SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 58
IMOBILISMO x MODERNIZAÇÃO
Contexto Histórico
O momento histórico
brasileiro interferiu na
produção literária,
marcando a transição
dos valores éticos do
século XIX para uma
nova realidade que se
desenhava,
essencialmente pautada
por uma série de conflitos.
Pontos de conflito no Brasil
pré-modernista.
Imagem:
Brazil
Blank
Map
/
Felipe
Menegaz
/
GNU
Free
Documentation
License
Continuação sobre o contexto da época
o
fanatismo
religioso do
Padre
Cícero e de
Antônio
Conselheiro
e o cangaço,
no Nordeste.
Imagem:
retratos
do
cangaço,
1936-37
/
Domínio
público
Imagem:
Padre
Cícero.
1934
/
Autor
Desconhecido
/
Domínio
público
Imagem:
Alegoria
de
Canudos
/
André
Koehne
/
GNU
Free
Documentation
license
 As revoltas da Vacina e da Chibata, no Rio de
Janeiro.
Imagem: Revista da semana 1904 / Domínio público
As greves operárias
em São Paulo.
Foto da
primeira greve
no Brasil na
cidade de São
Paulo
Imagem: Greve geral de 1917 / autor desconhecido/ Domínio Público
A Guerra do Contestado (na fronteira
entre Paraná e Santa Catarina).
Imagem: Contestado / Edson L. Pedrassani / GNU Free Documentation License
Oligarquia
rural.
 política dirigida pela
Imagem: Eleições de cabresto / Revista Careta / Domínio Público
 O nascimento da
burguesia urbana, a
industrialização e o
surgimento do
proletariado.
Língua Portuguesa - 3ª Série
A literatura Pré-modernista
Imagem: Mill Children/ Lewis Hine / Public Domain
Imagem: Basf Werk 1886 / Public Domain
Imagem:
Woman
factory
worker
at
the
40s
/
Howard
R.
Hollem
/
Public
Domain
Segregação dos
negros pós-
abolição.
Imagem: Jack, 1850 / J.T. Zealy / Public Domain
 A imigração.
Imagem:
Familia
de
imigrantes
japoneses
no
Brasil,
1930
/
Museu
histórico
da
Imigração
Japonesa
/
Brazilian
Copyright
Law
/
Dominio
Publico.
 Disputas
provincianas
como as
existentes no
Rio Grande do
Sul entre
maragatos e
republicanos.
Imagem: Heróis da Lapa / autor desconhecido / Domínio Público
Uma Radiografia Crítica do Brasil:
 No geral, o Pré-Modernismo é uma literatura de
Crítica Social;
Mostra o Brasil real, com seus Conflitos Político-
Sociais;
Portanto, um Nacionalismo
Crítico-Amargo.
Desmistifica o romantismo e seu Nacionalismo
Ufanista.
 ORIGENS:
 Mudanças políticas (Abolição da Escravatura e a
Proclamação da República) não provocam
alterações significativas na estrutura econômica do
país :
 café = base da economia brasileira
 política do café com leite (SP + MG).
 ORIGENS:
 Mudanças que começavam a modificar a fisionomia
da sociedade brasileira: urbanização das
metrópoles + a imigração + o crescimento
industrial + a emergência de uma classe média
reformista
 e uma nova geração de militares influenciados
pelo ideário positivista + massa popular
insatisfeita.
 CONCLUSÃO:
 CONTEXTO = CONFLITO ENTRE AS FORÇAS
CONSERVADORAS (O PASSADO) E AS NOVAS
FORÇAS SOCIAIS (NECESSIDADE DE MUDANÇA)
 Pré-modernismo = época eclética (de mistura de
tendências, estilos e visões) = chocam-se várias
correntes e estilos, indefinidos entre o
academicismo e a inovação.
 Imobilismo x modernização.
 Resquícios culturais do século XIX x busca de
novas formas de expressão.
 Desejo de uma redescoberta crítica do Brasil.
 Parnasianos = influentes, com idéias formalistas e
uma concepção da literatura como “sorriso da
sociedade” (estilo artificial). Destaques: Olavo Bilac
(na poesia) – Coelho Neto (na prosa).
 Simbolistas = Inexpressivos, pouca ressonância
de sua arte, fortemente vinculados à matriz
européia do movimento. Destaques = Cruz e
Sousa e Alphonsus de Guimaraens.
 Realistas = Utilizam uma técnica literária
marcada pela objetividade, verossimilhança,
crítica social, análise psicológica. Destaques:
Monteiro Lobato = com a reabilitação do caboclo
paulista – Lima Barreto = fixação do universo
suburbano carioca – Simões Lopes Neto =
incorporou à ficção brasileira o vaqueano sul-
rio-grandense, além de registrar-lhe a fala
regional.
 Pré-Modernista = o único pré-modernista
propriamente dito, no sentido de empregar
recursos técnicos ou temas inovadores, antes da
Semana de Arte Moderna é, até certo ponto, o
poeta Augusto dos Anjos.
 Em sua obra, apesar das influências cientificistas,
parnasianas e simbolistas, há também um
inesperado gosto pelo coloquial e pela “sujeira da
vida”, o que permite incluí-lo entre os
precursores de uma das correntes da poesia
moderna.
 Intérpretes do Brasil = Euclides da Cunha e Graça
Aranha = Ambos valem-se da literatura, o
primeiro, com uma linguagem literária refinada, e
o segundo, com a utilização da estrutura ficcional
do romance, para questionar a realidade brasileira
e debater o futuro da nação. Suas obras estão
muito perto do ensaio.
 Intérpretes do Brasil
 Os Sertões , de Euclides da Cunha, tornou-se
um divisor de águas na imagem que a
intelectualidade nacional tinha a respeito de país
e de seu povo.
 Principais obras: Os Sertões (1902); Contrastes e
confrontos (1907); À margem da história (1909).
 Em 1897, graças a artigos publicados no jornal O
Estado de São Paulo, recebe um convite para ir ao
front de Canudos (no sertão baiano), como
correspondente de guerra. Assistiu aos últimos
dias da resistência do arraial sertanejo e escreveu
suas reportagens ainda dentro de uma ótica
republicana radical. Nos anos seguintes, refletiu
melhor sobre o que havia presenciado e o
resultado = um livro monumental cheio de
paixão, ciência e amargura: Os Sertões (1902).
 “Quem volta da região assustadora
 De onde eu venho, revendo inda na mente,
 Muitas cenas do drama comovente
 Da guerra despiedada e aterradora.”
[Euclides da Cunha]
 Proposta: explicar racionalmente a “grande
tragédia nacional” que observara. Pede ajuda à
ciência da época. Estuda geografia, botânica,
antropologia, sociologia, etc. Fontes
exclusivamente européias, impregnadas da
perspectiva colonialista (Europa imperialista).
Resultado = erros interpretativos do autor,
sobretudo nas duas primeiras partes de sua obra.
 VISÃO DETERMINISTA
 Determinismo geográfico
 O homem é produto do meio natural.
 O clima desempenha papel preponderante na
formação do meio.
 Existe a impossibilidade de se constituir uma
verdadeira civilização em zonas tórridas como o
sertão.
 Determinismo racial:
 Os cruzamentos raciais enfraquecem a espécie.
 O sertanejo é caso típico de hibridismo racial
(composto de elementos de origem diversa).
 A miscigenação induz os homens à bestialidade
e a toda espécie de impulsos criminosos.
 Conclusão = Contradição: as observações
eram justas e brilhantes ; as teorias,
medíocres (teorismo vazio – digressão
subjetiva – tese desprovida de
demonstração).
 Situa-se entre o ensaio, a narração e a poesia
lírica.
 Obedecendo a um típico esquema
determinista divide-se a obra em três partes:
 A TERRA – O HOMEM – A LUTA
 Predominância da visão cientificista e naturalista.
 Leitura difícil = informação científica & estilo
barroco.
 Descrição do meio físico opressivo feita com
detalhes: a vegetação pobre, o chão calcinado, a
imobilidade e a repetição da paisagem árida.
 A linguagem é poderosamente retórica e
transforma a natureza em elemento dramático:
 “Ajusta-se sobre os sertões o cautério das secas;
esterilizam-se os ares urentes, empedra-se o
chão, gretado, recrestado; ruge o Nordeste nos
ermos; e, como um cilício dilacerador, a caatinga
estende sobre a terra as ramagens de
espinhos...”
 Visão determinista = formação racial do sertanejo
e os males da mestiçagem.
 Mistura de raças = retrocesso:
 “De sorte que o mestiço – traço de união entre as
raças – é quase sempre um desequilibrado (...)
sem a energia física dos ascendentes selvagens,
sem a altitude intelectual dos ancestrais
superiores.”
 Entretanto, contrastando com essa incapacidade
do mestiço para a civilização moderna, os
sertanejos nordestinos seriam diferentes por ter
há muito se isolado no amplo interior do país.
Abandonados há três séculos, sem contatos
maiores com o litoral desenvolvido, os sertanejos
– ao contrário do que ocorrera com os mestiços
urbanos – não haviam sido corrompidos.
 Por isso, apesar de seu atraso mental, o sertanejo
surge como um titã:
 “O sertanejo é, antes de tudo, um forte. Não tem
o raquitismo exaustivo dos mestiços
neurastênicos do litoral. A sua aparência,
entretanto, ao primeiro lance de vista revela o
contrário. (...) É desgracioso, desengonçado,
torto. Hércules-Quasímodo.”
 O isolamento do sertanejo o mantém preso a
valores arcaicos como o messianismo. A “tutela
do sobrenatural” rege a vida cotidiana, e as
vicissitudes do meio intensificam a religiosidade
e a consciência mágica do mundo. Um mundo de
profetas, de iluminados, de místicos que se
tornam líderes naturais, expressando os valores
da comunidade.
 Antônio Conselheiro = “A sua biografia
compendia e resume a existência da sociedade
sertaneja”. O chefe dos fanáticos é um
personagem-síntese: figura bizarra para os
padrões urbanos, com uma oratória
impressionante. Para Euclides, Canudos era
apenas o produto previsível do fanatismo
religioso e do arcaísmo do pensamento sertanejo,
que o Conselheiro traduzia.
 É a parte mais importante e dramática da obra.
Euclides não esconde a comoção diante da
violência de parte a parte, que gera banhos
diários de sangue. Não consegue deixar de
admirar a tenaz resistência de uma cidade
(“Jerusalém de taipa”), que logo se transforma
em uma “Tróia de taipa”. Passa a ver os “titãs de
cobre” que a defendem o “cerne rijo da
nacionalidade”.
 Percebe que o meio é o principal aliado do
sertanejo: “As caatingas não o escondem apenas,
amparam-no”. Compreende a inutilidade dos
métodos clássicos de combate, usados pelo
Exército, diante da mobilidade e da luta não-
convencional dos inimigos. Espanta-se diante da
guerrilha sertaneja e das sucessivas derrotas que
ela impõe às tropas legais, superiormente
armadas.
 Emociona-se ao ouvir as rezas e os cânticos que
emergem do arraial bombardeado, ao anoitecer,
quando todo o Alto-Comando julgava Canudos já
sem resistência. A obra adquire então uma
grandeza sombria e os últimos momentos do
confronto apresentam uma terrível dramaticidade.
Com dinamite, os soldados atacam os casebres
ainda em pé, explodindo e queimando seus
moradores.
Imagem: Ruínas de Igreja em
Canudos , 1897 / Flávio de
barros / Domínio Público
 “Canudos não se rendeu. Exemplo único em toda
a História, resistiu até o esgotamento completo.
(...) caiu no dia cinco, ao entardecer, quando
caíram os seus últimos defensores, que todos
morreram. Eram quatro apenas: um velho, dois
homens feitos e uma criança, na frente dos quais
rugiam raivosamente cinco mil soldados.”
 Conjunto de equívocos, demências e crueldades.
Uma pungente (dolorosa) guerra civil e não um
conflito entre a reação e o progresso, entre a
Monarquia e a República, como as elites
intelectuais, políticas e militares, bem como a
opinião pública do país, acreditavam.
 Tragédia de erros resultantes de uma profunda
cegueira de ambos os lados. Para os adeptos de
Conselheiro, os soldados eram agentes do
demônio e deveriam ser destruídos. Para o
Exército, os sertanejos eram jagunços primitivos a
serviço da causa monárquica e tinham de ser
exterminados.
 Na verdade, os guerrilheiros de Canudos eram
uns pobres-diabos, filhos da ignorância e das
crendices de uma civilização parada no tempo há
três séculos. Precisavam de professores, não de
tiros de canhão. Já as tropas do governo, que
representavam a civilização moderna do país,
foram incapazes de perceber a verdadeira
natureza dos inimigos e trataram de destruí-los
com barbárie e horror.
 Os Sertões adquire, assim, um caráter de
denúncia. Trata-se de um “grito de aviso à
consciência nacional”. Tal perspectiva é anunciada
na nota preliminar que abre o livro:
 “Aquela campanha lembra um refluxo para o
passado. E foi, na significação integral da palavra,
um crime. Denunciemo-lo.”
 Contradição:
 Fervor patriótico com a vitória do Exército x
Trágico fim do povoado de Canudos.
 Confronto = divisão estrutural do país.
 Conclusão:
 Há dois Brasis completamente estranhos entre
si, o do litoral e o do sertão.
 O Brasil do sertão jazia ignorado ou esquecido
pela consciência culta nacional.
 Ponto de vista:
 Para a civilização litorânea, os jagunços (o povo
de Canudos) eram facínoras (bandidos).
 Para Euclides, eram irmãos (compatriotas) que
deveriam ser integrados à nacionalidade.
 Para Euclides, as duas sociedades brasileiras,
separadas pela raça, pelo meio e pela história,
deveriam se aproximar e se integrar pacífica e
lentamente. Sob esse prisma, a perspectiva de
aproximação entre os dois Brasis, defendida pelo
escritor na sua obra-prima, se tornaria, depois de
1930, o projeto político nuclear da nação.
 Os Sertões é uma combinação única de ensaio
sociológico, estudo científico, reabilitação
histórica, panfleto, reportagem de guerra e
literatura, o que torna impossível enquadrá-lo
nos limites de um gênero qualquer.
 Senso do dramático.
 Confere às ações uma plasticidade vigorosa e
assustadora, buscando sempre o contraste
violento, o êxtase e a agonia, a situação-limite do
ser humano.
 Efeito persuasivo (exemplos individuais para
reforçar uma idéia geral).
 Traduz o horror da guerra, a exemplo de Tolstói e
Stendhal.
 Gosto pelo ornamental e pelo excesso vocabular.
 Léxico (vocabulário) arcaico.
 Presença contínua de antíteses, paradoxos,
comparações e metáforas.
 Jogo binário entre períodos extensos e períodos
curtíssimos e a insistência na frase de efeito,
sentenciosa e escultural.
 Linguagem com ritmo poético.
 “Escrevi este livro para o futuro” (Euclides da
Cunha) = Pôs em xeque todas as concepções
que a intelectualidade brasileira tinha a respeito
de seu próprio país, passando a influenciar
decisivamente a discussão política sobre os
destinos da nação. Influencia, de forma
marcante, o chamado “Romance de 30”.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES

Semelhante a PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES (20)

REALISMO.ppt
REALISMO.pptREALISMO.ppt
REALISMO.ppt
 
Apostila pré modernismo
Apostila pré modernismoApostila pré modernismo
Apostila pré modernismo
 
Linha de tempo
Linha de tempo Linha de tempo
Linha de tempo
 
Linha de tempo 1
Linha de tempo 1Linha de tempo 1
Linha de tempo 1
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré-Modernismo.pptx
Pré-Modernismo.pptxPré-Modernismo.pptx
Pré-Modernismo.pptx
 
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
 
ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.pptESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
 
Revisão literária
Revisão literária Revisão literária
Revisão literária
 
revisc3a3o-literc3a1ria.ppt
revisc3a3o-literc3a1ria.pptrevisc3a3o-literc3a1ria.ppt
revisc3a3o-literc3a1ria.ppt
 
Escola literaria.ppt
Escola literaria.pptEscola literaria.ppt
Escola literaria.ppt
 
Pre modernismo
Pre modernismo Pre modernismo
Pre modernismo
 
Pré-Modernismo português
Pré-Modernismo portuguêsPré-Modernismo português
Pré-Modernismo português
 
Pre modernismo português
Pre modernismo portuguêsPre modernismo português
Pre modernismo português
 
Pre modernismo portugus cpia
Pre modernismo portugus   cpiaPre modernismo portugus   cpia
Pre modernismo portugus cpia
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Pré modernismo 3º ano
Pré modernismo 3º anoPré modernismo 3º ano
Pré modernismo 3º ano
 
Cronologia E CaracteríSticas Dos Movimentos LiteráRios
Cronologia E CaracteríSticas Dos Movimentos LiteráRiosCronologia E CaracteríSticas Dos Movimentos LiteráRios
Cronologia E CaracteríSticas Dos Movimentos LiteráRios
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 

Último

Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.FLAVIA LEZAN
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdflbgsouza
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarDouglasVasconcelosMa
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 

PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES

  • 2. Contexto Histórico O momento histórico brasileiro interferiu na produção literária, marcando a transição dos valores éticos do século XIX para uma nova realidade que se desenhava, essencialmente pautada por uma série de conflitos. Pontos de conflito no Brasil pré-modernista. Imagem: Brazil Blank Map / Felipe Menegaz / GNU Free Documentation License
  • 3. Continuação sobre o contexto da época o fanatismo religioso do Padre Cícero e de Antônio Conselheiro e o cangaço, no Nordeste. Imagem: retratos do cangaço, 1936-37 / Domínio público Imagem: Padre Cícero. 1934 / Autor Desconhecido / Domínio público Imagem: Alegoria de Canudos / André Koehne / GNU Free Documentation license
  • 4.  As revoltas da Vacina e da Chibata, no Rio de Janeiro. Imagem: Revista da semana 1904 / Domínio público
  • 5. As greves operárias em São Paulo. Foto da primeira greve no Brasil na cidade de São Paulo Imagem: Greve geral de 1917 / autor desconhecido/ Domínio Público
  • 6. A Guerra do Contestado (na fronteira entre Paraná e Santa Catarina). Imagem: Contestado / Edson L. Pedrassani / GNU Free Documentation License
  • 7. Oligarquia rural.  política dirigida pela Imagem: Eleições de cabresto / Revista Careta / Domínio Público
  • 8.  O nascimento da burguesia urbana, a industrialização e o surgimento do proletariado. Língua Portuguesa - 3ª Série A literatura Pré-modernista Imagem: Mill Children/ Lewis Hine / Public Domain Imagem: Basf Werk 1886 / Public Domain Imagem: Woman factory worker at the 40s / Howard R. Hollem / Public Domain
  • 9. Segregação dos negros pós- abolição. Imagem: Jack, 1850 / J.T. Zealy / Public Domain
  • 11.  Disputas provincianas como as existentes no Rio Grande do Sul entre maragatos e republicanos. Imagem: Heróis da Lapa / autor desconhecido / Domínio Público
  • 12. Uma Radiografia Crítica do Brasil:  No geral, o Pré-Modernismo é uma literatura de Crítica Social; Mostra o Brasil real, com seus Conflitos Político- Sociais; Portanto, um Nacionalismo Crítico-Amargo. Desmistifica o romantismo e seu Nacionalismo Ufanista.
  • 13.  ORIGENS:  Mudanças políticas (Abolição da Escravatura e a Proclamação da República) não provocam alterações significativas na estrutura econômica do país :  café = base da economia brasileira  política do café com leite (SP + MG).
  • 14.  ORIGENS:  Mudanças que começavam a modificar a fisionomia da sociedade brasileira: urbanização das metrópoles + a imigração + o crescimento industrial + a emergência de uma classe média reformista  e uma nova geração de militares influenciados pelo ideário positivista + massa popular insatisfeita.
  • 15.  CONCLUSÃO:  CONTEXTO = CONFLITO ENTRE AS FORÇAS CONSERVADORAS (O PASSADO) E AS NOVAS FORÇAS SOCIAIS (NECESSIDADE DE MUDANÇA)
  • 16.  Pré-modernismo = época eclética (de mistura de tendências, estilos e visões) = chocam-se várias correntes e estilos, indefinidos entre o academicismo e a inovação.
  • 17.  Imobilismo x modernização.  Resquícios culturais do século XIX x busca de novas formas de expressão.  Desejo de uma redescoberta crítica do Brasil.
  • 18.  Parnasianos = influentes, com idéias formalistas e uma concepção da literatura como “sorriso da sociedade” (estilo artificial). Destaques: Olavo Bilac (na poesia) – Coelho Neto (na prosa).
  • 19.  Simbolistas = Inexpressivos, pouca ressonância de sua arte, fortemente vinculados à matriz européia do movimento. Destaques = Cruz e Sousa e Alphonsus de Guimaraens.
  • 20.  Realistas = Utilizam uma técnica literária marcada pela objetividade, verossimilhança, crítica social, análise psicológica. Destaques: Monteiro Lobato = com a reabilitação do caboclo paulista – Lima Barreto = fixação do universo suburbano carioca – Simões Lopes Neto = incorporou à ficção brasileira o vaqueano sul- rio-grandense, além de registrar-lhe a fala regional.
  • 21.  Pré-Modernista = o único pré-modernista propriamente dito, no sentido de empregar recursos técnicos ou temas inovadores, antes da Semana de Arte Moderna é, até certo ponto, o poeta Augusto dos Anjos.  Em sua obra, apesar das influências cientificistas, parnasianas e simbolistas, há também um inesperado gosto pelo coloquial e pela “sujeira da vida”, o que permite incluí-lo entre os precursores de uma das correntes da poesia moderna.
  • 22.  Intérpretes do Brasil = Euclides da Cunha e Graça Aranha = Ambos valem-se da literatura, o primeiro, com uma linguagem literária refinada, e o segundo, com a utilização da estrutura ficcional do romance, para questionar a realidade brasileira e debater o futuro da nação. Suas obras estão muito perto do ensaio.
  • 23.  Intérpretes do Brasil  Os Sertões , de Euclides da Cunha, tornou-se um divisor de águas na imagem que a intelectualidade nacional tinha a respeito de país e de seu povo.
  • 24.
  • 25.  Principais obras: Os Sertões (1902); Contrastes e confrontos (1907); À margem da história (1909).
  • 26.
  • 27.  Em 1897, graças a artigos publicados no jornal O Estado de São Paulo, recebe um convite para ir ao front de Canudos (no sertão baiano), como correspondente de guerra. Assistiu aos últimos dias da resistência do arraial sertanejo e escreveu suas reportagens ainda dentro de uma ótica republicana radical. Nos anos seguintes, refletiu melhor sobre o que havia presenciado e o resultado = um livro monumental cheio de paixão, ciência e amargura: Os Sertões (1902).
  • 28.  “Quem volta da região assustadora  De onde eu venho, revendo inda na mente,  Muitas cenas do drama comovente  Da guerra despiedada e aterradora.” [Euclides da Cunha]
  • 29.  Proposta: explicar racionalmente a “grande tragédia nacional” que observara. Pede ajuda à ciência da época. Estuda geografia, botânica, antropologia, sociologia, etc. Fontes exclusivamente européias, impregnadas da perspectiva colonialista (Europa imperialista). Resultado = erros interpretativos do autor, sobretudo nas duas primeiras partes de sua obra.
  • 30.  VISÃO DETERMINISTA  Determinismo geográfico  O homem é produto do meio natural.  O clima desempenha papel preponderante na formação do meio.  Existe a impossibilidade de se constituir uma verdadeira civilização em zonas tórridas como o sertão.
  • 31.  Determinismo racial:  Os cruzamentos raciais enfraquecem a espécie.  O sertanejo é caso típico de hibridismo racial (composto de elementos de origem diversa).  A miscigenação induz os homens à bestialidade e a toda espécie de impulsos criminosos.
  • 32.  Conclusão = Contradição: as observações eram justas e brilhantes ; as teorias, medíocres (teorismo vazio – digressão subjetiva – tese desprovida de demonstração).
  • 33.  Situa-se entre o ensaio, a narração e a poesia lírica.  Obedecendo a um típico esquema determinista divide-se a obra em três partes:  A TERRA – O HOMEM – A LUTA
  • 34.  Predominância da visão cientificista e naturalista.  Leitura difícil = informação científica & estilo barroco.  Descrição do meio físico opressivo feita com detalhes: a vegetação pobre, o chão calcinado, a imobilidade e a repetição da paisagem árida.
  • 35.  A linguagem é poderosamente retórica e transforma a natureza em elemento dramático:  “Ajusta-se sobre os sertões o cautério das secas; esterilizam-se os ares urentes, empedra-se o chão, gretado, recrestado; ruge o Nordeste nos ermos; e, como um cilício dilacerador, a caatinga estende sobre a terra as ramagens de espinhos...”
  • 36.  Visão determinista = formação racial do sertanejo e os males da mestiçagem.  Mistura de raças = retrocesso:  “De sorte que o mestiço – traço de união entre as raças – é quase sempre um desequilibrado (...) sem a energia física dos ascendentes selvagens, sem a altitude intelectual dos ancestrais superiores.”
  • 37.  Entretanto, contrastando com essa incapacidade do mestiço para a civilização moderna, os sertanejos nordestinos seriam diferentes por ter há muito se isolado no amplo interior do país. Abandonados há três séculos, sem contatos maiores com o litoral desenvolvido, os sertanejos – ao contrário do que ocorrera com os mestiços urbanos – não haviam sido corrompidos.
  • 38.  Por isso, apesar de seu atraso mental, o sertanejo surge como um titã:  “O sertanejo é, antes de tudo, um forte. Não tem o raquitismo exaustivo dos mestiços neurastênicos do litoral. A sua aparência, entretanto, ao primeiro lance de vista revela o contrário. (...) É desgracioso, desengonçado, torto. Hércules-Quasímodo.”
  • 39.  O isolamento do sertanejo o mantém preso a valores arcaicos como o messianismo. A “tutela do sobrenatural” rege a vida cotidiana, e as vicissitudes do meio intensificam a religiosidade e a consciência mágica do mundo. Um mundo de profetas, de iluminados, de místicos que se tornam líderes naturais, expressando os valores da comunidade.
  • 40.  Antônio Conselheiro = “A sua biografia compendia e resume a existência da sociedade sertaneja”. O chefe dos fanáticos é um personagem-síntese: figura bizarra para os padrões urbanos, com uma oratória impressionante. Para Euclides, Canudos era apenas o produto previsível do fanatismo religioso e do arcaísmo do pensamento sertanejo, que o Conselheiro traduzia.
  • 41.  É a parte mais importante e dramática da obra. Euclides não esconde a comoção diante da violência de parte a parte, que gera banhos diários de sangue. Não consegue deixar de admirar a tenaz resistência de uma cidade (“Jerusalém de taipa”), que logo se transforma em uma “Tróia de taipa”. Passa a ver os “titãs de cobre” que a defendem o “cerne rijo da nacionalidade”.
  • 42.  Percebe que o meio é o principal aliado do sertanejo: “As caatingas não o escondem apenas, amparam-no”. Compreende a inutilidade dos métodos clássicos de combate, usados pelo Exército, diante da mobilidade e da luta não- convencional dos inimigos. Espanta-se diante da guerrilha sertaneja e das sucessivas derrotas que ela impõe às tropas legais, superiormente armadas.
  • 43.  Emociona-se ao ouvir as rezas e os cânticos que emergem do arraial bombardeado, ao anoitecer, quando todo o Alto-Comando julgava Canudos já sem resistência. A obra adquire então uma grandeza sombria e os últimos momentos do confronto apresentam uma terrível dramaticidade. Com dinamite, os soldados atacam os casebres ainda em pé, explodindo e queimando seus moradores.
  • 44. Imagem: Ruínas de Igreja em Canudos , 1897 / Flávio de barros / Domínio Público
  • 45.  “Canudos não se rendeu. Exemplo único em toda a História, resistiu até o esgotamento completo. (...) caiu no dia cinco, ao entardecer, quando caíram os seus últimos defensores, que todos morreram. Eram quatro apenas: um velho, dois homens feitos e uma criança, na frente dos quais rugiam raivosamente cinco mil soldados.”
  • 46.
  • 47.  Conjunto de equívocos, demências e crueldades. Uma pungente (dolorosa) guerra civil e não um conflito entre a reação e o progresso, entre a Monarquia e a República, como as elites intelectuais, políticas e militares, bem como a opinião pública do país, acreditavam.
  • 48.  Tragédia de erros resultantes de uma profunda cegueira de ambos os lados. Para os adeptos de Conselheiro, os soldados eram agentes do demônio e deveriam ser destruídos. Para o Exército, os sertanejos eram jagunços primitivos a serviço da causa monárquica e tinham de ser exterminados.
  • 49.  Na verdade, os guerrilheiros de Canudos eram uns pobres-diabos, filhos da ignorância e das crendices de uma civilização parada no tempo há três séculos. Precisavam de professores, não de tiros de canhão. Já as tropas do governo, que representavam a civilização moderna do país, foram incapazes de perceber a verdadeira natureza dos inimigos e trataram de destruí-los com barbárie e horror.
  • 50.  Os Sertões adquire, assim, um caráter de denúncia. Trata-se de um “grito de aviso à consciência nacional”. Tal perspectiva é anunciada na nota preliminar que abre o livro:  “Aquela campanha lembra um refluxo para o passado. E foi, na significação integral da palavra, um crime. Denunciemo-lo.”
  • 51.  Contradição:  Fervor patriótico com a vitória do Exército x Trágico fim do povoado de Canudos.  Confronto = divisão estrutural do país.
  • 52.  Conclusão:  Há dois Brasis completamente estranhos entre si, o do litoral e o do sertão.  O Brasil do sertão jazia ignorado ou esquecido pela consciência culta nacional.
  • 53.  Ponto de vista:  Para a civilização litorânea, os jagunços (o povo de Canudos) eram facínoras (bandidos).  Para Euclides, eram irmãos (compatriotas) que deveriam ser integrados à nacionalidade.
  • 54.  Para Euclides, as duas sociedades brasileiras, separadas pela raça, pelo meio e pela história, deveriam se aproximar e se integrar pacífica e lentamente. Sob esse prisma, a perspectiva de aproximação entre os dois Brasis, defendida pelo escritor na sua obra-prima, se tornaria, depois de 1930, o projeto político nuclear da nação.
  • 55.  Os Sertões é uma combinação única de ensaio sociológico, estudo científico, reabilitação histórica, panfleto, reportagem de guerra e literatura, o que torna impossível enquadrá-lo nos limites de um gênero qualquer.
  • 56.  Senso do dramático.  Confere às ações uma plasticidade vigorosa e assustadora, buscando sempre o contraste violento, o êxtase e a agonia, a situação-limite do ser humano.  Efeito persuasivo (exemplos individuais para reforçar uma idéia geral).  Traduz o horror da guerra, a exemplo de Tolstói e Stendhal.
  • 57.  Gosto pelo ornamental e pelo excesso vocabular.  Léxico (vocabulário) arcaico.  Presença contínua de antíteses, paradoxos, comparações e metáforas.  Jogo binário entre períodos extensos e períodos curtíssimos e a insistência na frase de efeito, sentenciosa e escultural.  Linguagem com ritmo poético.
  • 58.  “Escrevi este livro para o futuro” (Euclides da Cunha) = Pôs em xeque todas as concepções que a intelectualidade brasileira tinha a respeito de seu próprio país, passando a influenciar decisivamente a discussão política sobre os destinos da nação. Influencia, de forma marcante, o chamado “Romance de 30”.