SlideShare uma empresa Scribd logo
LEGISLAÇÃO AMBIENTAL
TREINAMENTO
O QUE É MEIO AMBIENTE?
• É o conjunto de condições, leis, influências e
interações de ordem física, química e biológica, que
permite, abriga e rege a vida em todas as suas
formas.
• Meio ambiente natural: é constituído pela atmosfera,
pelas águas, pelo solo, pelo subsolo, pela fauna e
flora.
• Meio ambiente artificial: é compreendido pelo espaço
urbano construído, consistente no conjunto de
edificações e pelos equipamentos.
• Meio ambiente do trabalho: é o local onde as pessoas
desempenham suas atividades laborais, sejam
remuneradas ou não.
DEFINIÇÃO DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL
• A legislação ambiental consiste em leis, decretos e
resoluções que visam o estabelecimento de regras para
o funcionamento de empresas e também a conduta do
cidadão em relação ao meio ambiente. Estes
dispositivos legais ainda definem atos de infrações e
punições em caso de não cumprimento das leis.
PRINCIPAIS LEIS AMBIENTAIS
• Novo Código Florestal Brasileiro (Lei 12.651 –
2012)
• Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605 – 1998)
• Política Nacional do Meio Ambiente (Lei 6.938 –
1981)
• Política Nacional de Recursos Hídricos (Lei 9.433
– 1997)
• Política Agrícola (Lei 8.171 – 1991)
LICENCIAMENTO AMBIENTAL X LICENÇA AMBIENTAL
• Licenciamento ambiental: é o procedimento administrativo pelo qual o
órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e
a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras de recursos
ambientais consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras ou daquelas
que, sob qualquer forma, possam causar degradação ambiental.
• Licença ambiental: é o ato administrativo pelo qual o órgão ambiental
competente estabelece as condições, restrições e medidas de controle
ambiental que deverão ser obedecidas pelo empreendedor, pessoa física
ou jurídica, para localizar, instalar, ampliar e operar empreendimentos e
atividades utilizadoras de recursos ambientais consideradas efetiva ou
potencialmente poluidoras ou daquelas que, sob qualquer forma, possam
causar degradação ambiental.
ETAPAS DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL
• O licenciamento ambiental é dividido em três fases:
• A) Licença Prévia (LP) – concedida na fase preliminar do planejamento da
atividade ou empreendimento.
• B) Licença de Instalação (LI) – obrigatoriamente precedida pela licença
prévia, autoriza a instalação do empreendimento ou atividade.
• C) Licença de Operação (LO) – também chamada de licença de
funcionamento, sucede a de instalação e tem por finalidade autorizar a
operação da atividade ou empreendimento.
ÓRGÃOS AMBIENTAIS
• O Sistema Nacional do Meio Ambiente (SISNAMA) é formado por órgãos
da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. É à estrutura
máxima de gestão ambiental no Brasil e foi criado pela necessidade de se
estabelecer uma rede de agências governamentais que garantisse
mecanismos aptos para a consolidação da Política Nacional do Meio
Ambiente, em todo o nível da Federação.
• Esfera federal: Instituto Nacional do Meio Ambiente e Recursos
Renováveis (IBAMA).
• Esfera estadual: Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura
(SEMA).
IBAMA
•Cadastro Técnico Federal de Atividades
Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de
Recursos Ambientais – CTF/APP.
•Autorização Ambiental para o Transporte
Interestadual de Produtos Perigosos – AA.
SECRETARIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E
INFRAESTRUTURA (SEMA)
•Secretaria Estadual do Meio Ambiente e
Infraestrutura (SEMA), instituída em 1999, é o
órgão central do Sistema Estadual de Proteção
Ambiental (Sisepra), responsável pela gestão da
política ambiental no Rio Grande Sul.
POLUIÇÃO AMBIENTAL
• Pode ser definida como o resultado de atividades antrópicas ou meios
naturais que desencadeiam a degradação do meio ambiente. A degradação
do meio ambiente pode decorrer pelo lançamento de substâncias no meio
assim como alterações estéticas. A poluição está, geralmente, ligada
às ações antrópicas pela descarga de diversos materiais no meio ambiente
(no solo, na água ou no ar), promovendo a sua degradação. No entanto, a
poluição também pode ocorrer devido a processos naturais, como por meio
das erupções vulcânicas, que lançam diversas substâncias tóxicas no
ambiente.
TIPOS DE POLUIÇÃO
• Poluição atmosférica: envolve a poluição do ar em geral, causada principalmente pela
emissão de poluentes tóxicos pelas chaminés das fábricas e também pelo escapamento
dos veículos. A queima de combustíveis fósseis, tais como o petróleo e seus derivados,
além do carvão mineral, é o principal causador desse tipo de poluição.
• Poluição da água: caracteriza-se pela degradação dos recursos hídricos, resultando na
poluição de lagos, rios, córregos e também dos mares e oceanos. É causada
principalmente pelo derramamento indevido de esgotos, mas também pela poluição das
bacias hidrográficas, pois, durante as chuvas, o lixo é conduzidos até o leito dos cursos
d'água. Nos oceanos e mares, uma causa frequente é o derramamento de petróleo.
• Poluição do solo: ocorre através da contaminação ou poluição generalizada dos solos,
afetando as atividades econômicas e também o ambiente ao seu redor. As principais
ocorrências são os lixos armazenados em aterros sanitários, onde há a produção de um
líquido tóxico chamado de chorume, que penetra no subsolo e pode alcançar até o lençol
freático.
TIPOS DE POLUIÇÃO
• Poluição sonora: são comuns os ambientes urbanos ou com grande aglomeração de
pessoas que geram um excessivo barulho, principalmente no trânsito, equipamentos de
construção e outros. Os principais danos são à saúde humana.
• Poluição visual: é causada pelo excesso de publicidades em cartazes, outdoors, placas e
outros espalhados nos ambientes urbanos, caracterizando a grande concentração de
estímulos visuais. Apesar de ser aparentemente não agressiva, a poluição visual pode
intensificar ou gerar o estresse, além de tornar o ambiente menos confortável para a
ocupação humana.
TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS
PERIGOSOS
• O transporte rodoviário de produtos químicos perigosos foi regulamentado no Brasil através
da promulgação do Decreto nº 96.044, de 18 de maio de 1988, que o aprovou para o
Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos - TRPP, complementado por atos
administrativos, normalizações, entre outros.
• Quando se trata do transporte desses materiais, são definidas algumas normas para sua
movimentação. No Brasil, caracterizam-se produtos químicos perigosos para transporte
aqueles que se enquadram em uma das nove classes de material estabelecido na
Resolução 420/04 da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT,2004).
• Levando em conta o potencial de risco dessa atividade, os envolvidos, tanto os
transportadores, expedidores, destinatários, fabricantes, importadores quanto o próprio
Poder Público, através de seus órgãos competentes, devem ter pleno conhecimento das
normas que regem essa atividade, bem como a percepção de seus riscos, das
responsabilidades e consequências de um acidente no âmbito administrativo, civil e penal.
IDENTIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS
• A identificação de riscos de produtos perigosos para o transporte rodoviário é realizada por
meio da sinalização da unidade de transporte, composta por um painel de segurança, de
cor alaranjada, e um rótulo de risco, bem como pela rotulagem das embalagens interna e
externa. Estas informações obedecem aos padrões técnicos definidos na legislação do
transporte de produtos perigosos.
• As informações inseridas no painel de segurança e no rótulo de risco, conforme determina
a legislação, abrangem o Número de Risco e o Número da ONU, no Painel de Segurança,
e o Símbolo de Risco e a Classe/Subclasse de Risco no Rótulo de Risco
CLASSES DE RISCO DOS PRODUTOS PERIGOSOS
• A ANTT (2004), em uma de
suas resoluções (420 de
fevereiro de 2004), classifica os
produtos perigosos em relação
ao perigo que eles representam
em 9 classes, sendo a mesma
classificação recomendada
pelas Nações Unidas.
IDENTIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS
RÓTULO DE SEGURANÇA
• Classe de risco: 3 (líquidos inflamáveis)
• Classe de risco 9 (substâncias e artigos perigosos diversos)
PAINEL DE SEGURANÇA – ONU
• Os painéis de segurança devem ter o número das Nações Unidas e o número de risco do
produto transportado.
• O objetivo da padronização da sinalização de segurança é facilitar a identificação dos
produtos químicos perigosos nas atividades de transporte e, com isso, permitir maior
agilidade e eficácia nas ações necessárias ao controle de situações acidentais.
IDENTIFICAÇÃO NO VEÍCULO
LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS
• Para efeito da Norma Regulamentadora – NR 20, fica definido "líquido inflamável" como todo
aquele que possua ponto de fulgor inferior a 70ºC (setenta graus centígrados) e pressão de
vapor que não exceda 2,8 kg/cm2 absoluta a 37,7ºC (trinta e sete graus e sete décimos de
graus centígrados).
• Esta categoria engloba por definição líquidos, mistura de líquidos ou líquidos contendo
sólidos em solução ou em suspensão, que produzem vapores inflamáveis a temperaturas de
até 60,5º C em teste de vaso fechado. Via de regra, as substâncias inflamáveis são de
origem orgânica, como por exemplo hidrocarbonetos, álcoois, aldeídos e cetonas, entre
outros.
• Por se tratarem de substâncias consideradas perigosas, todos os líquidos inflamáveis devem
ser manuseados, transportados e utilizados de maneira segura e correta, seguindo os
dispostos pela legislação.
LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS
• Seguem abaixo os produtos perigosos manuseados e transportados pela empresa:
• Óleo Diesel
• Gasolina
• Álcool
• Querosene de Aviação
• Biodiesel (enquadrado como substâncias e artigos perigosos diversos)
FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE
PRODUTOS QUÍMICOS – FISPQ
• A Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos (FISPQ)é um documento
fomentado pela ABNT- NBR 14725, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). O
objetivo principal da FISPQ é comunicar possíveis riscos relacionados aos produtos
químicos, e deve ser recebida por empresas que realizem a utilização, movimentação e/ou
transporte de produtos químicos.
• A Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos é de extrema importância, uma
vez que desempenha a função de divulgar informações pertinentes acerca dos riscos
apresentados por produtos químicos. A FISPQ é obrigatória para a comercialização de
qualquer produto químico, e ao adquirir este tipo de produto, o documento é um direito do
comprador.
FICHA DE EMERGÊNCIA
• A Ficha de Emergência é um formulário facultativo para as empresas que realizam o
transporte de resíduos e produtos perigosos. Deve ser guardada dentro do Envelope para
o transporte, conforme padrão estabelecido pela Associação Brasileira de Normas
Técnicas (ABNT).
• Esse documento é indispensável no transporte de químicos porque, caso ocorra um
acidente, é a Ficha de Emergência que servirá de orientação ao motorista ou às equipes
de socorro para lidar com os produtos.
• Existem dois tipos de Ficha de Emergência: a Ficha de Emergência de Resíduos
Perigosos (de coloração vermelha) e a Ficha de Emergência de Resíduos não Perigosos
(de coloração verde).
IMPACTOS AMBIENTAIS
• Impacto ambiental é qualquer alteração
das propriedades físicas, químicas e
biológicas do meio ambiente, causada
por qualquer forma de matéria ou
energia resultante das atividades
humanas que, direta ou indiretamente,
afetam:
• I – a saúde, a segurança e o bem-estar
da população;
• II – as atividades sociais e econômicas;
• III – a biota;
• IV – as condições estéticas e sanitárias
do meio ambiente;
• V – a qualidade dos recursos
ambientais.
IMPACTOS AMBIENTAIS
• Toda e qualquer atividade humana causa um impacto no meio ambiente, que pode ser
negativo ou positivo.
• Os impactos negativos são extremamente conhecidos pela população, sendo exemplos:
• Poluição do ar, água e solo;
• Redução do número de indivíduos de espécies silvestres;
• Extinção de espécies;
• Os impactos ambientais positivos são menos conhecidos e se relacionam àquelas
atividades que trazem melhoria e recuperação ao meio ambiente, como projetos
de restauração de áreas que foram impactadas negativamente.
IMPACTOS AMBIENTAIS NO TRPP
• Segundo a Organização Mundial da Saúde, em todo mundo morre cerca de 1,2 milhões de
pessoas anualmente vítimas de acidentes de trânsito. É um evento que ocorre em todas
as cidades, e que produz algum tipo de dano seja ele material ou lesões em pessoas e/ou
animais. Dependendo do tipo de acidente resulta em sérios problemas ambientais.
Segundo o Ministério das Cidades, no Brasil, os acidentes de trânsito aparecem como o
segundo maior problema de saúde pública no país, perdendo apenas para a desnutrição.
• Os impactos resultantes de acidentes envolvendo produtos perigosos, em sua logística de
transporte, sofrem variações correspondentes a classe de risco na qual se enquadra
determinado material ou carga. De maneira geral eles implicam em danos aos usuários da
via, à população, ao patrimônio público e privado e, ao meio ambiente.
IMPACTOS AMBIENTAIS
NO TRPP
• Os acidentes envolvendo o transporte rodoviário
de produtos perigosos apresentam sérios
impactos ao meio ambiente devido às
propriedades químicas presentes nos materiais
transportados, como inflamabilidade, toxicidade,
corrosividade, entre outros, bem como
representam sérios riscos à segurança e a saúde
da população e comprometem a sustentabilidade
devido à vulnerabilidade e sensibilidade
ambiental das áreas impactadas.
OBRIGADO PELA ATENÇÃO!!
Nós compartilhamos a terra, não só com os seres humanos, mas
com todas as outras criaturas. Dalai Lama.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Treinamento de Legislação Ambiental

Dicionário ambiental em direito
Dicionário ambiental em direitoDicionário ambiental em direito
Dicionário ambiental em direito
cfrancisca
 
Licenciamento e legislação ambiental
Licenciamento e legislação ambientalLicenciamento e legislação ambiental
Licenciamento e legislação ambiental
Isadora Oliveira
 
GRSS. (8).pptx......................................
GRSS. (8).pptx......................................GRSS. (8).pptx......................................
GRSS. (8).pptx......................................
Daniela Cristina
 
7. gestão e auditoria ambiental
7. gestão e auditoria ambiental7. gestão e auditoria ambiental
7. gestão e auditoria ambiental
Virna Salgado Barra
 

Semelhante a Treinamento de Legislação Ambiental (20)

Dicionário ambiental em direito
Dicionário ambiental em direitoDicionário ambiental em direito
Dicionário ambiental em direito
 
Licenciamento e legislação ambiental
Licenciamento e legislação ambientalLicenciamento e legislação ambiental
Licenciamento e legislação ambiental
 
Meio ambiente e cidadania divanir
Meio ambiente e cidadania divanirMeio ambiente e cidadania divanir
Meio ambiente e cidadania divanir
 
GRSS. (8).pptx......................................
GRSS. (8).pptx......................................GRSS. (8).pptx......................................
GRSS. (8).pptx......................................
 
Crimes ambientais - responsabilidade objetiva
Crimes ambientais - responsabilidade objetivaCrimes ambientais - responsabilidade objetiva
Crimes ambientais - responsabilidade objetiva
 
Meio ambiente e cidadania divanir
Meio ambiente e cidadania divanirMeio ambiente e cidadania divanir
Meio ambiente e cidadania divanir
 
Cartilha areas contaminadas
Cartilha areas contaminadasCartilha areas contaminadas
Cartilha areas contaminadas
 
Codigo Ambiental do Município de São Paulo
Codigo Ambiental do Município de São PauloCodigo Ambiental do Município de São Paulo
Codigo Ambiental do Município de São Paulo
 
gestão ambiental
gestão ambientalgestão ambiental
gestão ambiental
 
7. gestão e auditoria ambiental
7. gestão e auditoria ambiental7. gestão e auditoria ambiental
7. gestão e auditoria ambiental
 
Higiene hospitalar: quais as recomendações da legislação e os problemas mais ...
Higiene hospitalar: quais as recomendações da legislação e os problemas mais ...Higiene hospitalar: quais as recomendações da legislação e os problemas mais ...
Higiene hospitalar: quais as recomendações da legislação e os problemas mais ...
 
Controle e Prevenção dos Processos de Poluição Ambiental
Controle e Prevenção dos Processos de Poluição AmbientalControle e Prevenção dos Processos de Poluição Ambiental
Controle e Prevenção dos Processos de Poluição Ambiental
 
Pgrs
PgrsPgrs
Pgrs
 
Modelo planejamento ambienta
Modelo planejamento ambientaModelo planejamento ambienta
Modelo planejamento ambienta
 
Produtos perigosos
Produtos perigososProdutos perigosos
Produtos perigosos
 
Saúde e Segurança do Trabalho
Saúde e Segurança do TrabalhoSaúde e Segurança do Trabalho
Saúde e Segurança do Trabalho
 
Treinamento de Emergencia quimica.pptx
Treinamento de Emergencia quimica.pptxTreinamento de Emergencia quimica.pptx
Treinamento de Emergencia quimica.pptx
 
UFCD-0349-ASHST-manual.pptx
UFCD-0349-ASHST-manual.pptxUFCD-0349-ASHST-manual.pptx
UFCD-0349-ASHST-manual.pptx
 
Aula Fiesp pós graduação em gestão sindical - política de meio ambiente
Aula Fiesp pós graduação em gestão sindical - política de meio ambienteAula Fiesp pós graduação em gestão sindical - política de meio ambiente
Aula Fiesp pós graduação em gestão sindical - política de meio ambiente
 
Eia
EiaEia
Eia
 

Último

AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdf
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdfATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdf
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdf
Colaborar Educacional
 
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 

Último (7)

ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VF
ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VFST 2024 Statum Apresentação Comercial - VF
ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VF
 
aula-7sobre tipos de-grafos-eulerianos.pdf
aula-7sobre tipos de-grafos-eulerianos.pdfaula-7sobre tipos de-grafos-eulerianos.pdf
aula-7sobre tipos de-grafos-eulerianos.pdf
 
AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
AE01 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL RELACOES DE CONSUMO E SUSTENTABILI...
AE01 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  RELACOES DE CONSUMO E SUSTENTABILI...AE01 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  RELACOES DE CONSUMO E SUSTENTABILI...
AE01 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL RELACOES DE CONSUMO E SUSTENTABILI...
 
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdf
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdfATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdf
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdf
 
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024
 
Checklist de renovação de AVCB -Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros.pdf
Checklist de renovação de AVCB -Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros.pdfChecklist de renovação de AVCB -Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros.pdf
Checklist de renovação de AVCB -Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros.pdf
 

Treinamento de Legislação Ambiental

  • 2. O QUE É MEIO AMBIENTE? • É o conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas. • Meio ambiente natural: é constituído pela atmosfera, pelas águas, pelo solo, pelo subsolo, pela fauna e flora. • Meio ambiente artificial: é compreendido pelo espaço urbano construído, consistente no conjunto de edificações e pelos equipamentos. • Meio ambiente do trabalho: é o local onde as pessoas desempenham suas atividades laborais, sejam remuneradas ou não.
  • 3. DEFINIÇÃO DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL • A legislação ambiental consiste em leis, decretos e resoluções que visam o estabelecimento de regras para o funcionamento de empresas e também a conduta do cidadão em relação ao meio ambiente. Estes dispositivos legais ainda definem atos de infrações e punições em caso de não cumprimento das leis.
  • 4. PRINCIPAIS LEIS AMBIENTAIS • Novo Código Florestal Brasileiro (Lei 12.651 – 2012) • Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605 – 1998) • Política Nacional do Meio Ambiente (Lei 6.938 – 1981) • Política Nacional de Recursos Hídricos (Lei 9.433 – 1997) • Política Agrícola (Lei 8.171 – 1991)
  • 5. LICENCIAMENTO AMBIENTAL X LICENÇA AMBIENTAL • Licenciamento ambiental: é o procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras de recursos ambientais consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras ou daquelas que, sob qualquer forma, possam causar degradação ambiental. • Licença ambiental: é o ato administrativo pelo qual o órgão ambiental competente estabelece as condições, restrições e medidas de controle ambiental que deverão ser obedecidas pelo empreendedor, pessoa física ou jurídica, para localizar, instalar, ampliar e operar empreendimentos e atividades utilizadoras de recursos ambientais consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras ou daquelas que, sob qualquer forma, possam causar degradação ambiental.
  • 6. ETAPAS DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL • O licenciamento ambiental é dividido em três fases: • A) Licença Prévia (LP) – concedida na fase preliminar do planejamento da atividade ou empreendimento. • B) Licença de Instalação (LI) – obrigatoriamente precedida pela licença prévia, autoriza a instalação do empreendimento ou atividade. • C) Licença de Operação (LO) – também chamada de licença de funcionamento, sucede a de instalação e tem por finalidade autorizar a operação da atividade ou empreendimento.
  • 7. ÓRGÃOS AMBIENTAIS • O Sistema Nacional do Meio Ambiente (SISNAMA) é formado por órgãos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. É à estrutura máxima de gestão ambiental no Brasil e foi criado pela necessidade de se estabelecer uma rede de agências governamentais que garantisse mecanismos aptos para a consolidação da Política Nacional do Meio Ambiente, em todo o nível da Federação. • Esfera federal: Instituto Nacional do Meio Ambiente e Recursos Renováveis (IBAMA). • Esfera estadual: Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura (SEMA).
  • 8. IBAMA •Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais – CTF/APP. •Autorização Ambiental para o Transporte Interestadual de Produtos Perigosos – AA.
  • 9. SECRETARIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E INFRAESTRUTURA (SEMA) •Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura (SEMA), instituída em 1999, é o órgão central do Sistema Estadual de Proteção Ambiental (Sisepra), responsável pela gestão da política ambiental no Rio Grande Sul.
  • 10. POLUIÇÃO AMBIENTAL • Pode ser definida como o resultado de atividades antrópicas ou meios naturais que desencadeiam a degradação do meio ambiente. A degradação do meio ambiente pode decorrer pelo lançamento de substâncias no meio assim como alterações estéticas. A poluição está, geralmente, ligada às ações antrópicas pela descarga de diversos materiais no meio ambiente (no solo, na água ou no ar), promovendo a sua degradação. No entanto, a poluição também pode ocorrer devido a processos naturais, como por meio das erupções vulcânicas, que lançam diversas substâncias tóxicas no ambiente.
  • 11. TIPOS DE POLUIÇÃO • Poluição atmosférica: envolve a poluição do ar em geral, causada principalmente pela emissão de poluentes tóxicos pelas chaminés das fábricas e também pelo escapamento dos veículos. A queima de combustíveis fósseis, tais como o petróleo e seus derivados, além do carvão mineral, é o principal causador desse tipo de poluição. • Poluição da água: caracteriza-se pela degradação dos recursos hídricos, resultando na poluição de lagos, rios, córregos e também dos mares e oceanos. É causada principalmente pelo derramamento indevido de esgotos, mas também pela poluição das bacias hidrográficas, pois, durante as chuvas, o lixo é conduzidos até o leito dos cursos d'água. Nos oceanos e mares, uma causa frequente é o derramamento de petróleo. • Poluição do solo: ocorre através da contaminação ou poluição generalizada dos solos, afetando as atividades econômicas e também o ambiente ao seu redor. As principais ocorrências são os lixos armazenados em aterros sanitários, onde há a produção de um líquido tóxico chamado de chorume, que penetra no subsolo e pode alcançar até o lençol freático.
  • 12. TIPOS DE POLUIÇÃO • Poluição sonora: são comuns os ambientes urbanos ou com grande aglomeração de pessoas que geram um excessivo barulho, principalmente no trânsito, equipamentos de construção e outros. Os principais danos são à saúde humana. • Poluição visual: é causada pelo excesso de publicidades em cartazes, outdoors, placas e outros espalhados nos ambientes urbanos, caracterizando a grande concentração de estímulos visuais. Apesar de ser aparentemente não agressiva, a poluição visual pode intensificar ou gerar o estresse, além de tornar o ambiente menos confortável para a ocupação humana.
  • 13. TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS • O transporte rodoviário de produtos químicos perigosos foi regulamentado no Brasil através da promulgação do Decreto nº 96.044, de 18 de maio de 1988, que o aprovou para o Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos - TRPP, complementado por atos administrativos, normalizações, entre outros. • Quando se trata do transporte desses materiais, são definidas algumas normas para sua movimentação. No Brasil, caracterizam-se produtos químicos perigosos para transporte aqueles que se enquadram em uma das nove classes de material estabelecido na Resolução 420/04 da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT,2004). • Levando em conta o potencial de risco dessa atividade, os envolvidos, tanto os transportadores, expedidores, destinatários, fabricantes, importadores quanto o próprio Poder Público, através de seus órgãos competentes, devem ter pleno conhecimento das normas que regem essa atividade, bem como a percepção de seus riscos, das responsabilidades e consequências de um acidente no âmbito administrativo, civil e penal.
  • 14. IDENTIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS • A identificação de riscos de produtos perigosos para o transporte rodoviário é realizada por meio da sinalização da unidade de transporte, composta por um painel de segurança, de cor alaranjada, e um rótulo de risco, bem como pela rotulagem das embalagens interna e externa. Estas informações obedecem aos padrões técnicos definidos na legislação do transporte de produtos perigosos. • As informações inseridas no painel de segurança e no rótulo de risco, conforme determina a legislação, abrangem o Número de Risco e o Número da ONU, no Painel de Segurança, e o Símbolo de Risco e a Classe/Subclasse de Risco no Rótulo de Risco
  • 15. CLASSES DE RISCO DOS PRODUTOS PERIGOSOS • A ANTT (2004), em uma de suas resoluções (420 de fevereiro de 2004), classifica os produtos perigosos em relação ao perigo que eles representam em 9 classes, sendo a mesma classificação recomendada pelas Nações Unidas.
  • 17. RÓTULO DE SEGURANÇA • Classe de risco: 3 (líquidos inflamáveis) • Classe de risco 9 (substâncias e artigos perigosos diversos)
  • 18. PAINEL DE SEGURANÇA – ONU • Os painéis de segurança devem ter o número das Nações Unidas e o número de risco do produto transportado. • O objetivo da padronização da sinalização de segurança é facilitar a identificação dos produtos químicos perigosos nas atividades de transporte e, com isso, permitir maior agilidade e eficácia nas ações necessárias ao controle de situações acidentais.
  • 20. LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS • Para efeito da Norma Regulamentadora – NR 20, fica definido "líquido inflamável" como todo aquele que possua ponto de fulgor inferior a 70ºC (setenta graus centígrados) e pressão de vapor que não exceda 2,8 kg/cm2 absoluta a 37,7ºC (trinta e sete graus e sete décimos de graus centígrados). • Esta categoria engloba por definição líquidos, mistura de líquidos ou líquidos contendo sólidos em solução ou em suspensão, que produzem vapores inflamáveis a temperaturas de até 60,5º C em teste de vaso fechado. Via de regra, as substâncias inflamáveis são de origem orgânica, como por exemplo hidrocarbonetos, álcoois, aldeídos e cetonas, entre outros. • Por se tratarem de substâncias consideradas perigosas, todos os líquidos inflamáveis devem ser manuseados, transportados e utilizados de maneira segura e correta, seguindo os dispostos pela legislação.
  • 21. LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS • Seguem abaixo os produtos perigosos manuseados e transportados pela empresa: • Óleo Diesel • Gasolina • Álcool • Querosene de Aviação • Biodiesel (enquadrado como substâncias e artigos perigosos diversos)
  • 22. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS – FISPQ • A Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos (FISPQ)é um documento fomentado pela ABNT- NBR 14725, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). O objetivo principal da FISPQ é comunicar possíveis riscos relacionados aos produtos químicos, e deve ser recebida por empresas que realizem a utilização, movimentação e/ou transporte de produtos químicos. • A Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos é de extrema importância, uma vez que desempenha a função de divulgar informações pertinentes acerca dos riscos apresentados por produtos químicos. A FISPQ é obrigatória para a comercialização de qualquer produto químico, e ao adquirir este tipo de produto, o documento é um direito do comprador.
  • 23. FICHA DE EMERGÊNCIA • A Ficha de Emergência é um formulário facultativo para as empresas que realizam o transporte de resíduos e produtos perigosos. Deve ser guardada dentro do Envelope para o transporte, conforme padrão estabelecido pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). • Esse documento é indispensável no transporte de químicos porque, caso ocorra um acidente, é a Ficha de Emergência que servirá de orientação ao motorista ou às equipes de socorro para lidar com os produtos. • Existem dois tipos de Ficha de Emergência: a Ficha de Emergência de Resíduos Perigosos (de coloração vermelha) e a Ficha de Emergência de Resíduos não Perigosos (de coloração verde).
  • 24. IMPACTOS AMBIENTAIS • Impacto ambiental é qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente, causada por qualquer forma de matéria ou energia resultante das atividades humanas que, direta ou indiretamente, afetam: • I – a saúde, a segurança e o bem-estar da população; • II – as atividades sociais e econômicas; • III – a biota; • IV – as condições estéticas e sanitárias do meio ambiente; • V – a qualidade dos recursos ambientais.
  • 25. IMPACTOS AMBIENTAIS • Toda e qualquer atividade humana causa um impacto no meio ambiente, que pode ser negativo ou positivo. • Os impactos negativos são extremamente conhecidos pela população, sendo exemplos: • Poluição do ar, água e solo; • Redução do número de indivíduos de espécies silvestres; • Extinção de espécies; • Os impactos ambientais positivos são menos conhecidos e se relacionam àquelas atividades que trazem melhoria e recuperação ao meio ambiente, como projetos de restauração de áreas que foram impactadas negativamente.
  • 26. IMPACTOS AMBIENTAIS NO TRPP • Segundo a Organização Mundial da Saúde, em todo mundo morre cerca de 1,2 milhões de pessoas anualmente vítimas de acidentes de trânsito. É um evento que ocorre em todas as cidades, e que produz algum tipo de dano seja ele material ou lesões em pessoas e/ou animais. Dependendo do tipo de acidente resulta em sérios problemas ambientais. Segundo o Ministério das Cidades, no Brasil, os acidentes de trânsito aparecem como o segundo maior problema de saúde pública no país, perdendo apenas para a desnutrição. • Os impactos resultantes de acidentes envolvendo produtos perigosos, em sua logística de transporte, sofrem variações correspondentes a classe de risco na qual se enquadra determinado material ou carga. De maneira geral eles implicam em danos aos usuários da via, à população, ao patrimônio público e privado e, ao meio ambiente.
  • 27. IMPACTOS AMBIENTAIS NO TRPP • Os acidentes envolvendo o transporte rodoviário de produtos perigosos apresentam sérios impactos ao meio ambiente devido às propriedades químicas presentes nos materiais transportados, como inflamabilidade, toxicidade, corrosividade, entre outros, bem como representam sérios riscos à segurança e a saúde da população e comprometem a sustentabilidade devido à vulnerabilidade e sensibilidade ambiental das áreas impactadas.
  • 28. OBRIGADO PELA ATENÇÃO!! Nós compartilhamos a terra, não só com os seres humanos, mas com todas as outras criaturas. Dalai Lama.