Inadimplência registra queda pela primeira vez no ano.

273 visualizações

Publicada em

Alta dos preços e o consequente aumento do custo de vida do brasileiro forçaram o consumidor a apertar o próprio orçamento frente a uma nova realidade econômica.

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
273
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Inadimplência registra queda pela primeira vez no ano.

  1. 1. 1 Indicador de vendas e de inadimplência CNDL | SPC Brasil Julho de 2013 Presidentes Roque Pellizzaro Junior (CNDL) Roberto Alfeu Pena Gomes (SPC Brasil) Agosto de 2013
  2. 2. 2 Inadimplência registra queda pela primeira vez no ano, aponta indicador SPC Brasil Alta dos preços e o consequente aumento do custo de vida do brasileiro forçaram o consumidor a apertar o próprio orçamento frente a uma nova realidade econômica A inadimplência no comércio no mês de julho desacelerou pela quarta vez consecutiva e registrou a primeira queda do ano: uma variação de -1,94% em relação a julho do ano passado. Esse é o menor patamar registrado pelo indicador mensal do SPC Brasil, desde o início do registro da nova série histórica da entidade, calculada a partir de janeiro de 2012. O cálculo leva em consideração mais de 150 milhões de consumidores cadastrados em 800 mil pontos de vendas espalhados pelo país. Se por um lado a inflação acima do centro da meta e a alta dos juros forçaram o brasileiro a consumir menos e de maneira consciente, por outro, estes fatores também aumentaram o custo de vida do consumidor, fazendo com que o movimento no comércio apresentasse uma retração. O resultado foi a desaceleração das vendas a prazo no varejo, que cresceram apenas +0,82% em julho frente ao mesmo período do ano passado. Esse é o segundo pior resultado desde janeiro de 2012, perdendo somente para o mês de junho deste ano, quando as vendas variaram +0,67%. Na avaliação do presidente da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas), Roque Pellizzaro Junior, os números de julho atestam um forte ritmo de desaceleração no comércio brasileiro. “O varejo este ano não conta com fatores macroeconômicos que ajudaram a aquecer o setor no passado, como os altos índices de crescimento de empregabilidade e a larga oferta de crédito com pessoas aptas a consumi-lo”, explica Pellizzaro Junior. No acumulado do ano — de janeiro a julho de 2013, frente ao mesmo período em 2012 — as vendas registraram crescimento de +5,51%. “Este resultado está próximo do que prevemos para 2013. O varejo deve fechar o ano crescendo em torno de 5%, já descontada a inflação. É menor do que o resultado apresentado no ano passado, mas o suficiente para apresentar, mais uma vez, um desempenho melhor do que o PIB nacional”, concluiu.
  3. 3. 3 Efeito calendário Na comparação mensal, julho frente a junho deste ano, a inadimplência cresceu +0,73%. Já as vendas registradas no mesmo período tiveram alta de +1,21%. “O resultado de vendas na relação mensal reflete o chamado efeito calendário: julho tem três dias úteis a mais do que o mês de junho, o que beneficia o movimento das lojas, principalmente em shoppings e no comércio de rua”, explica Pellizzaro Junior. Além disso, segundo Pellizzaro Junior, a onda de manifestações e a Copa das Confederações no mês passado também contribuíram para fazer com que junho se tornasse uma base fraca de comparação mensal. “Os protestos fizeram com que o comércio fechasse as portas mais cedo. Já a Copa das Confederações teve sua influência sentida pelos lojistas por causa dos feriados decretados nas cidades-sede que receberam jogos”, afirma. Metodologia O indicador mensal é extraído do banco de dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e divulgado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). A base de dados é formada por mais de 150 milhões de consumidores cadastrados em 800 mil pontos de vendas espalhados por todo Brasil. Baixe o material completo em www.spcbrasil.org.br/imprensa Informações à imprensa: Guilherme de Almeida (61) 3213-2030 | (61) 9536 9800 | (61) 3049-9550 guilherme.dealmeida@inpressoficina.com.br Vinícius Bruno (11) 3549-6800 Ramal: 6908 | (11) 9-4161-6181 vinicius.bruno@inpressoficina.com.br
  4. 4. 4 Número de consultas realizadas junto ao SPC Brasil Na comparação Julho/13 com Junho/13, o número de consultas realizadas para compras a prazo e pagamentos em cheque, de acordo com os dados do SPC Brasil, apresentou um aumento de +1,21%. O aumento do número de consultas nesta base de comparação resulta do incremento nas vendas no mês em julho, tendo em vista que muitos consumidores já estão realizando as compras para o Dia dos Pais. Além disso, o mês em questão é caracterizado por promoções e liquidações, contribuindo para o aumento das vendas, e, por conseguinte, do número de consultas. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior (Julho/12), o número de consultas apresentou crescimento de +0,82%. Embora o crescimento das vendas ao longo de 2013 tenha sido menos expressivo em função das pressões inflacionárias que acarretam um comprometimento da renda familiar, alguns fatores ainda contribuem para o aumento do consumo, como a expansão da oferta de crédito (empréstimos às pessoas físicas – recursos livres: R$715,3 bilhões em junho 2013 / R$663,0 bilhões em junho 2012, segundo Bacen) e redução da taxa de juros às pessoas físicas (junho 2013: 24,3% a.a. / junho 2012: 26,3% a.a., segundo Bacen), impactando positivamente o indicador de consultas. Indicador de Consultas SPC Brasil Variação (%) Jul.13/Jun.13 +1,21 Jul.13/ Jul.12 +0,82 Jan- Jul.13/ Jan- Jul.12 +5,51
  5. 5. 5 Número de registros junto ao SPC Brasil O número de registros junto ao SPC Brasil apresentou, na comparação com o mês imediatamente anterior, um crescimento de +0,73% em Julho/13. Este aumento é resultado das pressões inflacionárias que reduzem o poder de pagamento dos consumidores, fazendo com que estes apresentem maiores dificuldades em realizar o controle de suas finanças, culminando em situações de endividamento e inadimplência. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior (Julho/12) verificou-se uma queda de -1,94%. O atual cenário econômico de aumento dos preços contribui para que muitas famílias reduzam seu nível de consumo como forma de evitar o endividamento, fazendo com que se reduza o número de inadimplentes. Além disso, outros fatores foram importantes para a redução dos registros nesta base de comparação, como, por exemplo, o aumento da renda; em junho de 2013 o rendimento médio real dos trabalhadores apresentou crescimento de 0,8% em relação ao mesmo período do ano anterior, passando de R$1.854,13 para R$1.869,20 (IBGE). Desta forma, muitos consumidores tiveram renda disponível para o pagamento de suas despesas. Registros SPC Brasil Variação (%) Jul.13/Jun.13 +0,73 Jul.13/ Jul.12 -1,94 Jan- Jul.13/ Jan- Jul.12 +5,20
  6. 6. 6 Número de cancelamentos de registros do SPC Brasil No que diz respeito ao volume de cancelamento de registros, ou seja, pessoas que regularizaram seus débitos junto ao SPC Brasil, observaram em Julho/13, uma queda de -0,98%. O aumento generalizado do nível de preços contribui para que muitos consumidores se desorganizem financeiramente, visto que possuem uma menor renda disponível para o pagamento de suas despesas. Desta forma, torna-se mais difícil para estes consumidores quitar as dívidas em atraso, impactando negativamente o indicador de cancelamento de registros. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior (Julho/12), observou-se variação de -2,82%. Novamente é possível visualizar o impacto da inflação na capacidade de recuperação de crédito dos consumidores. Em junho, o IPCA acumulado em doze meses atingiu o patamar de 6,70%, percentual acima do limite superior da meta de inflação do governo (6,50%). Com a pressão inflacionária os consumidores possuem maior dificuldade de pagar suas dívidas tendo em vista o efeito corrosivo sobre sua renda. Cancelamentos SPC Brasil Variação (%) Jul.13/Jun.13 -0,98 Jul.13/ Jul.12 -2,82 Jan- Jul.13/ Jan- Jul.12 +4,00
  7. 7. 7 Mês contra igual mês do ano anterior Período Vendas Inadimplência jul/13 +0,82% -1,94% jun/13 0,67% 1,52% mai/13 2,24% 1,97% abr/13 7,34% 5,84% mar/13 12,38% 10,58% fev/13 11,23% 6,65% jan/13 3,88% 11,80% dez/12 5,37% 13,80% nov/12 8,26% 12,81% out/12 8,67% 12,48% set/12 5,61% 8,21% ago/12 8,93% 5,75% jul/12 7,01% 6,84% jun/12 7,45% 10,15% mai/12 8,23% 16,85% abr/12 5,12% 18,81% mar/12 12,32% 14,32% fev/12 8,39% 13,83% Jan/12 7,37% 12,31%
  8. 8. 8 Mês contra mês imediatamente anterior Período Vendas Inadimplência jul/13 1,21% 0,73% jun/13 -3,74% 1,13% mai/13 1,59% 2,22% abr/13 1,10% 0,12% mar/13 10,22% 3,61% fev/13 -4,07% -1,03% jan/13 -24,53% -3,27% dez/12 32,28% -1,17% nov/12 -1,61% -0,30% out/12 5,60% 6,25% set/12 -6,60% -1,31% ago/12 2,97% -1,28% jul/12 2,40% -2,45% jun/12 -3,50% -3,10% mai/12 7,68% 2,84% abr/12 -5,87% 2,56% mar/12 13,40% 4,20% fev/12 -5,57% -1,68% Jan/12 -27,92% -2,71%
  9. 9. 9 COMO LIMPAR SEU NOME Informações úteis Procurar o SPC pessoalmente, portando:  Carteira de identidade;  CPF. Terceiros:  Procuração assinada pelo solicitante, constando o CPF e data de nascimento do solicitante, com firma reconhecida pelo cartório;  Xerox do CPF e identidade do solicitante;  Apresentação do documento de identidade original do procurador.  O lojista tem 24 horas, a contar da data da confirmação do pagamento, para solicitar a baixa junto a CDL.  A baixa é solicitada via internet, arquivo ou boleto próprio.  A CDL tem 24 horas para baixar o registro no seu banco de dados Quem tem o nome no SPC:  não pode comprar a prazo;  não pode ser avalista;  não consegue financiamento em bancos e instituições financeiras. Como o consumidor é notificado Recebe um comunicado do SPC da CDL. Ele tem 10 dias, a contar da data da emissão do comunicado, para quitar a dívida, caso contrário, o nome é incluído no cadastro do SPC.
  10. 10. 10 Cuidados que os lojistas devem ter para evitar a inadimplência  Consultar sempre os cadastros de consumidores no SPC;  Evitar vender a prazos muito longos;  Solicitar sempre a apresentação de documentos de identidade do cliente;  Cobrar valor de entrada nos crediários e vendas a prazo;  Checar a assinatura de fatura dos cartões de crédito e cheques;  Não colocar o interesse da venda acima da cautela;  Fazer cadastro de clientes com referências e histórico de compras no estabelecimento. Cuidados que os consumidores devem ter para não ficarem inadimplentes  Privilegiar os pagamentos à vista;  Planejamento financeiro garante até a aposentadoria;  Planilha mensal dos gastos domésticos;  Nas compras a prazo prefira um número menor de prestações;  Somar os juros e calcular o preço final dos produtos comprados a prazo;  Não se ater ao valor da prestação e sim ao valor final do produto;  Manter sempre uma reserva financeira por segurança;  Evitar fazer transações contraindo empréstimos bancários;  Não comprometer toda a renda com compras, deixando uma reserva para eventualidades.
  11. 11. 11 O QUE É E O QUE FAZER  Cadastro de Emitentes de Cheques sem fundos (CCF) do Banco Central: ocorre quando o cheque do correntista é devolvido duas vezes por falta de fundos. A primeira coisa a fazer é procurar a agência do banco que apresentou a ocorrência e solicitar informações sobre o número, o valor e a data do cheque. Depois, procurar a pessoa/empresa para quem foi emitido o cheque, regularizar o débito e recuperar o cheque. De posse dele, vá ao seu banco e prepare uma carta, junte o original recuperado e recolha as taxas de devolução do cheque. Entregue tudo ao banco, com protocolo. Peça ainda a comunicação da regularização ao Banco do Brasil, encarregado de atualizar o arquivo de CCF.  Título protestado: ocorre quando o consumidor deixa de pagar dívida e o credor protesta o débito em cartório. Dirija-se ao cartório que registrou o protesto e solicite os dados de quem o protestou. Regularize o débito com o credor e peça uma carta atestando que a dívida foi quitada. Reconheça a firma da pessoa/empresa, retorne ao cartório e peça o cancelamento do protesto.  Dívida vencida: o consumidor com dívida existente e vencida, ao ter seus dados cadastrados em lista de devedores, será comunicado via correio, com a identificação da empresa/instituição credora. Procure-a e faça o acerto.

×