SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
SOCIALIZAÇÃO
O que é a Socialização?

Socialização é o processo através do
qual o indivíduo aprende e interioriza o
sistema de valores, de normas e
comportamentos da cultura onde
intervém, desde que nasce e ao longo da
sua vida. Socializar é, portanto, incutir
no indivíduo os modos de pensar, de
sentir e de agir do grupo em que ele está
integrado.
O processo de socialização é determinante no desenvolvimento
da personalidade do indivíduo e na aceitação ou não deste na
sociedade. Pois, apesar de a criança quando nasce já trazer os
genes necessários ao ser humano, é um ser culturalmente em
branco. Neste processo intervém um conjunto de agentes de
socialização: a família, a escola, os meios de comunicação social
ou as empresas, que nos incutem um determinado papel social.
Tal como a família, que nos transmite os
primeiros valores , traços culturais, valores
próprios do grupo social e modelos de
comportamento e que por isso, tem um papel
fundamental na formação de atitudes sociais,
também a escola é um importante agente de
socialização.
Na escola passamos uma grande parte da
nossa vida (actualmente na União
Europeia espera-se que um indivíduo
conclua em média 16 anos de escolaridade
– 12º ano + 4) e o lugar onde aprendemos
não só conteúdos disciplinares, mas
também regras de bom comportamento, a
necessidade de respeitar outros, trabalhar
em equipa, cumprir prazos, ser assíduo e
pontual. E estes aspectos são o objecto da
socialização informal. Este processo de
socialização traduz-se também num nível
de desenvolvimento humano mais elevado
e num nível de violência mais reduzido.
Tipos de Socialização
A socialização pode ser prímária ou secundária.

Primária (ocorre durante a infância) :
Conjunto de conhecimentos básicos transmitidos
sobretudo pela família, sendo estas as
aprendizagens mais intensas, mais marcantes,
porque biologicamente a criança está preparada
para receber e assimilar grandes doses de
informação e porque existe uma forte ligação
emocional e afetiva com os seus agentes
socializadores. São aprendidas e interiorizadas
coisas tão determinantes quanto a linguagem, as
regras básicas da sociedade, a moral e os
modelos comportamentais do grupo a que
pertence. Os tradicionais contos infantis são um
exemplo de formas lúdicas de aprendizagem.
Tipos de Socialização
Secundária (ocorre durante toda a nossa vida) :

 É todo e qualquer processo que introduz um
indivíduo já socializado em novos setores do
mundo, em funções específicas da sociedade.
Acontece a partir da infância e em cada nova
situação com que nos deparamos ao longo da vida:
na escola, no trabalho ou nas atividades de lazer.
Em cada novo papel que assumimos (aluno,
colega, profissional, pai, avô,etc.) existe uma
aprendizagem,      adquirimos      conhecimentos
específicos.
Mecanismos de Socialização:

• Aprendizagem – A aprendizagem pressupõe a
 interiorização de determinadas reações perante as
 situações sociais, ou seja, a aquisição de automatismos
 variados de comportamento. Aprendemos desde cedo,
 porque tal nos é incutido, os valores, as regras e
 comportamentos sociais (o que podemos e o que não
 podemos fazer, o que é certo ou errado). Aprendemos a
 ler, a escrever, a raciocinar e toda uma série de
 competências, das mais básicas (como atravessar a rua) às
 mais elaboradas (uma profissão ou a linguagem).
Imitação - A reprodução dos
comportamentos        dos      agentes
socializadores é fundamental à
interiorização     desses     mesmos
comportamentos. Muitas das atitudes
e comportamentos que vemos nas
crianças são fruto das suas obserações
e posterior imitação. Na idade adulta,
muito frequentemente e por vezes sem
nos apercebermos, tendemos a imitar
os comportamento, os gestos, as
expressões que observamos, na
tentativa de nos intergrarmos mais
facilmente nas várias situações do
nosso quotidiano.
• Identificação - A criança identifica-se com pessoas que
  desempenham determinados papéis na sua vida e essa
  identificação faz com que adquira progressivamente os
  comportamentos inerentes a esses mesmos papéis. Por
  exemplo, o pai e a mãe podem representar para a criança o
  que para ela significa ser homem e ser mulher,
  interiorizando o comportamento que um homem e uma
  mulher têm em diversas situações. A criança pode
  identificar-se também com outras pessoas (atores, cantores,
  pessoas próximas ou heróis de banda desenhada) que podem
  de alguma maneira influenciá-la no seu comportamento.
Desde há muitos anos que o ser humano questiona-se acerca
daquilo que nos distingue dos outros seres. Pode-se dizer que
é a socialização que humaniza o ser humano, pois educa-o,
enchendo-o de normas e regras sociais, conferindo-lhe uma
personalidade e um forma de estar própria de um ser que vive
em grupo, em sociedade.


 Mas será que este tipo de educação que recebemos é igual à
                educação dada nas escolas?
Certamente que não. Pois enquanto a educação dada
pelas escolas (educação formal) é organizada numa
sequência pré-estabelecida em que existe uma pessoa
estipulada a ensinar determinadas coisas, a educação
dada pela sociedade é uma educação informal não
organizada que ultrapassa a educação escolar na medida
em que abrange todas as nossas capacidades educativas,
sendo este um processo permanente.
A Teoria de Linnenberg



Contrariando esta teoria, Eric Linnenberg
afirma que o que faz de nós seres
humanos e o que nos distingue de outros
seres não é a educação, mas sim a
linguagem, o facto de termos uma
predisposição     genética      para    a
aprendizagem da primeira língua durante
a infância.
Eric Linnenberg concordava que nascemos com os
princípios da linguagem, mas afirmava que há um prazo
para usarmos esses princípios. Se a primeira língua não
for aprendida até à puberdade, pode ser tarde demais.


Linnenberg propôs então a hipótese do período crítico
que pressupõe a existência de um período em particular
na vida dos humanos propício à aprendizagem da língua,
ou seja, temos uma predisposição genética para a
aprendizagem da primeira língua até à puberdade.
Bibliografia
http://sociologiaemaccao.blogspot.pt/2012/01/processo-de-socializacao.html

http://socioaprendiz.blogspot.pt/2009/11/novas-formas-de-socializacao-
primaria.html

POMBO,António Pedro; CÉSAR, Filipa; TEIXEIRA LOPES,João; ALVES, Maria
Helena – Sociologia em Ação. Porto: Porto Editora,2012.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Módulo 1 1.2.
Módulo 1   1.2.Módulo 1   1.2.
Módulo 1 1.2.cattonia
 
Psicologia b
Psicologia bPsicologia b
Psicologia bRute1993
 
Sociologia: Uma Ciência Social
Sociologia: Uma Ciência SocialSociologia: Uma Ciência Social
Sociologia: Uma Ciência SocialFábio Roque
 
Indivíduo e Sociedade
Indivíduo e SociedadeIndivíduo e Sociedade
Indivíduo e Sociedadecarlosbidu
 
Socialização
SocializaçãoSocialização
Socialização1324bia
 
3. produção do conhecimento em sociologia
3. produção do conhecimento em sociologia3. produção do conhecimento em sociologia
3. produção do conhecimento em sociologiaArnaldo Parente
 
7 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 307 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 30Vítor Santos
 
Grupos sociais
Grupos sociaisGrupos sociais
Grupos sociaismikto
 
Socialização e cultura
Socialização e culturaSocialização e cultura
Socialização e culturaSergio Grunbaum
 
Interação social e papéis sociais
Interação social e papéis sociaisInteração social e papéis sociais
Interação social e papéis sociaisturma12c
 
Instituições sociais
Instituições sociaisInstituições sociais
Instituições sociaisRafael Barros
 
Socialização e cultura - Resumos 12ºano
Socialização e cultura - Resumos 12ºanoSocialização e cultura - Resumos 12ºano
Socialização e cultura - Resumos 12ºanoBeatrizSantos567
 
Trabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
Trabalho: Conceito e Evolução no OcidenteTrabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
Trabalho: Conceito e Evolução no OcidenteJorge Barbosa
 
Portefolio Área De Integração - Módulo 1
Portefolio Área De Integração - Módulo 1Portefolio Área De Integração - Módulo 1
Portefolio Área De Integração - Módulo 1Patricia Martins
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunosVítor Santos
 

Mais procurados (20)

construção da democracia
construção da democraciaconstrução da democracia
construção da democracia
 
Socialização
SocializaçãoSocialização
Socialização
 
Módulo 1 1.2.
Módulo 1   1.2.Módulo 1   1.2.
Módulo 1 1.2.
 
Psicologia b
Psicologia bPsicologia b
Psicologia b
 
Sociologia: Uma Ciência Social
Sociologia: Uma Ciência SocialSociologia: Uma Ciência Social
Sociologia: Uma Ciência Social
 
Indivíduo e Sociedade
Indivíduo e SociedadeIndivíduo e Sociedade
Indivíduo e Sociedade
 
Socialização
SocializaçãoSocialização
Socialização
 
A socialização
A socializaçãoA socialização
A socialização
 
3. produção do conhecimento em sociologia
3. produção do conhecimento em sociologia3. produção do conhecimento em sociologia
3. produção do conhecimento em sociologia
 
7 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 307 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 30
 
Grupos sociais
Grupos sociaisGrupos sociais
Grupos sociais
 
Socialização e cultura
Socialização e culturaSocialização e cultura
Socialização e cultura
 
Interação social e papéis sociais
Interação social e papéis sociaisInteração social e papéis sociais
Interação social e papéis sociais
 
Instituições sociais
Instituições sociaisInstituições sociais
Instituições sociais
 
Socialização e cultura - Resumos 12ºano
Socialização e cultura - Resumos 12ºanoSocialização e cultura - Resumos 12ºano
Socialização e cultura - Resumos 12ºano
 
Trabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
Trabalho: Conceito e Evolução no OcidenteTrabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
Trabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
 
Grupos sociais
Grupos sociaisGrupos sociais
Grupos sociais
 
Portefolio Área De Integração - Módulo 1
Portefolio Área De Integração - Módulo 1Portefolio Área De Integração - Módulo 1
Portefolio Área De Integração - Módulo 1
 
Sociologia resumo
Sociologia resumoSociologia resumo
Sociologia resumo
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
 

Destaque

Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade culturalSoraya Filipa
 
Relativismo Cultural
Relativismo CulturalRelativismo Cultural
Relativismo CulturalBruno Pedro
 
Pessoa e personalidade portoed
Pessoa e personalidade portoedPessoa e personalidade portoed
Pessoa e personalidade portoedaintazambuja
 
Relativismo cultural
Relativismo culturalRelativismo cultural
Relativismo culturalAndrea Suarez
 
Fenómenos fonéticos português 9º
Fenómenos fonéticos português 9ºFenómenos fonéticos português 9º
Fenómenos fonéticos português 9ºFelisbela da Silva
 
Diversidade cultural na América
Diversidade cultural na AméricaDiversidade cultural na América
Diversidade cultural na AméricaJoão Machado
 
Orações subordinadas relativas
Orações subordinadas relativasOrações subordinadas relativas
Orações subordinadas relativasMargarida Tomaz
 
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerHelena Coutinho
 

Destaque (11)

Relativismo cultural e diversidade cultural
Relativismo cultural e diversidade culturalRelativismo cultural e diversidade cultural
Relativismo cultural e diversidade cultural
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
 
Relativismo Cultural
Relativismo CulturalRelativismo Cultural
Relativismo Cultural
 
Pessoa e personalidade portoed
Pessoa e personalidade portoedPessoa e personalidade portoed
Pessoa e personalidade portoed
 
Relativismo cultural
Relativismo culturalRelativismo cultural
Relativismo cultural
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Fenómenos fonéticos português 9º
Fenómenos fonéticos português 9ºFenómenos fonéticos português 9º
Fenómenos fonéticos português 9º
 
Diversidade cultural na América
Diversidade cultural na AméricaDiversidade cultural na América
Diversidade cultural na América
 
Orações subordinadas relativas
Orações subordinadas relativasOrações subordinadas relativas
Orações subordinadas relativas
 
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizer
 
Oracoes subordinadas
Oracoes subordinadasOracoes subordinadas
Oracoes subordinadas
 

Semelhante a Socialização

Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)Daniel Nunes
 
Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)Daniel Nunes
 
Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)Daniel Nunes
 
Socialização e os agentes da socialização -Sara Magalhães 12ºC
Socialização e os agentes da socialização -Sara Magalhães 12ºCSocialização e os agentes da socialização -Sara Magalhães 12ºC
Socialização e os agentes da socialização -Sara Magalhães 12ºCturma12c1617
 
Agentes de socialização
Agentes de socializaçãoAgentes de socialização
Agentes de socializaçãoturma12c1617
 
Socialização
SocializaçãoSocialização
Socializaçãojoanaanm
 
Socialização e agentes de socialização
Socialização e agentes de socializaçãoSocialização e agentes de socialização
Socialização e agentes de socializaçãoturma12c1617
 
CULTURA E SOCIALIZAÇÃO
CULTURA E SOCIALIZAÇÃOCULTURA E SOCIALIZAÇÃO
CULTURA E SOCIALIZAÇÃOcatynes
 
A socialização e os seus agentes e mecanismos
A socialização e os seus agentes e mecanismosA socialização e os seus agentes e mecanismos
A socialização e os seus agentes e mecanismosturma12c1617
 
A socialização e os seus agentes
A socialização e os seus agentesA socialização e os seus agentes
A socialização e os seus agentesturma12c1617
 
Socialização.ppt
Socialização.pptSocialização.ppt
Socialização.pptPedro Silva
 
Agrupamento de escolas de são joão da talha
Agrupamento de escolas de são joão da talhaAgrupamento de escolas de são joão da talha
Agrupamento de escolas de são joão da talhaturma12c1617
 
livro importancia da linguagem....pdf
livro importancia da linguagem....pdflivro importancia da linguagem....pdf
livro importancia da linguagem....pdfJaneNi5
 
Socialização na infância
Socialização na infânciaSocialização na infância
Socialização na infânciaBruno Carrasco
 
Educação e Regras de Ética
Educação e Regras de ÉticaEducação e Regras de Ética
Educação e Regras de ÉticaSilvana
 
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumondArtigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumondSimoneHelenDrumond
 

Semelhante a Socialização (20)

Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)
 
Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)
 
Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)
 
Aulastemaiiiculturaesocializao 110305134647-phpapp02
Aulastemaiiiculturaesocializao 110305134647-phpapp02Aulastemaiiiculturaesocializao 110305134647-phpapp02
Aulastemaiiiculturaesocializao 110305134647-phpapp02
 
Socialização e os agentes da socialização -Sara Magalhães 12ºC
Socialização e os agentes da socialização -Sara Magalhães 12ºCSocialização e os agentes da socialização -Sara Magalhães 12ºC
Socialização e os agentes da socialização -Sara Magalhães 12ºC
 
Agentes de socialização
Agentes de socializaçãoAgentes de socialização
Agentes de socialização
 
Socialização
SocializaçãoSocialização
Socialização
 
Socialização e agentes de socialização
Socialização e agentes de socializaçãoSocialização e agentes de socialização
Socialização e agentes de socialização
 
11178
1117811178
11178
 
CULTURA E SOCIALIZAÇÃO
CULTURA E SOCIALIZAÇÃOCULTURA E SOCIALIZAÇÃO
CULTURA E SOCIALIZAÇÃO
 
A socialização e os seus agentes e mecanismos
A socialização e os seus agentes e mecanismosA socialização e os seus agentes e mecanismos
A socialização e os seus agentes e mecanismos
 
Sociologia generico
Sociologia genericoSociologia generico
Sociologia generico
 
A Pessoa
A PessoaA Pessoa
A Pessoa
 
A socialização e os seus agentes
A socialização e os seus agentesA socialização e os seus agentes
A socialização e os seus agentes
 
Socialização.ppt
Socialização.pptSocialização.ppt
Socialização.ppt
 
Agrupamento de escolas de são joão da talha
Agrupamento de escolas de são joão da talhaAgrupamento de escolas de são joão da talha
Agrupamento de escolas de são joão da talha
 
livro importancia da linguagem....pdf
livro importancia da linguagem....pdflivro importancia da linguagem....pdf
livro importancia da linguagem....pdf
 
Socialização na infância
Socialização na infânciaSocialização na infância
Socialização na infância
 
Educação e Regras de Ética
Educação e Regras de ÉticaEducação e Regras de Ética
Educação e Regras de Ética
 
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumondArtigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
 

Socialização

  • 2. O que é a Socialização? Socialização é o processo através do qual o indivíduo aprende e interioriza o sistema de valores, de normas e comportamentos da cultura onde intervém, desde que nasce e ao longo da sua vida. Socializar é, portanto, incutir no indivíduo os modos de pensar, de sentir e de agir do grupo em que ele está integrado.
  • 3. O processo de socialização é determinante no desenvolvimento da personalidade do indivíduo e na aceitação ou não deste na sociedade. Pois, apesar de a criança quando nasce já trazer os genes necessários ao ser humano, é um ser culturalmente em branco. Neste processo intervém um conjunto de agentes de socialização: a família, a escola, os meios de comunicação social ou as empresas, que nos incutem um determinado papel social.
  • 4. Tal como a família, que nos transmite os primeiros valores , traços culturais, valores próprios do grupo social e modelos de comportamento e que por isso, tem um papel fundamental na formação de atitudes sociais, também a escola é um importante agente de socialização.
  • 5. Na escola passamos uma grande parte da nossa vida (actualmente na União Europeia espera-se que um indivíduo conclua em média 16 anos de escolaridade – 12º ano + 4) e o lugar onde aprendemos não só conteúdos disciplinares, mas também regras de bom comportamento, a necessidade de respeitar outros, trabalhar em equipa, cumprir prazos, ser assíduo e pontual. E estes aspectos são o objecto da socialização informal. Este processo de socialização traduz-se também num nível de desenvolvimento humano mais elevado e num nível de violência mais reduzido.
  • 6. Tipos de Socialização A socialização pode ser prímária ou secundária. Primária (ocorre durante a infância) : Conjunto de conhecimentos básicos transmitidos sobretudo pela família, sendo estas as aprendizagens mais intensas, mais marcantes, porque biologicamente a criança está preparada para receber e assimilar grandes doses de informação e porque existe uma forte ligação emocional e afetiva com os seus agentes socializadores. São aprendidas e interiorizadas coisas tão determinantes quanto a linguagem, as regras básicas da sociedade, a moral e os modelos comportamentais do grupo a que pertence. Os tradicionais contos infantis são um exemplo de formas lúdicas de aprendizagem.
  • 7. Tipos de Socialização Secundária (ocorre durante toda a nossa vida) : É todo e qualquer processo que introduz um indivíduo já socializado em novos setores do mundo, em funções específicas da sociedade. Acontece a partir da infância e em cada nova situação com que nos deparamos ao longo da vida: na escola, no trabalho ou nas atividades de lazer. Em cada novo papel que assumimos (aluno, colega, profissional, pai, avô,etc.) existe uma aprendizagem, adquirimos conhecimentos específicos.
  • 8. Mecanismos de Socialização: • Aprendizagem – A aprendizagem pressupõe a interiorização de determinadas reações perante as situações sociais, ou seja, a aquisição de automatismos variados de comportamento. Aprendemos desde cedo, porque tal nos é incutido, os valores, as regras e comportamentos sociais (o que podemos e o que não podemos fazer, o que é certo ou errado). Aprendemos a ler, a escrever, a raciocinar e toda uma série de competências, das mais básicas (como atravessar a rua) às mais elaboradas (uma profissão ou a linguagem).
  • 9. Imitação - A reprodução dos comportamentos dos agentes socializadores é fundamental à interiorização desses mesmos comportamentos. Muitas das atitudes e comportamentos que vemos nas crianças são fruto das suas obserações e posterior imitação. Na idade adulta, muito frequentemente e por vezes sem nos apercebermos, tendemos a imitar os comportamento, os gestos, as expressões que observamos, na tentativa de nos intergrarmos mais facilmente nas várias situações do nosso quotidiano.
  • 10. • Identificação - A criança identifica-se com pessoas que desempenham determinados papéis na sua vida e essa identificação faz com que adquira progressivamente os comportamentos inerentes a esses mesmos papéis. Por exemplo, o pai e a mãe podem representar para a criança o que para ela significa ser homem e ser mulher, interiorizando o comportamento que um homem e uma mulher têm em diversas situações. A criança pode identificar-se também com outras pessoas (atores, cantores, pessoas próximas ou heróis de banda desenhada) que podem de alguma maneira influenciá-la no seu comportamento.
  • 11. Desde há muitos anos que o ser humano questiona-se acerca daquilo que nos distingue dos outros seres. Pode-se dizer que é a socialização que humaniza o ser humano, pois educa-o, enchendo-o de normas e regras sociais, conferindo-lhe uma personalidade e um forma de estar própria de um ser que vive em grupo, em sociedade. Mas será que este tipo de educação que recebemos é igual à educação dada nas escolas?
  • 12. Certamente que não. Pois enquanto a educação dada pelas escolas (educação formal) é organizada numa sequência pré-estabelecida em que existe uma pessoa estipulada a ensinar determinadas coisas, a educação dada pela sociedade é uma educação informal não organizada que ultrapassa a educação escolar na medida em que abrange todas as nossas capacidades educativas, sendo este um processo permanente.
  • 13. A Teoria de Linnenberg Contrariando esta teoria, Eric Linnenberg afirma que o que faz de nós seres humanos e o que nos distingue de outros seres não é a educação, mas sim a linguagem, o facto de termos uma predisposição genética para a aprendizagem da primeira língua durante a infância.
  • 14. Eric Linnenberg concordava que nascemos com os princípios da linguagem, mas afirmava que há um prazo para usarmos esses princípios. Se a primeira língua não for aprendida até à puberdade, pode ser tarde demais. Linnenberg propôs então a hipótese do período crítico que pressupõe a existência de um período em particular na vida dos humanos propício à aprendizagem da língua, ou seja, temos uma predisposição genética para a aprendizagem da primeira língua até à puberdade.