SlideShare uma empresa Scribd logo
www.transvapt.com.br
Manual Operacional das Agências
ORIENTAÇÕES GERAIS
1.1 APRESENTAÇÃO PESSOAL:
a) Possuir crachá de identificação;
b) Utilizar uniformes (camisa ou jaleco);
c) Usar calçado fechado;
d) Usar calça comprida;
e) Fazer uso de EPI’s e EPC’s, quando a função exigir;
f) Zelar pela higiene pessoal (cabelos, unhas e barba cortados ou
aparados).
ORIENTAÇÕES GERAIS
1.2 ATENDIMENTO AO TELEFONE:
a) O atendimento das ligações externas deverá ser,
preferencialmente, da seguinte maneira: “nome da empresa,
nome da pessoa e saudação” e sempre demonstrar satisfação ao
atender o cliente.
b) Atender prontamente o chamado, evitando espera excessiva por
parte de quem esta chamando.
ORIENTAÇÕES GERAIS
1.3 SOLICITAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DOCUMENTOS:
a) Informações devem ser rápidas, objetivas e confiáveis;
b) Toda a informação solicitada deve ter um retorno, mesmo que
negativo;
c) Os e-mails devem ser abertos regularmente de preferência, “no
mínimo, 4 vezes ao dia”;
d) Toda solicitação de documento deve ser atendida com presteza
e agilidade.
CONTRATAÇÃO DE
FUNCIONÁRIOS
2.1 AJUDANTES:
a) Ter escolaridade mínima de Ensino Fundamental (antigo 1º
grau);
b) Cadastrar na gerenciadora de risco para verificar se não tem
antecedentes criminais ou algum outro problema pessoal;
c) Verificar treinamentos anteriores, com comprovação;
d) Fazer registro, contrato de trabalho conforme CLT;
e) Providenciar a ASO – Atestado de Saúde Ocupacional;
f) Fazer a integração do novo colaborador;
g) Realizar treinamento para a função antes do início das
atividades.
CONTRATAÇÃO DE
FUNCIONÁRIOS
2.2 MOTORISTAS:
a) Ter escolaridade mínima de Ensino Fundamental (antigo 1º
grau);
b) Curso de M.O.P.P - Movimentação de Produtos Perigosos;
c) Fazer teste de volante;
d) Cadastrar na gerenciadora de risco para verificar se não tem
antecedentes criminais ou algum outro problema pessoal;
e) Verificar treinamentos anteriores, com comprovação;
f) Aplicar testes psicológicos;
g) Fazer registro, contrato de trabalho conforme CLT;
h) Providenciar a ASO;
i) Fazer a integração do novo colaborador;
j) Realizar treinamento para a função antes do início das atividades.
CONTRATAÇÃO DE
FUNCIONÁRIOS
2.3 CONFERENTES:
a) Ter escolaridade mínima de Ensino Fundamental (antigo 1º
grau);
b) Cadastrar na gerenciadora de risco para verificar se não tem
antecedentes criminais ou algum outro problema pessoal;
c) Verificar treinamentos anteriores, com comprovação;
d) Aplicar testes psicológicos;
e) Fazer registro, contrato de trabalho conforme CLT;
f) Providenciar a ASO;
g) Fazer a integração do novo colaborador;
h) Realizar treinamento para a função antes do início das
atividades.
CONTRATAÇÃO DE
FUNCIONÁRIOS
2.4 CONTRATAÇÃO DE FRETEIROS EXTRAS:
a) Ver o estado do caminhão, se esta em condições de viagem;
b) Somente contratar caminhão baús (verificar infiltrações de água
e limpeza);
c) Cadastrar motorista e caminhão na Gerenciadora de Risco.
CONTRATAÇÃO DE
FUNCIONÁRIOS
2.5 CADASTRO DE MOTORISTA E CAMINHÃO NA GERENCIADORA
DE RISCO.
1. Ligar na Matriz para solicitar liberação do Motorista e
Veículo.
OBS: A RESPOSTA DA SOLICITAÇÃO, SE ESTA RECOMENDADO OU
NÃO RECOMENDADO, VEM NO E-MAIL DO SOLICITANTE APÓS 30
MINUTOS.
CONTRATAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS
2.6 CARTA FRETE
- Entrar sistema Transvapt;
- Opções de menu
- Frete “A”
- Preencher todos os campos;
Lembrar:
1. ”Peso Contratado” é a soma dos pesos dos manifestos e manifesto
da carga;
2. “Valor dos manifestos” é o valor do frete dos manifesto e
remanifestos;
3. “Número de manifestos” – colocar o número de todos os
manifesto e remanifesto da carga;
4. Dar “confirma” e ela será emitida.
5. Anexar na carta frete todos os manifestos e remanifestos da
carga.
6. Carta Frete deverá ser emitido em nome do contratado de
acordo com documentação do veículo.
7. Para pagamento o documento, após emitido, deve
de ser impresso, solicitado assinatura e
encaminhado para matriz junto a dados bancários
do “CONTRATADO“ para programação do
pagamento.
8. Prazo para pagamento: Freteiros esporádicos: 10
dias após emissão. Freteiros fixos: Faturamento
quinzenal com 15 dias para pagamento.
9. Pagamento efetuado via matriz.
CONTRATAÇÃO DE
FUNCIONÁRIOS
2.7 OUTRAS FUNÇÕES:
a) Fazer os testes necessários para a função incluindo
os testes psicológicos;
b) Ter escolaridade mínima de Ensino Médio (antigo 2º
grau);
c) Fazer registro, contrato de trabalho conforme CLT;
d) Fazer a integração do novo colaborador;
e) Realizar treinamento para a função antes do início
das atividades.
COMERCIAL
3.1 CADASTRAMENTO DE TABELA:
a) As propostas de frete deverão ser
enviadas á Matriz para aprovação para
posteriormente efetuarmos o cadastro;
b) Após o cadastramento pegar o aceite do
cliente, na tabela que será emitida no
sistema da Transvapt.
COMERCIAL
3.2 MATERIAIS PROMOCIONAIS:
a) Os materiais promocionais serão confeccionados e
distribuídos exclusivamente pela matriz;
b) As agências participarão com 50% do valor dos
materiais.
3.3 ACERTO DE FRETE E DESCONTO:
a) Em casos de fretes especiais, solicitar autorização
da Matriz;
b) Havendo necessidade de descontos nos fretes,
solicitar autorização da Matriz.
COMERCIAL
3.4 SAC – Serviço de Atendimento ao Consumidor
a) Entregas com atraso;
b) Agendamento de entregas;
c) Problemas com entregadores;
d) Faltas e avarias de volumes na entrega;
e) Posição de entrega;
f) Coletas não efetuadas;
g) Fretes fora de tabela;
h) Agendamento de visita a clientes.
RASTREABILIDADE
4.1 DA CARGA:
a) Menu CARGAS e opção RASTREAMENTO DA CARGA;
b) Campos a serem preenchidos nas opções de consulta:
i. CNPJ do remetente e nota fiscal;
ii. CNPJ do destinatário e nota fiscal;
iii. Nota fiscal;
iv. Nota fiscal e agência de origem;
v. Agência de origem e CTRC.
RASTREABILIDADE
4.2 DA FROTA:
a) O rastreamento da frota é centralizado no setor de
Tráfego da Matriz com disponibilidade de 24 horas por
dia.
MERCADORIAS NÃO TRANSPORTADAS
5.1 POR NORMAS DA TRANSVAPT TRANSPORTES:
a) Vidros em barras ou laminas;
b) Louças sanitárias;
c) Luminárias de vidro;
d) Armários de aço;
e) Produtos Perigosos classes de risco 1 (explosivos) e 7 (radioativos);
f) Produtos perecíveis que necessitem refrigeração;
g) Fórmica;
h) Chapas de alumínio, aço ou inox;
i) Móveis montados;
j) Ferro em barras de 6 metros (somente para clientes tradicionais);
k) Perfil de alumínio;
l) Betoneiras;
m) Mercadoria sem Nota Fiscal;
n) Mercadoria com embalagem deficitária ou inadequada;
o) Mercadoria sem embalagem;
COLETAS
6.1 COLETAS SOLICITADAS:
a) O embarcador solicita por telefone, e-mail, MSN ou
Skype, informando dados necessários para
dimensionamento de veículo e roteirização.
6.2 COLETAS PELO SISTEMA TRANSVAPT:
a) Menu COLETAS e opção CADASTROS, está disponível a
coleta informatizada.
6.2.1 Do preenchimento da tela:
a) O número e a data da coleta, e o número da agência
solicitante aparecem automaticamente;
b) CNPJ do remetente: preencher (obs: se o CNPJ estiver correto
e o cliente já for cadastrado, os demais dados do cliente
remetente aparecerão automaticamente, do contrário
preencher);
- Caso não tenha os dados do cliente remetente, informar na
observação: fone, endereço e nome da empresa.
c) Preencher cidade e estado do destinatário;
d) Quantidade de volumes, peso e m³;
e) Número de notas fiscais, se tiver;
f) Tipo de carga;
g) No campo observação informar tudo que julgar necessário, por
exemplo:
h) Coleta urgente, ou dia tal, frete combinado, etc.
i) Nos campos recebimento, hora, entrada aparecerão
automaticamente após a leitura da coleta.
COLETAS
6.3 COLETAS AUTOMÁTICAS:
a) É previamente acertado com o cliente para que “todos os dias”
em horário definido, o nosso serviço de coleta, passe
automaticamente, independente de ter ou não mercadorias a
serem coletadas.
OBSERVAÇÃO: SE POR VENTURA, POR QUALQUER OBSTÁCULO,
ALGUMA COLETA NÃO FOR EXECUTADA NO DIA SOLICITADO, DEVERÁ
TER PRIORIDADE NO DIA SEGUINTE, SEMPRE COMUNICANDO O CLIENTE
EMBARCADOR DO PROBLEMA OCORRIDO.
COLETAS
6.4 CONFERÊNCIA DAS COLETAS:
a) No Cliente:
 A primeira conferencia é feita no ato do carregamento
na empresa embarcadora (nota fiscal, número de
volumes, condições das embalagens, peso, cubagem e
destino);
 Em caso de produtos classificados como perigosos pela
ONU, verificar ficha e envelope de emergência.
b) No depósito:
 Verificar se os volumes estão conforme nota fiscal;
 Condições das embalagens;
 Verificar se o peso indicado na nota fiscal condiz com os
volumes;
 Fazer cubagem dos volumes;
 Verificar se a documentação (Nota Fiscal) esta correta para o
transporte, data de emissão, destino, etc;
 Verificar localidade de destino se é atendida pela nossa empresa;
 Em caso de produtos classificados como perigosos pela
ONU, verificar ficha e envelope de emergência;
 Verificar se na nota fiscal consta local de entrega;
 Verificar se consta redespacho (se for o caso);
 Verificar se a mercadoria não tem restrição para o
transporte, conforme “item 5” (mercadorias não
transportadas) deste manual;
 Colar etiqueta nos volumes.
COLETAS
6.5 ETIQUETAGEM:
a) Menu COLETAS Opção ETIQUETAS.
b) Emissão da etiqueta
 Número da nota fiscal;
 CEP de destino;
 Quantidade de volumes;
 Peso da mercadoria.
c) Para agências que não possuem etiquetadora ou por qualquer
motivo não puderem imprimir a etiqueta, proceder da seguinte
forma:
 Utilizar o sistema em cruz, conforme exemplo abaixo, utilizando
pincel atômico ou giz de cera.
ORIGEM DESTINO
NOTA FISCAL VOLUMES
OBSERVAR SEMPRE:
 Quando da emissão de etiquetas para mercadoria com
redespacho o CEP que deverá ser informado será o do
cliente redespachador ou da cidade onde a mercadoria
será redespachada e não da cidade de destino;
 Utilizar sempre o CEP conforme nossa relação que esta
no sistema Transvapt.
COLETAS
6.5.1 Colagem da etiqueta:
a) A etiqueta deve ser sempre colada em local visível que facilite
a visualização quer para o carregamento, quer para a
conferência;
b) Nunca colar a etiqueta Transvapt em cima da etiqueta do
cliente;
c) Não colar de ponta cabeça;
d) Colar em todos os volumes na mesma posição ou mesmo lado,
não fazer colagem aleatória;
e) Mercadoria paletizada colar uma etiqueta por pallet;
f) Até 100 volumes, uma etiqueta para cada volume, acima
dimensionar uma quantidade;
g) A agência que receber mercadorias sem nenhuma das formas
de etiquetagem descritas nesse procedimento, deverá
reclamar imediatamente com a agência remetente;
h) É “EXPRESSAMENTE PROIBIDO” remeter etiquetas soltas
junto à carga para ser coladas no destino (quando isso ocorrer
informar a matriz que fará debito contra a agência infratora).
ENTREGAS
7.1 ENTREGAS:
a) Toda entrega deve obrigatoriamente ser remanifestada;
b) No ato da entrega, impreterivelmente, deve ser conferida a
mercadoria junto ao cliente;
c) Nunca deixar o comprovante de entrega no cliente para
posterior conferência da mercadoria;
d) São imprescindíveis as assinaturas nos comprovantes de
entrega com respectivo carimbo;
e) No caso de clientes não possuir carimbo deverá constar o
numero do CPF, RG e nome legível do recebedor da
mercadoria;
f) As entregas só poderão ser feitas no local indicado pelo
embarcador, qualquer mudança de local de entrega,
deverá ser respaldado por autorização por escrito da
empresa embarcadora;
g) A “2º via” obrigatoriamente deverá retornar para a Matriz,
comprovando a entrega;
h) Quando o frete for a pagar, a primeira via do CTRC fica
com o cliente destinatário;
i) Observar clientes que exigem canhotos de notas fiscais para
que retornem a
j) Matriz devidamente assinada e carimbada;
k) Também devem retornar a Matriz comprovante de entregas
de transportadoras conosco conveniadas;
l) Em casos de reentrega no cliente, deverá ser emitido novo
CTRC cobrando 50% do frete origem.
ENTREGAS
7.2 DEVOLUÇÃO DE MERCADORIA:
a) Deve constar no verso da primeira via da nota fiscal do
remetente o motivo da devolução, estando assinado,
carimbado e datado pela empresa que esta recusando
a mercadoria;
b) Para toda devolução deverá ser emitido um ACR (Aviso
de Carga Retida);
c) Na devolução deve-se emitir novo CTRC com valor de
frete igual ao de origem, e deve constar na
observação deste novo CTRC o número do “CTRC
origem” (recusado);
d) Se após “DEZ” dias do comunicado de carga retida a
agência não receber a autorização para devolução,
faz-se automaticamente a devolução à origem.
ENTREGAS
7.3 PREENCHIMENTO DE ACR:
a) Menu CTRC’s e opção AVISO DE CARGA RETIDA;
b) Informar o número do CTRC e o motivo da recusa;
c) O sistema informará automaticamente a agência remetente;
d) O prazo para resolução do ACR é de 10 dias, caso não
houver entendimento entre remetente e destinatário
será emitido um novo CTRC de devolução, com o
mesmo valor de frete;
e) Em casos de reentrega deverá ser emitido novo CTRC
cobrando 50% do valor do frete de origem.
FINANCEIRO
8.1 ARQUIVO DE PRIMEIRAS VIAS DE CTRC:
a) Recebimento dos conhecimentos emitidos pela expedição;
b) Separação em ordem alfabética;
c) Agrupar conhecimentos por cliente;
d) Conhecimentos de clientes quais não pertencem a agência deve
de ser encaminhado para respectiva agência de cobrança,
através de Comunicação Interna;
FINANCEIRO
8.2 FATURAMENTO:
a) Datas para faturamento;
1. Semanal: Clientes especiais de acordo com cadastro do
cliente, com período de emissão de domingo a sábado.
2. Quinzenal: Clientes com faturamento acima de cem reais, com
período de emissão de 01 à 15 de cada mês.
3. Mensal; Cliente em geral, com período de 01 à último dia do
mês corrente.
FINANCEIRO
8.2.1 FATURAMENTO COM ENVIO PELO BANCO:
a) Estará disponível no sistema faixa de faturas emitidas, para
impressão dos protocolos, ficará a cargo do agente de imprimir
e anexar conhecimento para envio ao cliente;
b) Na entrega do protocolo deve-se solicitar carimbo a
assinatura, para futuras reclamações de não recebimentos dos
documentos, documento qual ficará em arquivo na agência;
c) Boleto bancário será enviado pelo banco, diretamente no
endereço do cadastro do cliente.
FINANCEIRO
8.2.2 FATURAMENTO COM ENVIO PELA EMPRESA:
a) A Matriz, a cada geração de faturamento, enviará boleto
bancário para agência responsável pela cobrança ao
cliente;
b) Anexar as primeiras vias tomador do serviço junto ao boleto
bancário e enviar ao cliente;
c) Na entrega do boleto deve-se solicitar carimbo a
assinatura, para futuras reclamações de não recebimentos
dos documentos, documento qual será lançado no caixa e
arquivado na agência.
FINANCEIRO
8.3 COBRANÇA:
a) A Matriz não aceita cobrança de boletos bancários em carteira;
b) Fretes a pagar de valores pequenos, aconselhamos a cobrança
à vista (não estamos impondo isto por que cada agência deverá
seguir critérios de conhecimento e confiabilidade de seus
clientes);
c) O crédito é de livre arbítrio das agências, assumindo o ônus da
inadimplência;
d) O acompanhamento dos clientes inadimplentes deve de ser
efetuado diariamente pela agência, através do relatório de
devedores disponível no sistema Transvapt, para cobrança e
acompanhamento da inadimplência da agência.
e) Faturas superiores a R$ 100,00 (cem reais) não liquidadas 5
(cinco) dias após o vencimento, a empresa estará
negativando no Serasa;
f) Faturas iguais ou inferiores a R$ 100,00 (cem reais) não
liquidadas até o último dia do mês corrente será debitado
na comissão;
g) Títulos maiores de R$ 100,00 negativados no Serasa, será
descontado através de débito na comissão da agência no
décimo quinto dia após o vencimento, com inclusão de juros
e despesas do Serasa;
h) Após pagamento ser efetivado matriz deverá ser informada
para reabilitar cliente junto ao Serasa, caso informação não
seja fornecida sistema não reconhece pagamento e constará
com divida ativa.
FINANCEIRO
8.4 REVERSÃO DE FRETE:
a) Devolver a primeira via do CTRC, juntamente com cópia da
nota fiscal e autorização do cliente que efetuará o
pagamento do frete;
b) Caso cliente solicite reversão de frete posteriormente ao
conhecimento, constar como faturado, deve-se solicitar a
devolução do titulo de cobrança e primeira via do
conhecimento junto a autorização do pagador, para envio
da documentação para matriz fazer o refaturamento do
titulo.
FINANCEIRO
8.5 PRORROGAÇÃO DE VENCIMENTO:
a) As prorrogações somente serão permitidas com
consentimento da Matriz;
b) As alegações para prorrogação deverão ser
convincentes e justas;
c) Prorrogações efetuadas com autorização da agência
será cobrada taxa de alteração de vencimento e juros
sobre a quantidade de dias alterados.
FINANCEIRO
8.6 DESCONTOS DE FRETE:
a) Emitir um recibo de desconto para cada conhecimento;
b) Os descontos preferencialmente devem ser concedidos antes
das datas de faturamento;
c) Os recibos devem sempre estar assinados e carimbados pelo
cliente beneficiado;
d) Enviar documentos aos cuidados do departamento comercial
para avaliação e autorização.
FINANCEIRO
8.7 AGENTES À PAGAR:
a) Para abertura de agência: Encaminhar informação
para departamento financeiro da matriz, tais como,
cartão de CNPJ da empresa e dados bancários para
pagamento em nome da empresa qual será favorecida
do pagamento;
b) Para emissão do relatório de comissão deve emitir
relatório seguindo seguinte critério de datas:
 Período de fechamento de caixa: 01 à último dia do mês
corrente.
 Período de fechamento de débito: 11 à 10 do mês
subsequente;
c) Data para pagamento:
 Adiantamento 40% sobre valor faturado no mês corrente,
menos faturas debitadas abaixo de cem reais, será liberado
no dia 05 do mês subsequente ao mês corrente;
 Saldo 60% será liberado no dia 20 do mês subsequente ao
mês corrente.
d) Pagamento e adiantamento de comissão será retida
quando:
 Faturas a mais de 5 dias pendentes;
 O não envio da nota fiscal até o pagamento do saldo da
comissão no dia 20;
 Comprovantes de entrega pendentes a mais de 20 dias,
sem ACR e BO.
CARREGAMENTO
a) Pegar toda documentação necessária para fazer o
carregamento;
b) Levar até a mesa de conferencia para dar início ao
carregamento;
c) O responsável deverá arrumar as notas de tal forma
que facilite sua conferencia para o carregamento;
d) Antes de iniciar o carregamento, o responsável deverá dirigir-
se à praça para fazer uma prévia avaliação da carga, a fim de
identificar qual será a carga lastro, carga lateral, carga miolo
e cuminheira, evitando assim possível retrabalho;
e) Também deverá identificar cargas frágeis que podem causar
avarias;
f) Produtos perigosos (classificação ONU), o conferente deverá
separar a carga usando: lona plástica, papelão, chapas de
compensado e outros, para evitar possível contato com outros
produtos;
g) A carga será trazida da praça até o veículo onde será feita a
conferência do carregamento;
h) O conferente deverá fazer a contagem dos volumes;
i) Identificar o destino conforme a etiqueta do volume e
acondicionar a carga no baú;
j) Carimbar a 2ª (segunda) via do CTRC identificando o
conferente;
k) Com o término do carregamento, o conferente deverá
encaminhar toda a documentação para o setor de
manifesto/remanifesto para que este seja liberado para seguir
viagem;
l) Após essa liberação o conferente deverá anotar o número do
lacre na via do manifesto/remanifesto;
m) Lacrar as portas do baú e entregar toda a documentação e
malote(s) em mãos para o motorista.
DESCARREGAMENTO
a) Pegar documentação com motorista;
b) Conferir a numeração dos lacres nas portas do baú,
para ver se é a mesma numeração que esta no
manifesto/remanifesto;
c) Em caso negativo, fazer anotação no verso do
manifesto e solicitar assinatura do motorista;
d) Antes da descarga, conferir todos os conhecimentos
com os manifesto/remanifesto;
e) O conferente devera orientar os ajudantes, a fim de definir
qual a melhor, mais rápida e segura forma de
descarregamento;
f) Os ajudantes deverão descarregar a carga, conferindo a
etiqueta do volume e pelo conhecimento;
g) Nessa conferência, deverá fechar o número da nota fiscal,
quantidade e destino tanto na etiqueta do volume quanto no
conhecimento;
h) Analisar o estado da mercadoria e embalagem;
i) Bases de ferro, chapas de aço ou mercadorias de formatos
irregulares poderão ser colocados no piso do barracão;
j) Depois de conferida e paletizada, a mercadoria deverá ser
acondicionada na sua respectiva praça de destino;
k) Após a descarga, o conhecimento deverá ser carimbado pelo
conferente em sua 2ª (segunda) via e colocado no escaninho
dos conhecimentos;
l) Após o termino da descarga, o conferente deverá verificar se
houve sobra de volumes ou de conhecimentos, emitindo B.O –
Boletim de Ocorrência;
m) É de responsabilidade do conferente a emissão de B.O., o
mesmo será penalizado pela omissão (quando necessário,
emissão errada ou indevida desse registro);
OBSERVAÇÃO: RESPEITAR SEMPRE A SIMBOLOGIA IMPRESSA NAS
EMBALAGENS, TANTO PARA O CARREGAMENTO, QUANTO
DESCARREGAMENTO, EVITANDO ASSIM AVARIAS.
BOLETIM DE OCORRÊNCIA – B.O
a) Menu CONHECIMENTOS Opção BOLETIM DE OCORRÊNCIA, emitir o
B.O. sempre que houver:
· Avaria;
· Sobra;
· Falta de mercadoria;
· Falta de documentação;
OBSERVAÇÃO: O B.O. DEVE SER EMITIDO NO PRAZO MÁXIMO DE 2
(DUAS) HORAS APÓS O DESCARREGAMENTO. APÓS ESTE PRAZO
ENTENDE-SE QUE A DESCARGA OCORREU NORMALMENTE.
LACRE DE CONFERÊNCIA
a) Se houver volumes violados, ou embalagens
danificadas que exponham o produto que está em seu
interior, o conferente deverá conferir a respectiva
mercadoria lacrar novamente os volumes e/ou caixa e
colar o “Lacre de Conferência”, de forma tal que
qualquer violação tenha que romper o lacre.
INDENIZAÇÃO DE AVARIAS OU FALTAS
13.1 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA LIBERAÇÃO DO
PAGAMENTO:
a) Boletim de ocorrência;
b) Cópia da nota fiscal original da mercadoria;
c) Nota fiscal ou recibo contra a Transvapt Paranaguá;
d) No recibo deve constar CNPJ da empresa de
preferência o carimbo deste;
d) d) Em casos de avaria mandar para a Matriz a
mercadoria avariada.
OBSERVAÇÃO: SOMENTE APÓS O RECEBIMENTO DESTA
DOCUMENTAÇÃO A MATRIZ IRÁ LIBERAR O PAGAMENTO. A
NOTA FISCAL DE INDENIZAÇÃO CONTRA A TRANSVAPT
DEVERÁ SER NO MESMO VALOR DA NOTA FISCAL ORIGINAL.
AQUISIÇÃO
a) As áreas da matriz, filial e agências devem fazer o
levantamento dos materiais em função das necessidades
reais de consumo, sempre prevendo de maneira racionada
o seu uso.
b) A matriz irá verificar se é de responsabilidade da empresa
fornecer o material solicitado;
c) O setor de compras terá um prazo para cotações e
autorizações da direção para a aquisição conforme
planejamento interno;
d) Após a aprovação da cotação, realizar a compra
levando em consideração:
 Preço unitário e total;
 Condições de pagamento;
 Prazo de entrega;
 Características do produto (qualidade);
 Fornecimento de notas fiscais, etc.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

treinamento nr 18
treinamento nr 18treinamento nr 18
treinamento nr 18
pwolter
 
Procedimento operacional padrão
Procedimento operacional padrãoProcedimento operacional padrão
Procedimento operacional padrão
Régis Pinheiro Martins Bezerra
 
LEI LUCAS 13.722-PRIMEIROS SOCORROS.pdf
LEI LUCAS 13.722-PRIMEIROS SOCORROS.pdfLEI LUCAS 13.722-PRIMEIROS SOCORROS.pdf
LEI LUCAS 13.722-PRIMEIROS SOCORROS.pdf
adilson29435
 
Check list rotina do sesmt
Check list rotina do sesmtCheck list rotina do sesmt
Check list rotina do sesmt
Edson Vando Souza
 
Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorros
Rocha Neto
 
Primeiros Socorros
Primeiros Socorros Primeiros Socorros
Primeiros Socorros
DiegoAugusto86
 
Check list inspecao segurança
Check list  inspecao segurançaCheck list  inspecao segurança
Check list inspecao segurança
Tatyqueyroz
 
Primeiros socorros nm engenharia - apresentação power point
Primeiros socorros   nm engenharia  -  apresentação power pointPrimeiros socorros   nm engenharia  -  apresentação power point
Primeiros socorros nm engenharia - apresentação power point
stoc3214
 
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de SaúdeSaúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Professor Robson
 
Pop 021- gestão da manutenção de máquinas e equipamentos
Pop 021- gestão da manutenção de máquinas e equipamentosPop 021- gestão da manutenção de máquinas e equipamentos
Pop 021- gestão da manutenção de máquinas e equipamentos
Graciele Soares
 
Ovace
OvaceOvace
Ovace
Gitomazi
 
Check List Chuveiro de Emergencia e Lava Olhos
Check List Chuveiro de Emergencia e Lava OlhosCheck List Chuveiro de Emergencia e Lava Olhos
Check List Chuveiro de Emergencia e Lava Olhos
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Ordem de Serviço de Segurança Técnico segurança no trabalho
Ordem de Serviço de Segurança Técnico segurança no trabalhoOrdem de Serviço de Segurança Técnico segurança no trabalho
Ordem de Serviço de Segurança Técnico segurança no trabalho
Jeovane Luna
 
Parto de emergência
Parto de emergênciaParto de emergência
Parto de emergência
DiegoAugusto86
 
IBRAPH-SLIDES-PRIMEIROS-SOCORROS-LEI-LUCAS-1.pdf
IBRAPH-SLIDES-PRIMEIROS-SOCORROS-LEI-LUCAS-1.pdfIBRAPH-SLIDES-PRIMEIROS-SOCORROS-LEI-LUCAS-1.pdf
IBRAPH-SLIDES-PRIMEIROS-SOCORROS-LEI-LUCAS-1.pdf
FLA Dacio
 
Check list andaimes
Check   list andaimesCheck   list andaimes
Check list andaimes
Marcelo Silva Vitor Amaral
 
-Integraçãode segurança doTrabalho
-Integraçãode segurança doTrabalho-Integraçãode segurança doTrabalho
-Integraçãode segurança doTrabalho
Karol Oliveira
 
PAE 7 - Plano de Abandono de Área
PAE 7 - Plano de Abandono de ÁreaPAE 7 - Plano de Abandono de Área
PAE 7 - Plano de Abandono de Área
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Check List para plataforma Elevatória - NR 18
Check List para plataforma Elevatória - NR 18Check List para plataforma Elevatória - NR 18
Check List para plataforma Elevatória - NR 18
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da BrigadaModelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 

Mais procurados (20)

treinamento nr 18
treinamento nr 18treinamento nr 18
treinamento nr 18
 
Procedimento operacional padrão
Procedimento operacional padrãoProcedimento operacional padrão
Procedimento operacional padrão
 
LEI LUCAS 13.722-PRIMEIROS SOCORROS.pdf
LEI LUCAS 13.722-PRIMEIROS SOCORROS.pdfLEI LUCAS 13.722-PRIMEIROS SOCORROS.pdf
LEI LUCAS 13.722-PRIMEIROS SOCORROS.pdf
 
Check list rotina do sesmt
Check list rotina do sesmtCheck list rotina do sesmt
Check list rotina do sesmt
 
Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorros
 
Primeiros Socorros
Primeiros Socorros Primeiros Socorros
Primeiros Socorros
 
Check list inspecao segurança
Check list  inspecao segurançaCheck list  inspecao segurança
Check list inspecao segurança
 
Primeiros socorros nm engenharia - apresentação power point
Primeiros socorros   nm engenharia  -  apresentação power pointPrimeiros socorros   nm engenharia  -  apresentação power point
Primeiros socorros nm engenharia - apresentação power point
 
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de SaúdeSaúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
 
Pop 021- gestão da manutenção de máquinas e equipamentos
Pop 021- gestão da manutenção de máquinas e equipamentosPop 021- gestão da manutenção de máquinas e equipamentos
Pop 021- gestão da manutenção de máquinas e equipamentos
 
Ovace
OvaceOvace
Ovace
 
Check List Chuveiro de Emergencia e Lava Olhos
Check List Chuveiro de Emergencia e Lava OlhosCheck List Chuveiro de Emergencia e Lava Olhos
Check List Chuveiro de Emergencia e Lava Olhos
 
Ordem de Serviço de Segurança Técnico segurança no trabalho
Ordem de Serviço de Segurança Técnico segurança no trabalhoOrdem de Serviço de Segurança Técnico segurança no trabalho
Ordem de Serviço de Segurança Técnico segurança no trabalho
 
Parto de emergência
Parto de emergênciaParto de emergência
Parto de emergência
 
IBRAPH-SLIDES-PRIMEIROS-SOCORROS-LEI-LUCAS-1.pdf
IBRAPH-SLIDES-PRIMEIROS-SOCORROS-LEI-LUCAS-1.pdfIBRAPH-SLIDES-PRIMEIROS-SOCORROS-LEI-LUCAS-1.pdf
IBRAPH-SLIDES-PRIMEIROS-SOCORROS-LEI-LUCAS-1.pdf
 
Check list andaimes
Check   list andaimesCheck   list andaimes
Check list andaimes
 
-Integraçãode segurança doTrabalho
-Integraçãode segurança doTrabalho-Integraçãode segurança doTrabalho
-Integraçãode segurança doTrabalho
 
PAE 7 - Plano de Abandono de Área
PAE 7 - Plano de Abandono de ÁreaPAE 7 - Plano de Abandono de Área
PAE 7 - Plano de Abandono de Área
 
Check List para plataforma Elevatória - NR 18
Check List para plataforma Elevatória - NR 18Check List para plataforma Elevatória - NR 18
Check List para plataforma Elevatória - NR 18
 
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da BrigadaModelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
 

Semelhante a treinamento integraçºao motorista.pdf

ficha-cadastro.pdf
ficha-cadastro.pdfficha-cadastro.pdf
ficha-cadastro.pdf
AQUIDICAS
 
Claro angela
Claro angelaClaro angela
Claro angela
Douglas Fabiano Melo
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
Ptx Bsb
 
Equipe - Beer Truck - Sistina Beer GEEP41
Equipe - Beer Truck - Sistina Beer GEEP41Equipe - Beer Truck - Sistina Beer GEEP41
Equipe - Beer Truck - Sistina Beer GEEP41
Marco Coghi
 
Resposta questao 3
Resposta questao 3Resposta questao 3
Resposta questao 3
Rivaldo Bonfim
 
Questoes comentadas exame_crc
Questoes comentadas exame_crcQuestoes comentadas exame_crc
Questoes comentadas exame_crc
lrgerard
 
Questoes comentadas exame_crc
Questoes comentadas exame_crcQuestoes comentadas exame_crc
Questoes comentadas exame_crc
Amanda Ribeiro
 
Questoescomentadasexamecrc 130711070359-phpapp01
Questoescomentadasexamecrc 130711070359-phpapp01Questoescomentadasexamecrc 130711070359-phpapp01
Questoescomentadasexamecrc 130711070359-phpapp01
Josenildo Lisbôa
 
Prova 2012 02_tecnico
Prova 2012 02_tecnicoProva 2012 02_tecnico
Prova 2012 02_tecnico
Helena Hatsugai
 
Edital do concurso publico 001 2013
Edital do concurso publico 001 2013Edital do concurso publico 001 2013
Edital do concurso publico 001 2013
ConcursosPrevistos
 
Questões ética 3
Questões ética 3Questões ética 3
Questões ética 3
Luzia Márcia da Silva
 
Agendamento de entrega Coferly
Agendamento de entrega CoferlyAgendamento de entrega Coferly
Agendamento de entrega Coferly
Cucco Agendamentos Online
 
Food-Truck
Food-TruckFood-Truck
Food-Truck
Marco Coghi
 
01 avaliação de conhecimento de trabalho em altura rev 02
01 avaliação de conhecimento de trabalho em altura rev 0201 avaliação de conhecimento de trabalho em altura rev 02
01 avaliação de conhecimento de trabalho em altura rev 02
Ivan Santos Gomes Dias
 
Modelo justificativa-formulario-padrão
Modelo justificativa-formulario-padrãoModelo justificativa-formulario-padrão
Modelo justificativa-formulario-padrão
Faculdade Salesiana
 
102773154 exercicios-de-fluxograma
102773154 exercicios-de-fluxograma102773154 exercicios-de-fluxograma
102773154 exercicios-de-fluxograma
Marcelo Ferreira
 
Carta convite _merenda_escolar__2013
Carta convite _merenda_escolar__2013Carta convite _merenda_escolar__2013
Carta convite _merenda_escolar__2013
Reginaldo Borges Barbosa
 
Concurso conselho regional de contabilidade do amapá 2013
Concurso conselho regional de contabilidade do amapá 2013Concurso conselho regional de contabilidade do amapá 2013
Concurso conselho regional de contabilidade do amapá 2013
ConcursosPrevistos
 
2014.1 s p2 - fipar - direito comercial i - gab
2014.1 s   p2 - fipar - direito comercial i - gab2014.1 s   p2 - fipar - direito comercial i - gab
2014.1 s p2 - fipar - direito comercial i - gab
Antonio Ap. Moro Junior
 

Semelhante a treinamento integraçºao motorista.pdf (19)

ficha-cadastro.pdf
ficha-cadastro.pdfficha-cadastro.pdf
ficha-cadastro.pdf
 
Claro angela
Claro angelaClaro angela
Claro angela
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
 
Equipe - Beer Truck - Sistina Beer GEEP41
Equipe - Beer Truck - Sistina Beer GEEP41Equipe - Beer Truck - Sistina Beer GEEP41
Equipe - Beer Truck - Sistina Beer GEEP41
 
Resposta questao 3
Resposta questao 3Resposta questao 3
Resposta questao 3
 
Questoes comentadas exame_crc
Questoes comentadas exame_crcQuestoes comentadas exame_crc
Questoes comentadas exame_crc
 
Questoes comentadas exame_crc
Questoes comentadas exame_crcQuestoes comentadas exame_crc
Questoes comentadas exame_crc
 
Questoescomentadasexamecrc 130711070359-phpapp01
Questoescomentadasexamecrc 130711070359-phpapp01Questoescomentadasexamecrc 130711070359-phpapp01
Questoescomentadasexamecrc 130711070359-phpapp01
 
Prova 2012 02_tecnico
Prova 2012 02_tecnicoProva 2012 02_tecnico
Prova 2012 02_tecnico
 
Edital do concurso publico 001 2013
Edital do concurso publico 001 2013Edital do concurso publico 001 2013
Edital do concurso publico 001 2013
 
Questões ética 3
Questões ética 3Questões ética 3
Questões ética 3
 
Agendamento de entrega Coferly
Agendamento de entrega CoferlyAgendamento de entrega Coferly
Agendamento de entrega Coferly
 
Food-Truck
Food-TruckFood-Truck
Food-Truck
 
01 avaliação de conhecimento de trabalho em altura rev 02
01 avaliação de conhecimento de trabalho em altura rev 0201 avaliação de conhecimento de trabalho em altura rev 02
01 avaliação de conhecimento de trabalho em altura rev 02
 
Modelo justificativa-formulario-padrão
Modelo justificativa-formulario-padrãoModelo justificativa-formulario-padrão
Modelo justificativa-formulario-padrão
 
102773154 exercicios-de-fluxograma
102773154 exercicios-de-fluxograma102773154 exercicios-de-fluxograma
102773154 exercicios-de-fluxograma
 
Carta convite _merenda_escolar__2013
Carta convite _merenda_escolar__2013Carta convite _merenda_escolar__2013
Carta convite _merenda_escolar__2013
 
Concurso conselho regional de contabilidade do amapá 2013
Concurso conselho regional de contabilidade do amapá 2013Concurso conselho regional de contabilidade do amapá 2013
Concurso conselho regional de contabilidade do amapá 2013
 
2014.1 s p2 - fipar - direito comercial i - gab
2014.1 s   p2 - fipar - direito comercial i - gab2014.1 s   p2 - fipar - direito comercial i - gab
2014.1 s p2 - fipar - direito comercial i - gab
 

Mais de Devanir Miranda

APRESENTAÇÃO-NR13-SENAI-EX.-LAUDO-rev.01.pdf
APRESENTAÇÃO-NR13-SENAI-EX.-LAUDO-rev.01.pdfAPRESENTAÇÃO-NR13-SENAI-EX.-LAUDO-rev.01.pdf
APRESENTAÇÃO-NR13-SENAI-EX.-LAUDO-rev.01.pdf
Devanir Miranda
 
instrucao_tecnica_12_2a_edicao.pdf
instrucao_tecnica_12_2a_edicao.pdfinstrucao_tecnica_12_2a_edicao.pdf
instrucao_tecnica_12_2a_edicao.pdf
Devanir Miranda
 
Conforto Térmico nos Ambientes de Trabalho-pdf.pdf
Conforto Térmico nos Ambientes de Trabalho-pdf.pdfConforto Térmico nos Ambientes de Trabalho-pdf.pdf
Conforto Térmico nos Ambientes de Trabalho-pdf.pdf
Devanir Miranda
 
RTP 01 FUNDACENTRO.pdf
RTP 01 FUNDACENTRO.pdfRTP 01 FUNDACENTRO.pdf
RTP 01 FUNDACENTRO.pdf
Devanir Miranda
 
NR 35 Trabalho em Altura 2017 ...palestra Grupo Mega Segurança do trabalho.ppt
NR 35 Trabalho em Altura 2017 ...palestra  Grupo Mega Segurança do trabalho.pptNR 35 Trabalho em Altura 2017 ...palestra  Grupo Mega Segurança do trabalho.ppt
NR 35 Trabalho em Altura 2017 ...palestra Grupo Mega Segurança do trabalho.ppt
Devanir Miranda
 
CQSMOD SOLDADOR.doc
CQSMOD SOLDADOR.docCQSMOD SOLDADOR.doc
CQSMOD SOLDADOR.doc
Devanir Miranda
 
NR-35 Cartilha de bolso.pdf
NR-35 Cartilha de bolso.pdfNR-35 Cartilha de bolso.pdf
NR-35 Cartilha de bolso.pdf
Devanir Miranda
 
PRIMEIROS SOCORROS (2).ppt
PRIMEIROS SOCORROS (2).pptPRIMEIROS SOCORROS (2).ppt
PRIMEIROS SOCORROS (2).ppt
Devanir Miranda
 
CERTIFICADO DE INTEGRAÇÃO.doc
CERTIFICADO DE INTEGRAÇÃO.docCERTIFICADO DE INTEGRAÇÃO.doc
CERTIFICADO DE INTEGRAÇÃO.doc
Devanir Miranda
 
AGENTES QUIMICOS PPT.ppt
AGENTES QUIMICOS PPT.pptAGENTES QUIMICOS PPT.ppt
AGENTES QUIMICOS PPT.ppt
Devanir Miranda
 
NR35-2711.ppt
NR35-2711.pptNR35-2711.ppt
NR35-2711.ppt
Devanir Miranda
 
Plano de Emergencia (1).ppt
Plano de Emergencia (1).pptPlano de Emergencia (1).ppt
Plano de Emergencia (1).ppt
Devanir Miranda
 
Cqsmod soldador
Cqsmod soldadorCqsmod soldador
Cqsmod soldador
Devanir Miranda
 
For com-002 - protocolo de entrega
For com-002 - protocolo de entregaFor com-002 - protocolo de entrega
For com-002 - protocolo de entrega
Devanir Miranda
 
Agentes quimicos
Agentes quimicosAgentes quimicos
Agentes quimicos
Devanir Miranda
 
Analise de risco frente e verso
Analise de risco frente e versoAnalise de risco frente e verso
Analise de risco frente e verso
Devanir Miranda
 
Sobremesa especial de morangos receita bia
Sobremesa especial de morangos receita biaSobremesa especial de morangos receita bia
Sobremesa especial de morangos receita bia
Devanir Miranda
 
Tcc josé devanir. segurança no trabalho
Tcc josé devanir. segurança no trabalhoTcc josé devanir. segurança no trabalho
Tcc josé devanir. segurança no trabalho
Devanir Miranda
 
05a trabemalturas
05a trabemalturas05a trabemalturas
05a trabemalturas
Devanir Miranda
 
Manual contra quedas
Manual contra quedasManual contra quedas
Manual contra quedas
Devanir Miranda
 

Mais de Devanir Miranda (20)

APRESENTAÇÃO-NR13-SENAI-EX.-LAUDO-rev.01.pdf
APRESENTAÇÃO-NR13-SENAI-EX.-LAUDO-rev.01.pdfAPRESENTAÇÃO-NR13-SENAI-EX.-LAUDO-rev.01.pdf
APRESENTAÇÃO-NR13-SENAI-EX.-LAUDO-rev.01.pdf
 
instrucao_tecnica_12_2a_edicao.pdf
instrucao_tecnica_12_2a_edicao.pdfinstrucao_tecnica_12_2a_edicao.pdf
instrucao_tecnica_12_2a_edicao.pdf
 
Conforto Térmico nos Ambientes de Trabalho-pdf.pdf
Conforto Térmico nos Ambientes de Trabalho-pdf.pdfConforto Térmico nos Ambientes de Trabalho-pdf.pdf
Conforto Térmico nos Ambientes de Trabalho-pdf.pdf
 
RTP 01 FUNDACENTRO.pdf
RTP 01 FUNDACENTRO.pdfRTP 01 FUNDACENTRO.pdf
RTP 01 FUNDACENTRO.pdf
 
NR 35 Trabalho em Altura 2017 ...palestra Grupo Mega Segurança do trabalho.ppt
NR 35 Trabalho em Altura 2017 ...palestra  Grupo Mega Segurança do trabalho.pptNR 35 Trabalho em Altura 2017 ...palestra  Grupo Mega Segurança do trabalho.ppt
NR 35 Trabalho em Altura 2017 ...palestra Grupo Mega Segurança do trabalho.ppt
 
CQSMOD SOLDADOR.doc
CQSMOD SOLDADOR.docCQSMOD SOLDADOR.doc
CQSMOD SOLDADOR.doc
 
NR-35 Cartilha de bolso.pdf
NR-35 Cartilha de bolso.pdfNR-35 Cartilha de bolso.pdf
NR-35 Cartilha de bolso.pdf
 
PRIMEIROS SOCORROS (2).ppt
PRIMEIROS SOCORROS (2).pptPRIMEIROS SOCORROS (2).ppt
PRIMEIROS SOCORROS (2).ppt
 
CERTIFICADO DE INTEGRAÇÃO.doc
CERTIFICADO DE INTEGRAÇÃO.docCERTIFICADO DE INTEGRAÇÃO.doc
CERTIFICADO DE INTEGRAÇÃO.doc
 
AGENTES QUIMICOS PPT.ppt
AGENTES QUIMICOS PPT.pptAGENTES QUIMICOS PPT.ppt
AGENTES QUIMICOS PPT.ppt
 
NR35-2711.ppt
NR35-2711.pptNR35-2711.ppt
NR35-2711.ppt
 
Plano de Emergencia (1).ppt
Plano de Emergencia (1).pptPlano de Emergencia (1).ppt
Plano de Emergencia (1).ppt
 
Cqsmod soldador
Cqsmod soldadorCqsmod soldador
Cqsmod soldador
 
For com-002 - protocolo de entrega
For com-002 - protocolo de entregaFor com-002 - protocolo de entrega
For com-002 - protocolo de entrega
 
Agentes quimicos
Agentes quimicosAgentes quimicos
Agentes quimicos
 
Analise de risco frente e verso
Analise de risco frente e versoAnalise de risco frente e verso
Analise de risco frente e verso
 
Sobremesa especial de morangos receita bia
Sobremesa especial de morangos receita biaSobremesa especial de morangos receita bia
Sobremesa especial de morangos receita bia
 
Tcc josé devanir. segurança no trabalho
Tcc josé devanir. segurança no trabalhoTcc josé devanir. segurança no trabalho
Tcc josé devanir. segurança no trabalho
 
05a trabemalturas
05a trabemalturas05a trabemalturas
05a trabemalturas
 
Manual contra quedas
Manual contra quedasManual contra quedas
Manual contra quedas
 

treinamento integraçºao motorista.pdf

  • 2. ORIENTAÇÕES GERAIS 1.1 APRESENTAÇÃO PESSOAL: a) Possuir crachá de identificação; b) Utilizar uniformes (camisa ou jaleco); c) Usar calçado fechado; d) Usar calça comprida; e) Fazer uso de EPI’s e EPC’s, quando a função exigir; f) Zelar pela higiene pessoal (cabelos, unhas e barba cortados ou aparados).
  • 3. ORIENTAÇÕES GERAIS 1.2 ATENDIMENTO AO TELEFONE: a) O atendimento das ligações externas deverá ser, preferencialmente, da seguinte maneira: “nome da empresa, nome da pessoa e saudação” e sempre demonstrar satisfação ao atender o cliente. b) Atender prontamente o chamado, evitando espera excessiva por parte de quem esta chamando.
  • 4. ORIENTAÇÕES GERAIS 1.3 SOLICITAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DOCUMENTOS: a) Informações devem ser rápidas, objetivas e confiáveis; b) Toda a informação solicitada deve ter um retorno, mesmo que negativo; c) Os e-mails devem ser abertos regularmente de preferência, “no mínimo, 4 vezes ao dia”; d) Toda solicitação de documento deve ser atendida com presteza e agilidade.
  • 5. CONTRATAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS 2.1 AJUDANTES: a) Ter escolaridade mínima de Ensino Fundamental (antigo 1º grau); b) Cadastrar na gerenciadora de risco para verificar se não tem antecedentes criminais ou algum outro problema pessoal; c) Verificar treinamentos anteriores, com comprovação;
  • 6. d) Fazer registro, contrato de trabalho conforme CLT; e) Providenciar a ASO – Atestado de Saúde Ocupacional; f) Fazer a integração do novo colaborador; g) Realizar treinamento para a função antes do início das atividades.
  • 7. CONTRATAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS 2.2 MOTORISTAS: a) Ter escolaridade mínima de Ensino Fundamental (antigo 1º grau); b) Curso de M.O.P.P - Movimentação de Produtos Perigosos; c) Fazer teste de volante; d) Cadastrar na gerenciadora de risco para verificar se não tem antecedentes criminais ou algum outro problema pessoal;
  • 8. e) Verificar treinamentos anteriores, com comprovação; f) Aplicar testes psicológicos; g) Fazer registro, contrato de trabalho conforme CLT; h) Providenciar a ASO; i) Fazer a integração do novo colaborador; j) Realizar treinamento para a função antes do início das atividades.
  • 9. CONTRATAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS 2.3 CONFERENTES: a) Ter escolaridade mínima de Ensino Fundamental (antigo 1º grau); b) Cadastrar na gerenciadora de risco para verificar se não tem antecedentes criminais ou algum outro problema pessoal; c) Verificar treinamentos anteriores, com comprovação; d) Aplicar testes psicológicos;
  • 10. e) Fazer registro, contrato de trabalho conforme CLT; f) Providenciar a ASO; g) Fazer a integração do novo colaborador; h) Realizar treinamento para a função antes do início das atividades.
  • 11. CONTRATAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS 2.4 CONTRATAÇÃO DE FRETEIROS EXTRAS: a) Ver o estado do caminhão, se esta em condições de viagem; b) Somente contratar caminhão baús (verificar infiltrações de água e limpeza); c) Cadastrar motorista e caminhão na Gerenciadora de Risco.
  • 12. CONTRATAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS 2.5 CADASTRO DE MOTORISTA E CAMINHÃO NA GERENCIADORA DE RISCO. 1. Ligar na Matriz para solicitar liberação do Motorista e Veículo. OBS: A RESPOSTA DA SOLICITAÇÃO, SE ESTA RECOMENDADO OU NÃO RECOMENDADO, VEM NO E-MAIL DO SOLICITANTE APÓS 30 MINUTOS.
  • 13. CONTRATAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS 2.6 CARTA FRETE - Entrar sistema Transvapt; - Opções de menu - Frete “A” - Preencher todos os campos; Lembrar: 1. ”Peso Contratado” é a soma dos pesos dos manifestos e manifesto da carga; 2. “Valor dos manifestos” é o valor do frete dos manifesto e remanifestos;
  • 14. 3. “Número de manifestos” – colocar o número de todos os manifesto e remanifesto da carga; 4. Dar “confirma” e ela será emitida. 5. Anexar na carta frete todos os manifestos e remanifestos da carga. 6. Carta Frete deverá ser emitido em nome do contratado de acordo com documentação do veículo.
  • 15. 7. Para pagamento o documento, após emitido, deve de ser impresso, solicitado assinatura e encaminhado para matriz junto a dados bancários do “CONTRATADO“ para programação do pagamento. 8. Prazo para pagamento: Freteiros esporádicos: 10 dias após emissão. Freteiros fixos: Faturamento quinzenal com 15 dias para pagamento. 9. Pagamento efetuado via matriz.
  • 16. CONTRATAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS 2.7 OUTRAS FUNÇÕES: a) Fazer os testes necessários para a função incluindo os testes psicológicos; b) Ter escolaridade mínima de Ensino Médio (antigo 2º grau); c) Fazer registro, contrato de trabalho conforme CLT; d) Fazer a integração do novo colaborador; e) Realizar treinamento para a função antes do início das atividades.
  • 17. COMERCIAL 3.1 CADASTRAMENTO DE TABELA: a) As propostas de frete deverão ser enviadas á Matriz para aprovação para posteriormente efetuarmos o cadastro; b) Após o cadastramento pegar o aceite do cliente, na tabela que será emitida no sistema da Transvapt.
  • 18. COMERCIAL 3.2 MATERIAIS PROMOCIONAIS: a) Os materiais promocionais serão confeccionados e distribuídos exclusivamente pela matriz; b) As agências participarão com 50% do valor dos materiais. 3.3 ACERTO DE FRETE E DESCONTO: a) Em casos de fretes especiais, solicitar autorização da Matriz; b) Havendo necessidade de descontos nos fretes, solicitar autorização da Matriz.
  • 19. COMERCIAL 3.4 SAC – Serviço de Atendimento ao Consumidor a) Entregas com atraso; b) Agendamento de entregas; c) Problemas com entregadores; d) Faltas e avarias de volumes na entrega; e) Posição de entrega; f) Coletas não efetuadas; g) Fretes fora de tabela; h) Agendamento de visita a clientes.
  • 20. RASTREABILIDADE 4.1 DA CARGA: a) Menu CARGAS e opção RASTREAMENTO DA CARGA; b) Campos a serem preenchidos nas opções de consulta: i. CNPJ do remetente e nota fiscal; ii. CNPJ do destinatário e nota fiscal; iii. Nota fiscal; iv. Nota fiscal e agência de origem; v. Agência de origem e CTRC.
  • 21. RASTREABILIDADE 4.2 DA FROTA: a) O rastreamento da frota é centralizado no setor de Tráfego da Matriz com disponibilidade de 24 horas por dia.
  • 22. MERCADORIAS NÃO TRANSPORTADAS 5.1 POR NORMAS DA TRANSVAPT TRANSPORTES: a) Vidros em barras ou laminas; b) Louças sanitárias; c) Luminárias de vidro; d) Armários de aço; e) Produtos Perigosos classes de risco 1 (explosivos) e 7 (radioativos); f) Produtos perecíveis que necessitem refrigeração;
  • 23. g) Fórmica; h) Chapas de alumínio, aço ou inox; i) Móveis montados; j) Ferro em barras de 6 metros (somente para clientes tradicionais); k) Perfil de alumínio; l) Betoneiras; m) Mercadoria sem Nota Fiscal; n) Mercadoria com embalagem deficitária ou inadequada; o) Mercadoria sem embalagem;
  • 24. COLETAS 6.1 COLETAS SOLICITADAS: a) O embarcador solicita por telefone, e-mail, MSN ou Skype, informando dados necessários para dimensionamento de veículo e roteirização. 6.2 COLETAS PELO SISTEMA TRANSVAPT: a) Menu COLETAS e opção CADASTROS, está disponível a coleta informatizada.
  • 25. 6.2.1 Do preenchimento da tela: a) O número e a data da coleta, e o número da agência solicitante aparecem automaticamente; b) CNPJ do remetente: preencher (obs: se o CNPJ estiver correto e o cliente já for cadastrado, os demais dados do cliente remetente aparecerão automaticamente, do contrário preencher); - Caso não tenha os dados do cliente remetente, informar na observação: fone, endereço e nome da empresa.
  • 26. c) Preencher cidade e estado do destinatário; d) Quantidade de volumes, peso e m³; e) Número de notas fiscais, se tiver; f) Tipo de carga; g) No campo observação informar tudo que julgar necessário, por exemplo: h) Coleta urgente, ou dia tal, frete combinado, etc. i) Nos campos recebimento, hora, entrada aparecerão automaticamente após a leitura da coleta.
  • 27. COLETAS 6.3 COLETAS AUTOMÁTICAS: a) É previamente acertado com o cliente para que “todos os dias” em horário definido, o nosso serviço de coleta, passe automaticamente, independente de ter ou não mercadorias a serem coletadas. OBSERVAÇÃO: SE POR VENTURA, POR QUALQUER OBSTÁCULO, ALGUMA COLETA NÃO FOR EXECUTADA NO DIA SOLICITADO, DEVERÁ TER PRIORIDADE NO DIA SEGUINTE, SEMPRE COMUNICANDO O CLIENTE EMBARCADOR DO PROBLEMA OCORRIDO.
  • 28. COLETAS 6.4 CONFERÊNCIA DAS COLETAS: a) No Cliente:  A primeira conferencia é feita no ato do carregamento na empresa embarcadora (nota fiscal, número de volumes, condições das embalagens, peso, cubagem e destino);  Em caso de produtos classificados como perigosos pela ONU, verificar ficha e envelope de emergência.
  • 29. b) No depósito:  Verificar se os volumes estão conforme nota fiscal;  Condições das embalagens;  Verificar se o peso indicado na nota fiscal condiz com os volumes;  Fazer cubagem dos volumes;  Verificar se a documentação (Nota Fiscal) esta correta para o transporte, data de emissão, destino, etc;  Verificar localidade de destino se é atendida pela nossa empresa;
  • 30.  Em caso de produtos classificados como perigosos pela ONU, verificar ficha e envelope de emergência;  Verificar se na nota fiscal consta local de entrega;  Verificar se consta redespacho (se for o caso);  Verificar se a mercadoria não tem restrição para o transporte, conforme “item 5” (mercadorias não transportadas) deste manual;  Colar etiqueta nos volumes.
  • 31. COLETAS 6.5 ETIQUETAGEM: a) Menu COLETAS Opção ETIQUETAS. b) Emissão da etiqueta  Número da nota fiscal;  CEP de destino;  Quantidade de volumes;  Peso da mercadoria.
  • 32. c) Para agências que não possuem etiquetadora ou por qualquer motivo não puderem imprimir a etiqueta, proceder da seguinte forma:  Utilizar o sistema em cruz, conforme exemplo abaixo, utilizando pincel atômico ou giz de cera. ORIGEM DESTINO NOTA FISCAL VOLUMES
  • 33. OBSERVAR SEMPRE:  Quando da emissão de etiquetas para mercadoria com redespacho o CEP que deverá ser informado será o do cliente redespachador ou da cidade onde a mercadoria será redespachada e não da cidade de destino;  Utilizar sempre o CEP conforme nossa relação que esta no sistema Transvapt.
  • 34. COLETAS 6.5.1 Colagem da etiqueta: a) A etiqueta deve ser sempre colada em local visível que facilite a visualização quer para o carregamento, quer para a conferência; b) Nunca colar a etiqueta Transvapt em cima da etiqueta do cliente; c) Não colar de ponta cabeça; d) Colar em todos os volumes na mesma posição ou mesmo lado, não fazer colagem aleatória;
  • 35. e) Mercadoria paletizada colar uma etiqueta por pallet; f) Até 100 volumes, uma etiqueta para cada volume, acima dimensionar uma quantidade; g) A agência que receber mercadorias sem nenhuma das formas de etiquetagem descritas nesse procedimento, deverá reclamar imediatamente com a agência remetente; h) É “EXPRESSAMENTE PROIBIDO” remeter etiquetas soltas junto à carga para ser coladas no destino (quando isso ocorrer informar a matriz que fará debito contra a agência infratora).
  • 36. ENTREGAS 7.1 ENTREGAS: a) Toda entrega deve obrigatoriamente ser remanifestada; b) No ato da entrega, impreterivelmente, deve ser conferida a mercadoria junto ao cliente; c) Nunca deixar o comprovante de entrega no cliente para posterior conferência da mercadoria; d) São imprescindíveis as assinaturas nos comprovantes de entrega com respectivo carimbo;
  • 37. e) No caso de clientes não possuir carimbo deverá constar o numero do CPF, RG e nome legível do recebedor da mercadoria; f) As entregas só poderão ser feitas no local indicado pelo embarcador, qualquer mudança de local de entrega, deverá ser respaldado por autorização por escrito da empresa embarcadora; g) A “2º via” obrigatoriamente deverá retornar para a Matriz, comprovando a entrega; h) Quando o frete for a pagar, a primeira via do CTRC fica com o cliente destinatário;
  • 38. i) Observar clientes que exigem canhotos de notas fiscais para que retornem a j) Matriz devidamente assinada e carimbada; k) Também devem retornar a Matriz comprovante de entregas de transportadoras conosco conveniadas; l) Em casos de reentrega no cliente, deverá ser emitido novo CTRC cobrando 50% do frete origem.
  • 39. ENTREGAS 7.2 DEVOLUÇÃO DE MERCADORIA: a) Deve constar no verso da primeira via da nota fiscal do remetente o motivo da devolução, estando assinado, carimbado e datado pela empresa que esta recusando a mercadoria; b) Para toda devolução deverá ser emitido um ACR (Aviso de Carga Retida);
  • 40. c) Na devolução deve-se emitir novo CTRC com valor de frete igual ao de origem, e deve constar na observação deste novo CTRC o número do “CTRC origem” (recusado); d) Se após “DEZ” dias do comunicado de carga retida a agência não receber a autorização para devolução, faz-se automaticamente a devolução à origem.
  • 41. ENTREGAS 7.3 PREENCHIMENTO DE ACR: a) Menu CTRC’s e opção AVISO DE CARGA RETIDA; b) Informar o número do CTRC e o motivo da recusa; c) O sistema informará automaticamente a agência remetente;
  • 42. d) O prazo para resolução do ACR é de 10 dias, caso não houver entendimento entre remetente e destinatário será emitido um novo CTRC de devolução, com o mesmo valor de frete; e) Em casos de reentrega deverá ser emitido novo CTRC cobrando 50% do valor do frete de origem.
  • 43. FINANCEIRO 8.1 ARQUIVO DE PRIMEIRAS VIAS DE CTRC: a) Recebimento dos conhecimentos emitidos pela expedição; b) Separação em ordem alfabética; c) Agrupar conhecimentos por cliente; d) Conhecimentos de clientes quais não pertencem a agência deve de ser encaminhado para respectiva agência de cobrança, através de Comunicação Interna;
  • 44. FINANCEIRO 8.2 FATURAMENTO: a) Datas para faturamento; 1. Semanal: Clientes especiais de acordo com cadastro do cliente, com período de emissão de domingo a sábado. 2. Quinzenal: Clientes com faturamento acima de cem reais, com período de emissão de 01 à 15 de cada mês. 3. Mensal; Cliente em geral, com período de 01 à último dia do mês corrente.
  • 45. FINANCEIRO 8.2.1 FATURAMENTO COM ENVIO PELO BANCO: a) Estará disponível no sistema faixa de faturas emitidas, para impressão dos protocolos, ficará a cargo do agente de imprimir e anexar conhecimento para envio ao cliente; b) Na entrega do protocolo deve-se solicitar carimbo a assinatura, para futuras reclamações de não recebimentos dos documentos, documento qual ficará em arquivo na agência; c) Boleto bancário será enviado pelo banco, diretamente no endereço do cadastro do cliente.
  • 46. FINANCEIRO 8.2.2 FATURAMENTO COM ENVIO PELA EMPRESA: a) A Matriz, a cada geração de faturamento, enviará boleto bancário para agência responsável pela cobrança ao cliente; b) Anexar as primeiras vias tomador do serviço junto ao boleto bancário e enviar ao cliente; c) Na entrega do boleto deve-se solicitar carimbo a assinatura, para futuras reclamações de não recebimentos dos documentos, documento qual será lançado no caixa e arquivado na agência.
  • 47. FINANCEIRO 8.3 COBRANÇA: a) A Matriz não aceita cobrança de boletos bancários em carteira; b) Fretes a pagar de valores pequenos, aconselhamos a cobrança à vista (não estamos impondo isto por que cada agência deverá seguir critérios de conhecimento e confiabilidade de seus clientes); c) O crédito é de livre arbítrio das agências, assumindo o ônus da inadimplência;
  • 48. d) O acompanhamento dos clientes inadimplentes deve de ser efetuado diariamente pela agência, através do relatório de devedores disponível no sistema Transvapt, para cobrança e acompanhamento da inadimplência da agência. e) Faturas superiores a R$ 100,00 (cem reais) não liquidadas 5 (cinco) dias após o vencimento, a empresa estará negativando no Serasa; f) Faturas iguais ou inferiores a R$ 100,00 (cem reais) não liquidadas até o último dia do mês corrente será debitado na comissão;
  • 49. g) Títulos maiores de R$ 100,00 negativados no Serasa, será descontado através de débito na comissão da agência no décimo quinto dia após o vencimento, com inclusão de juros e despesas do Serasa; h) Após pagamento ser efetivado matriz deverá ser informada para reabilitar cliente junto ao Serasa, caso informação não seja fornecida sistema não reconhece pagamento e constará com divida ativa.
  • 50. FINANCEIRO 8.4 REVERSÃO DE FRETE: a) Devolver a primeira via do CTRC, juntamente com cópia da nota fiscal e autorização do cliente que efetuará o pagamento do frete; b) Caso cliente solicite reversão de frete posteriormente ao conhecimento, constar como faturado, deve-se solicitar a devolução do titulo de cobrança e primeira via do conhecimento junto a autorização do pagador, para envio da documentação para matriz fazer o refaturamento do titulo.
  • 51. FINANCEIRO 8.5 PRORROGAÇÃO DE VENCIMENTO: a) As prorrogações somente serão permitidas com consentimento da Matriz; b) As alegações para prorrogação deverão ser convincentes e justas; c) Prorrogações efetuadas com autorização da agência será cobrada taxa de alteração de vencimento e juros sobre a quantidade de dias alterados.
  • 52. FINANCEIRO 8.6 DESCONTOS DE FRETE: a) Emitir um recibo de desconto para cada conhecimento; b) Os descontos preferencialmente devem ser concedidos antes das datas de faturamento; c) Os recibos devem sempre estar assinados e carimbados pelo cliente beneficiado; d) Enviar documentos aos cuidados do departamento comercial para avaliação e autorização.
  • 53. FINANCEIRO 8.7 AGENTES À PAGAR: a) Para abertura de agência: Encaminhar informação para departamento financeiro da matriz, tais como, cartão de CNPJ da empresa e dados bancários para pagamento em nome da empresa qual será favorecida do pagamento;
  • 54. b) Para emissão do relatório de comissão deve emitir relatório seguindo seguinte critério de datas:  Período de fechamento de caixa: 01 à último dia do mês corrente.  Período de fechamento de débito: 11 à 10 do mês subsequente; c) Data para pagamento:  Adiantamento 40% sobre valor faturado no mês corrente, menos faturas debitadas abaixo de cem reais, será liberado no dia 05 do mês subsequente ao mês corrente;  Saldo 60% será liberado no dia 20 do mês subsequente ao mês corrente.
  • 55. d) Pagamento e adiantamento de comissão será retida quando:  Faturas a mais de 5 dias pendentes;  O não envio da nota fiscal até o pagamento do saldo da comissão no dia 20;  Comprovantes de entrega pendentes a mais de 20 dias, sem ACR e BO.
  • 56. CARREGAMENTO a) Pegar toda documentação necessária para fazer o carregamento; b) Levar até a mesa de conferencia para dar início ao carregamento; c) O responsável deverá arrumar as notas de tal forma que facilite sua conferencia para o carregamento;
  • 57. d) Antes de iniciar o carregamento, o responsável deverá dirigir- se à praça para fazer uma prévia avaliação da carga, a fim de identificar qual será a carga lastro, carga lateral, carga miolo e cuminheira, evitando assim possível retrabalho; e) Também deverá identificar cargas frágeis que podem causar avarias; f) Produtos perigosos (classificação ONU), o conferente deverá separar a carga usando: lona plástica, papelão, chapas de compensado e outros, para evitar possível contato com outros produtos;
  • 58. g) A carga será trazida da praça até o veículo onde será feita a conferência do carregamento; h) O conferente deverá fazer a contagem dos volumes; i) Identificar o destino conforme a etiqueta do volume e acondicionar a carga no baú; j) Carimbar a 2ª (segunda) via do CTRC identificando o conferente;
  • 59. k) Com o término do carregamento, o conferente deverá encaminhar toda a documentação para o setor de manifesto/remanifesto para que este seja liberado para seguir viagem; l) Após essa liberação o conferente deverá anotar o número do lacre na via do manifesto/remanifesto; m) Lacrar as portas do baú e entregar toda a documentação e malote(s) em mãos para o motorista.
  • 60. DESCARREGAMENTO a) Pegar documentação com motorista; b) Conferir a numeração dos lacres nas portas do baú, para ver se é a mesma numeração que esta no manifesto/remanifesto; c) Em caso negativo, fazer anotação no verso do manifesto e solicitar assinatura do motorista; d) Antes da descarga, conferir todos os conhecimentos com os manifesto/remanifesto;
  • 61. e) O conferente devera orientar os ajudantes, a fim de definir qual a melhor, mais rápida e segura forma de descarregamento; f) Os ajudantes deverão descarregar a carga, conferindo a etiqueta do volume e pelo conhecimento; g) Nessa conferência, deverá fechar o número da nota fiscal, quantidade e destino tanto na etiqueta do volume quanto no conhecimento; h) Analisar o estado da mercadoria e embalagem;
  • 62. i) Bases de ferro, chapas de aço ou mercadorias de formatos irregulares poderão ser colocados no piso do barracão; j) Depois de conferida e paletizada, a mercadoria deverá ser acondicionada na sua respectiva praça de destino; k) Após a descarga, o conhecimento deverá ser carimbado pelo conferente em sua 2ª (segunda) via e colocado no escaninho dos conhecimentos; l) Após o termino da descarga, o conferente deverá verificar se houve sobra de volumes ou de conhecimentos, emitindo B.O – Boletim de Ocorrência;
  • 63. m) É de responsabilidade do conferente a emissão de B.O., o mesmo será penalizado pela omissão (quando necessário, emissão errada ou indevida desse registro); OBSERVAÇÃO: RESPEITAR SEMPRE A SIMBOLOGIA IMPRESSA NAS EMBALAGENS, TANTO PARA O CARREGAMENTO, QUANTO DESCARREGAMENTO, EVITANDO ASSIM AVARIAS.
  • 64. BOLETIM DE OCORRÊNCIA – B.O a) Menu CONHECIMENTOS Opção BOLETIM DE OCORRÊNCIA, emitir o B.O. sempre que houver: · Avaria; · Sobra; · Falta de mercadoria; · Falta de documentação; OBSERVAÇÃO: O B.O. DEVE SER EMITIDO NO PRAZO MÁXIMO DE 2 (DUAS) HORAS APÓS O DESCARREGAMENTO. APÓS ESTE PRAZO ENTENDE-SE QUE A DESCARGA OCORREU NORMALMENTE.
  • 65. LACRE DE CONFERÊNCIA a) Se houver volumes violados, ou embalagens danificadas que exponham o produto que está em seu interior, o conferente deverá conferir a respectiva mercadoria lacrar novamente os volumes e/ou caixa e colar o “Lacre de Conferência”, de forma tal que qualquer violação tenha que romper o lacre.
  • 66. INDENIZAÇÃO DE AVARIAS OU FALTAS 13.1 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA LIBERAÇÃO DO PAGAMENTO: a) Boletim de ocorrência; b) Cópia da nota fiscal original da mercadoria; c) Nota fiscal ou recibo contra a Transvapt Paranaguá; d) No recibo deve constar CNPJ da empresa de preferência o carimbo deste;
  • 67. d) d) Em casos de avaria mandar para a Matriz a mercadoria avariada. OBSERVAÇÃO: SOMENTE APÓS O RECEBIMENTO DESTA DOCUMENTAÇÃO A MATRIZ IRÁ LIBERAR O PAGAMENTO. A NOTA FISCAL DE INDENIZAÇÃO CONTRA A TRANSVAPT DEVERÁ SER NO MESMO VALOR DA NOTA FISCAL ORIGINAL.
  • 68. AQUISIÇÃO a) As áreas da matriz, filial e agências devem fazer o levantamento dos materiais em função das necessidades reais de consumo, sempre prevendo de maneira racionada o seu uso. b) A matriz irá verificar se é de responsabilidade da empresa fornecer o material solicitado; c) O setor de compras terá um prazo para cotações e autorizações da direção para a aquisição conforme planejamento interno;
  • 69. d) Após a aprovação da cotação, realizar a compra levando em consideração:  Preço unitário e total;  Condições de pagamento;  Prazo de entrega;  Características do produto (qualidade);  Fornecimento de notas fiscais, etc.