1445259389545

313 visualizações

Publicada em

slide

Publicada em: Internet
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
313
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1445259389545

  1. 1. Aula 1 Conceituar a Modalidade de ensino – EJA, Caracterizar a Identidade do aluno da EJA, Historicizar a EJA no Brasil, seguindo diferentes décadas. d Quem a sociedade considera “sujeito educado” ? Por quê a Escola é vista, como elemento importante para a Educação? Cite 5 características de uma “pessoa educada”, É fundamental para a humanização e socialização do homem. O homem produz conhecimento, valores, arte, ciência, crenças, tecnologia, Através da Educação o homem ressignifica aquilo que pode favorecer seu bem estar enquanto ser humano. Homem produz Cultura – seu fazer histórico. Paulo Freire – educar para transformar Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=WJryIAcbRRE
  2. 2. Aprender a ler e escrever significa adquirir uma tecnologia, codificar e decodificar os rudimentos da escrita; Aprender a fazer algo por repetição, Ter-se apropriado da escrita é diferente de ter aprendido a ler e a escrever”. É muito mais que a aquisição da habilidade de codificar o próprio nome. Apropriar-se da escrita é tornar a escrita própria, ou seja, é assumi-la como sua propriedade. Capacidade de interpretar a leitura e escrita na prática social. Envolve valores, atitudes, sentimentos e relacionamento social. Homens e mulheres, com pouca instrução escolar, 3ª idade, pessoas com necessidades educacionais especiais, adolescentes em conflito com a lei, os privados de liberdade, assalariados rurais, agricultores, povos da floresta, indígenas, afro-descendentes, pescadores, ribeirinhos que tiveram uma passagem curta e não sistemática pela escola. Contingência alheia à sua vontade”. 1º- Profundo descaso e marginalização do atendimento as classes populares, evidenciado desde a Colonização do Brasil, passando pelo Império e Primeira República. 2º - Dicotomização entre trabalho manual e trabalho intelectual. 3º - A segregação - ao se restringir a oferta da educação elementar aos pobres enquanto para a elite era disponibilizado o privilégio de participação no ensino médio e superior. Educação seletiva, discriminatória e excludente. Sempre esteve ligada às transformações religiosas, sociais, econômicas e políticas que marcaram diferentes momentos no país. A EJA no período Colonial, tinha como fim, ensinar os colonos a ler o catecismo, escrever e seguir as instruções da corte. Censo Nacional de 1890 – constatou que 85% da população – iletrados-analfabetos, Lei Saraiva de 1882, Constituição de 1891, impediu o voto ao analfabeto, Reforma João Alves -1925 – Ensino noturno para adultos analfabetos, nas escolas públicas. -
  3. 3. Analfabetismo é considerado doença nacional, Analfabeto era visto como inculto, preguiçoso, ignorante e incapaz, Surge movimento contra analfabetismo, mobilizado por organismos sociais e civis, com objetivo de aumentar contingente eleitoral. O domínio da leitura e escrita é valorizado diante do acelerado processo de urbanização do país. Constituição de 1934 - Plano Nacional de Educação - EJA - dever do Estado, incluído na oferta de ensino primário integral, gratuito, de frequência obrigatória; Brasil - modelo agrícola passa a exigir preparação de mão-de-obra, para atender o contexto urbano – industrial e meio rural Lançada a Campanha Nacional de erradicação do analfabetismo (CNEA), coordenada por Lourenço Filho, que marcou uma nova etapa nas discussões sobre a educação de adultos. Houve seminários preparatórios, em diversas regiões do Brasil, com propósito de erradicação do analfabetismo, Paulo Freire chamou a atenção para as causas sociais ligadas ao analfabetismo, 1958 - Críticas à Campanha de Educação de Adultos, em função do caráter superficial do aprendizado. Escolarização limitava-se ao Ensino Primário, Efervescência de movimentos sociais, políticos e culturais, destaque para: Centros Populares de Cultura (CPC); Movimento de Cultura Popular (MCP); Movimento de Educação de Base (MEB); Campanha “de pé no chão também se aprende a ler”; Com a Ditadura Militar muitos programas de alfabetização de adultos desapareceram, Surge o MOBRAL – Lei n. 5.379/1967, Proposta desconsiderava a migração rural-urbana. Valorizava o modelo industrial, seguindo padrões capitalista de produção e consumo. Objetivo:escolarizar muitos, com pouco recurso – baixo custo operacional.
  4. 4. Depois de 70 dias na prisão, Paulo Freire não pôde continuar seu trabalho com a educação. Contra sua vontade partiu para o exílio em setembro de 1964. Paulo Freire foi exilado do Brasil, mas, seguiu trabalhando com educação de adultos no Chile e depois em países africanos. Bolívia - Contrato de assessoria para o Ministério da Educação na Bolívia, permaneceu em torno de um mês e em seguida partiu para o Chile, Chile – (1964 – 1969) – Integrou o Ministério da Reforma Agrária e coordenou a campanha de alfabetização dos camponeses chilenos. No exílio Paulo Freire escreveu várias obras. 1980 – Volta a lecionar na PUC-SP. 1985 – 1990 - Professor Titular da UNICAMP. 22 de abril de 1997 – última aula de Paulo Freire na PUC de São Paulo, 02de maio de 1997 aos 75 anos de idade , sofre enfarto fulminante, vindo a falecer. Seus sonhos e sua ética continuam vivos Paulo Freire: Importância do ato de ler Fonte: Https://www.youtube.com/watch?v=hgdnZDTEBiU Você conhece ou participou de alguma ação educativa de jovens e adultos em sua região? Qual? Relate. Dos 40 milhões de frequentadores do MOBRAL, apenas 10% foram alfabetizados. (PAIVA,1983) MMobral foi extinto em 1985, Seu lugar foi ocupado pela Fundação Educar que passou a desempenhar papel relevante junto ao MEC, às prefeituras municipais e a sociedade civil organizada (movimento sociais e populares).
  5. 5. Proposta: erradicação do analfabetismo em 10 anos. Nesse período, o governo federal extingue a Fundação Educar, Ausenta-se da função de articulador e indutor de uma política de adultos no Brasil. Conferência Mundial de Educação Para Todos Conferência Mundial de Educação Para Todos explicita a permanência do analfabetismo e o reconhecimento do analfabetismo funcional. Educação é indicada como um dos principais determinantes da competitividade entre os países, seguindo às exigências da reestruturação econômica global, mudanças no modelo produtivo e avanços tecnológicos. EJA - considerada Modalidade da Educação Básica nas etapas do Ensino Fundamental e Médio, com especificidade própria. Os sistemas de ensino deveriam viabilizar e estimular o acesso e a permanência do trabalhador na escola, mediante ações integradas e complementares entre os diversos setores das esferas públicas. Apesar da LDB, apresentar capítulo específico para a EJA, a Emenda Constitucional n.14/96, suprime a obrigatoriedade do poder público em oferecer Ensino Fundamental para os que não tiveram acesso na idade própria. Suprime o compromisso de eliminação do analfabetismo, bem como vinculação de repasses de recursos financeiros. O amadurecimento das discussões e das experiências na EJA, incentivaram o Conselho Nacional de Educação a elaborar as Diretrizes Curriculares Nacionais para a EJA no ano 2000. As DCNs, regulamentaram a realização de exames, oferecendo o Ensino Fundamental a maiores de 15 anos e o Ensino Médio a maiores de 18 anos. A EJA, foi incluída no Plano Nac. de Educação. Prestar atendimento principalmente a classe trabalhadora, Tem como finalidade: compromisso com a formação humana, acesso à cultura geral, aprimoramento da consciência crítica, Favorecimento de atitudes éticas e compromisso político, para o desenvolvimento de autonomia intelectual. (BRASIL, 2000)

×