Micoses Oportunísticas
e outras Micoses
Alergia a fungos
Fungos tóxicos
MICOSES OPORTUNÍSTICAS E OUTRAS MICOSES:
Características gerais
Definição:
Fatores intrínsecos Fatores extrínsecos
São inf...
MICOSES OPORTUNÍSTICAS E OUTRAS MICOSES:
Fungos oportunistas
Candida spp.;
Cripstococcus neoformans;
Aspergillus ssp. ;
Mu...
Gênero Cândida
Etiologia
• Fungos do gênero Candida - s.p. Candida albicans; Candida albicans,
C.tropicalis, C. guilliermo...
Gênero Cândida
Patogenia
 Candidíase da mucosa oral;
 Candidíase da mucosa vaginal;
 Candidíase cutâneo-mucosa;
 Candi...
Gênero Cândida
Epidemiologia e Diagnóstico
• Isoladas por ágar Sabouraud
glicose;
• Identificadas por formação de
tubo ger...
Gênero Cândida
Fatores de Virulência
Proteinases;
Fosfolipases;
• Adesinas;
• Dimorfismo
• Produção de enzimas
• Cândida-t...
Gênero Cândida
Tratamento
Nistatina;
Anfotericina B;
Pimaricina
Imidazólicos;
Via oral Itraconazol;
Fluconazol;
Voriconazo...
Zigomicoses
Conceito
São micoses oportunistas produzidas por zigomicetos
conhecidos como fungos de conjugação com filamentos
saprofíti...
Etiologia e patogêneses
Os principais agentes etiológicos são:
Mucor-ramosissismus
Mucor-pusillus
Absidia Corymbífera
Rhiz...
Fatores predisponentes
 Diabetes
 Leucemia
 Linfoma
 Queimaduras extensas
 Processos cirúrgicos
 Tratamentos e corti...
Localização
A infecção pode localizar-se nos seios paranasais e no cérebro (
rinocerebral), nos pulmões ( toráxica) e na p...
Essa forma de mucormicoses geralmente acomete diabéticos
e é extremamente grave, com prognóstico sombrio
Mucormicoses
A mucormicose pulmonar é rara, e 75% dos casos acontece em
pacientes com linfomas ou leucemia
Mucormicoses
Mucormicose intestinal é adquirida pela ingestão do Fungo por
indivíduos mal nutridos ou urêmicos.
Mucormicoses
Geralmente resultam da invasão do fungo em lesões por
traumas, queimaduras, processos cirúrgicos e tratamento
com corticói...
Epidemiologia
Os agentes das mucormicoses são fungos ubíquos (
encontrados em toda parte), são termotolerantes (tolerantes...
Diagnóstico
È dado pela demonstração dos fungos nas secreções, nos
tecidos e pelo material clínico .
A identificação dos d...
Micoses oportunistas e outras micoses
• Zigomicoses
 MUCORMICOSES
 ENTOMOFTOROMICOSE
• Entomoftoromicose : doença crônic...
Micoses oportunistas e outras micoses
• Conidiobolus coronatus
 Causa infecções nasais (rinoentomoftoro micose) –subcutân...
• Basidiobolus ranarum
• A infecção é causada por nódulos subcutâneos, iniciando através de
lesões cutâneas por contato co...
Micoses oportunistas e outras micoses
• Epidemiologia
 Conidiobolus ranarum : frequente em adultos(agricultores)
 Basidi...
Micoses oportunistas e outras micoses
• Aspergiloses é causada por diferentes espécies do gênero Aspergillus
(Ascomicetos)...
Micoses oportunistas e outras micoses
• Aspergilose: a infecção encontra-se nos pulmões, ouvidos, sistema nervoso
central ...
Micoses oportunistas e outras micoses
• Nos brônquios
• A invasão das paredes dos vasos sanguíneos
• Processo pneumônico p...
Micoses oportunistas e outras micoses
• Diagnóstico
• Presença do fungo
• Aspergilos
• Tratamento depende da forma clínica...
Micoses Oculares
 As micoses oculares
localizam-se nos canais
lacrimais, na conjuntiva
ocular, na camada córnea e
intra-o...
Micoses Oculares
 Os agentes etiológicos são =
Aspergillus spp., Fusarium
spp, Cephalosporium spp,
Curvularia spp, Penici...
Micoses Oculares
wwwinfoescola.oom/otomicoses
Micoses Oculares
Diagnóstico
Material
colhido por
raspado
das lesões;
Observa-se o
fungo em material
biológico e isolar o
...
O diagnóstico precoce e a terapia especifica
são essenciais para o sucesso do tratamento.
Alternativos = Anfotericina B, I...
www.coalhopar.com.br/produto/conservantes
Francisca Fernandes
Micoses Oculares
Pimaricina droga mais eficaz
Etiologia e Patogênese
 Etiologia e Patogênese
 E geralmente uma infecção subaguda ou
crônica.
 Caracterizada por infla...
Micoses otomicoses
slideshare/Desktop/Aspergillu.com
www infoescola.com/otomicoses
Francisca Fernandes
Micoses otomicoses
Etiologia e Patogênese
Micoses otomicoses
Diagnóstico
Exame direto do
material clinica.
Raspado de pele
clareado com KOH a 10-
20%.
Micoses otomicoses
Tratamento
Consiste na
limpeza do
conduto
auditivo
Aplicação de solução
de timerosal
Antifúngico como
I...
wwwinfoescola.com/otomicose
Wwwinfoescola.com/otomicose
wwwinfoescola.com/otomicose
ALERGIA A FUNGOS
O que é?
Alergia ou reação de hipersensibilidade é uma resposta
imunológica exagerada.
Como ocorre?
Desen...
ALERGIA A FUNGOS
Etimologia e Patogênese
As mais conhecidas e estudadas são pertencentes aos gêneros: Alternaria,
Cladospo...
ALERGIAS A FUNGOS
•Sintomas
Vasodilatação, hipersecreção, edema, intumescimento da mucosa,
obstrução do lúmen do trato res...
ALERGIA A FUNGOS
VIAS DE DISPERSÃO
HABITAT
•Ar
•Solo
•Agua
•Vegetais
•Homem
•Animais
SUBSTRATO
•Solo
•Agua
•Vegetais
•Home...
ALERGIA A FUNGOS
Diagnóstico
•Testes cutâneos
•Provas sorológicas
•Provas de provocação
e pesquisa de fungos
no ambiente d...
FUNGOS TÓXICOS
EXISTEM TRÊS TIPOS DE FUNGOS TÓXICOS:
 MICOTOXINAS
 MICOTOXICOSES
 MICETISMOS
MICOTOXINAS E MICOTOXICOSES
AS PRINCIPAIS ESPÉCIES FÚGICAS PRODUTORAS DE
TOXINAS PERTECEM AOS GÊNEROS:
 Aspergillus ; Pen...
DESENVOLVIMENTO DE FUNGOS TOXIGÊNICOS E
A PRODUÇÃO MICOTOXINAS
 Temperatura;
 Umidade;
 Substrato.
EXISTEM QUATRO TIPOS BÁSICOS DE TOXICIDADE
 Aguda: É mais frequente a deterioração das funções hepática
e renal. Interfer...
AS GRANDES EPIDEMIAS DE INTOXICAÇÕES
CAUSADAS NO HOMEM E NOS ANIMAIS
 Ergotismo : Levou a óbito grande número de pessoas ...
MARCO HISTÓRICO
 1960
 Após pesquisas exaustivas, foi constatado que o alimento fornecido
ás aves estava contaminado com...
ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS
 Incidência de câncer hepáico humano e aflatoxina B1 ingerida nos
alimentos.
 Devido ao fato de ...
MICETISMOS
Classificação:
 Faloidiano
Nervoso ou Muscarínico
Gastrointestinal
Inconstate
Cerebral
REFERÊNCIAS
TRABULSI, L. R.; ALTERTHUM, F. Microbiologia. 4º ed. São Paulo: Editora
Atheneu, 2004.
TORTORA, G. J.; FUNKE...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apres de fungosm

641 visualizações

Publicada em

apresentação sobre fungos causadores de doenças

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
641
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apres de fungosm

  1. 1. Micoses Oportunísticas e outras Micoses Alergia a fungos Fungos tóxicos
  2. 2. MICOSES OPORTUNÍSTICAS E OUTRAS MICOSES: Características gerais Definição: Fatores intrínsecos Fatores extrínsecos São infecções cosmopolitas causadas por fungos de baixa virulência, que convivem pacificamente com o hospedeiro, mas, ao encontrarem condições favoráveis como distúrbios do sistema imunológico desenvolvem poder patogênico invadindo os tecidos. • Neoplasias, diabetes, hemopatias, AIDS, velhice, gravidez e todas as doenças que alteram a imunidade celular. • Antibioticoterapia, corticoiterapia, antiblásticos, cirurgias de transplante e ambientes hospitalares contaminados. TRABULSI; ALTHERTUM, 2004.
  3. 3. MICOSES OPORTUNÍSTICAS E OUTRAS MICOSES: Fungos oportunistas Candida spp.; Cripstococcus neoformans; Aspergillus ssp. ; Mucor ssp.; Rhizopus ssp.; Fungos oportunistas Aspergillus flavus Candida albicans Rhizopus TORTORA; FUNKE; CASE, 2012TRABULSI; ALTHERTUM, 2004.
  4. 4. Gênero Cândida Etiologia • Fungos do gênero Candida - s.p. Candida albicans; Candida albicans, C.tropicalis, C. guilliermondi, C. parapsilosis, C. Krusei, C. glabrata; Transmissão • Endógena ; • Exógena (intra-hospitalar). TRABULSI; ALTHERTUM, 2004.
  5. 5. Gênero Cândida Patogenia  Candidíase da mucosa oral;  Candidíase da mucosa vaginal;  Candidíase cutâneo-mucosa;  Candidíase cutâneo generalizada;  Candidíases Sistêmicas;  Endocardites; TRABULSI; ALTHERTUM, 2004. http://www.tuasaude.com/ca ndidiase-oral/ http://infungicas.blogspot.co m.br/2011/01/candidiase.html http://www.tuasaude.com/en docardite-bacteriana/
  6. 6. Gênero Cândida Epidemiologia e Diagnóstico • Isoladas por ágar Sabouraud glicose; • Identificadas por formação de tubo germinativo; • A classificação das espécies e por fermentação e assimilação de carboidratos; • Métodos automatizados. • Distribuição de leveduras é bem ampla; • Há grandes pesquisas de Infecções oportunisticas por Candida ssp; • E muito importante o uso de marcadores epidemiológicos como: toxinas Killer morfotipagem Sorotipagem cariotipagem Epidemiologia Diagnóstico TRABULSI; ALTHERTUM, 2004
  7. 7. Gênero Cândida Fatores de Virulência Proteinases; Fosfolipases; • Adesinas; • Dimorfismo • Produção de enzimas • Cândida-toxina; • Variações fenotípicas. TRABULSI; ALTHERTUM, 2004.
  8. 8. Gênero Cândida Tratamento Nistatina; Anfotericina B; Pimaricina Imidazólicos; Via oral Itraconazol; Fluconazol; Voriconazol; • Violeta de genciana; • Acido bórico; • Caspofungina; Saude.umcomo.com.br TRABULSI; ALTHERTUM, 2004.
  9. 9. Zigomicoses
  10. 10. Conceito São micoses oportunistas produzidas por zigomicetos conhecidos como fungos de conjugação com filamentos saprofíticos, apresentando hifas cenocíticas. Compreende-se em mucormicoses e entomoftoromicoses. As mucormisoses se caracterizam pela invasão dos vasos sanguíneos através das hifas do fungo responsável pela infecção. ZIGOMICOSES
  11. 11. Etiologia e patogêneses Os principais agentes etiológicos são: Mucor-ramosissismus Mucor-pusillus Absidia Corymbífera Rhizopus Oryzal ZIGOMICOSES Mucormicoses
  12. 12. Fatores predisponentes  Diabetes  Leucemia  Linfoma  Queimaduras extensas  Processos cirúrgicos  Tratamentos e corticoides  AIDS Mucormicoses
  13. 13. Localização A infecção pode localizar-se nos seios paranasais e no cérebro ( rinocerebral), nos pulmões ( toráxica) e na pele (mucormicoses cutâneas). Na mucormicose rinocerebral, o fungo penetra provavelmente pela mucosa do nariz ou do seio paranasal, estendendo a infecção para órbita ocular, meninges e lobos frontais do cérebro. Mucormicoses
  14. 14. Essa forma de mucormicoses geralmente acomete diabéticos e é extremamente grave, com prognóstico sombrio Mucormicoses
  15. 15. A mucormicose pulmonar é rara, e 75% dos casos acontece em pacientes com linfomas ou leucemia Mucormicoses
  16. 16. Mucormicose intestinal é adquirida pela ingestão do Fungo por indivíduos mal nutridos ou urêmicos. Mucormicoses
  17. 17. Geralmente resultam da invasão do fungo em lesões por traumas, queimaduras, processos cirúrgicos e tratamento com corticóides Mucormicoses Cutâneas
  18. 18. Epidemiologia Os agentes das mucormicoses são fungos ubíquos ( encontrados em toda parte), são termotolerantes (tolerantes a temperaturas), vivem em material orgânico onde hidrolizam amido e açucares e são encontrados muitas vezes em países úmidos, no solo e nos vegetais. A infecção se dá por via aérea, digestiva e muco cutânea e ocorre praticamente em indivíduos em que o sistema imunológico está comprometido ( AIDS) . A transmissão homem a homem é desconhecida. Mucormicoses
  19. 19. Diagnóstico È dado pela demonstração dos fungos nas secreções, nos tecidos e pelo material clínico . A identificação dos diferentes gêneros tem por base suas características morfológicas em cultivo. Tratamento Deve ser bastante precoce com com anfotericina B, por via endovenosa e tem resultados variáveis. Mucormicoses
  20. 20. Micoses oportunistas e outras micoses • Zigomicoses  MUCORMICOSES  ENTOMOFTOROMICOSE • Entomoftoromicose : doença crônica causada por fungos da ordem entomophtorales. • Agentes etiológicos  Conidiobolus coronatus  Basidiobolus ranarum • Etiologia e patogênese
  21. 21. Micoses oportunistas e outras micoses • Conidiobolus coronatus  Causa infecções nasais (rinoentomoftoro micose) –subcutânea.  Solo  Vegetais  Insetos Alterações topográficas da conformação facial do paciente,mostrando infiltração e deformidade das regiões frontal, zigomática e nasal. Cicatriz infra-orbitária direita de biópsia realizada anteriormente TadanoTetal,2005 • Via de entrada  Picada de insetos  Inalação de propágulo presente no ar  Traumatismo • Brasil, Colômbia, Ìndia e Porto Rico
  22. 22. • Basidiobolus ranarum • A infecção é causada por nódulos subcutâneos, iniciando através de lesões cutâneas por contato com solo contaminado. Micoses oportunistas e outras micoses  Intestino de répteis  Intestino anfíbios  Vegetais em decomposição http://rbp.fmrp.usp.br/sites/defau lt/files/micoses  Na entomoftoromicose não há comprometimento vascular como ocorre na mucormicose.
  23. 23. Micoses oportunistas e outras micoses • Epidemiologia  Conidiobolus ranarum : frequente em adultos(agricultores)  Basidiobolus coronatus: frequente em crianças • Diagnostico  Identificação do fungo em material de biopsia  Cultura em Ágar Sabouraud • Tratamento  Anfotericina B,solução de iodeto de potássio +cetoconazol
  24. 24. Micoses oportunistas e outras micoses • Aspergiloses é causada por diferentes espécies do gênero Aspergillus (Ascomicetos) • Aspergilos ampla distribuição geografica Etiologia e patogênese  Aspergillus fumigatus , A.flavus, A.niger, A.terreus ,A. nidulans e A. restrictus.  solo  ar  Plantas  Matéria orgânica  Contaminante comum em hospitais e laboratórios
  25. 25. Micoses oportunistas e outras micoses • Aspergilose: a infecção encontra-se nos pulmões, ouvidos, sistema nervoso central ,olhos e outros órgãos.  Oportunista por excelência – imunodeprimidos, debilitados ou tratamento com drogas imussopressoras  Aspergilose pulmonar : a 1ª micose visceral escrita na literatura médica http://www.fmc.br/aspectos_radiologicos
  26. 26. Micoses oportunistas e outras micoses • Nos brônquios • A invasão das paredes dos vasos sanguíneos • Processo pneumônico parênquimentoso • Epidemiologia: apresenta variadas formas clinicas de aspergilose descritas.  Aspergilose pulmonar cavitária  Aspergilose alérgica ou de hipersensibilidade :granjeiros, horticultores e jardineiros  Bronquite  angeítes  tromboses  O fungo preencher cavidades preexistentes , por abscessos Tuberculose ou cistos formando a aspergiloma intracavitário ( bola fungica)
  27. 27. Micoses oportunistas e outras micoses • Diagnóstico • Presença do fungo • Aspergilos • Tratamento depende da forma clínica: • Aspergiloma cavitário pulmonar e cerebral • Otomicose  Cirúrgia e uso de anfoterina B  Tolciclato local  Nas secreções dos tecidos  Pelo cultivo  Prova sorológica  hifas septadas, ramificações ,frutificação  A cultura serve para diferenciar espécies
  28. 28. Micoses Oculares  As micoses oculares localizam-se nos canais lacrimais, na conjuntiva ocular, na camada córnea e intra-ocularmente.  As mais relevantes são restritas as localizações na camada córnea e na região intra-ocular. www.medicinapratica.com.br Etiologia e Patogênese
  29. 29. Micoses Oculares  Os agentes etiológicos são = Aspergillus spp., Fusarium spp, Cephalosporium spp, Curvularia spp, Penicillium spp. e C. albicans. www.medicinapratica.com.br  O que provocam?  Irritação ocasionada:
  30. 30. Micoses Oculares wwwinfoescola.oom/otomicoses
  31. 31. Micoses Oculares Diagnóstico Material colhido por raspado das lesões; Observa-se o fungo em material biológico e isolar o mesmo em cultivos sucessivos; O material clinico pode ser semeado em ágar sabouraud glicose sem cicloheximida e mantido a temperatura ambiente.
  32. 32. O diagnóstico precoce e a terapia especifica são essenciais para o sucesso do tratamento. Alternativos = Anfotericina B, Imidazois e nistatina. Na ceratite micótica, a pimaricina e a droga de escolha. Francisca Fernandes Micoses Oculares Tratamento
  33. 33. www.coalhopar.com.br/produto/conservantes Francisca Fernandes Micoses Oculares Pimaricina droga mais eficaz
  34. 34. Etiologia e Patogênese  Etiologia e Patogênese  E geralmente uma infecção subaguda ou crônica.  Caracterizada por inflamação exsudativa e prurido do conduto auditivo externo.  A unidade e o calor são considerados os fatores predisponentes  Causada pelo agente Aspergillus niger. wwwdicionariosaude.com/o tomicose Micoses otomicoses
  35. 35. Micoses otomicoses slideshare/Desktop/Aspergillu.com
  36. 36. www infoescola.com/otomicoses Francisca Fernandes Micoses otomicoses Etiologia e Patogênese
  37. 37. Micoses otomicoses Diagnóstico Exame direto do material clinica. Raspado de pele clareado com KOH a 10- 20%.
  38. 38. Micoses otomicoses Tratamento Consiste na limpeza do conduto auditivo Aplicação de solução de timerosal Antifúngico como Imidazois e tolciclato tem-se mostrados eficazes. wwwdicionariosaude.c om/otomicose
  39. 39. wwwinfoescola.com/otomicose
  40. 40. Wwwinfoescola.com/otomicose wwwinfoescola.com/otomicose
  41. 41. ALERGIA A FUNGOS O que é? Alergia ou reação de hipersensibilidade é uma resposta imunológica exagerada. Como ocorre? Desenvolve após a exposição a um determinado antígeno Ocorre em todos indivíduos? Ocorre só em indivíduos suscetíveis (geneticamente) e previamente sensibilizados.
  42. 42. ALERGIA A FUNGOS Etimologia e Patogênese As mais conhecidas e estudadas são pertencentes aos gêneros: Alternaria, Cladosporium, Aspergillus e Penicillium. Manifestação •Primeiro contato Alérgeno fúngico Individuo •Contato posterior Alérgeno Fúngico IgE específica Produção de IgE específica Liberação de aminas vasoativas
  43. 43. ALERGIAS A FUNGOS •Sintomas Vasodilatação, hipersecreção, edema, intumescimento da mucosa, obstrução do lúmen do trato respiratório. •Epidemiologia •Os fungos espalham-se rapidamente •Os fungos espalhados pelo ar são chamados anemófilos •Problema • Variação fúngica 5% a 86% dos casos de asma brônquica e/ou rinite alérgica. Ubíquos aeroalérgenos Propágulos
  44. 44. ALERGIA A FUNGOS VIAS DE DISPERSÃO HABITAT •Ar •Solo •Agua •Vegetais •Homem •Animais SUBSTRATO •Solo •Agua •Vegetais •Homem •Animais •Substratos diversos Ar atmosférico Agua Homem Animais Insetos FATORES DE INTERFERENTES •Forma •Tamanho •Quantidade • Viabilidade •Velocidade de dispersão •Fatores climáticos •Distância percorrida •Barreiras geográficas •Nutrientes •Fatores ambientais •Sucetibilidade do hospedeiro
  45. 45. ALERGIA A FUNGOS Diagnóstico •Testes cutâneos •Provas sorológicas •Provas de provocação e pesquisa de fungos no ambiente do paciente Dependentes de extratos alergênicos CONVIVENDO /PROGNÓSTICO •Ventilação; •Móveis; •Limpeza: •Colchões e travesseiros.
  46. 46. FUNGOS TÓXICOS
  47. 47. EXISTEM TRÊS TIPOS DE FUNGOS TÓXICOS:  MICOTOXINAS  MICOTOXICOSES  MICETISMOS
  48. 48. MICOTOXINAS E MICOTOXICOSES AS PRINCIPAIS ESPÉCIES FÚGICAS PRODUTORAS DE TOXINAS PERTECEM AOS GÊNEROS:  Aspergillus ; Penicillium; Fusarium; Claviceps; Pithomyces; Myrothecium; Stachybotrys; Phoma e Alternaria.  Ubiquitárias e,dentro da subdivisão Deuteromycotina, a classe dos Hyphomycetes alberga o maior número de representantes.
  49. 49. DESENVOLVIMENTO DE FUNGOS TOXIGÊNICOS E A PRODUÇÃO MICOTOXINAS  Temperatura;  Umidade;  Substrato.
  50. 50. EXISTEM QUATRO TIPOS BÁSICOS DE TOXICIDADE  Aguda: É mais frequente a deterioração das funções hepática e renal. Interferindo na síntese protéica, produzindo dermonecrose e imunodeficiência extrema.  Crônica: Indução de câncer. Algumas interferem na replicação do DNA e, consequentemente, podem produzir efeitos:  Mutagênica:  Teratogênica
  51. 51. AS GRANDES EPIDEMIAS DE INTOXICAÇÕES CAUSADAS NO HOMEM E NOS ANIMAIS  Ergotismo : Levou a óbito grande número de pessoas na Europa, no ultimo milênio.  Moléstia : Associada ao consumo de pão preparado com farinha de centeio e outro grãos de cereais contaminados com Claviceps purpurea e Claviceps paspali.  ATA : Foi proveniente de consumo de alimentos processados com cereais. (Fusarium sporotrichoides e Fusarium poae)
  52. 52. MARCO HISTÓRICO  1960  Após pesquisas exaustivas, foi constatado que o alimento fornecido ás aves estava contaminado com Aspergillus flavus, produtor de substâncias tóxicas denominadas aflatoxinas (Aspergillus flavus toxin). Os principais compostos das aflatoxinas B1, B2, G1, G2 segundo as fluorescências emitidas B= blue e G= green M1 e M2 metabólicas secundárias que aparecem no leite das vacas B1 composto com maior atividade carcinogênica , não sendo desprezível sua atividade mutagênica
  53. 53. ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS  Incidência de câncer hepáico humano e aflatoxina B1 ingerida nos alimentos.  Devido ao fato de os achados clínico-patológicos serem apenas sugestivos de micotoxicoses, é fundamental a detecção e quantificação da toxina no alimento suspeito.  E também a detecção de resíduos nos tecidos:  Leite urina  soro Fezes Sangue pelos métodos cromatográficos e imunoensaios.
  54. 54. MICETISMOS Classificação:  Faloidiano Nervoso ou Muscarínico Gastrointestinal Inconstate Cerebral
  55. 55. REFERÊNCIAS TRABULSI, L. R.; ALTERTHUM, F. Microbiologia. 4º ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2004. TORTORA, G. J.; FUNKE, B. R.; CASE, C. L. Microbiologia. Porto Alegre: Artmed, 2012. •Tomoko Tadano, Neiva P. Paim , Marcia Hueb1e Cor Jésus F. Fontes.Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 38(2):188-190, mar-abr, 2005.disponível em http://www.scielo.br/pdf/rsbmt/v38n2/23580.pdf . Acesso em 05 de outubro de 2015. •Classificação das micoses.http://rbp.fmrp.usp.br/sites/default/files/micoses_subcutaneas.pdf Acesso em 05 de outubro de 015.

×