TCC - Pesquisa de mercado para o Sport Club do Recife

828 visualizações

Publicada em

TCC apresentado em 2011. Versão não corrigida.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
828
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

TCC - Pesquisa de mercado para o Sport Club do Recife

  1. 1. 1
  2. 2. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCOCURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL – PUBLICIDADE E PROPAGANDAANDREZA MARCELLE CARNEIRO ROCHA DE BRITTO SALGUEIRO RAQUEL LIMA RAMOS FERRAZ PROJETO EXPERIMENTAL - PRODUTO PESQUISA DE MERCADO PARA O SPORT CLUB RECIFE RECIFE - PERNAMBUCO 2011 2
  3. 3. ANDREZA MARCELLE CARNEIRO ROCHA DE BRITTO SALGUEIRO RAQUEL LIMA RAMOS FERRAZ PROJETO EXPERIMENTAL - PRODUTO PESQUISA DE MERCADO PARA O SPORT CLUB RECIFE Projeto de Pesquisa apresentado à Coordenação do Curso de Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda da Universidade Católica de Pernambuco – Unicap, como um dos requisitos exigidos para obtenção do grau de graduado sob a orientação de Rodrigo Duguay da Hora Pimenta RECIFE 2011 3
  4. 4. DedicatóriasAos nossos pais, por todos esses anos de apoio e aos torcedores do Sport Club do Recife. 4
  5. 5. AgradecimentosA Breno, pela presença constante em todo o projeto, pelas sugestões, indicações ecorreção.A Rodrigo Duguay, pela amizade, por direcionar os melhores caminhos, por ser umorientar dedicado.Aos nossos pais pelo amor, apoio e companheirismo.Aos nossos chefes, Pedro Di Nardo, Daniel Uchoa, Andréia Cardozo, Thiago Rossie Rafael Amorim, pela compreensão, colaboração e dicas.A Gabriel Freire e André Fontenelle, por abraçarem o trabalho, pela disponibilidade,apesar da rotina, e pelas informações repassadas.A Marcelo Cavalcante, por confiar na qualidade do projeto e ajudar na divulgaçãodos questionários.A Raphaella Borges, por ter feito os layouts da capa e contra capa do nosso trabalhoimpresso.A Paula Sabina, pela ajuda nas transações com o Survey Monkey e pelo apoio.E a todos que contribuíram de forma direta ou indireta para que a realização dessetrabalho fosse possível. 5
  6. 6. SUMÁRIO1. INTRODUÇÃO ........................................................................................................ 92. JUSTIFICATIVA .................................................................................................... 113. CLIENTE ............................................................................................................... 12 3.1 HISTÓRICO ..................................................................................................... 12 3.2 CONSIDERAÇÕES SOBRE A GESTÃO DE MARKETING ............................. 164. ANÁLISE DE MERCADO ...................................................................................... 185. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ............................................................................. 216. PROBLEMAS DE PESQUISA ............................................................................... 247. OBJETIVOS .......................................................................................................... 26 7.1 PRINCIPAL ...................................................................................................... 26 7.2 OBJETIVOS SECUNDÁRIOS .......................................................................... 268. METODOLOGIA .................................................................................................... 27 8.1 TIPO DE AMOSTRAGEM ................................................................................ 27 8.2 UNIVERSO AMOSTRAL .................................................................................. 27 8.3 FERRAMENTAS .............................................................................................. 28 8.4 MÉTODO E TÉCNICA DE COLETA DE DADOS ............................................. 28 8.5 APLICAÇÃO DOS QUESTIONÁRIOS ............................................................. 29 8.6 CRONOGRAMA ............................................................................................... 319. ANÁLISES ............................................................................................................. 32 9.1 PERFIL GERAL ................................................................................................ 32 9.1.2 Características Relacionais com o Clube ...................................................... 42 9.2 PERFIL FEMININO .......................................................................................... 43 9.3 PERFIL DO SÓCIO .......................................................................................... 47 9.4 PERFIL DA TORCIDA ORGANIZADA ............................................................. 51 9.5 PERFIL DO COLECIONADOR ........................................................................ 55 9.6 PERFIL DOS CASADOS .................................................................................. 60 9.7 DESCOBERTAS SOBRE O PÚBLICO RUBRO-NEGRO ................................ 63 9.7.1 Renda x Envolvimento................................................................................... 63 9.7.2 Pontos Relevantes ........................................................................................ 6610. CONSIDERAÇÕES FINAIS ................................................................................ 68 6
  7. 7. REFERÊNCIAS ......................................................................................................... 74APÊNDICES .............................................................................................................. 76 APENDICE A - QUESTIONÁRIOS ......................................................................... 77 APENDICE B – TABULAÇÃO – Perfil Geral .......................................................... 83 APENDICE C – TABULAÇÃO – Perfil Feminino .................................................... 91 APENDICE D – TABULAÇÃO – Perfil dos Sócios ............................................... 101 APENDICE E – TABULAÇÃO – Perfil da Torcida Organizada............................. 111 APENDICE F – TABULAÇÃO – Perfil dos Colecionadores.................................. 121 APENDICE G – TABULAÇÃO – Perfil dos Casados............................................ 133 LISTA DE FIGURASFigura 1: Modalidades e os meios de comunicação.................................................. 18Figura 2: O tamanho das Torcidas Brasileiras .......................................................... 19Figura 3: Dados da Torcida do Sport Club do Recife ................................................ 20Figura 4: Dados da Torcida do Sport Club do Recife ................................................ 20Figura 5 - Blog do Torcedor....................................................................................... 30Figura 6 - Perfil do Twitter do Sport........................................................................... 30Figura 7 - Perfil do Facebook do Sport...................................................................... 31 LISTA DE TABELASTabela 1 - Títulos Conquistados................................................................................ 13Tabela 2 - Cronograma ............................................................................................. 31Tabela 3 - Associados ............................................................................................... 63Tabela 4 - Jogos na Ilha ............................................................................................ 64Tabela 5 - Jogos na Ilha do Retiro ............................................................................ 64Tabela 6 - Frequência de Compra ............................................................................. 65Tabela 7 - Consumo de Mídias ................................................................................. 66 LISTA DE GRÁFICOSGráfico 1 - PERFIL GERAL - Sexo ............................................................................ 33Gráfico 2 - PERFIL GERAL - Faixa etária ................................................................. 33Gráfico 3 - PERFIL GERAL - Estado Civil ................................................................. 34Gráfico 4 - PERFIL GERAL - Escolaridade ............................................................... 34Gráfico 5 - PERFIL GERAL - Onde mora .................................................................. 35Gráfico 6 - PERFIL GERAL - Com quem mora ......................................................... 35Gráfico 7 - PERFIL GERAL - Renda individual ......................................................... 36Gráfico 8 - PERFIL GERAL - Com que frequência vai aos jogos .............................. 36Gráfico 9 - PERFIL GERAL - Qual meio de transporte utiliza para ir aos jogos ........ 37Gráfico 10 - PERFIL GERAL - Qual setor? ............................................................... 37Gráfico 11 - PERFIL GERAL - Participa de algum grupo organizado........................ 38Gráfico 12 - PERFIL GERAL - Com quem costuma ir aos jogos............................... 38 7
  8. 8. Gráfico 13 - Onde você costuma assistir aos jogos? ................................................ 39Gráfico 14 - PERFIL GERAL - Onde procura informações sobre o time? ................. 39Gráfico 15 - PERFIL GERAL - Com que frequência compra produtos do time? ....... 40Gráfico 16 - PERFIL GERAL - O que lhe motiva na hora de comprar um produto doSport? ........................................................................................................................ 40Gráfico 17 - PERFIL GERAL - Qual sua relação com o Sport................................... 41Gráfico 18 - Como escolheu o time? ......................................................................... 41Gráfico 19 - PERFIL FEMININO - Renda individual .................................................. 43Gráfico 20 - PERFIL FEMININO - Com quem costuma ir aos jogos? ....................... 44Gráfico 21 - PERFIL FEMININO - Onde você costuma assistir aos jogos? .............. 44Gráfico 22 - PERFIL FEMININO - Com que frequência compra produtos do time? .. 45Gráfico 23 - PERFIL FEMININO - O que lhe motiva na hora de comprar um produtodo Sport? ................................................................................................................... 45Gráfico 24 - PERFIL FEMININO - Qual sua relação com o Sport? ........................... 46Gráfico 25 - PERFIL DOS SÓCIOS - Escolaridade................................................... 47Gráfico 26 - PERFIL DOS SÓCIOS - Com quem mora ............................................. 48Gráfico 27 - PERFIL DOS SÓCIOS - Renda individual ............................................. 48Gráfico 28 - PERFIL DOS SÓCIOS - Com quem costuma ir aos jogos? .................. 49Gráfico 29 - PERFIL DOS SÓCIOS - Com que frequência compra produtos do time? .................................................................................................................................. 49Gráfico 30 - PERFIL DOS SÓCIOS - O que lhe motiva na hora de comprar umproduto do Sport?...................................................................................................... 50Gráfico 31 - TORCIDA ORGANIZADA - Faixa etária ................................................ 51Gráfico 32 - TORCIDA ORGANIZADA - Escolaridade .............................................. 52Gráfico 33 - TORCIDA ORGANIZADA - Renda Individual ........................................ 52Gráfico 34 - TORCIDA ORGANIZADA - Com que frequência compra produtos dotime?.......................................................................................................................... 53Gráfico 35 - TORCIDA ORGANIZADA - O que lhe motiva na hora de comprar umproduto do Sport?...................................................................................................... 53Gráfico 36 - TORCIDA ORGANIZADA - Qual sua relação com o Sport?.................. 54Gráfico 36 - PERFIL DO COLECIONADOR - Faixa etária ........................................ 56Gráfico 37 - PERFIL DO COLECIONADOR - Escolaridade ...................................... 56Gráfico 38 - PERFIL DO COLECIONADOR - Com quem mora ................................ 57Gráfico 39 - PERFIL DO COLECIONADOR - Renda individual ................................ 57Gráfico 40 - PERFIL DO COLECIONADOR - Com que frequência compra produtosdo time?..................................................................................................................... 58Gráfico 41 - PERFIL DO COLECIONADOR - O que lhe motiva na hora de comprarum produto do Sport?................................................................................................ 58Gráfico 42 - PERFIL DO COLECIONADOR - Qual sua relação com o Sport? ......... 59Gráfico 43 - DOS CASADOS - Qual setor? ............................................................... 60Gráfico 44 - DOS CASADOS - Com quem costuma ir aos jogos? ............................ 61Gráfico 45 - DOS CASADOS - Onde costuma assistir aos jogos?............................ 61Gráfico 46 - DOS CASADOS - O que lhe motiva na hora de comprar um produto doSport? ........................................................................................................................ 62Gráfico 47 - DOS CASADOS - Qual sua relação com o Sport? ................................ 62 8
  9. 9. 1. INTRODUÇÃO A paixão pelo futebol parece constante dos brasileiros. Alguns amam mais,outros menos. Independente da intensidade, esse esporte ocupa um lugardiferenciado na vida das pessoas. Uma das grandes evidências é a quantidade declubes atuando nos campeonatos profissionais no Brasil. Segundo dado da CBF, de2009, há 7831 times, sem somar os amadores e os não registrados. Esses númerosrepresentam um mercado lucrativo, carente de recursos e atenção. As gestões imaturas ao redor do País, muitas vezes, são ofuscadas por títulose patrocínios milionários que, ao longo dos anos, foram prejudicando odesenvolvimento de estruturas sólidas preocupadas com resultados em longo prazo. Diante dessa realidade, nos deparamos com o crescimento acelerado deagências e empresas focadas em marketing esportivo, motivadas pela Copa doMundo de 2014 e pelas Olimpíadas de 2016, mas que não estão totalmentepreparadas para gerir as transformações causadas antes e depois dosmegaeventos, pois, para isso, é necessário estudar o mercado ascendente econhecer as ferramentas que o circundam, como é o caso da pesquisa. Neste trabalho, escolhemos o Sport Club do Recife como objeto de estudo,em virtude do seu destaque no cenário nordestino. O intuito é mostrar o quanto autilização da ferramenta de pesquisa ajuda a perceber tendências e oportunidades ea conhecer, de fato, os vários perfis das pessoas que estão envolvidas direta ouindiretamente com o clube.1http://esportes.terra.com.br/noticias/0,,OI4058736-EI1866,00-Numeros+da+CBF+mostram+futebol+brasileiro+com+clubes.html 9
  10. 10. No primeiro momento, será mostrado o porquê da existência do projeto, ahistória do time, sua situação diante do mercado pernambucano e do brasileiro.Também serão apresentadas as teorias que fundamentaram todo o nosso trabalho. Após isso, descreveremos a metodologia utilizada na pesquisa e as formas deaplicação dos questionários. Por fim, será apresentada uma análise de alguns perfis encontrados dentrodo universo dos rubro-negros, juntamente com suas peculiaridades. Além disso,mostraremos curiosidades a respeito do torcedor. 10
  11. 11. 2. JUSTIFICATIVA O legado da gestão futebolística brasileira é caracterizado pelo amadorismo epela grande dependência dos resultados dentro das quatro linhas. Segundo Afif(2000), o marketing esportivo é a solução para o desenvolvimento doprofissionalismo no esporte e a fonte para maiores receitas. Dentro desse universo,um dos braços que desempenha um papel crucial para determinar o norte de futurascampanhas e ações é a pesquisa, a qual está ganhando relevância em virtude dosmegaeventos (Olimpíadas e Copa do Mundo) que o País irá sediar nos próximosanos. Contudo, a ferramenta é escanteada por grande parte dos clubes brasileiros,principalmente os que não são do eixo Sul-Sudeste. No caso do Nordeste, onde osclubes tradicionais andam aparecendo cada vez mais no cenário nacional, elescarecem, fortemente, de uma análise aprofundada acerca do seu torcedor. O Sport Club do Recife é um dos grandes nomes da região e sempre temespaço em âmbito nacional. Tem reconhecimento, tem títulos, tem história no futebole, de acordo com o instituto de pesquisa Plural, é o time de maior torcida do Estadode Pernambuco. Outro fator importante é que, na Região Metropolitana do Recife, aidentificação com os times locais é enorme, e não existe influência significativa dostimes do Sul e Sudeste. Apesar desses diferenciais, há o desconhecimento arespeito do seu principalmente incentivador: o torcedor rubro-negro. Este trabalho pega o gancho do desconhecimento, atrela à mudança que estáocorrendo na gestão atual do clube e propõe uma pesquisa que englobará hábitosde consumo, rituais, opiniões, desejos, necessidades e outros pontos que surgiramao longo do desenvolvimento do projeto. 11
  12. 12. 3. CLIENTE3.1 HISTÓRICO O Sport Club do Recife nasceu de um sonho que foi concretizado através deum recifense, Guilherme de Aquino. Após passar uma temporada de estudos naInglaterra, ele se viu encantado pelo futebol e logo tratou de trazê-lo à sua realidade,na sua cidade natal. Trouxe da viagem bolas, apitos, camisas nas cores vermelha epreta – as quais permanecem até hoje –, botas especiais (antigos calçados parajogar bola) e, em seguida, começou a encantar seus amigos com o esporte. O jovem chegou ao Recife exatamente em 1903, com uma ideia obstinada demontar um clube de futebol. Recorreu ao Clube Náutico Capibaribe, fundado em2001, em busca da concretização do seu sonho. O clube, que direcionava seusesforços para o remo, rejeitou a ideia. Na visão dos dirigentes do Náutico, o futebolnão era um esporte nobre. A recusa não foi um obstáculo para Aquino, que utilizou osítio do seu pai, localizado na Ilha do Retiro, como palco para a nova agremiação emotivou seus amigos a protagonizarem os primeiros bate-bolas, ensinando-lhes asregras e o amor pelo esporte. Em apenas dois anos residindo na cidade, fundou, em13 de maio de 1905, o Sport Club do Recife. A entrada nos gramados aconteceu pouco tempo depois, em de junho, nobairro do Derby, contra o English Eleven. Como já se esperava, a maior parte datorcida era inglesa, e os demais eram recifenses entusiasmados com a novidade.Esse ponto de partida foi crucial para o desenvolvimento do esporte no Estado.Contudo, apenas dez anos depois se iniciaria o Campeonato Pernambucano. As primeiras participações do clube no campeonato foram de grande êxito,conquistando o bi-campeonato em 1916/1917. Dois anos depois, o Sport, jáconsiderado um time de força da capital, viajou a Belém, no Pará, para enfrentar umcombinado das equipes Remo e Paysandu, as mais tradicionais desse estado. Avitória fora de casa garantiu a taça do “Leão do Norte”, que, em virtude do desgostocausado aos torcedores adversários, teve a cauda quebrada. Tal episódio 12
  13. 13. influenciou de forma incisiva a formação da identidade do time, que terminou poragregar o símbolo heráldico do leão ao seu escudo. Hoje, o terreno do clube, no bairro da Ilha do Retiro, no Recife, tem 140.000m², que comportam a sede social, o estádio, com capacidade para 35 mil pessoas, ocampo auxiliar, um apart-hotel com 12 apartamentos para concentração dosprofissionais, alojamento para concentração das categorias de base, tribunas dehonra, sala de imprensa, vestiários, parque aquático, parque de tênis, quadras debasquete, handebol, hóquei, futsal, vôlei, entre outros esportes. 2 Além disso, o clubepossui um centro de treinamento no município de Paulista, Zona Metropolitana doRecife, no bairro de Paratibe, e uma garagem de remo. Tabela 1 - Títulos Conquistados2 pt.wikipedia.org/wiki/Sport_Club_do_Recife Acessado em 14/09/2011 às 20h 13
  14. 14. No futebol, coleciona diversos títulos estaduais, regionais e nacionais. Osprincipais são o Campeonato Brasileiro de 1987 e a Copa do Brasil de 2008. Noâmbito regional, venceu quatro vezes o Campeonato do Nordeste e é o maiorvencedor do Campeonato Pernambucano, com 39 títulos. O clube, também, possui tradição no futebol de categorias de base, no futebolfeminino, e em outras modalidades de esporte, como remo, natação, hóquei,basquete, futsal, vôlei, tênis de mesa, taekwondo, judô, atletismo, entre outras.Acumula conquistas regionais, nacionais e internacionais.3 No remo, foi campeãobrasileiro duas vezes, na categoria peso leve; na natação, dez vezes campeãobrasileiro; no hóquei, 19 vezes campeão brasileiro, em diversas categorias; notaekwondo, foi campeão brasileiro duas vezes. Essas são apenas algumas dasconquistas, em algumas modalidades. Há outros títulos em mais esportes. O Leão cresceu, vendeu taças conquistadas nos primeiros anos de fundaçãoe aceitou doações para ampliar seu espaço. Fez história, consagrou jogadores. Oatacante Ademir de Menezes, o Queixada, foi uma revelação do Sport, conquistouum Campeonato Pernambucano, sendo artilheiro. Pouco depois, foi para o Vasco,no Rio de Janeiro, e brilhou tanto no clube como na seleção brasileira. Foi oartilheiro da Copa do Mundo de 1950. O atacante Vavá também começou no Sport ebrilhou no Vasco e na Seleção Brasileira, sagrando-se bicampeão mundial, na Copado Mundo da Suécia, em 1958, e na do Chile, em 1962. Outro nome sempre dedestaque é Dadá Maravilha. Embora tenha passado pouco tempo na Ilha do Retiro,é lembrado pelos dez gols que marcou em uma única partida com a camisa doSport. Robertinho é mais um jogador que fez parte de conquistas importantes para orubro-negro, foi uma das peças fundamentais na conquista do CampeonatoBrasileiro de 1987 e do Campeonato Pernambucano de 1988. Roberto Coração deLeão somou mais títulos para o Sport. Foi bicampeão em 1980 e 1981, tambémjogou na seleção brasileira. Entre todos os nomes que fizeram do Sport um grandetime, José Roque Paes, o Traçaia, é o maior artilheiro da história. Atuou entre 1955e 1963, sendo campeão estadual cinco vezes. Emplacou 201 gols. Quatro outrosgrandes nomes que as novas gerações rubro-negras tiveram a oportunidade de ver3 Ibidem 14
  15. 15. recentemente são o atacante Leonardo, que participou da conquista dopentacampeonato Estadual entre 1996 e 2000; o volante Juninho Pernambucano,que atuou no Sport, Vasco, seleção brasileira e Lyon, da França; o zagueiro Durval,capitão na conquista da Copa do Brasil em 2008; e o goleiro Magrão, maior ídolo naatualidade. No fim de 1941, o time de futebol do Sport se destacou no cenário brasileiroem virtude de uma excursão realizada nas regiões Sul e Sudeste com o intuito degerar reconhecimento do futebol nordestino. O clube obteve grandes resultados,tendo como estrela o ainda garoto Ademir de Menezes, com apenas 19 anos, que oVasco insistiu para contratar após ver uma de suas atuações. No âmbitointernacional, o Leão participou da Taça Libertadores da América em 1988 e em2009. O Sport é bem-visto nacionalmente, suas conquistas o levaram ao 16º lugarno ranking da CBF4 e ao 59º no ranking da CONMEBOL 5, o que o qualifica comoclube nordestino mais bem colocado no País. Em busca de um maior crescimento, o Sport Club do Recife aprovou em 2011a reforma completa do terreno da Ilha do Retiro, com demolição de todas asestruturas para a construção de um complexo esportivo, empresarial e comercial,com uma arena multiuso moderna, através de um consórcio liderado pela empresaPlurisports. A nova arena do Sport – orçada inicialmente em R$400 milhões, masque, no final de junho, já se reconhecia poder chegar a R$500 milhões 6 – terácapacidade para 45 mil pessoas, nos padrões da Fifa. A nova sede, como um todo,terá um centro de convenções, torres comerciais, parque aquático, ginásio paraesportes olímpicos, um hotel e um estacionamento para 1.500 carros. O diferencialdessa obra é que o estádio será construído no teto do estacionamento. A previsãopara o início das obras é novembro de 2012, pois ainda não há a validação docontrato e aprovação da Prefeitura do Recife. No ano de 2012, o Sport fará parte, mais uma vez, da Série A do CampeonatoBrasileiro. Depois de uma campanha irregular, onde esteve a maior parte do tempodistante de obter o acesso, o time conseguiu a classificação como quarto colocado4 CBF – Confederação Brasileira de Futebol – Dado de 2011 – Disponível emhttp://www.cbf.com.br/media/30704/ranking.pdf - Acessado em 29/11/2011, às 10h505 CONMEBOL - Confederação Sul-Americana de Futebol6 http://jc3.uol.com.br/blogs/blogdotorcedor/canais/noticias/2011/06/12/arena_do_sport_nem_tao_cedo_103496.php . Acessado em 10/10/2011, às 15h40. 15
  16. 16. da Série B em 2011, garantindo a vaga com uma vitória na última rodada, contra aequipe do Vila Nova, no estádio Serra Dourada, em Goiânia. Esse retornoproporcionará ao clube uma receita bastante maior do que a de 2011, com umgrande aumento na cota de direitos de transmissão dos jogos pela televisão. Alémdisso, o clube pode atrair patrocínios mais fortes, já que terá maior evidência nocenário esportivo nacional.3.2 CONSIDERAÇÕES SOBRE A GESTÃO DE MARKETING Ao lado do histórico esportivo a equipe teve contato com o Gabriel Freire,diretor de marketing do Sport, e André Fontenelle, diretor de tecnologia do Sport.Como é ainda muito comum no País, o departamento não possui arquivos precisossobre a área de comunicação, os dados estatísticos do sócio do clube ou sequer umperfil dos investimentos que foram feitos neste setor nos últimos anos. Longe de seruma estratégia de ocultar dados frente à concorrência, o clube demonstra falta decontinuidade nas ações e um olhar descompromissado com a questão,particularmente para um time que pretende estar sempre na elite do futebolbrasileiro. Inicialmente o trabalho pensava em explorar questões de branding eplanejamento sobre o clube, só que a falta de informações básicas tornaramnecessária a busca pelo conhecimento mais básico, uma questão premente para umtrabalho organizado em comunicação envolvendo o Rubro-negro da Ilha do Retiro. Neste contexto não é possível fazer um cenário preciso dos resultadosobtidos com comunicação, nem tão pouco da evolução da percepção da marca doSport Club do Recife nas últimas décadas, em particular do final do século XX aosdias atuais. Este cenário seria interessante para construirmos uma pesquisacomparativa, o que não se apresentou viável. Por fim, decidimos traçar um perfil exploratório capaz de se desdobrar emdiversos cruzamentos amostrais, capazes de revelar particularidades do torcedor doclube a partir de um cenário mais amplo e complexo. É com a ideia de traçar o perfil 16
  17. 17. e os subtipos de clientes da marca esportiva do clube que lançamos nosso trabalhoe tentamos construir, a partir daqui, as bases de um histórico para a marca Sport. 17
  18. 18. 4. ANÁLISE DE MERCADO A relação dos brasileiros com os esportes foi revigorada em virtude daescolha do Brasil para sediar a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016.Não bastasse ser um grande passo e carregar fortemente o fator visibilidade, aescolha, também, atingiu de maneira positiva o mercado esportivo nacional. Deacordo com Frederico Mandelli 7, até 1999 havia apenas 34 agências de marketingesportivo em todo o País. Em 2007, ano em que o Brasil foi escolhido como sede daCopa, havia 117, e, em 2010, o número saltou para 199. Das atuantes, 51% focamno futebol; 11%, no running; 7%, no automobilismo; e 4%, no vôlei. O novo comportamento esportivo do brasileiro incentivou as empresas aprocurarem entender as novas formas de consumo e a representação do torcedordentro da massa. O Ibope, recentemente, realizou uma pesquisa que relaciona oconsumo de esportes aos meios de comunicação. A pesquisa, nomeada de EsporteClube IBOPE Media8, mostra que a televisão é o meio preferido para se informarsobre esportes por 72% dos brasileiros, seguida por rádio (21%) e internet (16%). Ofutebol se apresenta como o esporte mais acompanhado no País, independente daplataforma, e como a principal opção de atividade esportiva. Figura 1: Modalidades e os meios de comunicação7 http://www.slideshare.net/SPORTTARGET/sport-target-o-mercado-de-agncias-de-marketing-esportivo-no-brasil-2010 Acessado em 15/11/2011 às 21h8 http://www.ibope.com.br/calandraWeb/servlet/CalandraRedirect?temp=5&proj=PortalIBOPE&pub=T&db=caldb&comp=Not%EDcias&docid=E78E47A368E52BE98325791F004AB524 Acessado em 01/11/2011 às 22h15 18
  19. 19. Em Pernambuco, na região metropolitana do Recife, a modalidade possui umdiferencial perante o resto do País. O Sport, Náutico e Santa Cruz, os clubes locais,dominam absolutamente a preferência dos recifenses. Não há espaço para times defora. Segundo estudo da Plural Pesquisa9, 80% dos entrevistados torcem por timesde Pernambuco, contra 2% de outros estados e 1% para seleção Brasileira. 17%não torcem por time algum ou não têm preferência. O Sport é a agremiação de maior destaque. De acordo com o seu siteoficial 10, o total de torcedores rubro-negros é de 3,3 milhões. A entidade tem, emmédia, 13.500 sócios (titulares) e, segundo pesquisa realizada pelo Lance!-Ibope(2010), o clube possui a 11ª maior torcida do Brasil, à frente de times comoBotafogo, Fluminense, Atlético-PR e todos os grandes times do Nordeste. Apesquisa mostra que, nos próximos 10 a 15 anos, o Sport subirá para 8° no ranking.Outra pesquisa realizada pelo Instituto Maurício de Nassau11 aponta o Sport com amaior torcida do estado de Pernambuco (26%), contra 16% do Santa Cruz; 8% doNáutico; 22% de times de outros estados; 5% de outros times e 19% nenhum time. Arenda e a distribuição da torcida no Estado também são aspectos que reforçam acaracterística de time de massa. Figura 2: O tamanho das Torcidas Brasileiras9 http://www.slideshare.net/JCOnLine/relatrio-recife-time-de-futebol-agosto-2011?from=ss_embed Acessadoem 06/07/2011 às 10h3010 http://www.sportrecife.com.br/clube/torcida.cfm Acessado em 14/11/2011 às 14h4011 Ibidem 19
  20. 20. Figura 3: Dados da Torcida do Sport Club do Recife Figura 4: Dados da Torcida do Sport Club do Recife Na internet, o time leonino, novamente, sai na frente em número deseguidores no Twitter, comparando aos times concorrentes no âmbito estadual,(41.240, em 12 de novembro) contra 10.755 do Santa Cruz e 9.764 do Náutico.Entre os clubes brasileiros, é o 9° colocado, e, entre os internacionais, é o 34°. No último campeonato nacional disputado pelo Sport, o CampeonatoBrasileiro da Série B, em 2011, a média de público pagante foi de 16.943 torcedores.O preço dos ingressos varia durante as temporadas; contudo, o ingresso padrão dearquibancada custa R$ 30,00; e a meia-entrada, R$ 15,00. Ainda existem lugarescom preços maiores, e outros com preços menores. 20
  21. 21. 5. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O futebol é um dos maiores mobilizadores de investimentos e de emoções.Em 2007, o Brasil foi o país que mais exportou jogadores. Em 2006, o CampeonatoBrasileiro foi considerado o 5° melhor campeonato nacional de futebol do mundopela Federação Internacional de História e Estatística do Futebol – IFFHS. Comoforte exemplo de laço afetivo com esse esporte, temos nosso calendário marcadopor eventos futebolísticos: campeonatos estaduais, Campeonato Brasileiro, Copa doBrasil, Copa Libertadores da América, Copa Sul-Americana e Mundial de Clubes daFifa. O reflexo dessa paixão nacional é percebido através da grande importânciaque a mídia concede a esse esporte. Frederico Mandelli 12 afirma que a mídiadifunde e promove modalidades e eventos esportivos, contribuindo para osurgimento de ídolos. Consequentemente, pode favorecer anunciantes. Segundo oIBOPE, 64% da população assistem a esportes na TV e 38% praticam algumaatividade física. Futebol e automobilismo são as modalidades mais assistidas; aprimeira é a mais praticada. De acordo com pesquisa realizada por Fernando Mandelli 13, a indústriaesportiva verde e amarela movimentou, em 2008, R$ 35,2 bilhões (3,73% do PIBnacional). Levando para o âmbito mundial, esse montante equivale ao que asprincipais ligas americanas arrecadam e a um pouco menos que as receitas dascompetições europeias (R$ 25,7 bilhões). Segundo Neumann (1998), o futebol mostra ir além dos limites do campo.Num país que tem tradição neste esporte, investir em patrocínio cria uma imagemativa, dinâmica e rende bons lucros às agências de publicidade que utilizam dissocomo forma de atrair investimentos para os vários meios de comunicação. Apesar de a mídia voltar sua atenção para o futebol, os próprios clubespecam quando o assunto é gestão e, principalmente, quando se trata de conhecer, afundo, o seu torcedor. De acordo com Underhill (1999), a grande ignorância de um12 http://www.slideshare.net/fremanguar/marketing-esportivo-no-brasil-um-panorama-geral-2548577Acessado: 01/06/2011, às 19h1513 ibidem 21
  22. 22. homem de negócios é não conhecer com quem está lidando. Nesse caso, os“homens de negócios” seriam os clubes que negligenciam o comportamento dosseus torcedores. Kotler e Keller (2006) reforçam a ideia, ao afirmar que omonitoramento dos clientes (torcedores) deve ser constante. Além disso, ocomportamento reflete diretamente na renda do clube, sendo necessário oconhecimento das diversas variáveis que circundam o universo futebolístico e aspeculiaridades de cada clube. O lento amadurecimento na gestão do futebol brasileiro levou aodesenvolvimento de uma cultura baseada no achismo e, apenas, nos bonsresultados dentro de campo. Segundo Brunoro14, o baixo grau de profissionalismona gestão do futebol no Brasil é o principal fator da crise financeira e estrutural dosclubes, e, caso fosse resolvido, melhoraria significativamente o desempenho delesfora de campo. Afif (2000) complementa: o marketing esportivo é a solução para odesenvolvimento do profissionalismo no esporte e a fonte para maiores receitas.Pitts e Stollar (2002) definem o marketing esportivo como: O processo de elaborar e implementar atividades de produção, formação de preço, promoção e distribuição de produto esportivo para satisfazer as necessidades ou desejos de consumidores e realizar os objetivos da empresa. Essa vertente ganhou espaço em virtude do crescimento da indústria doesporte. Ainda de acordo com Pitts e Stollar (2002), a indústria esportiva representao mercado no qual os produtos oferecidos aos compradores relacionam-se aesporte, fitness, recreação ou lazer e podem incluir atividades, bens, serviços,pessoas, lugares ou ideias. A carência e a novidade que representam esse novo mercado abremoportunidades para novas empresas e produtos, acirram a concorrência edespertam a necessidade de melhoria na gestão. Afif (2000) afirma que:14 www.scielo.br/pdf/rae/v46n3/v46n3a08.pdf Acessado: 02/06/2011 às 20h45 22
  23. 23. Ninguém pode ignorar a força que o marketing esportivo representa entre as várias possibilidades que uma empresa desfruta para trabalhar sua imagem ou mesmo popularizar seu produto. Com o crescimento das atividades econômicas relacionadas ao lazer, em que o esporte será o carro-chefe no Brasil, as companhias deverão, de alguma forma, estar ligadas ao marketing esportivo, patrocinando equipes, atletas ou promovendo eventos. Para complementar, o mesmo autor considera a pesquisa uma ferramentaimprescindível para ter o conhecimento de como o esporte está posicionado nomercado e quem é seu consumidor. Ela vai permear todo o planejamento demarketing, pois é uma base sólida para o desenvolvimento das ações. Pitts e Stollar(2002) ressaltam: A empresa esportiva precisa de informações. Informar-se é necessário para tomarem decisões concernentes a aspectos financeiros da empresa esportiva, desenvolvimento do produto, estratégias de preços, de distribuição e promocionais e a todas as demais funções e operações dentro da empresa. O esforço para compreender as reais necessidades, satisfações einsatisfações do público ajuda a detectar futuras ameaças, a conhecer asoportunidades, confirmar e/ou melhorar fraquezas e forças – além de saber omomento certo para iniciar uma nova ideia ou produto, realizar reformas ouconstruções e atingir um novo target. Pitts e Stollar (2002) acrescentam que se deveanalisar e compreender a empresa esportiva, sua indústria e sua concorrência. 23
  24. 24. 6. PROBLEMAS DE PESQUISA O futebol sempre conviveu lado a lado com o amadorismo. Segundo Afif(2000), dificilmente um clube destina sua verba para trabalhar a própria imagem oupromover jogos: em primeiro lugar, vem a folha de pagamento. Contudo, nas últimasdécadas, o amadurecimento vem sendo notado em virtude da profissionalização. Oautor complementa afirmando que, através do desenvolvimento do exercício dofutebol em moldes empresariais, as agremiações, também, deverão desfrutar osbenefícios das várias formas de comunicação. As primeiras evidências do cuidado com o futuro estão na tentativa deconstrução da marca como um ativo de valor e na busca pela estruturação de umdepartamento capaz de desenvolver pensamentos estratégicos a fim de aumentar arenda do clube e a satisfação de quem torce. Hoje, temos a supervalorização dascampanhas de sócio-torcedor, canais de televisão específicos, diversas plataformasna internet, ações diferenciadas, como foi o caso da República Popular do 15Corinthians , que procuram aproximar mais pessoas aos clubes. Por outro lado, a relação clube–torcida é realizada sem muito conhecimentoacerca do seu público, apenas é circundada pela paixão. De acordo com Afif (2000),o que diferencia os torcedores de consumidores normais é que eles não precisamser conquistados, eles são fiéis. Além disso, a disputa pela atenção está ganhandoimportância devido ao crescimento dos demais esportes (vôlei, UFC, futebolamericano, esportes radicais), da violência e do avanço tecnológico. Estes últimospontos citados retêm o torcedor em casa. Rein, Kotler, Shields (2008) afirmam que oelemento fundamental da relação entre o torcedor e o esporte está na satisfação dasexpectativas e que a experiência nos locais dos jogos é de suma importância.15 http://www.brainstorm9.com.br/22146/advertising/republica-popular-do-corinthians-video-case/ Acessadoem 20/09/2011 24
  25. 25. Ao trazer tais aspectos para a realidade do objeto de pesquisa, o Sport Clubdo Recife, nota-se forte carência. Existe uma demanda com sede de experiências,consumo e informação, mas a instituição esportiva ainda não conseguecorresponder a todos os pontos. Nós últimos anos, houve uma melhoria evidente noenvolvimento com o torcedor rubro-negro na comunicação para o grande grupo,embora não haja o conhecimento do tipo de adepto com que estão interagindo. A informação, em certos momentos, precisa ser nivelada. Em outros,direcionada para amenizar os fatores do afastamento e manter uma relação cadavez mais sólida fora das quatro linhas. Cada tipo de torcedor é capaz de transmitirenvolvimentos diferentes que podem ser aproveitados em prol do clube. Porexemplo, aumentar o leque de oportunidades dos patrocinadores para quedesempenhem trabalhos focados em cada tipo de torcedor, o que tem reflexo diretonos gastos com o clube, ou seja, o aumento do ticket médio. Todas as informações que existem, hoje, sobre os torcedores do Sport sãogenéricas (baseadas em pesquisas sobre dimensão da torcida, enquetes de opiniãosobre o andamento do time, por exemplo) e fruto da experiência e da observação.Não existe, hoje, nenhum estudo qualitativo ou que se dedique a entender estepúblico específico e suas nuances. 25
  26. 26. 7. OBJETIVOS7.1 PRINCIPAL Dado o atual estado de desconhecimento, o objetivo deste trabalho é realizaruma pesquisa exploratória para descobrir quem é o target padrão do clube. Contudo,a natureza desse trabalho não é espelhar literalmente o público-objeto e sim analisaras variações de comportamento que criem perfis e revelem tendências.7.2 OBJETIVOS SECUNDÁRIOS • Localizar e analisar variações de comportamento: Encontrar as diferenças entre a massa. Através do cruzamento das respostas dos questionários, achar disparidades que diferenciem os indivíduos; • Construir perfis: Unir os indivíduos semelhantes. Ao agrupar os questionários com respostas aproximadas, obter grupos de indivíduos que possuam comportamentos similares, mesmo tendo origens diferentes; • Identificar tendências de comportamento: Localizar movimentos. Produzir uma análise dos perfis encontrados detectando gostos, necessidades, preferências e hábitos dos torcedores do Sport. 26
  27. 27. 8. METODOLOGIA Todos os dados que conseguimos de pesquisas realizadas sobre ostorcedores pernambucanos eram de natureza quantitativa, relacionadas ao tamanhodas torcidas. Não existiam informações específicas sobre o torcedor do Sport emuito menos dados sobre sua relação com o time ou consumo. Percebemos entãouma carência em estudos que se dedicassem à análise deste grupo e decidimosdirecionar nosso trabalho para esta lacuna encontrada. Dado o status de desconhecimento sobre o nosso público-alvo, optamos porrealizar uma pesquisa exploratória, já que esta tem sua utilização necessária“quando se busca um entendimento sobre a natureza geral de um problema, aspossíveis hipóteses alternativas e as variáveis relevantes que precisam serconsideradas” (AAKER; KUMAR; DAY, 2004).8.1 TIPO DE AMOSTRAGEM Como o objetivo do trabalho era analisar partes desta população e não suageneralidade, escolhemos uma amostragem não probabilística, já que nãoprecisaríamos utilizar métodos estatísticos que garantissem a fidelidade do universoamostral ao seu público-alvo. Optamos também por uma amostragem porconveniência, que, para Aaker, Kumar e Day (2004), se mostra uma forma rápida ebarata para obter informações.8.2 UNIVERSO AMOSTRAL Uma vez que estamos trabalhando com uma pesquisa não probabilística, nãoexiste um universo amostral, já que não estruturamos nossa amostra. Destacamos,inclusive, a impossibilidade de definir um universo amostral, já que não temos umperfil definido do torcedor do Sport para usar como espelho, nem um númeroconfiável de variáveis capazes de traçar o perfil padrão para o desvio amostral. 27
  28. 28. 8.3 FERRAMENTAS Como o nosso questionário foi publicado na internet, tivemos que escolher umsite ou ferramenta que o hospedasse e gerasse também seus gráficos e relatórios.Ficamos em dúvida entre o Google Docs16 e o SurveyMonkey 17. Apesar de ser umrecurso pago, optamos pela segunda opção pela facilidade e rapidez.8.4 MÉTODO E TÉCNICA DE COLETA DE DADOS Os dados coletados pela pesquisa vieram de fontes primárias, onde todas asinformações são obtidas “especialmente para determinada pesquisa” (AKKER;KUMAR; DAY, 2004), o que se aplica diretamente ao que foi realizado nestetrabalho, no caso, os dados coletados pelos questionários. Também utilizamosfontes secundárias, estas se caracterizam por serem “coletadas por pessoas ouagências para outros propósitos que não a resolução do problema específico”, comoforam os casos das pesquisas diversas que utilizamos em nosso trabalho – porexemplo, sobre o tamanho das torcidas em Pernambuco ou sobre o marketingesportivo em geral. Estas informações foram muito importantes, tanto para embasare justificar o nosso trabalho, quanto para tomadas de decisão. Um dos maioresmotivos para a escolha do clube como objeto de pesquisa deste trabalho foi aconstatação, através de pesquisas consultadas, de que o Sport possui a maiortorcida de Pernambuco. A Internet foi o meio onde conseguimos a maioria dos dados objetivos queembasaram o nosso trabalho. Desde pesquisas disponibilizadas em sitesespecializados até mesmo a divulgação do nosso questionário. A preferência poreste meio se deve à facilidade e à rapidez na obtenção de informações. Nãodispúnhamos de tempo e recursos financeiros para realizar uma pesquisa com onúmero de respostas encontradas nesta se tivéssemos optado por entrevistaspresenciais.16 O Google Docs, é um pacote de aplicativos do Google baseado em AJAX. Funciona totalmente on-line diretamente no browser. Os aplicativos são compatíveis como OpenOffice.org/BrOffice.org, KOffice e Microsoft Office, e atualmente compõe-se de umprocessador de texto, um editor de apresentações, um editor de planilhas e um editor de formulários.(WIKIPEDIA, 2011)17 O Survey Monkey é um site que oferece o serviço de autogerenciamento de pesquisas. 28
  29. 29. Apesar de a escolha possuir limitações, já que exclui os torcedores que nãopossuem acesso à internet, vemos um crescimento significativo de usuários do meio.Segundo o Mídia Dados (2011), a penetração da Internet no mercado brasileiro, em2000, era de 15%; já em 2010, este dado cresceu para 48%. Percebemos, atravésdeste dado, que triplicaram os usuários do País. No Grande Recife, o salto é aindamaior. A penetração saiu de 9% para atingir a marca de 41%, um crescimento quesó confirma a relevância do meio.8.5 APLICAÇÃO DOS QUESTIONÁRIOS Pela natureza do ambiente onde foram aplicados os questionários e pelo fatode não estarmos presentes durante o momento de resposta, optamos por umquestionário estruturado e não disfarçado. O respondente seria guiado de formatransparente por questões de múltipla escolha. Para o questionário elaboramosperguntas que identificassem: 1. Quem eram os indivíduos. Seu sexo, renda, grau de instrução e local onde moravam; 2. Seus hábitos em relação aos eventos do clube. No caso específico, os jogos; 3. Seus hábitos de consumo e seu envolvimento com o time. A aplicação dos questionários foi realizada nos dias 17 e 18 de novembro de2011. Foram coletados 1203 questionários respondidos. Para a sua divulgação escolhemos ambientes onde poderíamos facilmenteencontrar o nosso público-alvo: sites sobre o futebol pernambucano. Foramutilizados dois locais: o Blog do Torcedor (especializado em futebol, pertencente aoPortal NE10, empresa do Sistema Jornal do Comércio de Comunicação) e o siteoficial do próprio Sport Club do Recife, incluindo também seus perfis nas redessociais. 29
  30. 30. Figura 5 - Blog do TorcedorFigura 6 - Perfil do Twitter do Sport 30
  31. 31. Figura 7 - Perfil do Facebook do Sport8.6 CRONOGRAMA Tabela 2 - Cronograma 31
  32. 32. 9. ANÁLISES9.1 PERFIL GERAL A maioria do público respondente é masculino (86%), entre 18 e 40 anos, commaior adesão entre os jovens adultos de 21 a 30 anos. São solteiros (64%), aindacursam a faculdade e moram com os pais. Residem na Região Metropolitana do Recife (91,4%). A maioria vai para osjogos partindo do bairro de Boa Viagem (15,8%) e o restante se divide em bairroscomo Aflitos, Casa Amarela, Casa forte, Espinheiro, Tamarineira, Torre, Várzea,Cordeiro, Madalena e Iputinga. A sua renda é de 1 a 3 salários mínimos (30,8%), oque confirma serem estudantes universitários ainda entrando no mercado detrabalho. Esta concentração na RMR termina por consolidar a tendência deencontrar um público típico, e era esperada pela equipe para permitir a busca de umquantitativo maior de subperfis de público. Vemos também um público que ganha de 4 a 8 salários mínimos (24,1%). Oaumento da renda se reflete na faixa etária e no grau de escolaridade. Este grupopossui ensino superior completo e são mais velhos (26 - 30 anos). Por morarem comos pais (61%), seu potencial de compra cresce, já que não possuem maioresdespesas com moradia. 32
  33. 33. Gráfico 1 - PERFIL GERAL - SexoGráfico 2 - PERFIL GERAL - Faixa etária 33
  34. 34. Gráfico 3 - PERFIL GERAL - Estado CivilGráfico 4 - PERFIL GERAL - Escolaridade 34
  35. 35. Gráfico 5 - PERFIL GERAL - Onde moraGráfico 6 - PERFIL GERAL - Com quem mora 35
  36. 36. Gráfico 7 - PERFIL GERAL - Renda individualGráfico 8 - PERFIL GERAL - Com que frequência vai aos jogos 36
  37. 37. Gráfico 9 - PERFIL GERAL - Qual meio de transporte utiliza para ir aos jogos Gráfico 10 - PERFIL GERAL - Qual setor? 37
  38. 38. Gráfico 11 - PERFIL GERAL - Participa de algum grupo organizado Gráfico 12 - PERFIL GERAL - Com quem costuma ir aos jogos 38
  39. 39. Gráfico 13 - Onde você costuma assistir aos jogos?Gráfico 14 - PERFIL GERAL - Onde procura informações sobre o time? 39
  40. 40. Gráfico 15 - PERFIL GERAL - Com que frequência compra produtos do time?Gráfico 16 - PERFIL GERAL - O que lhe motiva na hora de comprar um produto do Sport? 40
  41. 41. Gráfico 17 - PERFIL GERAL - Qual sua relação com o Sport Gráfico 18 - Como escolheu o time? 41
  42. 42. 9.1.2 Características Relacionais com o Clube O grande grupo frequenta praticamente todos os jogos na Ilha do Retiro(32,7%), mas raramente vai a jogos fora do clube. Recorre ao carro particular para irao estádio (60,9%) e prefere assistir da arquibancada frontal (36,9%) com os amigos(53,1 %). Apesar de não participar de grupos organizados (80,1%), notamos que háuma valorização das saídas com os amigos e programas de lazer em grupo. São muito receptivos a todos os meios de comunicação sobre os quais foramquestionados, contudo percebemos maior preferência por internet e televisão (87,2%e 62,1% respectivamente). Rádio teve 48%, e jornal, 43,4%. Preferem comprar anualmente itens do time, mas esse comportamento possuivariações de acordo com a renda. Quem possui maior poder aquisitivo compra commais regularidade. Não são sócios e escolheram o Sport por influência familiar. Dentro deste perfil geral foi possível encontrar subgrupos mais homogêneosdentro do universo heterogêneo que compõem uma torcida de um grande clubeesportivo. A ideia era confirmar se estes grupos apresentavam desvios em relaçãoao grupo maior e quais as características iriam se destacar a partir dasmicrofiltragens realizadas na tabulação. Com uma massa quantitativa superior a milquestionários, foi possível fazer estes desdobramentos sem ter indivíduos quedesviassem a rota amostral para distorcê-la em alguma direção. É importante destacar: mais que encontrar um perfil geral, nosso objetivo eralidar com as diferenças entre os diversos níveis de comprometimento da torcida, oumesmo de filtros demográficos mais genéricos, para, a partir destas, encontrartambém os pontos de congruência. Inicialmente destacaremos nossos subgruposamostrais para, a partir deste confronto, traçar nosso relatório final. 42
  43. 43. 9.2 PERFIL FEMININOTÓPICOS-CHAVEPerfil: jovens de 21 a 25 anos (37,9%), ensino superior incompleto (30,8%), até 03salários mínimos (37,3%).Relação com o Sport: não sócias (74,8%), raramente vão aos jogos na Ilha doRetiro (28,1%), arquibancada frontal (33,1%), acompanhadas por familiares (39,6%). Apesar de numericamente não tão representativo quanto o masculino, opúblico feminino (14%) é um grupo bastante interessante pelo seu potencial decrescimento. Mesmo não sendo muito estimulado, se informam bastante acerca doassunto e compram com frequência trimestral artigos do time (tendo como motivaçãomaior contribuir com o Sport). O perfil dado pela pesquisa nos mostra que a maioriaé formada por jovens cursando a faculdade, ganhando até três salários mínimos emorando com os pais. O que indica que são mulheres ainda entrando no mercadode trabalho e que possuem um ritmo de vida puxado. A sua relação com o clube, desde sua escolha pelo time até a forma comoacompanham os jogos, é muito ligada à cultura familiar. Preferem, inclusive, assistiraos jogos em casa a ir ao estádio. O seu contato com os meios de comunicação é intenso. Internet, jornal etelevisão são suas fontes diárias de informação sobre o Sport preferidas. Gráfico 19 - PERFIL FEMININO - Renda individual 43
  44. 44. Gráfico 20 - PERFIL FEMININO - Com quem costuma ir aos jogos?Gráfico 21 - PERFIL FEMININO - Onde você costuma assistir aos jogos? 44
  45. 45. Gráfico 22 - PERFIL FEMININO - Com que frequência compra produtos do time?Gráfico 23 - PERFIL FEMININO - O que lhe motiva na hora de comprar um produto do Sport? 45
  46. 46. Gráfico 24 - PERFIL FEMININO - Qual sua relação com o Sport? 46
  47. 47. 9.3 PERFIL DO SÓCIOTÓPICOS-CHAVEPerfil: homens (90,7%), de 26 a 30 anos (23,7%), ensino superior completo (32,6%),até 08 salários mínimos (27%).Relação com o Sport: praticamente vão a todos os jogos na Ilha do Retiro (36,6%),sociais (41,6%), acompanhados por amigos (46,4%). O sócio rubro-negro é predominantemente masculino, estabilizadofinanceiramente, ganha até oito salários mínimos e reside com os pais. Essaconvivência implica diretamente na sua forma de consumo, pois certos custos sãoreduzidos e o poder compra é aumentado. Seu envolvimento com o Sport é grande,está presente em praticamente todos os jogos na Ilha do Retiro, utiliza o espaçoexclusivo para associados e prefere ir com os amigos, mas raramente viaja para vero time jogar. Adquire de um a dois produtos por ano e é motivado pela colaboraçãoao time. Ele é propício ao consumo de novos produtos, produtos exclusivos epacotes (de viagens e de ingressos, por exemplo), devido ao grau intenso derelacionamento. A internet, a televisão e o rádio são os canais de informação mais utilizados para obterem informações sobre o rubro-negro. Gráfico 25 - PERFIL DOS SÓCIOS - Escolaridade 47
  48. 48. Gráfico 26 - PERFIL DOS SÓCIOS - Com quem moraGráfico 27 - PERFIL DOS SÓCIOS - Renda individual 48
  49. 49. Gráfico 28 - PERFIL DOS SÓCIOS - Com quem costuma ir aos jogos?Gráfico 29 - PERFIL DOS SÓCIOS - Com que frequência compra produtos do time? 49
  50. 50. Gráfico 30 - PERFIL DOS SÓCIOS - O que lhe motiva na hora de comprar um produto do Sport? 50
  51. 51. 9.4 PERFIL DA TORCIDA ORGANIZADATÓPICOS-CHAVEPerfil: homens (86,3%), até 17 anos (28,4%), 18 a 20 anos (28,4%), ensinofundamental incompleto (45,1%), até 01 salário mínimo (63,7%).Relação com o Sport: não sócio (90%), praticamente vão a todos os jogos na Ilhado Retiro (44,6%), arquibancada lateral (59,8%), acompanhados por amigos(61,5%). A torcida organizada é composta por um público muito jovem, masculino, combaixo nível de instrução, instável financeiramente, ganha até um salário mínimo emora com os pais. O poder de consumo é mínimo. Não possui o hábito de comprarprodutos do time e, quando tem a oportunidade, pensa primeiramente em contribuircom o clube. Sua segunda motivação é a qualidade dos artigos, seguida de modelosdiferentes. É um target que valoriza as compras, pois não pode fazê-las comfrequência. Está presente em praticamente todos os jogos, na arquibancada lateral,comparece com os amigos e nunca assiste a jogos fora de casa. Demonstram que,mesmo dispondo de poucos recursos financeiros, comparecem as partidasreligiosamente. Recorre à internet e à televisão para se manter informado das notícias diáriasdo Sport. Raramente lê jornal. A maioria escuta rádio apenas em dias de jogos. Gráfico 31 - TORCIDA ORGANIZADA - Faixa etária 51
  52. 52. Gráfico 32 - TORCIDA ORGANIZADA - EscolaridadeGráfico 33 - TORCIDA ORGANIZADA - Renda Individual 52
  53. 53. Gráfico 34 - TORCIDA ORGANIZADA - Com que frequência compra produtos do time?Gráfico 35 - TORCIDA ORGANIZADA - O que lhe motiva na hora de comprar um produto do Sport? 53
  54. 54. Gráfico 36 - TORCIDA ORGANIZADA - Qual sua relação com o Sport? 54
  55. 55. 9.5 PERFIL DO COLECIONADORTÓPICOS-CHAVEPerfil: homens (84,6%), 21 a 25 anos (28,9%) e 26 a 30 anos (23,5%), ensinosuperior incompleto (29,5%) e ensino superior completo (28,9%), até 01 saláriomínimo (24,2%), de 01 a 03 salários mínimos (31,5%), de 04 a 08 salários mínimos(21,5%).Relação com o Sport: não sócios (51%), sócios (44,9%), vão a praticamente todosos jogos na Ilha do Retiro (43%), arquibancada frontal (36,1%), vão aos jogos comamigos (52,7%). O colecionador rubro-negro é caracterizado pela junção de várias idades,rendas individuais distintas, sócios e não sócios. É um grupo heterogêneo, queindependente de quanto ganha, se é jovem ou velho tem sua coleção particular. Amaioria compra de um a dois itens por ano (45,6%), contudo 39,6% compram umitem a cada três meses, ou seja, são consumidores antenados que buscamnovidade. Por morar com a família (69,8%), o colecionador tem um gasto maior comartigos para uso pessoal. Está presente na Ilha do Retiro em praticamente todos osjogos e prefere ir com os amigos. A internet é meio mais acessado para se informar sobre o time, em seguidavêm a televisão e o rádio, por último, o jornal. Sua principal preocupação ao adquirir um produto do Sport é ajudar o clube,mas também exige que seja oficial. Procura novos modelos e qualidade. Um ponto intrigante sobre este perfil é que, mesmo sua maioria sendohomens com renda individual de até três salários mínimos (uma das menores), elespossui a melhor frequência de compra entre os grupos detectados nesta pesquisa. 55
  56. 56. Gráfico 37 - PERFIL DO COLECIONADOR - Faixa etáriaGráfico 38 - PERFIL DO COLECIONADOR - Escolaridade 56
  57. 57. Gráfico 39 - PERFIL DO COLECIONADOR - Com quem moraGráfico 40 - PERFIL DO COLECIONADOR - Renda individual 57
  58. 58. Gráfico 41 - PERFIL DO COLECIONADOR - Com que frequência compra produtos do time?Gráfico 42 - PERFIL DO COLECIONADOR - O que lhe motiva na hora de comprar um produto do Sport? 58
  59. 59. Gráfico 43 - PERFIL DO COLECIONADOR - Qual sua relação com o Sport? 59
  60. 60. 9.6 PERFIL DOS CASADOSTÓPICOS-CHAVEPerfil: homens (93%), 31 a 40 anos (38,8%), ensino superior completo (31,7%), pós-graduado (25%), de 04 a 08 salários mínimos (32,3%), de 09 a 15 salários mínimos(21,1%).Relação com o Sport: não sócios (48,7%), sócios (47,6%), vão a praticamentetodos os jogos na Ilha do Retiro (30,4%), cerca de metade dos jogos na Ilha doRetiro (29,8%), cadeiras (25,8%), vão aos jogos com amigos (46,4%) e família(35,2%). O público casado é mais velho, tem formação acadêmica superior aos demaisperfis e é bem estabilizado no ponto de vista financeiro. É um target balanceado,visto que quase metade é de sócios e a outra metade não, e uma parcela vai apraticamente todos os jogos, enquanto outra vai a cerca da metade. Optam peloconforto das cadeiras, e a companhia oscila entre amigos e familiares. Tambémassistem a muitos jogos em sua própria residência (42,4%) e consomem de 1 a 2itens por ano (62%). Este último dados sugere que o consumo é pequeno. Levandoem consideração que moram com a esposa e filhos, a frequência de compra poderiaser maior. Também elegem a internet como canal mais relevante; em segundo, atelevisão; em terceiro, o rádio; e o jornal assume a última posição. Quando estão comprando produtos, pensam em contribuir com o clube,querem artigos oficiais, qualidade e novos modelos. Gráfico 44 - DOS CASADOS - Qual setor? 60
  61. 61. Gráfico 45 - DOS CASADOS - Com quem costuma ir aos jogos?Gráfico 46 - DOS CASADOS - Onde costuma assistir aos jogos? 61
  62. 62. Gráfico 47 - DOS CASADOS - O que lhe motiva na hora de comprar um produto do Sport? Gráfico 48 - DOS CASADOS - Qual sua relação com o Sport? 62
  63. 63. 9.7 DESCOBERTAS SOBRE O PÚBLICO RUBRO-NEGRO Além dos perfis encontrados, também surgiram outros pontos interessantessobre o comportamento do público. Essas observações surgiram da observação dediferentes comportamentos em determinadas respostas. Fizemos entãocruzamentos específicos e chegamos às seguintes constatações.9.7.1 Renda x Envolvimento A maioria do público que respondeu ao questionário não era sócia do clube eganhava de um a três salários mínimos. Contudo, quando o salário desse torcedoraumenta, cresce também o número de sócios e sobe a frequência de ida aos jogos,o que indica que o poder aquisitivo influencia diretamente o grau de envolvimentocom o time. Se levarmos em consideração que a classe C desempenha um papelfundamental na economia brasileira, seu potencial de consumo é equivalente ao PIBsomado da Argentina e Colômbia. Segundo o Data Popular (2011), a previsão é queesse grupo gaste R$ 1,03 trilhão em 2011. Podemos ver uma oportunidade decrescimento deste público Associado. Tabela 3 - Associados Hoje, são mais 105,4 milhões de pessoas (55,05% da população) quebuscam novos produtos, exigem qualidade e diferenciação. Essa realidade é 63
  64. 64. favorável ao Sport, pois a maioria dos torcedores pertence à classe C e o aumentoda renda torna esse torcedor um sócio em potencial. Tabela 4 - Jogos na Ilha Nos jogos fora da Ilha do Retiro, temos um número alto de torcedores queraramente comparecem à casa do adversário, e são baixos os números queparticipam de decisões. Isso pode representar uma oportunidade de parcerias comagências de viagem para estimular a presença dos rubro-negros e promoções. Tabela 5 - Jogos na Ilha do Retiro 64
  65. 65. Tabela 6 - Frequência de Compra Com exceção dos respondentes que possuem renda de até um saláriomínimo, a maioria do público compra pelo menos dois itens por ano, tendo comomaior motivação contribuir com o time. Contudo, dentro deste público, 55,4% nãosão sócios e 42,5% são. Nas análises de comparação das rendas individuais,percebemos que o número de sócios aumenta de forma pro aos seus salários.Apesar de não poder fazer uma relação de causalidade direta, com essa informação,notamos que o comportamento normal do torcedor é de que, se ganhasse mais,seria sócio. Vêem então a compra como algo maior do que a simples aquisição deum produto do time: como uma forma de contribuição ao time. O consumo diário dos meios apresenta pouca variação quando utilizamos arenda como referência. A internet e a televisão ganham na preferência dos públicos,seguido do rádio. Um caso à parte são os torcedores que recebem mais de quinzesalários mínimos. Eles recorrem a todos os meios para se manterem informados, oque significa que são atingidos pela propaganda mais facilmente e podemrepresentar um grupo de influência. O jornal é a opção menos escolhida para se informar. No caso das pessoasque recebem até 01 salário mínimo, o rádio e o jornal se equiparam no quesitopouca relevância, e para quem recebe de 4 a 8 salários, o rádio ainda se sobressaidiante do jornal. 65
  66. 66. Tabela 7 - Consumo de Mídias9.7.2 Pontos Relevantes • A internet se apresentou como o meio de maior identificação entre os rubro-negros independentemente de faixa etária, sexo e renda. O percentual de respondentes que acessam a rede apenas em dias de jogos foi irrisório (4,9%). Ou seja, os torcedores recorrem à rede todos os dias. • O rádio foi a fonte de informação que recebeu maior quantidade de seleções no quesito “apenas em dias de jogos”, com 26,3%. Televisão teve 16,9% e jornal 16,7%. Esse dado sugere que, nos dias das partidas, há um aumento significativo na quantidade de ouvintes. O que representa a força dos comunicadores e a forte tradição de ouvir rádio em campo ou durante as transmissões na TV. • Os rubro-negros que assistem aos jogos nos assentos especiais e cadeiras da ampliação têm entre 26 e 40 anos. 41% são casados. A renda individual fica entre quatro a oito salários mínimos (36,1%) e 63,3% não são sócios. Esse target é um nicho esquecido que tem grande potencial. O ingresso para esses setores requer um 66
  67. 67. investimento maior e reflete na frequência do torcedor. 28,3% raramente vão aos jogos e 26,6% comparecem a praticamente a todos.• Os jogos também são um programa familiar. Dos respondentes que afirmaram marcar presença em todos os jogos, 30% vão com a família, enquanto 10,7% vão sozinhos e 6,9% vão acompanhados pelo namorado(a).• Apesar do perfil dos sócios apresentar maior envolvimento com o clube (olhar tabela Renda x Envolvimento, na página 34), dos respondentes que assinalaram comprar uma vez ou mais durante o mês, 50% não sócios.• As compras trimestrais são lideradas pelos torcedores com renda entre um e três salários mínimos (31,4%), enquanto os que recebem de nove a 15 salários mínimos correspondem a 18,4%.• 67
  68. 68. 10. CONSIDERAÇÕES FINAIS Antes desta pesquisa, tínhamos uma ideia de quem seria otorcedor/consumidor do Sport Club do Recife. Mas essa visão não vinha de estudosou pesquisas, e sim da observação e convivência. Esperávamos que a pesquisa nosdissesse que o perfil geral desse torcedor era formado predominantemente porhomens solteiros, jovens adultos que ainda estavam entrando no mercado detrabalho e moravam com os pais. Também acreditávamos que pelo menos metadedesses torcedores não fossem sócios e que comprassem ao menos uma camisanova por ano, acompanhando a renovação do uniforme de jogo. Outro ponto que nos interessava bastante era a forma como esse grupoprocurava informações sobre o time. Sabíamos que a internet seria apontada comomeio mais relevante, já que foi o canal utilizado para realização da pesquisa e osambientes estavam relacionados ao tema futebol. Neste contexto, destacamos omeio jornal posicionado em último no lugar e a aparição do meio rádio de formairregular, o que pode acontecer devido à força desta mídia junto aos torcedores nosdias de jogos (tanto aquele que é fiel a esta mídia, quanto os que a ouvem apenasem dias de jogos). A pesquisa nos revelou informações estratégicas a respeito do clube, desdeas variações comportamentais dos torcedores até curiosidades que podem setransformar em oportunidades de mercado. Deduzimos que não podemos tratar os torcedores de forma homogênea,porque existem vários subgrupos, e estes possuem características distintas. Nãoconsiderar esses perfis anularia a criação de comunicação, ações e planejamentosdirecionados. Então, tratamos de criar perfis que se diferenciassem entre si e damassa. Primeiro, analisamos as mulheres, um dos grupos mais específicos dentro danossa pesquisa. É intrínseco ao sexo feminino a adoração pelo consumo. Elascompram para uso próprio e, quando casadas ou mães, integram seus maridos efilhos à lista de compras. Atrelando isso à resposta ao questionário aplicado por estetrabalho de que as mulheres consomem trimestralmente um artigo do Sport,observamos que existem poucos produtos específicos para elas. Não só objetos,mas também vantagens que as motivam a comparecer mais aos jogos. Preços 68
  69. 69. reduzidos para as mulheres em determinadas partidas, pacotes família, ingressopremiado (ingresso de arquibancada que pode valer para dois nas cadeiras ou paraoutro jogo), por exemplo, podem ser atrativos. No quesito consumo, entre as maneiras de envolver as mulheres, estão oskits de uma maneira geral (uniforme principal + uniforme reserva/terceirouniforme/camisa comemorativa/rara, uniforme + bolsa/nécessaire, uniforme +ingressos etc.). O atual momento do Recife também é propício para o aumento doconsumo. A cidade está sendo palco de várias corridas, e a preocupação com asaúde e o físico está em alta. É uma oportunidade para explorar os shorts, roupasde academia, produtos que tenham sinergia entre o futebol e os exercícios físicos,que se apresentam como alternativas diferenciadas para exposição da marca eaumento na frequência de compra. Foi visto que, na maioria, são jovens, muitas cursando a faculdade, o queabre margem para deduzirmos que estão em busca de novas experiências de formaintensa, ou seja, são mais propícias a aventuras. Isso abre um leque de opções parase trabalhar diversos tipos de promoções que podem envolver pacote de viagenspara ver o time jogar, já que muitas assistem aos jogos acompanhadas pela família. No que diz respeito aos meios de massa, elas preferem a internet, emseguida televisão, jornal e rádio, nessa ordem. Diferente dos outros públicos, elasouvem mais menos rádio e lêem mais jornais, o que presenta oportunidades para ospatrocinadores. Em seguida, tratamos de verificar o universo dos sócios. Eles representam operfil de maior envolvimento com o clube, contribuem mensalmente, comparecem apraticamente todos os jogos. Por isso, esse grupo exige esforços de retenção, isto é,“mimos”, maior atenção, benefícios, respostas rápidas às críticas e sugestões. Como foi visto no perfil, os homens com renda de até oito salários mínimos eresidentes nas casas dos pais compõem a maioria dos associados. A economiamensal, ocasionada pela divisão entre os familiares ou isenção das despesas, podeser utilizada em prol do Sport, no caso aumento da frequência de compra (segundoa pesquisa, eles adquirem de um a dois produtos por ano). Diferentemente das mulheres, o sexo masculino costuma realizar muitascompras de uma só vez e não tem o hábito de procurar. Para esse grupo, a ofertade carnês, pacotes anuais e mensais, que integrem a aquisição de uniformes, 69
  70. 70. ingressos e possíveis viagens, se mostra como uma saída interessante, pois há uminvestimento alto apenas uma vez. A venda de ingressos da temporada favorece osdois lados. Os torcedores não precisam se preocupar em comprá-los, o clubegarante o lucro, atrai mais torcedores e pode voltar atenção para outras formas deenvolvimento como aumentar a participação dos patrocinadores durante osintervalos, promoções, campanhas de incentivo, institucionais, por exemplo. Por outro lado, sabemos que a relação deste gênero com o esporte éextremamente emocional. Ao traçar o perfil do consumidor “torcedor”, mesmo queisto não esteja presente na pesquisa, sabemos que a vitória é um grandeimpulsionador do consumo. Por exemplo, quando o Sport ganha um clássico, passade fase, conquista um título, existe uma predisposição maior a adquirir itens ligadosao clube. A forma de se comunicar com o sócio também deve ser diferenciada. Eles, deacordo com a pesquisa, recorrem à internet em primeiro lugar, depois televisão,rádio e jornal para se manterem informados. Na grande rede, as várias plataformasmostram o grau de envolvimento, e este deve ser constante. De maneira geral,todos esses meios funcionam bem para o público. O sócio tem que se sentir motivado, pois é influenciador e sua relação com oclube vai além de um simples colaborador. Quando analisamos o perfil do colecionador, encaramos um dos grupos maisexigentes quanto à compra de produtos do time. Por sua maior motivação deconsumo ser “completar sua coleção”, se mostram mais interessados em novidadese itens raros. Por isso, produtos como camisas comemorativas, retrôs (réplicas depadrões antigos do time), edições especiais, podem se adequar muito bem a estepúblico. Vemos que o time já possui itens como esse, mas, pelo seu grau deexigência, é necessário sempre o surgimento de novos, até porque 39,6% doscolecionadores responderam comprar um item a cada três meses. Essa frequênciade compra poderia ganhar adesão maior do resto do grupo dos que compramanualmente, se houvesse mais variedades e lançamentos menos espaçados(atualmente, são feitos a cada temporada). O frequentador de torcida organizada foi o perfil que menos surpreendeu. Namaioria jovens, homens, de baixa renda, nunca compram produtos; contudo, estãoem praticamente todos os jogos. Isso, provavelmente, é reflexo do baixo valor dos 70
  71. 71. ingressos para o setor que eles optam para assistirem às partidas (arquibancadalateral), e tem a colaboração do “Todos Com a Nota”, programa do Governo dePernambuco em que o cidadão troca notas fiscais por pontos que podem sertrocados por ingressos (os pontos vão para um cartão magnético para depois havera troca). Apesar do baixo poder aquisitivo do público, eles querem contribuir e,como não podem adquirir produtos oficiais, recorrem aos produtos não licenciados,que, além de serem mais baratos, apresentam novos modelos (apontado pelapesquisa como um fator de motivação). Artigos oficiais mais baratos direcionados aotarget os deixariam mais envolvidos e motivados a guardar dinheiro para comprarmais e a comparecer mais em campo. Com este recorte comportamental, encontramos novamente a internet e atelevisão como os meios mais procurados para atualização. O jornal tem baixapenetração neste público, e o rádio aparece de forma irregular, provavelmente peloíndice expressivo de uso deste meio em dias de jogos. Esses dados são importantespara os patrocinadores e para campanhas de conscientização contra a violência emcampo. Por fim, analisamos os casados. Um público bem específico que apresentapeculiaridades interessantes que são grandes oportunidades de mercado. Nossapesquisa revelou que metade deles são sócios e a maioria frequenta as cadeiras.Isso pode significar que seu ticket médio por partida é superior aos demais perfis. Jáque o valor do ingresso para o setor é mais caro, existe o possível consumo decomidas e bebidas e o custo do estacionamento. A arquibancada frontal também émuito procurada, e os amigos e família são as principais companhias. A partirdessas informações, podemos notar uma tendência sobre quais são os momentosem que os amigos são mais presentes e quais são os momentos em que o jogo setorna um programa familiar. É uma pessoa que investe no lazer e poderia aumentaro investimento caso houvesse chance. Além disso, não há disparidade entre a preferência de assistir o jogo em casa(42,4%) e na Ilha do Retiro (47,6%). A rotina desses homens tende a ser corrida emvirtude do trabalho, filhos, esposa e o cansaço pode ser um aspecto que retenha ostorcedores em casa. Por isso, necessitam ser estimulados. Pacotes família, pacotesamigos, diversão para os filhos durante os intervalos são exemplos de motivação. 71
  72. 72. Uma vez que a pesquisa aponta que este público, em sua maioria, faz acompra de um a dois produtos por ano, a ida ao estádio de toda à família podeimpulsionar tanto a frequência quanto a quantidade do consumo de itens ligados aoclube. Neste contexto é nossa sugestão a criação de kits família (padrão feminino +masculino/infantil + feminino/infantil + masculino etc.). A internet, novamente, liderou a preferência pela busca de informações.Contudo, todos os meios respondem de maneira positiva. Após estas considerações sobre os perfis encontrados, é importante pontuarque, apesar dos responsáveis pelo marketing do Sport se mostrarem bastantesolícitos e abertos em responder nossas perguntas, não conseguimos muitasinformações imprescindíveis para a realização deste trabalho. O clube não possuíadados precisos sobre seus sócios e um histórico das ações e direcionamentos emrelação à marca, como campanhas ou planejamentos estratégicos. Por isso, nossapesquisa não pode comparar e analisar os dados de acordo com as atividades eobjetivos do time. A aplicação do questionário durou dois dias. Não por nossa vontade, maspelo limite de respostas que nossa ferramenta escolhida apresentava. Poderíamoscoletar até mil questionários respondidos. Inicialmente achamos que seria umaquantidade satisfatória, mas, dada a velocidade e procura, vimos que era umnúmero bastante limitado. No primeiro dia, coletamos mais de cem questionáriosatravés da divulgação feita por nós mesmos nas redes sociais. No segundo dia, oquestionário foi divulgado no site e nas redes sociais do Sport e no Blog do Torcedor(pagina na internet sobre o futebol pernambucano). Percebemos um crescimento vertiginoso na coleta dos questionários e, emmenos de 8 horas, havíamos multiplicado supreendentemente o número inicial. Nototal, foram 1203 questionários coletados. Após o encerramento da coletarecebemos vários e-mails de torcedores interessados em ajudar a nossa pesquisa.Infelizmente, como o nosso limite de respostas havia sido extrapolado, não pudemosatendê-los. Esse retorno do público só confirmou o seu grau de envolvimento com otime e sua receptividade em disponibilizar dados que ajudem ou representem oSport. Os resultados encontrados nos possibilitaram realizar esta análise sobre otorcedor do Sport, de forma que perfis foram criados e peculiaridades da torcida 72
  73. 73. rubro-negra puderam ser vistas com mais clareza, facilitando a descoberta detendências e oportunidades de mercado. Esperamos que esta "versão beta", como apelidamos carinhosamente otrabalho, estimule o clube a inserir a pesquisa em sua rotina, pois provamos oquanto é útil, lucrativo e como os torcedores apreciam essa prática. 73
  74. 74. REFERÊNCIASAFIF, Antônio. A Bola da Vez. São Paulo: Infinito, 2000AAKER, David A.; KUMAR, V.; DAY, George S. Pesquisa de Marketing. SãoPaulo: Atlas, 2004PITTS, Brenda B.; STOTLAR, David K. Fundamentos de Marketing Esportivo. SãoPaulo: Phorte, 2002.REIN, Irving; KOTLER, Philip; SHIELDSS, Ben. Marketing Esportivo: A reinvençãodo esporte na busca de torcedores. São Paulo: Bookman, 2008.UNDERHILL, Paco. Vamos às compras: a ciência do consumo. São Paulo: Campus,1999.http://www.slideshare.net/fremanguar/marketing-esportivo-no-brasil-um-panorama-geral-2548577 Acessado em 01/06/2011, às 19h15www.scielo.br/pdf/rae/v46n3/v46n3a08.pdf Acessado em 02/06/2011 às 20h45http://www.slideshare.net/JCOnLine/relatrio-recife-time-de-futebol-agosto-2011?from=ss_embed Acessado em 06/07/2011 às 10h30http://elogica.br.inter.net/frazao/sport/sportfu.htm Acessado em 20/08/2011 às 16h30http://esporte.ig.com.br/futebol/times/sport/historia_time/2008/06/03/sport_1337875.html Acessado em 20/08/2011 às 18h00http://pt.wikipedia.org/wiki/Sport_Club_do_Recife Acessado em 22/08/2011 às 10h00http://www2.uol.com.br/JC/sites/sport100anos/historico.htm Acessado em01/09/2011 às 14h30http://www2.uol.com.br/JC/sites/sport100anos/curiosidades.htm Acessado em01/09/2011 às 20hhttp://midiadados.digitalpages.com.br/home.aspx?edicao=3 Acessado em22/09/2011 às 22h00http://www.campeoesdofutebol.com.br/maiores_torcidas_2010.html Acessado em05/10/2011 às 12h00http://jc3.uol.com.br/blogs/blogdotorcedor/canais/noticias/2011/06/12. php Acessadoem 10/10/2011 às 15h40http://www.ibope.com.br/calandraWeb/servlet/CalandraRedirect?temp=5&proj=PortalIBOPE&pub=T&db=caldb&comp=Not%EDcias&docid=E78E47A368E52BE98325791F004AB524 Acessado em 01/11/2011 às 22h15http://www.sportrecife.com.br/clube/torcida.cfm Acessado em 14/11/2011 às 14h40 74
  75. 75. http://www.slideshare.net/SPORTTARGET/sport-target-o-mercado-de-agncias-de-marketing-esportivo-no-brasil-2010 Acessado em 15/11/2011 às 21hhttp://www1.folha.uol.com.br/poder/935502-classe-c-e-a-unica-que-continua-a-crescer-aponta-fgv.shtml Acessado em 16/11/2011 às 11hhttp://www.bbc.co.uk/portuguese/ultimas_noticias/2011/08/110808_classe_c_mm_rn.shtml Acessado em 16/11/2011 às 12hhttp://www.bbc.co.uk/portuguese/ultimas_noticias/2011/08/110808_classe_c_mm_rn.shtml Acessado em 16/11/2011 às 20hhttp://www1.folha.uol.com.br/poder/935502-classe-c-e-a-unica-que-continua-a-crescer-aponta-fgv.shtml Acessado em 16/11/2011 às 16h 75
  76. 76. APÊNDICES 76
  77. 77. APENDICE A - QUESTIONÁRIOS 77
  78. 78. 78
  79. 79. 79
  80. 80. 80
  81. 81. 81
  82. 82. 82
  83. 83. APENDICE B – TABULAÇÃO – Perfil Geral 83
  84. 84. PERFIL GERALSexo Response ResponseAnswer Options Percent CountFeminino 14,0% 169Masculino 86,0% 1034 answered question 1203 skipped question 0Faixa etária Response ResponseAnswer Options Percent CountAté 17 anos 10,1% 12218 a 20 anos 12,4% 14921 a 25 anos 27,9% 33626 a 30 anos 20,9% 25131 a 40 anos 16,5% 19841 a 50 anos 5,7% 69Acima de 51 anos 6,5% 78 answered question 1203 skipped question 0Estado Civil Response ResponseAnswer Options Percent CountSolteiro(a) 64,6% 777Casado(a) 29,6% 356Separado(a) 1,5% 18Dirvociado(a) 2,2% 26Viúvo(a) 2,1% 25 answered question 1203 skipped question 0Escolaridade Response ResponseAnswer Options Percent CountEnsino fundamental incompleto 9,1% 109Ensino fundamental 2,9% 35Ensino médio incompleto 3,7% 44Ensino médio 17,6% 212Ensino superior incompleto 28,5% 343Ensino superior 25,2% 303Pós-graduado 13,1% 157 answered question 1203 skipped question 0 84
  85. 85. Onde mora Response ResponseAnswer Options Percent CountRegião Metropolitana do Recife 91,4% 1100Agreste Pernambucano 4,2% 50São Francisco Pernambucano 0,2% 2Sertão Pernambucano 1,7% 20Zona da Mata Pernambucana 2,6% 31Outro (especifique) 177 answered question 1203 skipped question 0Caso more em Recife, nos diga seu bairro Response ResponseAnswer Options Percent CountAflitos 2,3% 19Afogados 1,5% 12Água Fria 0,5% 4Alto do Mandu 0,2% 2Alto José Bonifácio 0,1% 1Alto José do Pinho 0,5% 4Apipucos 0,5% 4Areias 1,5% 12Arruda 1,6% 13Bairro do Recife 0,4% 3Barro 0,6% 5Beberibe 0,4% 3Boa Viagem 15,8% 130Boa Vista 1,9% 16Bomba do Hemetério 1,3% 11Bongi 0,9% 7Brasília Teimosa 1,6% 13Brejo da Guabiraba 0,1% 1Brejo de Beberibe 0,0% 0Cabanga 0,2% 2Caçote 0,1% 1Cajueiro 1,2% 10Campina do Barreto 0,1% 1Campo Grande 1,2% 10Casa Amarela 2,9% 24Casa Forte 3,2% 26Caxangá 1,0% 8Cidade Universitária 1,5% 12Coelhos 2,2% 18Cohab 0,2% 2Coqueiral 0,0% 0Cordeiro 3,4% 28Córrego do Jenipapo 0,1% 1Curado 1,1% 9Derby 0,5% 4Dois Irmãos 0,1% 1 85
  86. 86. Dois Unidos 0,6% 5Encruzilhada 1,2% 10Engenho do Meio 0,6% 5Espinheiro 3,4% 28Estância 0,7% 6Fundão 0,2% 2Graças 3,2% 26Guabiraba 0,1% 1Hipódromo 0,2% 2Ibura 2,6% 21Ilha do Leite 0,1% 1Ilha do Retiro 0,5% 4Ilha Joana Bezerra 0,6% 5Imbiribeira 1,8% 15Ipsep 1,7% 14Iputinga 2,8% 23Jaqueira 0,4% 3Jardim São Paulo 2,3% 19Jiquiá 0,0% 0Jordão 0,2% 2Linha do Tiro 0,4% 3Macaxeira 1,1% 9Madalena 2,8% 23Mangabeira 0,1% 1Mangueira 0,4% 3Monteiro 0,2% 2Morro da Conceição 0,1% 1Mustardinha 0,2% 2Nova Descoberta 0,2% 2Paissandu 0,1% 1Parnamirim 1,5% 12Passarinho 0,1% 1Pau-Ferro 0,0% 0Peixinhos 0,4% 3Pina 1,0% 8Poço da Panela 0,6% 5Ponto de Parada 0,1% 1Porto da Madeira 0,1% 1Prado 1,1% 9Rosarinho 1,7% 14San Martin 1,7% 14Sancho 0,0% 0Santana 0,1% 1Santo Antônio e São José 0,4% 3Sítio dos Pintos 0,0% 0Soledade 0,4% 3Tamarineira 1,8% 15Tejipió 1,0% 8Torre 3,2% 26Torreão 0,5% 4Torrões 0,2% 2Totó 0,7% 6Várzea 2,8% 23Vasco da Gama 0,2% 2 86

×