverá haver sujeito composto ou simples com núcleo no plural. A alternativa (A) está errada, porque o núcleo do sujeito é o substantivo singular “divisão”. Veja que o termo composto (entre o bem e o mal) não é o núcleo, é apenas o adjunto adnominal. Logicamente, o trecho entre vírgulas não faz parte do sujeito. A alternativa (B) é a correta, pois o núcleo do sujeito é “oscilações” e leva o verbo a se flexionar no plural (trazem). As oscilações que todo indivíduo experimenta entre o bem e o mal trazem consigo um dilema (...). A alternativa (C) está errada, pois o núcleo do sujeito é o substantivo singular “fato”. A oração “de quase todas as pessoas oscilarem entre o bem e o mal” não faz parte do sujeito, por isso não deve ser levada em conta quanto à flexão do verbo. A alternativa (D) está errada, porque o núcleo do sujeito é o substantivo singular “dificuldade”. A oração “de eles distinguirem entre as boas e as más ações” não faz parte do sujeito, por isso não deve ser levada em conta quanto à flexão do verbo. A alternativa (E) está errada, pois o sujeito do verbo “traz” é “tal alternativa”. A oração “Muitas pessoas sabem que” não faz parte do sujeito, por isso não deve ser levada em conta quanto à flexão do verbo. Gabarito: B Questão 9: Agente Fiscal de Rendas-SP 2009 Mas muitos biólogos hão de concordar ... Diferentemente do que se tem acima, a frase que, consoante o padrão culto escrito, exige o emprego do verbo “haver” no singular é: (A) Muitas teorias já ...... sido submetidas à sua análise quando ele expressou essa convicção. (B) Talvez ...... algumas versões da teoria citada, mas certamente poucos as conhecem. (C) Quantos biólogos ...... pesquisado o assunto e talvez não tenham a
  14. 14. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 14 mesma opinião. (D) Alguns mitos falsos ...... merecido representação artisticamente irrepreensível. (E) Nós ...... de corresponder às expectativas depositadas em nossa equipe. Comentário: Na frase “Mas muitos biólogos hão de concordar”, o verbo “hão” é auxiliar, numa locução verbal (“hão de concordar”). Assim, o sujeito dessa locução é o termo plural “muitos biólogos”. Na alternativa (A), a locução verbal da voz passiva “haviam sido submetidas” concorda com o sujeito paciente “Muitas teorias”. Note que o verbo “haviam” não possui sentido de existir e é apenas o verbo auxiliar daquela locução verbal. Por isso, flexiona-se normalmente. A alternativa (B) é a correta, pois foi pedido na questão o verbo haver no singular. Assim, podemos inserir o verbo “haja”, que é impessoal, isto é, não tem sujeito, porque esse verbo está sendo usado no sentido de “existir”. Por isso, não se flexiona. Como esse verbo é transitivo direto, o termo “algumas versões da teoria citada” é o objeto direto. Na alternativa (C), a locução verbal “haviam pesquisado” é transitiva direta e concorda com o sujeito “Quantos biólogos”. Na alternativa (D), a locução verbal “haviam merecido” é transitiva direta e concorda com o sujeito “Alguns mitos falsos”. Na alternativa (E), a locução verbal “havemos de corresponder” concorda com o sujeito “Nós”. Gabarito: B Questão 10: TCE-MA Analista de Controle Externo 2005 A concordância está correta na frase: (A) A diminuição das chuvas na Amazônia podem ser consideradas uma amostra do que nos esperam o futuro, se o ritmo de desmatamento não for contido. (B) O controle dos recursos hídricos são desafio para os ambientalistas, tornando-se necessário a preservação da floresta, para garantir o ciclo das chuvas. (C) Em que pese as inúmeras tentativas de controle do desmatamento, é derrubado anualmente uma área equivalente a 17 mil quilômetros quadrados. (D) Os habitantes da região amazônica, privilegiada por seus recursos hídricos, sofrem com a escassez de chuvas, que não lhes permite o transporte nem a pesca. (E) O desrespeito à natureza provoca o aparecimento de fenômenos climáticos jamais imaginados, como mostra as cenas da estiagem na Amazônia. Comentário: A alternativa (A) está errada, porque a locução verbal “podem ser consideradas” deve se flexionar no singular, tendo em vista que o sujeito possui núcleo singular “diminuição”. O verbo “esperam” deve se flexionar no singular, porque o sujeito é o termo “o futuro”. A diminuição das chuvas na Amazônia pode ser considerada uma amostra do que nos espera o futuro, se o ritmo de desmatamento não for contido. A alternativa (B) está errada, pois o sujeito “O controle” leva o verbo ao
  15. 15. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 15 singular: é. O sujeito “a preservação” leva o predicativo ao feminino (“necessária”). O controle dos recursos hídricos é desafio para os ambientalistas, tornando-se necessária a preservação da floresta, para garantir o ciclo das chuvas. A alternativa (C) está errada, pois o sujeito “as inúmeras tentativas” leva o verbo ao plural (“pesem”). O sujeito “uma área” leva a locução verbal da voz passiva a se flexionar no feminino: “é derrubada” Em que pesem as inúmeras tentativas de controle do desmatamento, é derrubada anualmente uma área equivalente a 17 mil quilômetros quadrados. A alternativa (D) é a correta, pois o verbo “sofrem” encontra-se no plural, porque o seu sujeito é “Os habitantes da região amazônica”. O particípio “privilegiada” está no feminino e singular, porque concorda com o substantivo “região”. O verbo “permite” está flexionado no singular porque o seu sujeito é o pronome relativo “que”, o qual retoma o termo “escassez de chuva”, cujo núcleo se encontra no singular. O pronome “lhes” está flexionado no plural porque retoma o substantivo “habitantes”. A alternativa (E) está errada, pois o sujeito “as cenas” leva o verbo intransitivo “mostra” para o plural: O desrespeito à natureza provoca o aparecimento de fenômenos climáticos jamais imaginados, como mostram as cenas da estiagem na Amazônia. Gabarito: D Questão 11: Agente Fiscal de Rendas-SP 2006 A frase em que a concordância está em conformidade com o padrão culto é: (A) É sempre falível, a meu ver, os juízos que se fundamentam mais na verve do orador que no conteúdo de seu discurso, mesmo quando os ouvintes lhe neguem aquele predicado. (B) Suponho que devem existir sérias razões para ele ter-se comportado assim: todas as questões que lhe eram postas ele julgava irrelevantes. (C) O relatório, de cujo dados discordou-se, foi rejeitado imediatamente, tendo sido sugerido, em caráter de urgência, a sua plena revisão ou até mesmo sua substituição. (D) Os advogados reclamaram da indecisão do depoente, sem perceber que as perguntas que a ele eram dirigidas lhes parecia obscura, difíceis de serem compreendidas. (E) Era intrincada a associação de idéias do promotor e o apelo que fazia aos jurados, o que, consideradas as circunstâncias, os conduziram a uma decisão questionável. Comentário: Na alternativa (A), “os juízos” é o sujeito, forçando o verbo de ligação “é” e o predicativo “falível” a se flexionarem no plural: “são sempre falíveis”. O verbo “fundamentam” está corretamente flexionado no plural, porque seu sujeito é o pronome relativo “que”, o qual retoma o substantivo plural “juízos”. O verbo “neguem” está corretamente flexionado por concordar com o sujeito plural “os ouvintes”. Veja: São sempre falíveis, a meu ver, os juízos que se fundamentam mais na
  16. 16. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 16 verve do orador que no conteúdo de seu discurso, mesmo quando os ouvintes lhe neguem aquele predicado. A alternativa (B) é a correta. Veja que a locução verbal intransitiva “devem existir” está corretamente flexionada no plural, pois seu sujeito é a expressão plural “sérias razões”. A locução verbal “ter-se comportado” encontra-se no singular, porque seu sujeito é “ele”. A locução verbal da voz passiva “eram postas” encontra-se no plural, porque seu sujeito é o pronome relativo “que”, o qual retoma o substantivo plural “questões”. Note que o pronome “lhe” encontra-se no singular por retomar a expressão “ele”. O verbo “julgava” encontra-se no singular porque seu sujeito é o pronome “ele”, e o adjetivo “irrelevantes” está no plural porque retoma o substantivo plural “questões”. Na alternativa (C), o pronome “cujo” deve concordar com o substantivo posterior (cujos dados). A locução verbal “foi rejeitado” encontra-se no singular, porque o sujeito é “O relatório”. A locução verbal da voz passiva “tendo sido sugerido” deve se flexionar no feminino, tendo em vista que seu sujeito paciente é o termo “a sua plena revisão ou até mesmo sua substituição”. Como ocorre um sujeito composto posposto ao verbo, este pode concordar apenas com o primeiro termo (no singular) ou concordar com os dois termos (plural). O relatório, de cujos dados discordou-se, foi rejeitado imediatamente, tendo sido sugerida(as), em caráter de urgência, a sua plena revisão ou até mesmo sua substituição. Na alternativa (D), o verbo “reclamaram” flexiona-se no plural por concordar com o sujeito “Os advogados”. A locução verbal da voz passiva “eram dirigidas” está corretamente flexionada no plural, porque concorda com o sujeito “que”, o qual retoma o termo plural “as perguntas”. O pronome “ele” está corretamente flexionado no singular, por retomar o substantivo singular “depoente”. O pronome “lhes” deve se flexionar no singular, porque também retoma o substantivo singular “depoente”. O verbo de ligação “parecia” e seu predicativo “obscura” devem se flexionar no plural porque o sujeito destes termos é também plural: “as perguntas” (as perguntas lhe pareciam obscuras). A expressão “difíceis de serem compreendidas” está corretamente flexionada, pois se refere ao termo “as perguntas”. Os advogados reclamaram da indecisão do depoente, sem perceber que as perguntas que a ele eram dirigidas lhe pareciam obscuras, difíceis de serem compreendidas. Na alternativa (E), o verbo de ligação “Era” e o predicativo “intrincada” estão corretamente flexionados, porque o sujeito “a associação de idéias do promotor e o apelo” é composto e se encontra após o verbo. Assim, pode concordar apenas com o primeiro termo “a associação de idéias” (singular) ou com a totalidade (plural). O verbo “fazia” está corretamente flexionado no singular, porque o seu sujeito está elíptico, isto é, não está literalmente escrito nesta oração, mas podemos facilmente subentender que se refere ao substantivo singular “promotor”. A expressão “consideradas” está corretamente flexionada no plural e no feminino, por concordar com “as circunstâncias”. O verbo “conduziram” deve se flexionar no singular, pois o
  17. 17. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 17 seu sujeito é o pronome relativo “que”, o qual retoma o pronome demonstrativo “o”, que se encontra no singular. Esse verbo é transitivo direto e seu objeto direto é o pronome “os”, o qual retoma o termo plural “jurados”. Era(m) intrincada(os) a associação de idéias do promotor e o apelo que fazia aos jurados, o que, consideradas as circunstâncias, os conduziu a uma decisão questionável. Gabarito: B Questão 12: Agente Fiscal de Rendas-SP 2006 Ambos os verbos indicados entre parênteses deverão flexionar-se numa forma do plural para preencherem corretamente as lacunas da frase: (A) ...... (avultar), aos olhos dos próprios historiadores contemporâneos, a figura de Eric Hobsbawm como um dos intérpretes que melhor ...... (compreender) o século XIX. (B) Não ...... (competir) aos historiadores exercer a mera função de arquivistas públicos; mais que isso, .....-se (esperar) deles uma compreensão participativa da história. (C) ...... (ser) de se lamentar que aos jovens de hoje ...... (restar) viver o tempo como uma espécie de presente contínuo, sem qualquer conexão com o passado. (D) Ao historiador ...... (dever) sensibilizar as omissões de toda e qualquer experiência que ...... (sofrer) nossos antepassados. (E) ...... (aprazer) aos governantes fazer esquecer o que não lhes ...... (interessar) lembrar, para melhor se valerem da falta de memória histórica. Comentário: Neste tipo de questão, vá logo ao termo não preposicionado, para encontrar o sujeito. Logicamente, não podemos simplesmente ir no macete. Devemos considerar também que o verbo se refere ao sujeito. Mas de uma coisa deve se ter certeza: sujeito não pode ser preposicionado. E o que a banca faz é o seguinte: como pede o verbo no plural, ela coloca os termos preposicionados no plural, para confundir o candidato. Veja as alternativas!!!! Na alternativa (A), o termo plural está preposicionado e entre vírgulas. Assim, não há como ser o sujeito. Na realidade, o termo “aos olhos dos próprios historiadores contemporâneos” é um adjunto adverbial. O verbo “avulta” deve se flexionar no singular, porque seu sujeito é o termo “a figura de Eric Hobsbawm”. O verbo “compreender”, pelo contexto, deve se flexionar no singular, tendo em vista que o pronome relativo “que” é o seu sujeito e retoma o vocábulo “um”. Como há a expressão “um dos que”, a gramática autoriza também a flexão no plural, tendo em vista que o pronome relativo pode também retomar o termo plural “intérpretes”. Avulta, aos olhos dos próprios historiadores contemporâneos, a figura de Eric Hobsbawm como um dos intérpretes que melhor compreende o século XIX. Na alternativa (B), o verbo “competir” deve se flexionar no singular porque seu sujeito é oracional “exercer a mera função de arquivistas públicos”. O verbo “esperar” é transitivo direto e indireto. Assim, o pronome “se” é apassivador, o termo “deles” é o objeto indireto, e “uma compreensão participativa da história” é o sujeito paciente. Para se ter certeza de que há
  18. 18. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 18 voz passiva sintética, deve-se passar para a voz passiva analítica: uma compreensão participativa da história é esperada deles. Não compete aos historiadores exercer a mera função de arquivistas públicos; mais que isso, espera-se deles uma compreensão participativa da história. Na alternativa (C), o verbo “ser” deve se flexionar no singular, porque seu sujeito é toda a oração posterior “que aos jovens de hoje...” (isso é de se lamentar). O verbo “restar” é transitivo indireto, o termo “aos jovens de hoje” é o objeto indireto, e o sujeito desse verbo é novamente oracional: “viver o tempo como uma espécie de presente contínuo, sem qualquer conexão com o passado” (isso resta aos jovens). É de se lamentar que aos jovens de hoje resta viver o tempo como uma espécie de presente contínuo, sem qualquer conexão com o passado. A alternativa (D) é a correta, pois a locução verbal “dever sensibilizar” é transitiva indireta. Seu objeto indireto é “Ao historiador” e essa locução deve se flexionar no plural, pois o sujeito é o termo “as omissões de toda e qualquer experiência”. O verbo “sofrer” deve se flexionar no plural, tendo em vista ser transitivo direto, seu objeto direto é o pronome relativo “que” e o sujeito é o termo plural “nossos antepassados”. Ao historiador devem sensibilizar as omissões de toda e qualquer experiência que sofrem nossos antepassados. Na alternativa (E), o verbo “aprazer” deve se flexionar no singular, porque o seu sujeito é oracional (“fazer esquecer o”). Esse verbo é transitivo indireto e o termo “aos governantes” é o objeto indireto. A locução verbal “interessar lembrar” deve se flexionar no singular, porque o seu sujeito é o pronome relativo “que”, o qual retoma o pronome demonstrativo singular “o”. Apraz aos governantes fazer esquecer o que não lhes interessa lembrar, para melhor se valerem da falta de memória histórica. Gabarito: D Questão 13: ISS-SP 2007 Auditor-Fiscal Tributário A concordância verbal estabelece-se plena e adequadamente em: (A) Para que o cumprimento de todos os princípios fundamentais seja garantido, devem especificar-se as sanções. (B) No caso de que se infrinja as normas e os princípios, hão de se lançar mão das sanções correspondentes. (C) Constituem um dos exemplos de delitos vantajosos o caso em que o detentor de um poder abuse de sua autoridade. (D) Não houvesse sido criadas quaisquer regras de convívio, estaríamos todos vivendo sob o comando de nossos instintos mais primitivos. (E) O que nos mandamentos de Moisés se impõem como um dos princípios fundamentais é a necessidade de reconhecimento dos nossos limites. Comentário: A alternativa (A) é a correta, pois a expressão “seja garantido” concorda com o núcleo do sujeito “cumprimento”. Além disso, perceba que a locução verbal “devem especificar” é transitiva direta, é seguida do pronome apassivador “se”, e o termo “as sanções” é o sujeito paciente. Para se ter certeza de que há pronome apassivador, devemos passar para a voz passiva
  19. 19. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 19 analítica: as sanções devem ser especificadas. A alternativa (B) está errada, pois o verbo “infrinja” é transitivo direto, o pronome “se” é apassivador e o termo plural “as normas e os princípios” é o sujeito paciente. Para confirmar, devemos passar para a voz passiva: No caso de que as normas e os princípios sejam infringidos... A locução verbal “hão de se lançar” é transitiva direta. Assim, o pronome “se” é apassivador, e o termo “mão” é o núcleo do sujeito paciente, o qual força essa locução a se flexionar no singular (há de se lançar mão das sanções correspondentes / mão das sanções correspondentes há de ser lançada). No caso de que se infrinjam as normas e os princípios, há de se lançar mão das sanções correspondentes. Na alternativa (C), o verbo “Constituem” é transitivo direto e deve se flexionar no singular, porque o seu sujeito é “o caso”. O termo “um dos exemplos de delitos vantajosos” é o objeto direto. O verbo “abuse” está corretamente flexionado no singular, para concordar com o núcleo de seu sujeito “detentor”. Constitui um dos exemplos de delitos vantajosos o caso em que o detentor de um poder abuse de sua autoridade. Na alternativa (D), a locução verbal da voz passiva “houvesse sido criadas” tem como sujeito o termo paciente “quaisquer regras de convívio”. Assim, o verbo auxiliar deve se flexionar no plural: houvessem. Não houvessem sido criadas quaisquer regras de convívio, estaríamos todos vivendo sob o comando de nossos instintos mais primitivos. Na alternativa (E), o verbo “impõem” é transitivo direto e o pronome “se” é apassivador. Assim, seu sujeito paciente é o pronome relativo “que”, o qual retoma o pronome demonstrativo singular “O” (O que é imposto nos mandamentos de Moisés). Assim, este verbo deve se flexionar no singular. O termo “nos mandamentos de Moisés” é o adjunto adverbial de lugar. O verbo “é” encontra-se corretamente empregado no singular, por concordar com o seu sujeito singular “O”. O que nos mandamentos de Moisés se impõe como um dos princípios fundamentais é a necessidade de reconhecimento dos nossos limites. Gabarito: A Questão 14: ISS-SP 2007 Auditor-Fiscal Tributário O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se numa forma do singular para preencher corretamente a lacuna da frase: (A) Nunca ...... (haver) de prosperar as sociedades cujos princípios sejam frágeis. (B) ...... (caber) aos animais viver segundo os impulsos de seus instintos primários. (C) ...... -se (estipular) na lei mosaica, como se sabe, princípios de interdição. (D) Pela lei mosaica, ...... (cuidar) os homens de observar rígidos ditames. (E) A nenhum de nós ...... (deixar) de afetar os rigores das sanções
  20. 20. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 20 previstas. Comentário: Como vimos, neste tipo de questão, devemos nos atentar ao termo não iniciado por preposição. Na alternativa (A), “as sociedades” é o sujeito da locução verbal intransitiva “hão de prosperar”. Nunca hão de prosperar as sociedades cujos princípios sejam frágeis. A alternativa (B) é a correta, pois o verbo “caber” é transitivo indireto e deve se flexionar no singular, porque o seu sujeito é oracional: viver segundo os impulsos de seus instintos primários (isso cabe aos animais). O termo plural (“aos animais”) é precedido de preposição por ser o objeto indireto. Cabe aos animais viver segundo os impulsos de seus instintos primários. Na alternativa (C), o verbo “estipular” é transitivo direto. Assim, pronome “se” é apassivador e o sujeito paciente é “princípios de interdição”. Para se ter certeza, basta transpor para a voz passiva analítica: princípios de interdição são estipulados... Estipulam-se na lei mosaica, como se sabe, princípios de interdição. Na alternativa (D), o sujeito “os homens” leva o verbo ao plural (“cuidam”). Pela lei mosaica, cuidam os homens de observar rígidos ditames. Na alternativa (E), o sujeito “os rigores das sanções previstas” leva a locução verbal ao plural: “deixam de afetar”. A nenhum de nós deixam de afetar os rigores das sanções previstas. Gabarito: B Questão 15: TCE-SP Agente de Fiscalização Financeira 2005 Uma das contribuições desse tratado foi o deslocamento do conceito de virtude, que Maquiavel passa a compreender não mais em seu sentido moral, mas como discernimento político. No contexto da frase acima, (A) a palavra que toma como referência anterior e direta a palavra tratado. (B) o sentido da palavra deslocamento é equivalente ao de supressão. (C) a opção pela forma passiva de passa a compreender levaria a passam a ser compreendidos. (D) seria preferível a utilização da forma plural foram, em atendimento à expressão Uma das contribuições. (E) o sentido da expressão não mais tem como pressuposto a duração de algo até então. Comentário: A alternativa (A) está errada, porque a palavra que toma como referência anterior e direta a palavra virtude, e não tratado. A alternativa (B) está errada, pois o sentido da palavra deslocamento é equivalente ao de mudança, e não supressão. A alternativa (C) está errada, pois a opção pela forma passiva de passa a compreender levaria a passa a ser compreendida, pois o sujeito paciente
  21. 21. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 21 passa é “virtude”. Veja: Voz ativa: ...virtude, que Maquiavel passa a compreender... Maquiavel passa a compreender a virtude... Voz passiva: ...virtude, que passa a ser compreendida por Maquiavel... A virtude passa a ser compreendida por Maquiavel... A alternativa (D) está errada, pois o verbo “foi” deve se flexionar de acordo com o núcleo do sujeito “Uma” (Uma das contribuições desse tratado foi o deslocamento). A alternativa (E) é a correta, pois o sentido da expressão não mais transmite a ideia de que antes havia essa compreensão. Agora, não mais. Essa expressão tem o sentido de até então. Gabarito: E Questão 16: TCE-SP Agente de Fiscalização Financeira 2005 As normas de concordância verbal estão plenamente respeitadas na frase: (A) Compreenda-se as lições de O Príncipe não como exercícios de cinismo, mas como exemplos de análises a que não se devem furtar toda gente interessada na lógica do poder, seja para exercê-lo, seja para criticá-lo. (B) A problemática divisão da Itália em principados, que tanto preocupavam Maquiavel, fizeram com que ele se dedicasse à ciência política, em cujos fundamentos espelha-se, até hoje, aqueles que se preocupam com o poder. (C) Integrava as qualidades morais a da virtude, tomada num sentido essencialmente religioso, até que Maquiavel, recusando esse plano de valores em que a inseriam, deslocou seu sentido para o campo da política. (D) Todas as acepções de virtude, até o momento em que surgiu Maquiavel, compunha-se no campo da moral e da religião, e estendia-se à esfera da política, como se tudo fosse essencialmente um mesmo fenômeno. (E) Nunca faltaram aos “príncipes” de ontem, de hoje e de sempre a ambição desmedida pelo poder e pela glória pessoal, mas couberam a poucos discernir as sutilezas da política, em que Maquiavel foi um mestre. Comentário: A alternativa (A) está errada, pois o verbo “compreenda” é transitivo direto e o pronome “se” é apassivador. Por esse motivo, o verbo deve concordar com o sujeito paciente “as lições”. A locução verbal “devem furtar” deve se flexionar no singular, porque o sujeito está no singular: “toda gente interessada”. Compreendam-se as lições de O Príncipe não como exercícios de cinismo, mas como exemplos de análises a que não se deve furtar toda gente interessada na lógica do poder, seja para exercê-lo, seja para criticá-lo. A alternativa (B) está errada, pois o pronome relativo “que” retoma o substantivo “divisão”, por isso o verbo “preocupavam” deve se flexionar no singular. O verbo “fizeram” deve se flexionar no singular, porque o núcleo de seu sujeito é o substantivo singular “divisão”. O verbo “espelha” é transitivo direto, o pronome “se” é apassivador. Com isso, o sujeito paciente é “aqueles”, levando o verbo ao plural. O verbo
  22. 22. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 22 “preocupam” está corretamente flexionado no plural, porque o seu sujeito é o pronome relativo “que”, o qual retoma o pronome demonstrativo plural “aqueles”. A problemática divisão da Itália em principados, que tanto preocupava Maquiavel, fez com que ele se dedicasse à ciência política, em cujos fundamentos espelham-se, até hoje, aqueles que se preocupam com o poder. A alternativa (C) está correta, pois o sujeito do verbo “Integrava” é o termo “a da virtude”. Note que o artigo “a” faz subentender o substantivo “qualidade”, e o particípio “tomada” concorda com o substantivo “virtude”. O verbo “deslocou” está no singular, porque o seu sujeito é “Maquiavel”. O verbo “inseriam” encontra-se no plural, porque o seu sujeito está elíptico, subentendendo a expressão “as qualidades morais”, o pronome “a” retoma o substantivo “virtude” (as qualidades morais inseriam a virtude nesse plano de valores). Integrava as qualidades morais a (qualidade) da virtude, tomada num sentido essencialmente religioso, até que Maquiavel, recusando esse plano de valores em que a inseriam, deslocou seu sentido para o campo da política. A alternativa (D) está errada. O verbo “surgiu” é intransitivo e está corretamente flexionado no singular, pois o seu sujeito é “Maquiavel”. Os verbos “compunha” e “estendia” devem se flexionar no plural, já que o seu sujeito é o temo plural “Todas as acepções de virtude”. O verbo “fosse” está corretamente flexionado no singular, para concordar com o seu sujeito “tudo”. Todas as acepções de virtude, até o momento em que surgiu Maquiavel, compunham-se no campo da moral e da religião, e estendiam-se à esfera da política, como se tudo fosse essencialmente um mesmo fenômeno. A alternativa (E) está errada, pois o verbo “faltaram” deve se flexionar no singular para concordar com o núcleo do sujeito “ambição”. O verbo “couberam” é transitivo indireto, seu objeto indireto é o termo “a poucos”. Esse verbo deve se flexionar no singular, porque o seu sujeito é oracional: “discernir as sutilezas da política”. O verbo “foi” encontra-se corretamente flexionado no singular, por concordar com o seu sujeito “Maquiavel”. Nunca faltou aos “príncipes” de ontem, de hoje e de sempre a ambição desmedida pelo poder e pela glória pessoal, mas coube a poucos discernir as sutilezas da política, em que Maquiavel foi um mestre. Gabarito: C Questão 17: TCE-AL Analista de sistemas 2008 Estão plenamente respeitadas as normas de concordância verbal na frase: (A) É muito difícil que se cumpra os propósitos que, invariavelmente, se formula a cada início de ano. (B) Enredam-se nas tramas das próprias memórias todo aquele que não busca abrir, para si mesmo, novos tempos e novas experiências. (C) A cada vez que dá impulso a uma nova cadeia de acontecimentos, os homens se tornam autores de seu próprio destino.
  23. 23. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 23 (D) Não deveriam caber às pessoas tomar suas próprias iniciativas, em vez de se submeterem à força do acaso? (E) Aos que não submete a força imperiosa das experiências passadas estende-se a possibilidade de abrir novos tempos. Comentário: A alternativa (A) está errada, porque o verbo “cumpra” é transitivo direto, o pronome “se” é apassivador, e o sujeito paciente é “os propósitos”, forçando o verbo ao plural. O verbo “formula” também é transitivo direto, o pronome “se” é apassivador, e o sujeito é o pronome relativo “que”, o qual retoma o substantivo “propósitos”. Assim, o verbo deve se flexionar no plural. É muito difícil que se cumpram os propósitos que, invariavelmente, se formulam a cada início de ano. A alternativa (B) está errada, pois o verbo “enredam” deve se flexionar no singular, porque o sujeito é “todo aquele”. O verbo “busca” está flexionado no singular, porque o sujeito é o pronome relativo “que”, o qual retoma o pronome demonstrativo “aquele”. Enreda-se nas tramas das próprias memórias todo aquele que não busca abrir, para si mesmo, novos tempos e novas experiências. A alternativa (C) está errada, pois o verbo “dá” deve se flexionar no plural, porque o sujeito está elíptico, o qual faz subentender referência ao substantivo “homens”. O verbo “tornam” flexiona-se no plural, porque o seu sujeito é o termo “os homens”. A cada vez que dão impulso a uma nova cadeia de acontecimentos, os homens se tornam autores de seu próprio destino. A alternativa (D) está errada, pois a locução verbal “deveriam caber” deveria se flexionar no singular, porque o sujeito é oracional (“tomar suas próprias iniciativas”). O verbo “submeterem” possui sujeito elíptico, pois faz subentender o substantivo “pessoas”. Não deveria caber às pessoas tomar suas próprias iniciativas, em vez de se submeterem à força do acaso? A alternativa (E) é a correta. O verbo “submete” está flexionado no singular, porque o seu sujeito é o termo “a força imperiosa das experiências passadas”. O verbo “estende” é transitivo direto e indireto, o objeto indireto é o termo “Aos”, o pronome “se” é apassivador, e o sujeito paciente é o termo “a possibilidade”. Aos que não submete a força imperiosa das experiências passadas estende-se a possibilidade de abrir novos tempos. Gabarito: E Questão 18: TCE-MG Técnico de Controle Externo (Superior) 2007 Quanto à concordância verbal, a frase inteiramente correta é: (A) Entre as questões essenciais, que a todo cientista deve importar, estão as que se prendem à origem e ao destino do ser humano. (B) Não houvesse outras razões, bastaria a propriedade das perguntas que lhe dirigiu o público para fazê-lo sentir-se um professor privilegiado.
  24. 24. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 24 (C) Só é dado alimentarem a curiosidade e a insatisfação ao cientista que não abdica de fazer as perguntas fundamentais. (D) Diante do interesse que representavam cada uma das perguntas que lhe cabiam responder, o professor sentiu-se um privilegiado. (E) O autor considerou um privilégio o fato de o interrogarem, com perguntas tão instigantes, aquele público curioso que encontrou na escola. Comentário: A alternativa (A) está errada, pois a locução verbal “deve importar” deve se flexionar no plural, porque o sujeito é o pronome relativo “que”, o qual retoma “questões essenciais”. O verbo “prendem” está corretamente flexionado no plural, para concordar com o pronome relativo “que”, o qual é o sujeito e retoma o pronome demonstrativo “as”. Entre as questões essenciais, que a todo cientista devem importar, estão as que se prendem à origem e ao destino do ser humano. A alternativa (B) é a correta, pois o verbo “houvesse” é transitivo direto e impessoal, isto é, não possui sujeito, por isso só pode se flexionar no singular. O termo “outras razões” é o objeto direto. O verbo “bastaria” encontra-se flexionado no singular, porque o seu sujeito é “a propriedade das perguntas”. O verbo “dirigiu” está flexionado no singular, porque o seu sujeito é o termo “o público”. O pronome “lo” se flexiona no singular e masculino, por se referir ao substantivo “público”. Não houvesse outras razões, bastaria a propriedade das perguntas que lhe dirigiu o público para fazê-lo sentir-se um professor privilegiado. A alternativa (C) está errada, pois o verbo “alimentarem” é um infinitivo impessoal, pois não se refere a nenhum sujeito. Assim, deve se flexionar no singular. A locução verbal da voz passiva “é dado” é transitiva direta e indireta e seu sujeito é oracional (“alimentarem a curiosidade e a insatisfação”). O objeto indireto desta locução é “ao cientista”. O verbo “abdica” está corretamente flexionado porque o seu sujeito é o pronome relativo “que”, o qual retoma o substantivo “cientista”. Só é dado alimentar a curiosidade e a insatisfação ao cientista que não abdica de fazer as perguntas fundamentais. A alternativa (D) está errada, pois o verbo “representavam” deve se flexionar no singular, pois o seu sujeito é o termo “cada uma das perguntas”. O pronome indefinido “cada” é usado na linguagem para especificar a parte. Assim, toda vez que o “cada” for o sujeito, o verbo obrigatoriamente se flexionará no singular. O verbo “cabiam” deve se flexionar no singular, pois o sujeito é oracional: “responder” (isso cabia a ele). O pronome “lhe” se refere ao substantivo “professor”, por isso está flexionado no singular. Diante do interesse que representava cada uma das perguntas que lhe cabia responder, o professor sentiu-se um privilegiado. A alternativa (E) está errada, pois o verbo “interrogarem” deve se flexionar no singular, pois o seu sujeito é “aquele público”. O autor considerou um privilégio o fato de o interrogar, com perguntas tão instigantes, aquele público curioso que encontrou na escola.
  25. 25. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 25 Gabarito: B Questão 19: TRT 2ªR 2008 Técnico A concordância verbo-nominal está inteiramente correta na frase: (A) Existe desafios comuns às áreas urbanas densamente povoadas, no mundo todo, sendo um deles o trânsito, responsáveis pela poluição atmosférica em uma metrópole. (B) A África é o continente em que ocorrem, de forma mais rápida, a migração das zonas rurais para as áreas urbanizadas, principalmente em virtude de guerras e de secas. (C) Há um século, o maior número de megalópoles se concentrava em países ricos; atualmente a maioria delas está nos países em desenvolvimento. (D) Na maioria dos países emergentes o crescimento das cidades acontecem sem nenhum planejamento, criando problemas ao poder público difícil de resolver. (E) O maior atrativo para a vida nas cidades é as possibilidades de desfrutar mais de saúde, educação, lazer, elementos que garante qualidade de vida aos moradores. Comentário: A palavra em negrito foi corrigida e a sublinhada é a referência para a concordância. a) Existem desafios comuns às áreas urbanas densamente povoadas, no mundo todo, sendo um deles o trânsito, responsável pela poluição atmosférica em uma metrópole. O verbo “Existem” deve ser flexionado no plural, porque seu sujeito determinado simples “desafios comuns” está também no plural. Além disso, o adjetivo “responsável” está caracterizando “trânsito”, por isso deve se flexionar no singular. b) A África é o continente em que ocorre, de forma mais rápida, a migração das zonas rurais para as áreas urbanizadas, principalmente em virtude de guerras e de secas. O verbo “ocorre” flexiona-se no singular, porque seu sujeito determinado simples “a migração das zonas rurais para as áreas urbanizadas” possui núcleo no singular (migração). c) Há um século, o maior número de megalópoles se concentrava em países ricos; atualmente a maioria delas está nos países em desenvolvimento. Esta é a correta, porque o verbo “Há” traduz valor de tempo decorrido, por isso, mesmo que “um século” estivesse flexionado no plural, este verbo não se flexionaria no plural. O verbo “concentrava” está também corretamente flexionado no singular, haja vista que o núcleo do sujeito está no singular (número). O verbo “está” flexionou-se corretamente no singular para concordar com “maioria”. Por serem expressões partitivas, o termo “maior número de megalópoles” e “a maioria delas” podem levar os seus respectivos verbos a se flexionarem também no plural. Portanto, esta é a alternativa correta. d) Na maioria dos países emergentes o crescimento das cidades acontece sem nenhum planejamento, criando problemas ao poder público difíceis de resolver. O verbo “acontece” deve se flexionar no singular, por concordar com o
  26. 26. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 26 núcleo do sujeito determinado simples “o crescimento das cidades”. O adjetivo “difíceis” se refere ao substantivo “problemas”, por isso deve se flexionar no plural. e) O maior atrativo para a vida nas cidades é as possibilidades de desfrutar mais de saúde, educação, lazer, elementos que garantem qualidade de vida aos moradores. A princípio, o candidato poderia pensar que a concordância do verbo “é” estaria errada; porém há dupla possibilidade de concordância. A regra é a seguinte: quando há verbo de ligação “ser” com sujeito e predicativo com núcleo de valor substantivo (como é o caso nesta frase), o verbo “ser” pode concordar tanto com o sujeito, quanto com o predicativo. Assim, não estaria errada a construção “O maior atrativo para a vida nas cidades são as possibilidades...”. Normalmente a tendência é concordar com o termo plural, mas o singular também é aceito na norma culta. Entretanto, o problema encontra-se com o verbo garantir. Este deve se flexionar no plural, porque seu sujeito é o pronome relativo “que”, o qual retoma “elementos”, levando o verbo para o plural (garantem). Gabarito: C Questão 20: TRT 16ªR 2009 Técnico A concordância verbal e nominal está inteiramente correta na frase: (A) É somente acima de 20% que as taxas de umidade do ar se torna saudável para que as pessoas respirem normalmente. (B) A existência de florestas em várias regiões é garantia de melhor distribuição de chuvas, por conta da umidade que gera as nuvens. (C) Vale para todo mundo as explicações para os fenômenos climáticos extremos que está ocorrendo em diversos países. (D) A água nas regiões quentes de florestas evaporam mais do que nos oceanos, e o fluxo de ar úmido se dirige para o continente. (E) Sempre haverão pesquisadores dispostos a questionar as bases de novas teorias, até que elas os convença de sua validade. Comentário: A palavra em negrito foi corrigida e a sublinhada é a referência para a concordância. a) É somente acima de 20% que as taxas de umidade do ar se tornam saudáveis para que as pessoas respirem normalmente. O núcleo do sujeito “as taxas de umidade do ar” leva o predicado nominal para o plural – tanto o verbo de ligação “se tornam”, quanto o predicativo do sujeito “saudáveis”. b) A existência de florestas em várias regiões é garantia de melhor distribuição de chuvas, por conta da umidade que gera as nuvens. Esta é a alternativa correta, pois os sujeitos no singular levam os verbos para o singular, corretamente. c) Valem para todo mundo as explicações para os fenômenos climáticos extremos que estão ocorrendo em diversos países. O verbo “Valem” deve se flexionar no plural por concordar com o núcleo do sujeito (“explicações”). Este verbo é transitivo indireto e seu objeto indireto é “para todo mundo”. A locução verbal “estão ocorrendo” deve se flexionar no plural por
  27. 27. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 27 possuir como sujeito o pronome relativo “que”, o qual retoma “fenômenos climáticos extremos”. d) A água nas regiões quentes de florestas evapora mais do que nos oceanos, e o fluxo de ar úmido se dirige para o continente. O verbo “evapora” deve se flexionar no singular, porque seu sujeito encontra-se no singular (A água). A expressão “nas regiões quentes de florestas” é um adjunto adverbial de lugar. A banca optou por deixá-lo sem vírgulas para tentar confundir o candidato a achar o núcleo do sujeito. e) Sempre haverá pesquisadores dispostos a questionar as bases de novas teorias, até que elas os convençam de sua validade. O verbo “haverá” deve se flexionar no singular, por ser impessoal (não possuir sujeito), no sentido de “existir, ocorrer”. O verbo “convençam” possui como sujeito “elas”, por isso deve se flexionar no plural. Gabarito: B Questão 21: TRT 20ªR 2002 Analista A concordância nas frases abaixo, adaptadas do texto, está correta em (A) Os números iniciais do Censo 2000 mostram que o consumo nas diversas regiões brasileiras são distribuídas de maneira desigual e contrastante. (B) Constituem uma proporção relativamente pequena as famílias brasileiras que podem dar-se ao luxo de serem sustentadas por um único membro. (C) Alguns dados resultantes do Censo 2000 parece incompatível com aqueles que assinalam o aumento do consumo de bens duráveis, no mesmo período. (D) A qualidade de vida dos brasileiros, refletida principalmente na saúde, dependem de aspectos importantes na área de serviços, como a de saneamento básico. (E) Os dados referentes à economia informal não é captados pelas estatísticas, o que geram algumas situações aparentemente contraditórias. Comentário: A palavra em negrito foi corrigida e a sublinhada é a referência para a concordância. a) Os números iniciais do Censo 2000 mostram que o consumo nas diversas regiões brasileiras é distribuído de maneira desigual e contrastante. A locução verbal da voz passiva “é distribuído” deve ser flexionada no masculino e singular, por concordar com o sujeito “o consumo”. b) Constituem uma proporção relativamente pequena as famílias brasileiras que podem dar-se ao luxo de serem sustentadas por um único membro. Esta é a alternativa correta. O verbo “Constituem” está corretamente flexionado no plural por concordar com o sujeito “as famílias brasileiras”. Note que esse verbo é transitivo direto, por isso “uma proporção relativamente pequena” é o objeto direto. A locução verbal “podem dar” tem como sujeito o pronome relativo “que”, o qual retoma “as famílias brasileiras”. Por isso esta locução flexionou-se corretamente no plural. c) Alguns dados resultantes do Censo 2000 parecem incompatíveis com aqueles que assinalam o aumento do consumo de bens duráveis, no mesmo período. O verbo de ligação “parecem” e o predicativo “incompatíveis” devem se
  28. 28. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 28 flexionar no plural, por concordar com o seu sujeito “Alguns dados resultantes do Censo 2000”. Note que o verbo “assinalam” está corretamente flexionado no plural, tendo em vista o seu sujeito “que” retomar o pronome demonstrativo “aqueles”. d) A qualidade de vida dos brasileiros, refletida principalmente na saúde, depende de aspectos importantes na área de serviços, como a de saneamento básico. O sujeito “A qualidade de vida dos brasileiros” leva o verbo “depende” a flexionar-se obrigatoriamente no singular. Note que o artigo “a” deixa implícito o substantivo “área”; por isso a flexão deste artigo está correta. e) Os dados referentes à economia informal não são captados pelas estatísticas, o que gera algumas situações aparentemente contraditórias. O sujeito “Os dados referentes” leva obrigatoriamente a locução verbal da voz passiva “são captados” para o plural e masculino. Além disso, o verbo “gera” é transitivo direto, seu objeto direto é “algumas situações aparentemente contraditórias”, o sujeito é o pronome relativo “que”, o qual retoma o pronome demonstrativo reduzido “o”. Por isso esse verbo deve se flexionar no singular. Gabarito: B Questão 22: TRT 23ªR 2007 Técnico A frase em que a concordância verbo-nominal NÃO respeita a norma culta é: (A) O frio e o clima seco de montanha possibilitaram a conservação, de um modo admirável, de um corpo mumificado, assim como de seus objetos pessoais. (B) Os representantes do homem de Neandertal não deixou sinais evidentes de rituais que pudesse dar testemunho da criatividade característica da espécie humana. (C) O mais provável ponto de partida de nossos ancestrais parece ter sido o continente africano, habitado por um dos ramos extintos da evolução do homem. (D) Encontraram-se vestígios fósseis que comprovam a origem do homem de Cro-magnon bem distantes de seu local de origem. (E) A mais antiga múmia foi encontrada numa geleira dos Alpes, inteiramente preservada, até mesmo com roupas intactas. Comentário: A palavra em negrito foi corrigida e a sublinhada é a referência para a concordância. a) O frio e o clima seco de montanha possibilitaram a conservação, de um modo admirável, de um corpo mumificado, assim como de seus objetos pessoais. O verbo “possibilitaram” concorda corretamente no plural com seu sujeito composto “O frio e o clima”. b) Os representantes do homem de Neandertal não deixaram sinais evidentes de rituais que pudessem dar testemunho da criatividade característica da espécie humana. O verbo “deixaram” deve se flexionar no plural, pois o seu sujeito determinado simples “Os representantes do homem de Neandertal” possui núcleo no plural, forçando o verbo para o plural. O verbo “pudessem” tem
  29. 29. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 29 como sujeito o pronome relativo “que”. Este pronome retoma a expressão “sinais evidentes de rituais”, forçando este verbo também ao plural. Portanto esta é a alternativa incorreta. c) O mais provável ponto de partida de nossos ancestrais parece ter sido o continente africano, habitado por um dos ramos extintos da evolução do homem. A locução verbal “parece ter sido” flexionou-se corretamente no singular, porque o seu sujeito determinado simples “O mais provável ponto de partida de nossos ancestrais” possui núcleo no singular (“ponto”). d) Encontraram-se vestígios fósseis que comprovam a origem do homem de Cro-magnon bem distantes de seu local de origem. O verbo “encontraram” é transitivo direto, o pronome “se” é apassivador. Isso faz com que “vestígios fósseis” seja o sujeito paciente, por isso o verbo está corretamente flexionado. O verbo “comprovam” está no plural, porque seu sujeito é o pronome relativo “que”, o qual retoma “vestígios fósseis”. O adjetivo “distantes” concorda com o nome a que se refere: o substantivo “vestígios”. e) A mais antiga múmia foi encontrada numa geleira dos Alpes, inteiramente preservada, até mesmo com roupas intactas. A locução verbal da voz passiva “foi encontrada” concorda corretamente com o seu sujeito “A mais antiga múmia”, cujo núcleo (múmia) encontra-se no singular. Note que “preservada” concorda com “múmia”, por isso está corretamente flexionada. Gabarito: B Questão 23: TRT 24ªR 2003 Analista Na reconstrução de uma frase do texto, desrespeitou-se a concordância verbal em: (A) Às economias nacionais não se permite, modernamente, que se desenvolvam de modo autônomo e competente. (B) Ainda não se encontraram, para essas duas tendências contraditórias, quaisquer possibilidades de harmonização. (C) Quando não se está ligado ao progresso da vida moderna, como ocorre com boa parte dos brasileiros, paga-se com as consequências do atraso. (D) Devem-se às oscilações dos líderes da economia mundial boa parcela do desequilíbrio da nossa própria economia. (E) Devido à dificuldade de se ajustarem ao ritmo variável da economia mundial, há medidas que, mesmo necessárias, deixamos de tomar. Comentário: A palavra em negrito foi corrigida e a sublinhada é a referência para a concordância. a) Às economias nacionais não se permite, modernamente, que se desenvolvam de modo autônomo e competente. O verbo “permite” está corretamente no singular, pois é transitivo direto e indireto, antecipado do pronome apassivador “se”. Seu objeto indireto é “Às economias nacionais” e o sujeito paciente é a oração subordinada substantiva subjetiva “que se desenvolvam de modo autônomo e competente”. Note que essa oração pode ser substituída pela palavra “isso” e, quando há pronome apassivador, deve-se transformar a estrutura em voz passiva analítica para se
  30. 30. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 30 confirmar o valor desse pronome. Assim: Isso não é permitido às economias nacionais. Dentro da oração subordinada substantiva subjetiva, o verbo “desenvolvam” encontra-se no plural, tendo em vista que seu sujeito está elíptico, subentendido, por retomar a expressão “economias nacionais”. Isso ocorre porque o verbo “desenvolvam” é transitivo direto e o pronome “se” é apassivador. Assim, realmente se subentende o sujeito paciente “economias nacionais” (que as economias nacionais sejam desenvolvidas). b) Ainda não se encontraram, para essas duas tendências contraditórias, quaisquer possibilidades de harmonização. O verbo “encontraram” está corretamente flexionado no plural, pois ele é transitivo direto e está antecedido do pronome apassivador “se”. Por isso “quaisquer possibilidades de harmonização” é o sujeito paciente. Para tanto, devemos confirmar com a transposição para a voz passiva analítica: Ainda não foram encontradas quaisquer possibilidades de harmonização. c) Quando não se está ligado ao progresso da vida moderna, como ocorre com boa parte dos brasileiros, paga-se com as consequências do atraso. A locução verbal “está ligado” é transitiva indireta. O pronome “se” é índice de indeterminação do sujeito. Note que realmente não se consegue identificar o sujeito neste contexto. A expressão “ao progresso da vida moderna” é objeto indireto. O verbo “ocorre” é transitivo indireto, neste contexto, e o objeto indireto é “com boa parte dos brasileiros”. O sujeito deste verbo é elíptico (subentendido), retomando a construção “não está ligado ao progresso da vida moderna”. Por retomar essa oração, está flexionado no singular. O verbo “paga”, neste contexto, é intransitivo. Por isso, o “se” é índice de indeterminação do sujeito e este verbo deve ficar no singular. Veja que a expressão “com as consequências do atraso” é apenas o adjunto adverbial de modo. d) Deve-se às oscilações dos líderes da economia mundial boa parcela do desequilíbrio da nossa própria economia. O verbo “deve” é transitivo direto e indireto e o pronome “se” é apassivador. Com isso o objeto indireto é “às oscilações dos líderes da economia mundial” e o sujeito paciente é “boa parcela do desequilíbrio da nossa própria economia”. Por isso, o verbo deve se flexionar no singular. Devemos passar para a voz passiva analítica para se ter certeza: boa parcela (...) é devida às oscilações. Esta é a alternativa a ser marcada. e) Devido à dificuldade de se ajustarem ao ritmo variável da economia mundial, há medidas que, mesmo necessárias, deixamos de tomar. O verbo “ajustarem” encontra-se no plural porque seu sujeito está subentendido, referindo-se a “medidas”. Note que o substantivo “medidas” é o objeto direto do verbo impessoal “há”. A locução verbal “deixamos de tomar” encontra-se flexionada na primeira pessoa do plural porque o sujeito é oculto “nós”. Gabarito: D Questão 24: TRT 24ªR 2006 Técnico A concordância está correta na frase:
  31. 31. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 31 (A) Alguns proprietários, que perceberam o potencial turístico da região, investiram em projetos voltados para atividades que não prejudiquem o meio ambiente. (B) As maravilhas da geologia, da fauna e da flora do Brasil Central representa um paraíso que não foram feitas para o turismo de massas de visitantes. (C) As visitas a algum santuário ecológico deve ser agendado com antecedência e feito em pequenos grupos de turistas, monitorados por guias treinados. (D) Romarias religiosas e festas folclóricas serve como atração a grande parte de turistas, que deseja visitar a região Centro-Oeste do Brasil. (E) O potencial turístico da região central do país abrangem atividades variadas, que justifica os novos e múltiplos investimentos no setor. Comentário: A palavra em negrito foi corrigida e a sublinhada é a referência para a concordância. a) Alguns proprietários, que perceberam o potencial turístico da região, investiram em projetos voltados para atividades que não prejudiquem o meio ambiente. Esta é a alternativa correta, pois o verbo “investiram” está no plural por concordar com o seu sujeito “Alguns proprietários”. As duas orações sublinhadas são iniciadas pelo pronome relativo “que” em duas ocorrências. Esses pronomes estão na função de sujeito e recuperam substantivos plurais, por isso os verbos “perceberam” e “prejudiquem” encontram-se corretamente flexionados na terceira pessoa do plural. b) As maravilhas da geologia, da fauna e da flora do Brasil Central representam um paraíso que não foi feito para o turismo de massas de visitantes. O verbo “representam” deve se flexionar na terceira pessoa do plural para concordar com o núcleo do sujeito “maravilhas”. Além disso, na oração grifada acima, o pronome relativo “que” funciona como sujeito e retoma “paraíso”; por isso a locução verbal da voz passiva “foi feito” deve se flexionar na terceira pessoa do singular, com particípio no masculino. c) As visitas a algum santuário ecológico devem ser agendadas com antecedência e feitas em pequenos grupos de turistas, monitorados por guias treinados. Há duas locuções verbais da voz passiva no período: “devem ser agendadas” e “feitas”. Note que a segunda locução deixa subentendidos os verbos auxiliares “devem ser”, apresentando explicitamente apenas o verbo principal “feitas”. Essas locuções verbais concordam com o núcleo do sujeito “visitas”, por isso se flexionam no plural e no feminino. d) Romarias religiosas e festas folclóricas servem como atração a grande parte de turistas, que deseja visitar a região Centro-Oeste do Brasil. O verbo “servem” deve ser flexionado na terceira pessoa do plural para concordar com seu sujeito composto “Romarias religiosas e festas folclóricas”. A oração subordinada adjetiva, sublinhada acima, possui o pronome relativo “que” na função de sujeito, o qual retoma o substantivo “parte”, por isso o verbo está corretamente flexionado na terceira pessoa do singular. Deve-se ressaltar que este pronome relativo poderia ter retomado também o substantivo “turistas”. Assim, o verbo poderia ficar também no
  32. 32. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 32 plural: “desejam”. e) O potencial turístico da região central do país abrange atividades variadas, que justificam os novos e múltiplos investimentos no setor. O verbo “abrange” deve se flexionar na terceira pessoa do singular para concordar com o núcleo do seu sujeito “potencial”. A oração sublinhada é subordinada adjetiva e o pronome relativo “que” está na função de sujeito, retomando “atividades variadas”, por isso o verbo “justificam” deve se flexionar na terceira pessoa do plural. Gabarito: A Questão 25: TRT 24ªR 2003 Analista Para se atender às normas de concordância, é preciso corrigir a forma verbal sublinhada na frase: (A) Não nos parece que sejam irrelevantes quaisquer medidas que visem à preservação de línguas utilizadas pelas minorias. (B) Que não se meça esforços para se preservar ou resgatar um fato cultural que ajude a compreender o nosso passado histórico. (C) Tem havido muitas pressões para garantir os direitos das minorias, tais como a utilização e a veiculação de línguas que resistem ao desaparecimento. (D) As populações a quem interessa preservar seus direitos históricos devem unir-se e mobilizar-se contra medidas autoritárias. (E) Caso politicamente não convenha às autoridades do Ministério das Comunicações proibir o programa “Nheengatu”, este será mantido em sua forma original. Comentário: Note que a questão trata apenas da concordância dos verbos sublinhados, sobre os quais haverá o comentário abaixo: a) Não nos parece que sejam irrelevantes quaisquer medidas que visem à preservação de línguas utilizadas pelas minorias. O verbo “parece” é transitivo indireto, neste contexto. Seu objeto indireto é “nos” e seu sujeito é a oração subordinada substantiva “que sejam irrelevantes quaisquer medidas” (Isso não nos parece). Portanto, o verbo está corretamente flexionado na terceira pessoa do singular. b) Que não se meçam esforços para se preservar ou resgatar um fato cultural que ajude a compreender o nosso passado histórico. O verbo “meçam” é transitivo direto. Como está precedido de pronome apassivador “se”, seu sujeito paciente é “esforços”, forçando o verbo a se flexionar na terceira pessoa do plural. Por isso esta é a alternativa a ser marcada. Confirme se realmente é pronome apassivador com a transposição para a voz passiva analítica: que não sejam medidos os esforços. c) Tem havido muitas pressões para garantir os direitos das minorias, tais como a utilização e a veiculação de línguas que resistem ao desaparecimento. A locução verbal “Tem havido” possui o verbo principal “havido” no sentido de existir, ocorrer. Assim, essa locução é impessoal, não possuindo sujeito, e o verbo auxiliar “Tem” está corretamente flexionado na terceira pessoa do singular. d) As populações a quem interessa preservar seus direitos históricos devem unir-se e mobilizar-se contra medidas autoritárias.
  33. 33. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 33 O verbo “interessa” é transitivo indireto e seu objeto indireto é “a quem”. O verbo está corretamente flexionado na terceira pessoa do singular, porque concorda com seu sujeito, que é a oração subordinada substantiva subjetiva reduzida de infinitivo “preservar seus direitos históricos”. e) Caso politicamente não convenha às autoridades do Ministério das Comunicações proibir o programa “Nheengatu”, este será mantido em sua forma original. O verbo “convenha” é transitivo indireto e seu objeto indireto é “às autoridades do Ministério das Comunicações”. Este verbo está corretamente flexionado na terceira pessoa do singular porque novamente o sujeito é uma oração subordinada substantiva subjetiva reduzida de infinitivo: “proibir o programa “Nheengatu”. (Isso convenha às autoridades.) Gabarito: B Questão 26: TRT 21ªR 2003 Analista Quanto às normas de concordância verbal, está inteiramente correta a frase: (A) Einstein não deseja que se acusem os físicos de se omitirem quanto às suas responsabilidades depois da guerra, para cujo fim deram importante contribuição. (B) A todos aqueles que ajudaram a criar a nova e terrível arma devem-se responsabilizar por toda e qualquer omissão diante da construção do futuro da humanidade. (C) Não cabem aos físicos, de fato, tomar as medidas que redundem no efetivo controle da utilização da nova arma, o que não significa que eles devam se omitir sobre o assunto. (D) Se a quaisquer dos físicos fossem permitido tomar decisões quanto à utilização da nova arma, provavelmente haveria nelas mais sensatez do que nas dos políticos. (E) Não se impute aos físicos todas as responsabilidades por alguma desastrosa utilização da nova arma, pois não pertencem a eles as iniciativas políticas. Comentário: A palavra em negrito foi corrigida e a sublinhada é a referência para a concordância. a) Einstein não deseja que se acusem os físicos de se omitirem quanto às suas responsabilidades depois da guerra, para cujo fim deram importante contribuição. O verbo “acusem” é transitivo direto e indireto. Seu objeto indireto é a oração subordinada substantiva “de se omitirem”. O “se” é o pronome apassivador, por isso “os físicos” é o sujeito paciente, forçando o verbo a flexionar-se no plural. Dentro da oração subordinada substantiva objetiva indireta “de se omitirem”, o verbo “omitirem” é transitivo direto e o pronome apassivador “se” faz entender que o sujeito paciente está subentendido (os físicos). Esse é o chamado sujeito elíptico, pois apenas o contexto nos mostra a quem o verbo se refere. Como vimos nos comentários anteriores, sempre que tivermos o pronome apassivador, devemos confirmá-lo, transpondo para a voz passiva analítica: os físicos serem omissos. (Note o particípio irregular) Da mesma forma que o sujeito de “omitirem”, o sujeito de “deram”
  34. 34. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 34 também é elíptico, subentendendo “os físicos”. b) A todos aqueles que ajudaram a criar a nova e terrível arma deve-se responsabilizar por toda e qualquer omissão diante da construção do futuro da humanidade. Na oração subordinada adjetiva (sublinhada acima), seu sujeito é o pronome relativo “que”, o qual retoma o pronome demonstrativo “aqueles”. Assim, o verbo “ajudaram” está corretamente flexionado no plural. A oração principal seria: “A todos aqueles deve-se responsabilizar por toda e qualquer omissão diante da construção do futuro da humanidade”. Nesta oração não há termo sem preposição. Isso indica que o verbo “responsabilizar”, neste contexto, não é transitivo direto. Assim, o pronome “se” é o índice de indeterminação do sujeito e esta locução verbal deve se flexionar no singular. Por tudo isso, entende-se que “A todos aqueles” é o objeto indireto e “por toda e qualquer omissão” é o adjunto adverbial de causa. c) Não cabe aos físicos, de fato, tomar as medidas que redundem no efetivo controle da utilização da nova arma, o que não significa que eles devam se omitir sobre o assunto. O verbo “cabe” é transitivo indireto. Seu objeto indireto é “aos físicos” e seu sujeito é a oração subordinada substantiva subjetiva reduzida de infinitivo “tomar as medidas”. Então esse verbo deve se flexionar na terceira pessoa do singular. O verbo “redundem” faz parte de uma oração subordinada adjetiva, ele se encontra corretamente flexionado no plural, porque seu sujeito é o pronome relativo “que”, o qual retoma o substantivo “medidas”. A outra oração subordinada adjetiva também possui como sujeito o pronome relativo “que”, mas este retoma o pronome demonstrativo reduzido “o”, por isso o verbo está corretamente flexionado no singular. d) Se a quaisquer dos físicos fosse permitido tomar decisões quanto à utilização da nova arma, provavelmente haveria nelas mais sensatez do que nas dos políticos. A locução verbal “fosse permitido” deve se flexionar no singular, porque tem como sujeito a oração subordinada substantiva subjetiva reduzida de infinitivo “tomar decisões”. O verbo “haveria” está corretamente empregado porque está no sentido de “existir, ocorrer”, por isso é impessoal e se flexionou no singular. e) Não se imputem aos físicos todas as responsabilidades por alguma desastrosa utilização da nova arma, pois não pertencem a eles as iniciativas políticas. Os verbos “imputem” e “pertencem” possuem a mesma transitividade: transitivos direto e indireto. Os objetos indiretos são “aos físicos” e “a eles” e os sujeitos que os induzem à concordância na terceira pessoa do plural são “todas as responsabilidades” e “as iniciativas políticas”, respectivamente. Gabarito: A Questão 27: TRT 21ªR 2003 Analista O verbo indicado entre parênteses deverá se flexionar numa forma do plural

×