VERDADE PRÁTICA
• "E, vendo Jesus que ele ficara muito triste, disse: Quão
dificilmente entrarão no Reino de Deus os que t...
LEITURA DIÁRIA
• Segunda - Lc 21.1-4
• Riqueza e pobreza no tempo de Jesus Cristo
• Terça - Lc 18.29,30
• Generosidade e p...
OBJETIVO GERAL
• Como mordomos que somos, ensinar o uso correto do
dinheiro e dos bens confiados por Deus a nós, à luz do
...
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
• Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o
professor deve atingir em cada tópico. Por ex...
ESBOÇO DA LIÇÃO
• I. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR E CRISTÃ
• 1. Perspectiva secular
• 2. Perspectiva...
PONTO CENTRAL
• O dinheiro, os bens e as posses, na perspectiva de
Jesus, não devem ser o significado último da vida.
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
• 18 - E perguntou-lhe um certo príncipe, dizendo: Bom Mestre,
que hei de fazer para herdar a vi...
TEXTO ÁUREO
INTRODUÇÃO
• O cristianismo bíblico e ortodoxo sempre manteve uma
posição de cautela e até mesmo reserva com respeito
ao u...
• O dinheiro tem se tornado senhor de muitas pessoas.
Há muita gente lutando para ter dinheiro e se desgastam
tanto nesta ...
• Uma das táticas mais eficazes do diabo é apagar o zelo
do cristão com preocupações financeiras Mateus 13.22
diz: “E o qu...
I. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR E CRISTÃ
I. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS
PERSPECTIVAS SECULAR E CRI...
1. Perspectiva secular.
• Uma das formas mais comuns de se enxergar o
dinheiro, bens e posses na cultura secular é vê-los
apenas como algo de natu...
• O dinheiro é o meio usado na troca de bens, na forma
de moedas ou notas (cédulas), usado na compra de
bens, serviços, fo...
• Mamon, contudo, não era o nome de uma divindade e
sim um termo de origem hebraica que significa dinheiro,
ou bens materi...
• O dinheiro pode dar-nos atitudes erradas sobre as
coisas materiais.
• A Bíblia diz em Lucas 12:15 “E disse ao povo: Acau...
2.Perspectiva cristã.
• No contexto cristão, o mesmo Deus que fez o espiritual
é o mesmo que fez o material. Nos ensinos de Cristo,
não há um du...
• O contentamento não depende da quantidade de
dinheiro ou posses materiais. A Bíblia diz em Filipenses
4.12-13 “Sei passa...
• A Bíblia diz em Mateus 6.21 “Porque onde estiver o teu
tesouro, aí estará também o teu coração.”
• Parece que os cristão...
II. DINHEIRO, BENS E POSSES NO
JUDAÍSMO DO TEMPO DE JESUS
1. Ricos e pobres.
2. Generosidade e prosperidade
1. Ricos e pobres.
• No judaísmo do tempo de Jesus, a sociedade pobres.
Na classe mais abastada, estavam os sacerdotes,
participantes de uma ...
• Predominava entre os judeus daqueles tempos a ideia
de que as riquezas eram um sinal do favor especial de
Deus, e que a ...
• A Bíblia identifica a busca insaciável e avarenta pelas
riquezas como idolatria, a qual é demoníaca (cf. 1Co
10.19,20; C...
2. Generosidade e prosperidade.
• Na cultura judaica nos dias de Jesus, a posse de bens
materiais não era vista como um mal em si. O expositor
bíblico P. ...
• As riquezas são, na perspectiva de Jesus, um obstáculo,
tanto à salvação como ao discipulado (Mt 19.24; 13.22).
• Transm...
• Na sua luta para acumular riquezas, os ricos sufocam
sua vida espiritual (8.14), caem em tentação e
sucumbem aos desejos...
III. DINHEIRO, BENS E POSSES NOS
ENSINOS DE JESUS
• 1. Jesus alertou sobre os perigos da riqueza.
• 2. Jesus ensinou a con...
1. Jesus alertou sobre os perigos da riqueza.
• O ensino de Jesus sobre o uso das riquezas foi muito
mais radical do que ensinava o judaísmo e a tradição
rabínica dos s...
• Para o cristão, as verdadeiras riquezas consistem na fé
e no amor que se expressam na abnegação e em seguir
fielmente a ...
• Cada cristão deve examinar seu próprio coração e
desejos: sou uma pessoa cobiçosa? Sou egoísta? Aflijo-
me para ser rico...
2. Jesus ensinou a confiança em Deus.
• Embora Jesus tenha mostrado que as riquezas podem,
até mesmo, se tornar uma personificação do mal, Ele
não as demonizou....
• O Salmo 49, salmo da "Loucura das Riquezas", por
Harry E. Payne: A beleza intrínseca e a sabedoria dos
Salmos são claram...
• Todos estes fatos mostram a extrema vaidade da
confiança de uma pessoa nas riquezas.
• Todas as pessoas morrerão; quando...
IV. DINHEIRO, BENS E POSSES NA
MORDOMIA CRISTÃ
1. Avaliando a intenção do coração.
2. Entesourando no céu.
• Os léxicos definem a avareza como um apego
demasiado e sórdido ao dinheiro e mesquinhez. Vimos
que, para evitar esse mal...
• O que é Mordomia? Mordomia é o manejo responsável
dos recursos do reino de Deus que foram confiados a
uma pessoa ou a um...
• O dinheiro deve ser lidado com honestidade – 16:3-4 –
Paulo tinha um comitê financeiro para ajudá-lo (16:3-4; 2
Co 8:16-...
2. Entesourando no céu
• Mordomo é alguém que administra os bens de outra
pessoa. Os bens não lhe pertencem, mas ele pode
usufruir deles enquanto...
• O conhecimento das Escrituras pode nos livrar dos
enganos. É por acreditar nos sentimentos e não na
verdade que somos en...
• Qual é o verdadeiro tesouro então? Como achar um
caminho certo e seguro para ele? Paulo responde: “A
mim, o menor de tod...
CONCLUSÃO
• Não há valor moral no dinheiro em si. Ter dinheiro pode
ser uma coisa boa ou ruim. Isso vai depender do
conjun...
• O fato de ser rico não desqualifica ninguém ao reino de
Deus, mas o apego, a confiança, o amor, o serviço
prestado à riq...
• Então Jesus contou a seguinte parábola: - As terras
de um homem rico deram uma grande colheita.
Então ele começou a pens...
2° Trimestre 2015 Lição 10 Adultos
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

2° Trimestre 2015 Lição 10 Adultos

203 visualizações

Publicada em

Lição 10 Adultos 2° Trimestre 2015

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
203
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2° Trimestre 2015 Lição 10 Adultos

  1. 1. VERDADE PRÁTICA • "E, vendo Jesus que ele ficara muito triste, disse: Quão dificilmente entrarão no Reino de Deus os que têm riquezas!" (Lc 18.24)
  2. 2. LEITURA DIÁRIA • Segunda - Lc 21.1-4 • Riqueza e pobreza no tempo de Jesus Cristo • Terça - Lc 18.29,30 • Generosidade e prosperidade segundo a Palavra de Deus • Quarta - Lc 16.13 • Os perigos de se ter as riquezas como senhor • Quinta - Lc 12.13-34 • A vida do homem não consiste no seus bens • Sexta - Lc 7.36-50 • Avaliando a verdadeira intenção do coração • Sábado - Lc 16.9 • Não guardar tesouros na terra, mas no céu
  3. 3. OBJETIVO GERAL • Como mordomos que somos, ensinar o uso correto do dinheiro e dos bens confiados por Deus a nós, à luz do ensino de Jesus.
  4. 4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS • Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos. • Pontuar o dinheiro, os bens e as posses na perspectiva secular e na cristã. • Explicar o dinheiro, os bens e as posses na perspectiva do judaísmo do tempo de Jesus. • Conhecer o que Jesus ensinou sobre o dinheiro, as posses e os bens. • Conscientizar o aluno da importância de entesourar tesouros no céu.
  5. 5. ESBOÇO DA LIÇÃO • I. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR E CRISTÃ • 1. Perspectiva secular • 2. Perspectiva cristã • II. DINHEIRO, BENS E POSSES NO JUDAÍSMO DO TEMPO DE JESUS • 1. Ricos e pobres. • 2. Generosidade e prosperidade • III. DINHEIRO, BENS E POSSES NOS ENSINOS DE JESUS • 1. Jesus alertou sobre os perigos da riqueza. • 2. Jesus ensinou a confiança em Deus. • IV. DINHEIRO, BENS E POSSES NA MORDOMIA CRISTÃ • 1. Avaliando a intenção do coração. • 2. Entesourando no céu.
  6. 6. PONTO CENTRAL • O dinheiro, os bens e as posses, na perspectiva de Jesus, não devem ser o significado último da vida.
  7. 7. LEITURA BÍBLICA EM CLASSE • 18 - E perguntou-lhe um certo príncipe, dizendo: Bom Mestre, que hei de fazer para herdar a vida eterna? • 19 - Jesus lhe disse: Por que me chamas bom? Ninguém há bom, senão um, que é Deus. • 20 - Sabes os mandamentos: Não adulterarás, não matarás, não furtarás, não dirás falso testemunho, honra a teu pai e a tua mãe. • 21 - E disse ele: Todas essas coisas tenho observado desde a minha mocidade. • 22 - E, quando Jesus ouviu isso, disse-lhe: Ainda te falta uma coisa: vende tudo quanto tens, reparte-o pelos pobres e terás um tesouro no céu; depois, vem e segue-me. • 23 - Mas, ouvindo ele isso, ficou muito triste, porque era muito rico. • 24 - E, vendo Jesus que ele ficara muito triste, disse: Quão dificilmente entrarão no Reino de Deus os que têm riquezas!
  8. 8. TEXTO ÁUREO
  9. 9. INTRODUÇÃO • O cristianismo bíblico e ortodoxo sempre manteve uma posição de cautela e até mesmo reserva com respeito ao uso do dinheiro e aquisição de riquezas. Na verdade, os primeiros líderes cristãos, inspirados nos ensinos de Jesus, passaram a desestimular a aquisição de bens materiais. Entretanto, o secularismo e o materialismo sempre rondaram o arraial cristão e, vez por outra, Mamon tem deixado suas marcas em nosso meio.
  10. 10. • O dinheiro tem se tornado senhor de muitas pessoas. Há muita gente lutando para ter dinheiro e se desgastam tanto nesta busca que já não lhes resta tempo algum para gozar daquilo que conseguiram amealhar. O desejo de ter coisas e acumular riquezas domina a vida do homem moderno.
  11. 11. • Uma das táticas mais eficazes do diabo é apagar o zelo do cristão com preocupações financeiras Mateus 13.22 diz: “E o que foi semeado entre espinhos é o que ouve a palavra, mas os cuidados deste mundo, e a sedução das riquezas sufocam a palavra, e fica infrutífera”. Jesus ensinou claramente que nós temos que escolher entre dois senhores (Mateus 6:19-34). Mas, muitas pessoas se tornam escravas do dinheiro por acumular dívidas
  12. 12. I. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR E CRISTÃ I. O DINHEIRO, BENS E POSSES NAS PERSPECTIVAS SECULAR E CRISTÃ 1. Perspectiva secular 2. Perspectiva cristã
  13. 13. 1. Perspectiva secular.
  14. 14. • Uma das formas mais comuns de se enxergar o dinheiro, bens e posses na cultura secular é vê-los apenas como algo de natureza puramente material. Tanto no mundo antigo quanto no contemporâneo, é possível observar que a realidade material pareceu sempre se sobrepor à espiritual. • O material passa a dominar a vida das pessoas e isso inclui dinheiro, bens e posses. No Mundo Ocidental, essa forma de enxergar as coisas transformou-se em uma filosofia de vida que se recusa a enxergar outra coisa além da matéria. Por essa perspectiva, o material é superestimado enquanto o espiritual é ignorado e suplantado.
  15. 15. • O dinheiro é o meio usado na troca de bens, na forma de moedas ou notas (cédulas), usado na compra de bens, serviços, força de trabalho, divisas estrangeiras ou nas demais transações financeiras, emitido e controlado pelo governo de cada país, que é o único que tem essa atribuição.
  16. 16. • Mamon, contudo, não era o nome de uma divindade e sim um termo de origem hebraica que significa dinheiro, ou bens materiais. No Evangelho de Lucas, a palavra é utilizada quando afirma que não é possível servir simultaneamente a Deus e a Mamon (Lucas 16.13). Deuteronômio 8.18 “Antes te lembrarás do Senhor teu Deus, porque ele é o que te dá força para adquirires riquezas; a fim de confirmar o seu pacto, que jurou a teus pais, como hoje se vê.”
  17. 17. • O dinheiro pode dar-nos atitudes erradas sobre as coisas materiais. • A Bíblia diz em Lucas 12:15 “E disse ao povo: Acautelai- vos e guardai-vos de toda espécie de cobiça; porque a vida do homem não consiste na abundância das coisas que possui.”. • É interessante esse contraste entre o que a Bíblia diz e o que o mundo pensa. Para o materialismo, o que realmente importa é o ter, o sucesso financeiro é a prioridade da vida. • 1 Timóteo 6.9 “Mas os que querem tornar-se ricos caem em tentação e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, as quais submergem os homens na ruína e na perdição.
  18. 18. 2.Perspectiva cristã.
  19. 19. • No contexto cristão, o mesmo Deus que fez o espiritual é o mesmo que fez o material. Nos ensinos de Cristo, não há um dualismo entre matéria e espírito! Todavia, as coisas espirituais, por serem de natureza eterna, ganham primazia sobre as materiais, que são apenas temporais (Lc 10.41).
  20. 20. • O contentamento não depende da quantidade de dinheiro ou posses materiais. A Bíblia diz em Filipenses 4.12-13 “Sei passar falta, e sei também ter abundância; em toda maneira e em todas as coisas estou experimentado, tanto em ter fartura, como em passar fome; tanto em ter abundância, como em padecer necessidade. Posso todas as coisas naquele que me fortalece.” Onde investimos o nosso dinheiro, aí estará o nosso coração.
  21. 21. • A Bíblia diz em Mateus 6.21 “Porque onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração.” • Parece que os cristãos estão extremamente confusos se as coisas que pensamos que possuímos, o mundo natural e até nossos corpos são, em sua essência, bons ou não. • E sta confusão surgiu, em boa parte, porque o pensamento cristão ocidental foi comprometido pelo conceito não-bíblico da filosofia grega: a separação entre corpo e alma e material e espiritual. • Ainda que citemos ‘Mantenham o pensamento nas coisas do alto, e não nas coisas terrenas’ (Colossenses 3:2), a verdade é que passamos a vida buscando e quase adorando coisas materiais – casas e carros bonitos, boa comida, pessoas de boa aparência, igrejas confortáveis.
  22. 22. II. DINHEIRO, BENS E POSSES NO JUDAÍSMO DO TEMPO DE JESUS 1. Ricos e pobres. 2. Generosidade e prosperidade
  23. 23. 1. Ricos e pobres.
  24. 24. • No judaísmo do tempo de Jesus, a sociedade pobres. Na classe mais abastada, estavam os sacerdotes, participantes de uma elite que controlava o sistema de sacrifícios e lucravam com ele, e os herodianos que possuíam grandes propriedades. Um outro grupo era formado por membros da aristocracia judaica que enriqueceu à custa de impostos de suas propriedades e ao seu comércio. estava dividida em dois grupos: os ricos e os pobres.
  25. 25. • Predominava entre os judeus daqueles tempos a ideia de que as riquezas eram um sinal do favor especial de Deus, e que a pobreza era um sinal de falta de fé e do desagrado de Deus. Os fariseus, por exemplo, adotavam essa crença e escarneciam de Jesus por causa da sua pobreza (16.14).
  26. 26. • A Bíblia identifica a busca insaciável e avarenta pelas riquezas como idolatria, a qual é demoníaca (cf. 1Co 10.19,20; Cl 3.5). • Por causa da influência demoníaca associada à riqueza, a ambição por ela e a sua busca frequentemente escravizam as pessoas (cf. Mt 6.24). • Então fica evidente que o mau não é o dinheiro em si, mas o amor a ele. • Lucas escreve seu livro à um destinatário rico! E que coragem desse evangelista! Pouco importa se Teófilo era uma pessoa de posses e estava custeando Lucas durante suas pesquisas e elaboração de seus dois livros, Lucas fala a respeito do amor ao dinheiro! O evangelho de Lucas, completado pelos Atos, é o único evangelho destinado a uma pessoa (ou grupo de pessoas). Os outros são destinados a uma comunidade ou a várias comunidades.
  27. 27. 2. Generosidade e prosperidade.
  28. 28. • Na cultura judaica nos dias de Jesus, a posse de bens materiais não era vista como um mal em si. O expositor bíblico P. H. Davids observa que os exemplos de Abraão, Salomão e Jó serviam de inspiração àqueles que almejavam a prosperidade. • A ideia era que os ricos prosperavam porque sobre eles estava o favor de Deus. Dessa forma, a prosperidade passou a ser associada à piedade. • Para evitar a avareza e a ganância, a tradição rabínica estimulava os ricos a serem generosos e solidários com os pobres, que era maioria na comunidade. • Evidentemente que essa concepção estimulava apenas as ações exteriores, sem levar em conta as atitudes interiores (Lc 21.4).
  29. 29. • As riquezas são, na perspectiva de Jesus, um obstáculo, tanto à salvação como ao discipulado (Mt 19.24; 13.22). • Transmitem um falso senso de segurança (12.15ss.), enganam (Mt 13.22) e exigem total lealdade do coração (Mt 6.21). • Quase sempre os ricos vivem como quem não precisa de Deus. • Dilma manda remover a frase "Deus seja louvado" do dinheiro a pedido dos Ateus
  30. 30. • Na sua luta para acumular riquezas, os ricos sufocam sua vida espiritual (8.14), caem em tentação e sucumbem aos desejos nocivos (1Tm 6.9), e daí abandonam a fé (1Tm 6.10). • Geralmente os ricos exploram os pobres (Tg 2.5,6). O cristão não deve, pois, ter a ambição de ficar rico (1Tm 6.9-11). • O amontoar egoísta de bens materiais é uma indicação de que a vida já não é considerada do ponto de vista da eternidade (Cl 3.1). • O egoísta e cobiçoso já não centraliza em Deus o seu alvo e a sua realização, mas, sim, em si mesmo e nas suas possessões.
  31. 31. III. DINHEIRO, BENS E POSSES NOS ENSINOS DE JESUS • 1. Jesus alertou sobre os perigos da riqueza. • 2. Jesus ensinou a confiança em Deus.
  32. 32. 1. Jesus alertou sobre os perigos da riqueza.
  33. 33. • O ensino de Jesus sobre o uso das riquezas foi muito mais radical do que ensinava o judaísmo e a tradição rabínica dos seus dias. Jesus, ao contrário dos rabinos, não associou a piedade com a prosperidade. • A riqueza de alguém nada dizia sobre a sua real condição espiritual. Para Jesus, o perigo das riquezas estava no fato de que elas poderiam, até mesmo, se transformar numa personificação do mal e reivindicar o culto para si. Por isso, advertiu: "Não podeis servir a Deus e [as riquezas]" (Lc 16.13). O cálice transborda. Mas não é precisamente de dinheiro.
  34. 34. • Para o cristão, as verdadeiras riquezas consistem na fé e no amor que se expressam na abnegação e em seguir fielmente a Jesus (1Co 13.4-7; Fp 2.3-5). Quanto à atitude correta em relação a bens e o seu usufruto, o crente tem a obrigação de ser fiel (16.11).
  35. 35. • Cada cristão deve examinar seu próprio coração e desejos: sou uma pessoa cobiçosa? Sou egoísta? Aflijo- me para ser rico? Tenho forte desejo de honrarias, prestígio, poder e posição, o que muitas vezes depende da posse de muita riqueza?.
  36. 36. 2. Jesus ensinou a confiança em Deus.
  37. 37. • Embora Jesus tenha mostrado que as riquezas podem, até mesmo, se tornar uma personificação do mal, Ele não as demonizou. • No entanto, na perspectiva lucana, Jesus desencoraja a aquisição de riquezas (Lc 12.13; 18.22) e estimula a confiança em Deus. • E havia uma razão para isso. Logo após mostrar os perigos da avareza a alguém que queria fazer dEle um juiz em uma questão relacionada a uma herança, Jesus revela a seus discípulos que a melhor forma de se proteger desse mal é confiar inteiramente na provisão divina (Lc 12.13-34). • As riquezas dão a falsa sensação de segurança e de independência das coisas espirituais. Daí, sua recomendação para não se confiar nelas (Lc 12.33,34).
  38. 38. • O Salmo 49, salmo da "Loucura das Riquezas", por Harry E. Payne: A beleza intrínseca e a sabedoria dos Salmos são claramente apresentadas neste solene salmo didático. Seu tema principal é que os ricos ímpios frequentemente vencem na vida, enquanto os pobres e devotos frequentemente sofrem. E emite uma nítida advertência àqueles que confiam nas riquezas.
  39. 39. • Todos estes fatos mostram a extrema vaidade da confiança de uma pessoa nas riquezas. • Todas as pessoas morrerão; quando uma pessoa morre, ela deixa todas as posses aqui na terra; e as deixará para outros, frequentemente estranhos, que por sua vez falecerão. • Entretanto, o salmista nos conta o que as pessoas que estão dispostas a serem ricas pensam: (1) Elas pensam "que as suas casas serão perpétuas", e (2) elas darão às suas terras "seu próprio nome". • Há algo errado com uma pessoa dar nome a uma fazenda, uma plantação, um negócio ou qualquer outra posse física de acordo com seu próprio nome? O salmista não está condenando a legítima propriedade de terras e posses, mas antes a jactanciosa, auto-suficiente "propriedade".
  40. 40. IV. DINHEIRO, BENS E POSSES NA MORDOMIA CRISTÃ 1. Avaliando a intenção do coração. 2. Entesourando no céu.
  41. 41. • Os léxicos definem a avareza como um apego demasiado e sórdido ao dinheiro e mesquinhez. Vimos que, para evitar esse mal, a tradição rabínica estimulava as práticas filantrópicas e solidárias. O ensino de Jesus sobre o uso das riquezas vai muito além da simples doação de bens e ações filantrópicas. 1. Avaliando a intenção do coração.
  42. 42. • O que é Mordomia? Mordomia é o manejo responsável dos recursos do reino de Deus que foram confiados a uma pessoa ou a um grupo. • (Conciso Dicionário de Teologia Cristã – Millard J. Erickson). Mordomia é Administração (Lc 16.2,RC). Mordomo, - Pessoa encarregada da administração de uma casa (oikos); administrador. (Gn 39.4-8,RA; Lc 12.42). • (Dicionário da Bíblia de Almeida)-(SBB). - Despenseiro:- 1)- Pessoa encarregada da Despensa, (Cômodo em que se guardam mantimentos) - (Gn 43.16,RA); • 2)- O cristão como administrador dos seus Dons (1 Pe 4.10); 3)- O obreiro como responsável por cuidar das coisas de Deus (1 Co 4.1; Tt 1.7).
  43. 43. • O dinheiro deve ser lidado com honestidade – 16:3-4 – Paulo tinha um comitê financeiro para ajudá-lo (16:3-4; 2 Co 8:16-24). • Muitos obreiros perdem o seu testemunho pela maneira pouco transparente como lidam com o dinheiro. • Paulo recomenda as igreja escolher pessoas específicas para lidar com o dinheiro das ofertas. Realizar as finanças com transparência.
  44. 44. 2. Entesourando no céu
  45. 45. • Mordomo é alguém que administra os bens de outra pessoa. Os bens não lhe pertencem, mas ele pode usufruir deles enquanto os administra para seu legítimo dono. Jesus contou a parábola do administrador, ou mordomo infiel, para mostrar esse fato (Lc 16.1-13). O entendimento entre os intérpretes da Bíblia é que essa parábola tem um fim escatológico. Assim como os filhos deste mundo são perspicazes e astutos no que diz respeito ao uso de suas riquezas, assim também os filhos do Reino devem ser sábios na aplicação de seus bens. O ensino da parábola é que o melhor investimento é usar os recursos materiais adquiridos na propagação do Reino de Deus e, dessa forma, ganhar amigos para a vida eterna (Lc 16.9).
  46. 46. • O conhecimento das Escrituras pode nos livrar dos enganos. É por acreditar nos sentimentos e não na verdade que somos enganados. • Jacó trabalhou sete anos para ter Raquel como esposa, mas sem saber trabalhava esforçadamente a cada dia para se casar com Lia. Pensando que trabalhava para ter Raquel, sem saber trabalhava para ter Lia. • Quantas pessoas fervorosas podem estar nessa situação hoje? Pensando que trabalham para a salvação (tesouros no céu), sem saber trabalham para a perdição (tesouros na terra). Dedicadas. Empenhadas. Amorosas. Evangelizadores. Tantas coisas, que não dá para acreditar que não terão o seu lugar na eternidade ao lado do Senhor.
  47. 47. • Qual é o verdadeiro tesouro então? Como achar um caminho certo e seguro para ele? Paulo responde: “A mim, o menor de todos os santos, me foi dada esta graça de pregar aos gentios o evangelho das insondáveis riquezas de Cristo” (Efésios 3:8). • Eis aí o mapa do verdadeiro tesouro: o evangelho da salvação. • Confie sua vida a ele e seja rico em bençãos celestiais! “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo” (Efésios 1:3).
  48. 48. CONCLUSÃO • Não há valor moral no dinheiro em si. Ter dinheiro pode ser uma coisa boa ou ruim. Isso vai depender do conjunto de valores daquele que o utiliza. Certamente, usar o dinheiro para ajudar uma obra filantrópica, ou investir na obra missionária, é uma coisa útil e louvável.
  49. 49. • O fato de ser rico não desqualifica ninguém ao reino de Deus, mas o apego, a confiança, o amor, o serviço prestado à riqueza. • A riqueza não é um mau, mas o apego a ela! Estudamos anteriormente acerca das mulheres que mantinham o ministério de Jesus, mesmo Mestre precisou ser financiado para que pudesse exercer Seu ministério! O texto Áureo não fecha a porta da salvação aos ricos, mas àqueles que aplicam seu coração nestas coisas. Sobre isso, ensina Jesus: “Prestem atenção! Tenham cuidado com todo tipo de avareza porque a verdadeira vida de uma pessoa não depende das coisas que ela tem, mesmo que sejam muitas.
  50. 50. • Então Jesus contou a seguinte parábola: - As terras de um homem rico deram uma grande colheita. Então ele começou a pensar: "Eu não tenho lugar para guardar toda esta colheita. O que é que vou fazer? Ah! Já sei! - disse para si mesmo. - Vou derrubar os meus depósitos de cereais e construir outros maiores ainda. Neles guardarei todas as minhas colheitas junto com tudo o que tenho. Então direi a mim mesmo: 'Homem feliz! Você tem tudo de bom que precisa para muitos anos. Agora descanse, coma, beba e alegre-se.' " Mas Deus lhe disse: "Seu tolo! Esta noite você vai morrer; aí quem ficará com tudo o que você guardou?" Jesus concluiu: - Isso é o que acontece com aqueles que juntam riquezas para si mesmos, mas para Deus não são ricos”.

×