Carlos soares desenhos

839 visualizações

Publicada em

Desenhos do artista plástico Carlos Soares, Cangaço

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
839
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
35
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Carlos soares desenhos

  1. 1. O tema do cangaço sempre fas- cinou o artista brasileiro, principalmente depois do movimento modernista de 22, do qual, os nossos pintores adquiriram maior sentimento de brasilidade. Desse primeiro impulso verde-amarelo, desa declarada paixão regionalista de can- tar e exaltar as nossas tradições mais legítimas, tivemos bons e maus momen- tos de arte propriamente dita. Cada um procurando descobrir por seus próprios meios de expressão a alma obscura do crime no atavismo hereditário, na razão sócio-econômica, na perplexidade da compulsão extintiva. E foram muitos os aspectos desse registro da passagem de Lampião e seu bando no Nordeste bra- sileiro, em pintura, desenhos, gravuras, cordel e até na literatura. Assim o canga- ço se constituiu numa permanente moti- vação na arte e na literatura dessa nossa última década. O artista plástico Carlos Soares, conhecedor das estórias sobre Lampião, escolheu todavia outra linguagem (que nos parece inusitada), para o seu belo álbum de desenhos sobre fabulário do cangaço. E nos apresenta uma proposta na qual a verdade da vida é substituída pela verdade da arte; o mito do canga- ço é mais importante que o registro da história. Não importa a Carlos Soares o fato social, a fidelidade contextual. Re- cria a partir do ter existido cangaço no Nordeste brasileiro, mas recria em termos de arte, usando o suporte da sua verda- de interior; da sua fabulação de artista, como se o tema migrasse de razões mui- to mais subjetivas. Isto nos parece mate- rial suficiente para um trabalho de cons- ciência profissional e definitivo. Se a verdade e a mentira, o ato e motivo, o crime e a repressão, se perdem em controvertidas interpretações, emer- ge da arte de Carlos Soares sua verdade mítica, sua recriação artística, enriqueci- da pela sua técnica primorosa, pelo seu artesanato no tratamento do ponto e da linha, cobrindo os espaços reais de sua arte. Figuras heráldicas, belas, inquie- tadoras, desse universo irreal do artista; onde se convergem as vertentes do con- to e da lenda, do ter sido e do que não foi, para formar o desenho e a tragetória da sua sensibilidade. Carlos Soares A criação mítica Dorian Gray Caldas na arte de
  2. 2. Arttelier Carlos Soares www.carlossoares.art.br artteliercsoares@hotmail.com (84) 9995.7773

×