SlideShare uma empresa Scribd logo
UMA VISÃO GERAL
DA CÉLULA
Prof.(a) Nilderlânia P.
Sampaio
A Invenção do Microscópio
Em 1590, o holandês Hans Janssen e o seu filho, Zacharias, planearam
o primeiro microscópio. Era composto por uma objectiva de lente
convexa e uma lente (de luneta) côncava, conforme relatou Galileu
Galilei em 1609.
Outro holandês, Anton van Leeuwenhoek (1632-1723), trabalhava
numa loja de tecidos e, nas horas vagas, fazia experiências com vidro
moído para produzir lentes.
Usava o microscópio para observar os fios e depois passou a examinar
a anatomia dos menores animais conhecidos. Ele produziu
microscópios tão eficientes que estabeleceu, praticamente sozinho, o
ramo da microbiologia.
Aos poucos, ele convenceu uma comunidade científica bastante
céptica (descrente ou desconfiado) que uma importante teoria da
época, a da geração espontânea (a crença de que organismos vivos
podem originar de matéria inanimada), era um grande engano.
Leeuwenhoek também é considerado o primeiro a realizar descrições
precisas dos glóbulos vermelhos (para espanto dos fisiologistas da
época), das bactérias que habitam a boca e os intestinos dos seres
humanos (para horror da população) e da forma e locomoção do
espermatozóide humano.
Microscópio óptico: funciona com luz e tem pequeno poder de resolução*. É possível observar células vivas em atividade.
Microscópio eletrônico: usa feixes de elétrons e tem grande poder de resolução (mais de 500 000 vezes). Só é possível observar células mortas,
porém em todas as dimensões.
* poder de resolução é a capacidade de aumento ou de distinguir entre dois pontos muito próximos.
Microscopia: “ver o pequeno”
Com essas descobertas, Robert Hooke foi encarregado de construir um microscópio ainda mais poderoso. Ele desenvolveu um
aparelho com duas lentes ajustadas nas extremidades de um tubo de metal. E por possuir duas lentes, a ocular e a objetiva, ficou
conhecido como microscópio composto. Com isso, novas pesquisas foram realizadas e a tecnologia aprimorada.
Atualmente, os aparelhos utilizados nos laboratórios de biologia de escolas e universidades são, na maioria, microscópios ópticos
ou fotônicos, que utilizam luz. Eles possuem dois conjuntos de lentes de vidro ou de cristal, e geralmente fornecem ampliações de
100 a 1000 vezes. A luz, projetada através do objeto em observação, atravessa as lentes da objetiva e chega ao olho do observador.
Utiliza-se então um micrômetro e um macrômetro para focalizar o objeto fracionado na lâmina estudada e o charriot para efetuar a
varredura, que é a visualização dos diferentes campos de uma lâmina.
Para a melhor utilização do microscópio, diversas técnicas foram formalizadas e inovações foram feitas. Corantes, fixadores,
micrótomo, esfregaço, esmagamento. Esses são alguns materiais e algumas técnicas que são necessárias em um laboratório que
utiliza microscopia.
As diferentes técnicas utilizadas em microscopia dependem também das finalidades laboratoriais. Por exemplo, se as lâminas forem
para fins educacionais, deve-se tentar montar uma lâmina permanente, no entanto, se a lâmina for preparada para testes
laboratoriais na área de saúde, como contagem de células, tal técnica deve ser descartada, seguindo as normas de biossegurança
necessárias.
Há também os microscópios eletrônicos, que permitem o estudo mais detalhado da estrutura interna da célula, podendo
proporcionar aumentos de 5 mil e 100 mil vezes.
No microscópio eletrônico de transmissão há, em vez de luz, um feixe de elétrons que atravessa o material biológico, produzindo a
imagem. Já o microscópio eletrônico de varredura por meio também de elétrons, estuda-se detalhes de superfícies de objetos
sólidos. O material deve ser desidratado e recoberto com uma fina camada de metal. Com a movimentação de um feixe de elétrons,
a superfície do material é captada por um sensor e então há uma interpretação computadorizada dessa superfície.
MICROSCÓPIO ÓPTICO x MICROSCÓPIO ELETRÔNICO
A Descoberta da Célula
• Mais tarde, em 1665, o inglês Robert
Hooke(1635-1703) publicou suas observações
de estruturas visíveis ao microscópio de luz,
só que esse microscópio era construído com
duas lentes de aumento associados a tubo.
Essas observações lhe creditaram pela
descoberta da célula.
Microscópios, possibilitam o conhecimento e o estudo de estruturas invisíveis a
olho nu.
Como o microscópio do holandês, Anton van Leeuwenhoek era formado por
uma só lente de aumento, era chamado de microscópio simples, e por usar a
luz para iluminar os objetos observados é também chamado de microscópio de
luz(ML) ou microscópio óptico(MO).
O cientista Robert Hooke observou pedaços de cortiça com o auxílio de um
microscópio composto por duas lentes. Ele descreveu pequenas cavidades no interior
daqueles pedaços e deu o nome de células ( diminutivo latino de cella, lugar fechado,
pequeno cômodo). Como a cortiça é um tecido de células mortas o que Hooke viu foi
apenas o envoltório da célula ( a parede de celular) e o espaço vazio antes ocupado
pela célula viva.
Cortiça é um material de origem vegetal da casca dos sobreiros, leve e com grande poder isolante.
•1820 - O botânico Robert Brown descobriu um pequeno corpo no interior da
célula e o chamou de núcleo.
•1838 - O botânico alemão Mathias Schleiden concluiu que a célula era a unidade
básica de todas as plantas.
•1839 – O zoólogo alemão Theodor Schwann generalizou esse conceito e surgiu
assim a teoria celular: ‘ Todos os seres vivos são formados por células”.
•1858 – O médico alemão Rudolf Virhow afirmou que toda célula provém de outra
célula (capaz de reproduzir)
•Ao longo do século XIX, foram descobertas várias estruras, chamadas organelas
responsáveis por diferentes funções no interior da célula.
Teoria Celular
• A Teoria Celular, foi uma das mais importantes generalizações da história da Biologia. Ficou claro que,
apesar das diferenças quanto à forma e função, todos os seres vivos têm em comum o fato de serem
formados por células. Portanto, para a plena compreensão do fenômeno da vida, é preciso conhecer as
células.
• Toda célula é portadora de material genético, o DNA e o RNA
• A célula é responsável por todo o metabolismo do organismo, em conjunto com outras, forma os sistemas
• Idéias principais:
• Novas células formam-se pela reprodução de outras células preexistentes, por meio da divisão celular.
Nem todos os seres vivos possuem organização celular: os vírus não possuem tal organização, ou seja, são
acelulares. Por isso, alguns cientistas não os consideram seres vivos. Entretanto, todos concordam que os
vírus são estruturas biológicas, pois precisam necessariamente invadir células vivas para se reproduzir. Eles
são parasitas intracelulares obrigatórias e, se não encontrarem células vivas dentro das quais possam
produzir novos vírus, permanecem inertes, sem realizar nenhuma atividade viral, pois são formados por
uma cápsula de proteína e cromossomos. As outras células podem ser unicelulares procariontes ou
unicelulares eucariontes ou até mesmo pluricelulares eucariontes, com várias células com núcleo
membranoso, pois um ser pluricelular raramente possui células procariontes.
• A célula é a menor porção de matéria viva capaz de realizar as diversas funções que mantêm vivo um
organismo, do contrário dos vírus, que são parasitas, menores que uma célula, e só possuem vida quando
parasitam uma bactéria ou célula.
Teoria celular
atual
Todos os seres são
formados por células
Toda célula tem
metabolismo próprio
Toda célula vem de
outra preexistente
Toda célula tem
material genético
O Tamanho e a Forma das Células
• No corpo de um ser humano adulto existem aproximadamente 65
trilhões de células. A grande maioria ou quase totalidade das células
tem dimensões microscópicas, medidas em micrômetros. Existem,
porém, células macroscópicas como a gema do ovo, a fibra do
algodão que são medidas em centímetros (cm).
• As menores células conhecidas pertencem às bactérias do
gênero Mycoplasma (PPLO), que podem ser menores que alguns
vírus e são medidas em nanômetros.
• As células são medidas em:
µm (micrometro) = 0,001 mm (1 milésimo de milímetro)
nm (nanometro) = 0,000 001 mm (1 milionésimo de milímetro)
Å (Ångström) = 0,000 000 1 mm (1 décimo milionésimo de milímetro)
:Estrutura das Células
Forma e Função das Células
• Uma célula, de acordo com o controle genético, possui forma relacionada com a função que desempenha. Nos
vegetais, a morfologia é limitada em razão da presença da parede celulósica conferindo angulosidades às células
com aspecto romboédrico, enquanto nos animais a não existência da parede permite variados formatos.
- No epitélio estratificado pavimentoso (da pele, por exemplo), as células possuem formas poliédricas,
conferindo um grau de proximidade que desempenha proteção mecânica, bem como evitando a perda de água
por desidratação, revestindo o organismo com muita eficácia.
- No tecido muscular, a forma alongada e a estrutura das células contribuem com a capacidade de contração e
distensão.
- No tecido conjuntivo sanguíneo, os glóbulos vermelhos do sangue (as hemácias), com forma achatada e região
central abaulada (bicôncava), proporcionam melhor transporte de gás oxigênio e distribuição aos diversos
tecidos do organismo.
- No tecido nervoso, as numerosas ramificações (dendritos e telodendros) das células nervosas realizam a
recepção de estímulos e a transmissão de impulsos nervosos, muitas vezes com grande velocidade.
- O formato do espermatozoide, constituído por uma cabeça, uma peça intermediária e uma cauda, permite sua
maior mobilidade.
Fatores externos podem influenciar no comportamento anatômico de uma célula. A pressão exercida pelo
aglomerado celular em um tecido pode remodelar a estruturação de cada unidade, visto a maleabilidade
conferida pela membrana plasmática.
Uma Visão Geral da Célula
Tipos de Células:
Célula Procariótica: possuem núcleo desorganizado (material
genético solto no citoplasma) e não apresentam organelas com
membranas (possuem apenas ribossomos). Ex. Bactérias e
cianobactérias
PROCARIOTAS
As células procariontes ou procarióticas, também chamadas de protocélulas, são muito
diferentes das eucariontes. A sua principal característica é a ausência
de carioteca individualizando o núcleo celular, pela ausência de alguns organelas e pelo
pequeno tamanho que se acredita que se deve ao fato de não possuírem
compartimentos membranosos originados por evaginação ou invaginação. Também
possuem DNA na forma de um anel não-associado a proteínas (como acontece nas
células eucarióticas, nas quais o DNA se dispõe em filamentos espiralados e associados à
histonas). No citoplasma encontramos também os ribossomos, organelas respponsaveis
pela síntese de proteínas.
Todo esse conjunto é envolvido pela membrana plasmática, existe ainda um reforço
externo, a parede celular, compposta de cadeias de glicídios e amijnoácidos.
Estas células são desprovidas de mitocôndrias, plastídios, complexo de Golgi, retículo
endoplasmático e sobretudo cariomembrana o que faz com que o DNA fique disperso no
citoplasma.
A este grupo pertencem seres unicelulares ou coloniais:
• Bactérias
• Cianofitas (algas cianofíceas, algas azuis ou ainda
Cyanobacteria)
Uma Visão Geral da Célula
Célula Eucariótica: Possuem núcleo organizado ou
verdadeiro( membrana nuclear contendo o material
genético) e organelas membranosas.
Eucariotas
As células eucariontes ou eucarióticas, (eu = verdadeiro; cario = núcleo; ontos
= ser) também chamadas de eucélulas, medindo entre 10 µm e 100 µm de
tamanho é bem maior e mais complexas que as procariontes, Possuem
membrana nuclear individualizada e vários tipos de organelas. A maioria dos
animais e plantas a que estamos habituados são dotados deste tipo de células.
Seu material genético é constituido por DNA associado a proteínas – formando
os cromossomos – e está envolvido por uma membrana, o envelope nuclear
(chamada de carioteca). Forma-se assim, um núcleo individualizado.
No citoplasma dos eucariontes existe além dos ribossomos, uma série de
organelas, envolvidas por uma membrana, que estão ausentes nos
procariontes: mitocôndrias, retículo endoplasmático, complexo golgiense,
cloroplastos, lisossomos, etc., que serão estudados logo logo.
Os organismos uni ou pluricelulares formados por células eucarióticas são
chamados eucariontes.
Uma Visão Geral da Célula
Uma Visão Geral da Célula
PROCARIOTAS X EUCARIOTAS
Uma Visão Geral da Célula
Evolução da estrutura da célula
Podemos supor que as células eucariotas se originaram, por evolução de
células procariotas que aumentaram de tamanho. Com isso, surgia uma
desproporção entre sua superfície e seu volume (lei de Spencer).
Em alguns organismos apareceram, então, dobras ou invaginações da
membrana plasmática, que aumentaram a superfície da célula. A partir delas,
teriam surgido no citoplasma vários organoides, como o retículo
endoplasmático, aparelho de Golgi, lisossomos, peroxissomos, vacúolos e
outros.
Do mesmo modo, essas invaginações teriam envolvido o material genético, os
cromossomos, formando a membrana nuclear dos eucariontes.
Surgia assim uma célula dividida em compartimentos. Cada um desses
compartimentos passou a desempenhar uma função definida. Essa divisão de
trabalho permitiu que cada função se realizasse com maior eficiência, o que,
por sua vez, possibilitou o aparecimento de eucariontes maiores e
pluricelulares.
Aspecto de uma Célula Animal
Observe que essa célula é envolvida por uma membrana
plasmática, a qual controla a passagem de substâncias. O
núcleo é circundado também por uma membrana e contém o
material genético, a cromatina que vai formar os cromossomos
durante a divisão celular. Além disso, o núcleo apresenta
nucléolo.
O citoplasma, que ocupa a maior parte da célula, é
preenchido por um coloide, o hialoplasma, onde estão
mergulhados os orgânulos celulares que desempenham
funções vitais.
Aspecto de uma Célula Vegetal
As células vegetais, além de um formato mais típico, possuem certas
particularidades que as diferenciam de uma célula animal.
A membrana plasmática é envolvida por outra camada, a membrana celulósica
ou parede celular, mais espessa e mais rígida.
Observamos a presença de grandes vacúolos no citoplasma. Estes armazenam
água e substâncias dissolvidas. Comumente as células vegetais apresentam um só
vacúolo. É típico também a ocorrência de plastos no citoplasma. Estes podem ser
pigmentos; alguns armazenam amido. Os cloroplastos possuem a clorofila e são a
sede do processo de fotossíntese. O núcleo geralmente está deslocado da região
central.
Organelas de uma célula
animal e suas funções:
1- Nucléolo - produção dos componentes ribossômicos
2 - Núcleo - conservar e transmitir a informação genética na
reprodução das células e regular as funções celulares.
3 - Ribossomos - produção de proteínas
4 - Vesículas - transporte de substância e união com a membrana
para eliminar conteúdos para fora da célula.
5 - Retículo endoplasmático rugoso - participa da síntese e
transporte de proteínas.
6 - Complexo Golgiense - faz a secreção celular.
7 - Citoesqueleto - participam do transporte de substâncias e dão
forma a célula.
8 - Retículo endoplasmático Liso - participa do processo de
transporte celular, além de participar da síntese de lipídios.
9 - Mitocôndrias - são responsáveis pela respiração das células.
10 - Vacúolo - atuam no processo de digestão intracelular.
11 - Citoplasma - nele está um fluído chamado citosol, O
citoplasma tem a função de albergar as organelas e favorecer
seus movimentos.
12 - Lisossomos - participam da digestão de substâncias orgânicas.
13 - Centríolos : estão ligados à organização do citoesqueleto e aos
movimentos de flagelos e cílios
1 - Retículo Endoplasmático Liso e Rugoso - ampliar a
superfície interna da célula; favorecer a troca de substâncias
entre a parte interna e externa da célula; favorecer a
circulação dentro da célula; armazenar substâncias retiradas
do hialoplasma e síntese de lipídios.
2 - Núcleo celular - controlar e regular as reações químicas
que ocorrem no interior da célula; guardar as informações
genéticas da célula.
3 - Complexo Golgiense - participar do processo de secreção
celular.
4 - Ribossomos - atuam na formação das cadeias proteicas.
5 - Plastos - acumular substâncias usadas na nutrição dos
vegetais (leucoplastos); realizar a fotossíntese (cloroplastos).
6 - Mitocôndrias - fornecer energia para o metabolismo
celular.
7 - Vacúolos - atuam na regulação osmótica e
armazenamento de diversas substâncias.
8 - Peroxissomos - atuam no metabolismo dos lipídios e no
processo de fotorespiração.
Organelas de uma célula
vegetal e suas funções:
• Reticulo Endoplasmático Sistema membranoso de canais e vesículas
que serve para transportar e armazenam substâncias pela célula.
Podem ser rugosos ou granulosos (RER) se possuem ribossomos
(ligados a síntese de proteínas) ou lisos ( REL) sem ribossomos,
fazendo síntese de substâncias. lipídicas como hormônios sexuais.
• Citoplasma: (citosol ou hialoplasma), 55% do vol. Celular,
formado por águas íons, e substâncias para síntese de
proteínas.
• Ribossomos: pequenos grânulos formados por RNA e
proteínas onde acontece a síntese de proteínas.
• Mitocôndria: Organela que realiza a produção de energia (ATP) nas
células a partir da quebra da glicose (respiração celular).
• Complexo Golgiense (golgi): conjunto de sáculos membranosos,
serve para modificar (glicosilação) empacotar (lisossomo) e
endereçar proteínas (secreção celular).
• Lisossomo: Derivado do Golgi, faz digestão intracelular, e a autofagia
(reciclagem de organelas) inúteis.
• Centríolos: Estruturas composta por microtúbulos protéicos entra na
formação de cílios e flagelos celulares e participa dos processo de
divisão celular
Cloroplasto: fotossíntese (cels. Vegetais)
• O Núcleo: estrutura delimitada pela membrana nuclear ou carioteca
que contém os cromossomos (grandes moléculas de DNA) que
guardam a informação genética. Responsável pelo controle das
funções celulares e reprodução.
• VÍRUS (estruturas acelulares)
• Não possuem metabolismo próprio, não possuem organização celular
e só se reproduzem parasitando uma célula (parasitas intracelulares
obrigatórios).
• São altamente específicos e infecciosos para a células hospedeiras

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Citoplasma e organelas
Citoplasma e organelasCitoplasma e organelas
Citoplasma e organelas
profatatiana
 
Tecido conjuntivo
Tecido conjuntivoTecido conjuntivo
Tecido conjuntivo
profatatiana
 
Plano de aula 5 nadja
Plano de aula 5 nadjaPlano de aula 5 nadja
Plano de aula 5 nadja
Nadja Mendes de Lima
 
Aula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introduçãoAula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introdução
Amarildo César
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
Biologia CHP
 
Aula citologia
Aula citologiaAula citologia
Aula citologia
Adrianne Mendonça
 
Tecidos do corpo humano
Tecidos do corpo humanoTecidos do corpo humano
Tecidos do corpo humano
Lilia Nascimento
 
Teoria celular-
Teoria celular-Teoria celular-
Teoria celular-
stique
 
Aula Citologia
Aula CitologiaAula Citologia
Aula Citologia
bradok157
 
Célula eucarionte vegetal
Célula eucarionte vegetalCélula eucarionte vegetal
Célula eucarionte vegetal
Carlos Eduardo
 
Aula sobre histologia
Aula sobre   histologiaAula sobre   histologia
Aula sobre histologia
Marcionedes De Souza
 
Aula Bioquimica
Aula BioquimicaAula Bioquimica
Aula Bioquimica
Luana Monteiro
 
Tecido Cartilaginoso
Tecido CartilaginosoTecido Cartilaginoso
Tecido Cartilaginoso
Natalianeto
 
Celula procarionte
Celula procarionte Celula procarionte
Celula procarionte
Karoline Sena
 
Introdução a citologia
Introdução a citologiaIntrodução a citologia
Introdução a citologia
emanuel
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
Fatima Comiotto
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
Bellaprd
 
1a2-tecido epitelial glandular
1a2-tecido epitelial glandular1a2-tecido epitelial glandular
1a2-tecido epitelial glandular
professorfabiovalente
 
Ecologia 3º ano
Ecologia 3º anoEcologia 3º ano
Ecologia 3º ano
Renata Magalhães
 
Introdução à bioquímica
Introdução à bioquímicaIntrodução à bioquímica
Introdução à bioquímica
Messias Miranda
 

Mais procurados (20)

Citoplasma e organelas
Citoplasma e organelasCitoplasma e organelas
Citoplasma e organelas
 
Tecido conjuntivo
Tecido conjuntivoTecido conjuntivo
Tecido conjuntivo
 
Plano de aula 5 nadja
Plano de aula 5 nadjaPlano de aula 5 nadja
Plano de aula 5 nadja
 
Aula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introduçãoAula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introdução
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
Aula citologia
Aula citologiaAula citologia
Aula citologia
 
Tecidos do corpo humano
Tecidos do corpo humanoTecidos do corpo humano
Tecidos do corpo humano
 
Teoria celular-
Teoria celular-Teoria celular-
Teoria celular-
 
Aula Citologia
Aula CitologiaAula Citologia
Aula Citologia
 
Célula eucarionte vegetal
Célula eucarionte vegetalCélula eucarionte vegetal
Célula eucarionte vegetal
 
Aula sobre histologia
Aula sobre   histologiaAula sobre   histologia
Aula sobre histologia
 
Aula Bioquimica
Aula BioquimicaAula Bioquimica
Aula Bioquimica
 
Tecido Cartilaginoso
Tecido CartilaginosoTecido Cartilaginoso
Tecido Cartilaginoso
 
Celula procarionte
Celula procarionte Celula procarionte
Celula procarionte
 
Introdução a citologia
Introdução a citologiaIntrodução a citologia
Introdução a citologia
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
1a2-tecido epitelial glandular
1a2-tecido epitelial glandular1a2-tecido epitelial glandular
1a2-tecido epitelial glandular
 
Ecologia 3º ano
Ecologia 3º anoEcologia 3º ano
Ecologia 3º ano
 
Introdução à bioquímica
Introdução à bioquímicaIntrodução à bioquímica
Introdução à bioquímica
 

Semelhante a Uma Visão Geral da Célula

Citologia - Biologia Básica
Citologia - Biologia BásicaCitologia - Biologia Básica
Citologia - Biologia Básica
vozativaasd
 
Teoria celular
Teoria celularTeoria celular
Teoria celular
João Soares
 
Teoria microscopiocelula
Teoria microscopiocelulaTeoria microscopiocelula
Teoria microscopiocelula
Alziro Xavier Neto
 
Teoria celular-101114160821-phpapp01
Teoria celular-101114160821-phpapp01Teoria celular-101114160821-phpapp01
Teoria celular-101114160821-phpapp01
Pelo Siro
 
Resumo teoria-celular
Resumo   teoria-celularResumo   teoria-celular
Resumo teoria-celular
Ashe Sampaio
 
Biomoleculas
BiomoleculasBiomoleculas
Biomoleculas
Alexandra Nobre
 
Como fazer plano de aula curso de Biologia
Como fazer plano de aula curso de BiologiaComo fazer plano de aula curso de Biologia
Como fazer plano de aula curso de Biologia
MuquissirimaUsseneAb1
 
bioooooooooooooooooooooooooobiologia.pptx
bioooooooooooooooooooooooooobiologia.pptxbioooooooooooooooooooooooooobiologia.pptx
bioooooooooooooooooooooooooobiologia.pptx
nfmariaizabell
 
Resumo micrcoscopia
Resumo micrcoscopiaResumo micrcoscopia
Resumo micrcoscopia
Grupo UNIASSELVI
 
Biologia celular
Biologia celularBiologia celular
Biologia celular
Maria Candido
 
Professor Gil Motta - 7a série - Células e tecidos do corpo
Professor Gil Motta - 7a série - Células e tecidos do corpoProfessor Gil Motta - 7a série - Células e tecidos do corpo
Professor Gil Motta - 7a série - Células e tecidos do corpo
mestregil
 
Introdução a Citologia
Introdução a CitologiaIntrodução a Citologia
Introdução a Citologia
BIOGERALDO
 
Aulão 2° ano - Ensino Médio
Aulão 2° ano - Ensino MédioAulão 2° ano - Ensino Médio
Aulão 2° ano - Ensino Médio
Clécio Bubela
 
Características da células
Características da célulasCaracterísticas da células
Características da células
Bianca Meyer
 
Teoria celular
Teoria celularTeoria celular
Teoria celular
Nuno Correia
 
Biomoleculas
BiomoleculasBiomoleculas
Biomoleculas
Alexandra Nobre
 
Aula 1 biologia e histologia
Aula 1  biologia e histologiaAula 1  biologia e histologia
Aula 1 biologia e histologia
camilla França
 
Vida Na CéLula
Vida Na CéLulaVida Na CéLula
Vida Na CéLula
profatatiana
 
Bcm 1
Bcm 1Bcm 1
Bcm 1
macaripe
 
A CéLula
A  CéLulaA  CéLula
A CéLula
Miguelsnows
 

Semelhante a Uma Visão Geral da Célula (20)

Citologia - Biologia Básica
Citologia - Biologia BásicaCitologia - Biologia Básica
Citologia - Biologia Básica
 
Teoria celular
Teoria celularTeoria celular
Teoria celular
 
Teoria microscopiocelula
Teoria microscopiocelulaTeoria microscopiocelula
Teoria microscopiocelula
 
Teoria celular-101114160821-phpapp01
Teoria celular-101114160821-phpapp01Teoria celular-101114160821-phpapp01
Teoria celular-101114160821-phpapp01
 
Resumo teoria-celular
Resumo   teoria-celularResumo   teoria-celular
Resumo teoria-celular
 
Biomoleculas
BiomoleculasBiomoleculas
Biomoleculas
 
Como fazer plano de aula curso de Biologia
Como fazer plano de aula curso de BiologiaComo fazer plano de aula curso de Biologia
Como fazer plano de aula curso de Biologia
 
bioooooooooooooooooooooooooobiologia.pptx
bioooooooooooooooooooooooooobiologia.pptxbioooooooooooooooooooooooooobiologia.pptx
bioooooooooooooooooooooooooobiologia.pptx
 
Resumo micrcoscopia
Resumo micrcoscopiaResumo micrcoscopia
Resumo micrcoscopia
 
Biologia celular
Biologia celularBiologia celular
Biologia celular
 
Professor Gil Motta - 7a série - Células e tecidos do corpo
Professor Gil Motta - 7a série - Células e tecidos do corpoProfessor Gil Motta - 7a série - Células e tecidos do corpo
Professor Gil Motta - 7a série - Células e tecidos do corpo
 
Introdução a Citologia
Introdução a CitologiaIntrodução a Citologia
Introdução a Citologia
 
Aulão 2° ano - Ensino Médio
Aulão 2° ano - Ensino MédioAulão 2° ano - Ensino Médio
Aulão 2° ano - Ensino Médio
 
Características da células
Características da célulasCaracterísticas da células
Características da células
 
Teoria celular
Teoria celularTeoria celular
Teoria celular
 
Biomoleculas
BiomoleculasBiomoleculas
Biomoleculas
 
Aula 1 biologia e histologia
Aula 1  biologia e histologiaAula 1  biologia e histologia
Aula 1 biologia e histologia
 
Vida Na CéLula
Vida Na CéLulaVida Na CéLula
Vida Na CéLula
 
Bcm 1
Bcm 1Bcm 1
Bcm 1
 
A CéLula
A  CéLulaA  CéLula
A CéLula
 

Último

Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 

Uma Visão Geral da Célula

  • 1. UMA VISÃO GERAL DA CÉLULA Prof.(a) Nilderlânia P. Sampaio
  • 2. A Invenção do Microscópio Em 1590, o holandês Hans Janssen e o seu filho, Zacharias, planearam o primeiro microscópio. Era composto por uma objectiva de lente convexa e uma lente (de luneta) côncava, conforme relatou Galileu Galilei em 1609. Outro holandês, Anton van Leeuwenhoek (1632-1723), trabalhava numa loja de tecidos e, nas horas vagas, fazia experiências com vidro moído para produzir lentes. Usava o microscópio para observar os fios e depois passou a examinar a anatomia dos menores animais conhecidos. Ele produziu microscópios tão eficientes que estabeleceu, praticamente sozinho, o ramo da microbiologia. Aos poucos, ele convenceu uma comunidade científica bastante céptica (descrente ou desconfiado) que uma importante teoria da época, a da geração espontânea (a crença de que organismos vivos podem originar de matéria inanimada), era um grande engano. Leeuwenhoek também é considerado o primeiro a realizar descrições precisas dos glóbulos vermelhos (para espanto dos fisiologistas da época), das bactérias que habitam a boca e os intestinos dos seres humanos (para horror da população) e da forma e locomoção do espermatozóide humano. Microscópio óptico: funciona com luz e tem pequeno poder de resolução*. É possível observar células vivas em atividade. Microscópio eletrônico: usa feixes de elétrons e tem grande poder de resolução (mais de 500 000 vezes). Só é possível observar células mortas, porém em todas as dimensões. * poder de resolução é a capacidade de aumento ou de distinguir entre dois pontos muito próximos.
  • 3. Microscopia: “ver o pequeno” Com essas descobertas, Robert Hooke foi encarregado de construir um microscópio ainda mais poderoso. Ele desenvolveu um aparelho com duas lentes ajustadas nas extremidades de um tubo de metal. E por possuir duas lentes, a ocular e a objetiva, ficou conhecido como microscópio composto. Com isso, novas pesquisas foram realizadas e a tecnologia aprimorada. Atualmente, os aparelhos utilizados nos laboratórios de biologia de escolas e universidades são, na maioria, microscópios ópticos ou fotônicos, que utilizam luz. Eles possuem dois conjuntos de lentes de vidro ou de cristal, e geralmente fornecem ampliações de 100 a 1000 vezes. A luz, projetada através do objeto em observação, atravessa as lentes da objetiva e chega ao olho do observador. Utiliza-se então um micrômetro e um macrômetro para focalizar o objeto fracionado na lâmina estudada e o charriot para efetuar a varredura, que é a visualização dos diferentes campos de uma lâmina. Para a melhor utilização do microscópio, diversas técnicas foram formalizadas e inovações foram feitas. Corantes, fixadores, micrótomo, esfregaço, esmagamento. Esses são alguns materiais e algumas técnicas que são necessárias em um laboratório que utiliza microscopia. As diferentes técnicas utilizadas em microscopia dependem também das finalidades laboratoriais. Por exemplo, se as lâminas forem para fins educacionais, deve-se tentar montar uma lâmina permanente, no entanto, se a lâmina for preparada para testes laboratoriais na área de saúde, como contagem de células, tal técnica deve ser descartada, seguindo as normas de biossegurança necessárias. Há também os microscópios eletrônicos, que permitem o estudo mais detalhado da estrutura interna da célula, podendo proporcionar aumentos de 5 mil e 100 mil vezes. No microscópio eletrônico de transmissão há, em vez de luz, um feixe de elétrons que atravessa o material biológico, produzindo a imagem. Já o microscópio eletrônico de varredura por meio também de elétrons, estuda-se detalhes de superfícies de objetos sólidos. O material deve ser desidratado e recoberto com uma fina camada de metal. Com a movimentação de um feixe de elétrons, a superfície do material é captada por um sensor e então há uma interpretação computadorizada dessa superfície.
  • 4. MICROSCÓPIO ÓPTICO x MICROSCÓPIO ELETRÔNICO
  • 5. A Descoberta da Célula • Mais tarde, em 1665, o inglês Robert Hooke(1635-1703) publicou suas observações de estruturas visíveis ao microscópio de luz, só que esse microscópio era construído com duas lentes de aumento associados a tubo. Essas observações lhe creditaram pela descoberta da célula. Microscópios, possibilitam o conhecimento e o estudo de estruturas invisíveis a olho nu. Como o microscópio do holandês, Anton van Leeuwenhoek era formado por uma só lente de aumento, era chamado de microscópio simples, e por usar a luz para iluminar os objetos observados é também chamado de microscópio de luz(ML) ou microscópio óptico(MO).
  • 6. O cientista Robert Hooke observou pedaços de cortiça com o auxílio de um microscópio composto por duas lentes. Ele descreveu pequenas cavidades no interior daqueles pedaços e deu o nome de células ( diminutivo latino de cella, lugar fechado, pequeno cômodo). Como a cortiça é um tecido de células mortas o que Hooke viu foi apenas o envoltório da célula ( a parede de celular) e o espaço vazio antes ocupado pela célula viva. Cortiça é um material de origem vegetal da casca dos sobreiros, leve e com grande poder isolante.
  • 7. •1820 - O botânico Robert Brown descobriu um pequeno corpo no interior da célula e o chamou de núcleo. •1838 - O botânico alemão Mathias Schleiden concluiu que a célula era a unidade básica de todas as plantas. •1839 – O zoólogo alemão Theodor Schwann generalizou esse conceito e surgiu assim a teoria celular: ‘ Todos os seres vivos são formados por células”. •1858 – O médico alemão Rudolf Virhow afirmou que toda célula provém de outra célula (capaz de reproduzir) •Ao longo do século XIX, foram descobertas várias estruras, chamadas organelas responsáveis por diferentes funções no interior da célula.
  • 8. Teoria Celular • A Teoria Celular, foi uma das mais importantes generalizações da história da Biologia. Ficou claro que, apesar das diferenças quanto à forma e função, todos os seres vivos têm em comum o fato de serem formados por células. Portanto, para a plena compreensão do fenômeno da vida, é preciso conhecer as células. • Toda célula é portadora de material genético, o DNA e o RNA • A célula é responsável por todo o metabolismo do organismo, em conjunto com outras, forma os sistemas • Idéias principais: • Novas células formam-se pela reprodução de outras células preexistentes, por meio da divisão celular. Nem todos os seres vivos possuem organização celular: os vírus não possuem tal organização, ou seja, são acelulares. Por isso, alguns cientistas não os consideram seres vivos. Entretanto, todos concordam que os vírus são estruturas biológicas, pois precisam necessariamente invadir células vivas para se reproduzir. Eles são parasitas intracelulares obrigatórias e, se não encontrarem células vivas dentro das quais possam produzir novos vírus, permanecem inertes, sem realizar nenhuma atividade viral, pois são formados por uma cápsula de proteína e cromossomos. As outras células podem ser unicelulares procariontes ou unicelulares eucariontes ou até mesmo pluricelulares eucariontes, com várias células com núcleo membranoso, pois um ser pluricelular raramente possui células procariontes. • A célula é a menor porção de matéria viva capaz de realizar as diversas funções que mantêm vivo um organismo, do contrário dos vírus, que são parasitas, menores que uma célula, e só possuem vida quando parasitam uma bactéria ou célula.
  • 9. Teoria celular atual Todos os seres são formados por células Toda célula tem metabolismo próprio Toda célula vem de outra preexistente Toda célula tem material genético
  • 10. O Tamanho e a Forma das Células • No corpo de um ser humano adulto existem aproximadamente 65 trilhões de células. A grande maioria ou quase totalidade das células tem dimensões microscópicas, medidas em micrômetros. Existem, porém, células macroscópicas como a gema do ovo, a fibra do algodão que são medidas em centímetros (cm). • As menores células conhecidas pertencem às bactérias do gênero Mycoplasma (PPLO), que podem ser menores que alguns vírus e são medidas em nanômetros. • As células são medidas em: µm (micrometro) = 0,001 mm (1 milésimo de milímetro) nm (nanometro) = 0,000 001 mm (1 milionésimo de milímetro) Å (Ångström) = 0,000 000 1 mm (1 décimo milionésimo de milímetro)
  • 12. Forma e Função das Células • Uma célula, de acordo com o controle genético, possui forma relacionada com a função que desempenha. Nos vegetais, a morfologia é limitada em razão da presença da parede celulósica conferindo angulosidades às células com aspecto romboédrico, enquanto nos animais a não existência da parede permite variados formatos. - No epitélio estratificado pavimentoso (da pele, por exemplo), as células possuem formas poliédricas, conferindo um grau de proximidade que desempenha proteção mecânica, bem como evitando a perda de água por desidratação, revestindo o organismo com muita eficácia. - No tecido muscular, a forma alongada e a estrutura das células contribuem com a capacidade de contração e distensão. - No tecido conjuntivo sanguíneo, os glóbulos vermelhos do sangue (as hemácias), com forma achatada e região central abaulada (bicôncava), proporcionam melhor transporte de gás oxigênio e distribuição aos diversos tecidos do organismo. - No tecido nervoso, as numerosas ramificações (dendritos e telodendros) das células nervosas realizam a recepção de estímulos e a transmissão de impulsos nervosos, muitas vezes com grande velocidade. - O formato do espermatozoide, constituído por uma cabeça, uma peça intermediária e uma cauda, permite sua maior mobilidade. Fatores externos podem influenciar no comportamento anatômico de uma célula. A pressão exercida pelo aglomerado celular em um tecido pode remodelar a estruturação de cada unidade, visto a maleabilidade conferida pela membrana plasmática.
  • 14. Tipos de Células: Célula Procariótica: possuem núcleo desorganizado (material genético solto no citoplasma) e não apresentam organelas com membranas (possuem apenas ribossomos). Ex. Bactérias e cianobactérias
  • 15. PROCARIOTAS As células procariontes ou procarióticas, também chamadas de protocélulas, são muito diferentes das eucariontes. A sua principal característica é a ausência de carioteca individualizando o núcleo celular, pela ausência de alguns organelas e pelo pequeno tamanho que se acredita que se deve ao fato de não possuírem compartimentos membranosos originados por evaginação ou invaginação. Também possuem DNA na forma de um anel não-associado a proteínas (como acontece nas células eucarióticas, nas quais o DNA se dispõe em filamentos espiralados e associados à histonas). No citoplasma encontramos também os ribossomos, organelas respponsaveis pela síntese de proteínas. Todo esse conjunto é envolvido pela membrana plasmática, existe ainda um reforço externo, a parede celular, compposta de cadeias de glicídios e amijnoácidos. Estas células são desprovidas de mitocôndrias, plastídios, complexo de Golgi, retículo endoplasmático e sobretudo cariomembrana o que faz com que o DNA fique disperso no citoplasma. A este grupo pertencem seres unicelulares ou coloniais: • Bactérias • Cianofitas (algas cianofíceas, algas azuis ou ainda Cyanobacteria)
  • 17. Célula Eucariótica: Possuem núcleo organizado ou verdadeiro( membrana nuclear contendo o material genético) e organelas membranosas.
  • 18. Eucariotas As células eucariontes ou eucarióticas, (eu = verdadeiro; cario = núcleo; ontos = ser) também chamadas de eucélulas, medindo entre 10 µm e 100 µm de tamanho é bem maior e mais complexas que as procariontes, Possuem membrana nuclear individualizada e vários tipos de organelas. A maioria dos animais e plantas a que estamos habituados são dotados deste tipo de células. Seu material genético é constituido por DNA associado a proteínas – formando os cromossomos – e está envolvido por uma membrana, o envelope nuclear (chamada de carioteca). Forma-se assim, um núcleo individualizado. No citoplasma dos eucariontes existe além dos ribossomos, uma série de organelas, envolvidas por uma membrana, que estão ausentes nos procariontes: mitocôndrias, retículo endoplasmático, complexo golgiense, cloroplastos, lisossomos, etc., que serão estudados logo logo. Os organismos uni ou pluricelulares formados por células eucarióticas são chamados eucariontes.
  • 23. Evolução da estrutura da célula Podemos supor que as células eucariotas se originaram, por evolução de células procariotas que aumentaram de tamanho. Com isso, surgia uma desproporção entre sua superfície e seu volume (lei de Spencer). Em alguns organismos apareceram, então, dobras ou invaginações da membrana plasmática, que aumentaram a superfície da célula. A partir delas, teriam surgido no citoplasma vários organoides, como o retículo endoplasmático, aparelho de Golgi, lisossomos, peroxissomos, vacúolos e outros. Do mesmo modo, essas invaginações teriam envolvido o material genético, os cromossomos, formando a membrana nuclear dos eucariontes. Surgia assim uma célula dividida em compartimentos. Cada um desses compartimentos passou a desempenhar uma função definida. Essa divisão de trabalho permitiu que cada função se realizasse com maior eficiência, o que, por sua vez, possibilitou o aparecimento de eucariontes maiores e pluricelulares.
  • 24. Aspecto de uma Célula Animal Observe que essa célula é envolvida por uma membrana plasmática, a qual controla a passagem de substâncias. O núcleo é circundado também por uma membrana e contém o material genético, a cromatina que vai formar os cromossomos durante a divisão celular. Além disso, o núcleo apresenta nucléolo. O citoplasma, que ocupa a maior parte da célula, é preenchido por um coloide, o hialoplasma, onde estão mergulhados os orgânulos celulares que desempenham funções vitais.
  • 25. Aspecto de uma Célula Vegetal As células vegetais, além de um formato mais típico, possuem certas particularidades que as diferenciam de uma célula animal. A membrana plasmática é envolvida por outra camada, a membrana celulósica ou parede celular, mais espessa e mais rígida. Observamos a presença de grandes vacúolos no citoplasma. Estes armazenam água e substâncias dissolvidas. Comumente as células vegetais apresentam um só vacúolo. É típico também a ocorrência de plastos no citoplasma. Estes podem ser pigmentos; alguns armazenam amido. Os cloroplastos possuem a clorofila e são a sede do processo de fotossíntese. O núcleo geralmente está deslocado da região central.
  • 26. Organelas de uma célula animal e suas funções: 1- Nucléolo - produção dos componentes ribossômicos 2 - Núcleo - conservar e transmitir a informação genética na reprodução das células e regular as funções celulares. 3 - Ribossomos - produção de proteínas 4 - Vesículas - transporte de substância e união com a membrana para eliminar conteúdos para fora da célula. 5 - Retículo endoplasmático rugoso - participa da síntese e transporte de proteínas. 6 - Complexo Golgiense - faz a secreção celular. 7 - Citoesqueleto - participam do transporte de substâncias e dão forma a célula. 8 - Retículo endoplasmático Liso - participa do processo de transporte celular, além de participar da síntese de lipídios. 9 - Mitocôndrias - são responsáveis pela respiração das células. 10 - Vacúolo - atuam no processo de digestão intracelular. 11 - Citoplasma - nele está um fluído chamado citosol, O citoplasma tem a função de albergar as organelas e favorecer seus movimentos. 12 - Lisossomos - participam da digestão de substâncias orgânicas. 13 - Centríolos : estão ligados à organização do citoesqueleto e aos movimentos de flagelos e cílios 1 - Retículo Endoplasmático Liso e Rugoso - ampliar a superfície interna da célula; favorecer a troca de substâncias entre a parte interna e externa da célula; favorecer a circulação dentro da célula; armazenar substâncias retiradas do hialoplasma e síntese de lipídios. 2 - Núcleo celular - controlar e regular as reações químicas que ocorrem no interior da célula; guardar as informações genéticas da célula. 3 - Complexo Golgiense - participar do processo de secreção celular. 4 - Ribossomos - atuam na formação das cadeias proteicas. 5 - Plastos - acumular substâncias usadas na nutrição dos vegetais (leucoplastos); realizar a fotossíntese (cloroplastos). 6 - Mitocôndrias - fornecer energia para o metabolismo celular. 7 - Vacúolos - atuam na regulação osmótica e armazenamento de diversas substâncias. 8 - Peroxissomos - atuam no metabolismo dos lipídios e no processo de fotorespiração. Organelas de uma célula vegetal e suas funções:
  • 27. • Reticulo Endoplasmático Sistema membranoso de canais e vesículas que serve para transportar e armazenam substâncias pela célula. Podem ser rugosos ou granulosos (RER) se possuem ribossomos (ligados a síntese de proteínas) ou lisos ( REL) sem ribossomos, fazendo síntese de substâncias. lipídicas como hormônios sexuais.
  • 28. • Citoplasma: (citosol ou hialoplasma), 55% do vol. Celular, formado por águas íons, e substâncias para síntese de proteínas. • Ribossomos: pequenos grânulos formados por RNA e proteínas onde acontece a síntese de proteínas.
  • 29. • Mitocôndria: Organela que realiza a produção de energia (ATP) nas células a partir da quebra da glicose (respiração celular).
  • 30. • Complexo Golgiense (golgi): conjunto de sáculos membranosos, serve para modificar (glicosilação) empacotar (lisossomo) e endereçar proteínas (secreção celular).
  • 31. • Lisossomo: Derivado do Golgi, faz digestão intracelular, e a autofagia (reciclagem de organelas) inúteis.
  • 32. • Centríolos: Estruturas composta por microtúbulos protéicos entra na formação de cílios e flagelos celulares e participa dos processo de divisão celular
  • 34. • O Núcleo: estrutura delimitada pela membrana nuclear ou carioteca que contém os cromossomos (grandes moléculas de DNA) que guardam a informação genética. Responsável pelo controle das funções celulares e reprodução.
  • 35. • VÍRUS (estruturas acelulares) • Não possuem metabolismo próprio, não possuem organização celular e só se reproduzem parasitando uma célula (parasitas intracelulares obrigatórios). • São altamente específicos e infecciosos para a células hospedeiras