Herpes simples travbalho slide modificado
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Herpes simples travbalho slide modificado

em

  • 1,618 visualizações

 

Estatísticas

Visualizações

Visualizações totais
1,618
Visualizações no SlideShare
1,566
Visualizações incorporadas
52

Actions

Curtidas
0
Downloads
50
Comentários
0

2 Incorporações 52

http://falandodeenfermagemifpe.blogspot.com.br 50
http://falandodeenfermagemifpe.blogspot.com 2

Categorias

Carregar detalhes

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Direitos de uso

© Todos os direitos reservados

Report content

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
Publicar comentário
Editar seu comentário

Herpes simples travbalho slide modificado Presentation Transcript

  • 1. Herpes Simples HPV
  • 2. Dicentes: Andreane Natalia Bruna Leticia Claudia Sorelle Mércia Valença Michelle Chaves
  • 3. Herpes Simples É uma infecção contagiosa, causada por dois vírus da família do herpes viridae, o hsv-1 e o hsv-2. Infectam algumas células de forma lítica causando lesão, ou seja ocorre a destruição da célula, já em outros casos ela se encontra em estado latente podendo aparecer mais tarde. Afeta principalmente a área bucal ou genital.
  • 4. Reservatório: O homem Incubação: • 1 a 26 dias, em média 8 dias após o contato Transmissibilidade: • 4 a 12 dias após o aparecimento dos primeiros sintomas. É possível que o vírus seja transmitido mesmo quando não há sintomas ou feridas visíveis.
  • 5. Transmissão: Por contato íntimo com indivíduo transmissor do vírus, a partir de superfície mucosa ou lesão infectante. O vírus ganha acesso através de escoriações na pele ou contato direto com a cérvix uterina, uretra, orofaringe ou conjuntiva.
  • 6. Vírus da herpes tipo 1: • Responsável por infecções da face e tronco, causa lesões no interior da boca, como aftas, ou infecção do olho (principalmente na conjuntiva e na córnea). Também pode levar a uma infecção no revestimento do cérebro (meningoencefalite). Transmissão: É transmitido através de contato com a saliva infectada. Na vida adulta, cerca de 3.090% das pessoas já têm anticorpos contra o HSV1.
  • 7. Vírus da herpes tipo 2:  É associado a úlceras ou feridas genitais. Entretanto, algumas pessoas com HSV-2 não apresentam sintomas. A infecção cruzada dos vírus de herpes do tipo 1 e 2 pode acontecer se houver contato oralgenital. Isto é, pode-se pegar herpes genital na boca ou herpes oral na área genital. Transmissão: E transmitido pelo ato sexual.
  • 8. A herpes pode infectar um feto, a mãe infectada pode transmitir o vírus ao recém-nascido em partos vaginais, principalmente se ela tiver uma infecção ativa no momento do parto. Entretanto, 60-80% das infecções por herpes adquiridas por recém-nascidos ocorrem em mulheres que NÃO apresentam sintomas de infecção de herpes ou histórico de infecção de herpes genital. O vírus da herpes nunca é eliminado do organismo, mas permanece adormecido e pode ser ativado, causando sintomas.
  • 9. Diagnóstico: Avaliação clínica associado a exames complementares. Exames de sangue para anticorpos de HSV (sorologia) Teste de anticorpo fluorescente direto das células extraídas de uma lesão Cultura viral da lesão
  • 10. Sintomas: Aftas ou úlceras geralmente na boca, nos lábios e nas gengivas, ou nas genitais Nódulos linfáticos aumentados no pescoço ou na virilha (geralmente somente no momento inicial da infecção) Herpes de boca Febre- especialmente durante o primeiro episódio Lesões genitais - podem começar com uma sensação de queimação ou formigamento Aftas
  • 11. As lesões orais ou genitais da herpes costumam curar sozinhas em 7-10 dias ou agrava-se em pessoas que sofrem de alguma doença que enfraquece o sistema imunológico. Depois que a infecção ocorre, o vírus da herpes se espalha até as células nervosas e permanece no corpo pelo resto da vida.
  • 12. Tratamento: Medicamentoso em surtos graves: Aciclovir, Famciclovir e Valaciclovir. Pacientes com recorrências dos sintomas fazem uso prolongado da medicação para reduzir a freqüência das ocorrências.
  • 13. Complicações possíveis Dermatite herpetiforme (herpes espalhada pela pele) Encefalite Infecção do olho -- ceratoconjuntivite Infecção da traqueia Meningite Pneumonia Infecção prolongada grave em indivíduos imunossuprimidos
  • 14. Prevenção • • • • • É difícil de prevenir a infecção da herpes, pois o vírus pode ser espalhado mesmo por pessoas que não apresentam sintomas de um surto ativo. Evitar contato direto com uma lesão aberta reduz o risco de infecção. Pessoas com herpes genital devem evitar contato sexual enquanto houver lesões ativas. A prática de sexo seguro também pode reduzir o risco de infecção - o que inclui o uso do preservativo. As pessoas com lesões da herpes ativas devem evitar, ainda, contato com recém-nascidos, crianças com eczema ou pessoas com sistema imunológico suprimido, pois eles compõem grupos de risco para doenças mais graves. Para minimizar o risco de infectar recém-nascidos, é recomendada a cesariana para gestantes que possuem uma infecção ativa de herpes no momento do parto.
  • 15. Referências  Whitley RJ. Herpes simplex virus infections. In: Goldman L, Ausiello D, eds. Cecil Medicine. 23rd ed. Philadelphia, Pa: Saunders Elsevier. 2007: chap 397.  Ministério da Saúde. Doenças Infecciosas e Parasitárias. 8 edição. Brasilia-DF, 2010.  Ferreira.L Não há diferença entre herpes genital e labial. Disponível em:http://noticias.uol.com.br/saude/ultimasnoticias/redacao/2012/01/24/nao-ha-mais-diferenca-entre-herpeslabial-e-genital-diz-medica.htm, acesso em 02/11/2013.
  • 16. HPV
  • 17. Conceito Doença viral, com manifestação subclínica nos genitais. Morfologicamente, são pápulas circunscritas, hiperquerotósicas, ásperas e indolores, com tamanho variável. Agente etiológico: Papilomavírus (HPV). Reservatório: O homem.
  • 18. Modo de transmissão: Por contato direto Incubação: 1 a 20 meses, em média 3 meses. Transmissibilidade: Enquanto houver lesão viável.
  • 19. Sintomas de HPV Verrugas de tamanhos variáveis. No homem, é mais comum na cabeça do pênis (glande) e na região do ânus. Na mulher, os sintomas mais comuns do HPV surgem na vagina, vulva, região do ânus e colo do útero.  As lesões do HPV também podem aparecer na boca e na garganta.  Tanto o homem quanto a mulher podem estar infectados pelo vírus sem apresentar sintomas.
  • 20. O HPV é um vírus capaz de infectar a pele ou as mucosas e possui mais de 100 tipos Pelo menos 13 podem contribuir para o surgimento do câncer. Dentre os HPV de alto risco, os tipos 16 e 18 estão presentes em 70% dos casos de câncer de colo do útero; Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), aproximadamente 291 milhões de mulheres no mundo são portadoras do HPV, sendo que 32% estão infectadas pelos tipos 16, 18 ou ambos
  • 21. Complicações: Cancerização, mais freqüentes na mulher, com localização no útero. Pode aparecer papiloma de laringe, que também pode ocorrer em lactentes, por contaminação no canal de parto. O vírus HPV é responsável por 95% dos casos de câncer de colo do útero ; É o 2º tumor mais frequente na população feminina, atrás apenas do câncer de mama;
  • 22. É a 4ª causa de morte de mulheres por câncer no Brasil; Por ano, faz em média 4.800 vítimas fatais no Brasil e estima-se 17.540 novos casos em 2013
  • 23. Diagnóstico: Clínico, epidemiológico e laboratorial. Infecção clínica: visão do condiloma acuminado Infecção subclínica: Peniscopia, colpocitologia e colposcopia com biópsia Infecção latente: teste para detecção do HPV.
  • 24. Tratamento de HPV Remoção das lesões condilomatosas visíveis e subclínicas, visto que não é possível a erradicação do HPV. Podem ser utilizado ácido tricloroácético a 80% ou 90% nas lesões. Na gestante apenas tratar as lesões condilomatosas.
  • 25. Prevenção • O Ministério da Saúde orienta que as mulheres, dos 25 aos 64 anos, façam o exame preventivo (Papanicolau) anualmente. • Vacina: Foram desenvolvidas duas vacinas contra os tipos de HPV mais presentes no câncer de colo do útero. Essa vacina, na verdade, previne contra a infecção por HPV. • Uma dessas vacinas é quadrivalente, previne contra quatro tipos de HPV: o 16 e 18, presentes em 70% dos casos de câncer de colo do útero, e o 6 e 11, presentes em 90% dos casos de verrugas genitais. • A outra é específica para os subtipos de HPV 16 e 18.
  • 26. A vacinação não exclui as ações de prevenção, como o uso da camisinha e o exame Papanicolau.
  • 27. Vacina é ineficaz em que ainda não iniciou a vida sexual e, portanto, não teve contato com o vírus HPV. Faixa etária definida com base em pesquisas nacionais sobre comportamento sexual e início da vida sexual.
  • 28. Referências: Ministério da Saúde. Doenças Infecciosas e Parasitárias. 8 edição. Brasilia-DF, 2010. Ministério da Saúde. Vacina contra o HPV. Disponível em:http://www.slideshare.net/MinSaude/vacinacontra-o-hpv-apresentao. Acesso em: 02/11/2013. Vacina contra HPV chega em 2013 ao SUS. Disponível em:http://www.futura.org.br/blog/2013/01/08/vacinacontra-hpv-chega-em-2013-ao-sus-assista-noconexao-futura/. Acesso em: 02/11/2013.
  • 29. Dúvidas???
  • 30. Obrigada !