SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Baixar para ler offline
 Edizangela Da Silva Torres 
 Gabriela Bias Barbosa 
 Yasmin Caroline Da Silva Matos
Agentes Físicos 
Os agentes Físicos são diversas formas de energia a que 
possa estar expostos os trabalhadores 
São exemplos de agentes Físicos: 
• - Ruídos; 
• - Temperaturas extremas; 
• - Vibrações; 
• - Pressões Anormais; 
• - Radiações; 
• - Umidade.
Os Agentes físicos se caracterizam por: 
Exigirem um meio de transmissão (em geral o ar) 
para propagarem sua nocividade. 
 Agirem mesmo sobre pessoas que não têm contato 
direto com a fonte do risco. 
 Em geral ocasiona lesões crônicas, mediatas..
Os agentes Físicos são classificados pela cor 
Verde.
Ruído é um conjunto de sons 
que pode causar sensação de 
desconforto, e está presente no 
dia-a-dia dos seres humanos.
 Continuo 
Intermitente 
Impacto
Quanto maior o nível de ruído, menor deverá 
ser o tempo de exposição ocupacional.
Aumento da pressão sanguínea; 
 Dificuldade de comunicação; 
 Alterações do sono; 
 Irritação; 
Cansaço; 
Diminuição do rendimento no trabalho; 
Ansiedade; 
Dores de cabeça; 
PAIR - Perda Auditiva Induzida pelo Ruído.
Principais atividades: 
As principais alterações 
fisiológicas: 
Medidas de controle:
Principais atividades: 
As principais consequências 
As medidas de controle:
As Vibrações são agentes Físicos 
nocivos produzidos por certas 
máquinas. Equipamentos e 
ferramentas vibrantes, que atuam por 
transmissão de energia mecânica, 
emitindo oscilações com amplitudes 
perceptíveis pelos seres humanos.
As Vibrações transmitidas ao corpo humano pode ser 
classificadas em dois tipos. 
Localizadas: Determinadas 
partes do Corpo (Sistema Mão- 
Braços) 
Generalizadas: Corpo Inteiro
•Vibração Localizada 
Elas acontecem com ferramentas menores. Ex: ferramentas de 
mão que são moto serras, Britadeira, Furadeiras e etc. 
Elas provocam alguns sintomas que pode verificar em alguns 
trabalhadores que pode ser 
• Formigamento nos dedos 
• Ataque de branqueamento (Síndrome de mãos e Braços) 
pode ser tratado e pode se agravar. Perde sensibilidade. 
• Pode ser irreversíveis e atingir os dedo 
todos e pode ficar maior quando os dedos 
começam a ficar roxo e Avermelhados 
com bolhas de sangue
• Vibração de Corpo inteiro 
• A exposição diária à vibração de corpo inteiro poderá resultar em 
danos na região espinhal, podendo também afetar o sistema 
circulatório e/ou urológico, além do sistema nervoso central. 
Sintomas de distúrbios frequentemente aparecem durante ou logo 
após a exposição sob a forma de fadiga, insônia, dor de cabeça e 
tremor.
• Os danos provocados pela vibração em um operador 
vão desde danos físicos, até psicológicos e nervosos. E 
são sintomas difíceis de caracterizar, pois como 
estamos falando desde o início, poucas pessoas 
atentam e se cuidam dos problemas decorrentes da 
vibração no ambiente de trabalho.
Na avaliação das vibrações devem ser adotados os critérios da ISO 
- Organização Internacional para a Normalização, São As ISO 
2631 E A ISO/DIS 5349. O controle das vibrações pode ser obtido 
através de três processos básicos: 
Redução das vibrações na origem 
Diminuição da transmissão de energia mecânica a superfícies 
potencialmente irradiantes 
Redução da amplitude de vibração das superfícies irradiantes.
• Se as providências anteriores não forem suficientes, 
recomenda-se proteger individualmente o trabalhador 
com certos equipamentos como botas e luvas, que 
ajudam a absorver as vibrações.
É toda atividade que expõem o 
ser humano a condições de 
pressão superior a da atmosfera.
Ambientes Hipobáricos- baixa pressão 
Ambientes Hiperbáricos- alta pressão
Problemas do ouvido; 
 Embolia gasosa; 
 Problemas no coração, pulmão, cérebro, ossos e 
articulações.
 Trabalhador Ser Altamente Treinado; 
 Seguir Rigorosamente As Tabelas De Tratamento; 
 Ter Um Acompanhamento Qualificado; 
 Utilizar Oxigênio Dentro Das Limitações De 
Profundidade E Tempo.
Não ionizantes: 
Infravermelhos, 
micro-ondas, raios 
laser. 
Ionizantes: Raio x, 
radioterapia.
Perturbações visuais; 
 lesões na pele ; 
Mutações.
• Para que haja o controle da ação das radiações para o 
trabalhador é preciso que se tomem algumas medidas: 
Medidas de proteção coletiva; 
Enclausuramento da fonte de radiação; 
Medidas de proteção individual; 
Medida administrativa; 
 Medida médica
As atividades ou operações executadas 
em locais alagados ou encharcados, 
com umidade excessivas, capazes de 
produzir danos a saúde dos 
trabalhadores são situações insalubres 
e devem ter a atenção dos 
prevencionistas por meio de 
verificações realizadas nesses locais 
para estudar a implantação de medidas 
de controle.
A exposição do trabalhador à umidade 
pode acarretar doenças no: 
• Aparelho respiratório 
• Quedas 
• Doenças de pele 
• Doenças circulatórias
Avaliação dos Locais de Trabalho 
A avaliação dos locais de trabalho no que diz respeito a umidade e 
locais encharcados, são feitos através de: 
Avaliação Qualitativa – Laudo de Inspeção realizada no local de 
trabalho. 
Segundo a Portaria n° 3214/78 do MTb – 
NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES 
ANEXO N.º 10 
UMIDADE 
1. As atividades ou operações executadas em locais alagados ou 
encharcados, com umidade excessiva, capazes de 
produzir danos à saúde dos trabalhadores, serão consideradas 
insalubres em decorrência de laudo de inspeção 
realizada no local de trabalho.
• Para o controle da exposição do trabalhador a 
umidade podem ser tomadas medidas de: 
Proteção Coletiva & Proteção Individual 
EPC & EPI
• A diversidade de agentes causadores que podemos 
encontrar em um ambiente de trabalho, onde se não tomar 
as devidas providências poderá acarretar em diversas 
doenças provenientes do trabalho ou até mesmo em 
acidentes com os colaboradores expostos a tais riscos.
• Site: 
• http://www.avatec.com.br/v2/visualiza_boletim.asp?id=62 
• Site: 
http://www.fiocruz.br/biosseguranca/Bis/lab_virtual/riscos_fisic 
os.html 
• Site: 
• http://portal.mte.gov.br/data/files/FF8080812BE914E6012BEF 
3C660E1A90/nr_15_anexo6.pdf 
• Site: 
http://www.portaleducacao.com.br/enfermagem/artigos/43879/ 
temperaturas-extremas-como-risco-fisico-de-trabalho 
• Site: http://www.grupoprevine.com.br/l-40.asp 
• Site: 
http://www.higieneocupacional.com.br/download/riscos_fis_div 
ersos.pdf
Agentes físicos riscos trabalho

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Riscos Ambientais e Medidas de Controle de Riscos
Riscos Ambientais e Medidas de Controle de RiscosRiscos Ambientais e Medidas de Controle de Riscos
Riscos Ambientais e Medidas de Controle de RiscosGerlane Batista
 
Aula 4 riscos ocupacionais
Aula 4   riscos ocupacionaisAula 4   riscos ocupacionais
Aula 4 riscos ocupacionaisDaniel Moura
 
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de TrabalhoPalestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de TrabalhoHP Safety Engenharia
 
Aula 3 - Acidente de Trabalho
Aula 3 - Acidente de TrabalhoAula 3 - Acidente de Trabalho
Aula 3 - Acidente de TrabalhoGhiordanno Bruno
 
Aula 3 doenças ocupacionais
Aula 3   doenças ocupacionaisAula 3   doenças ocupacionais
Aula 3 doenças ocupacionaisDaniel Moura
 
Aula 2 - Normas Regulamentadoras
Aula 2 - Normas RegulamentadorasAula 2 - Normas Regulamentadoras
Aula 2 - Normas RegulamentadorasGhiordanno Bruno
 
Medidas para prevenção de acidentes no trabalho
Medidas para prevenção de acidentes no trabalhoMedidas para prevenção de acidentes no trabalho
Medidas para prevenção de acidentes no trabalhoThaysa Brito
 
Doença Profissional e Doença do Trabalho
Doença Profissional e Doença do TrabalhoDoença Profissional e Doença do Trabalho
Doença Profissional e Doença do TrabalhoDay Vasconcellos
 
Segurança no manuseio de produtos quimicos
Segurança no manuseio de produtos quimicosSegurança no manuseio de produtos quimicos
Segurança no manuseio de produtos quimicosSergio Roberto Silva
 
118985172 2746.ruido ocupacional
118985172 2746.ruido ocupacional118985172 2746.ruido ocupacional
118985172 2746.ruido ocupacionalPelo Siro
 

Mais procurados (20)

Riscos Ambientais e Medidas de Controle de Riscos
Riscos Ambientais e Medidas de Controle de RiscosRiscos Ambientais e Medidas de Controle de Riscos
Riscos Ambientais e Medidas de Controle de Riscos
 
NR 15 - Insalubridade e Periculosidade
NR 15 - Insalubridade e PericulosidadeNR 15 - Insalubridade e Periculosidade
NR 15 - Insalubridade e Periculosidade
 
Aula 4 riscos ocupacionais
Aula 4   riscos ocupacionaisAula 4   riscos ocupacionais
Aula 4 riscos ocupacionais
 
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de TrabalhoPalestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
 
Aula 3 - Acidente de Trabalho
Aula 3 - Acidente de TrabalhoAula 3 - Acidente de Trabalho
Aula 3 - Acidente de Trabalho
 
Aula 3 doenças ocupacionais
Aula 3   doenças ocupacionaisAula 3   doenças ocupacionais
Aula 3 doenças ocupacionais
 
Aula 2 - Normas Regulamentadoras
Aula 2 - Normas RegulamentadorasAula 2 - Normas Regulamentadoras
Aula 2 - Normas Regulamentadoras
 
4 higiene ocupacional
4   higiene ocupacional4   higiene ocupacional
4 higiene ocupacional
 
NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)
 
Risco Fisico : Umidade
Risco Fisico : UmidadeRisco Fisico : Umidade
Risco Fisico : Umidade
 
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
NR7 PCMSO
NR7 PCMSONR7 PCMSO
NR7 PCMSO
 
Medidas para prevenção de acidentes no trabalho
Medidas para prevenção de acidentes no trabalhoMedidas para prevenção de acidentes no trabalho
Medidas para prevenção de acidentes no trabalho
 
Exposição profissional a agentes químicos
Exposição profissional a agentes químicosExposição profissional a agentes químicos
Exposição profissional a agentes químicos
 
Doença Profissional e Doença do Trabalho
Doença Profissional e Doença do TrabalhoDoença Profissional e Doença do Trabalho
Doença Profissional e Doença do Trabalho
 
Segurança no manuseio de produtos quimicos
Segurança no manuseio de produtos quimicosSegurança no manuseio de produtos quimicos
Segurança no manuseio de produtos quimicos
 
118985172 2746.ruido ocupacional
118985172 2746.ruido ocupacional118985172 2746.ruido ocupacional
118985172 2746.ruido ocupacional
 
Riscos químicos
Riscos químicos Riscos químicos
Riscos químicos
 
Integração de Segurança
Integração de SegurançaIntegração de Segurança
Integração de Segurança
 
Curso da CIPA
Curso da CIPACurso da CIPA
Curso da CIPA
 

Destaque

Risco Físico: Temperaturas Extremas - Calor e Frio
Risco Físico: Temperaturas Extremas - Calor e FrioRisco Físico: Temperaturas Extremas - Calor e Frio
Risco Físico: Temperaturas Extremas - Calor e FrioFernando S. S. Barbosa
 
Manual riscos quimicos fundição
Manual riscos quimicos fundiçãoManual riscos quimicos fundição
Manual riscos quimicos fundiçãobia139
 
Doencas causadas pelo_calor
Doencas causadas pelo_calorDoencas causadas pelo_calor
Doencas causadas pelo_calorpamcolbano
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos soloskarolpoa
 
Acné y Rosacea | UASD
Acné y Rosacea | UASDAcné y Rosacea | UASD
Acné y Rosacea | UASDRoberto Coste
 
Palestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPastoPalestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPastoJosmar Almeida Junior
 
Promoção da biossegurança nas ações de saúde
Promoção da biossegurança nas ações de saúde Promoção da biossegurança nas ações de saúde
Promoção da biossegurança nas ações de saúde Wilker Santana
 
Riscos associados ao ambiente térmico
Riscos associados ao ambiente térmicoRiscos associados ao ambiente térmico
Riscos associados ao ambiente térmicoisabelourenco
 
Higiene apresentação
Higiene apresentaçãoHigiene apresentação
Higiene apresentaçãoCEWK2010
 
Curso de cipa apresentação power point 15 11 05
Curso de cipa   apresentação power point 15 11 05Curso de cipa   apresentação power point 15 11 05
Curso de cipa apresentação power point 15 11 05Nilton Goulart
 
Introdução a história da segurança do trabalho
Introdução a história da segurança do trabalhoIntrodução a história da segurança do trabalho
Introdução a história da segurança do trabalhoAlexandre Peovão Peovão
 
Curso Avaliação de Agentes Químicos -FUNDACENTRO-BA-2014
Curso Avaliação de Agentes Químicos -FUNDACENTRO-BA-2014Curso Avaliação de Agentes Químicos -FUNDACENTRO-BA-2014
Curso Avaliação de Agentes Químicos -FUNDACENTRO-BA-2014Denise Santana
 
Slide Temperaturas Extremas
Slide Temperaturas ExtremasSlide Temperaturas Extremas
Slide Temperaturas ExtremasMayke Antonucci
 

Destaque (20)

Slides agentes biológicos!
Slides agentes biológicos!Slides agentes biológicos!
Slides agentes biológicos!
 
Risco Físico: Temperaturas Extremas - Calor e Frio
Risco Físico: Temperaturas Extremas - Calor e FrioRisco Físico: Temperaturas Extremas - Calor e Frio
Risco Físico: Temperaturas Extremas - Calor e Frio
 
Riscos biológicos
Riscos biológicosRiscos biológicos
Riscos biológicos
 
Manual riscos quimicos fundição
Manual riscos quimicos fundiçãoManual riscos quimicos fundição
Manual riscos quimicos fundição
 
Manejo De Pastagens
Manejo De PastagensManejo De Pastagens
Manejo De Pastagens
 
Doencas causadas pelo_calor
Doencas causadas pelo_calorDoencas causadas pelo_calor
Doencas causadas pelo_calor
 
Dermatoses Ocupacionais
Dermatoses OcupacionaisDermatoses Ocupacionais
Dermatoses Ocupacionais
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
 
Acné y Rosacea | UASD
Acné y Rosacea | UASDAcné y Rosacea | UASD
Acné y Rosacea | UASD
 
Palestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPastoPalestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPasto
 
Promoção da biossegurança nas ações de saúde
Promoção da biossegurança nas ações de saúde Promoção da biossegurança nas ações de saúde
Promoção da biossegurança nas ações de saúde
 
Riscos associados ao ambiente térmico
Riscos associados ao ambiente térmicoRiscos associados ao ambiente térmico
Riscos associados ao ambiente térmico
 
Ponencia glandulas sudoriparas ecrinas
Ponencia glandulas sudoriparas ecrinasPonencia glandulas sudoriparas ecrinas
Ponencia glandulas sudoriparas ecrinas
 
Higiene apresentação
Higiene apresentaçãoHigiene apresentação
Higiene apresentação
 
Cartilha saúde trabalhador
Cartilha saúde trabalhadorCartilha saúde trabalhador
Cartilha saúde trabalhador
 
Curso de cipa apresentação power point 15 11 05
Curso de cipa   apresentação power point 15 11 05Curso de cipa   apresentação power point 15 11 05
Curso de cipa apresentação power point 15 11 05
 
Introdução a história da segurança do trabalho
Introdução a história da segurança do trabalhoIntrodução a história da segurança do trabalho
Introdução a história da segurança do trabalho
 
Curso Avaliação de Agentes Químicos -FUNDACENTRO-BA-2014
Curso Avaliação de Agentes Químicos -FUNDACENTRO-BA-2014Curso Avaliação de Agentes Químicos -FUNDACENTRO-BA-2014
Curso Avaliação de Agentes Químicos -FUNDACENTRO-BA-2014
 
Slide Temperaturas Extremas
Slide Temperaturas ExtremasSlide Temperaturas Extremas
Slide Temperaturas Extremas
 
Doenças ocupacionais
Doenças ocupacionais Doenças ocupacionais
Doenças ocupacionais
 

Semelhante a Agentes físicos riscos trabalho

Higiene Ocupacional
Higiene OcupacionalHigiene Ocupacional
Higiene OcupacionalSara Alves
 
16057023 1242681421riscosfisicos
16057023 1242681421riscosfisicos16057023 1242681421riscosfisicos
16057023 1242681421riscosfisicosPelo Siro
 
16057023 1242681421riscosfisicos
16057023 1242681421riscosfisicos16057023 1242681421riscosfisicos
16057023 1242681421riscosfisicosPelo Siro
 
Exemplos De Mapas De Riscos
Exemplos De Mapas De RiscosExemplos De Mapas De Riscos
Exemplos De Mapas De RiscosSantos de Castro
 
riscosfsicos-140220201407-phpapp01.pdf
riscosfsicos-140220201407-phpapp01.pdfriscosfsicos-140220201407-phpapp01.pdf
riscosfsicos-140220201407-phpapp01.pdfNatanael Ferreira
 
agente-fc3adsico-vibrac3a7c3b5es (2).ppt
agente-fc3adsico-vibrac3a7c3b5es (2).pptagente-fc3adsico-vibrac3a7c3b5es (2).ppt
agente-fc3adsico-vibrac3a7c3b5es (2).pptcarlossilva333486
 
Segurança e medicina do trabalho aula3
Segurança e medicina do trabalho aula3Segurança e medicina do trabalho aula3
Segurança e medicina do trabalho aula3Augusto Junior
 
RISCO AMBIENTAIS FÍSICOS - SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO.pptx
RISCO AMBIENTAIS FÍSICOS - SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO.pptxRISCO AMBIENTAIS FÍSICOS - SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO.pptx
RISCO AMBIENTAIS FÍSICOS - SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO.pptxHarthurVinicius
 
Aula de PPRA Prof. Felipe Voga
Aula de PPRA   Prof. Felipe VogaAula de PPRA   Prof. Felipe Voga
Aula de PPRA Prof. Felipe VogaFelipe Voga
 
PPRA2008081407081210
PPRA2008081407081210PPRA2008081407081210
PPRA2008081407081210Andrea Galak
 
Formação HST - Módulo I.pptx
Formação HST - Módulo I.pptxFormação HST - Módulo I.pptx
Formação HST - Módulo I.pptxRuiTorres25
 
INTRODUÇÃO A ERGONIA ergonomia- TPD 1.pptx
INTRODUÇÃO A ERGONIA ergonomia- TPD 1.pptxINTRODUÇÃO A ERGONIA ergonomia- TPD 1.pptx
INTRODUÇÃO A ERGONIA ergonomia- TPD 1.pptxuedamm2019
 
5. hst riscos num postbalhoo de tra
5. hst riscos num postbalhoo de tra5. hst riscos num postbalhoo de tra
5. hst riscos num postbalhoo de traGilson Adao
 
Hst ruidos e vibracoes
Hst ruidos e vibracoesHst ruidos e vibracoes
Hst ruidos e vibracoesedsondecristo3
 
4 DRAEI - Regras de segurança e do manuseamento de componentes
4   DRAEI - Regras de segurança e do manuseamento de componentes4   DRAEI - Regras de segurança e do manuseamento de componentes
4 DRAEI - Regras de segurança e do manuseamento de componentesSandra Minhós
 
EPIDEMIOLOGIA DO TRABALHO.pptx
EPIDEMIOLOGIA DO TRABALHO.pptxEPIDEMIOLOGIA DO TRABALHO.pptx
EPIDEMIOLOGIA DO TRABALHO.pptxMirnaKathary1
 
Texto Vibração (NR-9) -> sintomas, definição, etc
Texto Vibração (NR-9) -> sintomas, definição, etcTexto Vibração (NR-9) -> sintomas, definição, etc
Texto Vibração (NR-9) -> sintomas, definição, etcRoberto Silva
 

Semelhante a Agentes físicos riscos trabalho (20)

Higiene Ocupacional
Higiene OcupacionalHigiene Ocupacional
Higiene Ocupacional
 
16057023 1242681421riscosfisicos
16057023 1242681421riscosfisicos16057023 1242681421riscosfisicos
16057023 1242681421riscosfisicos
 
16057023 1242681421riscosfisicos
16057023 1242681421riscosfisicos16057023 1242681421riscosfisicos
16057023 1242681421riscosfisicos
 
Treinamento dst
Treinamento dstTreinamento dst
Treinamento dst
 
Exemplos De Mapas De Riscos
Exemplos De Mapas De RiscosExemplos De Mapas De Riscos
Exemplos De Mapas De Riscos
 
riscosfsicos-140220201407-phpapp01.pdf
riscosfsicos-140220201407-phpapp01.pdfriscosfsicos-140220201407-phpapp01.pdf
riscosfsicos-140220201407-phpapp01.pdf
 
agente-fc3adsico-vibrac3a7c3b5es (2).ppt
agente-fc3adsico-vibrac3a7c3b5es (2).pptagente-fc3adsico-vibrac3a7c3b5es (2).ppt
agente-fc3adsico-vibrac3a7c3b5es (2).ppt
 
Segurança e medicina do trabalho aula3
Segurança e medicina do trabalho aula3Segurança e medicina do trabalho aula3
Segurança e medicina do trabalho aula3
 
RISCO AMBIENTAIS FÍSICOS - SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO.pptx
RISCO AMBIENTAIS FÍSICOS - SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO.pptxRISCO AMBIENTAIS FÍSICOS - SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO.pptx
RISCO AMBIENTAIS FÍSICOS - SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO.pptx
 
Aula de PPRA Prof. Felipe Voga
Aula de PPRA   Prof. Felipe VogaAula de PPRA   Prof. Felipe Voga
Aula de PPRA Prof. Felipe Voga
 
PPRA2008081407081210
PPRA2008081407081210PPRA2008081407081210
PPRA2008081407081210
 
Formação HST - Módulo I.pptx
Formação HST - Módulo I.pptxFormação HST - Módulo I.pptx
Formação HST - Módulo I.pptx
 
INTRODUÇÃO A ERGONIA ergonomia- TPD 1.pptx
INTRODUÇÃO A ERGONIA ergonomia- TPD 1.pptxINTRODUÇÃO A ERGONIA ergonomia- TPD 1.pptx
INTRODUÇÃO A ERGONIA ergonomia- TPD 1.pptx
 
5. hst riscos num postbalhoo de tra
5. hst riscos num postbalhoo de tra5. hst riscos num postbalhoo de tra
5. hst riscos num postbalhoo de tra
 
Hst ruidos e vibracoes
Hst ruidos e vibracoesHst ruidos e vibracoes
Hst ruidos e vibracoes
 
St 03
St 03St 03
St 03
 
4 DRAEI - Regras de segurança e do manuseamento de componentes
4   DRAEI - Regras de segurança e do manuseamento de componentes4   DRAEI - Regras de segurança e do manuseamento de componentes
4 DRAEI - Regras de segurança e do manuseamento de componentes
 
EPIDEMIOLOGIA DO TRABALHO.pptx
EPIDEMIOLOGIA DO TRABALHO.pptxEPIDEMIOLOGIA DO TRABALHO.pptx
EPIDEMIOLOGIA DO TRABALHO.pptx
 
02 o ambiente e tudo
02   o ambiente e tudo02   o ambiente e tudo
02 o ambiente e tudo
 
Texto Vibração (NR-9) -> sintomas, definição, etc
Texto Vibração (NR-9) -> sintomas, definição, etcTexto Vibração (NR-9) -> sintomas, definição, etc
Texto Vibração (NR-9) -> sintomas, definição, etc
 

Último

As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 

Último (20)

As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 

Agentes físicos riscos trabalho

  • 1.
  • 2.  Edizangela Da Silva Torres  Gabriela Bias Barbosa  Yasmin Caroline Da Silva Matos
  • 3. Agentes Físicos Os agentes Físicos são diversas formas de energia a que possa estar expostos os trabalhadores São exemplos de agentes Físicos: • - Ruídos; • - Temperaturas extremas; • - Vibrações; • - Pressões Anormais; • - Radiações; • - Umidade.
  • 4. Os Agentes físicos se caracterizam por: Exigirem um meio de transmissão (em geral o ar) para propagarem sua nocividade.  Agirem mesmo sobre pessoas que não têm contato direto com a fonte do risco.  Em geral ocasiona lesões crônicas, mediatas..
  • 5. Os agentes Físicos são classificados pela cor Verde.
  • 6. Ruído é um conjunto de sons que pode causar sensação de desconforto, e está presente no dia-a-dia dos seres humanos.
  • 8.
  • 9. Quanto maior o nível de ruído, menor deverá ser o tempo de exposição ocupacional.
  • 10. Aumento da pressão sanguínea;  Dificuldade de comunicação;  Alterações do sono;  Irritação; Cansaço; Diminuição do rendimento no trabalho; Ansiedade; Dores de cabeça; PAIR - Perda Auditiva Induzida pelo Ruído.
  • 11.
  • 12. Principais atividades: As principais alterações fisiológicas: Medidas de controle:
  • 13. Principais atividades: As principais consequências As medidas de controle:
  • 14. As Vibrações são agentes Físicos nocivos produzidos por certas máquinas. Equipamentos e ferramentas vibrantes, que atuam por transmissão de energia mecânica, emitindo oscilações com amplitudes perceptíveis pelos seres humanos.
  • 15. As Vibrações transmitidas ao corpo humano pode ser classificadas em dois tipos. Localizadas: Determinadas partes do Corpo (Sistema Mão- Braços) Generalizadas: Corpo Inteiro
  • 16. •Vibração Localizada Elas acontecem com ferramentas menores. Ex: ferramentas de mão que são moto serras, Britadeira, Furadeiras e etc. Elas provocam alguns sintomas que pode verificar em alguns trabalhadores que pode ser • Formigamento nos dedos • Ataque de branqueamento (Síndrome de mãos e Braços) pode ser tratado e pode se agravar. Perde sensibilidade. • Pode ser irreversíveis e atingir os dedo todos e pode ficar maior quando os dedos começam a ficar roxo e Avermelhados com bolhas de sangue
  • 17. • Vibração de Corpo inteiro • A exposição diária à vibração de corpo inteiro poderá resultar em danos na região espinhal, podendo também afetar o sistema circulatório e/ou urológico, além do sistema nervoso central. Sintomas de distúrbios frequentemente aparecem durante ou logo após a exposição sob a forma de fadiga, insônia, dor de cabeça e tremor.
  • 18. • Os danos provocados pela vibração em um operador vão desde danos físicos, até psicológicos e nervosos. E são sintomas difíceis de caracterizar, pois como estamos falando desde o início, poucas pessoas atentam e se cuidam dos problemas decorrentes da vibração no ambiente de trabalho.
  • 19. Na avaliação das vibrações devem ser adotados os critérios da ISO - Organização Internacional para a Normalização, São As ISO 2631 E A ISO/DIS 5349. O controle das vibrações pode ser obtido através de três processos básicos: Redução das vibrações na origem Diminuição da transmissão de energia mecânica a superfícies potencialmente irradiantes Redução da amplitude de vibração das superfícies irradiantes.
  • 20. • Se as providências anteriores não forem suficientes, recomenda-se proteger individualmente o trabalhador com certos equipamentos como botas e luvas, que ajudam a absorver as vibrações.
  • 21. É toda atividade que expõem o ser humano a condições de pressão superior a da atmosfera.
  • 22. Ambientes Hipobáricos- baixa pressão Ambientes Hiperbáricos- alta pressão
  • 23. Problemas do ouvido;  Embolia gasosa;  Problemas no coração, pulmão, cérebro, ossos e articulações.
  • 24.  Trabalhador Ser Altamente Treinado;  Seguir Rigorosamente As Tabelas De Tratamento;  Ter Um Acompanhamento Qualificado;  Utilizar Oxigênio Dentro Das Limitações De Profundidade E Tempo.
  • 25.
  • 26. Não ionizantes: Infravermelhos, micro-ondas, raios laser. Ionizantes: Raio x, radioterapia.
  • 27. Perturbações visuais;  lesões na pele ; Mutações.
  • 28. • Para que haja o controle da ação das radiações para o trabalhador é preciso que se tomem algumas medidas: Medidas de proteção coletiva; Enclausuramento da fonte de radiação; Medidas de proteção individual; Medida administrativa;  Medida médica
  • 29. As atividades ou operações executadas em locais alagados ou encharcados, com umidade excessivas, capazes de produzir danos a saúde dos trabalhadores são situações insalubres e devem ter a atenção dos prevencionistas por meio de verificações realizadas nesses locais para estudar a implantação de medidas de controle.
  • 30. A exposição do trabalhador à umidade pode acarretar doenças no: • Aparelho respiratório • Quedas • Doenças de pele • Doenças circulatórias
  • 31. Avaliação dos Locais de Trabalho A avaliação dos locais de trabalho no que diz respeito a umidade e locais encharcados, são feitos através de: Avaliação Qualitativa – Laudo de Inspeção realizada no local de trabalho. Segundo a Portaria n° 3214/78 do MTb – NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 10 UMIDADE 1. As atividades ou operações executadas em locais alagados ou encharcados, com umidade excessiva, capazes de produzir danos à saúde dos trabalhadores, serão consideradas insalubres em decorrência de laudo de inspeção realizada no local de trabalho.
  • 32. • Para o controle da exposição do trabalhador a umidade podem ser tomadas medidas de: Proteção Coletiva & Proteção Individual EPC & EPI
  • 33. • A diversidade de agentes causadores que podemos encontrar em um ambiente de trabalho, onde se não tomar as devidas providências poderá acarretar em diversas doenças provenientes do trabalho ou até mesmo em acidentes com os colaboradores expostos a tais riscos.
  • 34. • Site: • http://www.avatec.com.br/v2/visualiza_boletim.asp?id=62 • Site: http://www.fiocruz.br/biosseguranca/Bis/lab_virtual/riscos_fisic os.html • Site: • http://portal.mte.gov.br/data/files/FF8080812BE914E6012BEF 3C660E1A90/nr_15_anexo6.pdf • Site: http://www.portaleducacao.com.br/enfermagem/artigos/43879/ temperaturas-extremas-como-risco-fisico-de-trabalho • Site: http://www.grupoprevine.com.br/l-40.asp • Site: http://www.higieneocupacional.com.br/download/riscos_fis_div ersos.pdf