SlideShare uma empresa Scribd logo
SISTEMA ENDÓCRINO
   APOSTILA COMUM (PÁG. 39 A 48)
 Sistema envolvido na coordenação e regulação de
diversas funções corporais.
 Formado por glândulas endócrinas.
 Suas mensagens têm natureza química:
                  HORMÔNIOS



   Substâncias    produzidas   pelas    glândulas
   endócrinas, lançadas diretamente na corrente
   sanguínea, para controlar o funcionamento de
   outros órgãos, denominados órgãos-alvo.
 Cada hormônio é específico para uma determinada
célula alvo.
 Reconhecimento de receptores hormonais específicos
na membrana da célula alvo.
 Ligação hormônio receptor  ativação de uma
molécula mensageira na célula alvo  atuação desta
molécula em reações químicas específicas 
estimulação/ inibição de atividades celulares específicas.
 Importância na homeostase.
 Hormônios também influenciam no comportamento,
regulam o crescimento, a reprodução, determinam
características sexuais secundárias.
 Sistema endócrino e nervoso: frequente interação.

 Estabelecimento de mecanismos autorreguladores
precisos.
 Sistema nervoso fornece ao sistema endócrino
informações sobre o meio externo.
 Sistema endócrino estabelece a resposta interna a
essas informações.
 Atuação em conjunto desses dois sistemas na
coordenação e regulação das funções corporais.
GLÂNDULAS
ENDÓCRINAS
NATUREZA QUÍMICA DOS HORMÔNIOS
1) Derivados Lipídicos
• Hormônios esteroides (derivados do colesterol).
• Cortisol, testosterona, progesterona, estrógenos.
2) Derivados de Aminoácidos
• Hormônios tireoidianos (T3 e T4).
• Adrenalina e noradrenalina (catecolaminas – derivados do
aminoácido tirosina)
3) Peptídicos e proteicos
• Cadeias 3 a 200 aminoácidos.
• Insulina, glucagon, prolactina, ocitocina, ADH, GH...
MECANISMO DE AÇÃO HORMONAL
 As células produtoras de hormônio realizam a síntese,
o armazenamento e a liberação do hormônio para o
sangue.
 A resposta desejada ocorrerá nas células-alvo, que
contêm receptores específicos para o hormônio.
 O hormônio é eliminado por degradação e/ou
excreção.
 Sinal de retroalimentação (geralmente negativa):
inibição pelo excesso do produto. (feedback negativo)
Sistema endócrino
Sistema endócrino
MECANISMO DE AÇÃO HORMONAL
         HORMÔNIOS LIPOSSOLÚVEIS
      Podem difundir-se através da dupla camada
fosfolipídica da membrana plasmática para entrar nas
células.
 Ligação a receptores no interior das células-alvo.
 O receptor ativado altera a função celular através do
“acionamento” ou “desligamento” de genes específicos.
 O RNA-m recém-formado deixa o núcleo e entra no
citosol. Lá, direciona a síntese de novas proteínas, que
alteram a atividade celular.
Sistema endócrino
MECANISMO DE AÇÃO HORMONAL
        HORMÔNIOS HIDROSSOLÚVEIS
 Não podem difundir-se através da membrana
plasmática.
 Os receptores para esses hormônios são proteínas
integrais da membrana plasmática.
 Esta ligação inicia uma reação que causa a ativação de
diversas enzimas.
 Ativação de mensageiros químicos no citosol.
 As enzimas ativadas catalisam as reações que
produzem respostas fisiológicas.
Sistema endócrino
POR QUE CONTROLAR A SECREÇÃO HORMONAL?

 A regulação é necessária para que não haja
superprodução ou subprodução de um determinado
hormônio.
 Se o mecanismo regulador não operar
apropriadamente e os níveis hormonais forem excessivos
ou deficientes, resultará em doenças por hiperfunção ou
hipofunção, respectivamente.
CIRCUITO HIPOTÁLAMO/ HIPÓFISE
 Interação Sistema Nervoso/ Sistema Endócrino.
 Hipófise: Glândula “mestra”??
 Forte e constante controle hipotalâmico.
 Hipotálamo: localizado no encéfalo, diretamente
acima da hipófise.
 Exerce controle sobre a hipófise por meios de
conexões neurais e substâncias semelhantes a hormônios
chamados fatores desencadeadores (ou de liberação).
 Obs: neurônios hipotalâmicos não se estendem por
toda a hipófise. Vasos sanguíneos especiais conectam o
hipotálamo à hipófise anterior (adeno-hipófise).
Sistema endócrino
Sistema endócrino
HIPOTÁLAMO/ HIPÓFISE
   CONTROLE POR
 RETROALIMENTAÇÃO
HIPÓFISE

 Também conhecida como
Pituitária.
 Tamanho um pouco maior
que um grão de ervilha.
 Localizada na base do
encéfalo.
 Produz a maior variedade
de hormônios.
 Realiza um grande número
de    funções   no    nosso
organismo.
HIPÓFISE

 Constituída por duas partes distintas:
1) Adeno-hipófise (lobo anterior da hipófise)
• Origem epitelial
• Evaginação do teto da boca do embrião


2) Neuro-hipófise (lobo posterior da hipófise)
• Origem nervosa
• Evaginação da parte inicial do hipotálamo, durante o
desenvolvimento do cérebro.
Sistema endócrino
ADENO-HIPÓFISE
        (LOBO ANTERIOR DA HIPÓFISE)
 Produção dos Hormônios Tróficos: estimulam o
funcionamento de outras glândulas endócrinas.
1) ACTH (hormônio adrenocorticotrófico): regula a
atividade do córtex das glândulas suprarrenais,
estimulando a secreção de hormônios glicocorticoides.
2) TSH (hormônio tireotrófico): estimula a tireoide. Sua
produção é estimulada pelo hormônio liberador de
tireotrofina (TRH), secretado pelo hipotálamo.
3) Hormônios Gonadotróficos (FSH e LH): estimulam as
gônadas.
3) Hormônios Gonadotróficos
             FSH (hormônio folículo estimulante)
• Estimula o amadurecimento do folículo ovariano e a
produção de estrógenos.
• Estimula a produção de espermatozóides nos túbulos
seminíferos.

                LH (hormônio luteinizante)
• Induz a ovulação e a formação do corpo lúteo.
• Estimula as células Intersticiais de Leydig a produzir
testosterona.
Sistema endócrino
HORMÔNIOS METABÓLICOS
4) STH (hormônio do crescimento, GH)
 Aumenta o n° de mitoses e promove a síntese proteica
com consequente crescimento dos tecidos (muscular,
cartilaginoso, conjuntivo e ósseo).
 Contribui para a captação de aminoácidos, síntese
proteica e promove o uso de gordura como fonte de
energia (evita o desgaste de proteínas).
 Produzido mais intensamente durante a infância e
adolescência.
 Secreções hipotalâmicas estimulam sua liberação
durante o sono.
Sistema endócrino
Produção de STH na
 infância e na fase
      adulta
Produção de STH ao longo do dia em uma pessoa normal
4) STH (hormônio do crescimento, GH)
 Inibe a captação de glicose plasmática pelas células,
aumentando a concentração de glicose no sangue (inibe a
produção de insulina, predispondo ao diabetes).
 Atua no crescimento, promovendo o alongamento dos
ossos e estimulando a síntese de proteínas e o
desenvolvimento da massa muscular.
 Fase adulta: ossos longos não apresentam mais o disco
epifisário   cartilaginoso,   responsável  pelo     seu
crescimento.
 Consequência: paramos de crescer
Sistema endócrino
Sistema endócrino
Disfunções na produção do Hormônio de Crescimento
Hipofunção
 Na infância: nanismo – Baixa estatura. 1,00 a 1,20 de
altura, com aparência infantil.
Na fase adulta (raro) - Alterações no controle da
glicemia e descalcificação óssea

Hiperfunção
Na infância: gigantismo – até 2,70 m, crescimento
extraordinário não deformante.
No adulto: acromegalia – crescimento exagerado e
deformante das extremidades corporais.
Sistema endócrino
Maurice Tillet – Nascido na França em 1903, sofria de acromegalia.
Tratamento com Hormônio de Crescimento
 Hormônio extraído da hipófise de cadáveres humanos,
até pouco tempo atrás.
 Avanço no conhecimento da biologia molecular.
 Técnicas de Engenharia Genética.
 Avanços na Biotecnologia.

 Produção industrial do
hormônio de crescimento
humano     por   bactérias
geneticamente modificadas.
HORMÔNIOS METABÓLICOS
5) Prolactina
 Estimula a produção de leite pelas glândulas mamárias,
se já tiverem sido estimuladas pelos estrógenos e
progesterona.
 Sua produção acentua-se no final da gestação,
aumenta após o parto e persiste enquanto durar o
estímulo da sucção.
Nos homens, não tem função conhecida, mas em
excesso, causa impotência. Auxilia no controle das
funções endócrinas dos testículos.
 Nas mulheres, a hiperfunção causa ausência do ciclo
menstrual.
NEURO-HIPÓFISE
       (LOBO POSTERIOR DA HIPÓFISE)
 Não produz hormônios. Armazena            e   secreta
hormônios produzidos pelo hipotálamo.
•Ocitocina
Na mulher, acelera as contrações uterinas que levam ao
parto, promove o aleitamento, contraindo a musculatura
lisa das glândulas mamárias o que proporciona a
expulsão do leite. Tem retroalimentação positiva.
No homem, provoca relaxamento dos vasos e dos
corpos eréteis do pênis, aumentando a irrigação
sanguínea.
Sistema endócrino
NEURO-HIPÓFISE
        (LOBO POSTERIOR DA HIPÓFISE)
2) ADH (hormônio antidiurético, vasopressina)
 Controla a eliminação de água pelos rins.
 Estimula a reabsorção de água nos túbulos renais.
     Efeitos: diminuição do volume de urina excretado
    (antidiurético); vasoconstrição.
 Regulação do equilíbrio hídrico e da pressão arterial.
 Secreção aumentada: aumento na concentração de
  soluto nos fluidos corporais (  pressão osmótica) e
  hemorragias intensas.
 Etanol inibe sua secreção, estimulando a diurese.
Por que o ADH também é chamado de vasopressina?
Sistema endócrino
Sistema endócrino
HIPOFUNÇÃO (pouco ADH)

 reabsorção H2O nos rins    volume sanguíneo

   Aumento na diurese         Pressão arterial

                             A taxa de glicose
Sede exagerada               “parece” mais alta


           Desidratação     DIABETES INSIPIDUS
HIPERFUNÇÃO (muito ADH)

 reabsorção H2O nos rins       do volume
                                sanguíneo e
                               contração das
                                 arteríolas
  Diminuição na diurese


                             Pressão arterial
TIREOIDE
 Localizada na base do
pescoço.
 Abaixo da laringe e à frente
da traqueia.
 Produção de hormônios associados ao metabolismo e
ao crescimento ósseo.
    Papel fundamental no desenvolvimento e na
maturação dos vertebrados. Ex.: anfíbios (controlam a
metamorfose).
 Importância na homeostase. Durante toda a nossa vida,
seus hormônios ajudam na manutenção da pressão
sanguínea, no ritmo cardíaco, no tônus muscular etc.
HORMÔNIOS DA TIREOIDE


   1) Triiodotironina (T3)

   2) Tiroxina(T4)

   3) Calcitonina (tireocalcitonina)
Triiodotironina (T3) e Tiroxina(T4)

 Derivados do aminoácido tirosina.
 Possuem iodo em sua composição química.
 Importância do fornecimento de iodo a partir da dieta
para a síntese desse hormônios.
 Carência alimentar de iodo: bócio ou “papeira”.
 Tireoide aumenta de tamanho (COMPENSAÇÃO).
 Tentativa de absorver o máximo possível de iodo no
sangue.
 Legislação: adição de iodeto de potássio (KI) ao sal de
cozinha.
Sistema endócrino
Triiodotironina (T3) e Tiroxina(T4)

 Aumentam a velocidade dos processo de oxidação e de
liberação de energia.
 Elevação na taxa metabólica e na geração de calor.
 Estimulam a produção de RNA e síntese proteica
( crescimento, maturação).
 A regulação na produção é feita pelo hormônio tireotrófico
(TSH), produzido pela adeno-hipófise.
 Disfunções na hipófise podem levar ao aumento ou à
diminuição na produção desses hormônios.
HIPERTIREOIDISMO

 Produção excessiva de T3 e T4.
 Aceleração do metabolismo corporal.
 Magreza, agitação, taquicardia, hipertensão, hipertermia,
sudorese intensa, insônia.
 Pode levar a uma exoftalmia (olhos arregalados e
proeminentes).
 Causa: Doença de Graves: doença autoimune; produção de um
anticorpo para o receptor de TSH. Tireoide é estimulada a
produzir seus hormônios, mesmo com níveis baixos de TSH no
sangue.
Superestímulo da tireoide = crescimento anormal da glândula,
com formação de um “papo” no pescoço (bócio).
Sistema endócrino
HIPOTIREOIDISMO
 Produção insuficiente de T3 e T4.
 Retardo no metabolismo corporal.
 Aumento de peso, moleza, raciocínio lento, letargia,
sonolência, desânimo, hipotensão, diminuição na frequência
cardíaca, pele seca e fria, mixedemia etc.
Causas
Disfunção congênita - incapacidade genética de produzir os
hormônios tireoidianos: cretinismo biológico (retardamento no
desenvolvimento físico, mental e sexual).
 Deficiência na produção do TSH pela adeno-hipófise.
 Carência alimentar de iodo.
 Após cirurgias de tireoidectomia, devido a tumores.
Sistema endócrino
Calcitonina

 Age no metabolismo do cálcio.
Diminui a quantidade de cálcio no sangue (calcemia).
 Deposição de cálcio nos ossos.
 Atuação antagônica em relação a ação do paratormônio,
hormônio produzido pelas glândulas paratireoides.
PARATIREOIDES
 Dois pares de estruturas
ovoides.
      Localizadas atrás da
tireoide.
 Metabolismo do cálcio e do
fósforo.
 Produção do paratormônio

   • Manutenção constante da relação entre o cálcio o
   fósforo no plasma;
   • Mobilização de cálcio dos ossos;
   • Secretado em situações e baixa calcemia
Calcitonina e Paratormônio
  Regulação da Calcemia
Esquema Apostila Pág. 45
PÂNCREAS

 Glândula mista ou anfícrina.

 Faz parte dos sistemas endócrino e digestório.

 Regiões endócrinas: ilhotas de Langerhans.

 Regiões exócrinas: ácinos pancreáticos.

 Importância na manutenção da glicemia.

 Disfunções podem provocar o diabetes.
Sistema endócrino
Sistema endócrino
Sistema endócrino
Resumo das funções dos Hormônios
                           Pancreáticos

                                         Aumenta a captação de glicose pelas
                                         células e, ao mesmo tempo, inibe a
                                         utilização de ácidos graxos e estimula
             Insulina                    sua deposição no tecido adiposo. No
(Ilhotas de Langerhans - células beta)   fígado, estimula a captação da glicose
                                         plasmática e sua conversão em
                                         glicogênio.   Portanto,   provoca    a
                                         diminuição da concentração de glicose
                                         no sangue.
                                         Ativa a enzima fosforilase, que fraciona
                                         as moléculas de glicogênio do fígado em
            Glucagon                     moléculas de glicose, que passam para o
(Ilhotas de Langerhans - células alfa)   sangue, elevando a glicemia (taxa de
                                         glicose sanguínea).
DIABETES
 Distúrbio na produção do hormônio insulina.
 4ª maior causa de morte por doença nos EUA,
principalmente devido aos seus danos no sistema
circulatório.
Fatores genéticos e ambientais contribuem para o
início dos dois tipos de diabetes.
 Principais características:
 Elevada glicemia
 Excreção de glicose na urina (glicosúria)
 Eliminação de grandes volumes de urina (poliúria)
 Elevada quantidade de glicose no filtrado glomerular
causa diminuição da reabsorção de água pelos túbulos
renais.
DIABETES

 Principais características:
 Sede excessiva (polidipsia)
 Ingestão alimentar excessiva (polifagia)
 Elevada degradação de proteínas e gorduras para
obtenção de energia.
 Emagrecimento e fraqueza.
 Lesão de vasos sanguíneos:  riscos de infarto do
miocárdio, isquemias cerebrais, da retina.
DIABETES MELITO TIPO I

 Diabetes juvenil.
 Desenvolve-se antes dos 40 anos.
 Afeta cerca de 10% dos diabéticos que necessitam
receber injeções de insulina diariamente.
 Doença autoimune.
 Destruição das células beta do pâncreas.
 Redução na produção de insulina.
 Paciente é insulinodependente.
 Não está diretamente relacionada ao estilo de vida e
à alimentação.
 Causa genética.
DIABETES MELITO TIPO II

 Diabetes tardia.
 Desenvolve-se após os 30 anos.
 Associada à obesidade, idade, estilo de vida e
histórico familiar.
 Resistência insulínica.
 Receptores de glicose presentes nas células
musculares e adiposas reduzidos e sem capacidade de
responder à presença da insulina.
 Absorção de glicose por essas células fica
comprometida.
 Controle da glicemia: dieta, atividade física, drogas
antidiabéticas, insulina.
Sistema endócrino
SUPRARRENAIS
 Adrenais.
 Localizadas sobre cada um dos rins.
 Apresentam 2 partes de funções distintas:
 Córtex (mais externa) – origem mesodérmica.
•    Hormônios       corticoides      ou      corticosteroides
(mineralocorticoides, glicocorticoides, sexo corticoides)


Medula (mais interna) – origem ectodérmica.
• Hormônios Adrenalina e Noradrenalina
Sistema endócrino
CÓRTEX DA SUPRARRENAL

GLICOCORTICOIDES

CORTISOL E CORTISONA
 Metabolismo de carboidratos no fígado.
 Quebra de glicogênio em glicoses (glicogenólise).
 Diminuição da captação de glicose pelas células,
aumentando, assim, a utilização de gorduras.
 Essas ações elevam glicemia, a taxa metabólica e a
geração de calor.
 Produção de açúcares a partir de proteínas
(neoglineogênese).
CORTISOL E CORTISONA
 Poder anti-inflamatório e antialérgico.
 Utilização na medicina.
 Diminuição da migração de glóbulos brancos para os
sítios de inflamação.
 Menor liberação de substâncias capazes de dilatar as
arteríolas da região.
 Diminuição da reação inflamatória.
 Uso prolongado deprime o sistema imunológico,
aumenta e retenção de água.
 Produção aumentada em situações de estresse
prolongado.
 Suscetibilidade a infecções, úlceras, aterosclerose,
hipertensão e até diabetes.
CÓRTEX DA SUPRARRENAL

MINERALOCORTICOIDES
ALDOSTERONA
 Equilíbrio hidrossalino do organismo.
 Regulação das taxas de Na+, Cl- e K+ no sangue.
 Aumento na retenção de íons sódio pelos rins.
 Maior retenção de água no corpo.
 Elevação na pressão sanguínea.
 A liberação desse hormônio é controlada por
substâncias produzidas pelo fígado e pelos rins, em
resposta a variações na concentração da sais no
sangue.
Sistema endócrino
CÓRTEX DA SUPRARRENAL

SEXOCORTICOIDES
TESTOSTERONA, ESTRÓGENOS, PROGESTERONA
 Ação suplementar sobre as gônadas.
 “Todos nós temos um pouco de hormônios do sexo
oposto”.
DISFUNÇÕES NO CÓRTEX DA SUPRARRENAL

 O córtex da suprarrenal é regulado pelo ACTH
(adrenocorticotrófico), que por sua vez, é controlado
pelo fator liberador de corticotrofina hipotalâmico.
 Estados de depressão emocional podem atuar sobre
o hipotálamo, afetando as suprarrenais pelo
descontrole da hipófise.
 Pode ocorrer aumento da pressão sanguínea e outras
alterações metabólicas.
 A persistência dessas situações pode provocar
doenças.
DISFUNÇÕES NO CÓRTEX DA SUPRARRENAL

 HIPOFUNÇÃO
DOENÇA DA ADDISON
 Baixa pressão arterial.
 Fraqueza muscular.
 Distúrbios digestivos (náuseas e vômitos).
 Aumento na perda urinária de sódio e cloreto.
 Aumento na concentração plasmática de potássio.
 Mielinização da pele.
 Emagrecimento e enfraquecimento geral.
 Embotamento mental (perda da sensibilidade e da
capacidade intelectual).
DISFUNÇÕES NO CÓRTEX DA SUPRARRENAL

 HIPERFUNÇÃO
DOENÇA DE CUSHING
 Elevada pressão sanguínea.
 Retenção de sais.
 Infiltração de água nos tecidos.
 Desmineralização dos ossos.
 Perda da função sexual.

Obs: dependendo muito do tipo de hormônio
corticoide que teve sua secreção aumentada.
DISFUNÇÕES NO CÓRTEX DA SUPRARRENAL

VIRILIZAÇÃO EM MULHERES
 Tumores nas suprarrenais.
 Alteração na produção dos sexocorticoides.
 Aumento na produção de testosterona.
 Crescimento excessivo de pelos, presença de barba,
voz grossa, clitóris mais avantajado, desenvolvimento
muscular.

Ex.: mulheres barbadas das atrações circenses.
MEDULA DA SUPRARRENAL

 É controlada pelo próprio SNC.
 Detecção pelo SNC de alguma situação de perigo:
estimulação da medula da suprarrenal a liberar o
hormônio adrenalina (epinefrina) no sangue.
 Prepara o organismo para enfrentar situações de
risco e de perigo, fornecendo uma dose extra de energia
para os músculos do corpo.

Obs: Uma vida estressante, sob grande tensão e muitas
situações de perigo, é nociva ao coração. Estimula o
organismo a produzir muito adrenalina, forçando o coração
e aumentando a pressão arterial.
Efeitos da ação da ADRENALINA no corpo humano

 Aceleração dos batimentos cardíacos;
 Aumento da pressão arterial;
 Aumento da frequência respiratória.
 Aumento na sudorese;
 Vasoconstrição na pele;
 Palidez;
 Quebra do glicogênio no fígado;
 Aumento da glicemia.
Sistema endócrino
NORADRENALINA (NOREPINEFRINA)

 Liberada em dose mais ou menos constantes pela
medula das suprarrenais, independentemente da
liberação de adrenalina.
 Sua principal função é manter a pressão sanguínea
em níveis normais.

Obs: A adrenalina ajuda o corpo a lidar com
emergências. Entretanto, seus efeitos são rápidos e
passageiros, porque ela é inativada por enzimas do
fígado, cerca de 3 minutos após sua liberação.
GÔNADAS

TESTÍCULOS E OVÁRIOS
 Estimulado pelos hormônios gonadotróficos,
produzidos pela adeno hipófise.
 FSH e LH.
 Maturação dos gametas.
 Reprodução.
Características sexuais secundárias.
Testículos



               Promove     o   desenvolvimento   e     o
               crescimento dos testículos, além do
Testosterona   desenvolvimento dos caracteres sexuais
               secundários masculinos, aumento da libido
(andrógeno)    (desejo sexual), aumento da massa
               muscular e da agressividade.
Ovários



               Promove o desenvolvimento dos caracteres
               sexuais femininos e da parede uterina
               (endométrio); estimula o crescimento e a
               calcificação óssea, inibindo a remoção desse
 Estrógenos    íon do osso e protegendo contra a
               osteoporose; protege contra a aterosclerose
               (deposição de placas de gorduras nas
               artérias).
               Modificações orgânicas da gravidez, como
               preparação do útero para aceitação do óvulo
Progesterona   fertilizado e das mamas para a lactação.
               Inibe as contrações uterinas, impedindo a
               expulsão do feto em desenvolvimento.
Sistema endócrino
Sistema endócrino
Sistema endócrino

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema endócrino - Anatomia humana
Sistema endócrino - Anatomia humanaSistema endócrino - Anatomia humana
Sistema endócrino - Anatomia humana
Marília Gomes
 
Aula 8º ano - O sistema endócrino
Aula 8º ano - O sistema endócrinoAula 8º ano - O sistema endócrino
Aula 8º ano - O sistema endócrino
Leonardo Kaplan
 
Genética – a herança ligada ao sexo
Genética – a herança ligada ao sexoGenética – a herança ligada ao sexo
Genética – a herança ligada ao sexo
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Endócrino hormônios-interactive
Endócrino hormônios-interactiveEndócrino hormônios-interactive
Endócrino hormônios-interactive
edu.biologia
 
Sistema Genital Masculino
Sistema Genital MasculinoSistema Genital Masculino
Sistema Genital Masculino
Marcia Regina
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
Douglas Barreto
 
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
crisbassanimedeiros
 
Aula 10 endocrino
Aula 10   endocrinoAula 10   endocrino
Aula 10 endocrino
Adele Janie
 
Conceitos básicos de Genética
Conceitos básicos de GenéticaConceitos básicos de Genética
Conceitos básicos de Genética
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 
8 ano cap 8
8 ano cap 88 ano cap 8
8 ano cap 8
Sarah Lemes
 
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema EndócrinoFisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Herbert Santana
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
Universidade de Brasília
 
Sistema Endócrino
Sistema EndócrinoSistema Endócrino
Sistema Endócrino
Killer Max
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
César Milani
 
Sistema endocrino
Sistema endocrinoSistema endocrino
Sistema endocrino
André Garrido
 
Sistema Endócrino
Sistema EndócrinoSistema Endócrino
Sistema Endócrino
BarbaraLCosta
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
Marcos Albuquerque
 
Sistema endocrino 1
Sistema endocrino 1Sistema endocrino 1
Sistema endocrino 1
Beth Pettersen
 
Sistemas Reprodutores Feminino e Masculino
Sistemas Reprodutores Feminino e MasculinoSistemas Reprodutores Feminino e Masculino
Sistemas Reprodutores Feminino e Masculino
Pibid Biologia Cejad
 

Mais procurados (20)

Sistema endócrino - Anatomia humana
Sistema endócrino - Anatomia humanaSistema endócrino - Anatomia humana
Sistema endócrino - Anatomia humana
 
Aula 8º ano - O sistema endócrino
Aula 8º ano - O sistema endócrinoAula 8º ano - O sistema endócrino
Aula 8º ano - O sistema endócrino
 
Genética – a herança ligada ao sexo
Genética – a herança ligada ao sexoGenética – a herança ligada ao sexo
Genética – a herança ligada ao sexo
 
Endócrino hormônios-interactive
Endócrino hormônios-interactiveEndócrino hormônios-interactive
Endócrino hormônios-interactive
 
Sistema Genital Masculino
Sistema Genital MasculinoSistema Genital Masculino
Sistema Genital Masculino
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
 
Aula 10 endocrino
Aula 10   endocrinoAula 10   endocrino
Aula 10 endocrino
 
Conceitos básicos de Genética
Conceitos básicos de GenéticaConceitos básicos de Genética
Conceitos básicos de Genética
 
8 ano cap 8
8 ano cap 88 ano cap 8
8 ano cap 8
 
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema EndócrinoFisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
Sistema Endócrino
Sistema EndócrinoSistema Endócrino
Sistema Endócrino
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
Sistema endocrino
Sistema endocrinoSistema endocrino
Sistema endocrino
 
Sistema Endócrino
Sistema EndócrinoSistema Endócrino
Sistema Endócrino
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
Sistema endocrino 1
Sistema endocrino 1Sistema endocrino 1
Sistema endocrino 1
 
Sistemas Reprodutores Feminino e Masculino
Sistemas Reprodutores Feminino e MasculinoSistemas Reprodutores Feminino e Masculino
Sistemas Reprodutores Feminino e Masculino
 

Destaque

Sistema endócrino pablo
Sistema endócrino pabloSistema endócrino pablo
Sistema endócrino pablo
Vagner Pires Reis
 
Sistema endocrino 8ano
Sistema endocrino 8anoSistema endocrino 8ano
Sistema endocrino 8ano
ANA LUCIA FARIAS
 
Fisio (endócrino)
Fisio (endócrino)Fisio (endócrino)
Fisio (endócrino)
Felipe Cavalcante
 
Sistema endócrino hormônios humanos
Sistema endócrino   hormônios humanosSistema endócrino   hormônios humanos
Sistema endócrino hormônios humanos
paulober
 
Adenohipofisis
Adenohipofisis Adenohipofisis
Adenohipofisis
AiiDe'h GoOm's
 
Fisiologia do exercício hormônios 2 - Aula de pós graduação - Professor Claud...
Fisiologia do exercício hormônios 2 - Aula de pós graduação - Professor Claud...Fisiologia do exercício hormônios 2 - Aula de pós graduação - Professor Claud...
Fisiologia do exercício hormônios 2 - Aula de pós graduação - Professor Claud...
Claudio Novelli
 
Hormonios fisiologia do exercício 1 - Aula de pós graduação - Professor Claud...
Hormonios fisiologia do exercício 1 - Aula de pós graduação - Professor Claud...Hormonios fisiologia do exercício 1 - Aula de pós graduação - Professor Claud...
Hormonios fisiologia do exercício 1 - Aula de pós graduação - Professor Claud...
Claudio Novelli
 
Hipotalamo y adenohipofisis
Hipotalamo y adenohipofisisHipotalamo y adenohipofisis
Hipotalamo y adenohipofisis
UVR-UVM
 
Aula hipófise
Aula hipófiseAula hipófise
Hipófise
HipófiseHipófise
Hipófise
André Lacerda
 
Adenohipofisis
AdenohipofisisAdenohipofisis
Tireoidectomia
TireoidectomiaTireoidectomia
Tireoidectomia
Talitha Sperandeo
 
Hiper e hipotireoidismo
Hiper e hipotireoidismoHiper e hipotireoidismo
Hiper e hipotireoidismo
Edienny Viana
 
O Sistema Endócrino
O Sistema EndócrinoO Sistema Endócrino
O Sistema Endócrino
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Hipófisis, adenohipofisis
Hipófisis, adenohipofisisHipófisis, adenohipofisis
Hipófisis, adenohipofisis
Cinthiiaa Hernandez
 
Fisiologia do Hormônio Calcitonina.
Fisiologia do Hormônio Calcitonina.Fisiologia do Hormônio Calcitonina.
Fisiologia do Hormônio Calcitonina.
odair jose
 
Hipófisis
HipófisisHipófisis
hipofisis
 hipofisis hipofisis
hipofisis
Rico Lomeli
 
Metabolismo de calcio
Metabolismo de calcioMetabolismo de calcio
Metabolismo de calcio
PUCPR
 
Glandula hipofisis
Glandula hipofisisGlandula hipofisis
Glandula hipofisis
Fernando Plata Herrera
 

Destaque (20)

Sistema endócrino pablo
Sistema endócrino pabloSistema endócrino pablo
Sistema endócrino pablo
 
Sistema endocrino 8ano
Sistema endocrino 8anoSistema endocrino 8ano
Sistema endocrino 8ano
 
Fisio (endócrino)
Fisio (endócrino)Fisio (endócrino)
Fisio (endócrino)
 
Sistema endócrino hormônios humanos
Sistema endócrino   hormônios humanosSistema endócrino   hormônios humanos
Sistema endócrino hormônios humanos
 
Adenohipofisis
Adenohipofisis Adenohipofisis
Adenohipofisis
 
Fisiologia do exercício hormônios 2 - Aula de pós graduação - Professor Claud...
Fisiologia do exercício hormônios 2 - Aula de pós graduação - Professor Claud...Fisiologia do exercício hormônios 2 - Aula de pós graduação - Professor Claud...
Fisiologia do exercício hormônios 2 - Aula de pós graduação - Professor Claud...
 
Hormonios fisiologia do exercício 1 - Aula de pós graduação - Professor Claud...
Hormonios fisiologia do exercício 1 - Aula de pós graduação - Professor Claud...Hormonios fisiologia do exercício 1 - Aula de pós graduação - Professor Claud...
Hormonios fisiologia do exercício 1 - Aula de pós graduação - Professor Claud...
 
Hipotalamo y adenohipofisis
Hipotalamo y adenohipofisisHipotalamo y adenohipofisis
Hipotalamo y adenohipofisis
 
Aula hipófise
Aula hipófiseAula hipófise
Aula hipófise
 
Hipófise
HipófiseHipófise
Hipófise
 
Adenohipofisis
AdenohipofisisAdenohipofisis
Adenohipofisis
 
Tireoidectomia
TireoidectomiaTireoidectomia
Tireoidectomia
 
Hiper e hipotireoidismo
Hiper e hipotireoidismoHiper e hipotireoidismo
Hiper e hipotireoidismo
 
O Sistema Endócrino
O Sistema EndócrinoO Sistema Endócrino
O Sistema Endócrino
 
Hipófisis, adenohipofisis
Hipófisis, adenohipofisisHipófisis, adenohipofisis
Hipófisis, adenohipofisis
 
Fisiologia do Hormônio Calcitonina.
Fisiologia do Hormônio Calcitonina.Fisiologia do Hormônio Calcitonina.
Fisiologia do Hormônio Calcitonina.
 
Hipófisis
HipófisisHipófisis
Hipófisis
 
hipofisis
 hipofisis hipofisis
hipofisis
 
Metabolismo de calcio
Metabolismo de calcioMetabolismo de calcio
Metabolismo de calcio
 
Glandula hipofisis
Glandula hipofisisGlandula hipofisis
Glandula hipofisis
 

Semelhante a Sistema endócrino

Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
Simone Regina Grando
 
Acup apostila oficial endócrino-pdf
Acup apostila oficial endócrino-pdfAcup apostila oficial endócrino-pdf
Acup apostila oficial endócrino-pdf
Enfermare Home Care
 
Aula 23 sistema endócrino
Aula 23   sistema endócrinoAula 23   sistema endócrino
Aula 23 sistema endócrino
Jonatas Carlos
 
AULA 11 - SISTEMA ENDÓCRINO DO CORPO HUMANO
AULA 11 - SISTEMA ENDÓCRINO DO CORPO HUMANOAULA 11 - SISTEMA ENDÓCRINO DO CORPO HUMANO
AULA 11 - SISTEMA ENDÓCRINO DO CORPO HUMANO
RodrigoSousa736857
 
CONTROLE HORMONAL SISTEMA ENDÓCRINO
CONTROLE HORMONAL SISTEMA ENDÓCRINOCONTROLE HORMONAL SISTEMA ENDÓCRINO
CONTROLE HORMONAL SISTEMA ENDÓCRINO
Patrícia Trindade
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 
2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino
2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino
2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino
Colégio Batista de Mantena
 
Hormônios trabalho de biologia
Hormônios   trabalho de biologiaHormônios   trabalho de biologia
Hormônios trabalho de biologia
Ingrid Curcino
 
Glândulas e hormônios
Glândulas e hormôniosGlândulas e hormônios
Glândulas e hormônios
Sâmara Mends
 
Sistema endocrino
Sistema endocrinoSistema endocrino
Sistema endocrino
ValdomiroMartins
 
Sistema endocrino
Sistema endocrinoSistema endocrino
Sistema endocrino
ValdomiroMartins
 
Sistema endocrino
Sistema endocrinoSistema endocrino
Sistema endocrino
André Garrido
 
Sistema endocrino
Sistema endocrinoSistema endocrino
Sistema endocrino
André Garrido
 
Aula 06 fisiologia do sistema endócrino - atualizado
Aula 06   fisiologia do sistema endócrino - atualizadoAula 06   fisiologia do sistema endócrino - atualizado
Aula 06 fisiologia do sistema endócrino - atualizado
Hamilton Nobrega
 
Sistema endocrino
Sistema endocrinoSistema endocrino
Sistema endocrino
André Garrido
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
Roberta Mendes
 
Sistema Endócrino
Sistema EndócrinoSistema Endócrino
Sistema Endócrino
Luis Guilherme de Moraes
 
Hipofise
HipofiseHipofise
Hipofise
BrendaMello7
 
Sistema endócrino.pdf
Sistema endócrino.pdfSistema endócrino.pdf
Sistema endócrino.pdf
DarlyanneMartins
 
Hipófise
HipófiseHipófise

Semelhante a Sistema endócrino (20)

Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
Acup apostila oficial endócrino-pdf
Acup apostila oficial endócrino-pdfAcup apostila oficial endócrino-pdf
Acup apostila oficial endócrino-pdf
 
Aula 23 sistema endócrino
Aula 23   sistema endócrinoAula 23   sistema endócrino
Aula 23 sistema endócrino
 
AULA 11 - SISTEMA ENDÓCRINO DO CORPO HUMANO
AULA 11 - SISTEMA ENDÓCRINO DO CORPO HUMANOAULA 11 - SISTEMA ENDÓCRINO DO CORPO HUMANO
AULA 11 - SISTEMA ENDÓCRINO DO CORPO HUMANO
 
CONTROLE HORMONAL SISTEMA ENDÓCRINO
CONTROLE HORMONAL SISTEMA ENDÓCRINOCONTROLE HORMONAL SISTEMA ENDÓCRINO
CONTROLE HORMONAL SISTEMA ENDÓCRINO
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 
2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino
2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino
2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino
 
Hormônios trabalho de biologia
Hormônios   trabalho de biologiaHormônios   trabalho de biologia
Hormônios trabalho de biologia
 
Glândulas e hormônios
Glândulas e hormôniosGlândulas e hormônios
Glândulas e hormônios
 
Sistema endocrino
Sistema endocrinoSistema endocrino
Sistema endocrino
 
Sistema endocrino
Sistema endocrinoSistema endocrino
Sistema endocrino
 
Sistema endocrino
Sistema endocrinoSistema endocrino
Sistema endocrino
 
Sistema endocrino
Sistema endocrinoSistema endocrino
Sistema endocrino
 
Aula 06 fisiologia do sistema endócrino - atualizado
Aula 06   fisiologia do sistema endócrino - atualizadoAula 06   fisiologia do sistema endócrino - atualizado
Aula 06 fisiologia do sistema endócrino - atualizado
 
Sistema endocrino
Sistema endocrinoSistema endocrino
Sistema endocrino
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
Sistema Endócrino
Sistema EndócrinoSistema Endócrino
Sistema Endócrino
 
Hipofise
HipofiseHipofise
Hipofise
 
Sistema endócrino.pdf
Sistema endócrino.pdfSistema endócrino.pdf
Sistema endócrino.pdf
 
Hipófise
HipófiseHipófise
Hipófise
 

Mais de Alpha Colégio e Vestibulares

Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Estudo da Química
Estudo da QuímicaEstudo da Química
Estudo da Química
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Vírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª LaraVírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª Lara
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domíniosDiversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Os vírus - características e ação
Os vírus  - características e açãoOs vírus  - características e ação
Os vírus - características e ação
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2
Alpha Colégio e Vestibulares
 
A origem da vida
A origem da vidaA origem da vida
Sistemas de transporte
Sistemas de transporteSistemas de transporte
Sistemas de transporte
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesProfª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
Alpha Colégio e Vestibulares
 

Mais de Alpha Colégio e Vestibulares (20)

Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Estudo da Química
Estudo da QuímicaEstudo da Química
Estudo da Química
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
 
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
 
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Vírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª LaraVírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª Lara
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
 
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domíniosDiversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domínios
 
Os vírus - características e ação
Os vírus  - características e açãoOs vírus  - características e ação
Os vírus - características e ação
 
Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2
 
Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2
 
A origem da vida
A origem da vidaA origem da vida
A origem da vida
 
Sistemas de transporte
Sistemas de transporteSistemas de transporte
Sistemas de transporte
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesProfª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
 
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
 
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
 

Sistema endócrino

  • 1. SISTEMA ENDÓCRINO APOSTILA COMUM (PÁG. 39 A 48)
  • 2.  Sistema envolvido na coordenação e regulação de diversas funções corporais.  Formado por glândulas endócrinas.  Suas mensagens têm natureza química: HORMÔNIOS Substâncias produzidas pelas glândulas endócrinas, lançadas diretamente na corrente sanguínea, para controlar o funcionamento de outros órgãos, denominados órgãos-alvo.
  • 3.  Cada hormônio é específico para uma determinada célula alvo.  Reconhecimento de receptores hormonais específicos na membrana da célula alvo.  Ligação hormônio receptor  ativação de uma molécula mensageira na célula alvo  atuação desta molécula em reações químicas específicas  estimulação/ inibição de atividades celulares específicas.  Importância na homeostase.  Hormônios também influenciam no comportamento, regulam o crescimento, a reprodução, determinam características sexuais secundárias.
  • 4.  Sistema endócrino e nervoso: frequente interação.  Estabelecimento de mecanismos autorreguladores precisos.  Sistema nervoso fornece ao sistema endócrino informações sobre o meio externo.  Sistema endócrino estabelece a resposta interna a essas informações.  Atuação em conjunto desses dois sistemas na coordenação e regulação das funções corporais.
  • 6. NATUREZA QUÍMICA DOS HORMÔNIOS 1) Derivados Lipídicos • Hormônios esteroides (derivados do colesterol). • Cortisol, testosterona, progesterona, estrógenos. 2) Derivados de Aminoácidos • Hormônios tireoidianos (T3 e T4). • Adrenalina e noradrenalina (catecolaminas – derivados do aminoácido tirosina) 3) Peptídicos e proteicos • Cadeias 3 a 200 aminoácidos. • Insulina, glucagon, prolactina, ocitocina, ADH, GH...
  • 7. MECANISMO DE AÇÃO HORMONAL  As células produtoras de hormônio realizam a síntese, o armazenamento e a liberação do hormônio para o sangue.  A resposta desejada ocorrerá nas células-alvo, que contêm receptores específicos para o hormônio.  O hormônio é eliminado por degradação e/ou excreção.  Sinal de retroalimentação (geralmente negativa): inibição pelo excesso do produto. (feedback negativo)
  • 10. MECANISMO DE AÇÃO HORMONAL HORMÔNIOS LIPOSSOLÚVEIS  Podem difundir-se através da dupla camada fosfolipídica da membrana plasmática para entrar nas células.  Ligação a receptores no interior das células-alvo.  O receptor ativado altera a função celular através do “acionamento” ou “desligamento” de genes específicos.  O RNA-m recém-formado deixa o núcleo e entra no citosol. Lá, direciona a síntese de novas proteínas, que alteram a atividade celular.
  • 12. MECANISMO DE AÇÃO HORMONAL HORMÔNIOS HIDROSSOLÚVEIS  Não podem difundir-se através da membrana plasmática.  Os receptores para esses hormônios são proteínas integrais da membrana plasmática.  Esta ligação inicia uma reação que causa a ativação de diversas enzimas.  Ativação de mensageiros químicos no citosol.  As enzimas ativadas catalisam as reações que produzem respostas fisiológicas.
  • 14. POR QUE CONTROLAR A SECREÇÃO HORMONAL?  A regulação é necessária para que não haja superprodução ou subprodução de um determinado hormônio.  Se o mecanismo regulador não operar apropriadamente e os níveis hormonais forem excessivos ou deficientes, resultará em doenças por hiperfunção ou hipofunção, respectivamente.
  • 15. CIRCUITO HIPOTÁLAMO/ HIPÓFISE  Interação Sistema Nervoso/ Sistema Endócrino.  Hipófise: Glândula “mestra”??  Forte e constante controle hipotalâmico.  Hipotálamo: localizado no encéfalo, diretamente acima da hipófise.  Exerce controle sobre a hipófise por meios de conexões neurais e substâncias semelhantes a hormônios chamados fatores desencadeadores (ou de liberação).  Obs: neurônios hipotalâmicos não se estendem por toda a hipófise. Vasos sanguíneos especiais conectam o hipotálamo à hipófise anterior (adeno-hipófise).
  • 18. HIPOTÁLAMO/ HIPÓFISE CONTROLE POR RETROALIMENTAÇÃO
  • 19. HIPÓFISE  Também conhecida como Pituitária.  Tamanho um pouco maior que um grão de ervilha.  Localizada na base do encéfalo.  Produz a maior variedade de hormônios.  Realiza um grande número de funções no nosso organismo.
  • 20. HIPÓFISE  Constituída por duas partes distintas: 1) Adeno-hipófise (lobo anterior da hipófise) • Origem epitelial • Evaginação do teto da boca do embrião 2) Neuro-hipófise (lobo posterior da hipófise) • Origem nervosa • Evaginação da parte inicial do hipotálamo, durante o desenvolvimento do cérebro.
  • 22. ADENO-HIPÓFISE (LOBO ANTERIOR DA HIPÓFISE)  Produção dos Hormônios Tróficos: estimulam o funcionamento de outras glândulas endócrinas. 1) ACTH (hormônio adrenocorticotrófico): regula a atividade do córtex das glândulas suprarrenais, estimulando a secreção de hormônios glicocorticoides. 2) TSH (hormônio tireotrófico): estimula a tireoide. Sua produção é estimulada pelo hormônio liberador de tireotrofina (TRH), secretado pelo hipotálamo. 3) Hormônios Gonadotróficos (FSH e LH): estimulam as gônadas.
  • 23. 3) Hormônios Gonadotróficos FSH (hormônio folículo estimulante) • Estimula o amadurecimento do folículo ovariano e a produção de estrógenos. • Estimula a produção de espermatozóides nos túbulos seminíferos. LH (hormônio luteinizante) • Induz a ovulação e a formação do corpo lúteo. • Estimula as células Intersticiais de Leydig a produzir testosterona.
  • 25. HORMÔNIOS METABÓLICOS 4) STH (hormônio do crescimento, GH)  Aumenta o n° de mitoses e promove a síntese proteica com consequente crescimento dos tecidos (muscular, cartilaginoso, conjuntivo e ósseo).  Contribui para a captação de aminoácidos, síntese proteica e promove o uso de gordura como fonte de energia (evita o desgaste de proteínas).  Produzido mais intensamente durante a infância e adolescência.  Secreções hipotalâmicas estimulam sua liberação durante o sono.
  • 27. Produção de STH na infância e na fase adulta
  • 28. Produção de STH ao longo do dia em uma pessoa normal
  • 29. 4) STH (hormônio do crescimento, GH)  Inibe a captação de glicose plasmática pelas células, aumentando a concentração de glicose no sangue (inibe a produção de insulina, predispondo ao diabetes).  Atua no crescimento, promovendo o alongamento dos ossos e estimulando a síntese de proteínas e o desenvolvimento da massa muscular.  Fase adulta: ossos longos não apresentam mais o disco epifisário cartilaginoso, responsável pelo seu crescimento.  Consequência: paramos de crescer
  • 32. Disfunções na produção do Hormônio de Crescimento Hipofunção  Na infância: nanismo – Baixa estatura. 1,00 a 1,20 de altura, com aparência infantil. Na fase adulta (raro) - Alterações no controle da glicemia e descalcificação óssea Hiperfunção Na infância: gigantismo – até 2,70 m, crescimento extraordinário não deformante. No adulto: acromegalia – crescimento exagerado e deformante das extremidades corporais.
  • 34. Maurice Tillet – Nascido na França em 1903, sofria de acromegalia.
  • 35. Tratamento com Hormônio de Crescimento  Hormônio extraído da hipófise de cadáveres humanos, até pouco tempo atrás.  Avanço no conhecimento da biologia molecular.  Técnicas de Engenharia Genética.  Avanços na Biotecnologia.  Produção industrial do hormônio de crescimento humano por bactérias geneticamente modificadas.
  • 36. HORMÔNIOS METABÓLICOS 5) Prolactina  Estimula a produção de leite pelas glândulas mamárias, se já tiverem sido estimuladas pelos estrógenos e progesterona.  Sua produção acentua-se no final da gestação, aumenta após o parto e persiste enquanto durar o estímulo da sucção. Nos homens, não tem função conhecida, mas em excesso, causa impotência. Auxilia no controle das funções endócrinas dos testículos.  Nas mulheres, a hiperfunção causa ausência do ciclo menstrual.
  • 37. NEURO-HIPÓFISE (LOBO POSTERIOR DA HIPÓFISE)  Não produz hormônios. Armazena e secreta hormônios produzidos pelo hipotálamo. •Ocitocina Na mulher, acelera as contrações uterinas que levam ao parto, promove o aleitamento, contraindo a musculatura lisa das glândulas mamárias o que proporciona a expulsão do leite. Tem retroalimentação positiva. No homem, provoca relaxamento dos vasos e dos corpos eréteis do pênis, aumentando a irrigação sanguínea.
  • 39. NEURO-HIPÓFISE (LOBO POSTERIOR DA HIPÓFISE) 2) ADH (hormônio antidiurético, vasopressina)  Controla a eliminação de água pelos rins.  Estimula a reabsorção de água nos túbulos renais.  Efeitos: diminuição do volume de urina excretado (antidiurético); vasoconstrição.  Regulação do equilíbrio hídrico e da pressão arterial.  Secreção aumentada: aumento na concentração de soluto nos fluidos corporais (  pressão osmótica) e hemorragias intensas.  Etanol inibe sua secreção, estimulando a diurese.
  • 40. Por que o ADH também é chamado de vasopressina?
  • 43. HIPOFUNÇÃO (pouco ADH)  reabsorção H2O nos rins  volume sanguíneo Aumento na diurese  Pressão arterial A taxa de glicose Sede exagerada “parece” mais alta Desidratação DIABETES INSIPIDUS
  • 44. HIPERFUNÇÃO (muito ADH)  reabsorção H2O nos rins  do volume sanguíneo e contração das arteríolas Diminuição na diurese  Pressão arterial
  • 45. TIREOIDE  Localizada na base do pescoço.  Abaixo da laringe e à frente da traqueia.  Produção de hormônios associados ao metabolismo e ao crescimento ósseo.  Papel fundamental no desenvolvimento e na maturação dos vertebrados. Ex.: anfíbios (controlam a metamorfose).  Importância na homeostase. Durante toda a nossa vida, seus hormônios ajudam na manutenção da pressão sanguínea, no ritmo cardíaco, no tônus muscular etc.
  • 46. HORMÔNIOS DA TIREOIDE 1) Triiodotironina (T3) 2) Tiroxina(T4) 3) Calcitonina (tireocalcitonina)
  • 47. Triiodotironina (T3) e Tiroxina(T4)  Derivados do aminoácido tirosina.  Possuem iodo em sua composição química.  Importância do fornecimento de iodo a partir da dieta para a síntese desse hormônios.  Carência alimentar de iodo: bócio ou “papeira”.  Tireoide aumenta de tamanho (COMPENSAÇÃO).  Tentativa de absorver o máximo possível de iodo no sangue.  Legislação: adição de iodeto de potássio (KI) ao sal de cozinha.
  • 49. Triiodotironina (T3) e Tiroxina(T4)  Aumentam a velocidade dos processo de oxidação e de liberação de energia.  Elevação na taxa metabólica e na geração de calor.  Estimulam a produção de RNA e síntese proteica ( crescimento, maturação).  A regulação na produção é feita pelo hormônio tireotrófico (TSH), produzido pela adeno-hipófise.  Disfunções na hipófise podem levar ao aumento ou à diminuição na produção desses hormônios.
  • 50. HIPERTIREOIDISMO  Produção excessiva de T3 e T4.  Aceleração do metabolismo corporal.  Magreza, agitação, taquicardia, hipertensão, hipertermia, sudorese intensa, insônia.  Pode levar a uma exoftalmia (olhos arregalados e proeminentes).  Causa: Doença de Graves: doença autoimune; produção de um anticorpo para o receptor de TSH. Tireoide é estimulada a produzir seus hormônios, mesmo com níveis baixos de TSH no sangue. Superestímulo da tireoide = crescimento anormal da glândula, com formação de um “papo” no pescoço (bócio).
  • 52. HIPOTIREOIDISMO  Produção insuficiente de T3 e T4.  Retardo no metabolismo corporal.  Aumento de peso, moleza, raciocínio lento, letargia, sonolência, desânimo, hipotensão, diminuição na frequência cardíaca, pele seca e fria, mixedemia etc. Causas Disfunção congênita - incapacidade genética de produzir os hormônios tireoidianos: cretinismo biológico (retardamento no desenvolvimento físico, mental e sexual).  Deficiência na produção do TSH pela adeno-hipófise.  Carência alimentar de iodo.  Após cirurgias de tireoidectomia, devido a tumores.
  • 54. Calcitonina  Age no metabolismo do cálcio. Diminui a quantidade de cálcio no sangue (calcemia).  Deposição de cálcio nos ossos.  Atuação antagônica em relação a ação do paratormônio, hormônio produzido pelas glândulas paratireoides.
  • 55. PARATIREOIDES  Dois pares de estruturas ovoides.  Localizadas atrás da tireoide.  Metabolismo do cálcio e do fósforo.  Produção do paratormônio • Manutenção constante da relação entre o cálcio o fósforo no plasma; • Mobilização de cálcio dos ossos; • Secretado em situações e baixa calcemia
  • 56. Calcitonina e Paratormônio Regulação da Calcemia
  • 58. PÂNCREAS  Glândula mista ou anfícrina.  Faz parte dos sistemas endócrino e digestório.  Regiões endócrinas: ilhotas de Langerhans.  Regiões exócrinas: ácinos pancreáticos.  Importância na manutenção da glicemia.  Disfunções podem provocar o diabetes.
  • 62. Resumo das funções dos Hormônios Pancreáticos Aumenta a captação de glicose pelas células e, ao mesmo tempo, inibe a utilização de ácidos graxos e estimula Insulina sua deposição no tecido adiposo. No (Ilhotas de Langerhans - células beta) fígado, estimula a captação da glicose plasmática e sua conversão em glicogênio. Portanto, provoca a diminuição da concentração de glicose no sangue. Ativa a enzima fosforilase, que fraciona as moléculas de glicogênio do fígado em Glucagon moléculas de glicose, que passam para o (Ilhotas de Langerhans - células alfa) sangue, elevando a glicemia (taxa de glicose sanguínea).
  • 63. DIABETES  Distúrbio na produção do hormônio insulina.  4ª maior causa de morte por doença nos EUA, principalmente devido aos seus danos no sistema circulatório. Fatores genéticos e ambientais contribuem para o início dos dois tipos de diabetes.  Principais características:  Elevada glicemia  Excreção de glicose na urina (glicosúria)  Eliminação de grandes volumes de urina (poliúria)  Elevada quantidade de glicose no filtrado glomerular causa diminuição da reabsorção de água pelos túbulos renais.
  • 64. DIABETES  Principais características:  Sede excessiva (polidipsia)  Ingestão alimentar excessiva (polifagia)  Elevada degradação de proteínas e gorduras para obtenção de energia.  Emagrecimento e fraqueza.  Lesão de vasos sanguíneos:  riscos de infarto do miocárdio, isquemias cerebrais, da retina.
  • 65. DIABETES MELITO TIPO I  Diabetes juvenil.  Desenvolve-se antes dos 40 anos.  Afeta cerca de 10% dos diabéticos que necessitam receber injeções de insulina diariamente.  Doença autoimune.  Destruição das células beta do pâncreas.  Redução na produção de insulina.  Paciente é insulinodependente.  Não está diretamente relacionada ao estilo de vida e à alimentação.  Causa genética.
  • 66. DIABETES MELITO TIPO II  Diabetes tardia.  Desenvolve-se após os 30 anos.  Associada à obesidade, idade, estilo de vida e histórico familiar.  Resistência insulínica.  Receptores de glicose presentes nas células musculares e adiposas reduzidos e sem capacidade de responder à presença da insulina.  Absorção de glicose por essas células fica comprometida.  Controle da glicemia: dieta, atividade física, drogas antidiabéticas, insulina.
  • 68. SUPRARRENAIS  Adrenais.  Localizadas sobre cada um dos rins.  Apresentam 2 partes de funções distintas:  Córtex (mais externa) – origem mesodérmica. • Hormônios corticoides ou corticosteroides (mineralocorticoides, glicocorticoides, sexo corticoides) Medula (mais interna) – origem ectodérmica. • Hormônios Adrenalina e Noradrenalina
  • 70. CÓRTEX DA SUPRARRENAL GLICOCORTICOIDES CORTISOL E CORTISONA  Metabolismo de carboidratos no fígado.  Quebra de glicogênio em glicoses (glicogenólise).  Diminuição da captação de glicose pelas células, aumentando, assim, a utilização de gorduras.  Essas ações elevam glicemia, a taxa metabólica e a geração de calor.  Produção de açúcares a partir de proteínas (neoglineogênese).
  • 71. CORTISOL E CORTISONA  Poder anti-inflamatório e antialérgico.  Utilização na medicina.  Diminuição da migração de glóbulos brancos para os sítios de inflamação.  Menor liberação de substâncias capazes de dilatar as arteríolas da região.  Diminuição da reação inflamatória.  Uso prolongado deprime o sistema imunológico, aumenta e retenção de água.  Produção aumentada em situações de estresse prolongado.  Suscetibilidade a infecções, úlceras, aterosclerose, hipertensão e até diabetes.
  • 72. CÓRTEX DA SUPRARRENAL MINERALOCORTICOIDES ALDOSTERONA  Equilíbrio hidrossalino do organismo.  Regulação das taxas de Na+, Cl- e K+ no sangue.  Aumento na retenção de íons sódio pelos rins.  Maior retenção de água no corpo.  Elevação na pressão sanguínea.  A liberação desse hormônio é controlada por substâncias produzidas pelo fígado e pelos rins, em resposta a variações na concentração da sais no sangue.
  • 74. CÓRTEX DA SUPRARRENAL SEXOCORTICOIDES TESTOSTERONA, ESTRÓGENOS, PROGESTERONA  Ação suplementar sobre as gônadas.  “Todos nós temos um pouco de hormônios do sexo oposto”.
  • 75. DISFUNÇÕES NO CÓRTEX DA SUPRARRENAL  O córtex da suprarrenal é regulado pelo ACTH (adrenocorticotrófico), que por sua vez, é controlado pelo fator liberador de corticotrofina hipotalâmico.  Estados de depressão emocional podem atuar sobre o hipotálamo, afetando as suprarrenais pelo descontrole da hipófise.  Pode ocorrer aumento da pressão sanguínea e outras alterações metabólicas.  A persistência dessas situações pode provocar doenças.
  • 76. DISFUNÇÕES NO CÓRTEX DA SUPRARRENAL  HIPOFUNÇÃO DOENÇA DA ADDISON  Baixa pressão arterial.  Fraqueza muscular.  Distúrbios digestivos (náuseas e vômitos).  Aumento na perda urinária de sódio e cloreto.  Aumento na concentração plasmática de potássio.  Mielinização da pele.  Emagrecimento e enfraquecimento geral.  Embotamento mental (perda da sensibilidade e da capacidade intelectual).
  • 77. DISFUNÇÕES NO CÓRTEX DA SUPRARRENAL  HIPERFUNÇÃO DOENÇA DE CUSHING  Elevada pressão sanguínea.  Retenção de sais.  Infiltração de água nos tecidos.  Desmineralização dos ossos.  Perda da função sexual. Obs: dependendo muito do tipo de hormônio corticoide que teve sua secreção aumentada.
  • 78. DISFUNÇÕES NO CÓRTEX DA SUPRARRENAL VIRILIZAÇÃO EM MULHERES  Tumores nas suprarrenais.  Alteração na produção dos sexocorticoides.  Aumento na produção de testosterona.  Crescimento excessivo de pelos, presença de barba, voz grossa, clitóris mais avantajado, desenvolvimento muscular. Ex.: mulheres barbadas das atrações circenses.
  • 79. MEDULA DA SUPRARRENAL  É controlada pelo próprio SNC.  Detecção pelo SNC de alguma situação de perigo: estimulação da medula da suprarrenal a liberar o hormônio adrenalina (epinefrina) no sangue.  Prepara o organismo para enfrentar situações de risco e de perigo, fornecendo uma dose extra de energia para os músculos do corpo. Obs: Uma vida estressante, sob grande tensão e muitas situações de perigo, é nociva ao coração. Estimula o organismo a produzir muito adrenalina, forçando o coração e aumentando a pressão arterial.
  • 80. Efeitos da ação da ADRENALINA no corpo humano  Aceleração dos batimentos cardíacos;  Aumento da pressão arterial;  Aumento da frequência respiratória.  Aumento na sudorese;  Vasoconstrição na pele;  Palidez;  Quebra do glicogênio no fígado;  Aumento da glicemia.
  • 82. NORADRENALINA (NOREPINEFRINA)  Liberada em dose mais ou menos constantes pela medula das suprarrenais, independentemente da liberação de adrenalina.  Sua principal função é manter a pressão sanguínea em níveis normais. Obs: A adrenalina ajuda o corpo a lidar com emergências. Entretanto, seus efeitos são rápidos e passageiros, porque ela é inativada por enzimas do fígado, cerca de 3 minutos após sua liberação.
  • 83. GÔNADAS TESTÍCULOS E OVÁRIOS  Estimulado pelos hormônios gonadotróficos, produzidos pela adeno hipófise.  FSH e LH.  Maturação dos gametas.  Reprodução. Características sexuais secundárias.
  • 84. Testículos Promove o desenvolvimento e o crescimento dos testículos, além do Testosterona desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários masculinos, aumento da libido (andrógeno) (desejo sexual), aumento da massa muscular e da agressividade.
  • 85. Ovários Promove o desenvolvimento dos caracteres sexuais femininos e da parede uterina (endométrio); estimula o crescimento e a calcificação óssea, inibindo a remoção desse Estrógenos íon do osso e protegendo contra a osteoporose; protege contra a aterosclerose (deposição de placas de gorduras nas artérias). Modificações orgânicas da gravidez, como preparação do útero para aceitação do óvulo Progesterona fertilizado e das mamas para a lactação. Inibe as contrações uterinas, impedindo a expulsão do feto em desenvolvimento.