SlideShare uma empresa Scribd logo
EDUCAÇÃO FÍSICA
Tema: Diabetes
Professora: MARTA
INTRODUÇÃO
13:49
EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 2
COMPONENTES
▪Carla Patrícia
▪Edivânia
Marques
▪Expedita
▪Irani Fabrícia
▪Juliana
▪Layra Shirley
▪Margarida Maria
▪Natã Gomes
▪Miriam
Alcântara
▪Silvânia 13:49
EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 3
SUMÁRIO
▪ INTRODUÇÃO
▪ O QUE É
▪ PRINCIPAIS TIPOS
▪ TRATAMENTOS
▪ PREVENÇÃO
▪ DIAGNÓSTICO
▪ TABELA REMISSIVA
13:49
EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 4
INTRODUÇÃO
▪ O que vamos ver aqui?
Nesse trabalho iremos falar sobre
o Diabetes.
Veremos os principais tipos. Que
fatores estão ligados a esses tipos de
Diabetes. Sintomas que podem ser
significativos. Alguns tratamentos
recomendados e também como se
prevenir, até vendo três passos que
podem ajudar na prevenção. Também
13:49
EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 5
O QUE É
13:49
EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 6
O QUE É
▪ O diabetes é uma doença que provoca um nível
excessivo de açúcar no sangue. Ele descontrola o
processo que transfere o açúcar da corrente
sanguínea para as células, onde é transformado em
energia. Esse descontrole danifica órgãos vitais e
prejudica a circulação sanguínea, algumas vezes
levando à cegueira, a doenças renais ou à amputação
de dedos do pé ou do pé inteiro. Um grande número
de diabéticos morre de ataque cardíaco ou de
derrame.
▪ Um fator que muitas vezes contribui para o diabetes
tipo 2 é o excesso de gordura corporal. Especialistas
13:49
EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 FONTE: Despertai! edição Setembrode 2014 7
PRINCIPAIS TIPOS
13:49
EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 8
PRINCIPAISTIPOS
Diabetes tipo 1
▪ Esse tipo de diabetes era antigamente conhecido como
diabetes juvenil, porque é o tipo mais encontrado em
crianças e jovens adultos. Mas pode afetar pessoas de
todas as idades. Embora não se saiba a causa do diabetes,
há vários fatores que alguns creem estejam ligados ao
diabetes tipo 1:
1. Herança genética
2. Autoimunidade (o corpo se torna alérgico a um de seus
tecidos ou tipos de célula, nesse caso, as do pâncreas)
3. Ambiental (vírus ou produtos químicos)
▪ É possível que infecções virais e outros fatores resultem em
danos às células das ilhotas (os grupos de célula do pâncreas
que produzem a insulina). Quanto mais células das ilhotas
13:49
EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 FONTE: Despertai! edição Stembrode 1999 9
PRINCIPAISTIPOS
▪ Os diabéticos têm vários sintomas:
1. Urinam frequentemente;
2. Têm muita sede;
3. Fome frequente; o corpo fica faminto porque não está
conseguindo utilizar a energia da comida que ingere.;
4. Perda de peso. Quando o corpo não consegue fazer o açúcar
entrar nas células, queima a própria gordura e proteínas
para obter energia, resultando em perda de peso;
5. Irritabilidade. Se o diabético tem de levantar muitas vezes
à noite para urinar, não consegue dormir profundamente.
Isso pode causar mudanças de comportamento.
▪ No diabetes tipo 1, o pâncreas produz pouca insulina ou
nenhuma. Nesses casos é preciso tomar insulina todos os dias,
geralmente por injeção (a insulina é destruída no estômago se
13:49
EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 FONTE: Despertai! edição Setembrode 1999 10
PRINCIPAISTIPOS
Diabetes tipo 2
▪ Não deve ser confundido com o tipo 1. Acontece
quando o corpo não produz insulina suficiente ou não a
utiliza de forma eficiente. É o tipo mais comum em
adultos acima de 40 anos e, em geral, se manifesta
gradativamente. Há fatores hereditários envolvidos,
com frequência agravados pela dieta ruim e pelo
excesso de peso. Em muitos casos podem-se usar, pelo
menos no início, pílulas que estimulam o pâncreas a
produzir mais insulina. Não são pílulas de insulina.
13:49
EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 FONTE: Despertai! edição Setembrode 1999 11
TRATAMENTOS
13:49
EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 12
TRATAMENTOS
Dieta e exercício
▪ O livro “Diabetes: Cuide de Suas Emoções bem como de Sua
Saúde” (em inglês) diz: “Muitos dos que talvez tenham uma
propensão genética evitam o aparecimento de qualquer sinal
dessa doença simplesmente por terem uma dieta equilibrada e
se exercitarem com regularidade, permanecendo assim
fisicamente aptos e com o peso dentro dos limites normais.”
▪ Pesquisadores da revista da Associação Médica Americana
sugerem pelo menos 30 minutos de atividade física moderada
na maioria, ou em todos, os dias da semana. Pode ser algo tão
simples como caminhar, que, como diz o “Guia Completo da
Associação Americana de Diabetes” (em inglês), “é
provavelmente a melhor, a mais segura e a menos dispendiosa
forma de exercício”.
13:49
EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 FONTE: Despertai! edição Setembrode 1999 13
TRATAMENTOS
Terapia à base de insulina
▪ Muitos diabéticos precisam suplementar seu programa de dieta
e de exercícios com testes diários dos níveis de glicose e
múltiplas injeções de insulina. “Ter de tomar insulina não
significa um fracasso de sua parte”, diz Mary Ann, enfermeira
formada que cuida de pacientes diabéticos. “Seja qual for o
seu tipo de diabetes, se você controlar bem o nível de açúcar
no sangue, estará minimizando outros problemas de saúde mais
tarde”, acrescenta. De fato, um estudo recente revelou que
diabéticos de tipo 1 que controlaram estritamente seu nível de
açúcar “tiveram reduções drásticas nas ocorrências de doenças
diabéticas dos olhos, dos rins e dos nervos”. O risco de doença
nos olhos (retinopatia), por exemplo, caiu 76%! Os diabéticos
de tipo 2 que controlam rigidamente seus níveis de açúcar
13:49
EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 FONTE: Despertai! edição Maiode 2003 14
TRATAMENTOS
Terapia à base de insulina
▪ Para tornar a terapia com insulina mais fácil e menos sofrida,
as seringas e as canetas aplicadoras de insulina — os
dispositivos mais usados — têm agulhas ultrafinas que causam o
mínimo de desconforto. Outros métodos de injeção incluem
injetores automáticos que introduzem uma agulha na pele de
maneira indolor, injetores que literalmente atiram insulina
através da pele por meio de um jato finíssimo, e tubos de
infusão que empregam um cateter que fica posicionado por dois
ou três dias. Mais ou menos do tamanho de um pequeno
aparelho de bipe, a bomba de insulina ganhou popularidade em
anos recentes. Esse aparelho programável libera insulina
através de um cateter num ritmo constante, segundo as
necessidades diárias do corpo, tornando as aplicações de
13:49
EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 FONTE: Despertai! edição Maiode 2003 15
PREVENÇÃO
13:49
EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 16
PREVENÇÃO
▪ O diabetes muitas vezes pode ser controlado. “A
dieta é fundamental no tratamento do diabetes,
quer seja prescrita insulina, quer não”, diz The
Encyclopædia Britannica. O Dr. Marcel Bayol, do
Hospital Kings County, de Nova York, disse a
Despertai!: “Se os diabéticos levarem a sério a
sua doença, se cuidarem da dieta e se
submeterem à supervisão médica, reduzirão o
risco de perder um membro inferior.” Os
portadores de diabetes tipo II que seguem essa
orientação podem até amenizar os sintomas com o
tempo. 13:49
EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 FONTE: Despertai! edição Junho de 1999 17
PREVENÇÃO
Três passos que podem ajudar na prevenção do
diabetes
1. Se você pertence a um grupo de risco, faça um
exame de seu nível de açúcar no sangue. Antes de
desenvolver diabetes tipo 2, uma pessoa geralmente
apresenta o pré-diabetes — quando o nível de açúcar
no sangue está um pouco mais alto do que o normal.
2. Alimente-se de forma saudável. Procurar ter uma
dieta saudável. Comer porções menores do que
costuma comer. Beber água, chá ou café, em vez de
sucos e refrigerantes que contêm açúcar. Em vez de
alimentos refinados, comer com moderação pão,
arroz e massa, integrais. É preferível carnes magras,
peixe, feijão e frutos oleaginosos, como nozes,
avelãs e amêndoas.
13:49
EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 FONTE: Despertai! edição Setembrode 2014 18
DIAGNÓSTICO
13:49
EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 19
DIAGNÓSTICO
▪ O diagnóstico do Diabetes inicialmente é feito através
dos sintomas descritos pelo paciente ao médico, depois
pelo exame clínico e por fim são feitos exames
laboratoriais para confirmação do diagnóstico. Quando já
se possui histórico de diabetes na família se faz alguns
exames de forma rotineira como meio de prevenir o
aparecimento do diabetes.
EXAMES SUGERIDOS
Glicemia de jejum
▪ Inicialmente, o primeiro exame realizado para verificar
se um indivíduo é portador de diabetes, ou possui
tendência a se tornar, é a glicemia de jejum. Os valores
considerados normais, após jejum de oito horas, são de
13:49
EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 FONTE: www.portaldiabetes.com.br 20
DIAGNÓSTICO
EXAMES SUGERIDOS
Glicemia pós-prandial
▪ O método mais simples e cômodo para avaliar se o
individuo está diabético, principalmente da diabetes tipo
2, é dosar a glicemia 1, 2, 3 horas após uma refeição rica
em carboidratos. Em pessoas normais a glicemia não deve
ser superior a 160 mg/dl, 120 mg/dl, 100 mg/ dl em 1, 2,
3 horas respectivamente.
Curva glicêmica
▪ Este exame consiste em, após uma coleta de sangue em
jejum, administra-se glicose por via oral ou glucagon de
maneira subcutânea e repete a coleta de sangue 1, 2, 3
13:49
EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 FONTE: www.portaldiabetes.com.br 21
TABELA REMISSIVA
13:49
EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 22
Diabetes em termos simples
PÂNCREAS
↓ ↓ ↓
Pessoa saudável Diabetes tipo 1 Diabetes tipo 2
Depois de uma refeição, o pâncreas
reage ao aumento de glicose no
sangue liberando a quantidade certa
de insulina.
As células-beta no pâncreas, produtoras
de insulina, são atacadas pelo sistema
imunológico. Com isso, cessa a produção
de insulina.
Na maioria dos casos, o pâncreas produz uma
quantidade limitada de insulina.
↓ ↓ ↓
Moléculas de insulina aderem a
receptores nas células musculares e
em outras células. Is-so, por sua
vez, ativa “portas” que permitem a
entrada das molécu-las de glicose.
Sem a ajuda da insulina, as moléculas de
glicose não podem penetrar nas células.
Se os receptores são menos sensíveis à
insulina, as “portas” necessárias para
absorver a glicose do sangue não se abrem.
↓ ↓ ↓
A glicose é absorvida e queimada
pelas células musculares. Assim, a
taxa de glicose na corrente
sanguínea volta ao normal.
A glicose se acumula no sangue,
impedindo processos vitais e danificando
as paredes dos vasos sanguíneos.
13:49
EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 23
13:49
EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 24
FIM
Obrigadopelaatenção!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a TEMA DIABETES - EDUCAÇÃO FÍSICA.pptx

Diabetes portuguese final (1)
Diabetes portuguese final (1)Diabetes portuguese final (1)
Diabetes portuguese final (1)
Airton Santos
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
Renato
 
Convivendo com a Diabetes
Convivendo com a DiabetesConvivendo com a Diabetes
Convivendo com a Diabetes
cipasap
 
Manual d diabetes
Manual d diabetesManual d diabetes
Manual d diabetes
barbiebruxadoleste
 
Dia mundial da diabetes
Dia mundial da diabetesDia mundial da diabetes
Dia mundial da diabetes
Maria José Ramalho
 
Att00077
Att00077Att00077
Att00077
petehunttoons
 
3 e book-a_crianca_e_a_diabetes_aqui_aprendes_a_comer_
3 e book-a_crianca_e_a_diabetes_aqui_aprendes_a_comer_3 e book-a_crianca_e_a_diabetes_aqui_aprendes_a_comer_
3 e book-a_crianca_e_a_diabetes_aqui_aprendes_a_comer_
Licínia Simões
 
Diabetes na criança
Diabetes na criançaDiabetes na criança
Diabetes na criança
BIBFJ
 
Diadetes na criança
Diadetes na criançaDiadetes na criança
Diadetes na criança
BIBFJ
 
Informe chega-de-diabetes
Informe chega-de-diabetes Informe chega-de-diabetes
Informe chega-de-diabetes
Dr Chela
 
Diabetes, tipos, sintomas e tratamentos Controle da Diabetes Brasil
Diabetes, tipos, sintomas e tratamentos   Controle da Diabetes BrasilDiabetes, tipos, sintomas e tratamentos   Controle da Diabetes Brasil
Diabetes, tipos, sintomas e tratamentos Controle da Diabetes Brasil
ControledaDiabetesBr
 
Informe Chega de Diabetes
Informe Chega de DiabetesInforme Chega de Diabetes
Informe Chega de Diabetes
m4rc10siqueira
 
As 15 Melhores formas de controla o Diabetes
As 15 Melhores formas de controla o DiabetesAs 15 Melhores formas de controla o Diabetes
As 15 Melhores formas de controla o Diabetes
Tookmed
 
Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)
Luciane Santana
 
Dia Mundial da Diabetes
Dia Mundial da DiabetesDia Mundial da Diabetes
Dia Mundial da Diabetes
Fátima Rocha
 
Chega de Diabetes - Norman Hook
 Chega de Diabetes - Norman Hook Chega de Diabetes - Norman Hook
Chega de Diabetes - Norman Hook
Maria Fernanda Castillo
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Conhecendo diabetes
Conhecendo diabetesConhecendo diabetes
Conhecendo diabetes
saudefieb
 
Sou Diabético, E Agora? Um guia prático para simplificar a vida do diabético
Sou Diabético, E Agora? Um guia prático para simplificar a vida do diabéticoSou Diabético, E Agora? Um guia prático para simplificar a vida do diabético
Sou Diabético, E Agora? Um guia prático para simplificar a vida do diabético
Dr. Benevenuto
 
4 Passos para Controlar a Diabetes versão 2021
4 Passos para Controlar a Diabetes versão 20214 Passos para Controlar a Diabetes versão 2021
4 Passos para Controlar a Diabetes versão 2021
ControledaDiabetesBr
 

Semelhante a TEMA DIABETES - EDUCAÇÃO FÍSICA.pptx (20)

Diabetes portuguese final (1)
Diabetes portuguese final (1)Diabetes portuguese final (1)
Diabetes portuguese final (1)
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Convivendo com a Diabetes
Convivendo com a DiabetesConvivendo com a Diabetes
Convivendo com a Diabetes
 
Manual d diabetes
Manual d diabetesManual d diabetes
Manual d diabetes
 
Dia mundial da diabetes
Dia mundial da diabetesDia mundial da diabetes
Dia mundial da diabetes
 
Att00077
Att00077Att00077
Att00077
 
3 e book-a_crianca_e_a_diabetes_aqui_aprendes_a_comer_
3 e book-a_crianca_e_a_diabetes_aqui_aprendes_a_comer_3 e book-a_crianca_e_a_diabetes_aqui_aprendes_a_comer_
3 e book-a_crianca_e_a_diabetes_aqui_aprendes_a_comer_
 
Diabetes na criança
Diabetes na criançaDiabetes na criança
Diabetes na criança
 
Diadetes na criança
Diadetes na criançaDiadetes na criança
Diadetes na criança
 
Informe chega-de-diabetes
Informe chega-de-diabetes Informe chega-de-diabetes
Informe chega-de-diabetes
 
Diabetes, tipos, sintomas e tratamentos Controle da Diabetes Brasil
Diabetes, tipos, sintomas e tratamentos   Controle da Diabetes BrasilDiabetes, tipos, sintomas e tratamentos   Controle da Diabetes Brasil
Diabetes, tipos, sintomas e tratamentos Controle da Diabetes Brasil
 
Informe Chega de Diabetes
Informe Chega de DiabetesInforme Chega de Diabetes
Informe Chega de Diabetes
 
As 15 Melhores formas de controla o Diabetes
As 15 Melhores formas de controla o DiabetesAs 15 Melhores formas de controla o Diabetes
As 15 Melhores formas de controla o Diabetes
 
Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)
 
Dia Mundial da Diabetes
Dia Mundial da DiabetesDia Mundial da Diabetes
Dia Mundial da Diabetes
 
Chega de Diabetes - Norman Hook
 Chega de Diabetes - Norman Hook Chega de Diabetes - Norman Hook
Chega de Diabetes - Norman Hook
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Conhecendo diabetes
Conhecendo diabetesConhecendo diabetes
Conhecendo diabetes
 
Sou Diabético, E Agora? Um guia prático para simplificar a vida do diabético
Sou Diabético, E Agora? Um guia prático para simplificar a vida do diabéticoSou Diabético, E Agora? Um guia prático para simplificar a vida do diabético
Sou Diabético, E Agora? Um guia prático para simplificar a vida do diabético
 
4 Passos para Controlar a Diabetes versão 2021
4 Passos para Controlar a Diabetes versão 20214 Passos para Controlar a Diabetes versão 2021
4 Passos para Controlar a Diabetes versão 2021
 

Mais de EEMAS

PERIODOS DA REVOLUÇÃO FRANCESA - HOSTORIA.pdf
PERIODOS DA REVOLUÇÃO FRANCESA  - HOSTORIA.pdfPERIODOS DA REVOLUÇÃO FRANCESA  - HOSTORIA.pdf
PERIODOS DA REVOLUÇÃO FRANCESA - HOSTORIA.pdf
EEMAS
 
TUNDRA - GEOGRAFIA.pptx
TUNDRA - GEOGRAFIA.pptxTUNDRA - GEOGRAFIA.pptx
TUNDRA - GEOGRAFIA.pptx
EEMAS
 
O BRASIL DO SERTÃO.pptx
O BRASIL DO SERTÃO.pptxO BRASIL DO SERTÃO.pptx
O BRASIL DO SERTÃO.pptx
EEMAS
 
MAUS TRATOS DE ANIMAIS - SOCIOLOGIA.pptx
MAUS TRATOS DE ANIMAIS - SOCIOLOGIA.pptxMAUS TRATOS DE ANIMAIS - SOCIOLOGIA.pptx
MAUS TRATOS DE ANIMAIS - SOCIOLOGIA.pptx
EEMAS
 
O CORAÇÃO.pptx
O CORAÇÃO.pptxO CORAÇÃO.pptx
O CORAÇÃO.pptx
EEMAS
 
ESTADOS UNIDOS DA AMERICA.pptx
ESTADOS UNIDOS DA AMERICA.pptxESTADOS UNIDOS DA AMERICA.pptx
ESTADOS UNIDOS DA AMERICA.pptx
EEMAS
 
CONSEQUENCIAS DA REVOLUÇÃO FRANCESA.pptx
CONSEQUENCIAS DA REVOLUÇÃO FRANCESA.pptxCONSEQUENCIAS DA REVOLUÇÃO FRANCESA.pptx
CONSEQUENCIAS DA REVOLUÇÃO FRANCESA.pptx
EEMAS
 
CONSEQUENCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL - YARA.pdf
CONSEQUENCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL - YARA.pdfCONSEQUENCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL - YARA.pdf
CONSEQUENCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL - YARA.pdf
EEMAS
 
ALBERT EISTEIN - EDUCAÇÃO FÍSICA.pptx
ALBERT EISTEIN - EDUCAÇÃO FÍSICA.pptxALBERT EISTEIN - EDUCAÇÃO FÍSICA.pptx
ALBERT EISTEIN - EDUCAÇÃO FÍSICA.pptx
EEMAS
 
LEONARDO DA VINCI - ANA LOUISY.pdf
LEONARDO DA VINCI  - ANA LOUISY.pdfLEONARDO DA VINCI  - ANA LOUISY.pdf
LEONARDO DA VINCI - ANA LOUISY.pdf
EEMAS
 
RENASCIMENTO CULTURAL E CIENTIFICO.pptx
RENASCIMENTO CULTURAL E CIENTIFICO.pptxRENASCIMENTO CULTURAL E CIENTIFICO.pptx
RENASCIMENTO CULTURAL E CIENTIFICO.pptx
EEMAS
 
VIOLÊNCIA - HISTORIA.pptx
VIOLÊNCIA - HISTORIA.pptxVIOLÊNCIA - HISTORIA.pptx
VIOLÊNCIA - HISTORIA.pptx
EEMAS
 
MONARQUIA - FILOSOFIA.pdf
MONARQUIA - FILOSOFIA.pdfMONARQUIA - FILOSOFIA.pdf
MONARQUIA - FILOSOFIA.pdf
EEMAS
 
AGRONEGÓCIO NO BRASIL .pdf
AGRONEGÓCIO NO BRASIL .pdfAGRONEGÓCIO NO BRASIL .pdf
AGRONEGÓCIO NO BRASIL .pdf
EEMAS
 
AS FACES DA VIOLÊNCIA.pptx
AS FACES DA VIOLÊNCIA.pptxAS FACES DA VIOLÊNCIA.pptx
AS FACES DA VIOLÊNCIA.pptx
EEMAS
 
SLIDE - A ORIGEM DOS SERES HUMANOS.pptx
SLIDE - A ORIGEM DOS SERES HUMANOS.pptxSLIDE - A ORIGEM DOS SERES HUMANOS.pptx
SLIDE - A ORIGEM DOS SERES HUMANOS.pptx
EEMAS
 
TEMA - TURISMO.pptx
TEMA - TURISMO.pptxTEMA - TURISMO.pptx
TEMA - TURISMO.pptx
EEMAS
 
EVOLUÇÃO DE CHARLES DARWIN.pptx
EVOLUÇÃO DE CHARLES DARWIN.pptxEVOLUÇÃO DE CHARLES DARWIN.pptx
EVOLUÇÃO DE CHARLES DARWIN.pptx
EEMAS
 
EVOLUÇÃO DAS ESPECIES - BIOLOGIA.pptx
EVOLUÇÃO DAS ESPECIES - BIOLOGIA.pptxEVOLUÇÃO DAS ESPECIES - BIOLOGIA.pptx
EVOLUÇÃO DAS ESPECIES - BIOLOGIA.pptx
EEMAS
 
AGRONEGÓCIO NO BRASIL .pdf
AGRONEGÓCIO NO BRASIL .pdfAGRONEGÓCIO NO BRASIL .pdf
AGRONEGÓCIO NO BRASIL .pdf
EEMAS
 

Mais de EEMAS (20)

PERIODOS DA REVOLUÇÃO FRANCESA - HOSTORIA.pdf
PERIODOS DA REVOLUÇÃO FRANCESA  - HOSTORIA.pdfPERIODOS DA REVOLUÇÃO FRANCESA  - HOSTORIA.pdf
PERIODOS DA REVOLUÇÃO FRANCESA - HOSTORIA.pdf
 
TUNDRA - GEOGRAFIA.pptx
TUNDRA - GEOGRAFIA.pptxTUNDRA - GEOGRAFIA.pptx
TUNDRA - GEOGRAFIA.pptx
 
O BRASIL DO SERTÃO.pptx
O BRASIL DO SERTÃO.pptxO BRASIL DO SERTÃO.pptx
O BRASIL DO SERTÃO.pptx
 
MAUS TRATOS DE ANIMAIS - SOCIOLOGIA.pptx
MAUS TRATOS DE ANIMAIS - SOCIOLOGIA.pptxMAUS TRATOS DE ANIMAIS - SOCIOLOGIA.pptx
MAUS TRATOS DE ANIMAIS - SOCIOLOGIA.pptx
 
O CORAÇÃO.pptx
O CORAÇÃO.pptxO CORAÇÃO.pptx
O CORAÇÃO.pptx
 
ESTADOS UNIDOS DA AMERICA.pptx
ESTADOS UNIDOS DA AMERICA.pptxESTADOS UNIDOS DA AMERICA.pptx
ESTADOS UNIDOS DA AMERICA.pptx
 
CONSEQUENCIAS DA REVOLUÇÃO FRANCESA.pptx
CONSEQUENCIAS DA REVOLUÇÃO FRANCESA.pptxCONSEQUENCIAS DA REVOLUÇÃO FRANCESA.pptx
CONSEQUENCIAS DA REVOLUÇÃO FRANCESA.pptx
 
CONSEQUENCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL - YARA.pdf
CONSEQUENCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL - YARA.pdfCONSEQUENCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL - YARA.pdf
CONSEQUENCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL - YARA.pdf
 
ALBERT EISTEIN - EDUCAÇÃO FÍSICA.pptx
ALBERT EISTEIN - EDUCAÇÃO FÍSICA.pptxALBERT EISTEIN - EDUCAÇÃO FÍSICA.pptx
ALBERT EISTEIN - EDUCAÇÃO FÍSICA.pptx
 
LEONARDO DA VINCI - ANA LOUISY.pdf
LEONARDO DA VINCI  - ANA LOUISY.pdfLEONARDO DA VINCI  - ANA LOUISY.pdf
LEONARDO DA VINCI - ANA LOUISY.pdf
 
RENASCIMENTO CULTURAL E CIENTIFICO.pptx
RENASCIMENTO CULTURAL E CIENTIFICO.pptxRENASCIMENTO CULTURAL E CIENTIFICO.pptx
RENASCIMENTO CULTURAL E CIENTIFICO.pptx
 
VIOLÊNCIA - HISTORIA.pptx
VIOLÊNCIA - HISTORIA.pptxVIOLÊNCIA - HISTORIA.pptx
VIOLÊNCIA - HISTORIA.pptx
 
MONARQUIA - FILOSOFIA.pdf
MONARQUIA - FILOSOFIA.pdfMONARQUIA - FILOSOFIA.pdf
MONARQUIA - FILOSOFIA.pdf
 
AGRONEGÓCIO NO BRASIL .pdf
AGRONEGÓCIO NO BRASIL .pdfAGRONEGÓCIO NO BRASIL .pdf
AGRONEGÓCIO NO BRASIL .pdf
 
AS FACES DA VIOLÊNCIA.pptx
AS FACES DA VIOLÊNCIA.pptxAS FACES DA VIOLÊNCIA.pptx
AS FACES DA VIOLÊNCIA.pptx
 
SLIDE - A ORIGEM DOS SERES HUMANOS.pptx
SLIDE - A ORIGEM DOS SERES HUMANOS.pptxSLIDE - A ORIGEM DOS SERES HUMANOS.pptx
SLIDE - A ORIGEM DOS SERES HUMANOS.pptx
 
TEMA - TURISMO.pptx
TEMA - TURISMO.pptxTEMA - TURISMO.pptx
TEMA - TURISMO.pptx
 
EVOLUÇÃO DE CHARLES DARWIN.pptx
EVOLUÇÃO DE CHARLES DARWIN.pptxEVOLUÇÃO DE CHARLES DARWIN.pptx
EVOLUÇÃO DE CHARLES DARWIN.pptx
 
EVOLUÇÃO DAS ESPECIES - BIOLOGIA.pptx
EVOLUÇÃO DAS ESPECIES - BIOLOGIA.pptxEVOLUÇÃO DAS ESPECIES - BIOLOGIA.pptx
EVOLUÇÃO DAS ESPECIES - BIOLOGIA.pptx
 
AGRONEGÓCIO NO BRASIL .pdf
AGRONEGÓCIO NO BRASIL .pdfAGRONEGÓCIO NO BRASIL .pdf
AGRONEGÓCIO NO BRASIL .pdf
 

Último

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 

Último (20)

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 

TEMA DIABETES - EDUCAÇÃO FÍSICA.pptx

  • 3. COMPONENTES ▪Carla Patrícia ▪Edivânia Marques ▪Expedita ▪Irani Fabrícia ▪Juliana ▪Layra Shirley ▪Margarida Maria ▪Natã Gomes ▪Miriam Alcântara ▪Silvânia 13:49 EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 3
  • 4. SUMÁRIO ▪ INTRODUÇÃO ▪ O QUE É ▪ PRINCIPAIS TIPOS ▪ TRATAMENTOS ▪ PREVENÇÃO ▪ DIAGNÓSTICO ▪ TABELA REMISSIVA 13:49 EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 4
  • 5. INTRODUÇÃO ▪ O que vamos ver aqui? Nesse trabalho iremos falar sobre o Diabetes. Veremos os principais tipos. Que fatores estão ligados a esses tipos de Diabetes. Sintomas que podem ser significativos. Alguns tratamentos recomendados e também como se prevenir, até vendo três passos que podem ajudar na prevenção. Também 13:49 EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 5
  • 6. O QUE É 13:49 EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 6
  • 7. O QUE É ▪ O diabetes é uma doença que provoca um nível excessivo de açúcar no sangue. Ele descontrola o processo que transfere o açúcar da corrente sanguínea para as células, onde é transformado em energia. Esse descontrole danifica órgãos vitais e prejudica a circulação sanguínea, algumas vezes levando à cegueira, a doenças renais ou à amputação de dedos do pé ou do pé inteiro. Um grande número de diabéticos morre de ataque cardíaco ou de derrame. ▪ Um fator que muitas vezes contribui para o diabetes tipo 2 é o excesso de gordura corporal. Especialistas 13:49 EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 FONTE: Despertai! edição Setembrode 2014 7
  • 9. PRINCIPAISTIPOS Diabetes tipo 1 ▪ Esse tipo de diabetes era antigamente conhecido como diabetes juvenil, porque é o tipo mais encontrado em crianças e jovens adultos. Mas pode afetar pessoas de todas as idades. Embora não se saiba a causa do diabetes, há vários fatores que alguns creem estejam ligados ao diabetes tipo 1: 1. Herança genética 2. Autoimunidade (o corpo se torna alérgico a um de seus tecidos ou tipos de célula, nesse caso, as do pâncreas) 3. Ambiental (vírus ou produtos químicos) ▪ É possível que infecções virais e outros fatores resultem em danos às células das ilhotas (os grupos de célula do pâncreas que produzem a insulina). Quanto mais células das ilhotas 13:49 EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 FONTE: Despertai! edição Stembrode 1999 9
  • 10. PRINCIPAISTIPOS ▪ Os diabéticos têm vários sintomas: 1. Urinam frequentemente; 2. Têm muita sede; 3. Fome frequente; o corpo fica faminto porque não está conseguindo utilizar a energia da comida que ingere.; 4. Perda de peso. Quando o corpo não consegue fazer o açúcar entrar nas células, queima a própria gordura e proteínas para obter energia, resultando em perda de peso; 5. Irritabilidade. Se o diabético tem de levantar muitas vezes à noite para urinar, não consegue dormir profundamente. Isso pode causar mudanças de comportamento. ▪ No diabetes tipo 1, o pâncreas produz pouca insulina ou nenhuma. Nesses casos é preciso tomar insulina todos os dias, geralmente por injeção (a insulina é destruída no estômago se 13:49 EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 FONTE: Despertai! edição Setembrode 1999 10
  • 11. PRINCIPAISTIPOS Diabetes tipo 2 ▪ Não deve ser confundido com o tipo 1. Acontece quando o corpo não produz insulina suficiente ou não a utiliza de forma eficiente. É o tipo mais comum em adultos acima de 40 anos e, em geral, se manifesta gradativamente. Há fatores hereditários envolvidos, com frequência agravados pela dieta ruim e pelo excesso de peso. Em muitos casos podem-se usar, pelo menos no início, pílulas que estimulam o pâncreas a produzir mais insulina. Não são pílulas de insulina. 13:49 EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 FONTE: Despertai! edição Setembrode 1999 11
  • 13. TRATAMENTOS Dieta e exercício ▪ O livro “Diabetes: Cuide de Suas Emoções bem como de Sua Saúde” (em inglês) diz: “Muitos dos que talvez tenham uma propensão genética evitam o aparecimento de qualquer sinal dessa doença simplesmente por terem uma dieta equilibrada e se exercitarem com regularidade, permanecendo assim fisicamente aptos e com o peso dentro dos limites normais.” ▪ Pesquisadores da revista da Associação Médica Americana sugerem pelo menos 30 minutos de atividade física moderada na maioria, ou em todos, os dias da semana. Pode ser algo tão simples como caminhar, que, como diz o “Guia Completo da Associação Americana de Diabetes” (em inglês), “é provavelmente a melhor, a mais segura e a menos dispendiosa forma de exercício”. 13:49 EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 FONTE: Despertai! edição Setembrode 1999 13
  • 14. TRATAMENTOS Terapia à base de insulina ▪ Muitos diabéticos precisam suplementar seu programa de dieta e de exercícios com testes diários dos níveis de glicose e múltiplas injeções de insulina. “Ter de tomar insulina não significa um fracasso de sua parte”, diz Mary Ann, enfermeira formada que cuida de pacientes diabéticos. “Seja qual for o seu tipo de diabetes, se você controlar bem o nível de açúcar no sangue, estará minimizando outros problemas de saúde mais tarde”, acrescenta. De fato, um estudo recente revelou que diabéticos de tipo 1 que controlaram estritamente seu nível de açúcar “tiveram reduções drásticas nas ocorrências de doenças diabéticas dos olhos, dos rins e dos nervos”. O risco de doença nos olhos (retinopatia), por exemplo, caiu 76%! Os diabéticos de tipo 2 que controlam rigidamente seus níveis de açúcar 13:49 EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 FONTE: Despertai! edição Maiode 2003 14
  • 15. TRATAMENTOS Terapia à base de insulina ▪ Para tornar a terapia com insulina mais fácil e menos sofrida, as seringas e as canetas aplicadoras de insulina — os dispositivos mais usados — têm agulhas ultrafinas que causam o mínimo de desconforto. Outros métodos de injeção incluem injetores automáticos que introduzem uma agulha na pele de maneira indolor, injetores que literalmente atiram insulina através da pele por meio de um jato finíssimo, e tubos de infusão que empregam um cateter que fica posicionado por dois ou três dias. Mais ou menos do tamanho de um pequeno aparelho de bipe, a bomba de insulina ganhou popularidade em anos recentes. Esse aparelho programável libera insulina através de um cateter num ritmo constante, segundo as necessidades diárias do corpo, tornando as aplicações de 13:49 EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 FONTE: Despertai! edição Maiode 2003 15
  • 17. PREVENÇÃO ▪ O diabetes muitas vezes pode ser controlado. “A dieta é fundamental no tratamento do diabetes, quer seja prescrita insulina, quer não”, diz The Encyclopædia Britannica. O Dr. Marcel Bayol, do Hospital Kings County, de Nova York, disse a Despertai!: “Se os diabéticos levarem a sério a sua doença, se cuidarem da dieta e se submeterem à supervisão médica, reduzirão o risco de perder um membro inferior.” Os portadores de diabetes tipo II que seguem essa orientação podem até amenizar os sintomas com o tempo. 13:49 EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 FONTE: Despertai! edição Junho de 1999 17
  • 18. PREVENÇÃO Três passos que podem ajudar na prevenção do diabetes 1. Se você pertence a um grupo de risco, faça um exame de seu nível de açúcar no sangue. Antes de desenvolver diabetes tipo 2, uma pessoa geralmente apresenta o pré-diabetes — quando o nível de açúcar no sangue está um pouco mais alto do que o normal. 2. Alimente-se de forma saudável. Procurar ter uma dieta saudável. Comer porções menores do que costuma comer. Beber água, chá ou café, em vez de sucos e refrigerantes que contêm açúcar. Em vez de alimentos refinados, comer com moderação pão, arroz e massa, integrais. É preferível carnes magras, peixe, feijão e frutos oleaginosos, como nozes, avelãs e amêndoas. 13:49 EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 FONTE: Despertai! edição Setembrode 2014 18
  • 20. DIAGNÓSTICO ▪ O diagnóstico do Diabetes inicialmente é feito através dos sintomas descritos pelo paciente ao médico, depois pelo exame clínico e por fim são feitos exames laboratoriais para confirmação do diagnóstico. Quando já se possui histórico de diabetes na família se faz alguns exames de forma rotineira como meio de prevenir o aparecimento do diabetes. EXAMES SUGERIDOS Glicemia de jejum ▪ Inicialmente, o primeiro exame realizado para verificar se um indivíduo é portador de diabetes, ou possui tendência a se tornar, é a glicemia de jejum. Os valores considerados normais, após jejum de oito horas, são de 13:49 EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 FONTE: www.portaldiabetes.com.br 20
  • 21. DIAGNÓSTICO EXAMES SUGERIDOS Glicemia pós-prandial ▪ O método mais simples e cômodo para avaliar se o individuo está diabético, principalmente da diabetes tipo 2, é dosar a glicemia 1, 2, 3 horas após uma refeição rica em carboidratos. Em pessoas normais a glicemia não deve ser superior a 160 mg/dl, 120 mg/dl, 100 mg/ dl em 1, 2, 3 horas respectivamente. Curva glicêmica ▪ Este exame consiste em, após uma coleta de sangue em jejum, administra-se glicose por via oral ou glucagon de maneira subcutânea e repete a coleta de sangue 1, 2, 3 13:49 EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 FONTE: www.portaldiabetes.com.br 21
  • 23. Diabetes em termos simples PÂNCREAS ↓ ↓ ↓ Pessoa saudável Diabetes tipo 1 Diabetes tipo 2 Depois de uma refeição, o pâncreas reage ao aumento de glicose no sangue liberando a quantidade certa de insulina. As células-beta no pâncreas, produtoras de insulina, são atacadas pelo sistema imunológico. Com isso, cessa a produção de insulina. Na maioria dos casos, o pâncreas produz uma quantidade limitada de insulina. ↓ ↓ ↓ Moléculas de insulina aderem a receptores nas células musculares e em outras células. Is-so, por sua vez, ativa “portas” que permitem a entrada das molécu-las de glicose. Sem a ajuda da insulina, as moléculas de glicose não podem penetrar nas células. Se os receptores são menos sensíveis à insulina, as “portas” necessárias para absorver a glicose do sangue não se abrem. ↓ ↓ ↓ A glicose é absorvida e queimada pelas células musculares. Assim, a taxa de glicose na corrente sanguínea volta ao normal. A glicose se acumula no sangue, impedindo processos vitais e danificando as paredes dos vasos sanguíneos. 13:49 EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 23
  • 24. 13:49 EEMAS| Campo Redondo,RN 2014 24 FIM Obrigadopelaatenção!