Jesus é Deus /// Série Quem é Jesus? // Anderson

1.267 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.267
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
641
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jesus é Deus /// Série Quem é Jesus? // Anderson

  1. 1. Se Jesus é Deus...A fé, a Palavra, a Igreja e o propósito de Deus são confirmados;pois Jesus não é um homem falando sobre Deus, Ele é Deusem forma humana falando sobre Ele mesmo aos homens...
  2. 2. Jesus não tem senso de humildade ao não usurpar “o ser igual a Deus”, Ele tem senso de missão (João 3.16-17) pois sua humildade é comprovada em amor pelo fato Dele ser Deus e ser achado em figura humana.Filipenses 2. 1-11As afeições e a Ira de Deus são construídas em sua missão, e não em sua essência, pois Ele não pode ser enchido ou esvaziado, Ele é auto suficiente em seu Ser, Ele é o mesmo ontem, hoje e eternamente (constante)Amou de tal forma /// João 3.16Ira /// Colossenses 3:6, Apocalipse 14:10, Lucas 3:7Arde em ciúmes /// Tiago 4.5Deseja /// 1 Timóteo 2.4Exulta de alegria /// Sofonias 3.14-16
  3. 3. Da mesma forma que “Filho do homem” significa nascido do homem, assim também “Filho de Deus” significa nascido de Deus. Por isso, dizemos que esse título proclama a divindade de Cristo.Jesus nunca é chamado de “um” filho de Deus, como os homens e os anjos (Jó 2.1). Ele é o Filho de Deus, em sentido único. Jesus, conforme a descrição que dele se fez, mantém um relacionamento com Deus do qual nenhuma outra pessoa do Universo participa. /// João 1.18Romanos 11:33-36Apocalipse 1:9Colossenses 1:13Efésios 1:41 Coríntios 15.24-28
  4. 4. As afirmações de JesusEu vim do Pai (João 16.28)O Pai me enviou (João 20.21)Ele afirmava ter comunhão e conhecimento divinos (Mateus 11.27, João 19.25)Afirmava revelar a essência do Pai em si mesmo (João 14.9-11)Assumiu prerrogativas divinas: Onipresença (Mateus 18.20); poder para perdoar pecados (Marcos 2.5-10); poder para ressuscitar os mortos (João 6.39). Proclamou-se juiz e árbitro do destino do homem (João 5.22; Mateus 25.31-46)Ele exigia rendição e lealdade que somente Deus, por direito, podia exigir; insistia em uma absoluta rendição da parte de seus seguidores.
  5. 5. A autoridade de CristoNos ensinos de Cristo, observa-se a completa ausência de expressões como: é minha opinião, pode ser, penso que, podemos supor, etc...O testemunho dos discípulosEles viram seu mestre comer, beber e dormir, eles sabiam que Ele tinha fome e sede, o viram chorar – enfim, eles testemunharam todos os aspectos da sua humanidade.O que os levou a mais tarde afirmarem que:Ele possui prerrogativa divina de conceder o Espírito Santo (Atos 2.33- 36); que Ele é quem perdoa pecados (Atos 5.31); e que é o juiz dos mortos (Atos 10.42)

×