SlideShare uma empresa Scribd logo
Por uma atuação não-maquinal

     Texto do livro Riscos do Capital Humano (Brasport, 2012), de Luis Adonis Correia

As apresentações de gestores estão carregadas de slides e sentenças que destacam
que, nas empresas, o mais importante é homem. Curiosamente se utilizam de uma
linguagem contábil (ativo principal, capital intelectual) para uma afirmação tão
transcendente. Para marcar posição e não deixar dúvidas, surge ainda a frase “o
computador é só uma ferramenta”, com poucas variações.

Isso não seria tão pernicioso se fosse só demagogia, mas a interpretação de
tecnologia como ferramenta, como um instrumento para “conseguir coisas”, é
inapropriada e denuncia falta de visão sistêmica.

Instrumentos são usados para arrancar objetos da natureza para aproximá-los do
homem, e assim os modificam. São prolongamentos de órgãos do corpo. Dentes,
mãos, dedos, braços. Por serem prolongamentos alcançam mais longe e profundo a
natureza, são mais poderosos e eficientes. Instrumentos simulam o órgão que
prolongam: enxada, dente; flecha, dedo; martelo, punho. Eram inicialmente
empíricos e depois técnicos, quando da revolução industrial, em função das teorias
científicas para simulação.

Os instrumentos, primeiro em função do homem, depois grande parte em função
das máquinas, tornaram-se mais poderosos, caros, gerando produtos mais baratos
e numerosos.

Quando os instrumentos viraram máquinas, a relação com o homem se inverteu.
Antes da revolução industrial, os instrumentos cercavam os homens, depois as
máquinas eram por eles cercadas. O homem era a constante da relação e o
instrumento era a variável; então a máquina passou a ser relativamente constante.

No filme “O Encouraçado Potemkin” há uma sequência que intercala imagens de
braço, corda, corpo, máquina. A teoria de montagem de Eisenstein evidenciou com
brilhantismo a distinção homem-máquina. Isso em 1925. O filme é eterno, mas
essas referências são datadas. Aquela delimitação não é mais nítida, e isso não é
problema da qualidade da cópia nem dos negativos.

Em nosso tempo, o empregado não se encontra cercado de instrumentos como o
artesão pré-industrial , nem está submisso à máquina, como o proletário industrial,
mas encontra-se no interior. É uma função nova, na qual o homem não é constante
nem variável. Homem e computador se confundem. Os limites se esvaecem. É esse
amálgama a representação do mundo contemporâneo.

Computador é o nosso aparelho. Aparelho, etimologicamente, vem de apparatus,
que deriva dos verbos adparare (prontidão para algo, como se estivesse à espreita)
e praeparare (disponibilidade em prol de algo). Produz símbolos, manipula e
armazena. Os resultados são mensagens. Atuamos na permutação de símbolos,
como em um jogo, e oscilamos entre homo faber e homo ludens. Mas isso não é
brincadeira.

A categoria fundamental do terreno industrial e também do pré-industrial é o
trabalho. Instrumentos trabalham: arrancam objetos da natureza e os
transformam. Computadores não trabalham. Não têm intenção de transformar o
mundo, mas modificam a vida dos homens.
Diferentemente das revoluções históricas precedentes, vivenciamos uma revolução
que desqualifica o ser humano diante da perfeição tecnológica. A verdadeira
revolução antropológica, segundo Baudrillard.

Uma decisão tomada por diretrizes tecnológicas, e não por diretrizes humanas,
ocorre quando há a prevalência da instância técnica. Reconhecer essa superioridade
é renunciar ao papel humano. O homem moderno passou a ser medido pela
perfeição de seu aparato tecnológico.

A obsolescência do ser humano diante da máquina é uma revolução que marca o
nascimento de um mundo sem o humano. Também segundo Baudrillard,
aproveitando-se do conceito hegeliano, “se houve o sujeito da História, não haverá
o sujeito do fim da História”.

Nesse cenário de hegemonia tecnológica, qual a finalidade histórica do homem
moderno, tornado obsoleto pela lógica e automatismo da tecnologia? Qual será seu
papel, se há progressivamente uma perda da capacidade de transformação e de
inquietação? Somado a isso, os governos vêm estabelecendo agendas que os
colocam como parceiros ou coadjuvantes comerciais tão-somente. Ignoram suas
missões históricas e tornam medíocre a vida pública. E nós?

A questão principal então não seria mais transformar o mundo, mas entender as
transformações para que estas não ocorram sem a participação humana. Seria? De
qualquer forma, é essa mesma realidade que deve obrigar cada um de nós a se
reposicionar.

Gestores de todo o mundo, uni-vos!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Por uma Atuação Nao-maquinal

Aula poshumano
Aula poshumanoAula poshumano
Aula poshumano
Graziela Andrade
 
Brave newworld
Brave newworldBrave newworld
Brave newworld
Angela Sillos
 
Filosofia 2º bimestre - 3ª série - tecnologia e sociedade
Filosofia   2º bimestre - 3ª série - tecnologia e sociedadeFilosofia   2º bimestre - 3ª série - tecnologia e sociedade
Filosofia 2º bimestre - 3ª série - tecnologia e sociedade
mtolentino1507
 
As (des)realizações dos sujeitos que-vivem-do-trabalho
As (des)realizações dos sujeitos que-vivem-do-trabalhoAs (des)realizações dos sujeitos que-vivem-do-trabalho
As (des)realizações dos sujeitos que-vivem-do-trabalho
Felizardo Costa
 
Aventura em busca de imagens jamais vistas
Aventura em busca de imagens jamais vistasAventura em busca de imagens jamais vistas
Aventura em busca de imagens jamais vistas
Marlus Araujo
 
OS BENEFÍCIOS E OS RISCOS DA SINGULARIDADE TECNOLÓGICA BASEADA NA SUPERINTELI...
OS BENEFÍCIOS E OS RISCOS DA SINGULARIDADE TECNOLÓGICA BASEADA NA SUPERINTELI...OS BENEFÍCIOS E OS RISCOS DA SINGULARIDADE TECNOLÓGICA BASEADA NA SUPERINTELI...
OS BENEFÍCIOS E OS RISCOS DA SINGULARIDADE TECNOLÓGICA BASEADA NA SUPERINTELI...
Fernando Alcoforado
 
Interpretação 8's
Interpretação 8'sInterpretação 8's
Interpretação 8's
Diego Prezia
 
Interação homem-máquina
Interação homem-máquinaInteração homem-máquina
Interação homem-máquina
Rose_UFF
 
A tecnologia nos faz melhores
A tecnologia nos faz melhoresA tecnologia nos faz melhores
A tecnologia nos faz melhores
AparecidaRibeiro
 
Aula tempo e tcnica#
Aula   tempo e tcnica#Aula   tempo e tcnica#
Aula tempo e tcnica#
Marcello Castro
 
Aula tempo e tcnica#
Aula   tempo e tcnica#Aula   tempo e tcnica#
Aula tempo e tcnica#
Marcello Castro
 
O homem e as maquinas (1)
O homem e as maquinas (1)O homem e as maquinas (1)
O homem e as maquinas (1)
Joaquim Netto
 
Introducao As Teorias Da Cibercultura
Introducao As Teorias Da CiberculturaIntroducao As Teorias Da Cibercultura
Introducao As Teorias Da Cibercultura
gabizago
 
Curso de iniciação à Pedagogia Histórico-Crítica
Curso de iniciação à Pedagogia Histórico-CríticaCurso de iniciação à Pedagogia Histórico-Crítica
Curso de iniciação à Pedagogia Histórico-Crítica
profadnilson
 
A transformação da essência da ação humana
A transformação da essência da ação humana A transformação da essência da ação humana
A transformação da essência da ação humana
Rodrigo Abrantes
 
Tecnologia da informação, crescimento exponencial e a singularidade
Tecnologia da informação, crescimento exponencial e a singularidadeTecnologia da informação, crescimento exponencial e a singularidade
Tecnologia da informação, crescimento exponencial e a singularidade
Daniel Guedes
 
Ciborgues e a_historia
Ciborgues e a_historiaCiborgues e a_historia
Ciborgues e a_historia
thiagomitter
 
Adeus Mundo velho, bem vindo robôs!
Adeus Mundo velho, bem vindo robôs!Adeus Mundo velho, bem vindo robôs!
Adeus Mundo velho, bem vindo robôs!
Gustavo de Melo
 
Conceito de Técnica e Tecnologia [em Álvaro Vieira Pinto]
Conceito de Técnica e Tecnologia [em Álvaro Vieira Pinto]Conceito de Técnica e Tecnologia [em Álvaro Vieira Pinto]
Conceito de Técnica e Tecnologia [em Álvaro Vieira Pinto]
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Artigo texto sobre . tecnologia texto.pdf
Artigo texto sobre . tecnologia texto.pdfArtigo texto sobre . tecnologia texto.pdf
Artigo texto sobre . tecnologia texto.pdf
laizeoliveira10
 

Semelhante a Por uma Atuação Nao-maquinal (20)

Aula poshumano
Aula poshumanoAula poshumano
Aula poshumano
 
Brave newworld
Brave newworldBrave newworld
Brave newworld
 
Filosofia 2º bimestre - 3ª série - tecnologia e sociedade
Filosofia   2º bimestre - 3ª série - tecnologia e sociedadeFilosofia   2º bimestre - 3ª série - tecnologia e sociedade
Filosofia 2º bimestre - 3ª série - tecnologia e sociedade
 
As (des)realizações dos sujeitos que-vivem-do-trabalho
As (des)realizações dos sujeitos que-vivem-do-trabalhoAs (des)realizações dos sujeitos que-vivem-do-trabalho
As (des)realizações dos sujeitos que-vivem-do-trabalho
 
Aventura em busca de imagens jamais vistas
Aventura em busca de imagens jamais vistasAventura em busca de imagens jamais vistas
Aventura em busca de imagens jamais vistas
 
OS BENEFÍCIOS E OS RISCOS DA SINGULARIDADE TECNOLÓGICA BASEADA NA SUPERINTELI...
OS BENEFÍCIOS E OS RISCOS DA SINGULARIDADE TECNOLÓGICA BASEADA NA SUPERINTELI...OS BENEFÍCIOS E OS RISCOS DA SINGULARIDADE TECNOLÓGICA BASEADA NA SUPERINTELI...
OS BENEFÍCIOS E OS RISCOS DA SINGULARIDADE TECNOLÓGICA BASEADA NA SUPERINTELI...
 
Interpretação 8's
Interpretação 8'sInterpretação 8's
Interpretação 8's
 
Interação homem-máquina
Interação homem-máquinaInteração homem-máquina
Interação homem-máquina
 
A tecnologia nos faz melhores
A tecnologia nos faz melhoresA tecnologia nos faz melhores
A tecnologia nos faz melhores
 
Aula tempo e tcnica#
Aula   tempo e tcnica#Aula   tempo e tcnica#
Aula tempo e tcnica#
 
Aula tempo e tcnica#
Aula   tempo e tcnica#Aula   tempo e tcnica#
Aula tempo e tcnica#
 
O homem e as maquinas (1)
O homem e as maquinas (1)O homem e as maquinas (1)
O homem e as maquinas (1)
 
Introducao As Teorias Da Cibercultura
Introducao As Teorias Da CiberculturaIntroducao As Teorias Da Cibercultura
Introducao As Teorias Da Cibercultura
 
Curso de iniciação à Pedagogia Histórico-Crítica
Curso de iniciação à Pedagogia Histórico-CríticaCurso de iniciação à Pedagogia Histórico-Crítica
Curso de iniciação à Pedagogia Histórico-Crítica
 
A transformação da essência da ação humana
A transformação da essência da ação humana A transformação da essência da ação humana
A transformação da essência da ação humana
 
Tecnologia da informação, crescimento exponencial e a singularidade
Tecnologia da informação, crescimento exponencial e a singularidadeTecnologia da informação, crescimento exponencial e a singularidade
Tecnologia da informação, crescimento exponencial e a singularidade
 
Ciborgues e a_historia
Ciborgues e a_historiaCiborgues e a_historia
Ciborgues e a_historia
 
Adeus Mundo velho, bem vindo robôs!
Adeus Mundo velho, bem vindo robôs!Adeus Mundo velho, bem vindo robôs!
Adeus Mundo velho, bem vindo robôs!
 
Conceito de Técnica e Tecnologia [em Álvaro Vieira Pinto]
Conceito de Técnica e Tecnologia [em Álvaro Vieira Pinto]Conceito de Técnica e Tecnologia [em Álvaro Vieira Pinto]
Conceito de Técnica e Tecnologia [em Álvaro Vieira Pinto]
 
Artigo texto sobre . tecnologia texto.pdf
Artigo texto sobre . tecnologia texto.pdfArtigo texto sobre . tecnologia texto.pdf
Artigo texto sobre . tecnologia texto.pdf
 

Mais de DC-DinsmoreCompass

Case previ revisão de processos e dimensionamento de pessoal da diretoria de ...
Case previ revisão de processos e dimensionamento de pessoal da diretoria de ...Case previ revisão de processos e dimensionamento de pessoal da diretoria de ...
Case previ revisão de processos e dimensionamento de pessoal da diretoria de ...
DC-DinsmoreCompass
 
Case pró laudo - bpm em telemedicina
Case pró laudo - bpm em telemedicinaCase pró laudo - bpm em telemedicina
Case pró laudo - bpm em telemedicina
DC-DinsmoreCompass
 
Bpm day v1 petrobras
Bpm day v1 petrobrasBpm day v1 petrobras
Bpm day v1 petrobras
DC-DinsmoreCompass
 
Apresentação gestao de processos secretaria de segurança publica
Apresentação gestao de processos   secretaria de segurança publicaApresentação gestao de processos   secretaria de segurança publica
Apresentação gestao de processos secretaria de segurança publica
DC-DinsmoreCompass
 
Palestra ABPMP - Entendendo BPMS
Palestra ABPMP - Entendendo BPMSPalestra ABPMP - Entendendo BPMS
Palestra ABPMP - Entendendo BPMS
DC-DinsmoreCompass
 
Oracle BPM – Case SICREDI
Oracle BPM – Case SICREDIOracle BPM – Case SICREDI
Oracle BPM – Case SICREDI
DC-DinsmoreCompass
 
Gestão de Custos com o MyABCM
Gestão de Custos com o MyABCMGestão de Custos com o MyABCM
Gestão de Custos com o MyABCM
DC-DinsmoreCompass
 
INTELIE - Inteligência em Operação
INTELIE - Inteligência em OperaçãoINTELIE - Inteligência em Operação
INTELIE - Inteligência em Operação
DC-DinsmoreCompass
 
CRYO - Orquestra BPM
CRYO - Orquestra BPMCRYO - Orquestra BPM
CRYO - Orquestra BPM
DC-DinsmoreCompass
 
BIZAGI - Trazendo Agilidade para o Negócio
BIZAGI - Trazendo Agilidade para o NegócioBIZAGI - Trazendo Agilidade para o Negócio
BIZAGI - Trazendo Agilidade para o Negócio
DC-DinsmoreCompass
 
ARPO - Business Modeler: Apresentação da Solução
ARPO - Business Modeler: Apresentação da SoluçãoARPO - Business Modeler: Apresentação da Solução
ARPO - Business Modeler: Apresentação da Solução
DC-DinsmoreCompass
 
BPM Day Rio de Janeiro_Case Mellita
BPM Day Rio de Janeiro_Case MellitaBPM Day Rio de Janeiro_Case Mellita
BPM Day Rio de Janeiro_Case Mellita
DC-DinsmoreCompass
 
BPM Day Rio de Janeiro_Case Globalsat
BPM Day Rio de Janeiro_Case GlobalsatBPM Day Rio de Janeiro_Case Globalsat
BPM Day Rio de Janeiro_Case Globalsat
DC-DinsmoreCompass
 
BPM Day Rio de Janeiro_Case Berneck
BPM Day Rio de Janeiro_Case BerneckBPM Day Rio de Janeiro_Case Berneck
BPM Day Rio de Janeiro_Case Berneck
DC-DinsmoreCompass
 
PMI Global Congress 2012
PMI Global Congress 2012PMI Global Congress 2012
PMI Global Congress 2012
DC-DinsmoreCompass
 
Coaching e Resposta Emocional
Coaching e Resposta EmocionalCoaching e Resposta Emocional
Coaching e Resposta Emocional
DC-DinsmoreCompass
 
Artigo Aliança na Revista MundoPM
Artigo Aliança na Revista MundoPMArtigo Aliança na Revista MundoPM
Artigo Aliança na Revista MundoPM
DC-DinsmoreCompass
 
Apresentação Paul Dinsmore no PMI-RJ
Apresentação Paul Dinsmore no PMI-RJApresentação Paul Dinsmore no PMI-RJ
Apresentação Paul Dinsmore no PMI-RJ
DC-DinsmoreCompass
 
Revista PM Network
Revista PM NetworkRevista PM Network
Revista PM Network
DC-DinsmoreCompass
 
Apresentação Paul Dinsmore no evento do PMIRIO
Apresentação Paul Dinsmore no evento do PMIRIOApresentação Paul Dinsmore no evento do PMIRIO
Apresentação Paul Dinsmore no evento do PMIRIO
DC-DinsmoreCompass
 

Mais de DC-DinsmoreCompass (20)

Case previ revisão de processos e dimensionamento de pessoal da diretoria de ...
Case previ revisão de processos e dimensionamento de pessoal da diretoria de ...Case previ revisão de processos e dimensionamento de pessoal da diretoria de ...
Case previ revisão de processos e dimensionamento de pessoal da diretoria de ...
 
Case pró laudo - bpm em telemedicina
Case pró laudo - bpm em telemedicinaCase pró laudo - bpm em telemedicina
Case pró laudo - bpm em telemedicina
 
Bpm day v1 petrobras
Bpm day v1 petrobrasBpm day v1 petrobras
Bpm day v1 petrobras
 
Apresentação gestao de processos secretaria de segurança publica
Apresentação gestao de processos   secretaria de segurança publicaApresentação gestao de processos   secretaria de segurança publica
Apresentação gestao de processos secretaria de segurança publica
 
Palestra ABPMP - Entendendo BPMS
Palestra ABPMP - Entendendo BPMSPalestra ABPMP - Entendendo BPMS
Palestra ABPMP - Entendendo BPMS
 
Oracle BPM – Case SICREDI
Oracle BPM – Case SICREDIOracle BPM – Case SICREDI
Oracle BPM – Case SICREDI
 
Gestão de Custos com o MyABCM
Gestão de Custos com o MyABCMGestão de Custos com o MyABCM
Gestão de Custos com o MyABCM
 
INTELIE - Inteligência em Operação
INTELIE - Inteligência em OperaçãoINTELIE - Inteligência em Operação
INTELIE - Inteligência em Operação
 
CRYO - Orquestra BPM
CRYO - Orquestra BPMCRYO - Orquestra BPM
CRYO - Orquestra BPM
 
BIZAGI - Trazendo Agilidade para o Negócio
BIZAGI - Trazendo Agilidade para o NegócioBIZAGI - Trazendo Agilidade para o Negócio
BIZAGI - Trazendo Agilidade para o Negócio
 
ARPO - Business Modeler: Apresentação da Solução
ARPO - Business Modeler: Apresentação da SoluçãoARPO - Business Modeler: Apresentação da Solução
ARPO - Business Modeler: Apresentação da Solução
 
BPM Day Rio de Janeiro_Case Mellita
BPM Day Rio de Janeiro_Case MellitaBPM Day Rio de Janeiro_Case Mellita
BPM Day Rio de Janeiro_Case Mellita
 
BPM Day Rio de Janeiro_Case Globalsat
BPM Day Rio de Janeiro_Case GlobalsatBPM Day Rio de Janeiro_Case Globalsat
BPM Day Rio de Janeiro_Case Globalsat
 
BPM Day Rio de Janeiro_Case Berneck
BPM Day Rio de Janeiro_Case BerneckBPM Day Rio de Janeiro_Case Berneck
BPM Day Rio de Janeiro_Case Berneck
 
PMI Global Congress 2012
PMI Global Congress 2012PMI Global Congress 2012
PMI Global Congress 2012
 
Coaching e Resposta Emocional
Coaching e Resposta EmocionalCoaching e Resposta Emocional
Coaching e Resposta Emocional
 
Artigo Aliança na Revista MundoPM
Artigo Aliança na Revista MundoPMArtigo Aliança na Revista MundoPM
Artigo Aliança na Revista MundoPM
 
Apresentação Paul Dinsmore no PMI-RJ
Apresentação Paul Dinsmore no PMI-RJApresentação Paul Dinsmore no PMI-RJ
Apresentação Paul Dinsmore no PMI-RJ
 
Revista PM Network
Revista PM NetworkRevista PM Network
Revista PM Network
 
Apresentação Paul Dinsmore no evento do PMIRIO
Apresentação Paul Dinsmore no evento do PMIRIOApresentação Paul Dinsmore no evento do PMIRIO
Apresentação Paul Dinsmore no evento do PMIRIO
 

Por uma Atuação Nao-maquinal

  • 1. Por uma atuação não-maquinal Texto do livro Riscos do Capital Humano (Brasport, 2012), de Luis Adonis Correia As apresentações de gestores estão carregadas de slides e sentenças que destacam que, nas empresas, o mais importante é homem. Curiosamente se utilizam de uma linguagem contábil (ativo principal, capital intelectual) para uma afirmação tão transcendente. Para marcar posição e não deixar dúvidas, surge ainda a frase “o computador é só uma ferramenta”, com poucas variações. Isso não seria tão pernicioso se fosse só demagogia, mas a interpretação de tecnologia como ferramenta, como um instrumento para “conseguir coisas”, é inapropriada e denuncia falta de visão sistêmica. Instrumentos são usados para arrancar objetos da natureza para aproximá-los do homem, e assim os modificam. São prolongamentos de órgãos do corpo. Dentes, mãos, dedos, braços. Por serem prolongamentos alcançam mais longe e profundo a natureza, são mais poderosos e eficientes. Instrumentos simulam o órgão que prolongam: enxada, dente; flecha, dedo; martelo, punho. Eram inicialmente empíricos e depois técnicos, quando da revolução industrial, em função das teorias científicas para simulação. Os instrumentos, primeiro em função do homem, depois grande parte em função das máquinas, tornaram-se mais poderosos, caros, gerando produtos mais baratos e numerosos. Quando os instrumentos viraram máquinas, a relação com o homem se inverteu. Antes da revolução industrial, os instrumentos cercavam os homens, depois as máquinas eram por eles cercadas. O homem era a constante da relação e o instrumento era a variável; então a máquina passou a ser relativamente constante. No filme “O Encouraçado Potemkin” há uma sequência que intercala imagens de braço, corda, corpo, máquina. A teoria de montagem de Eisenstein evidenciou com brilhantismo a distinção homem-máquina. Isso em 1925. O filme é eterno, mas essas referências são datadas. Aquela delimitação não é mais nítida, e isso não é problema da qualidade da cópia nem dos negativos. Em nosso tempo, o empregado não se encontra cercado de instrumentos como o artesão pré-industrial , nem está submisso à máquina, como o proletário industrial, mas encontra-se no interior. É uma função nova, na qual o homem não é constante nem variável. Homem e computador se confundem. Os limites se esvaecem. É esse amálgama a representação do mundo contemporâneo. Computador é o nosso aparelho. Aparelho, etimologicamente, vem de apparatus, que deriva dos verbos adparare (prontidão para algo, como se estivesse à espreita) e praeparare (disponibilidade em prol de algo). Produz símbolos, manipula e armazena. Os resultados são mensagens. Atuamos na permutação de símbolos, como em um jogo, e oscilamos entre homo faber e homo ludens. Mas isso não é brincadeira. A categoria fundamental do terreno industrial e também do pré-industrial é o trabalho. Instrumentos trabalham: arrancam objetos da natureza e os transformam. Computadores não trabalham. Não têm intenção de transformar o mundo, mas modificam a vida dos homens.
  • 2. Diferentemente das revoluções históricas precedentes, vivenciamos uma revolução que desqualifica o ser humano diante da perfeição tecnológica. A verdadeira revolução antropológica, segundo Baudrillard. Uma decisão tomada por diretrizes tecnológicas, e não por diretrizes humanas, ocorre quando há a prevalência da instância técnica. Reconhecer essa superioridade é renunciar ao papel humano. O homem moderno passou a ser medido pela perfeição de seu aparato tecnológico. A obsolescência do ser humano diante da máquina é uma revolução que marca o nascimento de um mundo sem o humano. Também segundo Baudrillard, aproveitando-se do conceito hegeliano, “se houve o sujeito da História, não haverá o sujeito do fim da História”. Nesse cenário de hegemonia tecnológica, qual a finalidade histórica do homem moderno, tornado obsoleto pela lógica e automatismo da tecnologia? Qual será seu papel, se há progressivamente uma perda da capacidade de transformação e de inquietação? Somado a isso, os governos vêm estabelecendo agendas que os colocam como parceiros ou coadjuvantes comerciais tão-somente. Ignoram suas missões históricas e tornam medíocre a vida pública. E nós? A questão principal então não seria mais transformar o mundo, mas entender as transformações para que estas não ocorram sem a participação humana. Seria? De qualquer forma, é essa mesma realidade que deve obrigar cada um de nós a se reposicionar. Gestores de todo o mundo, uni-vos!