SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Textos Autobiográficos
        O diário
  O Diário de Anne Frank
Escrever um diário? Porquê?

• Situação anormal e impressionante

• Experiência profissional estimulante

• Exercício intelectual

• Anotações de incidentes ou
 impressões de uma viagem
Principais características do texto
        diarístico (características
          linguísticas e formais )
• narrador que se assume na 1ªpessoa
• registo do quotidiano
• diário como forma de desabafo/alívio
• relato de vivências, pensamentos,
  emoções e sentimentos
• privacidade, intimismo, secretismo
• confessionalismo
• criação de um destinatário ficcional
O Diário de Anne Frank
  Sábado, 20 de Junho de 1942
  Durante uns dias não escrevi nada porque, primeiro, quis pensar seriamente na finalidade
e no sentido de um diário. Experimento uma sensação singular ao escrever o meu diário.
Não é só por nunca ter escrito, suponho que, mais tarde, nem eu nem ninguém achará
interesse nos desabafos de uma rapariga de treze anos. Mas, na realidade, tudo isso não
importa. Apetece-me escrever e quero aliviar o meu coração de todos os pesos. O papel é
mais paciente do que os homens. Era nisso que eu pensava muitas vezes quando, nos meus
dias melancólicos, punha a cabeça entre as mãos e sem saber o que havia de fazer comigo.
Ora queria ficar em casa, ora queria sair e, a maior parte das vezes, ficava a cismar sem sair
do sítio. Sim, o papel é paciente! E não tenciono mostrar este caderno com o nome
pomposo de Diário seja a quem for, a não ser que venha a encontrar na minha vida o tal
grande amigo ou a tal grande amiga. (...)E pronto!, cheguei ao ponto principal de todas
estas considerações: não tenho uma verdadeira amiga! (...) Com todos os meus numerosos
conhecidos, só consigo fazer tolices ou falar sobre coisas banais. Não me é possível abrir-
me, sinto-me como que abotoada. Pode ser que esta falta de confiança seja defeito meu.
Mas não há nada a fazer e tenho pena de não poder modificar as coisas. Por tudo isto é que
escrevo um diário. E para evocar na minha fantasia a ideia da amiga há tanto tempo
desejada, não quero, como qualquer pessoa, assentar só factos. Este diário é que há de ser
a minha amiga, e vou-lhe pôr-lhe um nome. Essa amiga chama-se Kitty.
                  FRANK, Anne - Diário de Anne Frank. Lisboa: Livros do Brasil, 1984 (fragmento com supressões)
O Diário de Anne Frank. Exercícios.
Transcreve do texto marcas de:

  Narrador que se assume na 1ª pessoa;
  Registo do quotidiano;
  Diário como forma de desabafo/alívio;
  Relato de vivências, pensamentos, emoções e sentimentos;
  Privacidade, intimismo, secretismo;
  Confessionalismo;
  Criação de um destinatário ficcional.
O Diário de Anne Frank
  Sábado, 20 de Junho de 1942
  Durante uns dias não escrevi nada porque, primeiro, quis pensar seriamente na finalidade
e no sentido de um diário. Experimento uma sensação singular ao escrever o meu diário.
Não é só por nunca ter escrito, suponho que, mais tarde, nem eu nem ninguém achará
interesse nos desabafos de uma rapariga de treze anos. Mas, na realidade, tudo isso não
importa. Apetece-me escrever e quero aliviar o meu coração de todos os pesos. O papel é
mais paciente do que os homens. Era nisso que eu pensava muitas vezes quando, nos meus
dias melancólicos, punha a cabeça entre as mãos e sem saber o que havia de fazer comigo.
Ora queria ficar em casa, ora queria sair e, a maior parte das vezes, ficava a cismar sem sair
do sítio. Sim, o papel é paciente! E não tenciono mostrar este caderno com o nome
pomposo de Diário seja a quem for, a não ser que venha a encontrar na minha vida o tal
grande amigo ou a tal grande amiga. (...)E pronto!, cheguei ao ponto principal de todas
estas considerações: não tenho uma verdadeira amiga! (...) Com todos os meus numerosos
conhecidos, só consigo fazer tolices ou falar sobre coisas banais. Não me é possível abrir-
me, sinto-me como que abotoada. Pode ser que esta falta de confiança seja defeito meu.
Mas não há nada a fazer e tenho pena de não poder modificar as coisas. Por tudo isto é que
escrevo um diário. E para evocar na minha fantasia a ideia da amiga há tanto tempo
desejada, não quero, como qualquer pessoa, assentar só factos. Este diário é que há de ser
a minha amiga, e vou-lhe pôr-lhe um nome. Essa amiga chama-se Kitty.
                  FRANK, Anne - Diário de Anne Frank. Lisboa: Livros do Brasil, 1984 (fragmento com supressões)
Ficha de Leitura
                               (entregar 08-01-2013)


• Capa (identificação da escola, do aluno e da disciplina)
• O autor (biografia de Anne Frank)
• Contextualização espácio-temporal (onde/quando/como e porquê)
• Resumo da obra (Ver regras do resumo)
• As melhores citações (Escolhe algumas e justifica a escolha)
• O meu comentário (Texto argumentativo)
• Fontes consultadas (Bibliografia)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisDina Baptista
 
Estrutura da Notícia
Estrutura da NotíciaEstrutura da Notícia
Estrutura da NotíciasextoD
 
"Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner "Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner inessalgado
 
Relatório dissecação do coração de porco
Relatório dissecação do coração de porcoRelatório dissecação do coração de porco
Relatório dissecação do coração de porcoMaria Freitas
 
Poesia do século XX - 1
Poesia do século XX - 1Poesia do século XX - 1
Poesia do século XX - 1Dina Baptista
 
Gráficos termopluviométricos
Gráficos termopluviométricosGráficos termopluviométricos
Gráficos termopluviométricosTânia Baptista
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaDina Baptista
 
Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeMariaVerde1995
 
Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Conventoguest304ad9
 
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IVAMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IVEmília Maij
 
"A volta ao mundo em 80 dias " por Júlio Verne
"A volta ao mundo em 80 dias " por Júlio Verne"A volta ao mundo em 80 dias " por Júlio Verne
"A volta ao mundo em 80 dias " por Júlio VerneAna Carolina Abreu
 
Pronominalização - exercícios
Pronominalização - exercíciosPronominalização - exercícios
Pronominalização - exercíciosLurdes Augusto
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoLurdes Augusto
 
Texto dramático - características
Texto dramático - característicasTexto dramático - características
Texto dramático - característicasLurdes Augusto
 

Mais procurados (20)

Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Estrutura da Notícia
Estrutura da NotíciaEstrutura da Notícia
Estrutura da Notícia
 
"Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner "Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner
 
A imprensa
A imprensaA imprensa
A imprensa
 
Teste Português Anne Frank (8ºano)
Teste Português Anne Frank (8ºano)Teste Português Anne Frank (8ºano)
Teste Português Anne Frank (8ºano)
 
Relatório dissecação do coração de porco
Relatório dissecação do coração de porcoRelatório dissecação do coração de porco
Relatório dissecação do coração de porco
 
Poesia do século XX - 1
Poesia do século XX - 1Poesia do século XX - 1
Poesia do século XX - 1
 
Gráficos termopluviométricos
Gráficos termopluviométricosGráficos termopluviométricos
Gráficos termopluviométricos
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
 
Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário Verde
 
Conto a Saga 2
Conto a Saga 2Conto a Saga 2
Conto a Saga 2
 
Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Convento
 
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IVAMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
 
"A volta ao mundo em 80 dias " por Júlio Verne
"A volta ao mundo em 80 dias " por Júlio Verne"A volta ao mundo em 80 dias " por Júlio Verne
"A volta ao mundo em 80 dias " por Júlio Verne
 
Pronominalização - exercícios
Pronominalização - exercíciosPronominalização - exercícios
Pronominalização - exercícios
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
 
Texto dramático - características
Texto dramático - característicasTexto dramático - características
Texto dramático - características
 
Resumo a saga
Resumo a sagaResumo a saga
Resumo a saga
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 

Semelhante a Textos autobiográficos

O enigma de Santo Antônio do Paraibuna
O enigma de Santo Antônio do ParaibunaO enigma de Santo Antônio do Paraibuna
O enigma de Santo Antônio do ParaibunaPablo Itaboray
 
padlet-Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor.pdf
padlet-Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor.pdfpadlet-Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor.pdf
padlet-Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor.pdfBibliotecas Escolares AEIDH
 
A bolsa amarela
A bolsa amarelaA bolsa amarela
A bolsa amarelagi_76
 
Ppt unidade 8 ano 2
Ppt unidade 8 ano 2Ppt unidade 8 ano 2
Ppt unidade 8 ano 2michelly
 
Lygia bojunga nunes a bolsa amarela
Lygia bojunga nunes   a bolsa amarelaLygia bojunga nunes   a bolsa amarela
Lygia bojunga nunes a bolsa amarelaEstado do RS
 
À ESPERA NO CENTEIO, Jerome David Salinger
À ESPERA NO CENTEIO, Jerome David SalingerÀ ESPERA NO CENTEIO, Jerome David Salinger
À ESPERA NO CENTEIO, Jerome David SalingerCarolina Sousa
 
Namoro em angola by Lubán Akanda
Namoro em angola by Lubán AkandaNamoro em angola by Lubán Akanda
Namoro em angola by Lubán AkandaAkanda2016
 
Projeto de leitura - proeti -
Projeto de leitura  - proeti -Projeto de leitura  - proeti -
Projeto de leitura - proeti -Josiane Amaral
 
Quando eu não estiver mais aqui - homenagem ao dia dos pais
Quando eu não estiver mais aqui  - homenagem ao dia dos paisQuando eu não estiver mais aqui  - homenagem ao dia dos pais
Quando eu não estiver mais aqui - homenagem ao dia dos paisWilson Carlos Da Silva
 
Tudo que eu devia saber aprendi no Jardim de Infancia - Robert Fulghum
Tudo que eu devia saber aprendi no Jardim de Infancia - Robert FulghumTudo que eu devia saber aprendi no Jardim de Infancia - Robert Fulghum
Tudo que eu devia saber aprendi no Jardim de Infancia - Robert Fulghumlaruzinha
 
Arquivo Secreto
Arquivo SecretoArquivo Secreto
Arquivo SecretoBLOG's REI
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeFabi
 

Semelhante a Textos autobiográficos (20)

O enigma de Santo Antônio do Paraibuna
O enigma de Santo Antônio do ParaibunaO enigma de Santo Antônio do Paraibuna
O enigma de Santo Antônio do Paraibuna
 
padlet-Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor.pdf
padlet-Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor.pdfpadlet-Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor.pdf
padlet-Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor.pdf
 
Deixa-me que te conte... 9º ano - 3º lugar
Deixa-me que te conte... 9º ano - 3º lugarDeixa-me que te conte... 9º ano - 3º lugar
Deixa-me que te conte... 9º ano - 3º lugar
 
A bolsa amarela
A bolsa amarelaA bolsa amarela
A bolsa amarela
 
A verdade usa máscara
A verdade usa máscaraA verdade usa máscara
A verdade usa máscara
 
Recanto das letras carol
Recanto das letras   carolRecanto das letras   carol
Recanto das letras carol
 
Tantas Cartas
Tantas CartasTantas Cartas
Tantas Cartas
 
Ppt unidade 8 ano 2
Ppt unidade 8 ano 2Ppt unidade 8 ano 2
Ppt unidade 8 ano 2
 
Lygia bojunga nunes a bolsa amarela
Lygia bojunga nunes   a bolsa amarelaLygia bojunga nunes   a bolsa amarela
Lygia bojunga nunes a bolsa amarela
 
À ESPERA NO CENTEIO, Jerome David Salinger
À ESPERA NO CENTEIO, Jerome David SalingerÀ ESPERA NO CENTEIO, Jerome David Salinger
À ESPERA NO CENTEIO, Jerome David Salinger
 
Namoro em angola by Lubán Akanda
Namoro em angola by Lubán AkandaNamoro em angola by Lubán Akanda
Namoro em angola by Lubán Akanda
 
Livro: Berço Vazio
Livro: Berço VazioLivro: Berço Vazio
Livro: Berço Vazio
 
Projeto de leitura - proeti -
Projeto de leitura  - proeti -Projeto de leitura  - proeti -
Projeto de leitura - proeti -
 
Quando eu não estiver mais aqui - homenagem ao dia dos pais
Quando eu não estiver mais aqui  - homenagem ao dia dos paisQuando eu não estiver mais aqui  - homenagem ao dia dos pais
Quando eu não estiver mais aqui - homenagem ao dia dos pais
 
Diario
DiarioDiario
Diario
 
Tudo que eu devia saber aprendi no Jardim de Infancia - Robert Fulghum
Tudo que eu devia saber aprendi no Jardim de Infancia - Robert FulghumTudo que eu devia saber aprendi no Jardim de Infancia - Robert Fulghum
Tudo que eu devia saber aprendi no Jardim de Infancia - Robert Fulghum
 
Arquivo Secreto
Arquivo SecretoArquivo Secreto
Arquivo Secreto
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andrade
 
Caderno de leitura
Caderno de leituraCaderno de leitura
Caderno de leitura
 

Mais de Vanda Marques (20)

Planif Anual 7.docx
Planif Anual 7.docxPlanif Anual 7.docx
Planif Anual 7.docx
 
A Tempestade
A TempestadeA Tempestade
A Tempestade
 
Poesias 7
Poesias 7Poesias 7
Poesias 7
 
A pontuação
A pontuaçãoA pontuação
A pontuação
 
A notícia
A notíciaA notícia
A notícia
 
As lendas
As lendasAs lendas
As lendas
 
Funções sintáticas 1
Funções sintáticas 1Funções sintáticas 1
Funções sintáticas 1
 
Formação de palavras
Formação de palavrasFormação de palavras
Formação de palavras
 
Ilha dos Amores
Ilha dos AmoresIlha dos Amores
Ilha dos Amores
 
A história da língua
A história da línguaA história da língua
A história da língua
 
Inês de castro
Inês de castroInês de castro
Inês de castro
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
 
Contextualizando os lusiadas
Contextualizando os lusiadasContextualizando os lusiadas
Contextualizando os lusiadas
 
Consílio
ConsílioConsílio
Consílio
 
Adamastor
AdamastorAdamastor
Adamastor
 
A tempestade
A tempestadeA tempestade
A tempestade
 
A epopeia
A epopeiaA epopeia
A epopeia
 
Contextualizando os lusiadas
Contextualizando os lusiadasContextualizando os lusiadas
Contextualizando os lusiadas
 
Consílio
ConsílioConsílio
Consílio
 
Texto a abóbada
Texto a abóbadaTexto a abóbada
Texto a abóbada
 

Textos autobiográficos

  • 1. Textos Autobiográficos O diário O Diário de Anne Frank
  • 2. Escrever um diário? Porquê? • Situação anormal e impressionante • Experiência profissional estimulante • Exercício intelectual • Anotações de incidentes ou impressões de uma viagem
  • 3. Principais características do texto diarístico (características linguísticas e formais ) • narrador que se assume na 1ªpessoa • registo do quotidiano • diário como forma de desabafo/alívio • relato de vivências, pensamentos, emoções e sentimentos • privacidade, intimismo, secretismo • confessionalismo • criação de um destinatário ficcional
  • 4. O Diário de Anne Frank Sábado, 20 de Junho de 1942 Durante uns dias não escrevi nada porque, primeiro, quis pensar seriamente na finalidade e no sentido de um diário. Experimento uma sensação singular ao escrever o meu diário. Não é só por nunca ter escrito, suponho que, mais tarde, nem eu nem ninguém achará interesse nos desabafos de uma rapariga de treze anos. Mas, na realidade, tudo isso não importa. Apetece-me escrever e quero aliviar o meu coração de todos os pesos. O papel é mais paciente do que os homens. Era nisso que eu pensava muitas vezes quando, nos meus dias melancólicos, punha a cabeça entre as mãos e sem saber o que havia de fazer comigo. Ora queria ficar em casa, ora queria sair e, a maior parte das vezes, ficava a cismar sem sair do sítio. Sim, o papel é paciente! E não tenciono mostrar este caderno com o nome pomposo de Diário seja a quem for, a não ser que venha a encontrar na minha vida o tal grande amigo ou a tal grande amiga. (...)E pronto!, cheguei ao ponto principal de todas estas considerações: não tenho uma verdadeira amiga! (...) Com todos os meus numerosos conhecidos, só consigo fazer tolices ou falar sobre coisas banais. Não me é possível abrir- me, sinto-me como que abotoada. Pode ser que esta falta de confiança seja defeito meu. Mas não há nada a fazer e tenho pena de não poder modificar as coisas. Por tudo isto é que escrevo um diário. E para evocar na minha fantasia a ideia da amiga há tanto tempo desejada, não quero, como qualquer pessoa, assentar só factos. Este diário é que há de ser a minha amiga, e vou-lhe pôr-lhe um nome. Essa amiga chama-se Kitty. FRANK, Anne - Diário de Anne Frank. Lisboa: Livros do Brasil, 1984 (fragmento com supressões)
  • 5. O Diário de Anne Frank. Exercícios. Transcreve do texto marcas de: Narrador que se assume na 1ª pessoa; Registo do quotidiano; Diário como forma de desabafo/alívio; Relato de vivências, pensamentos, emoções e sentimentos; Privacidade, intimismo, secretismo; Confessionalismo; Criação de um destinatário ficcional.
  • 6. O Diário de Anne Frank Sábado, 20 de Junho de 1942 Durante uns dias não escrevi nada porque, primeiro, quis pensar seriamente na finalidade e no sentido de um diário. Experimento uma sensação singular ao escrever o meu diário. Não é só por nunca ter escrito, suponho que, mais tarde, nem eu nem ninguém achará interesse nos desabafos de uma rapariga de treze anos. Mas, na realidade, tudo isso não importa. Apetece-me escrever e quero aliviar o meu coração de todos os pesos. O papel é mais paciente do que os homens. Era nisso que eu pensava muitas vezes quando, nos meus dias melancólicos, punha a cabeça entre as mãos e sem saber o que havia de fazer comigo. Ora queria ficar em casa, ora queria sair e, a maior parte das vezes, ficava a cismar sem sair do sítio. Sim, o papel é paciente! E não tenciono mostrar este caderno com o nome pomposo de Diário seja a quem for, a não ser que venha a encontrar na minha vida o tal grande amigo ou a tal grande amiga. (...)E pronto!, cheguei ao ponto principal de todas estas considerações: não tenho uma verdadeira amiga! (...) Com todos os meus numerosos conhecidos, só consigo fazer tolices ou falar sobre coisas banais. Não me é possível abrir- me, sinto-me como que abotoada. Pode ser que esta falta de confiança seja defeito meu. Mas não há nada a fazer e tenho pena de não poder modificar as coisas. Por tudo isto é que escrevo um diário. E para evocar na minha fantasia a ideia da amiga há tanto tempo desejada, não quero, como qualquer pessoa, assentar só factos. Este diário é que há de ser a minha amiga, e vou-lhe pôr-lhe um nome. Essa amiga chama-se Kitty. FRANK, Anne - Diário de Anne Frank. Lisboa: Livros do Brasil, 1984 (fragmento com supressões)
  • 7. Ficha de Leitura (entregar 08-01-2013) • Capa (identificação da escola, do aluno e da disciplina) • O autor (biografia de Anne Frank) • Contextualização espácio-temporal (onde/quando/como e porquê) • Resumo da obra (Ver regras do resumo) • As melhores citações (Escolhe algumas e justifica a escolha) • O meu comentário (Texto argumentativo) • Fontes consultadas (Bibliografia)