O mediterrâneo antigo

881 visualizações

Publicada em

Slides para revisão sobre o Mediterrâneo na Idade do Ferro

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
881
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
295
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O mediterrâneo antigo

  1. 1. O MEDITERRÂNEO ANTIGO Professor José Knust
  2. 2. História Antiga? De quem? O Mediterrâneo foi o espaço geográfico onde se desenvolveu a história de duas “Civilizações” (a Grega e a Romana) que junto com as “Civilizações” antigas do Crescente Fértil (Egito e Mesopotâmia) tradicionalmente compõem o conteúdo da “História Antiga”. Contudo, como podemos chamar de “História Antiga” a História que se desenrola em apenas um lugar muito particular do mundo? Os chineses não tem História Antiga? Os povos nativos da América não tem História Antiga? Os africanos só tem História Antiga no Egito? Não podemos fingir que é universal uma história que é apenas de uma parte do mundo. Além disso, as antigas Grécia e Roma são muitas vezes consideradas como o “berço” da “Civilização Ocidental”. Contudo, veremos que isso tem mais relação com a forma como o passado grego e romano foram “apropriados” e lidos pelos europeus de momentos posteriores da história (especialmente depois do “Renascimento”) do que com a própria história grega e romana. Divisões tradicionais da História Universal e da História do Brasil: repare no ponto de vista dos europeus sobre essas histórias.
  3. 3. Mediterrâneo: entre Europa,África e Ásia. A “História Antiga”, em especial a história da Grécia e Roma antigas é normalmente identificada como um passado da Europa. Isso pode parecer correto a princípio: Atenas, Esparta, Roma e outras grandes cidades dessa história ficam no continente europeu. Contudo, a história dessas cidades está intimamente ligada às relações com outras partes do litoral mediterrânico, tanto no Norte da África quanto no Oriente Médio. Não dá para pensar uma “História da Europa” separada da conexão com essas outras regiões.
  4. 4. As integrações do Mediterrâneo na História Litoral com pequenas planícies circundadas por montanhas ou desertos: mundo de “microrregiões”. Mar fechado de fácil navegação, especialmente na primavera e verão: conexões entre as regiões. Pré-História Existem indícios de algum nível de contatos entre diferentes povos do Mediterrâneo já no Paleolítico. Obsidianas (um tipo de pedra muito útil para fazer lâminas) de mais de 10 mil anos retiradas da ilha de Melos são encontradas em várias regiões diferentes. Idade do Bronze Desenvolveram-se várias cidades, templos e palácios ricos e poderosos na região oriental do Mediterrâneo entre 3000 e 1000 a.C.. Contatos entre o Egito Faraônico, os povos do Levante e da Mesopotâmia, os Hititas e os povos do Egeu (Minóicos e Micênicos) se intensificaram a partir de 1800 a.C.. Por volta de 1100 a.C., contudo, ocorreu uma grande crise desses povos, levando a uma desintegração entre eles. Geografia do Mediterrâneo e necessidade dos contatos: Poucos grandes rios para irrigação (Nilo é a exceção) e chuvas irregulares: crises agrícolas frequentes. Necessidade de diversificar, estocar e trocar a produção agrícola: mundo conectado. A história das (des)integrações do Mediterrâneo Ventos no Mediterrâneo: antes das embarcações a motor, determinavam as rotas mais fáceis e rápidas de navegação.
  5. 5. O MEDITERRÂNEO NA IDADE DO FERRO
  6. 6. A “Revolução do Ferro” A partir de por volta do ano 1000 a.C. sinais da integração entre os diferentes povos do mediterrâneo começam a surgir. Parte importante disso é a difusão de uma nova tecnologia, inventada alguns séculos antes, pelos Hititas: a metalurgia do Ferro. O ferro era um material mais difícil de se trabalhar, mas depois que a técnica se difunde, ele se torna muito mais difundido do que o Bronze era, por ser muito mais comum na natureza do que o cobre e, especialmente, o estanho (usados para fazer o Bronze). Além disso, os objetos de ferro são muito mais resistentes que os de bronze. Além do ferro, outras duas invenções surgem no Mediterrâneo Oriental e depois se difundem por todo a região: o alfabeto e os barcos de grande tonelagem. Um das coisas mais importantes nesse momento é o surgimento de grupos muito poderosos que tiram seu poder do controle sobre a produção e circulação dos produtos do resto da população. O maior indício disso são as grandes e ricas sepulturas encontradas pelos arqueólogos que datam desse período. Hierarquização social: surgimento de elites ricas e poderosas Ferramentas agrícolas da Idade do Ferro Tumba etrusca de Regolini-Galassi (Itália) Tumba etrusca dos Leopardos (Itália)
  7. 7. Movimentos de pessoas, produtos e ideias Um processo histórico importante que surge como consequência dessa integração é a intensificação das migrações entre as diversas regiões do Mediterrâneo. Os conjuntos de migrações mais famosos ficaram conhecidos como “Colonização Fenícia” e “Colonização Grega”. Vários fatores estimulavam essas migrações: a busca por matérias-primas e comércio, aumentos populacionais e falta de terras, conflitos sociais e pobreza. A relação entre os recém-chegados e os “nativos” variava muito: em alguns lugares conviveram pacificamente, em outros se misturam, em outros viveram em guerra permanente. Migrações Tumba etrusca dos Leopardos (Itália) As pessoas que se moviam pelo Mediterrâneo levavam junto produtos típicos de uma região que passavam a ser comuns em outros, assim como ideias. Ainda que a diversidade regional se mantivessem, temos agora produtos e ideias “mediterrânicas”, isto é, que circulam por todo o Mediterrâneo. Circulação de produtos e ideias
  8. 8. A formação das Cidades-Estado Entre 700 e 500 a.C., camponeses não tão pobres passaram a conseguir ter armas de ferro em várias regiões do Mediterrâneo. Isso levou a uma mudança importante na forma da guerra ser travada: a quantidade e a unidade de grandes contingentes de soldados-camponeses (as falanges gregas ou as legiões romanas são os exemplos mais famosos) passaram a se sobrepor às pequenas unidades de soldados aristocratas. Isso ficou conhecido como Revolução Hoplítica (de Hoplita, o típico soldado-camponês grego) e teve impactos importantes na organização política. Capazes de resistir ao poder dos aristocratas e a controlar suas terras, esses camponeses se tornaram a base de comunidades políticas mais horizontais, igualitárias, que deram origem às cidades-Estado. A típica falange grega, formada pelos Hoplitas As mudanças na propriedade da terra e a intensificação da agricultura estimularam uma preocupação maior com o controle territorial. A delimitação de territórios específicos teve relação direta com a construção de grandes templos e santuários tanto no centro dessas cidades como nas fronteiras (que marcam o controle da comunidade sobre o território). Em muitos casos, essas transformações estiveram ligadas a um processo geográfico de urbanização. Pessoas que viviam antes em pequenas aldeias camponesas passaram a viver em centros urbanos maiores. Esse processo ficou conhecido como “Sinecismo”. Exemplo de Sinecismo: formação da Cidade- Estado de Nicópolis (na atual Grécia). Sinecismo Fechamento do território
  9. 9. O espaço público e as transformações sociais A realidade de diversas Cidades-estados mediterrânicas é marcada pelo conflito entre grupos populares e os grupos mais poderosos. Em algumas cidades esses conflitos obrigaram a elite a aceitar a maior participação das pessoas comuns nas instâncias de poder. Além disso, garantiu também maior poder paras as instituições ligadas ao povo, como as Assembleias e os Tribunais. Em outros lugares, as classes dominantes conseguiram suprimir as revoltas populares e concentraram o poder em instituições que eles controlavam. Uma variável importante nesses conflitos sempre foi o papel do povo no exército: em lugares em que a marinha, composta muitas vezes por cidadãos pobres era importante, o povo muitas vezes conseguiu se impor no jogo político. Lugares com um exército poderoso de camponeses-soldados também sempre se viam na situação de o povo impor-se. Em lugares em que os exércitos eram formados por mercenários, por outro lado, muitas vezes os poderosos conseguiram jogar o povo para escanteio no jogo político. Uma consequência importante do poder popular no espaço público foi a necessidade dos poderosos de cada cidade de ganharem a simpatia popular e demonstrarem não apenas sua força e poder, mas também seu interesse pelo bem de todos. Uma das práticas que essa realidade estimulou foi o evergetismo: o financiamento pela elite de coisas públicas, como prédios, navios e armas de guerra, festivais religiosos, etc.. Esses espaços públicos eram os locais fundamentais para o exercício da Política. A importância do espaço público e do debate público tornou fundamental o desenvolvimento de argumentos mais elaborados. A necessidade de ganhar dos adversários não apenas na força física, mas também no debate de ideias, foi o embrião do desenvolvimento da teoria política e da filosofia. O centro urbano da Cidade de Atenas: Espaços como esse se tornaram nas cidades- estado do Mediterrâneo Antigo um local privilegiado para a atuação política tanto dos grupos poderosos quanto das pessoas comuns. Enquanto aqueles construíam grandes obras e bancavam grandes festividades para demonstrar seu poder, o povo se reunia em espaços públicos para discutir os temas relevantes para a Cidade. A Agora, espécie de praça central das cidades gregas, era o local central para essa atuação política do povo comum. No caso de Atenas, especificamente, a população de cidadãos era tão grande que precisou passar a se reunir em outro lugar, a colina da Pnyx.
  10. 10. As “constituições” políticas do Mediterrâneo Antigo A cidade de Atenas ficou conhecida pelo seu sistema democrático, baseado na importância dada à Assembleia e à definição dos cargos políticos por sorteio. Tal democracia foi resultado de conflitos sociais entre a aristocracia da cidade e a população comum, que conseguiu impor àqueles um sistema político no qual a decisão da maioria dos cidadãos definia os rumos da política da cidade. Atenas e a Democracia Esparta e a Oligarquia Roma e a “Constituição mista” Cada Cidade-Estado se organizava politicamente de uma maneira diferente.Tradicionalmente se fala em três grandes modelos, exemplificados abaixo, ainda que muitas outras realidades existissem em várias cidades. A grande rival de Atenas, Esparta, ficou conhecida pela Oligarquia (governo de poucos). Os cidadãos que podiam participar das decisões eram uma ínfima minoria dentro do território. Esse quadro se estabeleceu a partir da conquista pelos espartanos de várias regiões próximas à cidade original. As populações dessas regiões se tornaram cidadãos de segunda classe, quase sem direitos (os periecos) ou servos que trabalhavam para os espartanos (os hilotas). A cidade de Roma possuía um modelo mais complexo, com várias Assembleias que tinham poder mas nas quais o peso do povo comum era diminuído. Além disso, a elite controlava os principais cargos. Esse sistema foi chamado pelo historiador Políbio de “misto”, porque teria elementos democráticos (o poder das Assembleias), da Oligarquia (o poder do Senado) e mesmo monárquicos (poder dos cônsules, os magistrados mais importantes).
  11. 11. As “constituições” políticas do Mediterrâneo Antigo Siracusa Cartago Macedônia Para além desses três modelos tradicionais, é possível identificar muitas outras realidades políticas no Mediterrâneo Antigo – inclusive regiões que não se organizavam como Cidades-estado. Mercenários também foram importantes no exército de Cartago. Contudo, como a Marinha cartaginesa era um pilar fundamental do poder militar da cidade e era formado basicamente por cidadãos, a população comum de Cartago conseguiu manter o regime político mais aberto na cidade. Siracusa foi fundada por colonos gregos ainda no século VIII a.C.. Novas levas de migrantes vindos de vários lugares nos séculos seguintes foram importantes para torna-la uma das maiores cidades do Mediterrâneo na época. Depois de um período inicial em que a população mais pobre conseguiu impor um sistema democrático, Siracusa foi conquistada e governa por uma série de “Tiranos”, governante com poder concentrado em suas mãos. O poder de tais tiranos vinha, sobretudo, do seu controle sobre grandes exércitos de mercenários, antecipando um processo que pouco depois mudaria a história do Mediterrâneo. Em diversas regiões menos urbanizadas do Mediterrâneo houve a formação de formas distintas de organização política. Em muitos casos, elites locais (rurais ou de pequenas cidade) se articulavam e controlavam vastos territórios rurais. O caso mais famoso é o dos Macedônios.
  12. 12. RELAÇÕES SOCIAIS NO MEDITERRANEO ANTIGO
  13. 13. Escravidão e outras formas de trabalho compulsório Na nossa sociedade, as pessoas são todas iguais perante à lei – isto é, existe uma igualdade jurídica. Por outro lado, algumas pessoas controlam propriedade daquilo que é necessário para realizar a produção, e portanto aqueles que não tem (os proletários) precisam vender sua força de trabalho em troca de um salário que garanta sua sobrevivência. Trabalhar em troca de um salário para viver, algo que nos parece a coisa mais natural do mundo, é uma característica fundamental da nossa sociedade. Contudo, nem sempre foi assim. No Mediterrâneo antigo, por exemplo, a maior parte da população era composta por camponeses que tinham, em algum nível, acesso à propriedade daquilo que era mais importante para sua produção: a terra para agricultura. Por conta disso, eles não precisavam obter um salário para sobreviver. Podiam eventualmente trabalhar em troca de um salário para obter uma renda extra, mas sua sobrevivência era garantida pelo trabalho em suas terras. Por outro lado, não existia uma igualdade jurídica entre todos. Muitos pessoas acabavam sendo submetidas a formas de trabalho compulsório (isto é, obrigatório). A mais extrema dessas formas era a escravidão, que fazia de pessoas uma mercadoria que podia ser vendida, comprada, alugada, herdade, como se fosse um objeto qualquer. O trabalho dessas pessoas era a base para a riqueza das classes dominantes das diversas regiões do Mediterrâneo antigo. Diversidade de situações dos escravos Uma das características fundamentais da escravidão é justamente a possibilidade de um senhor utilizar um de seus escravos em qualquer condição. Existiam escravos vivendo nas piores condições possíveis, trabalhando de maneira desumana em minas de prata, por exemplo. Escravos que trabalhavam na casa de seu senhor costumavam ter mais oportunidades de melhora na vida (e até mesmo de liberdade), mas estavam sempre também mais sujeitos à violência dos seus donos. Por fim, alguns poucos escravos se viam Os escravos não aceitavam passivamente sua situação. Se na maior parte do tempo não tinham condições de se rebelar, muitas vezes eles buscavam formas cotidianas de resistência, como se negar a fazer algumas ordens ou trabalhar de maneira improdutiva. Ademais, muitas vezes os escravos fugiam, se reuniam em comunidades de fugitivos ou se estabeleciam em lugares em que as pessoas não soubessem que fossem escravos e viviam assim por algum tempo – até eventualmente serem capturados ou não. Por fim, em condições específicas, raras mas muito importantes, os escravos se rebelevam, formavam exércitos de escravos e lutavam contra seus senhores. Resistência dos escravos A mais importante revolta de escravos no Mediterrâneo Antigo foi a revolta de Espártaco, que aconteceu entre 73 e 71 a.C. no sul da Itália.
  14. 14. Existiam povos muito diversos vivendo no Mediterrâneo antigo, e em cada uma dessas diferentes sociedades as formas de classificação de gênero e de sexualidade variavam muito. O caso mais famoso e sobre o qual temos mais informações é o das cidades gregas. Mesmo entre estas existia muita variação em como essas coisas eram pensadas, mas vale a pena destacar alguns aspectos importantes sobre o mundo grego antigo. Gênero e Sexualidade no Mediterrâneo antigo A forma como as pessoas que nascem biologicamente do sexo masculino e do sexo feminino são socialmente enquadradas e se identificam tanto em termos de gênero e seus papeis sociais quanto em termos de sexualidade variam enormemente na História. Nesse sentido, em primeiro lugar é preciso entender a diferença entre “Sexo Biológico”, “Gênero” e “Sexualidade”: “Sexo Biológico” diz respeito às diferenças anatômicas existentes entre machos, fêmeas e hermafroditas das diferentes espécies biológicas; “Gênero” se refere à forma como as pessoas se identificam e são enquadradas socialmente em diferentes modelos sociais (que variam de sociedade para sociedade e ao longo da história); “Sexualidade”, por fim, diz respeito às afetividades e atrações emocionais e sexuais que uma pessoa desenvolve ao longo da sua vida – e as etiquetas que usamos para classificar esses desejos também variam historicamente. As principais formas como a nossa sociedade categoriza Expressão e identidade de gênero e Orientação sexual.
  15. 15. Sexualidade no mundo grego Os gregos não classificavam as pessoas a partir das orientações sexuais da mesma maneira que a nossa sociedade faz: acima de tudo, não existia a distinção entre Heterossexualidade e Homossexualidade. A distinção entre os comportamentos sexuais não tinha como ponto fundamental o gênero das pessoas que se envolviam sexualmente, mas sim seu status social. O ponto fundamental para os gregos era a distinção entre ativos e passivos na relação sexual (definida pela penetração sexual): alguém de maior status sempre deveria ser o ativo, sendo vergonhoso estar na posição de passividade em uma relação com alguém inferior socialmente. Por sua vez, alguém visto como socialmente inferior assumir o papel de passivo em uma relação não era visto como reprovável. O status era determinado por vários elementos: idade (adultos x jovens), estatuto jurídico (livres x escravos) e gênero (homens x mulheres). Dessa forma, um jovem rapaz se relacionar sexualmente como passivo com um homem mais velho era visto como normal pelos gregos, mas o contrário seria reprovado socialmente. É nesse sentido que se fala hoje que entre os gregos a homossexualidade era vista como normal. Contudo, é preciso entender isso melhor: para os gregos, não existia nem mesmo a ideia de homossexualidade. Existem, tanto na literatura quanto nas artes visuais gregas, inúmeras referências às relações sexuais entre homens. Relações entre mulheres não são tão mencionadas, mas isso provavelmente é resultado do fato de a maioria das obras gregas que conhecemos terem sido escritas ou pintadas por homens. Na literatura de Safo, poetisa grega da ilha de Lesbos no século VII a.C., existem muitas referências à relações sexuais entre mulheres (ainda que a identificação da palavra “Lésbica” com a homossexualidade feminina seja obra do século XIX – até porque não havia a ideia de homossexualidade na Grécia Antiga). Relações sexuais na arte grega Mural na “Tumba do Mergulhador”, na antiga colônia grega de Paestum, sul da Itália. Repare que há a indicação clara na representação dos casais de amantes de uma hierarquia etária entre eles (em ambos os casos um apresenta barba e outro não).
  16. 16. Gênero no mundo grego De maneira geral, as mulheres não tinham direitos políticos oficiais. Mesmo nas cidades democráticas (ou até, principalmente nelas) as mulheres não participavam das instituições políticas, como a Assembleia e os Tribunais. Além disso, na maioria dos casos as mulheres estavam submetidas ao poder de seus pais ou de seus maridos. Isso não significa que as mulheres fossem apenas passivas e aceitassem um papel secundário na sociedade. Viúvas, por exemplo, tinham independência financeira e social em várias sociedades mediterrânicas. Esposas acabavam tendo muita influência sobre seus maridos, assim como mães sobre filhos em outras situações. Por fim, as mulheres acabavam travando relações sociais que fugiam das prisões que a sociedade misógina tentava lhes impor. Sobretudo no campo religioso, as mulheres tinham um papel muito ativo na sociedade. De toda forma, a condição das mulheres variava muito dependendo das diferentes cidades do Mediterrâneo, então vale a pena ver algumas particularidades. Atenas Esparta A sociedade ateniense era extremamente misógina. As mulheres não só não podiam participar da política: não podiam ter propriedades e estavam sempre sob a tutela de um parente masculino ou do marido (sempre escolhido pelo pai ou parente masculino mais próximo). Mesmo sua movimentação fora de casa era muito limitada. Por outro lado, em esparta as mulheres recebiam rigoroso treinamento físico, entendido como necessário para gerarem e criarem filhos que seriam bons soldados. Além disso, elas tinham grande liberdade de movimento e podiam ter propriedades por sua própria conta. Modelo de uma casa típica grega mostra o Gineceu: cômodo específico para as mulheres da casa. A sociedade ateniense tentava conter suas mulheres à este tipo de espaço. Cena representando um Gineceu pintado em um vaso grego antigo.
  17. 17. A “Cultura Clássica” A integração do Mediterrâneo fez várias ideias e práticas sociais circularem e se tornarem muito comuns em vários lugares. Cultos e divindades, línguas, obras literárias, formas arquitetônicas, maneiras de realizar uma refeição foram algumas das ideias que circularam no Mediterrâneo. Muitas ideias de origem grega, como a própria língua grega, algumas de suas divindades e formas artísticas (como seu tipo de escultura e arquitetura) foram adaptadas por diversos povos do Mediterrâneo. Essa influência cultural grega se chamou de “Helenização”. A associação dessa cultura “Helenizada” com elementos da cultura romana deu origem ao que os europeus a partir do renascimento chamaram de “Cultura Clássica”, ou “Cultura Greco-Romana”. Os europeus de períodos posteriores transformaram a história e a cultura de gregos e romanos da Antiguidade em seus “mitos de origem”, isto é, como se eles fossem herdeiros diretos desses povos. Interações culturais e “Helenização” A “Tradição Clássica” O Partenon, em Atenas, é o mais conhecido exemplo da típica arquitetura de templos grega, encontrada em diversos lugares do Mediterrâneo. O “Guerreiro ferido”, escultura no templo de Afaia: um bom exemplo da escultura clássica grega. Esse tipo de escultura também se difundiu pelo Mediterrâneo.

×