O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

Jornal Paraná Notícias

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Próximos SlideShares
Jornal Paraná Notícias
Jornal Paraná Notícias
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 8 Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (20)

Anúncio

Semelhante a Jornal Paraná Notícias (20)

Anúncio

Mais recentes (20)

Jornal Paraná Notícias

  1. 1. "Espere no Senhor. Seja forte! Coragem! Espere no Senhor" (Salmo 27:14) Campo Mourão, 08 e 09 de janeiro de 2016 A dor que parece não passar Pág. 06 Peabiru: ano novo, velhos problemas Paraná é a quarta economia e o segundo estado mais competitivo do país Prefeitura de C. Mourão assume Casa de Passagem SãoJosé Pág. 04 Rancho Alegre: PSC e PP lançam pré- coligação para a próxima eleição Rancho Alegre: PSC e PP lançam pré- coligação para a próxima eleição Estado reforça busca por investimentos produtivos, para ampliar emprego e renda. Além da quarta economia o Paraná é o segundo Estado mais competitivo do país pelo ranking da consultoria britânica Economist Intelligence Unit, divisão de análise do grupo The Economist. Ministério das Cidades garante R$ 344,7 mil para recapeamento em Luiziana Índice Firjan destaca Mamborê em 1º lugar na Comcam no quesito Saúde Prefeito de Araruna publica nota de esclarecimento Pouco adiantou a obra que a prefeitura de Peabiru realizou, o ano começou assim como terminou, ou seja, chuva e alagamento. Pág. 04 Pág. 02 Pág. 04 Pág. 04 Pág. 07 Pág. 03
  2. 2. LocalPágina 02 Campo Mourão, 08 e 09 de janeiro de 2016 PARANÁ NOTÍCIAS Paraná reforça busca por investimentos produtivos, para ampliar emprego e renda BONS INDICADORES Além de alcançar a posição de quarta economia do país, o Paraná é o segundo Estado mais competitivo do País pelo ranking da consultoria britânica Economist Intelligence Unit, divisão de análise do grupo The Economist O Paraná reforçou a busca de atração de investi- mentos, por meio de ações e missões comerciais. A pos- tura mais proativa é neces- sária porque, em tempos de globalização, a disputa por investimentos está mais acirrada e, com a crise, as empresas estão mais caute- losas em investir. “O investimento tem um impacto muito positivo na economia local e na ren- da da população. É preciso profissionalização e veloci- dade em divulgar o Estado e atrair investidores”, afir- ma o presidente da Agên- cia Paraná Desenvolvimen- to (APD), Adalberto Bueno Netto. “O que notamos é que o modelo do investidor pro- curar o Estado não existe mais. Com a globalização, um executivo de uma mul- tinacional chega a receber, por ano, mil convites para instalação em determinado local. Se o Paraná não for proativo, ele não é identifi- cado por potenciais investi- dores”, diz Bueno Netto. De acordo com ele, apesar dos efeitos da crise, o Paraná continua na rota das empresas na hora de investir. Em 2015, a APD realizou contato com 407 novas empresas, atendi- mento de outras 60 e com- puta 12 novos requerimen- tos de pedidos de enquadra- mento no programa de in- centivos Paraná Competiti- vo, que somam, juntos, um investimento potencial de R$ 3,3 bilhões. Desde 2011, o programa já atraiu R$ 40,3 bilhões em projetos da iniciativa privada e de esta- tais, com 180 mil empregos diretos e indiretos. Em 2015 foram realizadas mis- sões para Coreia do Sul, Ja- pão, China, Estados Unidos e Rússia, que resultaram em acordos de cooperação, con- tatos e novas agendas de negociações. DESAFIADOR - De acor- do com o presidente da APD, o trabalho na busca de investimentos precisa ser permanente. “Em todo mundo, 65 mil multinacio- nais investem em 10 mil projetos por ano. Elas le- vam, em média, nove meses para decidir onde investir. E a competição está cada vez mais acirrada, com cada vez mais agências e locali- dades se preparando para atrair investimentos”, diz. Para ele, o cenário de 2016 é desafiador porque há menos projetos e mais Es- tados na competição. O in- vestimento estrangeiro di- reto no Brasil vem em que- da desde 2011. Com o de- clínio da economia brasilei- ra, muitos projetos vêm sendo direcionados para o México, principal concor- rente nos investimentos na América Latina. INCENTIVOS - A conces- são de incentivos é impor- tante, na avaliação do pre- sidente da APD, principal- mente nas etapas finais de disputa por investimentos. “O que conta primeiro é o ambiente de negócios, mas o programa Paraná Compe- titivo pode fazer a diferen- ça em relação aos demais Estados”, afirma ele. O fato de o Paraná ter se tornado a quarta maior economia do País conta pontos a favor. “O que es- sas empresas procuram é mercado. E o Paraná tanto em termos de consumo como de população equiva- le hoje a muitos países da Europa”, diz. BONS INDICADORES - Além de alcançar a posição de quarta economia do país, o Paraná é o segundo Esta- do mais competitivo do País pelo ranking da consultoria britânica Economist Intelli- gence Unit, divisão de aná- lise do grupo The Econo- mist. O Estado oferece uma combinação de fatores que interessa aos investidores. A boa infraestrutura, em es- pecial a logística portuária, a mão de obra qualificada e produtiva e a presença de universidades e incubado- ras são pontos que distin- guem o Estado dos demais. “Um trabalhador da indús- tria de transformação no Paraná chega a ser até três vezes mais produtivo do que o restante do País”, diz Bueno Netto. O Paraná é visto, de acordo com o presidente da APD, como um dos melho- res lugares para investir no Brasil e na América Latina, reflexo da criação de um “ecossistema” favorável à investimentos. “Estamos colhendo o que foi feito no primeiro mandato do go- vernador Beto Richa”, afir- ma ele. Além do agronegó- cio, setores que demandam mão de obra qualificada de média e alta tecnologia es- tão investindo no Estado. MERCADOS POTENCI- AIS - Um estudo da APD definiu seis setores priori- tários para atração de inves- timentos nos próximos anos. A ideia é reforçar seg- mentos em que o Paraná já tem presença forte e tam- bém desenvolver mercados com potencial tecnológico, de geração de valor agrega- do e emprego. Os setores estratégi- cos são Tecnologia da In- formação e Eletroeletrôni- co, Tecnologia da Agroin- dústria, Saúde e Beleza, Automotivo e Transporte, Areoespacial e Defesa, e Energia. Paraná reforça busca por investimentos produtivos, para ampliar emprego e renda No segundo sorteio, Nota Paraná distribuiR$2,84milhõesemprêmios A Secretaria da Fa- zendarealizounamanhãdes- ta sexta-feira, 08 o segundo sorteio do Programa Nota Paraná. Ele teve como base os números do sorteio da Loteria Federal do dia 6 de janeiro de 2016. Participa- ram todos os consumidores que pediram para incluir o CPFemnotasfiscaisdecom- pras realizadas em setembro no Estado e fizeram o cadas- tro no site do programa (www.notaparana.pr.gov.br) até o dia 20 de dezembro, com adesão ao regulamento do sorteio. Estão sendo distribuí- dos 250 mil prêmios, que so- mam R$ 2,84 milhões em di- nheiro,aosdonosde419.295 CPF. Foram gerados 10.918.502 bilhetes para o sorteio. Os três primeiros sor- teadosvãoreceberR$50mil, R$ 30 mil e R$ 20 mil. Os bilhetes premiados, por or- dem, são 5729852, 3399675 e 4990384. A entrega dos principais prêmios será feita no dia 15, às 11 horas, em evento no Palácio Iguaçu, com a presença do governa- dor Beto Richa.
  3. 3. “ & FatosPolíticaFaltam 267 dias para as próximas eleições... Campo Mourão, 08 e 09 de janeiro de 2016 Página 02PARANÁ NOTÍCIAS PSC e PP lançam pré-coligação para a próxima eleição Claudinho Cruz - PSC e Paulo Barbosa do PP: o projeto é eleger três vereadores Em Rancho Alegre D’Oeste dois partidos já fe- charam questão em torno das coligações para verea- dores. O PSC (Partido So- cial Cristão) e o PP (Parti- do Progressista) anuncia- ram essa semana que vão caminhar juntos na próxi- ma eleição. Segundo os presiden- tes das duas siglas, Claudi- nho Cruz – PSC e Paulo Barbosa – PP, o objetivo é montar um grupo com chances de eleger pelo me- nos três vereadores. “Esta- mos trabalhando há algum tempo e temos bons nomes dentro dos dois partidos, pessoas que nunca foram vereadores e que tem mui- to a contribuir para o nos- so município”, disse Claudi- nho. “Queremos montar um grupo onde todos tenham chance, a motivação é tudo, principalmente na política”, explicou. Já o presidente do PP, Paulo Barbosa salientou que a parceria com o PSC vem sendo construída des- de 2014. “Estamos certos que teremos um grupo onde todos os candidatos a vere- adores terão as mesmas chances”, ressaltou Paulo Barbosa. Mais um partido - Ainda existe a possibilidade da composição com mais um partido, o que será decidido nos próximos dias, segun- do eles. “Com o ingresso de mais um partido fecharia o nosso projeto dentro daqui- lo que nós esperávamos”, afirmaram. Neutralidade - Os dois partidos também confirma- ram que ainda não há nada decidido em relação a qual candidato a prefeito recebe- rá o apoio do grupo. “Primeiramente va- mos nos fortalecer e depois analisaremos as propostas dos dois principais candida- tos a prefeito. Também va- mos estudar a possibilida- de de lançar um nome alter- nativo para prefeito. Quanto maior for nosso grupo, maior é a chance de lançarmos candi- datura própria”, disseram. Cresce a cada dia PSC e PP começam formar em Rancho Alegre um novo grupo político, é cedo para afirmar, mas existe a possibilidade dos dois partidos lançarem de oito a 10 candidatos a vereadores. Sueli no PMDB Nos próximos dias a vice-prefeita Sueli deverá deixar o PT e ingressar no PMDB. Um dos motivos de Sueli deixar o PT do qual foi a fundadora em Rancho Ale- gre, é o péssimo momento que vive o partido que está envolvido em tudo quanto é maracutaia. Isso a nível nacional. Elogiou Ao comunicar a este que vos escreve, Sueli rasgou elogios a Zé Mineiro, e disse que está sendo muito bem recebida no PMDB. Dobradinha pode se repetir Com a entrada da vice-prefeita no PMDB uma do- bradinha que aconteceu em 2004 pode se repetir. Na época, sem sucesso, a atual vice-prefeita foi candi- dataàviceeZéMineiro foicandidatoaprefeito.Dessa vez, a dobradinha pode se repetir, mas com Zé Mi- neiro na vice de Sueli. Sucesso A direção do Jornal Paraná Notícias agradece os elogi- os recebidos pelo lançamento da primeira edição da Revista Paraná Notícias – Cidades. A próxima edição já está agendada para o mês de abril, vem aí Paraná Notícias – Política e Fatos. Onde serão feitas várias en- trevistascompré-candidatosaprefeitosdealgunsmu- nicípios da região. Sucesso ll Para o mês de julho já está acertado um especial para a cidade de Cianorte, a qual completa 63 anos, desta- cando o potencial industrial daquela região. A revista também irá trazer uma matéria sobre os cinco anos do Jornal Paraná Notícias. A revista terá ainda edições em outubro e dezembro, essa última, destacará o po- tencial do agronegócio na região da Comcam. Estrada Amaro Pedro
  4. 4. De segunda a sábado R$ 15,00 - Domingos e feriados R$ 17,00 - Marmitex pequena R$ 7,50 - Média R$ 10,00 - Grande R$ 12,00 Rua Santa Catarina, 2120 - Centro - Campo Mourão PR Fone: (44) 3017-1141 Campo Mourão, 08 e 09 de janeiro de 2016 O restaurante do Moacir, localizado na área central de Campo Mourão, vem se tornando ponto de encontro de pessoas de toda região. A passeio ou a trabalho, muitas pessoas tem preferido o restaurante para fazer uma saborosa refeição. Com preços acessíveis e uma ótima qualidade, o restaurante já virou referência na região da Comcam. PARANÁ NOTÍCIASCidadesPágina 04 Prefeitura de Campo Mourão assume Casa de Passagem São José Resolvendo definiti- vamente a situação da Casa de Passagem São José, que em função de uma normati- va federal de 2009, depen- de de uma equipe mínima composta por assistente so- cial, orientador e psicólogo, a Prefeitura de Campo Mourão, através da Secre- taria de Ação Social assu- miu as atividades no último 02 de janeiro. A transição foi definida em conjunto entre a diretoria da entida- de, Conselho Municipal de Assistência Social e Secre- taria Municipal de Ação Social no último mês de outubro, considerando que a diretoria não poderia con- tratar profissionais para atender a nova normativa. A normativa é referente a Lei Federal 13.019 que re- gulamenta as diretrizes de repasses de verbas para as entidades assistenciais. O trâmite aconteceu depois que a diretoria da Casa de Passagem alegou não ter condições de con- tratar a equipe para aten- der a normativa e solicitou o aumento significativo dos repasses que vinha sendo de R$ 90 mil anual para R$ 170 mil. Considerando a inviabilidade do aumento dos recursos, que já contam com 10% de aumento a partir deste mês o municí- pio assumiu as atividades da Casa de Passagem com o apoio do CREAS – Cen- tro de Referência Especi- alizado de Assistência So- cial, que conta com profis- sionais da área. Segundo o diretor da Secretaria de Ação Social, Sebastião Gal- dino, a transição já era pro- gramadaparaodia31dede- zembro e a Casa de Passa- gem São José continua aten- dendo normalmente, com uma programação de me- lhorias nos atendimentos e equipeestabelecidapelanor- mativa. Já a pre- sidente do Conselho Muni- cipal de Assistência Social, Ioliane Costa Vigilato argu- menta que a transição foi uma alternativa para solu- cionar problemas garantin- do o atendimento conforme determi- na a Lei Federal. Atendimen- to – A Casa de pas- sagem São José ofe- rece dois tipos de atendimento; pes- soas de passagem com permanência de dois dias e acolhimento pro- visório, voltado para pesso- as portadores de deficiênci- as que perderam vínculo com familiares, em um pro- grama de socialização. De acordo com a ex-coordena- dora da Casa de Passagem, Lilian Machado Mendes, a entidade atende uma média de 350 pessoas ao mês. Transição – Participaram da transição, o diretor da Secretaria de Ação Social, Sebastião Galdino; a presi- dente do Conselho Munici- pal de Assistência Social, Ioliane Costa Vigilato; a co- ordenadora do CREAS, Marli Iori, que também é vice-presidente do Conse- lho Municipal de Assistên- cia Social e a ex-coordena- dora da Casa de Passagem, Lilian Machado Mendes. O telefone de plantão para si- tuações de pessoas desam- paradas é 9125-7302. Transição foi programada para acontecer na virada do ano A entidade atende uma média de 350 pessoas ao mês Peabiru: ano novo, velhos problemas Pouco adiantou a obra que a prefeitura de Pe- abiru realizou, o ano come- çou assim como terminou, ou seja, chuva e alagamen- to. Dados da prefeitura esti- mam em torno de 10 mil metros quadrados de gale- rias pluviais foram constru- ídas, mas menos de um mês após o prefeito “inaugurar” uma obra no valor de 1,5 milhão de reais, os proble- mas continuam. Segundo informações obtidas pelo Jornal Paraná Notícias, junto aos morado- res daquela localidade, entre os anos de 1977 a 1983 fo- ram realizadas diversas obras importantes na cida- de, entre elas, as tubulações próximas ao colégio 14 de Dezembro entre as ruas Modesto Saldanha, Case- miro Radominski, Av. Vila Rica e outras. “Com o pas- sar dos anos, esses tubos fo- ram entupindo e não con- seguia evacuar as águas das chuvas provocando alaga- mento com chuvas mais fortes”, relatou um mora- dor à reportagem. Muitos prefeitos co- nhecedores do problema e vendo que Peabiru necessi- tava também de outros in- vestimentos, como por exemplo; habitação, cons- trução de colégios, geração de empregos, implantação de asfalto e outras necessi- dades, dificilmente sobra- vam recursos para tentar ar- rumar aquela tubulação. Com orçamento apertado e com responsabilidade para não financiar e endividar o município, esses prefeitos procuraram investir em ou- tras importantes obras. “Seria a obra dos so- nhos, se realmente os peabi- ruense não tivessem que conviver com buracos, e saú- de precária, entre outras coi- sas”, disse o morador. Recentemente a prefeitura divulgou em uma rede soci- al um vídeo mostrando al- guns alagamentos e afir- mando que o problema es- tava resolvido.
  5. 5. Cidades Campo Mourão, 08 e 09 de janeiro de 2016 Página 05PARANÁ NOTÍCIAS Ministério das Cidades garante R$ 344,7 mil para recapeamento em Luiziana Esta semana o Mi- nistério das Cidades empe- nhou para a cidade de Lui- ziana R$ 344,7 mil para a execução de obras de reca- peamento asfáltico nas ruas do município. O recurso garantido é fruto do apoio do deputado Zeca Dirceu junto ao Governo Federal para que a cidade fosse con- templada. O projeto de re- capeamento está orçado em R$ 350 mil e conta com mais R$ 5,2 mil de contra- partida municipal. O recur- so que agora está garanti- do no orçamento do Gover- no Federal, em breve, deve ser pago ao município após passar por tramites legais como processo licitatório. O prefeito da cidade, Mauro Slongo, agradeceu o parlamentar pelo apoio e destacou a importância do projeto para a cidade. “Esse recurso vai garantir mais conforto e segurança no tráfego da nossa cidade e somos muito gratos ao apoio do deputado Zeca Dirceu que mais uma vez está nos ajudando a tra- zer recursos para Luiziana”, disse o prefeito. Zeca Dirceu por sua vez enalteceu o esforço fe- deral em garantir os recur- sos para as cidades do Pa- raná. “São muitos investi- mentos como esse de Lui- ziana que já foram libera- dos, ou estão garantidos no orçamento do Governo Federal. Luiziana é um exemplo do compromisso firmado pela presidenta Dilma com o desenvolvi- mento e eu fico feliz de fa- zer parte de mais essa con- quista”, disse Zeca. Índice Firjan destaca Mamborê em 1º lugar na Comcam no quesito SaúdeMamborê foi desta- que como alto desenvolvi- mento no quesito Saúde, se- gundo índice do FIRJAN de Gestão Fiscal – IFGF. O município ficou em 1º lugar naregiãodaCOMCAMeem 20º no estado do Paraná. A informação foi co- memorada pelo setor que ao longo da atual administra- ção passou por uma grande transformação, com inves- timentos na reforma do Centro de Saúde da sede e postos das comunidades Guarani, Pensamento e Canjarana, além da cons- trução de uma UBS que está em execução. Compra de novos veículos, equipamen- tos, contratação de profis- sionais e investimentos em importantes Programas que estão garantindo uma melhor qualidade de vida a população. Abaixo segue informa- ções do IFGF retiradas do site do FIRJAN Para contribuir com uma gestão pública eficien- te e democrática, o Sistema FIRJAN desenvolveu o Ín- dice FIRJAN de Gestão Fiscal (IFGF). Uma ferra- menta de controle social que tem como objetivo es- timular a cultura da respon- sabilidade administrativa, possibilitando maior apri- moramento da gestão fiscal dos municípios, bem como o aperfeiçoamento das de- cisões dos gestores públicos quanto à alocação dos re- cursos. Lançado em 2012, o IFGF traz o debate sobre um tema de grande impor- tância para o país: a forma como os tributos pagos pela sociedade são administra- dos pelas prefeituras. O ín- dice é construído a partir dos resultados fiscais das próprias prefeituras – infor- mações de declaração obri- gatória e disponibilizadas anualmente pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN). Com base nesses da- dos oficiais, o Índice FIR- JAN de Gestão Fiscal 2015 – ano de referência 2013 – avaliou a situação fiscal de 5.243 municípios, onde vi- vem 191.256.137 pessoas – 96,5% da população brasi- leira. Apesar da determina- ção da lei, os dados do exer- cício fiscal 2013 de 324 pre- feituras não estavam dispo- níveis ou não eram consis- tentes (informações que não foram passíveis de aná- lise). Leitura do IFGF: Composto por cinco in- dicadores – Receita Pró- pria, Gastos com Pessoal, Investimentos, Liquidez e Custo da Dívida –, o IFGF tem uma metodologia que permite tanto comparação relativa quanto absoluta, isto é, o índice não se res- tringe a uma fotografia anual, podendo ser compa- rado ao longo dos anos. Dessa forma, é possível es- pecificar, com precisão, se uma melhoria relativa de posição em um ranking se deve a fatores específicos de um determinado município ou à piora relativa dos de- mais. Metodologia - O IFGF tem uma leitura dos resul- tados bastante simples: a pontuação varia entre 0 e 1, sendo que, quanto mais próximo de 1, melhor a gestão fiscal do município no ano em observação. (Fonte: Site FIRJAN) Prefeitura de Mamborê adquiriu dois novos veículos para a Saúde Já estão disponíveis para a prefeitura de Mamborê, dois veículos 0km, adquiridos pelo município para atender ao setor de saúde. São veículos da marca e modelo Fiat Ducato, sendo uma modificada para ambulância e outra Van para transporte de passageiros. Os recursos são do Governo do Estado e da prefeitura, e tão logo estejam liberados pelo seguro e os documentos junto ao Detran, o prefeito Nei Calori, fará a entrega oficial liberando para o trabalho junto ao setor de saúde.
  6. 6. Página 06 Campo Mourão, 08 e 09 de janeiro de 2016 PARANÁ NOTÍCIAS Você tem uma dor que pare- ce que nunca irá passar? Saiba quetodadorleva um certo tempo, então dê um tempo para si mesmo. Por que apressar o sofri- mento ou se co- brar por causa disso? A Bíblia diz que “o cora- ção do sábio está na casa onde há luto” (Eclesias- tes 7: 4). Eu sei que la- mentar pode ser algo estranho em nosso mun- do de hoje, mas não na Palavra de Deus. Você sabia que 70% dos Salmos são poemas de dor? Ora, o An- tigo Testamento inclui um livro apenas de lamenta- ções, e Salomão, o homem mais sábio que já existiu, es- creveu: “A tristeza é melhor do que o riso, porque o ros- to triste melhora o coração” (Eclesiastes 7:3). É quando estamos no fundo do poço emocional que exploramos as questões mais profundas da vida: “Por que estou aqui? Para onde vou”? E quando cami- nhamos pelo cemitério, le- vantamos questões muito difíceis, porém vitais. Certa vez, Davi se entregou com- pletamente à sua dor. Ele disse: “Estou exausto de tanto gemer. De tanto cho- rar inundo de noite a minha cama; de lágrimas enchar- co o meu leito? (Salmos 6:6). E, mais tarde ele disse: “Mi- nha vida é consumida pela angústia, e os meus anos Fonte: pastorantoniojunior.com.br (texto inspirado na mensagem de Max Lucado) pelo gemido; falta-me a força devido à minha aflição, e os meus ossos se enfraquecem” (Sal- mos 31: 10). Você está zangado com Deus? Diga isso a Ele.Estáaborrecidocom Deus? Deixe que Ele sai- ba disso. Cansado de di- zer às pessoas que você está bem quando não está? Diga a verdade à partir de hoje. Vá em frente,enfrenteasuador. Dêtempoparasimesmo. Permita-se derramar lá- grimas. Deus entende. Ele conhece a dor do tú- mulo, afinal, Ele enter- rou o próprio Filho. Mas Ele também conhece a alegria da ressurreição. E, pelo poder de Deus, você também conhecerá! Ador que parece não passar 44.98333173
  7. 7. GeralPARANÁ NOTÍCIAS Campo Mourão, 08 e 09 de dezembro de 2016 Página 07 NOTADE ESCLARECIMENTO Como dificilmente não nos darão direito de resposta sobre as rampas de acessibilidade feitas em to- dos os bairros que recebe- ram asfalto novo e nas ruas que receberam recapeamen- to, venho esclarecer que os projetos são feitos dentro das novas exigidas pelo SEDU-PARANACIDADE E PELO MINISTÉRIO DAS CIDADES que apro- vam os projetos antes de serem executados e libera- dos os recursos, essas ram- pas fazem parte do projeto, sendo exigência para apro- vação ou não do empreen- dimento. Eu como prefeito jun- to com os vereadores e vice- prefeito, conseguimos re- cursos de mais de UM MI- LHÃO E MEIO de reais para a pavimentação destes importantes bairros e de- mos de contra partida mais 300 mil reais de recursos livres, e mais de 260 mil para recapeamento, caso não tivesse previsão destas rampas esses projetos não teriam sido aprovados e toda a população do Sorri- so, Santa Ana, Batista Pin- tro, Parque Industrial e par- te do Jardim Araucária , Ki- else e Zavatin na av. Mar- fim, estariam no barro , na lama ou na poeira, também sou contra fazer essas ram- pas em lugares inadequa- dos, inclusive contestei os órgãos fiscalizadores, que aprovaram os projetos , fa- zem as medições e liberam os recursos. A resposta foi, que a lei exige a cada quantidade de metros de calçadas e as- falto e em esquinas estas rampas terão que ser feitas , independentemente onde sair. É só para lembrar que já foi licitado e aprovado o projeto de mais DOIS MI- LHÕES para terminar todo os Jardins Kielse, Zavatin e Araucária, ficando somen- te as Vilas Rurais sem pa- vimentação, com início em fevereiro, caso as rampas fo- rem atrapalhar ou fazer nossa cidade ser notícia na RPC, devemos desistir des- ta obra, pois o asfalto, meio fios, as galerias ficaram na insignificância. Quando era barro e poeira deviam ter filmado e virem agora mostrar que isso acabou e o povo, as nos- sas famílias, estão tendo qualidade de vida, isso sem contar com a rede de esgo- to que vai atender mais de 5000 pessoas. Digo não conhecer bem o caminho do sucesso, mais sim o caminho do fra- casso é querer tentar agra- dar a todos, nem Jesus filho de Deus agradou , e conse- guiu fazer tudo o que as pes- soas queriam, foi morto e crucificado. Que Deus nos prote- ja, e esse ano vai ser assim começou as eleições e as pessoas que nunca conse- guiram fazer nada, estão co- meçando fazer, o que de me- lhor sempre fizeram, criti- car e às vezes usando de gente inocente. Obrigado a todos e todas. Fabiano Antoniassi – Prefei- to de Araruna Detran esclarece pagamento do IPVA, DPVAT e Licenciamento O Departamento Estadual de Trânsito expli- ca as diferentes competên- cias de três taxas anuais pagas por proprietários de veículos. Qual o destino do dinheiro e como pagar cada uma delas? O Departamento de Trânsito do Paraná (De- tran) orienta os proprietá- rios de veículos para o pa- gamento de três taxas anu- ais. As duas primeiras são referentes ao Imposto sobre Propriedade de Veículo Au- tomotor (IPVA) e o Seguro Obrigatório (DPVAT), que devem ser pagas a partir de 21 de janeiro. Já no segun- do semestre, ocorrerá à co- brança do Licenciamento Anual de Veículo. IPVA - De competên- cia da Secretaria de Estado da Fazenda, o IPVA tem 50%dosrecursosdestinados aos municípios, de acordo com o número de veículos li- cenciados na localidade. O proprietário pode pagar à vista com desconto de 3%, aos contribuintes que optarem pela quitação em parcela única, conforme calendário por final da pla- ca do veículo. É possível con- sultaradatapeloRenavamno site www.fazenda.pr.gov.br. Há, ainda, a opção do par- celamento em três vezes, nos meses de janeiro, feve- reiro e março. Se não for quitado no período, o im- posto só poderá ser pago de forma integral. Veículos novos não podem ter o IPVA parcela- do, de acordo com a Lei Es- tadual 14.260/2003, Art. 11, II. Quem possui o veí- culo zero quilômetro deve fazer o pagamento em até 30 dias da emissão da nota fiscal. No caso de veículos isentos de IPVA, o venci- mento do DPVAT será jun- to do Licenciamento. A taxa pode ser paga diretamente no caixa de atendimento, com o núme- ro do Renavam, ou nas ins- tituições bancárias creden- ciadas pelo Governo do Pa- raná: Banco do Brasil, Ban- coob e Rendimento, Brades- co, Itaú e Sicredi. Ou, tam- bém, por boleto bancário, que deve ser impresso no endereço eletrônico da se- cretaria. Nesteano,muitaspes- soas ficaram com dúvidas ao receber no final de 2015 os boletos enviados pela Sefa, que são verdadeiros. Segun- do a Secretaria, algumas cor- respondências foram envia- das em dezembro por uma questão de logística, mas a dataestácomo2016porcau- sa do sistema de impressão utilizado. Para maiores dúvidas, basta procurar o Serviço de Atendimento ao Consumi- dor (SAC) da Secretaria da Fazenda do Paraná: (41) 3200- 5009 para quem mora em Curitiba e 0800 41 1528 para demais cidades do Es- tado. DPVAT - O Seguro de DanosPessoaisCausadospor Veículos Automotores de Vias Terrestres (DPVAT) é administradopelaSegurado- ra Líder – designada pelo governo federal. O seguro foi criado para indenizar vítimas de acidentes de trânsito em todo o País. Do valor pago pelos proprietários, 50% são destinados, diretamen- te pela rede bancária, ao Ministério da Saúde (45%) e ao Departamento Naci- onal de Trânsito (5%). A outra parte é direcionada à Seguradora para o paga- mento das indenizações das vítimas. O vencimento ocor- re com o IPVA e é desti- nado àqueles que sofrem acidentes de trânsito, seja motorista, passageiro ou pedestre. Motos, ônibus, micro- ônibus e vans, desde que se- jam usados, podem parcelar em três vezes o valor junto do IPVA. A guia de recolhi- mentodeveserretiradanosite www.dpvatsegurodotransito.com.br/ pagamento e paga no Banco do Brasil, Sicredi, Bancoob e Rendimento. As taxas vari- amdeR$105,65aR$396,49, dependendo de cada tipo de veículo. LICENCIAMENTO – A cobrança do Licenciamento Anual de Veículo ocorre no segundo semestre do ano e é de competência do Detran. A data de vencimen- to varia de acordo com o dí- gito final do veículo e pode ser consultada no site www.detran.pr.gov.br. Para veículos com dí- gito final 1 e 2 o vencimen- to ocorre em agosto. Já para final 3, 4 e 5 os proprietári- os devem efetuar o paga- mento em setembro. Para veículos que terminam com 6, 7 e 8 o vencimento é em outubro e, por fim, 9 e 0 em novembro. A taxa deve ser paga no Banco do Brasil ou no Si- credi e, em seguida, o docu- mento será encaminhado pelos Correios para o ende- reço cadastrado junto ao órgão - que deve estar atu- alizado. “O Detran busca apri- morar as formas de recebi- mento da guia com convê- nios para dar mais facilida- de ao usuário, sempre man- tendo a segurança e integri- dade do processo”, garante o diretor-geral do Detran, Marcos Traad. O documento de Cer- tificado de Registro e Licen- ciamento do Veículo (CRLV) é de porte obriga- tório, na forma original, e só é emitido após a quita- ção do Licenciamento e de todos os demais débitos, como multas e IPVA. O motorista flagrado circulando com veículo não licenciado comete uma in- fração gravíssima. O art. 230 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) prevê apli- cação de multa de R$ 191,54, sete pontos na Car- teira Nacional de Habilita- ção (CNH), e apreensão do veículo A Secretaria de Saúde de Araruna esclarece A Secretaria de Saúde de Araruna esclarece que ainda não há casos de Dengue no Município. Existe o mosquito, que infelizmente está em todo país, mas não existe nenhum caso de dengue na cidade. Segundo a Secretaria de Saúde existem pessoas espalhando notícias falsas nas Redes Sociais e isso causa constrangimento e coloca funcionários da Saúde em condições de risco. Notícia falsa é considerada crime virtual. Lembrando! NÃO há casos de DENGUE confirmados em Araruna.
  8. 8. Um dia, o cavalo de um camponês caiu num poço. Não chegou a se ferir, mas não podia sair dali por con- ta própria. Por isso o animal chorou fortemente durante horas, enquanto o campo- nês pensava no que fazer. Finalmente,ocampo- nês tomou uma decisão cruel: concluiu que já que o cavalo estava muito velho e que o poço estava mesmo seco, precisaria ser tapado de alguma forma. Portanto, não valia a pena se esforçar para tirar o cavalo de den- tro do poço. Ao contrário, chamou seus vizinhos para ajudá-lo a enterrar vivo o animal. Cada um deles pegou uma pá e começou a jogar terra dentro do poço. O ca- valo não tardou a se dar conta do que estavam fa- zendo com ele e chorou de- sesperadamente. Porém, para surpresa de todos, o cavalo aquie- tou-se depois de umas quantas pás de terra que levou. O camponês final- mente olhou para o fundo do poço e se surpreendeu com o que viu. A cada pá de terra que caía sobre suas costas o cavalo a sacudia, dando um passo sobre esta mes- ma terra que caía ao chão. Assim, em pouco tempo, todos viram como o cavalo conseguiu chegar até a boca do poço, passar por cima da borda e sair dali trotando. A vida vai te jogar muitaterra nascostas. Prin- cipalmente se você já esti- Ilustração: O cavalo e o fazendeiro ver dentro de um poço. O segredo para sair do poço é sacudir a terra que se leva nas costas e dar um passo sobre ela. Cada um de nossos problemas é um degrau que nos conduz para cima. Podemos sair dos mais pro- fundos buracos se não nos dermos por vencidos. Use a terra que te jogam para se- guir adiante! Recorde-se das cinco regras para ser feliz: - Liber- te o seu coração do ódio. - Liberte a sua mente das preocupações. - Simplifique a sua vida. - Dê mais e es- pere menos. - Ame-se mais e aceite a terra que lhe jo- gam.Elapodeserasolução, não o problema. - “É graça divina começar bem. Graça maior persistir na caminha- da certa. Mas graça das gra- ças é não desistir nunca.” - Dom Hélder Câmara Página 08 Campo Mourão, 08 e 09 de janeiro de 2016 Guia Comercuial PARANÁ NOTÍCIAS

×