CADERNO DE INSTRUÇÃO EXERCÍCIOS DE DESENVOLVIMENTO DA LIDERANÇA (EDL) CI 20-10/3

1.711 visualizações

Publicada em

CADERNO DE INSTRUÇÃO EXERCÍCIOS DE DESENVOLVIMENTO DA LIDERANÇA (EDL) CI 20-10/3

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.711
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
137
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

CADERNO DE INSTRUÇÃO EXERCÍCIOS DE DESENVOLVIMENTO DA LIDERANÇA (EDL) CI 20-10/3

  1. 1. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO DE OPERAÇÕES TERRESTRES CADERNO DE INSTRUÇÃO EXERCÍCIOS DE DESENVOLVIMENTO DA LIDERANÇA (EDL) EDIÇÃO 2006 CI20-10/3
  2. 2. 5 APRESENTAÇÃO Apesar do vertiginoso avanço da tecnologia, do surgimento de novas armas e da evolução das doutrinas militares, continuam incon- testáveis o valor e a importância da Liderança, como atributo dos Co- mandantes, que ainda são os responsáveis - nos diversos escalões – pelas vitórias e pelas conquistas nas batalhas e nas guerras. A centralização no planejamento e a descentralização na execu- ção exigem - devido à freqüente atribuição de missões pela finalidade e às inúmeras condutas a serem tomadas em situações de combate - ini- ciativa e prontas reações, decisões e respostas, vale dizer, ações imediatas dos comandantes das pequenas frações. Impõem, ainda, qua- lidades ao Comandante que lhe permitam conduzir os seus homens ao cumprimento da missão e convencê-los quanto à validade das linhas de ação adotadas. O Exercício de Desenvolvimento da Liderança, objeto deste Ca- derno de Instrução, visa a propiciar aos Comandantes de Unidade um instrumento de avaliação de atributos afetivos e, concomitantemente, da capacidade técnica e tática dos Quadros. Não se pretende, com a presente publicação, esgotar ou até mesmo regulamentar o assunto, mas sim estimular o interesse pela execução do Exercício, que se ca- racteriza por fácil e não-dispendiosa montagem, bem como pela valio- sa contribuição que oferece ao aprimoramento da “Liderança” dos Oficiais, Subtenentes e Sargentos das Unidades operacionais. Este Caderno de Instrução tem por finalidade orientar as Direções de Instrução quanto à realização dos EDL.
  3. 3. 7 ÍNDICE CAPÍTULO I - PLANEJAMENTO ................................................... 09 a 19 1. Generalidades............................................................................. 09 2. Tipos de Exercício: Constituição dos Grupamentos ................... 09 3. Padrões Gerais de Organização do Exercício ............................ 11 4. Coordenação .............................................................................. 13 5. Normas de Segurança ................................................................. 13 6. Sugestões de Oficinas ................................................................ 14 CAPÍTULO II – PREPARAÇÃO ...................................................... 21 a 22 1. Generalidades ............................................................................. 21 2. Desgastes Físico e Psicológico .................................................. 21 3. Sugestões de Exercícios Preliminares ........................................ 22 CAPÍTULO III – EXECUÇÃO ......................................................... 23 a 24 1. Inspeção Sanitária ....................................................................... 23 2. Funcionamento do Posto de Socorro ......................................... 23 3. Rodíziosnas OficinaseDesignação dosComandantes deFração .... 24 4. Contato com a Figuração ............................................................ 24 5. Prescrições Diversas ................................................................... 24 CAPÍTULO IV – AVALIAÇÃO ........................................................ 26 a 28 1.Avaliação ..................................................................................... 26 2. Pesquisas de opinião .................................................................. 28 CAPÍTULO V – CONCLUSÃO ............................................................... 30
  4. 4. 9 CAPÍTULO I PLANEJAMENTO 1. GENERALIDADES a. Finalidade do EDL OExercíciodeDesenvolvimentodaLiderançaéumexercícioconcebidocom a finalidade de possibilitar a observação e a avaliação do comportamento dos militares executantes, no tocante a objetivos ligados ao desenvolvimento de atributos da área afetiva, que impliquem reflexos marcantes no exercício da liderança no contexto da Defesa Externa. De modo subjacente, permite avaliar, também, o nível da capacitação técnica e tática dos Quadros. b.Liderança No Exercício, serão avaliados os seguintes atributos, considerados pelo Centro de Estudos de Pessoal (CEP) como os mais importantes no desenvolvi- mento da Liderança: · Autoconfiança. ·Cooperação. ·Criatividade. · Decisão. · Entusiasmo Profissional. · Iniciativa. . Persistência. 2. TIPOS DE EXERCÍCIO: CONSTITUIÇÃO DOS GRUPAMENTOS a. Linha de Ação Nr 01 – Grupos de Oficiais e Sargentos: - Em situação ideal, Oficiais e Sargentos serão organizados em Patrulhas homogêneas, ou seja, Patrulhas de Oficiais e Patrulhas de Sargentos, nas quais
  5. 5. 10 os militares estarão agrupados por postos e por graduações, respectivamente. -Em situaçãoalternativa, porém,não haveriaimpedimento quantoaos Ten e Sgt mais antigos trabalharem em conjunto com os Ten e Sgt mais modernos, respectivamente, em Patrulhas de Oficiais e Patrulhas de ST/Sgt. b. Linha de Ação Nr 02 – Frações Constituídas - Oficiais e Sargentos comandam suas próprias frações. - Avaliação somente dos Oficiais e Sargentos. -Tambémpodeserverificado,subjacentemente,oníveldeadestramentodos Cb e Sd, relacionando-o à capacidade de Liderança dos seus Cmt fração. - Não pode ser considerada como uma competição entre as frações.
  6. 6. 11 3. PADRÕES GERAIS DE ORGANIZAÇÃO DO EXERCÍCIO a. Quantidade de Oficinas - Estabelecer um circuito com seis a oito oficinas. -Aquantidadedeoficinascorresponderáaonúmerodepatrulhasoufrações existentes. b. Composição básica das Oficinas (pessoal) - Planejar a atuação de um Observador/Controlador por oficina. - Planejar a atuação de uma Figuração por oficina. - Preparar e treinar com antecedência a Figuração. c. Preparação do Material das Oficinas - Cada oficina deverá ser dotada, no mínimo, com os seguintes meios e documentos: · 01 (um) toldo ou cobertura para o Observador/Controlador e os execu- tantes; · 01 (uma) placa identificadora do número e da designação da oficina; ·01(um)abrigooubarracaparaprotegeromaterial(Armt,Mun,MatCom, etc); · 01 (um) Eqp Rádio com baterias de reserva; · Fichas de Avaliação dos executantes, por patrulhas ou frações; · Material para anotações; · Plano de Segurança; . Ordem à Patrulha (Situação e Missão).
  7. 7. 12 d. Preparação do Local das Oficinas · 01(uma) Área para emissão de Ordens à Patrulha; . 01(um) Itinerário de acesso para Ambulância. e. Constituição das Patrulhas (Linha de Ação Nr 01) - O efetivo ideal das Patrulhas na Linha de Ação Nr 01 será de cinco a sete militares. f. Comandantes de Patrulha (Linha de Ação Nr 01) -Paraquetodososexecutantessejam avaliadosnafunçãodeComandante de Patrulha, será conveniente: · Escalar previamente os Comandantes das Patrulhas para todas as oficinas; . Prever tantos rodízios quantos forem necessários. - Caso seja agregada uma oficina adicional ao circuito, ou se algum Comandante de Patrulha ausentar-se durante o Teste, não será designado um novo Comandante, deixando-se que o líder surja naturalmente no grupo. g. Tarefas a executar - Serão transmitidas às patrulhas ou frações a Situação e a Missão correspondentes acada tarefa. - As tarefas serão emitidas em forma de “Ordens à Patrulha” ou “Ordens Fragmentárias” à Fração, criando-se, assim, a Situação Tática de Combate. - Após a transmissão da Ordem, o Observador/Controlador designará o Comandante da Patrulha, se adotada a L Aç Nr 01 para a constituição dos Grupamentos. - As tarefas atribuídas serão coerentes com as missões táticas e as condutas, ações e habilitações características das Armas, Serviços e Quadro. h. Duração da execução das Tarefas e do Teste -Preverumtempode 45minutosparaaexecuçãodatarefaatribuídaemcada uma das oficinas e de 15 minutos para o deslocamento entre elas. - O Exercícioterá umaduraçãototalmínimade seis horas e máximadeoito horas, computados os tempos consumidos na transmissão das Situações, das Missões e das Ordens, nas ambientações, nas emissões das Ordens pelos Cmt Patr/Frç e nos deslocamentos entre as Oficinas. i. Avaliação do desempenho nas Oficinas -Providenciarfichasdeobservaçãopadronizadasesigilosas,paraavaliação individual no âmbito de cada patrulha ou fração. - Serão avaliados, em cada oficina, a execução da tarefa e a manifestação deAtributos daÁreaAfetiva,noqueconcerneaodesempenhodoComandantee dos demais militares da patrulha ou fração.
  8. 8. 13 4. COORDENAÇÃO A coordenação do EDL poderá constituir encargo do próprio S3 ou de outro OficialparataldesignadopeloComandantedaUnidade.AoCoordenadordoEDL caberáconduzir,emcaráterexecutivo,oexercício.Poderácontar,senecessário, com um ou mais Adjuntos (também Oficiais). 5. NORMAS DE SEGURANÇA a. Procedimentos Gerais de Segurança -Observar,noqueforaplicável–deacordocom astarefas aserem exigidas em cada oficina, os materiais a serem empregados, as condições de execução das ações e a atuação da Figuração, os procedimentos de segurança prescritos no Cap 16, Prevenção de Acidentes de Instrução do PIM / COTer. b. Posto de Socorro - Instalar e operar um Posto de Socorro (PS) em posição central do dispositivo das oficinas. - Manter uma ambulância no PS, apoiada em um eixo de evacuação. c. Turma de Saúde - Compor a Turma de Saúde com, pelo menos, um Oficial Médico, um Sargento Auxiliar de Saúde e dois Cb/Sd Atendentes (também Padioleiros). d. Comunicações - Instalar, operar e manter uma Rede Rádio permanente, interligando as Oficinas, o PS e a Coordenação do EDL, para que eventuais problemas sejam solucionados de imediato. e. Preparação do PS - Considerar as peculiaridades da região e as disfunções orgânicas e problemas de saúde de incidência mais usual e provável.
  9. 9. 14 -Adotaras medidasdeprecauçãomaisindicadas.Independentementedas características específicas da área, dotar o PS, no mínimo, com os meios que seguem: · Ambulância; · Padiola; · Cobertores e mantas para o caso de hipotermias; · Material para imobilização (colar cervical, talas infláveis, tábua rígida com cintos e ataduras de crepom); · Cânulas orotraqueais; · Laringoscópio; ·Materialdeinfusãovenosa(glicose,sorofisiológico,ringerlactato)esoro dereidrataçãooralparaocasodedesidrataçõesagudas,intermações,insolação, etc; · Medicamentos de emergência (adrenalina, bicarbonato de sódio, lanatosídeo C) para paradas cardíacas e acidose; · Analgésicos potentes, do tipo opióideos; · Equipamentode ressuscitação (“ambu”, aparelhos de oxigenoterapia); ·Medicamentos sintomáticos comuns, tais como: analgésicos, antiinflamatórios (comprimidos e injetáveis) e antitérmicos. -OOficialMédicodeverápossuirumafichamédico-odontológicacompleta, com o nome completo dos militares executantes, a sua tipagem sangüínea, as suas eventuais alergias a medicamentos e os seus históricos sanitários. g. Plano de Segurança - Elaborar, sob a forma de Anexo à Ordem de Instrução com que a Unidade regulará a realização do EDL, um Plano de Segurança. O referido documento detalharáas medidas desegurança aserem adotadas edeverá seramplamente difundido pelo Coordenador, no âmbito dos executantes e de todos os demais militares empenhados na condução do Exercício e na Figuração. 6. SUGESTÕES DE OFICINAS a. Ataque ao posto rádio inimigo 1) Situação: A patrulha recebe a informação da localização de um posto rádio inimigo guarnecido por 03 homens. 2) Missão: Destruir um posto rádio inimigo. 3) Condições de execução: O posto rádio inimigo deve estar a 100m da oficina, ser indicada a sua direção e sua localização deve ser facilitada pelas vozes inimigas da exploração rádio. Ao assaltar a posição, todos do efetivo inimigomorrem. 4)ADireçãodoExercícioobservaodesenvolvimentodapatrulhanoterreno e o assalto à posição inimiga. Espera, ainda, que o comandante da patrulha
  10. 10. 15 determine a realização de uma revista sumária dos corpos e do local, e da anotação da freqüência utilizada pelo inimigo. b. Resgate de fardo 1)Situação:Apatrulhaencontra-senaretaguardadoinimigocujaspresença e atuação são intensas. O inimigo provavelmente identificou o lançamento aeroterrestre,osuprimentodeveserresgatadoindependentedaameaçainimiga.” 2) Missão: Resgatar um pacote de suprimentos lançado de pára-quedas. 3)Condiçõesdeexecução:Éindicadaadireçãodeprogressãoafimdeque a patrulha chegue ao local onde se encontra o fardo. No momento em que se iniciarorecolhimentodofardo,afraçãoseráatacadaporumaforçainimiga(valor 02 homens), obrigando a patrulha a eliminar a ameaça inimiga antes de prosseguir no cumprimento de sua missão. Para tanto, o comandante deverá manobrar com suafração. 4) A Direção do Exercício observa a evolução dos acontecimentos, na expectativade queapatrulharealize um movimento táticoatéidentificaro fardo, quando adotará as medidas de reconhecimento e segurança para resgatá-lo. Após a patrulha reorganizar-se, a oficina está encerrada. c. Patrulha motorizada 1)Situação: Apatrulha estáretornando deuma missãodereconhecimento motorizado. Apresença eaatividadeinimigasãointensas nestaestrada,porém ela é o único eixo de acesso ao PC da Unidade, o qual se encontra a 30 Km do atualponto estação. A patrulha deve se apresentar ao comandante da Unidade, em seu PC, no menor tempo possível. 2) Missão: Realizar uma patrulha motorizada. 3) Condições de execução: A patrulha recebe 01 (uma) viatura com motorista e 01 (um) homem em reforço. O comandante da patrulha deve definir a ordem de embarque na viatura, definindo setores de observação e segurança em todas as direções. Quando pronto, iniciar-se-á o deslocamento motorizado. Aproximadamentea200metros dopontodeiníciododeslocamentomotorizado, apatrulhadepara-secom um abatis obstruindoaestrada.Noiníciodos trabalhos de desobstrução da estrada, a patrulha passa a receber fogos vindos de sua retaguarda. Nesse momento, o soldado passado em reforço tomba ferido na pernadireita. 4) A Direção do Exercício observa a evolução dos acontecimentos, na expectativadequeocomandantedapatrulhabusquedesobstruiraestrada,após reconhecer a situação e estando atento à segurança. Observa, ainda, os procedimentos relativos ao soldado ferido que deve ser removido para uma coberta, enquanto a patrulha faz face à ameaça inimiga, mantendo-a engajada pelo fogo até desobstruir a estrada e prosseguir no seu retraimento. Encerra a oficina assim que a patrulha reiniciar seu movimento. d. Reconhecimento de LocAter 1)Situação:Apatrulhaencontra-senaretaguardadoinimigo,cujaatividade é intensa, e está prestes a ser resgatada por uma aeronave HM-2. 2) Missão: Reconhecer um LocAter. 3) Condições de execução: A patrulha deve receber o reforço de 02 (dois)
  11. 11. 16 homens e a indicação geral da localização do LocAter. No momento da aproximação do LocAter, a patrulha é engajada por fogos inimigos. Um de seus integrantes (um dos homensrecebidos em reforço)tombaferidonoabdômen. A patrulha se abriga e responde ao fogo inimigo. Nesse momento um de seus integrantes (o outro homem recebido em reforço) acusa estar sem munição. 4) A Direção do Exercício observa a evolução dos acontecimentos, na expectativa de que o comandante da patrulha determine que o ferido seja assistidoequeamuniçãodoferidosejarepassadaparao homem sem munição, que defina uma manobra para neutralizar a ameaça inimiga e que conduza a manobra de sua fração coordenando fogo e movimento. Espera, ainda, que reorganize sua fração, após cessar a ameaça inimiga, para prosseguir em seu reconhecimento, momento no qual encerrar-se-á a oficina. e. Descontrole emocional 1)Situação:Apósviolentaofensivainimiga,apatrulhaperdeuocontatocom o comando da Unidade, sem saber qual a sua atual situação. 2) Missão: Restabelecer o contato com sua Unidade. 3) Condições de execução: A direção de progressão é indicada ao comandantedapatrulha.Logoapósoiníciododeslocamento,surgeum soldado, remanescente de uma fração da mesma Unidade e sem saber o que fazer. O comandante da patrulha deve decidir levá-lo consigo. Pouco mais adiante, esse soldado perde o controle emocional, questiona as ordens do comandante da fração, ameaça abandonar o grupo, ameaça se matar, comprometendo a segurança de toda patrulha. Quando o comandante da fração tomar alguma atitude definitiva em relação ao soldado exaltado ou quando a patrulha atingir o pontodeterminado, encerrar-se-áaoficina. 4) A Direção do Exercício observa a evolução dos acontecimentos, na expectativa de o comandante da patrulha busque acalmar o soldado, e não abandoná-lo, pois trata-se de um soldado amigo na eminência de um colapso nervoso(provávelbaixapsíquica). f. Patrulha de contato 1) Situação: A patrulha encontra-se na área de interesse de sua Unidade, ondeapresençaeaatividadeinimigasãointensas.Uminformantechegaráaeste ponto dentro de cinco minutos. 2) Missão: Estabelecer contato com o informante. 3)Condições deexecução:Apatrulhaabordaolocalprevistoparaocontato e adota o dispositivo de segurança para aguardar a chegada do informante e a realização do contato propriamente dita. Decorridos cinco minutos de espera, a patrulha sofre um ataque inimigo (efetivo: dois homens). O contato com o informante não é realizado. 4) A Direção do Exercício observa a evolução dos acontecimentos, na expectativa de que o comandante da patrulha determine que seus homens permaneçam abrigados, que identifiquem a direção dos fogos inimigos e que respondam ao fogo inimigo. Espera ainda que o comandante manobre para eliminar ou neutralizar a ameaça inimiga, coordenando fogo e movimento. Encerraaoficinaquandoeliminadaaameaçainimiga,ocomandantedapatrulha
  12. 12. 17 reorganizar sua fração e constatar que o contato não mais será realizado. g. Contra emboscada 1) Situação: A patrulha atua em área onde a atividade inimiga é intensa e especial atenção deve ser dada à contra emboscada. 2) Missão: Realizar o reconhecimento de um entroncamento de estrada localizado aproximadamente a 300 metros nesta direção. 3) Condições de execução: Pouco depois de iniciado o movimento, a patrulha será emboscada por um efetivo de 03 três homens que adotam o dispositivoflanqueamento simples.Apatrulhadeveexecutara técnicade contra emboscadapadrão. 4)ADireçãodoExercícioobservaaevoluçãodos acontecimentoseencerra a oficina antes de um engajamento decisivo com a figuração. h. Resgate de ferido 1) Situação: Um soldado amigo, quando em função de esclarecedor, realizavaum reconhecimentoporum eixo(estrada),quandofoialvejadoporuma arma automática,tombando ferido. 2) Missão: Resgatar o soldado ferido, após neutralizar o ninho de metralhadora. 3)Condiçõesdeexecução:Adireçãodolocalem queseencontraosoldado ferido é indicada à patrulha. O ferido está sob a mira de arma automática. 4) A Direção do exercício observa a evolução dos acontecimentos, na expectativa de que o comandante da patrulha: a)Realizeaaproximaçãodoobjetivocom suafração,ocupandocobertas e abrigos, sem ser identificado pelo inimigo. b) Mantenha constante observação sobre o ferido. c) Realize um reconhecimento sumário a fim de identificar a localização exata do ninho de metralhadora, ratificando ou retificando seu planejamento inicial. d)Manobrecom suafração,coordenandofogoemovimento,atacandoa posição inimiga pelo flanco ou pela retaguarda. e) Assim que neutralizar a posição inimiga, preste os primeiros socorros ao ferido, reorganize sua fração e retraia com o soldado resgatado. Encerra a oficina após concluída a reorganização. i. Busca e captura de desertor inimigo 1) Situação: A patrulha se encontra próximo a um posto avançado amigo, onde há alguns minutos atrás apresentou-se um desertor inimigo ferido para render-se.Porém,logoemseguida,essepostofoiatacadoeodesertorfugiu.Crê- se que ele pode seruma valiosafonte de dados. O desertor está aparentemente desarmado e não pode estar longe, uma vez que está ferido na perna direita. 2) Missão: Recapturar o desertor inimigo ferido. 3) Condições de execução: A sentinela figurada do posto avançado amigo devesaberadireçãodefugadodesertorinimigo eo valordoataqueinimigopara que informe ao comandante da patrulha quando solicitado. Pouco depois de iniciado o movimento, a patrulha é atacada por um soldado inimigo e deve responder ao fogo. Assim que isso acontecer, o soldado inimigo simula sua
  13. 13. 18 morte. Após as providênciascabíveis,apatrulha deveprosseguirem sua busca. Um pouco mais à frente, camuflado no terreno, encontra-se o desertor inimigo ferido que deve estar com uma faca na perna esquerda. 4) A Direção do Exercício observa a evolução dos acontecimentos, na expectativadequeocomandantedapatrulharealizeumabreverevistanosoldado inimigo que morreu, quando a patrulha foi atacada, e que identifique e recapture odesertorinimigo.Quedeterminequeoferidosejarevistado, quandodeveráser encontrada uma faca, lhe sejam prestados os primeiros socorros e preparado parao transportede retornoaopostoavançadoamigo.Encerra aoficina quando o comandante da patrulha determinar o seu retraimento. j. Neutralização de arma anticarro inimiga 1) Situação: A 300 metros deste local há uma arma anticarro inimiga cuja guarnição é de aproximadamente 03 homens. 2) Missão: Neutralizar a arma anticarro inimiga. 3) Condições de execução: É indicada a direção da localização da arma anticarro inimiga para a patrulha. Quando a fração se aproximar da posição da armaanticarro,aguarniçãoinimigaabrefogo.Apatrulharealizaasaçõescabíveis para a situação e ao se aproximar do objetivo, a resistência inimiga cessa e a figuração se passa por morta. No bolso da gandola de um dos integrantes da guarnição é colocada uma mensagem com o seguinte texto: “ATAQUE EM 221600Mar006 VG INÍCIO ASSALTO AEROMÓVEL EM221700Mar06 PT”. 4) A Direção do Exercício observa a evolução dos acontecimentos, na expectativa de que o comandante da patrulha desenvolva sua fração no terreno emanobresobreoinimigocoordenandofogoemovimento,quandoatacadopela guarnição inimiga, e determine uma revista sumária dos corpos, encontrando a mensagem no bolso da gandola de um deles. k. Emboscada de oportunidade 1) Situação: A patrulha encontra-se na retaguarda inimiga. 2) Missão: Inquietaras forças inimigas estacionadas na Região da COLINA SÃO JOSÉ, apoiadas neste eixo. 3) Condições de execução: Pouco depois de iniciado o movimento, o(s) esclarecedor(es) identificam a aproximação de três soldados inimigos, vindos pela mesma estrada em sentido contrário à direção de progressão da patrulha. O comandante da patrulha decide realizar uma emboscada de oportunidade, optandopelodispositivomaissimples:flanqueamentosimples.Ossoldados que figuram comoinimigos caem naemboscada,esboçandoumapequenareaçãoe depois simulam tombar como mortos. 4) A Direção do Exercício observa a evolução dos acontecimentos, na expectativadequeocomandantedapatrulhadetermineumarevistanos corpos, reorganize a patrulha e decida prosseguir em sua missão, momento em que encerra a oficina. l. Desertores inimigos 1) Situação:A patrulha atua numa área em que a atividade inimiga éintensa 2)Missão:Realizar um reconhecimentocom oobjetivode obterdados sobre
  14. 14. 19 o dispositivo, a composição, o valor e a localização do inimigo. 3)Condiçõesdeexecução:Adireçãoaserseguidaéindicadaaocomandante da patrulha. Pouco depois de iniciar o movimento, surgem dois soldados inimigos, aparentemente desarmados, com os braços levantados, solicitando quesejam aceitasas suas rendições. Um dos prisioneiros deve semostrar mais tranqüilo e disposto a colaborar, o outro deve se mostrar bastante nervoso e exaltado,recusando-seacolaborareexigindoquesejaevacuadopara aárea de retaguarda o mais rápido possível. Ambos os prisioneiros são capazes de fornecerdados sobreodispositivo,acomposição,ovalorealocalizaçãoinimiga. O soldado que figurar como prisioneiro exaltado deve buscar desestabilizar emocionalmenteosintegrantesdapatrulha.Estesoldadodeveportarumapistola escondidanacintura.Apóstomadastodas asmedidascabíveispelocomandante da patrulha, deve ser apresentado um relatório e os prisioneiros à Direção do Exercício, no ponto de partida. 4)ADireçãodoExercícioobservaosacontecimentos,naexpectativadeque o comandante da patrulha determine que os prisioneiros sejam revistados, separadoseimobilizados equeconduzaum interrogatóriosumáriocom cadaum deles. Encerra a oficina quando o comandante da patrulha apresentar os prisioneiros e o relatório. m. Ferido amigo e inimigo 1) Situação: A patrulha atua em área com intensas atividades inimigas. 2)Missão: Buscaro contatocom oinimigoafim deobter dados sobre suas atividades atuais. 3)Condiçõesdeexecução:Poucodepoisdeiniciaromovimentonadireção indicada, a patrulha depara-se com um inimigo ferido no abdômen, agonizando. Trata-se de um oficial, próximo a ele encontra-se algumas cartas topográficas. O oficial inimigo deve apresentar ferimentos graves e sugerir que possui dados relevantes paraosistemadeinteligênciamilitaramigodapatrulha.Poucodepois deiniciaraassistênciaaooficialinimigoferido,ouve-sepedidosdesocorrovindos de outra direção. Constata-se que se trata de um soldado amigo com ferimento leve na perna direita, dificultando-o muito, porém não impedindo-o de andar. O comandante da patrulha deve determinar que o ferido amigo seja assistido, porém, deve dar prioridade ao oficial inimigo ferido, o que provoca queixas do soldadoamigo ferido. 4) A Direção do Exercício observa a evolução dos acontecimentos, na expectativa de que o comandante da patrulha ao encontrar o oficial ferido tome as seguintes medidas: aborde-o, identificando que trata-se de um oficial, determine que o ferido seja revistado (nesta ocasião deve ser identificada uma pistola que o ferido conduzia) e que lhe sejam prestados os primeiros socorros, inicie a execução de um interrogatório sumário e determine que as cartas topográficas sejam recolhidas (com cuidado, pois podem estar armadilhadas). Espera ainda que o comandante da patrulha determine que o ferido amigo seja atendidoequeapatrulharetraiacom ambosos feridos,momentoemqueencerra a oficina.
  15. 15. 20 n. Transporte de Suprimento 1)Situação:ApatrulhaescoltaumaVtr2½Ton,quetransportaSupClI,para aBasedeCombatedaCia.AVtrescoltadaéatingidapelaexplosãodeumamina, oqueatornaindisponível.Apatrulhaestá próximaàbase(quinzeminutos)etem ligação rádio com ela. Há risco de ataque por patrulha inimiga homiziada nas áreas próximas. 2)Missão:AsseguraraentregadossuprimentosnaBasedeCombatedaCia. 3) Condições de execução: A oficina é montada em local que permita uma defesa circular, mas que possibilite a aproximação da “figuração inimiga” por itineráriocoberto.Quinzeminutosapósaexplosão,umgrupodehomensarmados aproxima-se para saquear a Vtr e abre fogo sobre a patrulha. O Comando da Cia poderáenviarreforçosduas horasapós opedidodapatrulha,comotambém uma outra Vtr 2 ½ Ton, vinte minutos após o pedido. 4) A Direção do Exercício observa a evolução dos acontecimentos, na expectativa de que a patrulha, que dispõe apenas da Vtr 2 ½ Ton atingida pela explosão, entre em contato com a B Cmb / Cia, solicitando reforços, ao mesmo tempo em que estabelece uma defesa circular para a proteção dos Sup. Pode surgir,também,dentreoutras,aalternativadetransportarabraços osSupClIaté a B Cmb / Cia. Caberá ao Cmt da Patrulha a decisão sobre o que executar. o. Outras Oficinas -Outras Oficinas podem –edevem - ser montadas,coerentementecom as peculiaridades da região, o tipo de Unidade e as características de emprego da tropa, além dos equipamentos orgânicos da fração a ser avaliada no EDL. · Unidades de Montanha podem, por exemplo, executar manobras de força,utilizandocadernais,patescaseequipamentosespecíficos.Podem,ainda, realizaro resgatede feridos,utilizando atirolesa, além de outras modalidades de ação. · Unidades de Selva podem realizar o resgate de feridos no interior de socavões,aplicarTécnicas deAçãoImediataduranteaprogressãonointeriorda selva e efetuar destruições de pontes ou similares, que exijam planejamento de patrulhas, além de outras modalidades de ação. · Outras Unidades podem, também, manter oficinas com realização de tiro real com metralhadoras; a montagem de diversos armamentos que se encontrem desmontados e com as peças misturadas em um cunhete; e outras modalidades de ação. -O maisimportantenamontagem dasoficinas éofatorsurpresa,com oqual os executantes devem-se deparar. Confrontados com situações que exijam reaçõesoportunaseapropriadas,bemcomoaprontaevidência,peloComandante – ou na ausência ou por omissão deste, por qualquer executante -, do atributo da LIDERANÇA, os testandos serão avaliados sob critérios satisfatoriamente com- patíveis com a “imitação do combate”.
  16. 16. 21 CAPÍTULO II PREPARAÇÃO 1. GENERALIDADES A fase de preparação visa a causar aos executantes desgastes físico e psicológicocomintensidadespróximas daquelasverificadas nassituações reais de combate, após o que será aplicado o Exercício de Desenvolvimento da Liderança propriamente dito. Consiste, na prática, em um “exercício preliminar”. - A utilidade, a objetividade e a validade do exercício dependem diretamente - e são reflexo - da intensidade da preparação aplicada aos executantes. -As tarefas doexercíciosãorelativamentesimples.A dificuldadeem executá- las está condicionada à intensidade dos desgastes físico e psicológico a que estiverem submetidos os executantes, após a preparação realizada. - Uma preparação fraca vai trazer resultados pouco representativos, dada a relativafacilidadedas tarefasexigidas nasoficinas,com tendênciaàobtençãodo graumáximo. - Uma preparação excessivamente forte pode comprometer a segurança do avaliado, por melhor que seja o aparato médico que o ampare. 2. DESGASTES FÍSICO E PSICOLÓGICO a. Desgaste Físico – Sensações a provocar nos executantes - A fome e a sede, por meio de uma supressão substancial das etapas de ração e água, nas 24 horas que antecederem o Exercício. -O sono,pormeiodeintensa atividadenoturna,aserdesenvolvidana“fase preliminar” de preparação para o Exercício. - A fadiga, por meio de ações continuadas – marchas a pé, pistas de orientação e outras aplicações – que devem anteceder o Exercício compondo a “fasepreliminar”.
  17. 17. 22 - O frio ou o calor, por meio de uma judiciosa e controlada exploração das condições climáticas, vigentes na região em que o Exercício será desenvolvido. b. Desgaste Psicológico– Sensações a provocar nos executantes - Medo do desconhecido e preocupação, já que os executantes não têm conhecimento da duração do Exercício, da quantidade de oficinas, da natureza das mesmas, de quem serão os comandantes, etc. - Surpresa, por meio do rigoroso sigilo a ser mantido sobre a realização do Exercício, até o instante do seu desencadeamento. 3. SUGESTÕES DE ATIVIDADES PRELIMINARES - Os executantes devem ser conduzidos para a execução do EDL após um trabalhoárduoecansativo,como,porexemplo,oscondizentescomos seguintes assuntos: COMBINAÇÃO DE DOIS OU MAIS DOS EXERCÍCIOSCITADOS MARCHAS A PÉ OPERAÇÕES DEFENSIVAS (EXERCÍCIOS DE CAMPANHA) OPERAÇÕES OFENSIVAS (EXERCÍCIOS DE CAMPANHA) OPERAÇÕES DE CONTRAGUERRILHA PATRULHAS DE LONGO ALCANCE SOBREVIVÊNCIA
  18. 18. 23 CAPÍTULO III EXECUÇÃO 1. INSPEÇÃO SANITÁRIA -RealizadapeloOficialMédico,napresençadoDiretordoExercício,aotérmino daPreparação. -AvaliaçãopeloDiretordoExercício, baseadonospareceresdoOficialMédico, a fim de verificar se algum executante apresenta problemas de saúde que impeçam a sua participação no exercício. - Nesta oportunidade, será avaliada a conveniência de racionar a água a ser consumida durante os trabalhos – caso o racionamento já não tenha sido feito duranteapreparação. 2. FUNCIONAMENTO DO POSTO DE SOCORRO - O Oficial Médico não se ausentará do Posto de Socorro (PS), exceto no caso de evacuação de algum executante em estado grave. -Quaisquernecessidadesdeatendimentomédicodeverãoserimediatamente informadas ao PS. - O Sgt Auxiliar de Saúde e os Atendentes, apoiados pela Ambulância, providenciarão a remoção dos eventuais doentes e feridos, da oficina até o PS. - O Exercício será interrompido caso: · o Oficial Médico tenha que se ausentar do local de realização; ·onúmerodebaixasentreosexecutantesinvalideosobjetivosdoExercício; · a quantidade de materiais e medicamentos de emergência, após atendi- mentosrealizados nodecorrerdoExercício,torne-seinsuficienteparaacontinui- dade da assistência aos militares executantes.
  19. 19. 24 3. RODÍZIOS NAS OFICINAS E DESIGNAÇÃO DOS COMANDANTES DE FRAÇÃO a. Rodízio nas Oficinas -Asoficinasdeverãoserdispostasnoterrenodeformaafacilitarorodíziodas patrulhas ou frações. - Sempre haverá uma patrulha ou fração em cada oficina. Caso haja mais oficinas do quepatrulhas ou frações,em determinadoperíododo Exercício,uma ou mais oficinas estarão vazias. -Asoficinasiniciameencerramostrabalhosmedianteumsinalconvencionado (sirene, contato rádio, sinal visual ou outro) ou em horários predeterminados. - A partir do término de cada turno de trabalho nas oficinas, já se inicia a contagem dotempodestinadoaodeslocamentodaspatrulhasoufraçõesparaas oficinas seguintes, de acordo com o rodízio estabelecido. -Cada oficinaéresponsável peloenviode um guiaà oficinaimediatamente anterior, para buscar e conduzir a patrulha ou fração que deverá receber. - Os deslocamentos das patrulhas ou frações serão sempre realizados no passoacelerado. b. Designação dos Comandantes de Fração - Cada oficina receberá uma relação nominal de todas as patrulhas ou frações, com os comandantes já designados. 4. CONTATO COM AFIGURAÇÃO - O contato físico entre os executantes e a figuração é proibido. -Afiguração,quefoitreinadacomantecedência,deveráportar-serigorosamen- te de acordo com o que foi ensaiado para todos os casos previstos. - No caso de quaisquer dúvidas sobre as condutas da figuração, caberá ao OficialObservador/Controladoresclarecê-las. 5. PRESCRIÇÕES DIVERSAS - Os executantes realizarão o Exercício com o armamento utilizado na fase de preparação (exercício preliminar), além do fardo aberto e do fardo de combate. - O EDL deverá ser conduzido com extrema seriedade. O executante estará cientedosobjetivosdoexercícioenãoseráalvodequalquerobservaçãodecaráter não-profissional. -OObservador/Controladornãodeverápressionarosexecutantes.Apressão, coerente com os objetivos do exercício, será exercida, naturalmente, pela figuração inimiga e pela sensação de estar sendo testado, experimentada pelos executantes. -Numaatividadenaqualsãomarcadosobjetivosaatingir,essencialmente,na áreaafetiva,éfundamentalevitarqualquertipodeacidente,pois istocomprome-
  20. 20. 25 teria, de imediato, o trabalho até então realizado. -Decertomodo,oEDLpodeserentendidocomoumamodalidadedeinstrução especial. Logo, são necessários rigorosos cuidados em sua preparação e execução. - Deve-se observar, fielmente, as normas de segurança previstas nos regula- mentos, bem como nos planos, nas diretrizes e nas normas gerais de ação dos escalões superiores, além das recomendações do Cmt OM. -O CmtOMdeverácoibirasidéiaseas premissasque,nosadioafãdebuscar- se a “imitação do combate”, acabem fugindo ao bom-senso, às técnicas e às táticas de combate, à atitude e à ética militares, aos procedimentos estritamente funcionais e, sobremodo, aos elevados objetivos do EDL.
  21. 21. 26 CAPÍTULO IV AVALIAÇÃO 1. AVALIAÇÃO a. Ficha de Avaliação - Vide o modelo de Ficha de Avaliação sugerido na página seguinte. - Da análise das Fichas de Avaliação, podem ser retiradas uma série de conclusões sobre o conjunto dos executantes e sobre cada executante, especi- ficamente, como por exemplo: · conceito sintético dos Oficiais e dos Sargentos; · atributos em que os Oficiais e Sargentos se destacaram; · pontos fortes e fracos dos Oficiais e Sargentos; · desempenho individual, por atributos, de cada executante, relacionado com o conjunto. -Paracadaoficinaserãoselecionadosatributos específicos,queconstarão das Fichas de Avaliação. - As pautas devem expressar um adequado relacionamento com a tarefa a ser cumprida e com eventuais linhas de ação propostas ao comandante da patrulha. - Para cada atributo selecionado deverá se redigida mais de uma pauta que represente uma ação que permita evidenciar o comportamento inerente ao atributo.
  22. 22. 27 b. Ficha de Avaliação (Sugestão)
  23. 23. 28 2. PESQUISAS DE OPINIÃO a. Finalidades - Validar o Exercício. - Colher subsídios para a sua melhoria. b. Pesquisa de Opinião (um exemplo) EXERCÍCIODEDESENVOLVIMENTODALIDERANÇA PESQUISADE OPINIÃO 1. O Sr foi submetido a uma preparação para a execução do Exercício, na qual se incluiu a supressão das etapas alimentares por 24 horas, o cumpri- mento de missões de patrulha, diuturnamente, por 60 horas e a execução de uma marcha de 24 km, armado e equipado. O Sr considerou esta preparação: ( ) Muito forte, causando extrema dificuldade à execução do EDL ( ) Adequada, causando desgaste e dificuldade sem exageros à execução do EDL ( )Abaixo da adequada, quase não causando dificuldade à execução do EDL ( ) Muito fraca, não influenciando a execução do EDL 2.Aexecução do EDLfoi mantida em sigilo pelo Comando da Unidade, haven- do sido dada ao conhecimento dos executantes após a marcha de 24 km, instantes antes do início do Exercício. O Sr acha que este procedimento deve ser mantido nos próximos Exercícios? ( ) Sim ( ) Não 3. Qual das oficinas, em sua opinião, permitiu avaliar, em melhores condi- ções, os atributos da área afetiva? _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________ 4. Qual das oficinas, em sua opinião, causou mais dificuldades na execução? _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________ 5. O Sr considera que o EDL deve ser mantido ou suprimido? Justifique a sua resposta. _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ 6.Apresente sugestões que poderiam contribuir para a melhoria do Exercício. _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
  24. 24. 29 _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ 7.As Tarefas foram atribuídas com suficiente clareza, nas oficinas? Em caso negativo, qual delas? _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ 8. O tempo concedido para a execução das Tarefas foi suficiente? Em caso negativo, em qual das Tarefas tal fato ocorreu? _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ 9. O Sr julga que a sua Patrulha estava adequadamente constituída, em ter- mos de pessoal (quantidade de homens e graus hierárquicos)? Em caso ne- gativo, justifique o porquê do seu julgamento. _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ 10. Após realizar o Exercício, o Sr julga que alguma(s) das suas qualidades pessoais resultou fortalecida? Em caso positivo, qual(is)? _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Posto/Graduação___________ Nome Completo _______________________ _______________________________________________________________ Data ____________Assinatura ____________________________________
  25. 25. 30 CAPÍTULO V CONCLUSÃO OEDLéumpoderosoinstrumentodemedidadodesenvolvimentodeAtributos da Área Afetiva, desde que aplicado sob rígido controle e severas condições de segurança.PermiteaoComandantesubmeterosseus subordinadosasituações muito próximas dos desafios do combate e dá ao militar a oportunidade de conhecer-se a si mesmo, quando nos limites de sua resistência física e do seu equilíbrio psicológico. O custo-benefício é favorável, pois, com poucos meios, o Cmt OM pode avaliar o potencial de liderança de seus Oficiais, Subtenentes e Sargentos. A finalidade do Exercício deve ser exposta de maneira clara, antes, durante e ao final do mesmo, valorizando a sua execução. O respeito ao executante, em todas as fases do Exercício, deve constituir um pontodehonra.Será,mesmo,essencial,paraevitarrejeições futurasoutraumas psicológicos.
  26. 26. 31 ANTE-PROJETODO CADERNODEINSTRUÇÃO EXERCÍCIO DE DESENVOLVIMENTO DA LIDERANÇA

×