Ruído Laboral

611 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
611
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ruído Laboral

  1. 1. Formadora: TSSHST Isabel Dias 2012
  2. 2. • OBJECTIVOS Introdução ao Ruído; Enquadramento Legal; O aparelho Auditivo Efeitos Nocivos do ruido Protecção Auditiva 2
  3. 3. 3 Introdução ao Ruído
  4. 4. 4 Introdução ao Ruído
  5. 5. O que é o som • O som é originado por vibrações da fonte sonora, que se transmitem directamente (até ao ouvido) pelo ar e indirectamente, por meio de materiais sólidos como, estruturas, paredes, tectos, pavimentos, etc. que funcionam como fontes secundárias. 5
  6. 6. O que é o ruído • O som é normalmente considerado ruído quando a sensação auditiva que produz for desagradável ou incomodativa. • Assim sendo o ruído pode ser considerado como um som desagradável e indesejável que perturba o ambiente, contribuindo para o mal-estar e provocando situações de risco para a saúde do ser humano. 6
  7. 7. Características do ruído • É uma causa de incómodo para o trabalho; • Constitui um obstáculo ás comunicações; • Provoca fadiga geral; • Quando o ruído atinge determinados níveis, o aparelho auditivo apresenta uma fadiga que, em casos de exposição prolongada o ruído intenso, pode transformar-se em surdez permanente. 7
  8. 8. Características do Ruído • As ondas sonoras transmitem-se desde a fonte ao ouvido, tanto através do ar, como por fontes secundárias, nomeadamente, paredes, pavimentos e tectos. • Do ponto de vista fisiológico o Ruído é todo o fenómeno acústico que produz uma sensação auditiva desagradável e incomodativa. TSSHST Clotilde Sousa Vieira (Eng.ª ) 8
  9. 9. 9
  10. 10. • Estabelece o regime de prevenção e controlo da poluição sonora, visando a salvaguarda da saúde humana e o bem-estar das populações. • Urge clarificar a articulação com outros regimes jurídicos, designadamente o da urbanização e da edificação e o de autorização e licenciamento de actividades. 10 Regulamento Geral do Ruído Decreto-Lei nº 9/2007
  11. 11. • Transpõe para a ordem jurídica interna às prescrições mínimas de segurança e saúde em matéria de exposição dos trabalhadores aos riscos devidos ao ruído. • É aplicado a todas as actividades dos sectores privado, cooperativo e social, da administração publica, central, regional e local, dos institutos públicos e das demais pessoas colectivas de direito público, bem como a trabalhadores por conta própria. 11 Decreto-Lei n.º 182/2006 de 6 de Setembro
  12. 12. 12 O Aparelho Auditivo O ouvido humano é constituído por três partes: • ouvido externo; • ouvido médio, e; • ouvido interno. Cada uma dessas partes tem uma função específica na interpretação dos sons.
  13. 13. 13 Como se Processa a Informação Sonora O ouvido externo recolhe os sons e envia-os pelo canal auditivo até ao ouvido médio. Neste momento, os sons fazem vibrar o tímpano. Aquando a vibração do tímpano, os ossículos (os três ossos mais pequenos do corpo humano denominados martelo, bigorna e estribo) entram em movimento, transportando a informação por acção mecânica até ao ouvido interno.
  14. 14. Como se Processa a Informação Sonora No ouvido interno estão situados a cóclea, os canais semicirculares e o nervo auditivo. O fluido nos ductos da cóclea move-se em resposta à energia mecânica enviada pelos ossículos. De seguida, pequenos capilares da cóclea convertem a energia mecânica em impulsos eléctricos transmitidos pelos neurónios ao longo do nervo auditivo até ao cérebro. 14
  15. 15. 15 A unidade de medida do Ruído Decibel d-B • Qualquer fonte sonora emite uma determinada potência acústica. • A quantidade de ruído que o ouvido humano recebe designa-se por nível de ruído e mede-se em decibel – dB (A).
  16. 16. Limites de Exposição 16 Limite Legal Valores Limites de Exposição 87 dB Valores de Acção Superior 85 dB Valores de Acção Inferior 80 dB Excedido o valor de acção superior – Medição Anual
  17. 17. Instrumentos de Medição Sonómetro integrador de classe de precisão 1 – Brüel & Kjær, modelo 2260 Dosímetro de classe de precisão 2 – Brüel & Kjær, modelo 4442 17
  18. 18. Exames Audiométricos • Medição e avaliação da audição Exposição superior a: 85 dB(A) – Anualmente 83 dB(A) – 2 em 2 anos 18
  19. 19. Ruído é a maior “doença” profissional • “Cerca de 40 milhões de europeus estão expostos ao ruído durante metade das horas de trabalho. Os problemas auditivos provocados pelo barulho representam já um terço do total das doenças profissionais” Jornal “Record” – 21 de Abril de 2005 19
  20. 20. Limiar da audição 20
  21. 21. TSSHST Clotilde Sousa Vieira (Eng.ª ) 21
  22. 22. TTiippooss ddee RRuuííddoo • O Ruído pode classificar-se em estacionário (com flutuações de nível mínimo durante o período de trabalho) e não estacionário (com flutuações de variação significativa. • O Ruído não estacionário pode ser subdividido em três tipos: 22 Flutuante Intermitente Impulsivo
  23. 23. TTiippooss ddee RRuuííddoo • Ruído Flutuante, se durante o período de observação, o nível de ruído variar continuamente. Ex.: Centrais de produção e máquinas de fiação. 23
  24. 24. TTiippooss ddee RRuuííddoo Ruído Intermitente, se durante o período de observação, o nível descer várias vezes, mantendo-se constante por 1 segundo ou mais. 24 Ex.: Rebarbadoras
  25. 25. TTiippooss ddee RRuuííddoo • Ruído Impulsivo, quando consiste, em um ou mais impulsos de ruído de nível sonoro elevado e duração inferior a um segundo. • Ex.: Operações de martelagem e de rebitagem. 25
  26. 26. MMeeddiiççõõeess ddooss NNíívveeiiss ddee RRuuííddoo Porque é que se procede à Medição de Ruído? • Para determinar se os níveis sonoros são susceptíveis de provocar dano auditivo. • Determinar o nível sonoro dos equipamentos. • Para elaborar planos de redução do ruído. • Para sabermos quais os protectores adequados a utilizar. 26
  27. 27. EExxppoossiiççããoo aaoo RRuuííddoo • 85 dB ---> 8 horas 86 dB ---> 7 horas 87 dB ---> 6 horas 88 dB ---> 5 horas 89 dB ---> 4 horas e 30 minutos 90 dB ---> 4 horas 91 dB ---> 4 horas 92 dB ---> 3 horas 93 dB ---> 2 horas e 40 minutos 94 dB ---> 2 horas e 15 minutos 27 95 dB ---> 2 horas 96 dB ---> 1 hora e 45 minutos 98 dB ---> 1 hora e 15 minutos 100 dB ---> 1 hora 102 dB ---> 45 minutos 104 dB ---> 35 minutos 105 dB ---> 30 minutos 106 dB ---> 25 minutos 108 dB ---> 20 minutos 110 dB ---> 15 minutos 112 dB ---> 10 minutos 114 dB ---> 8 minutos 115 dB ---> 7 minutos.
  28. 28. FFaaccttoorreess ddee EExxppoossiiççããoo – O risco a que está exposto um trabalhador depende: –Tempo de Exposição; –Tipo de ruído: contínuo, intermitente ou súbito; –Distância da fonte de ruído; –Sensibilidade individual; –Danos na audição. 28
  29. 29. EEffeeiittooss NNoocciivvooss ddoo RRuuííddoo • O Ruído actua através do ouvido sobre o sistema nervoso central. Quando o estimulo ultrapassa determinados limites causa surdez. 29
  30. 30. Acção do ruído no aparelho auditivo • As perdas de audição são consequências da frequência e da intensidade do ruído, sendo mais evidentes quando causadas pelos sons puros e frequências mais elevadas. 30
  31. 31. 31 Efeitos Nocivos do Ruído Efeitos Fisiológicos •Distúrbios gastrointestinais; •Distúrbios relacionados com o sistema nervosos central, tais como:  Dificuldade em falar;  Problemas sensoriais – diminuição da memória de retenção. Efeitos Psicológicos •Ocasiona irritabilidade em indivíduos normalmente tensos ( os locais ruidosos aumentão as tensões); •Agrava os estados de angústia em pessoas predispostas a depressões,
  32. 32. 32 Outros Efeitos Nocivos do Ruído  Dificuldades na transmissão e na recepção da mensagem;  Influencia negativamente a produtividade e a qualidade do produto;  Aumenta a irritabilidade e a fadiga no geral, sendo estes factores causas directas do aumento do número de acidentes de trabalho.
  33. 33. Acção do ruído no aparelho auditivo • Fadiga auditiva A fadiga auditiva traduz-se por um abaixamento reversível da acuidade auditiva, sendo determinada pelo grau de perda de audição e pelo tempo que o ouvido demora a retomar a audição inicial. 33
  34. 34. Acção do ruído no aparelho auditivo • Quando a exposição se mantém, durante um longo período de tempo a um ruído excessivo, surge um défice permanente da acuidade auditiva. • Inicia-se assim o processo de destruição das células internas, numa primeira fase, e externas posteriormente. 34
  35. 35. Efeitos nocivos do ruído Incómodo É talvez o efeito mais comum sobre as pessoas e a causa da maior parte das queixas. Traduz-se por: - Intranquilidade; desassossego; ansiedade. 35
  36. 36. Efeitos nocivos do ruído Interferência com a comunicação A partir dos 65 dB(A) de ruído, torna-se extremamente difícil conversar. Para que a conversa seja perfeitamente audível é necessário que a sua intensidade supere em 15 dB(A) o ruído de fundo. 36
  37. 37. Efeitos nocivos do ruído Perda de concentração e de rendimento Para realizar qualquer tarefa é necessária concentração, no entanto se existir ruído produzirá distracções que reduzem o rendimento no trabalho. Alguns acidentes tanto laborais como de circulação, podem ser devidos a este efeito 37
  38. 38. Efeitos nocivos do ruído Transtornos durante o sono - Insónias; - Causa interrupções no sono; - Diminuição da qualidade de sono, podendo provocar aumento da pressão arterial e ritmo cardíaco. 38
  39. 39. Efeitos nocivos do ruído Danos no ouvido - Surdez transitória ou fadiga auditiva; - Surdez permanente – em exposições prolongadas a níveis superiores a 85 dB(A). 39
  40. 40. Efeitos nocivos do ruído • Um factor de grande importância, em qualquer tipo de perda de audição, é a susceptibilidade individual. Indivíduos têm sensibilidades diferentes. A audição de alguns altera-se mais facilmente que a dos outros. • Existe também uma perda natural de audição com a idade. 40
  41. 41. Efeitos nocivos do ruído Stress – verifica-se: - Cansaço crónico; - Tendência para insónias; - Doenças cardiovasculares; - Comportamentos anti-sociais (hostilidade, agressividade). 41
  42. 42. Em conclusão – efeitos do ruído A nível psicológico A nível fisiológico Perda de concentração Perda auditiva até á surdez permanente Perda dos reflexos Dores de cabeça Irritação permanente Fadiga Insegurança quanto á eficiência dos actos Distúrbios cardiovasculares Dificuldade nas conversações Distúrbios hormonais Impotência sexual Disfunções digestivas, gastrites Alergias Aumento da frequência cardíaca / contracção dos vasos sanguíneos 42
  43. 43. Controlo do ruído • Quando o nível de ruído nos locais de trabalho ultrapassa os níveis considerados aceitáveis, deve proceder-se a um controlo do mesmo, a fim de o reduzir aos níveis pretendidos. 43
  44. 44. Controlo do ruído Medidas organizacionais Controlo administrativo 44
  45. 45. Controlo do ruído • Medidas organizacionais: - Redução dos níveis de ruído ou do tempo de exposição; - Adquirir equipamentos menos ruidosos; - Rotação periódica dos trabalhadores. 45
  46. 46. Controlo do ruído Medidas construtivas ou de engenharia Actuar sobre a fonte Actuar sobre as vias de propagação 46
  47. 47. Controlo de ruído • Medidas construtivas ou de engenharia: - Encapsulamento da fonte de ruído com material isolante e absorvente; -Tratamento acústico das superfícies, revestindo-as com material absorvente, por exemplo lã mineral; - Manutenção frequente e cuidadosa. 47
  48. 48. Controlo de ruído Medidas de protecção individual Actuar sobre o receptor 48
  49. 49. Controlo do ruído • Medidas de protecção individual - Quando não é viável técnica ou economicamente, qualquer das situações anteriores; - Utilização de protectores auriculares. 49
  50. 50. Protectores auditivos • Devem estar em conformidade com as normas com as normas europeias harmonizadas ou nacionais existentes e devidamente e devidamente certificadas; • Estar adaptados a cada trabalhador que os utilize e ás características das suas condições de trabalho; • Proporcionar a atenuação adequada da exposição ao ruído. Obrigatórios com valores acima dos 85 dB(A) 50
  51. 51. Protectores do tipo concha ou abafadores Formados por duas conchas atenuadoras de ruído em torno dos ouvidos e ligados por um arco tensor. Estas conchas devem possuir bordas revestidas de material macio de forma a permitir um bom ajuste na zona do ouvido. 51
  52. 52. Protectores de inserção ou tampões São colocados no canal externo do ouvido. Tendem a ser mais confortáveis que os abafadores, para exposições de longa duração, principalmente em ambientes quentes e húmidos. Podem ser de algodão ou borracha. 52
  53. 53. Protectores auditivos • Estes protectores devem ser testados antes da sua utilização, pois existem tipos eficientes e específicos para cada gama de frequência. • Os fabricantes devem fornecer a respectiva informação sobre a atenuação do protector em cada frequência. 53
  54. 54. Protectores auditivos • Para serem eficazes não devem permitir “fugas” de som. Protectores velhos, sujos e que não se adaptem convenientemente não atingem o objectivo de proteger a audição; 54
  55. 55. Protectores Auditivos • Os protectores devem ser convenientemente limpos, com manutenções regulares e quando necessários substituídos; • É obrigatória a sinalização das áreas ruidosas (com valores acima do nível de acção 85 dB (A)) com o sinal de obrigação do uso de protectores. 55
  56. 56. Protectores Auditivos • Característica técnica do protector de ouvido tampão BILSOM Série 300 • Características técnicas do protector de ouvido tampão de silicone BILSOM PERFLEX TSSHST Clotilde Sousa Vieira (Eng.ª ) 56
  57. 57. Acompanhamento médico • Exames audiométricos aquando da admissão do trabalhador e a intervalos regulares. Estes exames avaliam a função auditiva, verificando como reage o nosso ouvido a um conjunto de sons, que realizados regularmente pode detectar perdas de audição que nos passam despercebidas. 57
  58. 58. Acompanhamento médico • Estes exames não só detectam os trabalhadores que têm problemas auditivos, como identificam aqueles com susceptibilidade elevada ao ruído, de maneira a tomar medidas preventivas de forma a evitar a surdez profissional 58
  59. 59. Acompanhamento médico • A periodicidade dos exames audiométricos está definida na legislaçãosendo anual para trabalhadores expostos a valores acima dos 85 dB(A) e de dois em dois anos para trabalhadores expostos a valores superiores a 80 dB(A). 59
  60. 60. • EVITE SSIITTUUAAÇÇÕÕEESS DDEESSTTAASS:: PPRROOTTEEJJAA--SSEE AASSSSIIMM:: 60
  61. 61. Fim 61 Obrigada

×