SlideShare uma empresa Scribd logo
As fornalhas da Terra

            Profª Ana Marta Conceição
Vulcanologia

         É o ramo das Ciências da Terra
            que estuda a formação, a
        distribuição e a classificação dos
              fenómenos vulcânicos.


       O que é um vulcão?

É uma abertura na crusta terrestre por onde irrompe magma
VULCANISMO



   PRIMÁRIO           SECUNDÁRIO




ERUPÇÕES      FUMAROLAS GÉISERES   ÁGUAS
VULCÂNICAS                         TERMAIS
Existem dois tipos principais de vulcanismo:

Vulcanismo Primário ou
Eruptivo – carateriza-se
pela ocorrência de erupções
vulcânicas.




                              Vulcanismo Secundário ou
                              Residual – durante ou após as
                              erupções vulcânicas, mantêm-se,
                              por vezes, nas regiões vulcânicas,
                              durante anos ou até séculos,
                              emissões de água a elevadas
                              temperaturas e/ou emissões de
                              gases.
Monte Santa-Helena,
Estados Unidos
Vulcanismo Primário ou Eruptivo
Erupção Vulcânica – emissão, através de uma
abertura na crusta terrestre, de materiais no
estado de fusão ígnea (lava), de gases e, nalguns
casos, materiais sólidos de várias dimensões.

                                  lava

          Erupções
                                  piroclastos
         Vulcânicas

                                  gases
As manifestações do vulcanismo
primário ou eruptivo podem ser de
            dois tipos:



 Vulcanismo         Vulcanismo
   Central           Fissural
Vulcanismo Central




Formação de um cone vulcânico, saída de lava por
             uma abertura central
Como se forma um vulcão?
Vulcão em
                                                   actividade




www.prof2000.pt/users/esf_cnat/teoriavulcoes.htm
Constituição de um vulcão

                         Gases e cinzas
Piroclastos



                  Lava               Cratera
                                       Chaminé
   Cone
   secundário
                                            Cone vulcânico




                         Câmara magmática
Vulcanismo Fissural




Vista aérea do vulcão Hekla (Islândia) no Inverno. A erupção fissural de
2000.
Vulcanismo do Tipo Fissural
Erupção Fissural – a lava é expulsa através
de fendas alongadas na crusta, que podem
atingir muitos quilómetros de comprimento.
Os mais extensos sistemas de erupções
fissurais verificam-se nos fundos oceânicos, ao
nível dos riftes.




                                             Ao nível dos continentes a
                                             lava espalha-se formando
                                             mantos basálticos de
                                             enorme extensão, como os
                                             típicos mantos de lava do
                                             Decão, na Índia. Este
                                             fenómeno não ocorre hoje.
Vulcanismo
                         Fissural
                       atual e passado



Krafla Islândia
(zona de rifte)




Deccan Traps (Deccan
Plateau), Índia –
derrames de basalto
Materiais expelidos pelos vulcões


Sólidos ou    Líquidos     Gasosos
piroclastos




                         Hidrogénio
                         Monóxido de carbono
                         Dióxido de carbono
                         Ácido clorídrico
                         Vapor de água
                         Monóxido de enxofre
                         Dióxido de enxofre
Piroclastos
    Piro= fogo clastos= detritos, rochas


O nome Piroclastos refere-se a uma classificação
genética (quanto à origem) dos diferentes
produtos vulcânicos sólidos.


Neste sentido podemos ter produtos sólidos de
diferentes composições químicas com o mesmo
nome em termos de origem.
Aspecto e dimensões dos piroclastos



                    Legenda:

                    1 - Bombas
                    ( diâmetro > 64mm)

                    2 - Lapilli ou bagacina
                    (diâmetro 2-64 mm

                    3 - Cinzas
                    (diâmetro < 2 mm)
Piroclastos quanto às dimensões podem ser:
  Bombas            Blocos           Lapili ou bagacina   Cinzas

 Arredondadas     Mais ou menos       Fragmentos        Fragmentos
 Fusiformes      angulosos            angulares          muito finos
                                       arredondados
                  Mais de 64mm                            Podem ser
 Mais de 64mm                          Podem ser        transportados
                    de origem nas
                                       expelidos em       pelo vento até
 de origem        rochas
                                       estado sólido ou   longas
lávica, muito      encaixantes à
                                       plático            distâncias
caraterísticas nas chaminé,
suas formas        portanto não
                                        2-64mm            Menos de
                   exclusivamente
                   lávicas, daí a                         2mm
 às vezes na
literatura não     sua forma.
aparecem
distinguidas dos
blocos
Algumas designações a que estamos habituados dizem
respeito à composição e textura dos piroclastos e
nesse sentido podem ocorrer nos mais variados
formatos destes.

Exemplos:

Pedra-pomes ou púmice – de cor
clara são resultante de lavas muito
ácidas e muito ricas em gases, logo
associadas a erupções explosivas.
São muito porosas e menos densas
que a água.


Escórias – de cor escura, são
características de magmas fluidos,
básicos ou intermédios. Apresentam
porosidade variável.
Gases – desde fracas emissões a nuvens ardentes...


                Que gases?
Vapor de água         Azoto

                                             Compostos de enxofre

                              Hidrogénio
   Monóxido de carbono
                                             Ácido clorídrico



       Dióxido de carbono              Outros ...
Nuvens ardentes – fragmentos de várias dimensões, com predomínio de
cinzas envolvidas em gases a elevadas temperaturas, calcinando tudo no seu
caminho (dar exemplo das partículas de líquido num spray).




Mont Pelée,
Martinica 1902
                                                          Krakatoa,
                                                          Indonésia


                                 Santa Helena, EUA
Que efeitos produzem
as nuvens ardentes?

Pompeia (79 d.C.) – Em
resultado da erupção
do Vesúvio cinzas, lava
e lamas cobriram os
habitantes da cidade,
permitindo    que    se
formassem os moldes
dos    corpos   e    da
posição     em      que
estavam        quando
ocorreu a catástrofe
Piroclastos quanto à maneira como ocorrem
    (se depositam relativamente ao aparelho
              vulcânico) podem ser:

 de fluxo – movimentam-se ao longo de vertentes,
envolvidos em água ou em gases



 de Queda – são projectados pelo vulcões, e acabam
por cair devido ao seu peso, perto da cratera ou nas
vertentes do cone vulcânico
Lava
 Resulta do magma (oriundo de zonas profundas da
 Terra) quando este sai à superfície da crusta terrestre
 (ou seja quando é expelido numa erupção vulcânica) e
 perde parte da fracção gasosa (sofre desgaseificação).

    Magma (composição)

                                          Gases
                                                  (parte
                                                  ou
                                                  fração
                                                  gasosa)
 Silicatos                        Substâncias
 fundidos                           voláteis
                 Cristais em
(Compostos em
 Si O2) (parte   suspensão
    líquida)     (parte sólida)
Distinção entre magma e lava


              Mistura de materiais resultantes da fusão de
Magma         rochas no interior da Terra.




Lava          Magma que flui à superfície da Terra e do
              qual se libertaram todos os gases para a
              atmosfera.
Lavas
1 - Uma das maneiras de as classificar é com base
no seu teor em sílica


2 - Outra maneira é classificá-las quanto à sua
viscosidade
1 - Classificação das lavas quanto ao teor em sílica




As lavas pobres em sílica, básicas são também chamadas
lavas máficas .
As lavas ácidas, ricas em sílica são também chamadas
lavas félsicas.
As lavas consideram-se ácidas a partir de 65% de sílica.
2 - Classificação das lavas quanto à viscosidade

Viscosidade – é a resistência que uma substância tem a fluir.
Globalmente para as diferentes substâncias varia na razão
inversa da temperatura (quanto mais quente mais fluido) e
na razão directa da presença de algumas substâncias
dissolvidas.


No caso das lavas é a quantidade ou teor em sílica que vai
afetar diretamente a sua viscosidade. Quanto mais sílica
(SiO2) mais viscoso.




  Podem ser: Lavas fluidas e viscosas
     (Há no entanto lavas de viscosidade intermédia)
Aquando uma erupção vulcânica, as lavas podem formar por
 ordem decrescente de viscosidade : agulhas, domos, domos-
 escoada ou escoadas. No caso das duas primeiras o magma
 arrefece e solidifica antes de ter tempo de se derramar.




Legenda: 1 - agulha; 2 - domo; 3 - domo-escoada; 4 - escoada de
lava (podem atingir várias dezenas de quilómetros de
comprimento).
                             Adaptado de: www.eb23-barroselas.rcts.pt/nucleosest/viscos...
Formas de consolidação
   de lavas fluidas a
     intermédias
Lavas fluidas
 Baixa viscosidade

 pobre em sílica (básica ou máfica)

 1100-1200ºC
 Basálticas

 Movem-se rapidamente,
percorrendo grandes distâncias,
formando “rios de lava”
 A fração volátil (gases)
liberta-se facilmente

 Originam erupções efusivas

 Quando consolidam formam
lavas encordoadas ou pahoehoe
(termo de origem havaiano), ou
pillow lavas quando consolidam
dentro de água.
Lavas fluidas mas menos
   fluidas que as pahoehoe
 Temperaturas um pouco mais baixas

 Um pouco mais rica em sílica
(podem ir a intermédias)

 Mais viscosas

 libertação de gases um
pouco mais difícil

 Erupções um pouco menos
efusivas ou de efusivas a mistas

 quando consolidam são
chamadas lavas escoriáceas
ou aa (ásperas e fissuradas,
como resultado da saída de
gases).
Escoada aa avançando
                                      sobre lava pahoehoe
                                      Kīlauea, Havai.




Lava pahoehoe Havai                 Lava pahoehoe Hekla, Islândia




http://pt.wikipedia.org/wiki/Lava
Fluxo de lava (lava aa), Etna Itália
Nalgumas situações
 eruptivas os fluxos
 de lava não
 consolidam em
 formações aa nem
 em formações
 pahoehoe podendo
 formar disjunções
 colunares ou
 prismáticas de lava.



   Estas formações correspondem a contrações que se geram no
   seio da escoada lávica, devidas a um arrefecimento muito
   rápido desta. A lava consolida em prismas de forma hexagonal
   que são sempre perpendiculares à superfície de arrefecimento

http://www.speleoazores.com/glossario_speleo.php?formacao=Disjunção%20Prismática&PHPSE
SSID=54f5dca63008ea0198fc840849fa3506#20
“Tubos de Órgão” -
Islândia                                               “Calçada de gigantes” - Irlanda
http://www.rsiphotos.com/gallery_detail.php?PhotoID=
179
Formas de consolidação de lavas
   viscosas a muito viscosas
Agulhas vulcânicas




Agathla's Needle (Agathla
Peak) Navajo Volcanic Field,
Arizona
                               ‘Needle of Pelée’, Mont Pelée,
                               Ilha da Martinica 1902)
                               http://www.ipgp.jussieu.fr/pages/030303060201.php?langue=1
Processos que levam à “formação” de uma agulha
  vulcânica: erosão do cone ou crescimento da agulha




oficina.cienciaviva.pt/.../lexim_chamine.htm




No caso de Mont Pelée, Ilha da Martinica (1902), a agulha não se formou
pelo processo acima descrito mas tão só por ascenção de lava que foi
consolidando acima da cratera e foi “crescendo”.
Domas vulcânicos
Vista do vulcão
Novarupta em 1987
(depois da erupção de
1912)




                            Vista aérea do doma do vulcão
                            Novarupta, Alaska




                        S   http://www.avo.alaska.edu/volcano
                        c   es/volcinfo.php?volcname=Novarupt
                        h   a
Comportamento de vulcões relativamente ao tipo
de material que é expelido durante as erupções
            ou nos intervalos delas
   Erupções explosivas de lava rica em sílica (ácida ou félsica
  + de 65% sílica) (riolito)
   Erupções efusivas de lava pobre em sílica (básica ou
  máfica – de 52% de sílica) (basalto)
   Escoadas piroclásticas
   Lahares - avalanche de lama constituída por piroclastos
  de pequenas dimensões e água que corre pelas vertentes
  do cone vulcânico - México
   Erupções freáticas (água vaporizada)
   Emissões de dióxido de carbono
Classificação mais recente, segundo as características


       do material expelido durante a erupção


     Erupções Efusivas

     Erupções Explosivas

     Erupções Mistas
Kilauea, Hawai
Erupções Efusivas


 Magma fluido
 Fácil libertação dos gases
 Erupção calma
 Derramamento de lava
abundante a altas
temperaturas
 Mantos de lava ou
correntes de lava
 Cones baixos quando existentes
Erupções Explosivas

 Erupção violenta

 Lavas viscosas

 Difícil libertação de
gases

 Formação de domas, cúpulas e agulhas vulcânicas

 Os cones são acumulações de piroclastos
Erupçõe Mistas


 Fases explosivas alternadas com fases
efusivas

 Cones com alternância de camadas de
piroclastos e camadas de lava
Crateras de ressurgência ou caldeiras relacionam-se
com aparelhos eruptivos que abateram e que resultam da
formação de uma caldeira. Ex: sete cidades Açores e
Cerro gallan Argentina




                               A caldeira Kaguyak no Alasca
                               possui 2,5 km de diâmetro
                               (Foto cortesia da USGS)
Uma Caldeira, como se forma?

São depressões de grandes
dimensões na parte superior
dos vulcões do tipo central,
devido ao afundimento da
cratera e chaminé,
provocado por um
esvaziamento da câmara
magmática.




  A existência de fraturas e o peso das camadas superiores provoca a
  queda do teto da câmara, formando, então as caldeiras.
  Estas, podem mais tarde, ser preenchidas pelas águas das chuvas,
  formando lagoas.
Caldeira e lagoa das Sete Cidades,
Açores




             Lagoa do Fogo, Açores
Vulcões activos, inactivos e extintos...

Um critério tradicional, mas nem sempre consensual,
para a determinação destes limites é a data da última
erupção.

Se esta estiver dentro do período em que as pessoas
vêm registrando a história, o vulcão é considerado
ativo.

Se a última erupção ocorreu antes dos tempos
históricos, mas dentro de 10.000 anos, então o vulcão é
considerado "adormecido“, inactivo pois é provável
que ele ainda tenha a capacidade de entrar em
erupção novamente.

Os vulcões que não entram em erupção por mais de
10.000 anos são considerados extintos, pois dificilmente
eles entrarão em erupção de novo
VULCANISMO



   PRIMÁRIO           SECUNDÁRIO




ERUPÇÕES      FUMAROLAS GÉISERES   ÁGUAS
VULCÂNICAS                         TERMAIS
Islândia
Vale das Furnas, S.Miguel - Açores
Îslândia
Yellowstone, Estados Unidos
Vulcanismo Residual
                    ou secundário

 Fumarolas      – emissões de gases, a temperaturas
 elevadas que vão baixando ao longo do tempo



        Sulfataras                     Mofetas




Géisers     – repuxos intermitentes de águas
subterrâneas e de vapor de água
Nascentes termais – fontes de libertação de águas
quentes, ricas em sais minerais, sobreaquecidas devido ao calor
dissipado nas regiões vulcânicas ou ao aumento da temperatura
com a profundidade.




Águas Magmáticas ou Juvenis – têm origem
magmática. As águas libertadas resultam do arrefecimento e
consequente condensação do vapor de água que se liberta do
magma.
Aproveitamento
 dos
vulcões
Faial, Açores
Etna, Itália
Macacos aproveitando o calor
                                       das fontes termais
               Geyser em Kamisuwa




Deildartunguhver, Iceland: a mais alta fonte termal da Europa



http://en.wikipedia.org/wiki/Hot_spring
Vantagens das Erupções
        Vulcânicas para a População

 Utilização agrícola dos solos

 Exploração de produtos
minerais como o enxofre, o
cobre, o ferro, a platina e os
diamantes

 Interesse turístico

 Energia Geotérmica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

DeformaçõEs Das Rochas
DeformaçõEs Das RochasDeformaçõEs Das Rochas
DeformaçõEs Das Rochas
Arminda Malho
 
Atividade vulcanica
Atividade vulcanicaAtividade vulcanica
Rochas sedimentares - minerais e formação
Rochas sedimentares  - minerais e formaçãoRochas sedimentares  - minerais e formação
Rochas sedimentares - minerais e formação
Isabel Lopes
 
Rochas sedimentares classificação quimiogénicas
Rochas sedimentares  classificação quimiogénicasRochas sedimentares  classificação quimiogénicas
Rochas sedimentares classificação quimiogénicas
Isabel Lopes
 
XI - ROCHAS METAMÓRFICAS
XI - ROCHAS METAMÓRFICASXI - ROCHAS METAMÓRFICAS
XI - ROCHAS METAMÓRFICAS
Sandra Nascimento
 
Princípios estratigráficos
Princípios estratigráficosPrincípios estratigráficos
Princípios estratigráficos
Catir
 
3 tectónica de placas
3   tectónica de placas3   tectónica de placas
3 tectónica de placas
margaridabt
 
Rochas magmáticas
Rochas magmáticasRochas magmáticas
Rochas magmáticas
Tânia Reis
 
O tempo em geologia - datação relativa e absoluta
O tempo em geologia - datação relativa e absolutaO tempo em geologia - datação relativa e absoluta
O tempo em geologia - datação relativa e absoluta
Ana Castro
 
Rochas Metamórficas
Rochas MetamórficasRochas Metamórficas
Rochas Metamórficas
Tânia Reis
 
IX - ROCHAS MAGMÁTICAS
IX - ROCHAS MAGMÁTICASIX - ROCHAS MAGMÁTICAS
IX - ROCHAS MAGMÁTICAS
sandranascimento
 
V - VULCANISMO
V - VULCANISMOV - VULCANISMO
V - VULCANISMO
sandranascimento
 
Geo 10 tempo geológico (datação absoluta)
Geo 10   tempo geológico (datação absoluta)Geo 10   tempo geológico (datação absoluta)
Geo 10 tempo geológico (datação absoluta)
Nuno Correia
 
Rochas sedimentares classificação detríticas
Rochas sedimentares  classificação detríticasRochas sedimentares  classificação detríticas
Rochas sedimentares classificação detríticas
Isabel Lopes
 
7 rochas metamórficas
7   rochas metamórficas7   rochas metamórficas
7 rochas metamórficas
margaridabt
 
3 b classificaçãorochassedimentares
3 b   classificaçãorochassedimentares3 b   classificaçãorochassedimentares
3 b classificaçãorochassedimentares
margaridabt
 
7 métodos estudo interior da terra
7   métodos estudo interior da terra7   métodos estudo interior da terra
7 métodos estudo interior da terra
margaridabt
 
Geologia 10 vulcanismo
Geologia 10   vulcanismoGeologia 10   vulcanismo
Geologia 10 vulcanismo
Nuno Correia
 
8 sismologia
8   sismologia8   sismologia
8 sismologia
margaridabt
 
Datação relativa
Datação relativaDatação relativa
Datação relativa
catiacsantos
 

Mais procurados (20)

DeformaçõEs Das Rochas
DeformaçõEs Das RochasDeformaçõEs Das Rochas
DeformaçõEs Das Rochas
 
Atividade vulcanica
Atividade vulcanicaAtividade vulcanica
Atividade vulcanica
 
Rochas sedimentares - minerais e formação
Rochas sedimentares  - minerais e formaçãoRochas sedimentares  - minerais e formação
Rochas sedimentares - minerais e formação
 
Rochas sedimentares classificação quimiogénicas
Rochas sedimentares  classificação quimiogénicasRochas sedimentares  classificação quimiogénicas
Rochas sedimentares classificação quimiogénicas
 
XI - ROCHAS METAMÓRFICAS
XI - ROCHAS METAMÓRFICASXI - ROCHAS METAMÓRFICAS
XI - ROCHAS METAMÓRFICAS
 
Princípios estratigráficos
Princípios estratigráficosPrincípios estratigráficos
Princípios estratigráficos
 
3 tectónica de placas
3   tectónica de placas3   tectónica de placas
3 tectónica de placas
 
Rochas magmáticas
Rochas magmáticasRochas magmáticas
Rochas magmáticas
 
O tempo em geologia - datação relativa e absoluta
O tempo em geologia - datação relativa e absolutaO tempo em geologia - datação relativa e absoluta
O tempo em geologia - datação relativa e absoluta
 
Rochas Metamórficas
Rochas MetamórficasRochas Metamórficas
Rochas Metamórficas
 
IX - ROCHAS MAGMÁTICAS
IX - ROCHAS MAGMÁTICASIX - ROCHAS MAGMÁTICAS
IX - ROCHAS MAGMÁTICAS
 
V - VULCANISMO
V - VULCANISMOV - VULCANISMO
V - VULCANISMO
 
Geo 10 tempo geológico (datação absoluta)
Geo 10   tempo geológico (datação absoluta)Geo 10   tempo geológico (datação absoluta)
Geo 10 tempo geológico (datação absoluta)
 
Rochas sedimentares classificação detríticas
Rochas sedimentares  classificação detríticasRochas sedimentares  classificação detríticas
Rochas sedimentares classificação detríticas
 
7 rochas metamórficas
7   rochas metamórficas7   rochas metamórficas
7 rochas metamórficas
 
3 b classificaçãorochassedimentares
3 b   classificaçãorochassedimentares3 b   classificaçãorochassedimentares
3 b classificaçãorochassedimentares
 
7 métodos estudo interior da terra
7   métodos estudo interior da terra7   métodos estudo interior da terra
7 métodos estudo interior da terra
 
Geologia 10 vulcanismo
Geologia 10   vulcanismoGeologia 10   vulcanismo
Geologia 10 vulcanismo
 
8 sismologia
8   sismologia8   sismologia
8 sismologia
 
Datação relativa
Datação relativaDatação relativa
Datação relativa
 

Destaque

Atividade vulcânica
Atividade vulcânicaAtividade vulcânica
Atividade vulcânica
acatarina82
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
Marta_Costinha
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
Samanta Duarte
 
Sismologia vulcanica
Sismologia vulcanicaSismologia vulcanica
Sismologia vulcanica
Cristina Gonçalves
 
25308967 recursos-naturais
25308967 recursos-naturais25308967 recursos-naturais
25308967 recursos-naturais
Pelo Siro
 
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
UFRJ
 
Tipos de vulcões
Tipos de vulcõesTipos de vulcões
Tipos de vulcões
Wanderson Benigno
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
Elô Steffens
 
Monte Santa Helena
Monte Santa HelenaMonte Santa Helena
Monte Santa Helena
iesasorey
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
Carla Brígida
 
Atividade vulcânica
Atividade vulcânicaAtividade vulcânica
Atividade vulcânica
Sara Carvalhosa
 
Os Vulcões
Os VulcõesOs Vulcões
Os Vulcões
dulcemarr
 
Gráfico circular dos níveis do 6ºE (2ºP)Filipe
Gráfico circular dos níveis do 6ºE (2ºP)FilipeGráfico circular dos níveis do 6ºE (2ºP)Filipe
Gráfico circular dos níveis do 6ºE (2ºP)Filipe
guest869e2e8
 
Vulcão santa helena
Vulcão santa helenaVulcão santa helena
Vulcão santa helena
Susana Amaral
 
Camada interna da terra
Camada interna da terraCamada interna da terra
Camada interna da terra
Evandro Vilas Boas Coelho
 
Atividade vulcânica
Atividade vulcânicaAtividade vulcânica
Atividade vulcânica
Catir
 
Ppt 8º ano de escolaridade - Ciências Naturais
Ppt 8º ano de escolaridade - Ciências NaturaisPpt 8º ano de escolaridade - Ciências Naturais
Ppt 8º ano de escolaridade - Ciências Naturais
Leonardo Alves
 
Powerpoint Nr. 2 InteracçõEs Seres Vivos Ambiente
Powerpoint Nr. 2   InteracçõEs Seres Vivos  AmbientePowerpoint Nr. 2   InteracçõEs Seres Vivos  Ambiente
Powerpoint Nr. 2 InteracçõEs Seres Vivos Ambiente
Nuno Correia
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
Gabriel Pereira
 
5º geo 6 ano formação da terra e litosfera - interior da terra e crosta te...
5º geo 6 ano   formação da terra e litosfera -  interior da terra e crosta te...5º geo 6 ano   formação da terra e litosfera -  interior da terra e crosta te...
5º geo 6 ano formação da terra e litosfera - interior da terra e crosta te...
Ste Escola Bernardino
 

Destaque (20)

Atividade vulcânica
Atividade vulcânicaAtividade vulcânica
Atividade vulcânica
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
 
Sismologia vulcanica
Sismologia vulcanicaSismologia vulcanica
Sismologia vulcanica
 
25308967 recursos-naturais
25308967 recursos-naturais25308967 recursos-naturais
25308967 recursos-naturais
 
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
 
Tipos de vulcões
Tipos de vulcõesTipos de vulcões
Tipos de vulcões
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
 
Monte Santa Helena
Monte Santa HelenaMonte Santa Helena
Monte Santa Helena
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
 
Atividade vulcânica
Atividade vulcânicaAtividade vulcânica
Atividade vulcânica
 
Os Vulcões
Os VulcõesOs Vulcões
Os Vulcões
 
Gráfico circular dos níveis do 6ºE (2ºP)Filipe
Gráfico circular dos níveis do 6ºE (2ºP)FilipeGráfico circular dos níveis do 6ºE (2ºP)Filipe
Gráfico circular dos níveis do 6ºE (2ºP)Filipe
 
Vulcão santa helena
Vulcão santa helenaVulcão santa helena
Vulcão santa helena
 
Camada interna da terra
Camada interna da terraCamada interna da terra
Camada interna da terra
 
Atividade vulcânica
Atividade vulcânicaAtividade vulcânica
Atividade vulcânica
 
Ppt 8º ano de escolaridade - Ciências Naturais
Ppt 8º ano de escolaridade - Ciências NaturaisPpt 8º ano de escolaridade - Ciências Naturais
Ppt 8º ano de escolaridade - Ciências Naturais
 
Powerpoint Nr. 2 InteracçõEs Seres Vivos Ambiente
Powerpoint Nr. 2   InteracçõEs Seres Vivos  AmbientePowerpoint Nr. 2   InteracçõEs Seres Vivos  Ambiente
Powerpoint Nr. 2 InteracçõEs Seres Vivos Ambiente
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
 
5º geo 6 ano formação da terra e litosfera - interior da terra e crosta te...
5º geo 6 ano   formação da terra e litosfera -  interior da terra e crosta te...5º geo 6 ano   formação da terra e litosfera -  interior da terra e crosta te...
5º geo 6 ano formação da terra e litosfera - interior da terra e crosta te...
 

Semelhante a Vulcoes(1)

Tipos de erupção1
Tipos de erupção1Tipos de erupção1
Tipos de erupção1
Paulinha Sousa
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
Cláudia Moura
 
Vulcanismo2
Vulcanismo2Vulcanismo2
Vulcanismo2
home
 
VULCANOLOGIA.pptx
VULCANOLOGIA.pptxVULCANOLOGIA.pptx
VULCANOLOGIA.pptx
RicardoVasconcelos65
 
tipos de vulcanismo 7 ano
tipos de vulcanismo 7 anotipos de vulcanismo 7 ano
tipos de vulcanismo 7 ano
David Aps
 
Geologia 10º ano II
Geologia 10º ano IIGeologia 10º ano II
Geologia 10º ano II
Renata Sofia
 
Vulcoes
VulcoesVulcoes
Vulcoes
turmabgranja
 
Vulcanologia (resumo)
Vulcanologia (resumo)Vulcanologia (resumo)
Vulcanologia (resumo)
Nome Sobrenome
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
Pelo Siro
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
Gabriela Bruno
 
Introdução (Vulcanismo)
Introdução (Vulcanismo)Introdução (Vulcanismo)
Introdução (Vulcanismo)
Sasuke Sakura
 
ErupçõEs Vulcânicas
ErupçõEs VulcânicasErupçõEs Vulcânicas
ErupçõEs Vulcânicas
dulcemarr
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
anokascris
 
vulcanismo.ppt
vulcanismo.pptvulcanismo.ppt
vulcanismo.ppt
MikeMicas
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
Ana Soares
 
10 vulcanologia
10 vulcanologia10 vulcanologia
10 vulcanologia
Maria João Drumond
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
guest52af3f
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
Catir
 
Vulcanismo 7º
Vulcanismo 7ºVulcanismo 7º
Vulcanismo 7º
guest76d5b3
 
vulcanismo_2.ppt
vulcanismo_2.pptvulcanismo_2.ppt
vulcanismo_2.ppt
Lurdes Dias
 

Semelhante a Vulcoes(1) (20)

Tipos de erupção1
Tipos de erupção1Tipos de erupção1
Tipos de erupção1
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
 
Vulcanismo2
Vulcanismo2Vulcanismo2
Vulcanismo2
 
VULCANOLOGIA.pptx
VULCANOLOGIA.pptxVULCANOLOGIA.pptx
VULCANOLOGIA.pptx
 
tipos de vulcanismo 7 ano
tipos de vulcanismo 7 anotipos de vulcanismo 7 ano
tipos de vulcanismo 7 ano
 
Geologia 10º ano II
Geologia 10º ano IIGeologia 10º ano II
Geologia 10º ano II
 
Vulcoes
VulcoesVulcoes
Vulcoes
 
Vulcanologia (resumo)
Vulcanologia (resumo)Vulcanologia (resumo)
Vulcanologia (resumo)
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
 
Introdução (Vulcanismo)
Introdução (Vulcanismo)Introdução (Vulcanismo)
Introdução (Vulcanismo)
 
ErupçõEs Vulcânicas
ErupçõEs VulcânicasErupçõEs Vulcânicas
ErupçõEs Vulcânicas
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
 
vulcanismo.ppt
vulcanismo.pptvulcanismo.ppt
vulcanismo.ppt
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
 
10 vulcanologia
10 vulcanologia10 vulcanologia
10 vulcanologia
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
 
Vulcanismo 7º
Vulcanismo 7ºVulcanismo 7º
Vulcanismo 7º
 
vulcanismo_2.ppt
vulcanismo_2.pptvulcanismo_2.ppt
vulcanismo_2.ppt
 

Mais de Ana Conceição

Conditerra amc
Conditerra amcConditerra amc
Conditerra amc
Ana Conceição
 
Terra conta historia_1 (3)
Terra conta historia_1 (3)Terra conta historia_1 (3)
Terra conta historia_1 (3)
Ana Conceição
 
Terra sistemas1
Terra sistemas1Terra sistemas1
Terra sistemas1
Ana Conceição
 
BioDiversidade
BioDiversidade BioDiversidade
BioDiversidade
Ana Conceição
 
Conditerra
ConditerraConditerra
Conditerra
Ana Conceição
 
Origem da vida cd
Origem da vida cdOrigem da vida cd
Origem da vida cd
Ana Conceição
 
Conservação em meio urbano ana marta conceição (1)
Conservação em meio urbano ana marta conceição (1)Conservação em meio urbano ana marta conceição (1)
Conservação em meio urbano ana marta conceição (1)
Ana Conceição
 
Vulcanismo
Vulcanismo  Vulcanismo
Vulcanismo
Ana Conceição
 
Matriz 2 7ºd 2014 2015
Matriz 2 7ºd 2014 2015Matriz 2 7ºd 2014 2015
Matriz 2 7ºd 2014 2015
Ana Conceição
 
1 n¡veis de organiza‡æo num ecossistema(1)
1  n¡veis de organiza‡æo num ecossistema(1)1  n¡veis de organiza‡æo num ecossistema(1)
1 n¡veis de organiza‡æo num ecossistema(1)
Ana Conceição
 
Mineralogia
MineralogiaMineralogia
Mineralogia
Ana Conceição
 
Paisagensgeolgicas
PaisagensgeolgicasPaisagensgeolgicas
Paisagensgeolgicas
Ana Conceição
 
Cond vida terra
Cond vida terraCond vida terra
Cond vida terra
Ana Conceição
 
Paisagem cársica.
Paisagem cársica.Paisagem cársica.
Paisagem cársica.
Ana Conceição
 
Dinâmica dos ecossistemas.
Dinâmica dos ecossistemas.Dinâmica dos ecossistemas.
Dinâmica dos ecossistemas.
Ana Conceição
 
Unidade1
Unidade1Unidade1
Unidade1
Ana Conceição
 
Sistema digestivo
Sistema digestivoSistema digestivo
Sistema digestivo
Ana Conceição
 
Aula 10 sistema reprodutor feminino
Aula 10  sistema reprodutor femininoAula 10  sistema reprodutor feminino
Aula 10 sistema reprodutor feminino
Ana Conceição
 
Aula 9 sistema reprodutor masculino
Aula 9  sistema reprodutor masculinoAula 9  sistema reprodutor masculino
Aula 9 sistema reprodutor masculino
Ana Conceição
 
Noções básicas de hereditariedade
Noções básicas de hereditariedadeNoções básicas de hereditariedade
Noções básicas de hereditariedade
Ana Conceição
 

Mais de Ana Conceição (20)

Conditerra amc
Conditerra amcConditerra amc
Conditerra amc
 
Terra conta historia_1 (3)
Terra conta historia_1 (3)Terra conta historia_1 (3)
Terra conta historia_1 (3)
 
Terra sistemas1
Terra sistemas1Terra sistemas1
Terra sistemas1
 
BioDiversidade
BioDiversidade BioDiversidade
BioDiversidade
 
Conditerra
ConditerraConditerra
Conditerra
 
Origem da vida cd
Origem da vida cdOrigem da vida cd
Origem da vida cd
 
Conservação em meio urbano ana marta conceição (1)
Conservação em meio urbano ana marta conceição (1)Conservação em meio urbano ana marta conceição (1)
Conservação em meio urbano ana marta conceição (1)
 
Vulcanismo
Vulcanismo  Vulcanismo
Vulcanismo
 
Matriz 2 7ºd 2014 2015
Matriz 2 7ºd 2014 2015Matriz 2 7ºd 2014 2015
Matriz 2 7ºd 2014 2015
 
1 n¡veis de organiza‡æo num ecossistema(1)
1  n¡veis de organiza‡æo num ecossistema(1)1  n¡veis de organiza‡æo num ecossistema(1)
1 n¡veis de organiza‡æo num ecossistema(1)
 
Mineralogia
MineralogiaMineralogia
Mineralogia
 
Paisagensgeolgicas
PaisagensgeolgicasPaisagensgeolgicas
Paisagensgeolgicas
 
Cond vida terra
Cond vida terraCond vida terra
Cond vida terra
 
Paisagem cársica.
Paisagem cársica.Paisagem cársica.
Paisagem cársica.
 
Dinâmica dos ecossistemas.
Dinâmica dos ecossistemas.Dinâmica dos ecossistemas.
Dinâmica dos ecossistemas.
 
Unidade1
Unidade1Unidade1
Unidade1
 
Sistema digestivo
Sistema digestivoSistema digestivo
Sistema digestivo
 
Aula 10 sistema reprodutor feminino
Aula 10  sistema reprodutor femininoAula 10  sistema reprodutor feminino
Aula 10 sistema reprodutor feminino
 
Aula 9 sistema reprodutor masculino
Aula 9  sistema reprodutor masculinoAula 9  sistema reprodutor masculino
Aula 9 sistema reprodutor masculino
 
Noções básicas de hereditariedade
Noções básicas de hereditariedadeNoções básicas de hereditariedade
Noções básicas de hereditariedade
 

Vulcoes(1)

  • 1. As fornalhas da Terra Profª Ana Marta Conceição
  • 2. Vulcanologia É o ramo das Ciências da Terra que estuda a formação, a distribuição e a classificação dos fenómenos vulcânicos. O que é um vulcão? É uma abertura na crusta terrestre por onde irrompe magma
  • 3. VULCANISMO PRIMÁRIO SECUNDÁRIO ERUPÇÕES FUMAROLAS GÉISERES ÁGUAS VULCÂNICAS TERMAIS
  • 4. Existem dois tipos principais de vulcanismo: Vulcanismo Primário ou Eruptivo – carateriza-se pela ocorrência de erupções vulcânicas. Vulcanismo Secundário ou Residual – durante ou após as erupções vulcânicas, mantêm-se, por vezes, nas regiões vulcânicas, durante anos ou até séculos, emissões de água a elevadas temperaturas e/ou emissões de gases.
  • 6. Vulcanismo Primário ou Eruptivo Erupção Vulcânica – emissão, através de uma abertura na crusta terrestre, de materiais no estado de fusão ígnea (lava), de gases e, nalguns casos, materiais sólidos de várias dimensões. lava Erupções piroclastos Vulcânicas gases
  • 7. As manifestações do vulcanismo primário ou eruptivo podem ser de dois tipos: Vulcanismo Vulcanismo Central Fissural
  • 8. Vulcanismo Central Formação de um cone vulcânico, saída de lava por uma abertura central
  • 9. Como se forma um vulcão?
  • 10. Vulcão em actividade www.prof2000.pt/users/esf_cnat/teoriavulcoes.htm
  • 11. Constituição de um vulcão Gases e cinzas Piroclastos Lava Cratera Chaminé Cone secundário Cone vulcânico Câmara magmática
  • 12. Vulcanismo Fissural Vista aérea do vulcão Hekla (Islândia) no Inverno. A erupção fissural de 2000.
  • 13. Vulcanismo do Tipo Fissural Erupção Fissural – a lava é expulsa através de fendas alongadas na crusta, que podem atingir muitos quilómetros de comprimento. Os mais extensos sistemas de erupções fissurais verificam-se nos fundos oceânicos, ao nível dos riftes. Ao nível dos continentes a lava espalha-se formando mantos basálticos de enorme extensão, como os típicos mantos de lava do Decão, na Índia. Este fenómeno não ocorre hoje.
  • 14. Vulcanismo Fissural atual e passado Krafla Islândia (zona de rifte) Deccan Traps (Deccan Plateau), Índia – derrames de basalto
  • 15. Materiais expelidos pelos vulcões Sólidos ou Líquidos Gasosos piroclastos Hidrogénio Monóxido de carbono Dióxido de carbono Ácido clorídrico Vapor de água Monóxido de enxofre Dióxido de enxofre
  • 16. Piroclastos Piro= fogo clastos= detritos, rochas O nome Piroclastos refere-se a uma classificação genética (quanto à origem) dos diferentes produtos vulcânicos sólidos. Neste sentido podemos ter produtos sólidos de diferentes composições químicas com o mesmo nome em termos de origem.
  • 17. Aspecto e dimensões dos piroclastos Legenda: 1 - Bombas ( diâmetro > 64mm) 2 - Lapilli ou bagacina (diâmetro 2-64 mm 3 - Cinzas (diâmetro < 2 mm)
  • 18. Piroclastos quanto às dimensões podem ser: Bombas Blocos Lapili ou bagacina Cinzas  Arredondadas  Mais ou menos  Fragmentos  Fragmentos  Fusiformes angulosos angulares muito finos arredondados  Mais de 64mm  Podem ser  Mais de 64mm  Podem ser transportados  de origem nas expelidos em pelo vento até  de origem rochas estado sólido ou longas lávica, muito encaixantes à plático distâncias caraterísticas nas chaminé, suas formas portanto não  2-64mm  Menos de exclusivamente lávicas, daí a 2mm  às vezes na literatura não sua forma. aparecem distinguidas dos blocos
  • 19. Algumas designações a que estamos habituados dizem respeito à composição e textura dos piroclastos e nesse sentido podem ocorrer nos mais variados formatos destes. Exemplos: Pedra-pomes ou púmice – de cor clara são resultante de lavas muito ácidas e muito ricas em gases, logo associadas a erupções explosivas. São muito porosas e menos densas que a água. Escórias – de cor escura, são características de magmas fluidos, básicos ou intermédios. Apresentam porosidade variável.
  • 20. Gases – desde fracas emissões a nuvens ardentes... Que gases? Vapor de água Azoto Compostos de enxofre Hidrogénio Monóxido de carbono Ácido clorídrico Dióxido de carbono Outros ...
  • 21. Nuvens ardentes – fragmentos de várias dimensões, com predomínio de cinzas envolvidas em gases a elevadas temperaturas, calcinando tudo no seu caminho (dar exemplo das partículas de líquido num spray). Mont Pelée, Martinica 1902 Krakatoa, Indonésia Santa Helena, EUA
  • 22. Que efeitos produzem as nuvens ardentes? Pompeia (79 d.C.) – Em resultado da erupção do Vesúvio cinzas, lava e lamas cobriram os habitantes da cidade, permitindo que se formassem os moldes dos corpos e da posição em que estavam quando ocorreu a catástrofe
  • 23. Piroclastos quanto à maneira como ocorrem (se depositam relativamente ao aparelho vulcânico) podem ser:  de fluxo – movimentam-se ao longo de vertentes, envolvidos em água ou em gases  de Queda – são projectados pelo vulcões, e acabam por cair devido ao seu peso, perto da cratera ou nas vertentes do cone vulcânico
  • 24. Lava Resulta do magma (oriundo de zonas profundas da Terra) quando este sai à superfície da crusta terrestre (ou seja quando é expelido numa erupção vulcânica) e perde parte da fracção gasosa (sofre desgaseificação). Magma (composição) Gases (parte ou fração gasosa) Silicatos Substâncias fundidos voláteis Cristais em (Compostos em Si O2) (parte suspensão líquida) (parte sólida)
  • 25. Distinção entre magma e lava Mistura de materiais resultantes da fusão de Magma rochas no interior da Terra. Lava Magma que flui à superfície da Terra e do qual se libertaram todos os gases para a atmosfera.
  • 26. Lavas 1 - Uma das maneiras de as classificar é com base no seu teor em sílica 2 - Outra maneira é classificá-las quanto à sua viscosidade
  • 27. 1 - Classificação das lavas quanto ao teor em sílica As lavas pobres em sílica, básicas são também chamadas lavas máficas . As lavas ácidas, ricas em sílica são também chamadas lavas félsicas. As lavas consideram-se ácidas a partir de 65% de sílica.
  • 28. 2 - Classificação das lavas quanto à viscosidade Viscosidade – é a resistência que uma substância tem a fluir. Globalmente para as diferentes substâncias varia na razão inversa da temperatura (quanto mais quente mais fluido) e na razão directa da presença de algumas substâncias dissolvidas. No caso das lavas é a quantidade ou teor em sílica que vai afetar diretamente a sua viscosidade. Quanto mais sílica (SiO2) mais viscoso. Podem ser: Lavas fluidas e viscosas (Há no entanto lavas de viscosidade intermédia)
  • 29. Aquando uma erupção vulcânica, as lavas podem formar por ordem decrescente de viscosidade : agulhas, domos, domos- escoada ou escoadas. No caso das duas primeiras o magma arrefece e solidifica antes de ter tempo de se derramar. Legenda: 1 - agulha; 2 - domo; 3 - domo-escoada; 4 - escoada de lava (podem atingir várias dezenas de quilómetros de comprimento). Adaptado de: www.eb23-barroselas.rcts.pt/nucleosest/viscos...
  • 30. Formas de consolidação de lavas fluidas a intermédias
  • 31. Lavas fluidas  Baixa viscosidade  pobre em sílica (básica ou máfica)  1100-1200ºC  Basálticas  Movem-se rapidamente, percorrendo grandes distâncias, formando “rios de lava”  A fração volátil (gases) liberta-se facilmente  Originam erupções efusivas  Quando consolidam formam lavas encordoadas ou pahoehoe (termo de origem havaiano), ou pillow lavas quando consolidam dentro de água.
  • 32. Lavas fluidas mas menos fluidas que as pahoehoe  Temperaturas um pouco mais baixas  Um pouco mais rica em sílica (podem ir a intermédias)  Mais viscosas  libertação de gases um pouco mais difícil  Erupções um pouco menos efusivas ou de efusivas a mistas  quando consolidam são chamadas lavas escoriáceas ou aa (ásperas e fissuradas, como resultado da saída de gases).
  • 33. Escoada aa avançando sobre lava pahoehoe Kīlauea, Havai. Lava pahoehoe Havai Lava pahoehoe Hekla, Islândia http://pt.wikipedia.org/wiki/Lava
  • 34. Fluxo de lava (lava aa), Etna Itália
  • 35. Nalgumas situações eruptivas os fluxos de lava não consolidam em formações aa nem em formações pahoehoe podendo formar disjunções colunares ou prismáticas de lava. Estas formações correspondem a contrações que se geram no seio da escoada lávica, devidas a um arrefecimento muito rápido desta. A lava consolida em prismas de forma hexagonal que são sempre perpendiculares à superfície de arrefecimento http://www.speleoazores.com/glossario_speleo.php?formacao=Disjunção%20Prismática&PHPSE SSID=54f5dca63008ea0198fc840849fa3506#20
  • 36. “Tubos de Órgão” - Islândia “Calçada de gigantes” - Irlanda http://www.rsiphotos.com/gallery_detail.php?PhotoID= 179
  • 37. Formas de consolidação de lavas viscosas a muito viscosas
  • 38. Agulhas vulcânicas Agathla's Needle (Agathla Peak) Navajo Volcanic Field, Arizona ‘Needle of Pelée’, Mont Pelée, Ilha da Martinica 1902) http://www.ipgp.jussieu.fr/pages/030303060201.php?langue=1
  • 39. Processos que levam à “formação” de uma agulha vulcânica: erosão do cone ou crescimento da agulha oficina.cienciaviva.pt/.../lexim_chamine.htm No caso de Mont Pelée, Ilha da Martinica (1902), a agulha não se formou pelo processo acima descrito mas tão só por ascenção de lava que foi consolidando acima da cratera e foi “crescendo”.
  • 40. Domas vulcânicos Vista do vulcão Novarupta em 1987 (depois da erupção de 1912) Vista aérea do doma do vulcão Novarupta, Alaska S http://www.avo.alaska.edu/volcano c es/volcinfo.php?volcname=Novarupt h a
  • 41. Comportamento de vulcões relativamente ao tipo de material que é expelido durante as erupções ou nos intervalos delas  Erupções explosivas de lava rica em sílica (ácida ou félsica + de 65% sílica) (riolito)  Erupções efusivas de lava pobre em sílica (básica ou máfica – de 52% de sílica) (basalto)  Escoadas piroclásticas  Lahares - avalanche de lama constituída por piroclastos de pequenas dimensões e água que corre pelas vertentes do cone vulcânico - México  Erupções freáticas (água vaporizada)  Emissões de dióxido de carbono
  • 42. Classificação mais recente, segundo as características do material expelido durante a erupção  Erupções Efusivas  Erupções Explosivas  Erupções Mistas
  • 43.
  • 45. Erupções Efusivas  Magma fluido  Fácil libertação dos gases  Erupção calma  Derramamento de lava abundante a altas temperaturas  Mantos de lava ou correntes de lava  Cones baixos quando existentes
  • 46.
  • 47. Erupções Explosivas  Erupção violenta  Lavas viscosas  Difícil libertação de gases  Formação de domas, cúpulas e agulhas vulcânicas  Os cones são acumulações de piroclastos
  • 48. Erupçõe Mistas  Fases explosivas alternadas com fases efusivas  Cones com alternância de camadas de piroclastos e camadas de lava
  • 49. Crateras de ressurgência ou caldeiras relacionam-se com aparelhos eruptivos que abateram e que resultam da formação de uma caldeira. Ex: sete cidades Açores e Cerro gallan Argentina A caldeira Kaguyak no Alasca possui 2,5 km de diâmetro (Foto cortesia da USGS)
  • 50.
  • 51. Uma Caldeira, como se forma? São depressões de grandes dimensões na parte superior dos vulcões do tipo central, devido ao afundimento da cratera e chaminé, provocado por um esvaziamento da câmara magmática. A existência de fraturas e o peso das camadas superiores provoca a queda do teto da câmara, formando, então as caldeiras. Estas, podem mais tarde, ser preenchidas pelas águas das chuvas, formando lagoas.
  • 52. Caldeira e lagoa das Sete Cidades, Açores Lagoa do Fogo, Açores
  • 53. Vulcões activos, inactivos e extintos... Um critério tradicional, mas nem sempre consensual, para a determinação destes limites é a data da última erupção. Se esta estiver dentro do período em que as pessoas vêm registrando a história, o vulcão é considerado ativo. Se a última erupção ocorreu antes dos tempos históricos, mas dentro de 10.000 anos, então o vulcão é considerado "adormecido“, inactivo pois é provável que ele ainda tenha a capacidade de entrar em erupção novamente. Os vulcões que não entram em erupção por mais de 10.000 anos são considerados extintos, pois dificilmente eles entrarão em erupção de novo
  • 54. VULCANISMO PRIMÁRIO SECUNDÁRIO ERUPÇÕES FUMAROLAS GÉISERES ÁGUAS VULCÂNICAS TERMAIS
  • 56. Vale das Furnas, S.Miguel - Açores
  • 57.
  • 60. Vulcanismo Residual ou secundário Fumarolas – emissões de gases, a temperaturas elevadas que vão baixando ao longo do tempo Sulfataras Mofetas Géisers – repuxos intermitentes de águas subterrâneas e de vapor de água
  • 61. Nascentes termais – fontes de libertação de águas quentes, ricas em sais minerais, sobreaquecidas devido ao calor dissipado nas regiões vulcânicas ou ao aumento da temperatura com a profundidade. Águas Magmáticas ou Juvenis – têm origem magmática. As águas libertadas resultam do arrefecimento e consequente condensação do vapor de água que se liberta do magma.
  • 65.
  • 66.
  • 67. Macacos aproveitando o calor das fontes termais Geyser em Kamisuwa Deildartunguhver, Iceland: a mais alta fonte termal da Europa http://en.wikipedia.org/wiki/Hot_spring
  • 68. Vantagens das Erupções Vulcânicas para a População  Utilização agrícola dos solos  Exploração de produtos minerais como o enxofre, o cobre, o ferro, a platina e os diamantes  Interesse turístico  Energia Geotérmica