2º Trimestre de 2015
Igreja: IEAD-São Francisco do Guaporé-RO.Igreja: IEAD-São Francisco do Guaporé-RO.
Pr. Pres. JoséPr. ...
TEXTO ÁUREO
"E, vendo Jesus que ele ficara muito triste,
disse: Quão dificilmente entrarão no Reino de
Deus os que têm riq...
VERDADE PRÁTICAVERDADE PRÁTICA
As Escrituras não condenam a aquisição
honesta de riquezas, e, sim, o amor a elas
dispensad...
OBJETIVO GERAL
Como mordomos que somos,
ensinar o uso correto do dinheiro e
dos bens confiados por Deus a
nós, à luz do e...
OBJETIVOSApós esta aula, o aluno deverá estar apto a:
PontuarPontuar o dinheiro, os bens e as posses na
perspectiva secul...
Interagindo com o Professor
O assunto "dinheiro" não é fácil de ser
tratado no meio evangélico. MuitosMuitos
hoje têm sid...
Interagindo com o Professor
Entretanto, o nosso objeto de estudoEntretanto, o nosso objeto de estudo
é o Evangelho de Luc...
Interagindo com o Professor
Qual o estilo de vida que o cristãoQual o estilo de vida que o cristão
deve ter à luz desse t...
Ponto Central
O dinheiro, os bens e as posses, na
perspectiva de JESUS, não devem ser o
significado último da vida.
Pr. E...
VISÃO PANORÂMICA
No “A Prosperidade à Luz da Bíblia”,“A Prosperidade à Luz da Bíblia”, mostra como
era formado o conceito...
VISÃO PANORÂMICA
Uma segunda associava a riqueza com a maldade eUma segunda associava a riqueza com a maldade e
a pobreza...
VISÃO PANORÂMICA
““Eram vários os principais fatores queEram vários os principais fatores que
contribuíam para a existênc...
VISÃO PANORÂMICA
 1. Impostos.1. Impostos. O sistema de impostos constituía um grande pesoO sistema de impostos constituí...
VISÃO PANORÂMICA
4. Seca e fome4. Seca e fome. Às vezes a própria natureza destruía
rapidamente toda a colheita de uma te...
VISÃO PANORÂMICA
Com tantos limites não era de admirar que os pobres se
tornassem presas fáceis dos mais ricos. Para sePa...
VISÃO PANORÂMICA
Jesus denunciou essa religiosidade farisaica
O primeiro olhar de Jesus não se dirige somente ao
pecado ...
VISÃO PANORÂMICA
Para Jesus, o grande pecado contra o projeto deo grande pecado contra o projeto de
DeusDeus consiste sob...
VISÃO PANORÂMICA
Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 18
VISÃO PANORÂMICA
O cristianismo por ser uma crença de naturezaO cristianismo por ser uma crença de natureza
escatológica ...
VISÃO PANORÂMICA
Isso fazia com que a preocupação com aIsso fazia com que a preocupação com a
propagação da mensagem do r...
INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO
O cristianismo bíblico e ortodoxo sempreO cristianismo bíblico e ortodoxo sempre
manteve uma posição...
INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO
Jesus ensinou claramente que nós temos que
escolher entre dois senhores (Mateus 6:19-34).
Mateus 13...
I. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR EI. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR E
CRISTÃCRIST...
I. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR EI. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR E
CRISTÃCRIST...
I. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR EI. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR E
CRISTÃCRIST...
I. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR EI. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR E
CRISTÃCRIST...
I. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR EI. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR E
CRISTÃCRIST...
I. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR EI. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR E
CRISTÃCRIST...
I. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR EI. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR E
CRISTÃCRIST...
II. DINHEIRO, BENS E POSSES NO JUDAÍSMO DO TEMPO DE
JESUS
No judaísmo do tempo de Jesus, a sociedade estava
dividida em d...
II. DINHEIRO, BENS E POSSES NO JUDAÍSMO DO TEMPO DE
JESUS
Um outro grupo era formado por membros da
aristocracia judaica ...
II. DINHEIRO, BENS E POSSES NO JUDAÍSMO DO TEMPO DE
JESUS
Sempre houve, na história da humanidade, esta
divisão de classe...
II. DINHEIRO, BENS E POSSES NO JUDAÍSMO DO TEMPO DE
JESUS
Na cultura judaica nos dias de Jesus, a posse de bens
materiais...
II. DINHEIRO, BENS E POSSES NO JUDAÍSMO DO TEMPO DE
JESUS
Dessa forma, a prosperidade passou a ser associada à
piedade. P...
II. DINHEIRO, BENS E POSSES NO JUDAÍSMO DO TEMPO DE
JESUS
As riquezas são, na perspectiva de Jesus, um
obstáculo, tanto à...
III. DINHEIRO, BENS E POSSSES NOS ENSINOS DE JESUS
O ensino de Jesus sobre o uso das riquezas foi
muito mais radical do q...
III. DINHEIRO, BENS E POSSSES NOS ENSINOS DE JESUS
O vocábulo traduzido como "riqueza", nesse texto,
corresponde à palavr...
III. DINHEIRO, BENS E POSSSES NOS ENSINOS DE JESUS
 Nesse aspecto, as riquezas tornam-se umNesse aspecto, as riquezas tor...
III. DINHEIRO, BENS E POSSSES NOS ENSINOS DE JESUS
 Quanto à atitude correta em relação a bens e o seu
usufruto, o crente...
III. DINHEIRO, BENS E POSSSES NOS ENSINOS DE JESUS
Embora Jesus tenha mostrado que as riquezasEmbora Jesus tenha mostrado...
III. DINHEIRO, BENS E POSSSES NOS ENSINOS DE JESUS
Logo após mostrar os perigos da avareza a alguém que
queria fazer dEle...
III. DINHEIRO, BENS E POSSSES NOS ENSINOS DE JESUS
Seu tema principal é que os ricos ímpiosSeu tema principal é que os ri...
III. DINHEIRO, BENS E POSSSES NOS ENSINOS DE JESUS
Depois de conseguir sua atenção, o escritor abre seu
discurso com a pe...
III. DINHEIRO, BENS E POSSSES NOS ENSINOS DE JESUS
Porque não há felicidade duradoura ou satisfatória
para eles. A futili...
III. DINHEIRO, BENS E POSSSES NOS ENSINOS DE JESUS
2. As riquezas não podem ser usadas como um
resgate diante de Deus, "n...
III. DINHEIRO, BENS E POSSSES NOS ENSINOS DE JESUS
O versículo 20 é uma repetição, como refrão, do
versículo 12. Se um ho...
IV. DINHEIRO, BENS E POSSES NA MORDOMIA CRISTÃ
Os léxicos definem a avareza como um apegoa avareza como um apego
demasiad...
IV. DINHEIRO, BENS E POSSES NA MORDOMIA CRISTÃ
Os léxicos definem a avareza como um apegoa avareza como um apego
demasiad...
IV. DINHEIRO, BENS E POSSES NA MORDOMIA CRISTÃ
Não era, portanto, apenas se desfazer dos bens, mas a
atitude e intenção c...
IV. DINHEIRO, BENS E POSSES NA MORDOMIA CRISTÃ
O que é Mordomia? Mordomia é o manejo
responsável dos recursos do reino de...
IV. DINHEIRO, BENS E POSSES NA MORDOMIA CRISTÃ
Assim como os filhos deste mundo são perspicazes e
astutos no que diz resp...
IV. DINHEIRO, BENS E POSSES NA MORDOMIA CRISTÃ
O ensino da parábola é que o melhor investimento é
usar os recursos materi...
IV. DINHEIRO, BENS E POSSES NA MORDOMIA CRISTÃ
Pensando que trabalham para a salvação (tesouros no
céu), sem saber trabal...
IV. DINHEIRO, BENS E POSSES NA MORDOMIA CRISTÃ
2. Entesourando no céu.
Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 54
IV. DINHEIRO, BENS E POSSES NA MORDOMIA CRISTÃ
Qual é o verdadeiro tesouro então?Qual é o verdadeiro tesouro então? Como ...
IV. DINHEIRO, BENS E POSSES NA MORDOMIA CRISTÃ
Confie sua vida a ele e seja rico em bençãos celestiais!
“Bendito o Deus e...
Não há valor moral no dinheiro em si. Ter dinheiro
pode ser uma coisa boa ou ruim. Isso vai depender do
conjunto de valor...
58
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Lição 10 jesus e o dinheiro

270 visualizações

Publicada em

Spiritual

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
270
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lição 10 jesus e o dinheiro

  1. 1. 2º Trimestre de 2015 Igreja: IEAD-São Francisco do Guaporé-RO.Igreja: IEAD-São Francisco do Guaporé-RO. Pr. Pres. JoséPr. Pres. José FabianoFabiano Gouveia.Gouveia. 1º Sup. Pb. Djalma Pedroso.1º Sup. Pb. Djalma Pedroso. Professor: Pb. Edcarlos R. dos Santos.Professor: Pb. Edcarlos R. dos Santos. Lição Nº 10 – Jesus e o Dinheiro.
  2. 2. TEXTO ÁUREO "E, vendo Jesus que ele ficara muito triste, disse: Quão dificilmente entrarão no Reino de Deus os que têm riquezas!" (Lc 18.24). "E, vendo Jesus que ele ficara muito triste, disse: Quão dificilmente entrarão no Reino de Deus os que têm riquezas!" (Lc 18.24). Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 2
  3. 3. VERDADE PRÁTICAVERDADE PRÁTICA As Escrituras não condenam a aquisição honesta de riquezas, e, sim, o amor a elas dispensado. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 3
  4. 4. OBJETIVO GERAL Como mordomos que somos, ensinar o uso correto do dinheiro e dos bens confiados por Deus a nós, à luz do ensino de Jesus. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 4
  5. 5. OBJETIVOSApós esta aula, o aluno deverá estar apto a: PontuarPontuar o dinheiro, os bens e as posses na perspectiva secular e na cristã. ExplicarExplicar o dinheiro, os bens e as posses na perspectiva do judaísmo do tempo de Jesus. ConhecerConhecer o que Jesus ensinou sobre o dinheiro, as posses e os bens. ConscientizarConscientizar o aluno da importância de entesourar tesouros no céu. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 5
  6. 6. Interagindo com o Professor O assunto "dinheiro" não é fácil de ser tratado no meio evangélico. MuitosMuitos hoje têm sido levados por caminhoshoje têm sido levados por caminhos nada bíblicos e evangélicos, quando onada bíblicos e evangélicos, quando o assunto é dinheiro.assunto é dinheiro. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 6
  7. 7. Interagindo com o Professor Entretanto, o nosso objeto de estudoEntretanto, o nosso objeto de estudo é o Evangelho de Lucas.é o Evangelho de Lucas. Ou seja, o que nos interessa saber é o que a Palavra de Deus, revelada em Lucas, diz acerca do dinheiro. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 7
  8. 8. Interagindo com o Professor Qual o estilo de vida que o cristãoQual o estilo de vida que o cristão deve ter à luz desse texto?deve ter à luz desse texto? É o que nos interessa responder nesta lição e também deve ser a pergunta que deve conduzir a aula quando ministrada em sala. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 8
  9. 9. Ponto Central O dinheiro, os bens e as posses, na perspectiva de JESUS, não devem ser o significado último da vida. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 9
  10. 10. VISÃO PANORÂMICA No “A Prosperidade à Luz da Bíblia”,“A Prosperidade à Luz da Bíblia”, mostra como era formado o conceito de prosperidade no antigoo conceito de prosperidade no antigo Israel.Israel. Esses conceitos estavam em vigor nos dias de Jesus. Eram duas as ideias mais comuns, porémEram duas as ideias mais comuns, porém equivocadas, sobre a natureza das riquezasequivocadas, sobre a natureza das riquezas.  A primeira delas associava a riqueza como uma dádiva de Deus a alguém merecedor, e a pobrezapobreza como uma marca do julgamento divino.como uma marca do julgamento divino. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 10
  11. 11. VISÃO PANORÂMICA Uma segunda associava a riqueza com a maldade eUma segunda associava a riqueza com a maldade e a pobreza com a piedade.a pobreza com a piedade.  Essa forma de pensar está presente também no mundo do Novo Testamento. Todavia as causas para a pobreza não podem ser vistas de forma tão simples assim. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 11
  12. 12. VISÃO PANORÂMICA ““Eram vários os principais fatores queEram vários os principais fatores que contribuíam para a existência de um grandecontribuíam para a existência de um grande número de pobres em Israel.número de pobres em Israel. É claro que havia muitas variáveis. Mas para entendermos bem o quadro geral, precisamos considerar alguns dos obstáculos com que eles se defrontavam”. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 12
  13. 13. VISÃO PANORÂMICA  1. Impostos.1. Impostos. O sistema de impostos constituía um grande pesoO sistema de impostos constituía um grande peso para muitas famílias, para os pequenos agricultores epara muitas famílias, para os pequenos agricultores e negociantes.negociantes. Durante toda a história da nação, os governos impuseram pesadas taxas ao povo em geral, com o objetivo de realizar seus projetos de construção ou cobrir os custos de suas operações militares. E foi justamente o excesso de impostos baixados pelo rei Salomão que ocasionou a divisão do reino.  2. Desemprego.2. Desemprego. Nas áreas rurais, a presença de escravos não afetava muito a economia, mas nas cidades sim, pois gerava forte desequilíbrio nos mercados de empregos. Como o preço dos escravos era muito baixo, os ricos chegavam a ter um servo simplesmente para conduzir o seu cavalo. Por isso o homem livre tinha que aprender um ofício, sePor isso o homem livre tinha que aprender um ofício, se quisesse conseguir um bom salário.quisesse conseguir um bom salário.  3. A morte do chefe da família.3. A morte do chefe da família. A perda do chefe da casa, que podiapodia ser causada por enfermidade, acidente ou guerraser causada por enfermidade, acidente ou guerra, geralmente deixava a família na pobreza, principalmente se os filhos fossemprincipalmente se os filhos fossem pequenospequenos. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 13
  14. 14. VISÃO PANORÂMICA 4. Seca e fome4. Seca e fome. Às vezes a própria natureza destruía rapidamente toda a colheita de uma temporada. A seca, o excesso de pragas, ou chuva em demasia fora de época, bembem como outras calamidades naturais acabavam com todocomo outras calamidades naturais acabavam com todo o sustento de uma família de uma hora para outra (SIo sustento de uma família de uma hora para outra (SI 32.4).32.4). 5. Agiotagem.5. Agiotagem. Pela lei, era proibido cobrar juros de empréstimos feitos a pobres (Ex 22.25). Mas apesar dessa recomendação divina, muitos credores tinham atitudesmuitos credores tinham atitudes impiedosas, cobrando juros exorbitantes eimpiedosas, cobrando juros exorbitantes e empregando métodos cruéis para receber o pagamentoempregando métodos cruéis para receber o pagamento da dívidada dívida. Isso sempre foi um problema grave para os Israelitas, durante toda a sua história. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 14
  15. 15. VISÃO PANORÂMICA Com tantos limites não era de admirar que os pobres se tornassem presas fáceis dos mais ricos. Para sePara se justificarem, os mais abastados costumavam fazerjustificarem, os mais abastados costumavam fazer doações, algumas delas bastantes generosas, mas odoações, algumas delas bastantes generosas, mas o objetivo não era de fato amenizar a situação doobjetivo não era de fato amenizar a situação do pobre, mas barganhar com Deus.pobre, mas barganhar com Deus. A religião, em vez de cultivar os valores da alma, fomentava apenas um legalismo exterior. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 15
  16. 16. VISÃO PANORÂMICA Jesus denunciou essa religiosidade farisaica O primeiro olhar de Jesus não se dirige somente ao pecado do ser humano, mas ao seu sofrimento.  Para Jesus, ao contrário, a preocupação também éPara Jesus, ao contrário, a preocupação também é o sofrimento das pessoas enfermas e desnutridaso sofrimento das pessoas enfermas e desnutridas da Galileiada Galileia, a defesa dos camponeses exploradosexplorados pelos poderosos latifundiáriospelos poderosos latifundiários, ou a acolhida aou a acolhida a pecadores e prostitutas, excluídos pela religiãopecadores e prostitutas, excluídos pela religião. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 16
  17. 17. VISÃO PANORÂMICA Para Jesus, o grande pecado contra o projeto deo grande pecado contra o projeto de DeusDeus consiste sobretudo em resistirmos a tomarresistirmos a tomar parte no sofrimento dos outros encerrando-nosparte no sofrimento dos outros encerrando-nos em nosso próprio bem-estar”.14em nosso próprio bem-estar”.14 Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 17
  18. 18. VISÃO PANORÂMICA Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 18
  19. 19. VISÃO PANORÂMICA O cristianismo por ser uma crença de naturezaO cristianismo por ser uma crença de natureza escatológica não estimulava a aquisição de possesescatológica não estimulava a aquisição de posses materiais.materiais. Os primitivos cristãos, incluindo os apóstolos, mantinham a expectativa de que Jesus poderia voltar ainda na sua geração. 1 Tessalonicenses 4:16-171 Tessalonicenses 4:16-17 - Pois, dada a ordem, com a voz do arcanjo e o ressoar da trombeta de Deus, o próprio Senhor descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os que estivermos vivos, seremos arrebatados com eles nas nuvens, para o encontro com o Senhor nos ares. E assim estaremos com o Senhor para sempre. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 19
  20. 20. VISÃO PANORÂMICA Isso fazia com que a preocupação com aIsso fazia com que a preocupação com a propagação da mensagem do reino se tornassepropagação da mensagem do reino se tornasse suasua principal fonte de motivação e não o acúmulo deprincipal fonte de motivação e não o acúmulo de bens terrestres.bens terrestres. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 20
  21. 21. INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO O cristianismo bíblico e ortodoxo sempreO cristianismo bíblico e ortodoxo sempre manteve uma posição de cautela e até mesmomanteve uma posição de cautela e até mesmo reserva com respeito ao uso do dinheiro ereserva com respeito ao uso do dinheiro e aquisição de riquezas.aquisição de riquezas. Na verdade, os primeiros líderes cristãos, inspirados nos ensinos de Jesus, passaram a desestimular a aquisição de bens materiais.  Entretanto,Entretanto, o secularismo e o materialismoo secularismo e o materialismo sempre rondaram o arraial cristãosempre rondaram o arraial cristão e,e, vez porvez por outra, Mamon tem deixado suas marcas emoutra, Mamon tem deixado suas marcas em nosso meio.nosso meio. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 21
  22. 22. INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO Jesus ensinou claramente que nós temos que escolher entre dois senhores (Mateus 6:19-34). Mateus 13.22 diz:Mateus 13.22 diz: “E o que foi semeado entre espinhos é o que ouve a palavra, mas os cuidados deste mundo, e a sedução das riquezas sufocam a palavra, ee a sedução das riquezas sufocam a palavra, e fica infrutíferafica infrutífera”.”. Apesar das doutrinas de muitas igrejas hoje que dizem que a prosperidade é evidência daa prosperidade é evidência da fidelidadefidelidade, a Bíblia ensina que nem riqueza nem pobreza, por si só, nos faz melhor servos de Deus. É bom ter o suficiente, mas não o excesso (Provérbios 30:7-9).]. Convido você a pensar maduramenteConvido você a pensar maduramente sobre a fé cristã.sobre a fé cristã.Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 22
  23. 23. I. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR EI. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR E CRISTÃCRISTÃ Tanto no mundo antigo quanto no contemporâneo, é possível observar que a realidade material pareceu sempre se sobrepor à espiritual. O material passa aO material passa a dominar a vida das pessoas e isso inclui dinheiro,dominar a vida das pessoas e isso inclui dinheiro, bens e posses.bens e posses. Por essa perspectiva, o material é superestimado enquanto o espiritual é ignorado e suplantadoo espiritual é ignorado e suplantado. 1. Perspectiva secular. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 23
  24. 24. I. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR EI. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR E CRISTÃCRISTÃ Na perspectiva secular quem tem dinheiro e posses é valorizado (Lc 16.19; Mt 19.23). Na perspectiva secular quem não tem dinheiro nada vale (Pv 22.7; Sl 10.2). Nesse contexto, quem tem posses é valorizado, e quem não as possui nada vale. O dinheiro, como valor material que garante posses, ganha o status de senhor em vez de servo. 2. Perspectiva Cristã. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 24
  25. 25. I. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR EI. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR E CRISTÃCRISTÃ É possível que o dinheiro nos faça esquecer coisas mais importantes? As riquezas podem -se tornar oAs riquezas podem -se tornar o centro da nossa vida e tomar o lugar de Deus.centro da nossa vida e tomar o lugar de Deus. O dinheiro pode dar-nos atitudes erradas sobre as coisas materiais. A Bíblia diz em Lucas 12:15 ““E disseE disse ao povo: Acautelai-vos e guardai-vos de todaao povo: Acautelai-vos e guardai-vos de toda espécie de cobiça; porque a vida do homem nãoespécie de cobiça; porque a vida do homem não consiste na abundância das coisas que possuiconsiste na abundância das coisas que possui.”..”. 1. Perspectiva secular. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 25
  26. 26. I. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR EI. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR E CRISTÃCRISTÃ É interessante esse contraste entre o que a BíbliaÉ interessante esse contraste entre o que a Bíblia diz e o que o mundo pensa.diz e o que o mundo pensa. Para o materialismo, omaterialismo, o que realmente importa é o ter,que realmente importa é o ter, o sucesso financeiro é a prioridade da vida. 1 Timóteo 6.9 “1 Timóteo 6.9 “Mas os que querem tornar-se ricosMas os que querem tornar-se ricos caem em tentação e em laço, e em muitascaem em tentação e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, as quaisconcupiscências loucas e nocivas, as quais submergem os homens na ruína e na perdiçãosubmergem os homens na ruína e na perdição.”]..”]. 1. Perspectiva secular. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 26
  27. 27. I. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR EI. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR E CRISTÃCRISTÃ No contexto cristão, o mesmo Deus que fez o espiritual é o mesmo que fez o material. Nos ensinos de Cristo, não há um dualismodualismo entre matéria e espíritomatéria e espírito! Todavia, as coisas espirituais,espirituais, por serem de natureza eterna, ganham primaziaganham primazia sobre as materiais, que são apenas temporaissobre as materiais, que são apenas temporais (Lc 10.41). Na perspectiva cristã, portanto, asNa perspectiva cristã, portanto, as dimensões material e espiritual devem coexistir.dimensões material e espiritual devem coexistir. Assim como servimos a Deus com o nosso espírito, nossa dimensão espiritual, devemos também servir com o nosso corpo (1 Co 6.19,20; 1 Ts 5.23), nossa dimensão material. 2. Perspectiva cristã Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 27
  28. 28. I. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR EI. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR E CRISTÃCRISTÃ Dessa forma, quem se tornou participante dos valores espirituais deve também servir com seus bens materiais (Rm 15.26-27; Lc 8.3). Aqui, o dinheiro, como valor material, não é vistoAqui, o dinheiro, como valor material, não é visto como senhor, mas apenas comocomo senhor, mas apenas como um servoum servo.. 2. Perspectiva cristã Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 28
  29. 29. I. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR EI. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR E CRISTÃCRISTÃ Ainda que citemos ‘Mantenham o pensamento nas coisas do alto, e não nas coisas terrenas’ (Colossenses 3:2), a verdade é que passamos a vida buscando ea verdade é que passamos a vida buscando e quase adorando coisas materiais – casas e carrosquase adorando coisas materiais – casas e carros bonitos, boa comida, pessoas de boa aparência,bonitos, boa comida, pessoas de boa aparência, igrejas confortáveis e etc...igrejas confortáveis e etc... 2. Perspectiva cristã Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 29
  30. 30. II. DINHEIRO, BENS E POSSES NO JUDAÍSMO DO TEMPO DE JESUS No judaísmo do tempo de Jesus, a sociedade estava dividida em dois grupos: os ricos e os pobres. Na classe mais abastada, estavam os sacerdotes, participantes de uma elite que controlava o sistema de sacrifícios e lucravam com ele, e os herodianos que possuíam grandes propriedades. 1. Ricos e pobres Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 30
  31. 31. II. DINHEIRO, BENS E POSSES NO JUDAÍSMO DO TEMPO DE JESUS Um outro grupo era formado por membros da aristocracia judaica que enriqueceu à custa de impostos de suas propriedades e ao seu comércio. O último grupo era formado por judeus comerciantes, que, embora não possuíssem herdades, participavam ativamente da vida econômica da nação. No extremo oposto dessa situação, estavam osNo extremo oposto dessa situação, estavam os pobres! Estes eram "o povo da terra" (Lc 21.1-4).pobres! Estes eram "o povo da terra" (Lc 21.1-4). Não possuíam nada e ainda eram oprimidos pelosNão possuíam nada e ainda eram oprimidos pelos ricos (Tg 2.6).ricos (Tg 2.6). 1. Ricos e pobres Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 31
  32. 32. II. DINHEIRO, BENS E POSSES NO JUDAÍSMO DO TEMPO DE JESUS Sempre houve, na história da humanidade, esta divisão de classes. Naqueles dias, ainda mais. Desde as origens da cristandade houveDesde as origens da cristandade houve convertidos ricos e que esses ocuparam posiçãoconvertidos ricos e que esses ocuparam posição de destaque nas comunidades cristãs,de destaque nas comunidades cristãs, sobretudo, nas comunidades gregas, como consta nas epístolas paulinas. Então fica evidente que o mau não é oEntão fica evidente que o mau não é o dinheiro em si, mas o amor a eledinheiro em si, mas o amor a ele. Lucas escreve seu livro à um destinatário rico! 1. Ricos e pobres Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 32
  33. 33. II. DINHEIRO, BENS E POSSES NO JUDAÍSMO DO TEMPO DE JESUS Na cultura judaica nos dias de Jesus, a posse de bens materiais não era vista como um mal em si. O expositor bíblico P. H. Davids observa que os exemplos de Abraão “Gn cap. 12 v.v. 11-16”, Salomão “herança de Davi - Guerras” e Jó “íntegro e reto, temente a Deus e que se desvia do mal” (Jó 1:8). serviam de inspiração àqueles que almejavam a prosperidade. A ideia era que os ricos prosperavamA ideia era que os ricos prosperavam porque sobre eles estava o favor de Deus.porque sobre eles estava o favor de Deus. 2. Generosidade e prosperidade. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 33
  34. 34. II. DINHEIRO, BENS E POSSES NO JUDAÍSMO DO TEMPO DE JESUS Dessa forma, a prosperidade passou a ser associada à piedade. Para evitar a avareza e a ganância, aPara evitar a avareza e a ganância, a tradição rabínica estimulava os ricos a seremtradição rabínica estimulava os ricos a serem generosos e solidários com os pobresgenerosos e solidários com os pobres, que era, que era maioria na comunidade.maioria na comunidade. Evidentemente que essa concepção estimulava apenas as ações exteriores, sem levar em conta as atitudes interiores (Lc 21.4). 2. Generosidade e prosperidade. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 34
  35. 35. II. DINHEIRO, BENS E POSSES NO JUDAÍSMO DO TEMPO DE JESUS As riquezas são, na perspectiva de Jesus, um obstáculo, tanto à salvação como ao discipulado (Mt 19.21-24; 13.22). 2. Generosidade e prosperidade. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 35
  36. 36. III. DINHEIRO, BENS E POSSSES NOS ENSINOS DE JESUS O ensino de Jesus sobre o uso das riquezas foi muito mais radical do que ensinava o judaísmo e a tradição rabínica dos seus dias. Jesus, aoJesus, ao contrário dos rabinos, não associou a piedadecontrário dos rabinos, não associou a piedade com a prosperidadecom a prosperidade. A riqueza de alguém nada dizia sobre a sua real condição espiritual. Para Jesus, o perigo das riquezas estava no fato de que elas poderiam, até mesmo, se transformar numa personificação do mal e reivindicar o culto para si. PorPor isso, advertiu: "Não podeis servir a Deus e [asisso, advertiu: "Não podeis servir a Deus e [as riquezas]" (Lc 16.13).riquezas]" (Lc 16.13). 1. Jesus alertou sobre os perigos da riqueza Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 36
  37. 37. III. DINHEIRO, BENS E POSSSES NOS ENSINOS DE JESUS O vocábulo traduzido como "riqueza", nesse texto, corresponde à palavra grega de origem aramaica Mammonas, traduzida na ARC como Mamom. A riqueza pode se transformar em um ídolo, ou deus, para aqueles que a possui. 1. Jesus alertou sobre os perigos da riqueza Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 37
  38. 38. III. DINHEIRO, BENS E POSSSES NOS ENSINOS DE JESUS  Nesse aspecto, as riquezas tornam-se umNesse aspecto, as riquezas tornam-se um obstáculo no caminho daquele que serve a Deusobstáculo no caminho daquele que serve a Deus (Lc 8.14).(Lc 8.14). . Jesus alertou sobre os perigos da riqueza Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 38
  39. 39. III. DINHEIRO, BENS E POSSSES NOS ENSINOS DE JESUS  Quanto à atitude correta em relação a bens e o seu usufruto, o crente tem a obrigação de ser fiel (16.11). O). O cristão não deve apegar-se às riquezas como umcristão não deve apegar-se às riquezas como um tesouro ou garantia pessoal;tesouro ou garantia pessoal; pelo contrário, deve abrir mão delas, colocando-as nas mãos de DeusDeus para uso no seu reino, promoção da causa de Cristo na terra, salvação dos perdidos e atendimento de necessidades do próximo. Portanto, quem possuiPortanto, quem possui riquezas e bens não deve julgar-se rico em si, eriquezas e bens não deve julgar-se rico em si, e sim administrador dos bens de Deus (12.31-48).sim administrador dos bens de Deus (12.31-48). 1. Jesus alertou sobre os perigos da riqueza Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 39
  40. 40. III. DINHEIRO, BENS E POSSSES NOS ENSINOS DE JESUS Embora Jesus tenha mostrado que as riquezasEmbora Jesus tenha mostrado que as riquezas podem, até mesmo, se tornar uma personificaçãopodem, até mesmo, se tornar uma personificação do mal,do mal, Ele não as demonizouEle não as demonizou.. No entanto, na perspectiva lucana, Jesus desencoraja a aquisição de riquezas (Lc 12.13; 18.22) e estimula a confiança em Deus. E havia uma razão para isso.E havia uma razão para isso. 2. Jesus ensinou a confiança em Deus Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 40
  41. 41. III. DINHEIRO, BENS E POSSSES NOS ENSINOS DE JESUS Logo após mostrar os perigos da avareza a alguém que queria fazer dEle um juiz em uma questão relacionada a uma herança, Jesus revela a seus discípulos que aJesus revela a seus discípulos que a melhor forma de se proteger desse mal é confiarmelhor forma de se proteger desse mal é confiar inteiramente na provisão divina (Lc 12.13-34).inteiramente na provisão divina (Lc 12.13-34). As riquezas dão a falsa sensação de segurança e de independência das coisas espirituais. Daí, sua recomendação para não se confiar nelas (Lc 12.33,34). 2. Jesus ensinou a confiança em Deus Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 41
  42. 42. III. DINHEIRO, BENS E POSSSES NOS ENSINOS DE JESUS Seu tema principal é que os ricos ímpiosSeu tema principal é que os ricos ímpios frequentemente vencem na vida, enquanto osfrequentemente vencem na vida, enquanto os pobres e devotos frequentemente sofrem.pobres e devotos frequentemente sofrem. E emite uma nítida advertência àqueles que confiam nas riquezas. Os versículos introdutórios (49:1-4) contêm um chamado premente a que todos os povos dêem atenção. 2. Jesus ensinou a confiança em Deus Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 42
  43. 43. III. DINHEIRO, BENS E POSSSES NOS ENSINOS DE JESUS Depois de conseguir sua atenção, o escritor abre seu discurso com a pergunta: "Por que hei de eu temer""Por que hei de eu temer" (49:5).(49:5). Ele não está escrevendo por causa da inveja daqueles que prosperam, ainda que alguns deles possam ser seus antagonistas. Ele não tem motivo para temer, ainda que seus inimigos - os ricos e os ambiciosos - temam. Por quê?Por quê? 2. Jesus ensinou a confiança em Deus Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 43
  44. 44. III. DINHEIRO, BENS E POSSSES NOS ENSINOS DE JESUS Porque não há felicidade duradoura ou satisfatória para eles. A futilidade de confiar na riqueza terrestre e nas posses materiais é graficamente ressaltada nos versículos 5-12. Riquezas terrestres não darãoRiquezas terrestres não darão satisfação no dia mau.satisfação no dia mau. O salmista apresenta diversas razões convincentes para isto. 1. As riquezas não salvarão a vida de uma pessoa (49:7). 2. Jesus ensinou a confiança em Deus Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 44
  45. 45. III. DINHEIRO, BENS E POSSSES NOS ENSINOS DE JESUS 2. As riquezas não podem ser usadas como um resgate diante de Deus, "nem pagar por ele a Deus o seu resgate". 3. As riquezas não salvarão a alma de uma pessoa (49:8). 4. As riquezas não evitarão que qualquer pessoa morra e deixe suas posses para outros (49:10). 5. Todavia, o homem não permanece em sua ostentação; é, antes, como os animais, que perecem (49:12). 2. Jesus ensinou a confiança em Deus Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 45
  46. 46. III. DINHEIRO, BENS E POSSSES NOS ENSINOS DE JESUS O versículo 20 é uma repetição, como refrão, do versículo 12. Se um homem está em posição de honra "mas sem entendimento", ele é apenas "como os animais, que perecem". 2. Jesus ensinou a confiança em Deus Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 46
  47. 47. IV. DINHEIRO, BENS E POSSES NA MORDOMIA CRISTÃ Os léxicos definem a avareza como um apegoa avareza como um apego demasiado e sórdido ao dinheiro e mesquinhez.demasiado e sórdido ao dinheiro e mesquinhez. O ensino de Jesus sobre o uso das riquezas vaio uso das riquezas vai muito além da simples doação de bens e açõesmuito além da simples doação de bens e ações filantrópicas.filantrópicas. 1. Avaliando a intenção do coração. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 47
  48. 48. IV. DINHEIRO, BENS E POSSES NA MORDOMIA CRISTÃ Os léxicos definem a avareza como um apegoa avareza como um apego demasiado e sórdido ao dinheiro e mesquinhez.demasiado e sórdido ao dinheiro e mesquinhez. O ensino de Jesus sobre o uso das riquezas vaio uso das riquezas vai muito além da simples doação de bens e açõesmuito além da simples doação de bens e ações filantrópicas.filantrópicas. Ele não se limitava a avaliar apenas as ações exteriores, mas, sobretudo, voltava-se parasobretudo, voltava-se para asas atitudes interiores.atitudes interiores. 1. Avaliando a intenção do coraçãointenção do coração. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 48
  49. 49. IV. DINHEIRO, BENS E POSSES NA MORDOMIA CRISTÃ Não era, portanto, apenas se desfazer dos bens, mas a atitude e intenção com que isso era feito. Lc 11.40- – Loucos! O que fez o exterior não fez também o interior? Dai, antes esmola do queDai, antes esmola do que tiverdes, e eis que tudo vos será limpo.tiverdes, e eis que tudo vos será limpo. Mas ai de vós, fariseus, que dizimais a hortelã, e a arruda, e toda hortaliças e desprezais o Juízo e o Amor de Deus! Importa fazer essas coisas e não deixar as outras.Importa fazer essas coisas e não deixar as outras. Não era apenas doar, mas doar-se. 1. Avaliando a intenção do coraçãointenção do coração. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 49
  50. 50. IV. DINHEIRO, BENS E POSSES NA MORDOMIA CRISTÃ O que é Mordomia? Mordomia é o manejo responsável dos recursos do reino de Deus que foram confiados a uma pessoa ou a um grupo. 1 Co 4.1-2.1 Co 4.1-2. Mordomo é alguém que administra os bens deMordomo é alguém que administra os bens de outra pessoa.outra pessoa. Os bens não lhe pertencem, mas ele pode usufruir deles enquanto os administra para seu legítimo dono. Jesus contou a parábola doJesus contou a parábola do administrador, ou mordomo infiel, para mostraradministrador, ou mordomo infiel, para mostrar esse fato (Lc 16.1-13).esse fato (Lc 16.1-13). 2. Entesourando no céu. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 50
  51. 51. IV. DINHEIRO, BENS E POSSES NA MORDOMIA CRISTÃ Assim como os filhos deste mundo são perspicazes e astutos no que diz respeito ao uso de suas riquezas, assim também os filhos do Reino devem ser sábios na aplicação de seus bens. O ensino da parábola é que o melhor investimento é usar os recursos materiais adquiridos na propagação do Reino de Deus e, dessa forma, ganhar amigos para a vida eterna (Lc 16.9). 2. Entesourando no céu. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 51
  52. 52. IV. DINHEIRO, BENS E POSSES NA MORDOMIA CRISTÃ O ensino da parábola é que o melhor investimento é usar os recursos materiais adquiridos na propagação do Reino de Deus e, dessa forma, ganhar amigos para a vida eterna (Lc 16.9). Em Mateus 6:19-20 o Senhor diz: “Não acumuleis“Não acumuleis para vós outros tesouros sobre a terra, onde apara vós outros tesouros sobre a terra, onde a traça e a ferrugem corroem e onde os ladrõestraça e a ferrugem corroem e onde os ladrões escavam e roubam; mas ajuntai para vós outrosescavam e roubam; mas ajuntai para vós outros tesouros no céu...”.tesouros no céu...”. 2. Entesourando no céu. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 52
  53. 53. IV. DINHEIRO, BENS E POSSES NA MORDOMIA CRISTÃ Pensando que trabalham para a salvação (tesouros no céu), sem saber trabalham para a perdição (tesouros na terra). Em Mateus 7:21, Jesus diz muito sobre esse tipo de engano: “Nem todo que me diz Senhor, Senhor!“Nem todo que me diz Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus; mas aquele que faz aentrará no reino dos céus; mas aquele que faz a vontade do meu Pai que está nos céus”.vontade do meu Pai que está nos céus”. 2. Entesourando no céu. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 53
  54. 54. IV. DINHEIRO, BENS E POSSES NA MORDOMIA CRISTÃ 2. Entesourando no céu. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 54
  55. 55. IV. DINHEIRO, BENS E POSSES NA MORDOMIA CRISTÃ Qual é o verdadeiro tesouro então?Qual é o verdadeiro tesouro então? Como achar um caminho certo e seguro para ele? Paulo responde: “A mim, o menor de todos os santos, me foi dada“A mim, o menor de todos os santos, me foi dada esta graça de pregar aos gentios o evangelho dasesta graça de pregar aos gentios o evangelho das insondáveis riquezas de Cristo” (Efésios 3:8).insondáveis riquezas de Cristo” (Efésios 3:8). 2. Entesourando no céu. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 55
  56. 56. IV. DINHEIRO, BENS E POSSES NA MORDOMIA CRISTÃ Confie sua vida a ele e seja rico em bençãos celestiais! “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo” (Efésios 1:3) Eis aí o mapa do verdadeiro tesouro: o evangelho dao evangelho da salvação.salvação. 2. Entesourando no céu. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 56
  57. 57. Não há valor moral no dinheiro em si. Ter dinheiro pode ser uma coisa boa ou ruim. Isso vai depender do conjunto de valores daquele que o utiliza. Certamente, usar o dinheiro para ajudar uma obra filantrópica, ou investir na obra missionária, é uma coisa útil e louvável. Todavia, usar esse dinheiro, como advertiu Jesus, simplesmente com a atitude de querer mais posses, mais prestígio, mais autossatisfação, acaba se tornando uma coisa ruim. Conclusão. Pr. Edcarlos Rodrigues dos Santos 57
  58. 58. 58

×