SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Tuberculose

    1. Definição:É uma enfermidade infectocontagiosa, granulomatosa, caracterizada pela
       concentração de granulomas denominado de tubérculos. É uma doença de apresentação
       crônica.
    2. Etiologia:Mycobacterium tuberculosis, Mycobacterium bovis, Mycobacterium avium.
       Retém a coloração da fucsina mesmo após tratamento com acido e álcool (ácido-básico
       resistente – BAAR). As micobactérias são bacilos pouco resistentes ao calor, morrendo
       pela pasteurização, aquecimento e fervura, também morre à radiação solar.
       Sãoresistentes aos desinfetantes comuns, frente aos fenóis orgânicos a 3% elas morrem
       em torno de 30 minutos.
    3. Susceptibilidade:Ocorre em todos os mamíferos domésticos, porem ocorre com
       frequência em bovinos e suínos, sendo menos frequentes em ovinos, caprinos e
       carnívoros, sendo rara nos equídeos. Assume grande importância econômica nos
       bovinos leiteiros e suínos devido a perda do leite e carne. Afeta os animais
       independente da idade, sexo, clima, região, embora a tuberculose se apresente em
       animais adultos com mais frequência. Zebuínos são mais resistentes que os europeus.
       Os reservatórios desta doença esta representado pelos próprios animais doentes que se
       encarregam de manter a bactéria ativa no ambiente.
    4. Tipos de Tuberculose:
    a) Aberta:É aquela tuberculose em que o produto tuberculoso atinge o exterior do
       organismo (pele, mucosas, luz dos órgãos). Quando o agente contaminante esta exposto.
    b) Fechada:Quando não há exteriorização do material contaminante.
    5. Patogenia:O bacilo penetra no organismo pelas vias digestiva e respiratória. Os bacilos
       são fagocitados pelos leucócitos, em cujo interior são destruídos ou se multiplicam.
       Porém, quando fagocitados e não eliminados se multiplicam e a doença evolui sob 4
       estágios:
    a) Primo infecção:Há produção de lesão local na porta de entrada. Os leucócitos atorrem
       para o órgão de penetração (traqueia, laringe, esôfago) e por via circulatória atingem os
       gânglios regionais (adenopatia satélite), às lesões do órgão e seus gânglios regionais,
       denominamos complexo primário (perfeito quando atinge gânglios e órgãos e
       imperfeitos quando atinge os gânglios).
       Evolução do complexo primário:

- Cura completa: tratamento.

- Encapsulamento e calcificação (lesão inativa)

- Bacilemia sem reação tissular: Tuberculose latente (o bacilo caiu na corrente sanguínea, mas
não teve reação dos tecidos).

- Bacilemia com reação tissular: O bacilo se disseminou, o que pode levar a morte do individuo
ou pode ser tratado e curado, ou também pode haver encapsulamento, ou então voltar para uma
bacilemia sem reação tissular.

    b) Processo pós-primário:É um momento patogênico de duas situações mórbidas
       bastante distintas. Pode resultar:
       Da superinfecção (Não há formação de complexo primário – condição exógena):

- Uma exposição muito forte;
- Infecções sucessivas.

         Disseminação do foco:Ocorre pela via linfohematogena (condição endógena).
    c)   Período de decadência:Constitui-se em um processo resultante da quebra de
         resistência imunológica produzida pela própria doença. Fatores debilitantes nutricionais,
         carga de trabalho, doenças intercorrentes e assim o animal volta a ser susceptível. O
         período de decadência ode ocorrer em qualquer fase da doença.
    d)   Reinfecção:Um novo processo patogênico se reinstala no individuo que já havia tido
         tuberculose e estava curado e voltou a ser infectado (comum no homem).
    6.   Período de incubação:É extremamente variável que seja entre espécies ou mesmo
         dentro de uma espécie.
    7.   Sintomas:
    a)   Tuberculose pulmonar:Mais frequente em bovinos de leite. Tosse, secreção nasal,
         secreção pulmonar, estertores pulmonares, dispneia, anorexia (ver no livro).
    b)   Tuberculose intestinal:Não possui sintomas característicos e seus sinais giram em
         torno das patologias gastrintestinais, como diarreia, constipação, inapetência (ver no
         livro).
    c)   Tuberculose do úbere:Representam 10% em gado leiteiro. Tumefação, nódulos
         endurecidos (ver no livro).
    8.   Lesões:As lesões tuberculosas assumem características diferenciadas em vários
         momentos de sua doença. No inicio o tubérculo se apresenta transparente, cinza, firme,
         ocorre com muita peculiaridade nos animais jovens. Ao envelhecimento, a lesão torna-
         se amarelada com produto central caseoso fruto da degeneração caseosa, um tubérculo
         fibroso é resultante de tubérculos anteriores, sendo muito observados em processo de
         cura. Os tubérculos caseosos caracterizam-se como um som de corte de faca na areia.
    9.   Diagnostico:
    a)   Clinico:Baseia-se nos sinais clínicos que são genéricos e inconclusivos.
    b)   Anatomopatológico:Baseado nas lesões teciduais dos órgãos com suas características
         próprias.
    c)   Laboratorial:

- Bacterioscopia direta (BAAR);

- Bacteriofilo: Cultivo de material suspeito em meios específicos (caldo glicerinado a 5%,
Santos Lang D’seibert);

- Inoculação experimental;

- Imunologia (celular - tuberculina);

- Tuberculinização: Prova que consiste na hipersensibilidade retardada a tuberculina (proteína
produzida pelo Mycobacterium com peso molecular entre 10 a 13 Daltons).

-Prova dupla comparada: Tomando como referencia a crista acroniana da escapula, faça a
inoculação das tuberculinas Mycobacterium bovis e Mycobacterium avium distantes uma da
outra 20 cm, antes porém, utilizando um cutímero faça a medida da distancia entre as doses e
anote. Após 72 horas fazer a leitura pós-inoculação.

Interpretação
Leitura    Diferença/mm    Res ultad o

Tb <Ta                         (-)

Tb >Ta       0 ,1 a 1,9        (-)

Tb >Ta       2 ,0 a 2 ,9   s us p eito

Tb >Ta         >3 ,0          (+)



10. Tratamento:Não compensa financeiramente tratar animais de produção. Não se tem
    certeza se o tratamento foi eficiente porque o animal sempre será positivo aos testes de
    tuberculina, sendo uma fonte de infecção.
11. Profilaxia:Fazer tuberculinização periódica (gado de leite de 6 em 6 meses e gado de
    corte de 12 em 12 meses), só comprar animais com testes negativos, higienização das
    instalações, eliminar animais positivos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
Bacterioses
BacteriosesBacterioses
Bacterioses
 
Aula 6 - M
Aula 6 - MAula 6 - M
Aula 6 - M
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
Reino monera 1
Reino monera 1Reino monera 1
Reino monera 1
 
Aulademicrobiologia ppt-131220065223-phpapp02
Aulademicrobiologia ppt-131220065223-phpapp02Aulademicrobiologia ppt-131220065223-phpapp02
Aulademicrobiologia ppt-131220065223-phpapp02
 
Aula 7º ano - Reino Monera
Aula 7º ano - Reino MoneraAula 7º ano - Reino Monera
Aula 7º ano - Reino Monera
 
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
 
Bactérias
BactériasBactérias
Bactérias
 
Procariontes
ProcariontesProcariontes
Procariontes
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Microbiologia Básica - Bactérias
Microbiologia Básica -  BactériasMicrobiologia Básica -  Bactérias
Microbiologia Básica - Bactérias
 
Repercussões sistêmicas das doenças infecciosas da boca
Repercussões sistêmicas das doenças infecciosas da bocaRepercussões sistêmicas das doenças infecciosas da boca
Repercussões sistêmicas das doenças infecciosas da boca
 
Biologia: Bactérias
Biologia: BactériasBiologia: Bactérias
Biologia: Bactérias
 
CaracteríSticas Do Reino Monera
CaracteríSticas Do Reino MoneraCaracteríSticas Do Reino Monera
CaracteríSticas Do Reino Monera
 
Reino monera educopédia
Reino monera   educopédiaReino monera   educopédia
Reino monera educopédia
 
Resumo microbiologia-clinica
Resumo microbiologia-clinicaResumo microbiologia-clinica
Resumo microbiologia-clinica
 
Aula parasito
Aula parasitoAula parasito
Aula parasito
 
Doenças bacterianas
Doenças bacterianasDoenças bacterianas
Doenças bacterianas
 
Vírus e reino monera
Vírus e reino moneraVírus e reino monera
Vírus e reino monera
 

Destaque (9)

Evaluacion en redes
Evaluacion en redesEvaluacion en redes
Evaluacion en redes
 
Ed qualidade de vida
Ed   qualidade de vidaEd   qualidade de vida
Ed qualidade de vida
 
Ppt registro
Ppt   registroPpt   registro
Ppt registro
 
matius
matiusmatius
matius
 
Steve Jobs
Steve JobsSteve Jobs
Steve Jobs
 
Tips para crear tus blogs
Tips para crear tus blogsTips para crear tus blogs
Tips para crear tus blogs
 
Leao verde
Leao verdeLeao verde
Leao verde
 
La comunicación política en América Latina
La comunicación política en América LatinaLa comunicación política en América Latina
La comunicación política en América Latina
 
07 introduccic3b3n-al-anc3a1lisis-de-estructuras
07 introduccic3b3n-al-anc3a1lisis-de-estructuras07 introduccic3b3n-al-anc3a1lisis-de-estructuras
07 introduccic3b3n-al-anc3a1lisis-de-estructuras
 

Semelhante a Tuberculose

AULA 3 - BACTÉRIAS.pdf
AULA 3 - BACTÉRIAS.pdfAULA 3 - BACTÉRIAS.pdf
AULA 3 - BACTÉRIAS.pdfJordniaMatias2
 
AULA 3 MICROBIOLOGIA DA AREA DA ENFERMAGEM
AULA 3 MICROBIOLOGIA DA AREA DA ENFERMAGEMAULA 3 MICROBIOLOGIA DA AREA DA ENFERMAGEM
AULA 3 MICROBIOLOGIA DA AREA DA ENFERMAGEMizabellinurse
 
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptxRodrigo Corte Real
 
Parasitologia - Balantidium coli
Parasitologia - Balantidium coliParasitologia - Balantidium coli
Parasitologia - Balantidium colipHrOzEn HeLL
 
Introdução metodologia- pibic-joyce 30-08
Introdução   metodologia- pibic-joyce 30-08Introdução   metodologia- pibic-joyce 30-08
Introdução metodologia- pibic-joyce 30-08Fabiano Muniz
 
Sebenta de bacteriologia
Sebenta de bacteriologiaSebenta de bacteriologia
Sebenta de bacteriologiaJaime Miguel
 
Aula de bacterias pdf104201112530
Aula de bacterias pdf104201112530Aula de bacterias pdf104201112530
Aula de bacterias pdf104201112530Jerson Dos Santos
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dotsDessa Reis
 
Parasitologia Fungos
Parasitologia FungosParasitologia Fungos
Parasitologia FungosLudmila Alem
 
Tuberculose e Hanseníase, doenças negligenciadas
Tuberculose e Hanseníase, doenças negligenciadasTuberculose e Hanseníase, doenças negligenciadas
Tuberculose e Hanseníase, doenças negligenciadasAdrianoCosta696471
 
Informativo tuberculose zoonose
Informativo tuberculose   zoonoseInformativo tuberculose   zoonose
Informativo tuberculose zoonoseFmodri3
 
Prevencao de doenças
Prevencao de doençasPrevencao de doenças
Prevencao de doençaspdprevencao
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dotsCms Nunes
 
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.Alarindo Salvador Dos Santos
 

Semelhante a Tuberculose (20)

AULA 3 - BACTÉRIAS.pdf
AULA 3 - BACTÉRIAS.pdfAULA 3 - BACTÉRIAS.pdf
AULA 3 - BACTÉRIAS.pdf
 
AULA 3 MICROBIOLOGIA DA AREA DA ENFERMAGEM
AULA 3 MICROBIOLOGIA DA AREA DA ENFERMAGEMAULA 3 MICROBIOLOGIA DA AREA DA ENFERMAGEM
AULA 3 MICROBIOLOGIA DA AREA DA ENFERMAGEM
 
Tuberculose - 12ºano Biologia
Tuberculose - 12ºano BiologiaTuberculose - 12ºano Biologia
Tuberculose - 12ºano Biologia
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
bacteria.ppt
bacteria.pptbacteria.ppt
bacteria.ppt
 
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
 
Bactérias
BactériasBactérias
Bactérias
 
Parasitologia - Balantidium coli
Parasitologia - Balantidium coliParasitologia - Balantidium coli
Parasitologia - Balantidium coli
 
Introdução metodologia- pibic-joyce 30-08
Introdução   metodologia- pibic-joyce 30-08Introdução   metodologia- pibic-joyce 30-08
Introdução metodologia- pibic-joyce 30-08
 
Sebenta de bacteriologia
Sebenta de bacteriologiaSebenta de bacteriologia
Sebenta de bacteriologia
 
Aula de bacterias pdf104201112530
Aula de bacterias pdf104201112530Aula de bacterias pdf104201112530
Aula de bacterias pdf104201112530
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
Parasitologia Fungos
Parasitologia FungosParasitologia Fungos
Parasitologia Fungos
 
Tuberculose e Hanseníase, doenças negligenciadas
Tuberculose e Hanseníase, doenças negligenciadasTuberculose e Hanseníase, doenças negligenciadas
Tuberculose e Hanseníase, doenças negligenciadas
 
Informativo tuberculose zoonose
Informativo tuberculose   zoonoseInformativo tuberculose   zoonose
Informativo tuberculose zoonose
 
Curso de vacinas
Curso de vacinasCurso de vacinas
Curso de vacinas
 
Prevencao de doenças
Prevencao de doençasPrevencao de doenças
Prevencao de doenças
 
Clostridioses
ClostridiosesClostridioses
Clostridioses
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
 

Tuberculose

  • 1. Tuberculose 1. Definição:É uma enfermidade infectocontagiosa, granulomatosa, caracterizada pela concentração de granulomas denominado de tubérculos. É uma doença de apresentação crônica. 2. Etiologia:Mycobacterium tuberculosis, Mycobacterium bovis, Mycobacterium avium. Retém a coloração da fucsina mesmo após tratamento com acido e álcool (ácido-básico resistente – BAAR). As micobactérias são bacilos pouco resistentes ao calor, morrendo pela pasteurização, aquecimento e fervura, também morre à radiação solar. Sãoresistentes aos desinfetantes comuns, frente aos fenóis orgânicos a 3% elas morrem em torno de 30 minutos. 3. Susceptibilidade:Ocorre em todos os mamíferos domésticos, porem ocorre com frequência em bovinos e suínos, sendo menos frequentes em ovinos, caprinos e carnívoros, sendo rara nos equídeos. Assume grande importância econômica nos bovinos leiteiros e suínos devido a perda do leite e carne. Afeta os animais independente da idade, sexo, clima, região, embora a tuberculose se apresente em animais adultos com mais frequência. Zebuínos são mais resistentes que os europeus. Os reservatórios desta doença esta representado pelos próprios animais doentes que se encarregam de manter a bactéria ativa no ambiente. 4. Tipos de Tuberculose: a) Aberta:É aquela tuberculose em que o produto tuberculoso atinge o exterior do organismo (pele, mucosas, luz dos órgãos). Quando o agente contaminante esta exposto. b) Fechada:Quando não há exteriorização do material contaminante. 5. Patogenia:O bacilo penetra no organismo pelas vias digestiva e respiratória. Os bacilos são fagocitados pelos leucócitos, em cujo interior são destruídos ou se multiplicam. Porém, quando fagocitados e não eliminados se multiplicam e a doença evolui sob 4 estágios: a) Primo infecção:Há produção de lesão local na porta de entrada. Os leucócitos atorrem para o órgão de penetração (traqueia, laringe, esôfago) e por via circulatória atingem os gânglios regionais (adenopatia satélite), às lesões do órgão e seus gânglios regionais, denominamos complexo primário (perfeito quando atinge gânglios e órgãos e imperfeitos quando atinge os gânglios). Evolução do complexo primário: - Cura completa: tratamento. - Encapsulamento e calcificação (lesão inativa) - Bacilemia sem reação tissular: Tuberculose latente (o bacilo caiu na corrente sanguínea, mas não teve reação dos tecidos). - Bacilemia com reação tissular: O bacilo se disseminou, o que pode levar a morte do individuo ou pode ser tratado e curado, ou também pode haver encapsulamento, ou então voltar para uma bacilemia sem reação tissular. b) Processo pós-primário:É um momento patogênico de duas situações mórbidas bastante distintas. Pode resultar: Da superinfecção (Não há formação de complexo primário – condição exógena): - Uma exposição muito forte;
  • 2. - Infecções sucessivas. Disseminação do foco:Ocorre pela via linfohematogena (condição endógena). c) Período de decadência:Constitui-se em um processo resultante da quebra de resistência imunológica produzida pela própria doença. Fatores debilitantes nutricionais, carga de trabalho, doenças intercorrentes e assim o animal volta a ser susceptível. O período de decadência ode ocorrer em qualquer fase da doença. d) Reinfecção:Um novo processo patogênico se reinstala no individuo que já havia tido tuberculose e estava curado e voltou a ser infectado (comum no homem). 6. Período de incubação:É extremamente variável que seja entre espécies ou mesmo dentro de uma espécie. 7. Sintomas: a) Tuberculose pulmonar:Mais frequente em bovinos de leite. Tosse, secreção nasal, secreção pulmonar, estertores pulmonares, dispneia, anorexia (ver no livro). b) Tuberculose intestinal:Não possui sintomas característicos e seus sinais giram em torno das patologias gastrintestinais, como diarreia, constipação, inapetência (ver no livro). c) Tuberculose do úbere:Representam 10% em gado leiteiro. Tumefação, nódulos endurecidos (ver no livro). 8. Lesões:As lesões tuberculosas assumem características diferenciadas em vários momentos de sua doença. No inicio o tubérculo se apresenta transparente, cinza, firme, ocorre com muita peculiaridade nos animais jovens. Ao envelhecimento, a lesão torna- se amarelada com produto central caseoso fruto da degeneração caseosa, um tubérculo fibroso é resultante de tubérculos anteriores, sendo muito observados em processo de cura. Os tubérculos caseosos caracterizam-se como um som de corte de faca na areia. 9. Diagnostico: a) Clinico:Baseia-se nos sinais clínicos que são genéricos e inconclusivos. b) Anatomopatológico:Baseado nas lesões teciduais dos órgãos com suas características próprias. c) Laboratorial: - Bacterioscopia direta (BAAR); - Bacteriofilo: Cultivo de material suspeito em meios específicos (caldo glicerinado a 5%, Santos Lang D’seibert); - Inoculação experimental; - Imunologia (celular - tuberculina); - Tuberculinização: Prova que consiste na hipersensibilidade retardada a tuberculina (proteína produzida pelo Mycobacterium com peso molecular entre 10 a 13 Daltons). -Prova dupla comparada: Tomando como referencia a crista acroniana da escapula, faça a inoculação das tuberculinas Mycobacterium bovis e Mycobacterium avium distantes uma da outra 20 cm, antes porém, utilizando um cutímero faça a medida da distancia entre as doses e anote. Após 72 horas fazer a leitura pós-inoculação. Interpretação
  • 3. Leitura Diferença/mm Res ultad o Tb <Ta (-) Tb >Ta 0 ,1 a 1,9 (-) Tb >Ta 2 ,0 a 2 ,9 s us p eito Tb >Ta >3 ,0 (+) 10. Tratamento:Não compensa financeiramente tratar animais de produção. Não se tem certeza se o tratamento foi eficiente porque o animal sempre será positivo aos testes de tuberculina, sendo uma fonte de infecção. 11. Profilaxia:Fazer tuberculinização periódica (gado de leite de 6 em 6 meses e gado de corte de 12 em 12 meses), só comprar animais com testes negativos, higienização das instalações, eliminar animais positivos.