SlideShare uma empresa Scribd logo
Atividade 2: Estudo dos usos políticos da História
Questionário sobre uma notícia de jornal lida em sala
1º Bimestre – Data: ____/_____/________
Componentes
do Grupo
Turma:
__________
NOTÍCIA 2
Shinzo Abe completa seis meses no governo japonês, com baixa popularidade
Patrícia Souza
G1 26/03/2007 - http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,AA1500154-5602,00.html
Shinzo Abe completa hoje seis meses à frente do Governo japonês, com baixa popularidade em seu
curto mandato, caracterizado por uma agenda nacionalista no âmbito da política externa que inquieta os países
vizinhos. Em 26 de setembro, quando o Parlamento o escolheu como primeiro-ministro dias após ser
designado líder do governamental Partido Liberal-Democrata (PLD), Abe tinha apoio popular de 67%.
Atualmente, esse número é de 35%, segundo pesquisa do jornal "Mainichi Shimbun". Cresceu de 16% para
42% a porcentagem dos japoneses que desaprovam o atual Gabinete japonês, prejudicado pelo maior carisma
do primeiro-ministro anterior, Junichiro Koizumi, cujos níveis de popularidade variavam em torno de 60%.
(...)
No primeiro semestre à frente do Executivo, Abe defendeu linha dura na negociação com a Coréia do
Norte, maior papel para o Japão no contexto internacional e a revisão do regime imposto ao país após a
Segunda Guerra Mundial, que inclui reformar a Constituição pacifista que limita o uso da força militar. Abe
deu mostras de querer mudar a forma como o Japão é percebido no mundo, apesar de algumas de suas posições
e comentários sobre a história recente tenham gerado alarme.
O político, neto de primeiro-ministro e filho de ministro, começou o mandato com uma simbólica
viagem à China para acabar com antigas rivalidades, e seguiu com uma viagem pela Europa, deixando de lado
seu principal aliado, os Estados Unidos, que não deve visitar até abril. No entanto, o primeiro-ministro japonês
trouxe à tona velhos fantasmas quando, há algumas semanas, disse que não há provas de que o Exército
Imperial japonês tenha "forçado" escravas sexuais coreanas e chinesas na época da Segunda Guerra Mundial,
posição que manteve apesar das críticas recebidas também de vários setores nos Estados Unidos.
Abe negou os vínculos entre as autoridades japonesas e as "mulheres de conforto", eufemismo para
definir as prostitutas forçadas asiáticas antes e durante a Segunda Guerra Mundial, mas disse que manteria a
declaração de 1993 pela qual o Governo japonês pediu desculpas pelo ocorrido. As declarações criaram
polêmica internacional e, como consequência, os Governos chinês e sul-coreano - os mais diretamente
afetados - pediram que o Japão assumisse a responsabilidade e deixasse de negar a história. (...)
QUESTÕES SOBRE O TEXTO:
1
Qual foi a relação entre a baixa popularidade que o primeiro-ministro Shinzo Abe enfrentava nesse
período e sua insistência em uma agenda nacionalista no âmbito da política externa?
2
Qual foi o objetivo de Shinzo Abe em negar os vínculos entre o exército imperial japonês e a
existência de escravas sexuais coreanas e chineses durante a ocupação dessas regiões na Segunda
Guerra Mundial?
3
Como e porque os governos chinês e sul-coreano reagiram a essas declarações do então primeiro-
ministro japonês?

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Questionário sobre o documentário
Questionário sobre o documentárioQuestionário sobre o documentário
Questionário sobre o documentário
Zé Knust
 
Surgimento e expansão do cristianismo
Surgimento e expansão do cristianismoSurgimento e expansão do cristianismo
Surgimento e expansão do cristianismo
Zé Knust
 
Instruções para o seminário sobre islamofobia
Instruções para o seminário sobre islamofobiaInstruções para o seminário sobre islamofobia
Instruções para o seminário sobre islamofobia
Zé Knust
 
Atividade 3 - relatório sobre documentário
Atividade 3 - relatório sobre documentárioAtividade 3 - relatório sobre documentário
Atividade 3 - relatório sobre documentário
Zé Knust
 
Introdução a história objetivas
Introdução a história   objetivasIntrodução a história   objetivas
Introdução a história objetivas
Zé Knust
 
Questões de vestibular - África e tráfico de escravos
Questões de vestibular - África e tráfico de escravosQuestões de vestibular - África e tráfico de escravos
Questões de vestibular - África e tráfico de escravos
Zé Knust
 
Questões de vestibulares e ENEM sobre o Mediterrâneo antigo
Questões de vestibulares e ENEM sobre o Mediterrâneo antigoQuestões de vestibulares e ENEM sobre o Mediterrâneo antigo
Questões de vestibulares e ENEM sobre o Mediterrâneo antigo
Zé Knust
 
Introdução ao estudo de História
Introdução ao estudo de HistóriaIntrodução ao estudo de História
Introdução ao estudo de História
Alex Ferreira dos Santos
 
Lista 1 exercicios
Lista 1 exerciciosLista 1 exercicios
Lista 1 exercicios
Fernanda Firmino
 
O significado do sucesso da pregação de maomé bernard lewis
O significado do sucesso da pregação de maomé   bernard lewisO significado do sucesso da pregação de maomé   bernard lewis
O significado do sucesso da pregação de maomé bernard lewis
Zé Knust
 
O suceso da expansão árabe, Albert Hourani
O suceso da expansão árabe, Albert HouraniO suceso da expansão árabe, Albert Hourani
O suceso da expansão árabe, Albert Hourani
Zé Knust
 
A fase mais recente do orientalismo, Edward Said
A fase mais recente do orientalismo, Edward SaidA fase mais recente do orientalismo, Edward Said
A fase mais recente do orientalismo, Edward Said
Zé Knust
 
Apostila Nazi-Fascismo
Apostila Nazi-FascismoApostila Nazi-Fascismo
Apostila Nazi-Fascismo
Marco Vinícius Moreira Lamarão'
 
Não tem dinheiro, Helil?
Não tem dinheiro, Helil? Não tem dinheiro, Helil?
Não tem dinheiro, Helil?
Marco Vinícius Moreira Lamarão'
 
Sabinada... Trabalho. AçãO 1 Taquara (101 R ) 3
Sabinada... Trabalho. AçãO 1 Taquara (101 R ) 3Sabinada... Trabalho. AçãO 1 Taquara (101 R ) 3
Sabinada... Trabalho. AçãO 1 Taquara (101 R ) 3
Marco Vinícius Moreira Lamarão'
 
(2014 02) evolução salarial - itaboraí (mai.1998-fev.2014 - sem incorporações)
(2014 02) evolução salarial - itaboraí (mai.1998-fev.2014 - sem incorporações)(2014 02) evolução salarial - itaboraí (mai.1998-fev.2014 - sem incorporações)
(2014 02) evolução salarial - itaboraí (mai.1998-fev.2014 - sem incorporações)
Marco Vinícius Moreira Lamarão'
 
A mineraçaõ no Brasil Colônia.
A mineraçaõ no Brasil Colônia. A mineraçaõ no Brasil Colônia.
A mineraçaõ no Brasil Colônia.
Marco Vinícius Moreira Lamarão'
 
Apostila.modulo x. independencia do brasil
Apostila.modulo x. independencia do brasilApostila.modulo x. independencia do brasil
Apostila.modulo x. independencia do brasil
Marco Vinícius Moreira Lamarão'
 
Apostila complementar módulo 4
Apostila complementar módulo 4Apostila complementar módulo 4
Apostila complementar módulo 4
Marco Vinícius Moreira Lamarão'
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Marco Vinícius Moreira Lamarão'
 

Destaque (20)

Questionário sobre o documentário
Questionário sobre o documentárioQuestionário sobre o documentário
Questionário sobre o documentário
 
Surgimento e expansão do cristianismo
Surgimento e expansão do cristianismoSurgimento e expansão do cristianismo
Surgimento e expansão do cristianismo
 
Instruções para o seminário sobre islamofobia
Instruções para o seminário sobre islamofobiaInstruções para o seminário sobre islamofobia
Instruções para o seminário sobre islamofobia
 
Atividade 3 - relatório sobre documentário
Atividade 3 - relatório sobre documentárioAtividade 3 - relatório sobre documentário
Atividade 3 - relatório sobre documentário
 
Introdução a história objetivas
Introdução a história   objetivasIntrodução a história   objetivas
Introdução a história objetivas
 
Questões de vestibular - África e tráfico de escravos
Questões de vestibular - África e tráfico de escravosQuestões de vestibular - África e tráfico de escravos
Questões de vestibular - África e tráfico de escravos
 
Questões de vestibulares e ENEM sobre o Mediterrâneo antigo
Questões de vestibulares e ENEM sobre o Mediterrâneo antigoQuestões de vestibulares e ENEM sobre o Mediterrâneo antigo
Questões de vestibulares e ENEM sobre o Mediterrâneo antigo
 
Introdução ao estudo de História
Introdução ao estudo de HistóriaIntrodução ao estudo de História
Introdução ao estudo de História
 
Lista 1 exercicios
Lista 1 exerciciosLista 1 exercicios
Lista 1 exercicios
 
O significado do sucesso da pregação de maomé bernard lewis
O significado do sucesso da pregação de maomé   bernard lewisO significado do sucesso da pregação de maomé   bernard lewis
O significado do sucesso da pregação de maomé bernard lewis
 
O suceso da expansão árabe, Albert Hourani
O suceso da expansão árabe, Albert HouraniO suceso da expansão árabe, Albert Hourani
O suceso da expansão árabe, Albert Hourani
 
A fase mais recente do orientalismo, Edward Said
A fase mais recente do orientalismo, Edward SaidA fase mais recente do orientalismo, Edward Said
A fase mais recente do orientalismo, Edward Said
 
Apostila Nazi-Fascismo
Apostila Nazi-FascismoApostila Nazi-Fascismo
Apostila Nazi-Fascismo
 
Não tem dinheiro, Helil?
Não tem dinheiro, Helil? Não tem dinheiro, Helil?
Não tem dinheiro, Helil?
 
Sabinada... Trabalho. AçãO 1 Taquara (101 R ) 3
Sabinada... Trabalho. AçãO 1 Taquara (101 R ) 3Sabinada... Trabalho. AçãO 1 Taquara (101 R ) 3
Sabinada... Trabalho. AçãO 1 Taquara (101 R ) 3
 
(2014 02) evolução salarial - itaboraí (mai.1998-fev.2014 - sem incorporações)
(2014 02) evolução salarial - itaboraí (mai.1998-fev.2014 - sem incorporações)(2014 02) evolução salarial - itaboraí (mai.1998-fev.2014 - sem incorporações)
(2014 02) evolução salarial - itaboraí (mai.1998-fev.2014 - sem incorporações)
 
A mineraçaõ no Brasil Colônia.
A mineraçaõ no Brasil Colônia. A mineraçaõ no Brasil Colônia.
A mineraçaõ no Brasil Colônia.
 
Apostila.modulo x. independencia do brasil
Apostila.modulo x. independencia do brasilApostila.modulo x. independencia do brasil
Apostila.modulo x. independencia do brasil
 
Apostila complementar módulo 4
Apostila complementar módulo 4Apostila complementar módulo 4
Apostila complementar módulo 4
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 

Mais de Zé Knust

O mediterrâneo antigo
O mediterrâneo antigoO mediterrâneo antigo
O mediterrâneo antigo
Zé Knust
 
O surgimento da agricultura e do Estado
O surgimento da agricultura e do EstadoO surgimento da agricultura e do Estado
O surgimento da agricultura e do Estado
Zé Knust
 
Povoamento da américa
Povoamento da américaPovoamento da américa
Povoamento da américa
Zé Knust
 
Origem da humanidade
Origem da humanidadeOrigem da humanidade
Origem da humanidade
Zé Knust
 
Introdução à história
Introdução à históriaIntrodução à história
Introdução à história
Zé Knust
 
Os europeus na áfrica e o tráfico de escravos
Os europeus na áfrica e o tráfico de escravosOs europeus na áfrica e o tráfico de escravos
Os europeus na áfrica e o tráfico de escravos
Zé Knust
 
Povos e reinos africanos (séculos VII-XVI)
Povos e reinos africanos (séculos VII-XVI)Povos e reinos africanos (séculos VII-XVI)
Povos e reinos africanos (séculos VII-XVI)
Zé Knust
 
Atividades sobre povos e reinos africanos
Atividades sobre povos e reinos africanosAtividades sobre povos e reinos africanos
Atividades sobre povos e reinos africanos
Zé Knust
 
Questões de vestibular povos nativos
Questões de vestibular   povos nativosQuestões de vestibular   povos nativos
Questões de vestibular povos nativos
Zé Knust
 
Atividades sobre os povos nativos da américa
Atividades sobre os povos nativos da américaAtividades sobre os povos nativos da américa
Atividades sobre os povos nativos da américa
Zé Knust
 
Os povos nativos da américa
Os povos nativos da américaOs povos nativos da américa
Os povos nativos da américa
Zé Knust
 
Exercícios de vestibular sobre reformas religiosas
Exercícios de vestibular sobre reformas religiosasExercícios de vestibular sobre reformas religiosas
Exercícios de vestibular sobre reformas religiosas
Zé Knust
 
Atividades sobre reforma protestante
Atividades sobre reforma protestanteAtividades sobre reforma protestante
Atividades sobre reforma protestante
Zé Knust
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
Zé Knust
 
Questões de vestibular sobre Renascimento
Questões de vestibular sobre RenascimentoQuestões de vestibular sobre Renascimento
Questões de vestibular sobre Renascimento
Zé Knust
 

Mais de Zé Knust (15)

O mediterrâneo antigo
O mediterrâneo antigoO mediterrâneo antigo
O mediterrâneo antigo
 
O surgimento da agricultura e do Estado
O surgimento da agricultura e do EstadoO surgimento da agricultura e do Estado
O surgimento da agricultura e do Estado
 
Povoamento da américa
Povoamento da américaPovoamento da américa
Povoamento da américa
 
Origem da humanidade
Origem da humanidadeOrigem da humanidade
Origem da humanidade
 
Introdução à história
Introdução à históriaIntrodução à história
Introdução à história
 
Os europeus na áfrica e o tráfico de escravos
Os europeus na áfrica e o tráfico de escravosOs europeus na áfrica e o tráfico de escravos
Os europeus na áfrica e o tráfico de escravos
 
Povos e reinos africanos (séculos VII-XVI)
Povos e reinos africanos (séculos VII-XVI)Povos e reinos africanos (séculos VII-XVI)
Povos e reinos africanos (séculos VII-XVI)
 
Atividades sobre povos e reinos africanos
Atividades sobre povos e reinos africanosAtividades sobre povos e reinos africanos
Atividades sobre povos e reinos africanos
 
Questões de vestibular povos nativos
Questões de vestibular   povos nativosQuestões de vestibular   povos nativos
Questões de vestibular povos nativos
 
Atividades sobre os povos nativos da américa
Atividades sobre os povos nativos da américaAtividades sobre os povos nativos da américa
Atividades sobre os povos nativos da américa
 
Os povos nativos da américa
Os povos nativos da américaOs povos nativos da américa
Os povos nativos da américa
 
Exercícios de vestibular sobre reformas religiosas
Exercícios de vestibular sobre reformas religiosasExercícios de vestibular sobre reformas religiosas
Exercícios de vestibular sobre reformas religiosas
 
Atividades sobre reforma protestante
Atividades sobre reforma protestanteAtividades sobre reforma protestante
Atividades sobre reforma protestante
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
 
Questões de vestibular sobre Renascimento
Questões de vestibular sobre RenascimentoQuestões de vestibular sobre Renascimento
Questões de vestibular sobre Renascimento
 

Último

Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 

Último (20)

Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 

Notícia 2 - Shinzo abe completa seis meses no governo japonês, com baixa popularidade

  • 1. Atividade 2: Estudo dos usos políticos da História Questionário sobre uma notícia de jornal lida em sala 1º Bimestre – Data: ____/_____/________ Componentes do Grupo Turma: __________ NOTÍCIA 2 Shinzo Abe completa seis meses no governo japonês, com baixa popularidade Patrícia Souza G1 26/03/2007 - http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,AA1500154-5602,00.html Shinzo Abe completa hoje seis meses à frente do Governo japonês, com baixa popularidade em seu curto mandato, caracterizado por uma agenda nacionalista no âmbito da política externa que inquieta os países vizinhos. Em 26 de setembro, quando o Parlamento o escolheu como primeiro-ministro dias após ser designado líder do governamental Partido Liberal-Democrata (PLD), Abe tinha apoio popular de 67%. Atualmente, esse número é de 35%, segundo pesquisa do jornal "Mainichi Shimbun". Cresceu de 16% para 42% a porcentagem dos japoneses que desaprovam o atual Gabinete japonês, prejudicado pelo maior carisma do primeiro-ministro anterior, Junichiro Koizumi, cujos níveis de popularidade variavam em torno de 60%. (...) No primeiro semestre à frente do Executivo, Abe defendeu linha dura na negociação com a Coréia do Norte, maior papel para o Japão no contexto internacional e a revisão do regime imposto ao país após a Segunda Guerra Mundial, que inclui reformar a Constituição pacifista que limita o uso da força militar. Abe deu mostras de querer mudar a forma como o Japão é percebido no mundo, apesar de algumas de suas posições e comentários sobre a história recente tenham gerado alarme. O político, neto de primeiro-ministro e filho de ministro, começou o mandato com uma simbólica viagem à China para acabar com antigas rivalidades, e seguiu com uma viagem pela Europa, deixando de lado seu principal aliado, os Estados Unidos, que não deve visitar até abril. No entanto, o primeiro-ministro japonês trouxe à tona velhos fantasmas quando, há algumas semanas, disse que não há provas de que o Exército Imperial japonês tenha "forçado" escravas sexuais coreanas e chinesas na época da Segunda Guerra Mundial, posição que manteve apesar das críticas recebidas também de vários setores nos Estados Unidos. Abe negou os vínculos entre as autoridades japonesas e as "mulheres de conforto", eufemismo para definir as prostitutas forçadas asiáticas antes e durante a Segunda Guerra Mundial, mas disse que manteria a declaração de 1993 pela qual o Governo japonês pediu desculpas pelo ocorrido. As declarações criaram polêmica internacional e, como consequência, os Governos chinês e sul-coreano - os mais diretamente afetados - pediram que o Japão assumisse a responsabilidade e deixasse de negar a história. (...)
  • 2. QUESTÕES SOBRE O TEXTO: 1 Qual foi a relação entre a baixa popularidade que o primeiro-ministro Shinzo Abe enfrentava nesse período e sua insistência em uma agenda nacionalista no âmbito da política externa? 2 Qual foi o objetivo de Shinzo Abe em negar os vínculos entre o exército imperial japonês e a existência de escravas sexuais coreanas e chineses durante a ocupação dessas regiões na Segunda Guerra Mundial? 3 Como e porque os governos chinês e sul-coreano reagiram a essas declarações do então primeiro- ministro japonês?