SlideShare uma empresa Scribd logo
UMA VISÃO GERAL DA CÉLULA
Bianca e Heloísa
MICROSCÓPIO SIMPLES
Anton Van
Leeuwenhoek viveu na
Holanda entre 1621 e
1723 e foi considerado o
inventor do microscópio.
Com suas lentes e com
técnicas de iluminação
Leeuwenhoek conseguiu
aumentar a visualização de
objetos em até 270 vezes,
conseguindo ver
microorganismos de até 0,
003 mm, onde olhando a
olho nu o ser humano
enxerga apenas até 0,1 mm
de comprimento, porém as
imagens que eram
distorcidas em sua forma e
cor.
A DESCOBERTA DA CÉLULA
O inglês Robert
Hooke, observou
pedaços de cortiça
em um microscópio,
com duas lentes
semelhantes dentro
de um tubo de metal,
chamando esse de
microscópio
composto.
Robert Hooke
descreveu que
no interior dos
pedaços de
cortiça havia
pequenas
cavidades e
deu-lhes o
nome de célula.
Em 1820 Robert
Brown, botânico
escocês visualizou
que no interior das
celular havia um
pequeno corpo e o
chamou de núcleo
TEORIA SCHLEIDEN E SCHWANN
SURGINDO ASSIM A TEORIA SCHLEIDEN E SCHWANN EM QUE TODOS OS
SERES VIVOS SÃO FORMADOS POR CÉLULAS.
Em 1838, o botânico
alemão Matthias
Schleiden concluiu
que todas as plantas
tinham células.
Em 1839 Theodor
Schwann
generalizou o
conceito também
para animais.
TEORIA CELULAR
Em 1858 o médico alemão
Rudolf Virchow afirmou que
uma célula é capaz de se
reproduzir.
Com base nisso foi feita a
teoria celular, onde foi
constatado que a célula é a
menor unidade viva dos seres,
contendo propriedades vitais,
é uma unidade morfológica
dos seres e sempre surgem de
outras células, carregando
informações genéticas de todo
MICROSCÓPIO DE LUZ
Para ver algo menor que 0,1mm
é necessário o uso do microscópio.
O microscópio de luz ou óptico é
formado por um sistema de lentes
onde é possível aumentar um objeto
em cerca de 1500 vezes sem que ela
perca a nitidez. Para observar um
objeto é preciso que ele seja
atravessado por um feixe de luz,
suficientemente fino.
A maioria das superfícies
celulares pode ser vista com um
microscópio comum, porém a célula
deve ser previamente tratada com
corantes vitais. Se for usada para
observações demoradas e repetitivas
usa-se fixadores que conservam a
célula, fazendo mínimas alterações.
MICROSCÓPIO ELETRÔNICO DE TRANSMISSÃO
A Citologia ganhou
impulso com a invenção
do microscópio eletrônico
de transmissão, em 1939.
Onde não é atravessado
por ele um feixe de luz e
sim de elétrons e a
imagem é observada em
uma tela fluorescente.
Nesse microscópio é
possível ver imagens 1
milhão de vezes maior
que a de um olho
humano, obtendo
informações mais
MICROSCÓPIO ELETRÔNICO DE VARREDURA
No microscópio
eletrônico de
varredura é
possível ver a
imagem
tridimensional,
onde os elétrons
não atravessam o
objeto eles apenas
refletem o
material.
O TAMANHO DAS CÉLULAS
No corpo de um ser humano adulto existem
aproximadamente 65 trilhões de células.
Uma das maiores células do corpo humano é
o óvulo com aproximadamente 0,02 cm de
diâmetro. A maioria das células tem um tamanho
de 0,01 mm e 0,1 mm. A célula animal mede entre
10 micrômetros e 20 micrômetros de diâmetro.
A forma da célula é adaptada a sua função.
Existem mais de duzentos tipos de células
formando os tecidos humanos e cada uma é
adaptada para a função que executa.
Quando há um crescimento
desproporcional da célula, é ocasionado
sérios problemas de alimentação e de trocas
gasosas entre as células, assim a célula não
dará conta de se alimentar e dar oxigênio
suficiente. Por isso quando um organismo é
maior que 100 micrômetros as células são
quase sempre pluricelulares. Se dividir a
célula grande em mais várias células com
menos volume, a sua área será maior,
garantindo o abastecimento de nutrientes e
oxigênio.
CENTRIFUGAÇÃO FRACIONADA
Centrifugação fracionada é o processo que
separa as estruturas celulares. Nesse
processo as células são destruídas
mecanicamente formando uma “papa” e no
centrifugador o material é submetido a
rotações cada vez mais rápidas que
produzem forças maiores que a gravidade,
separando os componentes das células com
base nas diferentes densidades.
CÉLULAS PROCARIOTAS
(PROTO = PRIMITIVO, CARIO = NÚCLEO, ONTOS = SER)
SÃO CÉLULAS MUITO SIMPLES COMO A
DE BACTÉRIAS. AS CÉLULAS
BACTERIANAS SÃO BEM MAIS
SIMPLES QUE AS CÉLULAS DE OUTROS
SERES VIVOS, NÃO POSSUEM NÚCLEO,
O DNA ESTÁ MERGULHADO EM UMA
ESPÉCIE DE GELATINA FORMADA POR
ÁGUA E MUITAS OUTRAS
SUBSTÂNCIAS DISSOLVIDAS. TUDO
ISSO É ENVOLVIDO PELA MEMBRANA
PLASMÁTICA FORMADA POR LIPÍDIOS
E PROTEÍNAS, E AINDA, ENVOLVENDO
ESTA MEMBRANA, EXISTE UM
REFORÇO EXTERNO, UMA PAREDE
CELULAR COMPOSTA DE CADEIAS DE
GLICÍDIOS E AMINOÁCIDOS.
Os seres que possuem este
tipo de célula recebem o
nome de procariontes,
classificados como
organismos unicelulares que
medem em geral de 1
micrómetro a 10 micrómetros
e são representados pelas
bactérias. São também
considerados bactérias todos
aqueles organismos
patogênicos (que causam
doenças no ser humano e
nos animais) que só se
reproduzem no interior de
outras células.
CÉLULAS EUCARIOTAS
(EU = VERDADEIRO, CARIO = NÚCLEO, ONTOS = SER)
A célula eucariota mede entre 10 e 100 micrómetro de
tamanho, bem maior e mais complexa que a procariota. O
DNA está associado a proteínas –formando os
cromossomos – e está envolvido por uma membrana
formando um núcleo individualizado. No citoplasma destas
células, além de ribossomos, existe uma série de organelas
ausentes nos procariontes: mitocôndrias, retículo
endoplasmático, complexo de Golgi, cloroplastos,
lisossomos e etc. Os organismos uni ou pluricelulares
formados por células eucariotas são chamados de
eucariontes.
No núcleo das células
eucariotas encontram-se os
cromossomos, e ainda
nucléolos, que são
corpúsculos nos quais são
fabricados componentes que
constituem os ribossomos.
A rede de canais que formam o
retículo endoplasmático
fabricam:
*Proteínas, quando o
retículo endoplasmático está
associado aos ribossomos,
sendo chamado de granuloso;
*Lipídios, quando o retículo
endoplasmático está livre de
ribossomos sendo chamado de
retículo não granuloso
O complexo golgiense é responsável por eliminar
secreções celulares. Os lisossomos fazem a digestão
de partículas no interior da célula. As mitocôndrias
participam da respiração aeróbia. Os cloroplastos só
se encontram em seres que realizam fotossíntese
(autótrofos). Os centríolos (não presentes em células
vegetais) estão ligados a divisão celular. O
citoesqueleto produz e sustenta os movimentos da
célula. Os vacúolos de suco (presentes em células
vegetais) acumulam água e outros produtos.
A célula eucariota deve ter surgido da procariota por duas
formas:
Invaginações na membrana da célula procariota provocaram
canais e vesículas que originaram as outras partes da célula
eucariota;
Bactérias invadiram a célula procariota e passaram a viver
dentro dela dando origem a algumas organelas;
Com as novas divisões das células, cada função pode ser
desempenhada com maior eficiência e agilidade podendo se criar
células maiores e indivíduos também maiores (pluricelulares) que
consomem mais alimento e energia e precisavam de células
eficientes para isto.
VÍRUS
Doenças
como a AIDS
são
provocadas
por vírus. Os
vírus são
organismos
diferentes de
todos os
outros.
Os vírus são de dez a
cem vezes menores
que as bactérias
(variam entre 0,03 a
0,3 micrómetros).
Com potentes
microscópios que
foram criados, pode-
se observar que os
vírus não são
formados por células.
São formados por
cápsulas de proteína
ou lipídios, ou ainda
de glicídios. A cápsula
é chamada de
capsídeo e suas
subunidades são os
capsídeos.
Um dos vírus mais estudados é o
bacteriófago, que ataca um tipo de bactéria
chamado Escherichia coli.
Este vírus encosta-se à bactéria e com
enzimas especiais dissolve sua parede e
com a cauda penetra na bactéria liberando
dentro dela seu DNA. Outra enzima do
bacteriófago destrói o DNA da bactéria e faz
com que os componentes da bactéria
formem cópias do material genético do vírus.
Ao fim do processo, a bactéria cheia de vírus
arrebenta e libera novos vírus.
Os novos vírus são semelhantes aos
originais e tem capacidade de reprodução
e são capazes que sofrer mutações que
os fazem evoluir.
Dizemos que os vírus são parasitas
intracelulares obrigatórios, porque
dentro das células eles possuem certas
propriedades dos seres vivos, mas fora
delas, não possuem estas propriedades e
são extremamente frágeis.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tema 7 introdução a citologia
Tema 7   introdução a citologiaTema 7   introdução a citologia
Tema 7 introdução a citologia
Grupo UNIASSELVI
 
Aula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introduçãoAula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introdução
Amarildo César
 
Teoria celular
Teoria celularTeoria celular
Teoria celular
Nuno Correia
 
Resumo teoria-celular
Resumo   teoria-celularResumo   teoria-celular
Resumo teoria-celular
Pelo Siro
 
Introdução a biologia e citologia objetivo
Introdução a biologia e citologia objetivoIntrodução a biologia e citologia objetivo
Introdução a biologia e citologia objetivo
Marcos Albuquerque
 
Teoria Celular
Teoria CelularTeoria Celular
Teoria Celular
Tânia Reis
 
Aula Introdução à Citologia
Aula Introdução à CitologiaAula Introdução à Citologia
Aula Introdução à Citologia
Thiago Manchester
 
Aula sobre células
Aula sobre célulasAula sobre células
Aula sobre células
cienciasdinamica
 
Apresentação de células
Apresentação de célulasApresentação de células
Apresentação de células
cejlrodrigues
 
Aula biologia celular
Aula   biologia celularAula   biologia celular
Aula biologia celular
santhdalcin
 
Citologia parte i
Citologia parte iCitologia parte i
Citologia parte i
Elisa Dos Santos Cardoso
 
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
João Monteiro
 
Células
CélulasCélulas
Células
Cláudia Moura
 
Evolução celular
Evolução celularEvolução celular
Evolução celular
luam1969
 
A descoberta da célula 1ºa
A descoberta da célula 1ºaA descoberta da célula 1ºa
A descoberta da célula 1ºa
naymarques
 
Resumo de Introdução a Citologia
Resumo de Introdução a CitologiaResumo de Introdução a Citologia
Resumo de Introdução a Citologia
loirissimavivi
 
Celula
CelulaCelula
Aulão 2° ano - Ensino Médio
Aulão 2° ano - Ensino MédioAulão 2° ano - Ensino Médio
Aulão 2° ano - Ensino Médio
Clécio Bubela
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
Mariinazorzi
 
Citologia
CitologiaCitologia

Mais procurados (20)

Tema 7 introdução a citologia
Tema 7   introdução a citologiaTema 7   introdução a citologia
Tema 7 introdução a citologia
 
Aula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introduçãoAula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introdução
 
Teoria celular
Teoria celularTeoria celular
Teoria celular
 
Resumo teoria-celular
Resumo   teoria-celularResumo   teoria-celular
Resumo teoria-celular
 
Introdução a biologia e citologia objetivo
Introdução a biologia e citologia objetivoIntrodução a biologia e citologia objetivo
Introdução a biologia e citologia objetivo
 
Teoria Celular
Teoria CelularTeoria Celular
Teoria Celular
 
Aula Introdução à Citologia
Aula Introdução à CitologiaAula Introdução à Citologia
Aula Introdução à Citologia
 
Aula sobre células
Aula sobre célulasAula sobre células
Aula sobre células
 
Apresentação de células
Apresentação de célulasApresentação de células
Apresentação de células
 
Aula biologia celular
Aula   biologia celularAula   biologia celular
Aula biologia celular
 
Citologia parte i
Citologia parte iCitologia parte i
Citologia parte i
 
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
 
Células
CélulasCélulas
Células
 
Evolução celular
Evolução celularEvolução celular
Evolução celular
 
A descoberta da célula 1ºa
A descoberta da célula 1ºaA descoberta da célula 1ºa
A descoberta da célula 1ºa
 
Resumo de Introdução a Citologia
Resumo de Introdução a CitologiaResumo de Introdução a Citologia
Resumo de Introdução a Citologia
 
Celula
CelulaCelula
Celula
 
Aulão 2° ano - Ensino Médio
Aulão 2° ano - Ensino MédioAulão 2° ano - Ensino Médio
Aulão 2° ano - Ensino Médio
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 

Destaque

Aula prática apresentação do microscopio e tecidos vegetais 2012
Aula prática apresentação do microscopio e tecidos vegetais 2012Aula prática apresentação do microscopio e tecidos vegetais 2012
Aula prática apresentação do microscopio e tecidos vegetais 2012
Priscila Belintani
 
Células
CélulasCélulas
Células
ricassia5022
 
Visão geral da celula
Visão geral da celulaVisão geral da celula
Visão geral da celula
Rafael Gomes
 
CéLulas EucarióTicas
CéLulas EucarióTicasCéLulas EucarióTicas
CéLulas EucarióTicas
Tânia Reis
 
Lista de exercícios Células
Lista de exercícios CélulasLista de exercícios Células
Lista de exercícios Células
Carlos Priante
 
Célula eucariótica
Célula eucarióticaCélula eucariótica
Célula eucariótica
luam1969
 
Método científico y teoría celular
Método científico y teoría celularMétodo científico y teoría celular
Método científico y teoría celular
Belgica Soledad Carriaga Salgado
 
Celular prcariontes e eucariontes
Celular prcariontes e eucariontesCelular prcariontes e eucariontes
Celular prcariontes e eucariontes
Pedro Lopes
 
Aulas bio 2 parte iii
Aulas bio 2 parte iiiAulas bio 2 parte iii
Aulas bio 2 parte iii
denilsonbio
 
Aulas bio 2 parte ii
Aulas bio 2 parte iiAulas bio 2 parte ii
Aulas bio 2 parte ii
denilsonbio
 
Aulas bio 1 parte iii
Aulas bio 1 parte iiiAulas bio 1 parte iii
Aulas bio 1 parte iii
denilsonbio
 
Aulas bio 1 parte ii
Aulas bio 1 parte iiAulas bio 1 parte ii
Aulas bio 1 parte ii
denilsonbio
 
Biologia 1
Biologia 1Biologia 1
Biologia 1
denilsonbio
 
Biologia 2
Biologia 2Biologia 2
Biologia 2
denilsonbio
 
Niveis de organização na biologia
Niveis de organização na biologiaNiveis de organização na biologia
Niveis de organização na biologia
Diana Costa
 
Aula 1 Componentes químicos da célula
Aula 1  Componentes químicos da célulaAula 1  Componentes químicos da célula
Aula 1 Componentes químicos da célula
Marcelo Cabreira de Góes
 
Células procariontes e eucariontes
Células procariontes e eucariontesCélulas procariontes e eucariontes
Células procariontes e eucariontes
Naiiane Da Motta
 
Planejamento de ciências 5ª a 8ª series professor antonio carlos carneiro ba...
Planejamento de ciências 5ª  a 8ª series professor antonio carlos carneiro ba...Planejamento de ciências 5ª  a 8ª series professor antonio carlos carneiro ba...
Planejamento de ciências 5ª a 8ª series professor antonio carlos carneiro ba...
Antonio Carneiro
 
Planejamento anual de ciências
Planejamento anual de ciênciasPlanejamento anual de ciências
Planejamento anual de ciências
Marlene Sampaio
 
19. celula muscular cardiaca
19. celula muscular cardiaca19. celula muscular cardiaca
19. celula muscular cardiaca
Jaaviier SevenfoOld
 

Destaque (20)

Aula prática apresentação do microscopio e tecidos vegetais 2012
Aula prática apresentação do microscopio e tecidos vegetais 2012Aula prática apresentação do microscopio e tecidos vegetais 2012
Aula prática apresentação do microscopio e tecidos vegetais 2012
 
Células
CélulasCélulas
Células
 
Visão geral da celula
Visão geral da celulaVisão geral da celula
Visão geral da celula
 
CéLulas EucarióTicas
CéLulas EucarióTicasCéLulas EucarióTicas
CéLulas EucarióTicas
 
Lista de exercícios Células
Lista de exercícios CélulasLista de exercícios Células
Lista de exercícios Células
 
Célula eucariótica
Célula eucarióticaCélula eucariótica
Célula eucariótica
 
Método científico y teoría celular
Método científico y teoría celularMétodo científico y teoría celular
Método científico y teoría celular
 
Celular prcariontes e eucariontes
Celular prcariontes e eucariontesCelular prcariontes e eucariontes
Celular prcariontes e eucariontes
 
Aulas bio 2 parte iii
Aulas bio 2 parte iiiAulas bio 2 parte iii
Aulas bio 2 parte iii
 
Aulas bio 2 parte ii
Aulas bio 2 parte iiAulas bio 2 parte ii
Aulas bio 2 parte ii
 
Aulas bio 1 parte iii
Aulas bio 1 parte iiiAulas bio 1 parte iii
Aulas bio 1 parte iii
 
Aulas bio 1 parte ii
Aulas bio 1 parte iiAulas bio 1 parte ii
Aulas bio 1 parte ii
 
Biologia 1
Biologia 1Biologia 1
Biologia 1
 
Biologia 2
Biologia 2Biologia 2
Biologia 2
 
Niveis de organização na biologia
Niveis de organização na biologiaNiveis de organização na biologia
Niveis de organização na biologia
 
Aula 1 Componentes químicos da célula
Aula 1  Componentes químicos da célulaAula 1  Componentes químicos da célula
Aula 1 Componentes químicos da célula
 
Células procariontes e eucariontes
Células procariontes e eucariontesCélulas procariontes e eucariontes
Células procariontes e eucariontes
 
Planejamento de ciências 5ª a 8ª series professor antonio carlos carneiro ba...
Planejamento de ciências 5ª  a 8ª series professor antonio carlos carneiro ba...Planejamento de ciências 5ª  a 8ª series professor antonio carlos carneiro ba...
Planejamento de ciências 5ª a 8ª series professor antonio carlos carneiro ba...
 
Planejamento anual de ciências
Planejamento anual de ciênciasPlanejamento anual de ciências
Planejamento anual de ciências
 
19. celula muscular cardiaca
19. celula muscular cardiaca19. celula muscular cardiaca
19. celula muscular cardiaca
 

Semelhante a Características da células

Teoria celular
Teoria celularTeoria celular
Teoria celular
João Soares
 
Teoria microscopiocelula
Teoria microscopiocelulaTeoria microscopiocelula
Teoria microscopiocelula
Alziro Xavier Neto
 
Biologia celular
Biologia celularBiologia celular
Biologia celular
Maria Candido
 
Microbiologia Aula Iegran
Microbiologia Aula IegranMicrobiologia Aula Iegran
Microbiologia Aula Iegran
Sergilainematos
 
CéLula
CéLulaCéLula
CéLula
Sérgio Luiz
 
Introdução a citologia - Alberts
Introdução a citologia - AlbertsIntrodução a citologia - Alberts
Introdução a citologia - Alberts
emanuel
 
Diversidade E Unidade De Vida Slide
Diversidade E Unidade De Vida SlideDiversidade E Unidade De Vida Slide
Diversidade E Unidade De Vida Slide
Tânia Reis
 
Teoria celular-
Teoria celular-Teoria celular-
Teoria celular-
stique
 
bioooooooooooooooooooooooooobiologia.pptx
bioooooooooooooooooooooooooobiologia.pptxbioooooooooooooooooooooooooobiologia.pptx
bioooooooooooooooooooooooooobiologia.pptx
nfmariaizabell
 
Teoria celular-101114160821-phpapp01
Teoria celular-101114160821-phpapp01Teoria celular-101114160821-phpapp01
Teoria celular-101114160821-phpapp01
Pelo Siro
 
Introdução a Citologia
Introdução a CitologiaIntrodução a Citologia
Introdução a Citologia
BIOGERALDO
 
Resumo teoria-celular
Resumo   teoria-celularResumo   teoria-celular
Resumo teoria-celular
Ashe Sampaio
 
(4) biologia e geologia 10º ano - diversidade na biosfera
(4) biologia e geologia   10º ano - diversidade na biosfera(4) biologia e geologia   10º ano - diversidade na biosfera
(4) biologia e geologia 10º ano - diversidade na biosfera
Hugo Martins
 
A CéLula
A  CéLulaA  CéLula
A CéLula
Miguelsnows
 
A CéLula
A CéLulaA CéLula
A CéLula
Miguelsnows
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
Marcia Regina
 
Apresentação sobre as células eucarioticas e procarioticasde 10 ano
Apresentação sobre as células eucarioticas e procarioticasde 10 anoApresentação sobre as células eucarioticas e procarioticasde 10 ano
Apresentação sobre as células eucarioticas e procarioticasde 10 ano
vicentefrutuoso3996
 
Biologia Coc
Biologia CocBiologia Coc
Biologia Coc
Coc2010
 
A Célula
A CélulaA Célula
Biologia 11 unicelularidade e multicelularidade
Biologia 11   unicelularidade e multicelularidadeBiologia 11   unicelularidade e multicelularidade
Biologia 11 unicelularidade e multicelularidade
Nuno Correia
 

Semelhante a Características da células (20)

Teoria celular
Teoria celularTeoria celular
Teoria celular
 
Teoria microscopiocelula
Teoria microscopiocelulaTeoria microscopiocelula
Teoria microscopiocelula
 
Biologia celular
Biologia celularBiologia celular
Biologia celular
 
Microbiologia Aula Iegran
Microbiologia Aula IegranMicrobiologia Aula Iegran
Microbiologia Aula Iegran
 
CéLula
CéLulaCéLula
CéLula
 
Introdução a citologia - Alberts
Introdução a citologia - AlbertsIntrodução a citologia - Alberts
Introdução a citologia - Alberts
 
Diversidade E Unidade De Vida Slide
Diversidade E Unidade De Vida SlideDiversidade E Unidade De Vida Slide
Diversidade E Unidade De Vida Slide
 
Teoria celular-
Teoria celular-Teoria celular-
Teoria celular-
 
bioooooooooooooooooooooooooobiologia.pptx
bioooooooooooooooooooooooooobiologia.pptxbioooooooooooooooooooooooooobiologia.pptx
bioooooooooooooooooooooooooobiologia.pptx
 
Teoria celular-101114160821-phpapp01
Teoria celular-101114160821-phpapp01Teoria celular-101114160821-phpapp01
Teoria celular-101114160821-phpapp01
 
Introdução a Citologia
Introdução a CitologiaIntrodução a Citologia
Introdução a Citologia
 
Resumo teoria-celular
Resumo   teoria-celularResumo   teoria-celular
Resumo teoria-celular
 
(4) biologia e geologia 10º ano - diversidade na biosfera
(4) biologia e geologia   10º ano - diversidade na biosfera(4) biologia e geologia   10º ano - diversidade na biosfera
(4) biologia e geologia 10º ano - diversidade na biosfera
 
A CéLula
A  CéLulaA  CéLula
A CéLula
 
A CéLula
A CéLulaA CéLula
A CéLula
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
Apresentação sobre as células eucarioticas e procarioticasde 10 ano
Apresentação sobre as células eucarioticas e procarioticasde 10 anoApresentação sobre as células eucarioticas e procarioticasde 10 ano
Apresentação sobre as células eucarioticas e procarioticasde 10 ano
 
Biologia Coc
Biologia CocBiologia Coc
Biologia Coc
 
A Célula
A CélulaA Célula
A Célula
 
Biologia 11 unicelularidade e multicelularidade
Biologia 11   unicelularidade e multicelularidadeBiologia 11   unicelularidade e multicelularidade
Biologia 11 unicelularidade e multicelularidade
 

Último

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 

Último (20)

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 

Características da células

  • 1. UMA VISÃO GERAL DA CÉLULA Bianca e Heloísa
  • 2. MICROSCÓPIO SIMPLES Anton Van Leeuwenhoek viveu na Holanda entre 1621 e 1723 e foi considerado o inventor do microscópio.
  • 3. Com suas lentes e com técnicas de iluminação Leeuwenhoek conseguiu aumentar a visualização de objetos em até 270 vezes, conseguindo ver microorganismos de até 0, 003 mm, onde olhando a olho nu o ser humano enxerga apenas até 0,1 mm de comprimento, porém as imagens que eram distorcidas em sua forma e cor.
  • 4. A DESCOBERTA DA CÉLULA O inglês Robert Hooke, observou pedaços de cortiça em um microscópio, com duas lentes semelhantes dentro de um tubo de metal, chamando esse de microscópio composto.
  • 5. Robert Hooke descreveu que no interior dos pedaços de cortiça havia pequenas cavidades e deu-lhes o nome de célula.
  • 6. Em 1820 Robert Brown, botânico escocês visualizou que no interior das celular havia um pequeno corpo e o chamou de núcleo
  • 7. TEORIA SCHLEIDEN E SCHWANN SURGINDO ASSIM A TEORIA SCHLEIDEN E SCHWANN EM QUE TODOS OS SERES VIVOS SÃO FORMADOS POR CÉLULAS. Em 1838, o botânico alemão Matthias Schleiden concluiu que todas as plantas tinham células. Em 1839 Theodor Schwann generalizou o conceito também para animais.
  • 8. TEORIA CELULAR Em 1858 o médico alemão Rudolf Virchow afirmou que uma célula é capaz de se reproduzir. Com base nisso foi feita a teoria celular, onde foi constatado que a célula é a menor unidade viva dos seres, contendo propriedades vitais, é uma unidade morfológica dos seres e sempre surgem de outras células, carregando informações genéticas de todo
  • 9. MICROSCÓPIO DE LUZ Para ver algo menor que 0,1mm é necessário o uso do microscópio. O microscópio de luz ou óptico é formado por um sistema de lentes onde é possível aumentar um objeto em cerca de 1500 vezes sem que ela perca a nitidez. Para observar um objeto é preciso que ele seja atravessado por um feixe de luz, suficientemente fino. A maioria das superfícies celulares pode ser vista com um microscópio comum, porém a célula deve ser previamente tratada com corantes vitais. Se for usada para observações demoradas e repetitivas usa-se fixadores que conservam a célula, fazendo mínimas alterações.
  • 10. MICROSCÓPIO ELETRÔNICO DE TRANSMISSÃO A Citologia ganhou impulso com a invenção do microscópio eletrônico de transmissão, em 1939. Onde não é atravessado por ele um feixe de luz e sim de elétrons e a imagem é observada em uma tela fluorescente. Nesse microscópio é possível ver imagens 1 milhão de vezes maior que a de um olho humano, obtendo informações mais
  • 11. MICROSCÓPIO ELETRÔNICO DE VARREDURA No microscópio eletrônico de varredura é possível ver a imagem tridimensional, onde os elétrons não atravessam o objeto eles apenas refletem o material.
  • 12. O TAMANHO DAS CÉLULAS No corpo de um ser humano adulto existem aproximadamente 65 trilhões de células. Uma das maiores células do corpo humano é o óvulo com aproximadamente 0,02 cm de diâmetro. A maioria das células tem um tamanho de 0,01 mm e 0,1 mm. A célula animal mede entre 10 micrômetros e 20 micrômetros de diâmetro. A forma da célula é adaptada a sua função. Existem mais de duzentos tipos de células formando os tecidos humanos e cada uma é adaptada para a função que executa.
  • 13. Quando há um crescimento desproporcional da célula, é ocasionado sérios problemas de alimentação e de trocas gasosas entre as células, assim a célula não dará conta de se alimentar e dar oxigênio suficiente. Por isso quando um organismo é maior que 100 micrômetros as células são quase sempre pluricelulares. Se dividir a célula grande em mais várias células com menos volume, a sua área será maior, garantindo o abastecimento de nutrientes e oxigênio.
  • 14. CENTRIFUGAÇÃO FRACIONADA Centrifugação fracionada é o processo que separa as estruturas celulares. Nesse processo as células são destruídas mecanicamente formando uma “papa” e no centrifugador o material é submetido a rotações cada vez mais rápidas que produzem forças maiores que a gravidade, separando os componentes das células com base nas diferentes densidades.
  • 15. CÉLULAS PROCARIOTAS (PROTO = PRIMITIVO, CARIO = NÚCLEO, ONTOS = SER) SÃO CÉLULAS MUITO SIMPLES COMO A DE BACTÉRIAS. AS CÉLULAS BACTERIANAS SÃO BEM MAIS SIMPLES QUE AS CÉLULAS DE OUTROS SERES VIVOS, NÃO POSSUEM NÚCLEO, O DNA ESTÁ MERGULHADO EM UMA ESPÉCIE DE GELATINA FORMADA POR ÁGUA E MUITAS OUTRAS SUBSTÂNCIAS DISSOLVIDAS. TUDO ISSO É ENVOLVIDO PELA MEMBRANA PLASMÁTICA FORMADA POR LIPÍDIOS E PROTEÍNAS, E AINDA, ENVOLVENDO ESTA MEMBRANA, EXISTE UM REFORÇO EXTERNO, UMA PAREDE CELULAR COMPOSTA DE CADEIAS DE GLICÍDIOS E AMINOÁCIDOS.
  • 16. Os seres que possuem este tipo de célula recebem o nome de procariontes, classificados como organismos unicelulares que medem em geral de 1 micrómetro a 10 micrómetros e são representados pelas bactérias. São também considerados bactérias todos aqueles organismos patogênicos (que causam doenças no ser humano e nos animais) que só se reproduzem no interior de outras células.
  • 17. CÉLULAS EUCARIOTAS (EU = VERDADEIRO, CARIO = NÚCLEO, ONTOS = SER) A célula eucariota mede entre 10 e 100 micrómetro de tamanho, bem maior e mais complexa que a procariota. O DNA está associado a proteínas –formando os cromossomos – e está envolvido por uma membrana formando um núcleo individualizado. No citoplasma destas células, além de ribossomos, existe uma série de organelas ausentes nos procariontes: mitocôndrias, retículo endoplasmático, complexo de Golgi, cloroplastos, lisossomos e etc. Os organismos uni ou pluricelulares formados por células eucariotas são chamados de eucariontes.
  • 18. No núcleo das células eucariotas encontram-se os cromossomos, e ainda nucléolos, que são corpúsculos nos quais são fabricados componentes que constituem os ribossomos.
  • 19. A rede de canais que formam o retículo endoplasmático fabricam: *Proteínas, quando o retículo endoplasmático está associado aos ribossomos, sendo chamado de granuloso; *Lipídios, quando o retículo endoplasmático está livre de ribossomos sendo chamado de retículo não granuloso
  • 20. O complexo golgiense é responsável por eliminar secreções celulares. Os lisossomos fazem a digestão de partículas no interior da célula. As mitocôndrias participam da respiração aeróbia. Os cloroplastos só se encontram em seres que realizam fotossíntese (autótrofos). Os centríolos (não presentes em células vegetais) estão ligados a divisão celular. O citoesqueleto produz e sustenta os movimentos da célula. Os vacúolos de suco (presentes em células vegetais) acumulam água e outros produtos.
  • 21. A célula eucariota deve ter surgido da procariota por duas formas: Invaginações na membrana da célula procariota provocaram canais e vesículas que originaram as outras partes da célula eucariota; Bactérias invadiram a célula procariota e passaram a viver dentro dela dando origem a algumas organelas; Com as novas divisões das células, cada função pode ser desempenhada com maior eficiência e agilidade podendo se criar células maiores e indivíduos também maiores (pluricelulares) que consomem mais alimento e energia e precisavam de células eficientes para isto.
  • 22. VÍRUS Doenças como a AIDS são provocadas por vírus. Os vírus são organismos diferentes de todos os outros.
  • 23. Os vírus são de dez a cem vezes menores que as bactérias (variam entre 0,03 a 0,3 micrómetros). Com potentes microscópios que foram criados, pode- se observar que os vírus não são formados por células. São formados por cápsulas de proteína ou lipídios, ou ainda de glicídios. A cápsula é chamada de capsídeo e suas subunidades são os capsídeos.
  • 24. Um dos vírus mais estudados é o bacteriófago, que ataca um tipo de bactéria chamado Escherichia coli. Este vírus encosta-se à bactéria e com enzimas especiais dissolve sua parede e com a cauda penetra na bactéria liberando dentro dela seu DNA. Outra enzima do bacteriófago destrói o DNA da bactéria e faz com que os componentes da bactéria formem cópias do material genético do vírus. Ao fim do processo, a bactéria cheia de vírus arrebenta e libera novos vírus.
  • 25. Os novos vírus são semelhantes aos originais e tem capacidade de reprodução e são capazes que sofrer mutações que os fazem evoluir. Dizemos que os vírus são parasitas intracelulares obrigatórios, porque dentro das células eles possuem certas propriedades dos seres vivos, mas fora delas, não possuem estas propriedades e são extremamente frágeis.