SlideShare uma empresa Scribd logo
DROGAS
E
ADOLESCÊNCIA
• Drogas seus efeitos e
características 
 
• As drogas são substâncias químicas, naturais ou
sintéticas, que provocam alterações psíquicas e
físicas a quem as consome e levam à
dependência física e psicológica. Seu uso
sistemático traz sérias conseqüências físicas,
psicológicas e sociais, podendo levar à morte em
casos extremos, em geral por problemas
circulatórios ou respiratórios. É o que se chama
overdose. Além das drogas tradicionais, os
especialistas também incluem na lista o cigarro
e o álcool.
Slides drogas-2-130319152857-phpapp01
Slides drogas-2-130319152857-phpapp01
• O emprego e
abuso propagado
de drogas não se
restringem aos
adolescentes e não
começou com o
advento da cultura
jovem dos anos 60,
como qualquer um
que tinha 20 anos
na década de 20
pode atestar
• Os adolescentes estão entre os principais
usuários de drogas. Calcula-se que 13% dos
jovens brasileiros entre 16 e 18 anos consomem
maconha. Em 2001, cresce o uso de crack e
drogas sintéticas, como o ecstasy. Os
consumidores de cocaína são os que mais
procuram tratamento para se livrar da
dependência, o qual é feito por meio de
psicoterapias que promovem a abstinência às
drogas e do uso de antidepressivos em 60% dos
casos. Atualmente, cerca de 5% dos brasileiros
são dependentes químicos de alguma droga.
Slides drogas-2-130319152857-phpapp01
Slides drogas-2-130319152857-phpapp01
• Tipos de droga - As drogas são classificadas de acordo
com a ação que exercem sobre o sistema nervoso central.
Elas podem ser depressoras, estimulantes, perturbadoras
ou, ainda, combinar mais de um efeito.
•
Depressoras - Substâncias que diminuem a atividade
cerebral, deixando os estímulos nervosos mais lentos.
Fazem parte desse grupo o álcool, os tranqüilizantes, o
ópio (extraído da planta Papoula somniferum) e seus
derivados, como a morfina e a heroína.
• Estimulantes - Aumentam a atividade cerebral, deixando os
estímulos nervosos mais rápidos. Excitam especialmente as
áreas sensorial e motora. Nesse grupo estão as
anfetaminas, a cocaína (produzida das folhas da planta da
coca, Erytroxylum coca) e seus derivados, como o crack.
Slides drogas-2-130319152857-phpapp01
• Perturbadoras - São substâncias que fazem o
cérebro funcionar de uma maneira diferente,
muitas vezes com efeito alucinógeno. Não
alteram a velocidade dos estímulos cerebrais,
mas causam perturbações na mente do usuário.
Incluem a maconha, o haxixe (produzidos da
planta Cannabis sativa), os solventes orgânicos
(como a cola de sapateiro) e o LSD (ácido
lisérgico).
• Drogas com efeito misto - Combinam dois ou
mais efeitos. A droga mais conhecida desse grupo
é o ecstasy, metileno dioxi-metanfetamina
(MDMA), que produz uma sensação ao mesmo
tempo estimulante e alucinógena.
• Drogas e doenças infecciosas - O uso comum de
seringas para a injeção de drogas é um dos principais
meios de transmissão do HIV e do vírus da hepatite B e
C.
• Prevenção e tratamento - Os especialistas afirmam
que o melhor modo de combater as drogas é a
prevenção. Informação, educação e diálogo são
apontados como o melhor caminho para impedir que
adolescentes se viciem. Para usuários que ainda não
estão viciados, o tratamento recomendado são a
psicoterapia e a participação em grupos de apoio. Para
combater o vício, além das terapias são usados
medicamentos que reduzem os sintomas da
abstinência ou que bloqueiam os efeitos das drogas.
Slides drogas-2-130319152857-phpapp01
Antes e depois das drogas Parte do cérebro
afetada pelas
drogas
• Há alguns fatores que contribuem para que
um jovem tenha maiores probabilidades de se
viciar.
O primeiro é genético, Já se provou que
pessoas com histórico familiar de alcoolismo
ou algum outro vício correm maiores riscos de
também ser dependentes.
Os demais estão relacionados com a
personalidade, Adolescentes tímidos, ansiosos
por algum tipo de reconhecimento entre os
amigos, apresentam maior comportamento
de risco para a dependência.
CONSEQUÊNCIAS DO ÁLCOOL NO CORPO
HUMANO
CÉREBRO – Eleva o risco
de derrames.
CORAÇÃO – Provoca
dilatação e
enfraquecimento
resultando em insuficiência
cardíaca e aumento da
pressão arterial.
ESTÔMAGO-
Desenvolve
inflamação
crônica
(gastrite).
FÍGADO – Aumento da
presença de gorduras
no interior das células
do fígado, futuramente
causando hepatite
alcoólica aguda.
PÂNCREAS – A digestão se
torna deficiente e parte
dos alimentos não é
absorvida, abrindo
caminho para a
desnutrição crônica.
TESTÍCULOS –
Diminuição da
capacidade
reprodutora.
MUSCULATURA –
Perde-se a massa
muscular e sobrevém
MACONHA
• Os efeitos físicos mais freqüentes são
avermelhamento dos olhos, ressecamento da boca e
taquicardia (elevação dos batimentos cardíacos, que
sobem de 60 - 80 para 120 - 140 batidas por minuto).
• Com o uso contínuo, alguns órgãos, como o pulmão,
passam a ser afetados. Devido à contínua exposição
com a fumaça tóxica da droga, o sistema respiratório
do usuário começa a apresentar problemas como
bronquite e perda da capacidade respiratória. Além
disso, por absorver uma quantidade considerável de
alcatrão presente na fumaça de maconha, os usuários
da droga estão mais sujeitos a desenvolver o câncer
de pulmão.
• O consumo da maconha também diminui a produção
de testosterona. A testosterona é um hormônio
masculino responsável, entre outras coisas, pela
produção de espermatozóides. Portanto, com a
diminuição da quantidade de testosterona, o homem
que consome continuamente maconha apresenta uma
capacidade reprodutiva menor.
Slides drogas-2-130319152857-phpapp01
COCAÍNA
• A cocaína é uma droga
psicoativa que estimula e vicia,
promovendo alterações
cerebrais bastante
significativas. A mesma é
extraída da folha da coca, e se
consumida por muito tempo,
ocasiona danos cerebrais e
diversos outros problemas de
saúde.
• Aceleração ou diminuição do
ritmo cardíaco, dilatação da
pupila, elevação ou diminuição
da pressão sanguínea, calafrios,
náuseas, vômitos, perda de
peso e apetite são alguns dos
efeitos biológicos da cocaína.
ANTES E DEPOIS DAS DROGAS
1. O crack é queimado e sua fumaça aspirada
passa pelos alvéolos pulmonares
2. Via alvéolos o crack cai na circulação e
atinge o cérebro
3. No sistema nervoso central, a droga age
diretamente sobre os neurônios. O crack
bloqueia a recaptura do neurotransmissor
dopamina, mantendo a substância química
por mais tempo nos espaços sinápticos. Com
isso as atividades motoras e sensoriais são
superestimuladas. A droga aumenta a pressão
arterial e a frequência cardíaca. Há risco de
convulsão, infarto e derrame cerebral
4. O crack é distribuído pelo organismo por
meio da circulação sanguínea
5. No fígado, ele é metabolizado
6. A droga é eliminada pela urina
CRACK
ECSTASY - A DROGA DO AMOR
• Os principais efeitos do ecstasy são uma euforia e um
bem-estar intensos, que chegam a durar 10 horas. A
droga age no cérebro aumentando a concentração de
duas substâncias: a dopamina, que alivia as dores, e a
serotonina, que está ligada a sensações amorosas. Por
isso, a pessoa sob efeito de ecstasy fica muito sociável,
com uma vontade incontrolável de conversar e até de
ter contato físico com as pessoas. O ecstasy provoca
também alucinações.
Os malefícios causados pela droga ao corpo do usuário
são ressecamento da boca, perda de apetite, náuseas,
coceiras, reações musculares como cãimbras,
contrações oculares, espasmo do maxilar, fadiga,
depressão, dor de cabeça, visão turva, manchas roxas
na pele, movimentos descontrolados de vários
membros do corpo como os braços e as pernas, crises
bulímicas e insônia.
Slides drogas-2-130319152857-phpapp01

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alcool e outras drogas
Alcool e outras drogasAlcool e outras drogas
Alcool e outras drogas
blogspott
 
DROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDE
DROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDEDROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDE
DROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDE
Zelton Alves Oliveira
 
Palestra prevencao drogas
Palestra prevencao drogasPalestra prevencao drogas
Palestra prevencao drogas
Prefeitura Municipal de Bandeirantes,PR
 
Drogas licitas e ilicitas
Drogas licitas e ilicitasDrogas licitas e ilicitas
Drogas licitas e ilicitas
duartefran
 
Maconha
MaconhaMaconha
Maconha
Miis123
 
Slides drogas-2
Slides   drogas-2Slides   drogas-2
Slides drogas-2
Dallyla Sohara
 
Slide sobre drogas
Slide sobre drogasSlide sobre drogas
Slide sobre drogas
ladydanasoares
 
Apresentação drogas escola
Apresentação drogas escolaApresentação drogas escola
Apresentação drogas escola
Alinebrauna Brauna
 
Palestra drogas escolas
Palestra drogas   escolasPalestra drogas   escolas
Palestra drogas escolas
Edson Demarch
 
CARTILHA SOBRE DROGAS
CARTILHA SOBRE DROGASCARTILHA SOBRE DROGAS
CARTILHA SOBRE DROGAS
Jéssica Angelo
 
As drogas e seus efeitos
As drogas e seus efeitosAs drogas e seus efeitos
As drogas e seus efeitos
Alinebrauna Brauna
 
Palestra antidrogas
Palestra antidrogasPalestra antidrogas
Palestra antidrogas
Wesley Alves
 
Drogas na Adolescência
Drogas na AdolescênciaDrogas na Adolescência
Drogas na Adolescência
Flávia Almeida
 
Aula 8 Principais drogas e seus efeitos
Aula 8 Principais drogas e seus efeitosAula 8 Principais drogas e seus efeitos
Aula 8 Principais drogas e seus efeitos
Ana Filadelfi
 
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIADROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
Fernanda Marinho
 
Seminario Alcool e Drogas
Seminario Alcool e DrogasSeminario Alcool e Drogas
Seminario Alcool e Drogas
Potencial Empresário
 
Diga não as drogas
Diga não as drogasDiga não as drogas
Diga não as drogas
edivalbal
 
A Familia e a Prevenção as Drogas .pptx
A Familia e a Prevenção as Drogas .pptxA Familia e a Prevenção as Drogas .pptx
A Familia e a Prevenção as Drogas .pptx
Potencial Empresário
 
Drogas e alcool
Drogas e alcool Drogas e alcool
Drogas e alcool
Dr.Marcelinho Correia
 
Cartilha Educativa de Prevenção às Drogas
Cartilha Educativa de Prevenção às DrogasCartilha Educativa de Prevenção às Drogas
Cartilha Educativa de Prevenção às Drogas
Paulo Negreiros
 

Mais procurados (20)

Alcool e outras drogas
Alcool e outras drogasAlcool e outras drogas
Alcool e outras drogas
 
DROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDE
DROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDEDROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDE
DROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDE
 
Palestra prevencao drogas
Palestra prevencao drogasPalestra prevencao drogas
Palestra prevencao drogas
 
Drogas licitas e ilicitas
Drogas licitas e ilicitasDrogas licitas e ilicitas
Drogas licitas e ilicitas
 
Maconha
MaconhaMaconha
Maconha
 
Slides drogas-2
Slides   drogas-2Slides   drogas-2
Slides drogas-2
 
Slide sobre drogas
Slide sobre drogasSlide sobre drogas
Slide sobre drogas
 
Apresentação drogas escola
Apresentação drogas escolaApresentação drogas escola
Apresentação drogas escola
 
Palestra drogas escolas
Palestra drogas   escolasPalestra drogas   escolas
Palestra drogas escolas
 
CARTILHA SOBRE DROGAS
CARTILHA SOBRE DROGASCARTILHA SOBRE DROGAS
CARTILHA SOBRE DROGAS
 
As drogas e seus efeitos
As drogas e seus efeitosAs drogas e seus efeitos
As drogas e seus efeitos
 
Palestra antidrogas
Palestra antidrogasPalestra antidrogas
Palestra antidrogas
 
Drogas na Adolescência
Drogas na AdolescênciaDrogas na Adolescência
Drogas na Adolescência
 
Aula 8 Principais drogas e seus efeitos
Aula 8 Principais drogas e seus efeitosAula 8 Principais drogas e seus efeitos
Aula 8 Principais drogas e seus efeitos
 
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIADROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
 
Seminario Alcool e Drogas
Seminario Alcool e DrogasSeminario Alcool e Drogas
Seminario Alcool e Drogas
 
Diga não as drogas
Diga não as drogasDiga não as drogas
Diga não as drogas
 
A Familia e a Prevenção as Drogas .pptx
A Familia e a Prevenção as Drogas .pptxA Familia e a Prevenção as Drogas .pptx
A Familia e a Prevenção as Drogas .pptx
 
Drogas e alcool
Drogas e alcool Drogas e alcool
Drogas e alcool
 
Cartilha Educativa de Prevenção às Drogas
Cartilha Educativa de Prevenção às DrogasCartilha Educativa de Prevenção às Drogas
Cartilha Educativa de Prevenção às Drogas
 

Semelhante a Slides drogas-2-130319152857-phpapp01

Contra as drogas
Contra as drogas Contra as drogas
Contra as drogas
JOSEMAR LIMA
 
áLcool e drogas
áLcool e drogasáLcool e drogas
áLcool e drogas
Tezin Maciel
 
Adolescentes e drogas
Adolescentes e drogasAdolescentes e drogas
Adolescentes e drogas
ariadnemonitoria
 
3º anos (Sociologia) Adolescentes e Drogas
3º anos (Sociologia) Adolescentes e Drogas3º anos (Sociologia) Adolescentes e Drogas
3º anos (Sociologia) Adolescentes e Drogas
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Drogas
DrogasDrogas
6 - As Drogas e a Juventude
6 - As Drogas e a Juventude6 - As Drogas e a Juventude
6 - As Drogas e a Juventude
JPS Junior
 
Adolescentes e drogas
Adolescentes e drogas Adolescentes e drogas
Adolescentes e drogas
Cristiano Jose Matias
 
DROGAS - CONCEITOS E LEIS - Prof. Fernando Abreu
DROGAS - CONCEITOS E LEIS - Prof. Fernando AbreuDROGAS - CONCEITOS E LEIS - Prof. Fernando Abreu
DROGAS - CONCEITOS E LEIS - Prof. Fernando Abreu
Fernando Abreu
 
Trabalho Gabriela 23/09/2009
Trabalho Gabriela 23/09/2009Trabalho Gabriela 23/09/2009
Trabalho Gabriela 23/09/2009
Ricardo
 
Liberdade é viver sem drogas.
Liberdade é viver sem drogas.Liberdade é viver sem drogas.
Liberdade é viver sem drogas.
Jocilaine Moreira
 
Slide sobre drogas
Slide sobre drogasSlide sobre drogas
Slide sobre drogas
Ericka Vanessa Andrade
 
Drogas licitas e ilicitas - Tema para SIPAT
Drogas licitas e ilicitas - Tema para SIPATDrogas licitas e ilicitas - Tema para SIPAT
Drogas licitas e ilicitas - Tema para SIPAT
Claudio Cesar Pontes ن
 
Drogas de abuso
Drogas de abusoDrogas de abuso
Drogas de abuso
Amanda da Costa Gomes
 
Debate/Palestra
Debate/PalestraDebate/Palestra
Debate/Palestra
acanhestro
 
Os Males para o individuo ALCOOL_DROGAS_.pptx
Os Males para o individuo ALCOOL_DROGAS_.pptxOs Males para o individuo ALCOOL_DROGAS_.pptx
Os Males para o individuo ALCOOL_DROGAS_.pptx
Ricardo Silva
 
Diga não ás drogas (2)
Diga não ás drogas (2)Diga não ás drogas (2)
Diga não ás drogas (2)
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
Vanessa Lima
 
I seminário de educação física
I seminário de educação físicaI seminário de educação física
I seminário de educação física
adaniloferreira
 
As drogas podem ser tanto naturais quanto sintéticas
As drogas podem ser tanto naturais quanto sintéticasAs drogas podem ser tanto naturais quanto sintéticas
As drogas podem ser tanto naturais quanto sintéticas
Francisca Santos
 
Drogas revisado
Drogas revisadoDrogas revisado
Drogas revisado
Orlando Santos Brito
 

Semelhante a Slides drogas-2-130319152857-phpapp01 (20)

Contra as drogas
Contra as drogas Contra as drogas
Contra as drogas
 
áLcool e drogas
áLcool e drogasáLcool e drogas
áLcool e drogas
 
Adolescentes e drogas
Adolescentes e drogasAdolescentes e drogas
Adolescentes e drogas
 
3º anos (Sociologia) Adolescentes e Drogas
3º anos (Sociologia) Adolescentes e Drogas3º anos (Sociologia) Adolescentes e Drogas
3º anos (Sociologia) Adolescentes e Drogas
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
6 - As Drogas e a Juventude
6 - As Drogas e a Juventude6 - As Drogas e a Juventude
6 - As Drogas e a Juventude
 
Adolescentes e drogas
Adolescentes e drogas Adolescentes e drogas
Adolescentes e drogas
 
DROGAS - CONCEITOS E LEIS - Prof. Fernando Abreu
DROGAS - CONCEITOS E LEIS - Prof. Fernando AbreuDROGAS - CONCEITOS E LEIS - Prof. Fernando Abreu
DROGAS - CONCEITOS E LEIS - Prof. Fernando Abreu
 
Trabalho Gabriela 23/09/2009
Trabalho Gabriela 23/09/2009Trabalho Gabriela 23/09/2009
Trabalho Gabriela 23/09/2009
 
Liberdade é viver sem drogas.
Liberdade é viver sem drogas.Liberdade é viver sem drogas.
Liberdade é viver sem drogas.
 
Slide sobre drogas
Slide sobre drogasSlide sobre drogas
Slide sobre drogas
 
Drogas licitas e ilicitas - Tema para SIPAT
Drogas licitas e ilicitas - Tema para SIPATDrogas licitas e ilicitas - Tema para SIPAT
Drogas licitas e ilicitas - Tema para SIPAT
 
Drogas de abuso
Drogas de abusoDrogas de abuso
Drogas de abuso
 
Debate/Palestra
Debate/PalestraDebate/Palestra
Debate/Palestra
 
Os Males para o individuo ALCOOL_DROGAS_.pptx
Os Males para o individuo ALCOOL_DROGAS_.pptxOs Males para o individuo ALCOOL_DROGAS_.pptx
Os Males para o individuo ALCOOL_DROGAS_.pptx
 
Diga não ás drogas (2)
Diga não ás drogas (2)Diga não ás drogas (2)
Diga não ás drogas (2)
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
I seminário de educação física
I seminário de educação físicaI seminário de educação física
I seminário de educação física
 
As drogas podem ser tanto naturais quanto sintéticas
As drogas podem ser tanto naturais quanto sintéticasAs drogas podem ser tanto naturais quanto sintéticas
As drogas podem ser tanto naturais quanto sintéticas
 
Drogas revisado
Drogas revisadoDrogas revisado
Drogas revisado
 

Último

Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
PIB Penha
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
PIB Penha
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
PIB Penha
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
valneirocha
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 

Último (20)

Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 

Slides drogas-2-130319152857-phpapp01

  • 2. • Drogas seus efeitos e características    • As drogas são substâncias químicas, naturais ou sintéticas, que provocam alterações psíquicas e físicas a quem as consome e levam à dependência física e psicológica. Seu uso sistemático traz sérias conseqüências físicas, psicológicas e sociais, podendo levar à morte em casos extremos, em geral por problemas circulatórios ou respiratórios. É o que se chama overdose. Além das drogas tradicionais, os especialistas também incluem na lista o cigarro e o álcool.
  • 5. • O emprego e abuso propagado de drogas não se restringem aos adolescentes e não começou com o advento da cultura jovem dos anos 60, como qualquer um que tinha 20 anos na década de 20 pode atestar
  • 6. • Os adolescentes estão entre os principais usuários de drogas. Calcula-se que 13% dos jovens brasileiros entre 16 e 18 anos consomem maconha. Em 2001, cresce o uso de crack e drogas sintéticas, como o ecstasy. Os consumidores de cocaína são os que mais procuram tratamento para se livrar da dependência, o qual é feito por meio de psicoterapias que promovem a abstinência às drogas e do uso de antidepressivos em 60% dos casos. Atualmente, cerca de 5% dos brasileiros são dependentes químicos de alguma droga.
  • 9. • Tipos de droga - As drogas são classificadas de acordo com a ação que exercem sobre o sistema nervoso central. Elas podem ser depressoras, estimulantes, perturbadoras ou, ainda, combinar mais de um efeito. • Depressoras - Substâncias que diminuem a atividade cerebral, deixando os estímulos nervosos mais lentos. Fazem parte desse grupo o álcool, os tranqüilizantes, o ópio (extraído da planta Papoula somniferum) e seus derivados, como a morfina e a heroína. • Estimulantes - Aumentam a atividade cerebral, deixando os estímulos nervosos mais rápidos. Excitam especialmente as áreas sensorial e motora. Nesse grupo estão as anfetaminas, a cocaína (produzida das folhas da planta da coca, Erytroxylum coca) e seus derivados, como o crack.
  • 11. • Perturbadoras - São substâncias que fazem o cérebro funcionar de uma maneira diferente, muitas vezes com efeito alucinógeno. Não alteram a velocidade dos estímulos cerebrais, mas causam perturbações na mente do usuário. Incluem a maconha, o haxixe (produzidos da planta Cannabis sativa), os solventes orgânicos (como a cola de sapateiro) e o LSD (ácido lisérgico). • Drogas com efeito misto - Combinam dois ou mais efeitos. A droga mais conhecida desse grupo é o ecstasy, metileno dioxi-metanfetamina (MDMA), que produz uma sensação ao mesmo tempo estimulante e alucinógena.
  • 12. • Drogas e doenças infecciosas - O uso comum de seringas para a injeção de drogas é um dos principais meios de transmissão do HIV e do vírus da hepatite B e C. • Prevenção e tratamento - Os especialistas afirmam que o melhor modo de combater as drogas é a prevenção. Informação, educação e diálogo são apontados como o melhor caminho para impedir que adolescentes se viciem. Para usuários que ainda não estão viciados, o tratamento recomendado são a psicoterapia e a participação em grupos de apoio. Para combater o vício, além das terapias são usados medicamentos que reduzem os sintomas da abstinência ou que bloqueiam os efeitos das drogas.
  • 14. Antes e depois das drogas Parte do cérebro afetada pelas drogas
  • 15. • Há alguns fatores que contribuem para que um jovem tenha maiores probabilidades de se viciar. O primeiro é genético, Já se provou que pessoas com histórico familiar de alcoolismo ou algum outro vício correm maiores riscos de também ser dependentes. Os demais estão relacionados com a personalidade, Adolescentes tímidos, ansiosos por algum tipo de reconhecimento entre os amigos, apresentam maior comportamento de risco para a dependência.
  • 16. CONSEQUÊNCIAS DO ÁLCOOL NO CORPO HUMANO
  • 17. CÉREBRO – Eleva o risco de derrames. CORAÇÃO – Provoca dilatação e enfraquecimento resultando em insuficiência cardíaca e aumento da pressão arterial. ESTÔMAGO- Desenvolve inflamação crônica (gastrite).
  • 18. FÍGADO – Aumento da presença de gorduras no interior das células do fígado, futuramente causando hepatite alcoólica aguda. PÂNCREAS – A digestão se torna deficiente e parte dos alimentos não é absorvida, abrindo caminho para a desnutrição crônica. TESTÍCULOS – Diminuição da capacidade reprodutora. MUSCULATURA – Perde-se a massa muscular e sobrevém
  • 19. MACONHA • Os efeitos físicos mais freqüentes são avermelhamento dos olhos, ressecamento da boca e taquicardia (elevação dos batimentos cardíacos, que sobem de 60 - 80 para 120 - 140 batidas por minuto). • Com o uso contínuo, alguns órgãos, como o pulmão, passam a ser afetados. Devido à contínua exposição com a fumaça tóxica da droga, o sistema respiratório do usuário começa a apresentar problemas como bronquite e perda da capacidade respiratória. Além disso, por absorver uma quantidade considerável de alcatrão presente na fumaça de maconha, os usuários da droga estão mais sujeitos a desenvolver o câncer de pulmão. • O consumo da maconha também diminui a produção de testosterona. A testosterona é um hormônio masculino responsável, entre outras coisas, pela produção de espermatozóides. Portanto, com a diminuição da quantidade de testosterona, o homem que consome continuamente maconha apresenta uma capacidade reprodutiva menor.
  • 21. COCAÍNA • A cocaína é uma droga psicoativa que estimula e vicia, promovendo alterações cerebrais bastante significativas. A mesma é extraída da folha da coca, e se consumida por muito tempo, ocasiona danos cerebrais e diversos outros problemas de saúde. • Aceleração ou diminuição do ritmo cardíaco, dilatação da pupila, elevação ou diminuição da pressão sanguínea, calafrios, náuseas, vômitos, perda de peso e apetite são alguns dos efeitos biológicos da cocaína.
  • 22. ANTES E DEPOIS DAS DROGAS
  • 23. 1. O crack é queimado e sua fumaça aspirada passa pelos alvéolos pulmonares 2. Via alvéolos o crack cai na circulação e atinge o cérebro 3. No sistema nervoso central, a droga age diretamente sobre os neurônios. O crack bloqueia a recaptura do neurotransmissor dopamina, mantendo a substância química por mais tempo nos espaços sinápticos. Com isso as atividades motoras e sensoriais são superestimuladas. A droga aumenta a pressão arterial e a frequência cardíaca. Há risco de convulsão, infarto e derrame cerebral 4. O crack é distribuído pelo organismo por meio da circulação sanguínea 5. No fígado, ele é metabolizado 6. A droga é eliminada pela urina CRACK
  • 24. ECSTASY - A DROGA DO AMOR • Os principais efeitos do ecstasy são uma euforia e um bem-estar intensos, que chegam a durar 10 horas. A droga age no cérebro aumentando a concentração de duas substâncias: a dopamina, que alivia as dores, e a serotonina, que está ligada a sensações amorosas. Por isso, a pessoa sob efeito de ecstasy fica muito sociável, com uma vontade incontrolável de conversar e até de ter contato físico com as pessoas. O ecstasy provoca também alucinações. Os malefícios causados pela droga ao corpo do usuário são ressecamento da boca, perda de apetite, náuseas, coceiras, reações musculares como cãimbras, contrações oculares, espasmo do maxilar, fadiga, depressão, dor de cabeça, visão turva, manchas roxas na pele, movimentos descontrolados de vários membros do corpo como os braços e as pernas, crises bulímicas e insônia.