SlideShare uma empresa Scribd logo
A ORIGEM DA VIDAA ORIGEM DA VIDA
BIOLOGIA A (Profª Lara)
Livro Texto 2 Capítulo 21
Apostila Caderno 4 (pág. 270 a 275)
Aulas 37 e 38
ORIGEM DA VIDA: Primeiras ideias
• Abiogênese ou Geração Espontânea.Abiogênese ou Geração Espontânea.
• Aristóteles (384 a 322 a.C.)  acreditava que
um princípio ativoprincípio ativo ou vitalvital teria a capacidade de
transformar a matéria bruta em um ser vivo.
“Todos os seres vivos originam-se espontaneamente
da matéria bruta.”
• A vida poderia aparecer da matéria não viva, desde que
a matéria bruta entrasse em contato com um princípio
ativo:
Ex.: o calor, a umidade e o lodo poderiam constituir-se em
elementos fundamentais para a “ativação” da matéria bruta,
imprimindo-lhe a dinâmica da vida.
GERAÇÃO ESPONTÂNEA
(ABIOGÊNESE)
• Jan Baptiste Van Helmont (1577-
1644)  receita para produzir
seres vivos:
– misturar uma roupa suada e suja
com germe de trigo em um local
protegido e esperar vinte e um dias
para se obter ratos.
• O que se sabe hojeO que se sabe hoje  os ratos
aparecem por atração a essa mistura
e não a partir dela.
BIOGÊNESE
• Por meio de experimentos, a teoria da
abiogênese foi contestada por vários
cientistas Objetivo  provar que:
um ser vivo só se origina de outro ser vivo por
reprodução

TEORIA DA BIOGÊNESETEORIA DA BIOGÊNESE
www.bioloja.com
O EXPERIMENTO DE FRANCESCO REDI
(1626-1697)
• Questionou a teoria da abiogênese:
– surgimento espontâneo de
vermes na carne em
decomposição.
• Hipótese formulada e testada porHipótese formulada e testada por
RediRedi  vermes surgiam de ovos
colocados por moscas atraídas pela
carne podre:
– vermes seriam larvas que surgem
no ciclo de vida das moscas.
A origem da vida
• A descoberta dos microrganismos, denominados germes ou micróbios
reativou a ideia da Abiogênese. Acreditava-se que os germes surgiam pela
ação de um princípio ativo que existia no ar e em todas as coisas.
• Em 1745, o cientista inglês John T. Needham (1713-1781) realizou vários
experimentos em que submetia à fervura frascos fechados contendo
substâncias nutritivas. Após a fervura por alguns minutos, os fracos esfriavam e
eram abertos em seguida. A análise de seu conteúdo mostrou a presença de
microrganismos.
EXPLICAÇÃO : os microrganismos
teriam surgido por geração
espontânea. A solução nutritiva
continha uma “força
vital” responsável pelo surgimento
das forças vivas.
Microrganismos
Microrganismos
• O pesquisador italiano, Lazzaro Spallanzani (1729-1799), repetiu os experimentos de
Needham, com algumas modificações, e obteve resultados diferentes.
• Colocou substâncias nutritivas em balões de vidro, fechando-os hermeticamente (B).
Esses balões foram colocados em caldeirões com água e submetidos à fervura por mais
tempo. Deixava resfriar e então ele abria os frascos e observava o líquido ao
microscópio. Nenhum organismo estava presente.
EXPLICAÇÃO: Spallanzani alegou
que Needham não havia fervido
sua solução nutritiva por tempo
suficientemente longo para
matar todos os microrganismos
existentes nela e, assim,
esterilizá-la. Também afirmou que
a rolha usada por Needham não
vedava completamente o frasco.
Microrganismos
Sem
microrganismos
• Por volta de 1860, cientista francês
Louis Pasteur, conseguiu provar
definitivamente que os seres vivos só
se originam de outros preexistentes.
• Aperfeiçoamento dos experimentos
de Spallanzani.
A origem da vida
CONCLUSÕES DE PASTEUR
• A ausência de microrganismos nos
frascos do tipo “pescoço de cisne”
mantidos intactos mostraram que o ar
contém microrganismos e que estes, ao
entrarem em contato com o líquido
nutritivo, proliferam.
• No balão intacto, os microrganismos do ar não
conseguiram chegar até o líquido nutritivo e estéril:
microrganismos ficaram retidos pelas gotículas de água
condensada durante o resfriamento  o gargalo do frasco
funcionou como um filtro.
• Quando o pescoço dos frascos foi quebrado, os
microrganismos do ar conseguiram penetrar e entraram
em contato com o líquido nutritivo  proliferação.
• A hipótese da biogênese passou, a partir de então, a ser
aceita universalmente pelos cientistas.
• A biogênese permite a manutenção da vida na Terra.
• No entanto, não explica como a vida surgiu pela primeira
vez no planeta.
• Existem diferentes hipóteses de como a vida surgiu no
planeta.
• A vida teria sido trazida à Terra, vinda do
espaço (outros planetas).
• Foram trazidos para cá por meio de esporos
bacterianos aderidos a meteoros que caíram
no planeta.
• Argumentos a favor: nos meteoros que
caem atualmente na superfície terrestre, têm
sido encontradas algumas moléculas
orgânicas:
PANSPERMIA CÓSMICA
-mais comum do que se imaginava;
- tijolos necessários à construção da vida;
-indício de vida em outros planetas.
• Argumentos contra: nenhum organismo pode viver no espaço, sujeito a
baixíssimas temperaturas, aos raios cósmicos e às radiações ultravioleta;
meteoritos tornam-se incandescentes devido ao atrito com o ar e pulverizam-
se.
Hipótese Autotrófica
 A vida começou a partir de seres quimiossintetizantes,
semelhantes às arqueobactérias atuais.
Críticas à Hipótese Autotrófica
 A produção de substâncias orgânicas a partir de
substâncias inorgânicas é um processo complexo,
que requer vários sistemas enzimáticos diferentes e
um conjunto de informações genéticas compatíveis.
 A existência de reações metabólicas complexas nas
condições da Terra primitiva é muito pouco provável.
A origem da vida
A origem da vida
Hipótese Heterotrófica
 Formulada de forma independente na década de 1920 pelo
bioquímico Aleksander Ivanovich Oparin (1894-1980) e pelo
biólogo John Burdon Sanderson Haldane (1892-1964).
 O primeiro ser vivo obtinha alimento do meio (heterótrofo), e
tenha se originado por evolução química, a partir de reações na
Terra primitiva.
Aleksander Oparin John Burdon Haldane
EVOLUÇÃO QUÍMICA
• “Como surgiu o 1º ser vivo?”
• Condições da Terra Primitiva
• Compostos inorgânicos
Moléculas orgânicas simples
Moléculas orgânicas complexas
EVOLUÇÃO QUÍMICA
• C, H, O e N, elementos que fazem parte da
composição dos seres vivos, também existem fora
deles, na natureza inanimada.
• Seres vivos: proteínas, carboidratos, lipídios, ácidos
nucleicos.
• Diferença entre a matéria viva e a matéria bruta
está no grau de organização desses quatro
elementos combinados.
• Formação de substâncias orgânicas complexas
nos seres vivos.
• Na natureza, eles constituem substâncias
inorgânicas, predominantemente.
•Ambiente: H2O, CO2, N2
As ideias precursoras de Oparin
• Atmosfera Primitiva: metano (CH4), dióxido de
carbono (CO2), nitrogênio (N2), amônia ((NH3),
vapor de água (H2O) e hidrogênio (H2).
• Ativo ciclo de chuvas: condensação do vapor
de água à medida que a temperatura da crosta
diminuía  chuvas sobre as rochas quentes 
evaporação  condensação ...
• Radiações ultravioletas + descargas elétricas
(tempestades) + moléculas da atmosfera
primitiva = rompimento/surgimento de ligações
químicas.
• Formação de novos compostos na atmosfera
(ex.: aminoácidos, açúcares simples).
As ideias precursoras de Oparin
• Lançados nos mares primitivos, esses
compostos orgânicos simples reagiriam entre si
para produzir compostos mais complexos.
• Sopa orgânica primordial  aparecimento
das primeiras células.
• Compostos complexos, como proteínas,
poderiam formar aglomerados envolvidos por
películas de água, denominados coacervados.
• Ponto de partida para a formação de
protocélulas, que usariam os compostos da sopa
orgânica como fonte de energia e de materiais
para possibilitar o desenvolvimento dos
processos metabólicos que permitem a vida.
Origem por Evolução Química
Hipótese de Oparin
A experiência de Miller
• Bioquímico norte americano que tentou, em 1953, reproduzir em laboratório
algumas condições previstas por Oparin.
• Construção de um aparelho (sistema fechado), no qual fez circular uma mistura
de gases (metano, amônia, hidrogênio e vapor de água).
• Reservatório de água quente (temp. ebulição)  formação de mais vapor de
água  circulação dos gases.
• A mistura de gases era submetida a descargas elétricas constantes (simulação
das condições da Terra primitiva).
• Resfriamento e condensação.
• A água que acumulava no reservatório final revelava a presença de muitas
moléculas orgânicas, entre as quais, alguns aminoácidos.
• Miller comprovou que a síntese de aminoácidos é perfeitamente possível, sob
as condições que Oparin já descrevia e defendia.
Os gases introduzidos
simulava a atmosfera
da Terra primitiva
O aquecimento do líquido
representava a
temperatura da Terra
primitiva
As descargas elétricas
representava os raios
das chuvas torrenciais.
A circulação de água
fria representava o
resfriamento dos gases
nas grandes altitudes
A água acumulada na base do
aparelho representava os grandes
mares e lagos primitivos.
Atmosfera Primitiva
Composição mais provável
• A maioria dos pesquisadores da área acredita que a composição
da atmosfera primitiva era diferente da proposta por Oparin.
• Gases predominantes: CO2, N2 e vapor de água.
• Pequena quantidade de H2 e CH4.
• Simulações com essa composição atmosférica, usando
equipamentos semelhantes aos de Miller, conseguiram obter
aminoácidos e outras substâncias.
Experimento de Fox
(Microesferas)
• Baseado na teoria de Oparin, que dizia que a água da Terra primitiva continha vários
aminoácidos e era levada pelas chuvas para a superfície das rochas quentes, e esse calor
provocava a união dessas moléculas, Fox realizou um experimento muito parecido em
seu laboratório.
• Preparou uma solução líquida contendo aminoácidos e colocou essa solução em uma
superfície seca e aquecida. Em seguida, adicionou água salgada ao sistema, simulando a
água do mar que molhava as rochas.
• Após algum tempo, Fox analisou a solução no microscópio e observou a formação de
umas pequenas esferas (microesferas proteinoides). Essas pequenas esferas tinham a
propriedade de aumentar seu tamanho e se dividirem em esferas menores.
• Essas esferas eram formadas por proteínas em seu
interior, resultantes das ligações entre os aminoácidos. Ao
redor dessas esferas havia pequenas bolsas,
provavelmente formadas por moléculas de água.
• Essas esferas eram muito semelhantes com células
bacterianas simples.
As primeiras células
• Provavelmente surgiram a partir de um sistema organizado
como o dos coacervados.
• Aquisição de uma membrana de fosfolipídios  separação
entre o meio interno e o meio externo maior  estabilidade
para a realização de reações.
O surgimento dos ácidos nucleicos
• Hipótese de Oparin: não há referência aos ácidos nucleicos e nem se sabia
que eles constituem os genes.
• 1ª molécula informacional: RNA.
• Pedaços de RNA possuem atividade catalítica (permitem a produção de
outras fitas de RNA, a partir de um RNA molde) = Ribozimas
• Isso permite explicar o eventual surgimento e a duplicação dos ácidos
nucleicos na ausência das complexas polimerases que atuam hoje.
• DNA: estágio mais avançado na confecção de um material genético estável.
• Primeiros DNAs: teriam sido feitos a partir de um molde de RNA original.
Esse mecanismo existe em alguns vírus (retrovírus), que possuem um
mecanismo de transcrição reversa.
A origem da vida
A origem da vida
A ORIGEM DA CÉLULA
• Provável que em determinado momento da história da vida na Terra
tenha surgido uma membrana protetora.
– Seleção, ao longo da evolução, de uma membrana lipoproteica,
suficientemente resistente e com certo grau de elasticidade.
• Registro fóssil  1,7 bilhão de anos atrás:
– supõe-se que tenham surgido um pouco antes.
– organismos parecidos com as bactérias atuais.
• Primeiras células eucarióticas  teriam surgido de células procarióticas
que passaram a desenvolver evaginações e invaginações da membrana
plasmática procariótica.
– tornaram-se maiores e mais complexas.
• Dobramentos da membrana  origem de estruturas membranosas:
– organelas citoplasmáticas delimitadas por membrana;
– carioteca (membrana ou envelope nuclear)
A origem da vida
A ORIGEM DAS MITOCÔNDRIAS E CLOROPLASTOS
(Teoria Endossimbionte)
SURGIMENTO DOS SERES
MULTICELULARES
• Origem a partir de seres unicelulares  entre 1 milhão e 670 milhões de
anos.
• Suposição  células resultantes da divisão celular não se separaram e
passaram a apresentar divisão de trabalho e cooperação:
– não puderam mais viver de forma independente.
EXERCÍCIOS (Pág. 273)
A experiência de Redi demonstrou a falsidade da ideia da geração
espontânea (abiogênese) para organismos pluricelulares.
A experiência de Pasteur provou que os micróbios não eram
formados por abiogênese e confirmou o conceito da biogênese.
EXERCÍCIOS (Pág. 274)
EXERCÍCIOS (Pág. 274)
EXERCÍCIOS (Pág. 274)
EXERCÍCIOS (Pág. 274)
EXERCÍCIOS (Pág. 274)
EXERCÍCIOS (Pág. 274)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

I. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vidaI. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vida
Rebeca Vale
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Fatima Comiotto
 
Noções de evolução
Noções de evoluçãoNoções de evolução
Noções de evolução
emanuel
 
Origem da vida e Evolução
Origem da vida e EvoluçãoOrigem da vida e Evolução
Origem da vida e Evolução
SESI 422 - Americana
 
Cadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresCadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentares
Gabriela de Lima
 
Biogênese e abiogênese
Biogênese e abiogêneseBiogênese e abiogênese
Biogênese e abiogênese
Lilian Larroca
 
Evolução ( Lamarck e darwin)
Evolução ( Lamarck e darwin)Evolução ( Lamarck e darwin)
Evolução ( Lamarck e darwin)
Gisele A. Barbosa
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
Rebeca Vale
 
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º anoNíveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
Marcia Bantim
 
Reprodução sexuada e assexuada
Reprodução sexuada e assexuadaReprodução sexuada e assexuada
Reprodução sexuada e assexuada
Jocimar Araujo
 
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Bio
 
Caracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCaracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivos
César Milani
 
Planeta Terra [7º Ano]
Planeta Terra [7º Ano] Planeta Terra [7º Ano]
Planeta Terra [7º Ano]
Vivian Reis
 
Reprodução assexuada e sexuada
Reprodução assexuada  e sexuadaReprodução assexuada  e sexuada
Reprodução assexuada e sexuada
Matheus Faria do Valle
 
Especiação
EspeciaçãoEspeciação
Especiação
giovannimusetti
 
I.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosI.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivos
Rebeca Vale
 
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos.
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos. Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos.
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos.
Silvana Sanches
 
Materiais e Substâncias
Materiais e SubstânciasMateriais e Substâncias
Materiais e Substâncias
João Lopes
 
1 introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
1   introdução ao Estudo da Biologia 1º ano1   introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
1 introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
Luiz Lázaro Leal de Albuquerque
 

Mais procurados (20)

I. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vidaI. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vida
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Noções de evolução
Noções de evoluçãoNoções de evolução
Noções de evolução
 
Origem da vida e Evolução
Origem da vida e EvoluçãoOrigem da vida e Evolução
Origem da vida e Evolução
 
Cadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresCadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentares
 
Biogênese e abiogênese
Biogênese e abiogêneseBiogênese e abiogênese
Biogênese e abiogênese
 
Evolução ( Lamarck e darwin)
Evolução ( Lamarck e darwin)Evolução ( Lamarck e darwin)
Evolução ( Lamarck e darwin)
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º anoNíveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
 
Reprodução sexuada e assexuada
Reprodução sexuada e assexuadaReprodução sexuada e assexuada
Reprodução sexuada e assexuada
 
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
 
Caracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCaracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivos
 
Planeta Terra [7º Ano]
Planeta Terra [7º Ano] Planeta Terra [7º Ano]
Planeta Terra [7º Ano]
 
Reprodução assexuada e sexuada
Reprodução assexuada  e sexuadaReprodução assexuada  e sexuada
Reprodução assexuada e sexuada
 
Especiação
EspeciaçãoEspeciação
Especiação
 
I.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosI.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivos
 
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos.
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos. Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos.
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos.
 
Materiais e Substâncias
Materiais e SubstânciasMateriais e Substâncias
Materiais e Substâncias
 
1 introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
1   introdução ao Estudo da Biologia 1º ano1   introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
1 introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
 

Destaque

A Origem da Vida
A Origem da VidaA Origem da Vida
A Origem da Vida
Emily Almeida
 
Origem Da Vida
Origem Da VidaOrigem Da Vida
Origem Da Vida
Diego Yamazaki Bolano
 
Origem da vida na terra (1ª aula)
Origem da vida na terra   (1ª aula)Origem da vida na terra   (1ª aula)
Origem da vida na terra (1ª aula)
Blogzarife
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
Brenno Miranda
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
Xislândia Martins
 
Aula 01-origem-da-vida
Aula 01-origem-da-vidaAula 01-origem-da-vida
Aula 01-origem-da-vida
Diana Costa
 
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlos
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlosOrigem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlos
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlos
Luiz Carlos
 
Sistemas de transporte
Sistemas de transporteSistemas de transporte
Sistemas de transporte
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Os vírus - características e ação
Os vírus  - características e açãoOs vírus  - características e ação
Os vírus - características e ação
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Teorias da Origem da vida e Evolução das espécies
Teorias da Origem da vida e Evolução das espéciesTeorias da Origem da vida e Evolução das espécies
Teorias da Origem da vida e Evolução das espécies
Carlos Priante
 
Teorias Sobre Origem Da Vida
Teorias Sobre Origem Da VidaTeorias Sobre Origem Da Vida
Teorias Sobre Origem Da Vida
profatatiana
 
Origem da vida 1º ano
Origem da vida   1º anoOrigem da vida   1º ano
Origem da vida 1º ano
Luciana Mendes
 
Origem da Vida.
Origem da Vida.Origem da Vida.
Origem da Vida.
Ludmiilaa
 
Gabarito caderno de exercícios 2º b (cap. 7 e 8)
Gabarito caderno de exercícios 2º b (cap. 7 e 8)Gabarito caderno de exercícios 2º b (cap. 7 e 8)
Gabarito caderno de exercícios 2º b (cap. 7 e 8)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesProfª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domíniosDiversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Evolução dos vegetais
Evolução dos vegetaisEvolução dos vegetais
Evolução dos vegetais
Alpha Colégio e Vestibulares
 

Destaque (20)

A Origem da Vida
A Origem da VidaA Origem da Vida
A Origem da Vida
 
Origem Da Vida
Origem Da VidaOrigem Da Vida
Origem Da Vida
 
Origem da vida na terra (1ª aula)
Origem da vida na terra   (1ª aula)Origem da vida na terra   (1ª aula)
Origem da vida na terra (1ª aula)
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
 
Aula 01-origem-da-vida
Aula 01-origem-da-vidaAula 01-origem-da-vida
Aula 01-origem-da-vida
 
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlos
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlosOrigem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlos
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlos
 
Sistemas de transporte
Sistemas de transporteSistemas de transporte
Sistemas de transporte
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 
Os vírus - características e ação
Os vírus  - características e açãoOs vírus  - características e ação
Os vírus - características e ação
 
Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2
 
Teorias da Origem da vida e Evolução das espécies
Teorias da Origem da vida e Evolução das espéciesTeorias da Origem da vida e Evolução das espécies
Teorias da Origem da vida e Evolução das espécies
 
Teorias Sobre Origem Da Vida
Teorias Sobre Origem Da VidaTeorias Sobre Origem Da Vida
Teorias Sobre Origem Da Vida
 
Origem da vida 1º ano
Origem da vida   1º anoOrigem da vida   1º ano
Origem da vida 1º ano
 
Origem da Vida.
Origem da Vida.Origem da Vida.
Origem da Vida.
 
Gabarito caderno de exercícios 2º b (cap. 7 e 8)
Gabarito caderno de exercícios 2º b (cap. 7 e 8)Gabarito caderno de exercícios 2º b (cap. 7 e 8)
Gabarito caderno de exercícios 2º b (cap. 7 e 8)
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesProfª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domíniosDiversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domínios
 
Evolução dos vegetais
Evolução dos vegetaisEvolução dos vegetais
Evolução dos vegetais
 

Semelhante a A origem da vida

www.AulaParticularApoio.Com.Br - Biologia – Origem da Vida
www.AulaParticularApoio.Com.Br - Biologia – Origem da Vidawww.AulaParticularApoio.Com.Br - Biologia – Origem da Vida
www.AulaParticularApoio.Com.Br - Biologia – Origem da Vida
ApoioAulaParticular
 
www.aulaparticularonline.net.br - Biologia – Origem da Vida
www.aulaparticularonline.net.br - Biologia – Origem da Vidawww.aulaparticularonline.net.br - Biologia – Origem da Vida
www.aulaparticularonline.net.br - Biologia – Origem da Vida
Lucia Silveira
 
www.professoraparticularapoio.com.br - Biologia – Origem da Vida
www.professoraparticularapoio.com.br - Biologia – Origem da Vidawww.professoraparticularapoio.com.br - Biologia – Origem da Vida
www.professoraparticularapoio.com.br - Biologia – Origem da Vida
Patrícia Morais
 
www.TutoresDePlantao.Com.Br - Biologia – Origem da Vida
 www.TutoresDePlantao.Com.Br -  Biologia – Origem da Vida www.TutoresDePlantao.Com.Br -  Biologia – Origem da Vida
www.TutoresDePlantao.Com.Br - Biologia – Origem da Vida
Antônia Sampaio
 
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia – Origem da Vida
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia – Origem da Vidawww.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia – Origem da Vida
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia – Origem da Vida
Videoaulas De Biologia Apoio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia – Origem da Vida
www.AulasEnsinoMedio.com.br -  Biologia – Origem da Vidawww.AulasEnsinoMedio.com.br -  Biologia – Origem da Vida
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia – Origem da Vida
AulasEnsinoMedio
 
Origem da Vida.pptx
Origem da Vida.pptxOrigem da Vida.pptx
Origem da Vida.pptx
renatobothrops
 
A origem da vida.
A origem da vida.A origem da vida.
A origem da vida.
Lara Lídia
 
Aula 2 bio
Aula 2 bioAula 2 bio
Aula 2 bio
Professora Raquel
 
Durval origem da vida - versão definitiva
Durval   origem da vida - versão definitivaDurval   origem da vida - versão definitiva
Durval origem da vida - versão definitiva
tenraquel
 
A origem da vida (PRÉ)
A origem da vida (PRÉ)A origem da vida (PRÉ)
A origem da vida (PRÉ)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
URCA
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologiaTrabalho de biologia
Trabalho de biologia
adrielguitar
 
Biologia modulo i
Biologia modulo iBiologia modulo i
Biologia modulo i
Rita de Cássia Freitas
 
BIO 141 - Módulos 1 e 2 (Origem da Vida).pdf
BIO 141 - Módulos 1 e 2 (Origem da Vida).pdfBIO 141 - Módulos 1 e 2 (Origem da Vida).pdf
BIO 141 - Módulos 1 e 2 (Origem da Vida).pdf
ricaPereiradaSilva2
 
A origem da vida
A origem da vidaA origem da vida
A origem da vida
César Milani
 
Aula 01-origem-da-vida
Aula 01-origem-da-vidaAula 01-origem-da-vida
Aula 01-origem-da-vida
Eva Jane
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
Jorge Figueirêdo
 
Biologia origem da-vida
Biologia origem da-vidaBiologia origem da-vida
Biologia origem da-vida
marcondesfelix
 
Surgimento da vida na terra
Surgimento da vida na terraSurgimento da vida na terra
Surgimento da vida na terra
Raphaell Garcia
 

Semelhante a A origem da vida (20)

www.AulaParticularApoio.Com.Br - Biologia – Origem da Vida
www.AulaParticularApoio.Com.Br - Biologia – Origem da Vidawww.AulaParticularApoio.Com.Br - Biologia – Origem da Vida
www.AulaParticularApoio.Com.Br - Biologia – Origem da Vida
 
www.aulaparticularonline.net.br - Biologia – Origem da Vida
www.aulaparticularonline.net.br - Biologia – Origem da Vidawww.aulaparticularonline.net.br - Biologia – Origem da Vida
www.aulaparticularonline.net.br - Biologia – Origem da Vida
 
www.professoraparticularapoio.com.br - Biologia – Origem da Vida
www.professoraparticularapoio.com.br - Biologia – Origem da Vidawww.professoraparticularapoio.com.br - Biologia – Origem da Vida
www.professoraparticularapoio.com.br - Biologia – Origem da Vida
 
www.TutoresDePlantao.Com.Br - Biologia – Origem da Vida
 www.TutoresDePlantao.Com.Br -  Biologia – Origem da Vida www.TutoresDePlantao.Com.Br -  Biologia – Origem da Vida
www.TutoresDePlantao.Com.Br - Biologia – Origem da Vida
 
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia – Origem da Vida
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia – Origem da Vidawww.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia – Origem da Vida
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia – Origem da Vida
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia – Origem da Vida
www.AulasEnsinoMedio.com.br -  Biologia – Origem da Vidawww.AulasEnsinoMedio.com.br -  Biologia – Origem da Vida
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia – Origem da Vida
 
Origem da Vida.pptx
Origem da Vida.pptxOrigem da Vida.pptx
Origem da Vida.pptx
 
A origem da vida.
A origem da vida.A origem da vida.
A origem da vida.
 
Aula 2 bio
Aula 2 bioAula 2 bio
Aula 2 bio
 
Durval origem da vida - versão definitiva
Durval   origem da vida - versão definitivaDurval   origem da vida - versão definitiva
Durval origem da vida - versão definitiva
 
A origem da vida (PRÉ)
A origem da vida (PRÉ)A origem da vida (PRÉ)
A origem da vida (PRÉ)
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologiaTrabalho de biologia
Trabalho de biologia
 
Biologia modulo i
Biologia modulo iBiologia modulo i
Biologia modulo i
 
BIO 141 - Módulos 1 e 2 (Origem da Vida).pdf
BIO 141 - Módulos 1 e 2 (Origem da Vida).pdfBIO 141 - Módulos 1 e 2 (Origem da Vida).pdf
BIO 141 - Módulos 1 e 2 (Origem da Vida).pdf
 
A origem da vida
A origem da vidaA origem da vida
A origem da vida
 
Aula 01-origem-da-vida
Aula 01-origem-da-vidaAula 01-origem-da-vida
Aula 01-origem-da-vida
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
 
Biologia origem da-vida
Biologia origem da-vidaBiologia origem da-vida
Biologia origem da-vida
 
Surgimento da vida na terra
Surgimento da vida na terraSurgimento da vida na terra
Surgimento da vida na terra
 

Mais de Alpha Colégio e Vestibulares

Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Estudo da Química
Estudo da QuímicaEstudo da Química
Estudo da Química
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Vírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª LaraVírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª Lara
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Alpha Colégio e Vestibulares
 
O Sistema Endócrino
O Sistema EndócrinoO Sistema Endócrino
O Sistema Endócrino
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Citoplasma aulas 27 e 28 (1)
Citoplasma   aulas 27 e 28 (1)Citoplasma   aulas 27 e 28 (1)
Citoplasma aulas 27 e 28 (1)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Bioenergética i metabolismo e fermentação - aulas 29 e 30 (1)
Bioenergética i   metabolismo e fermentação - aulas 29 e 30 (1)Bioenergética i   metabolismo e fermentação - aulas 29 e 30 (1)
Bioenergética i metabolismo e fermentação - aulas 29 e 30 (1)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Modelos atômicos 2016
Modelos atômicos 2016Modelos atômicos 2016
Modelos atômicos 2016
Alpha Colégio e Vestibulares
 
História da química
História da químicaHistória da química
História da química
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Doenças causadas por vermes
Doenças causadas por vermesDoenças causadas por vermes
Doenças causadas por vermes
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Animais i
Animais   iAnimais   i

Mais de Alpha Colégio e Vestibulares (20)

Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Estudo da Química
Estudo da QuímicaEstudo da Química
Estudo da Química
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
 
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
 
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Vírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª LaraVírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª Lara
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
 
O Sistema Endócrino
O Sistema EndócrinoO Sistema Endócrino
O Sistema Endócrino
 
Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2
 
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
 
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
 
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Citoplasma aulas 27 e 28 (1)
Citoplasma   aulas 27 e 28 (1)Citoplasma   aulas 27 e 28 (1)
Citoplasma aulas 27 e 28 (1)
 
Bioenergética i metabolismo e fermentação - aulas 29 e 30 (1)
Bioenergética i   metabolismo e fermentação - aulas 29 e 30 (1)Bioenergética i   metabolismo e fermentação - aulas 29 e 30 (1)
Bioenergética i metabolismo e fermentação - aulas 29 e 30 (1)
 
Modelos atômicos 2016
Modelos atômicos 2016Modelos atômicos 2016
Modelos atômicos 2016
 
História da química
História da químicaHistória da química
História da química
 
Doenças causadas por vermes
Doenças causadas por vermesDoenças causadas por vermes
Doenças causadas por vermes
 
Animais i
Animais   iAnimais   i
Animais i
 

Último

Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 

Último (20)

Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 

A origem da vida

  • 1. A ORIGEM DA VIDAA ORIGEM DA VIDA BIOLOGIA A (Profª Lara) Livro Texto 2 Capítulo 21 Apostila Caderno 4 (pág. 270 a 275) Aulas 37 e 38
  • 2. ORIGEM DA VIDA: Primeiras ideias • Abiogênese ou Geração Espontânea.Abiogênese ou Geração Espontânea. • Aristóteles (384 a 322 a.C.)  acreditava que um princípio ativoprincípio ativo ou vitalvital teria a capacidade de transformar a matéria bruta em um ser vivo. “Todos os seres vivos originam-se espontaneamente da matéria bruta.” • A vida poderia aparecer da matéria não viva, desde que a matéria bruta entrasse em contato com um princípio ativo: Ex.: o calor, a umidade e o lodo poderiam constituir-se em elementos fundamentais para a “ativação” da matéria bruta, imprimindo-lhe a dinâmica da vida.
  • 3. GERAÇÃO ESPONTÂNEA (ABIOGÊNESE) • Jan Baptiste Van Helmont (1577- 1644)  receita para produzir seres vivos: – misturar uma roupa suada e suja com germe de trigo em um local protegido e esperar vinte e um dias para se obter ratos. • O que se sabe hojeO que se sabe hoje  os ratos aparecem por atração a essa mistura e não a partir dela.
  • 4. BIOGÊNESE • Por meio de experimentos, a teoria da abiogênese foi contestada por vários cientistas Objetivo  provar que: um ser vivo só se origina de outro ser vivo por reprodução  TEORIA DA BIOGÊNESETEORIA DA BIOGÊNESE www.bioloja.com
  • 5. O EXPERIMENTO DE FRANCESCO REDI (1626-1697) • Questionou a teoria da abiogênese: – surgimento espontâneo de vermes na carne em decomposição. • Hipótese formulada e testada porHipótese formulada e testada por RediRedi  vermes surgiam de ovos colocados por moscas atraídas pela carne podre: – vermes seriam larvas que surgem no ciclo de vida das moscas.
  • 7. • A descoberta dos microrganismos, denominados germes ou micróbios reativou a ideia da Abiogênese. Acreditava-se que os germes surgiam pela ação de um princípio ativo que existia no ar e em todas as coisas. • Em 1745, o cientista inglês John T. Needham (1713-1781) realizou vários experimentos em que submetia à fervura frascos fechados contendo substâncias nutritivas. Após a fervura por alguns minutos, os fracos esfriavam e eram abertos em seguida. A análise de seu conteúdo mostrou a presença de microrganismos. EXPLICAÇÃO : os microrganismos teriam surgido por geração espontânea. A solução nutritiva continha uma “força vital” responsável pelo surgimento das forças vivas. Microrganismos Microrganismos
  • 8. • O pesquisador italiano, Lazzaro Spallanzani (1729-1799), repetiu os experimentos de Needham, com algumas modificações, e obteve resultados diferentes. • Colocou substâncias nutritivas em balões de vidro, fechando-os hermeticamente (B). Esses balões foram colocados em caldeirões com água e submetidos à fervura por mais tempo. Deixava resfriar e então ele abria os frascos e observava o líquido ao microscópio. Nenhum organismo estava presente. EXPLICAÇÃO: Spallanzani alegou que Needham não havia fervido sua solução nutritiva por tempo suficientemente longo para matar todos os microrganismos existentes nela e, assim, esterilizá-la. Também afirmou que a rolha usada por Needham não vedava completamente o frasco. Microrganismos Sem microrganismos
  • 9. • Por volta de 1860, cientista francês Louis Pasteur, conseguiu provar definitivamente que os seres vivos só se originam de outros preexistentes. • Aperfeiçoamento dos experimentos de Spallanzani.
  • 11. CONCLUSÕES DE PASTEUR • A ausência de microrganismos nos frascos do tipo “pescoço de cisne” mantidos intactos mostraram que o ar contém microrganismos e que estes, ao entrarem em contato com o líquido nutritivo, proliferam. • No balão intacto, os microrganismos do ar não conseguiram chegar até o líquido nutritivo e estéril: microrganismos ficaram retidos pelas gotículas de água condensada durante o resfriamento  o gargalo do frasco funcionou como um filtro. • Quando o pescoço dos frascos foi quebrado, os microrganismos do ar conseguiram penetrar e entraram em contato com o líquido nutritivo  proliferação.
  • 12. • A hipótese da biogênese passou, a partir de então, a ser aceita universalmente pelos cientistas. • A biogênese permite a manutenção da vida na Terra. • No entanto, não explica como a vida surgiu pela primeira vez no planeta. • Existem diferentes hipóteses de como a vida surgiu no planeta.
  • 13. • A vida teria sido trazida à Terra, vinda do espaço (outros planetas). • Foram trazidos para cá por meio de esporos bacterianos aderidos a meteoros que caíram no planeta. • Argumentos a favor: nos meteoros que caem atualmente na superfície terrestre, têm sido encontradas algumas moléculas orgânicas: PANSPERMIA CÓSMICA -mais comum do que se imaginava; - tijolos necessários à construção da vida; -indício de vida em outros planetas. • Argumentos contra: nenhum organismo pode viver no espaço, sujeito a baixíssimas temperaturas, aos raios cósmicos e às radiações ultravioleta; meteoritos tornam-se incandescentes devido ao atrito com o ar e pulverizam- se.
  • 14. Hipótese Autotrófica  A vida começou a partir de seres quimiossintetizantes, semelhantes às arqueobactérias atuais.
  • 15. Críticas à Hipótese Autotrófica  A produção de substâncias orgânicas a partir de substâncias inorgânicas é um processo complexo, que requer vários sistemas enzimáticos diferentes e um conjunto de informações genéticas compatíveis.  A existência de reações metabólicas complexas nas condições da Terra primitiva é muito pouco provável.
  • 18. Hipótese Heterotrófica  Formulada de forma independente na década de 1920 pelo bioquímico Aleksander Ivanovich Oparin (1894-1980) e pelo biólogo John Burdon Sanderson Haldane (1892-1964).  O primeiro ser vivo obtinha alimento do meio (heterótrofo), e tenha se originado por evolução química, a partir de reações na Terra primitiva. Aleksander Oparin John Burdon Haldane
  • 19. EVOLUÇÃO QUÍMICA • “Como surgiu o 1º ser vivo?” • Condições da Terra Primitiva • Compostos inorgânicos Moléculas orgânicas simples Moléculas orgânicas complexas
  • 20. EVOLUÇÃO QUÍMICA • C, H, O e N, elementos que fazem parte da composição dos seres vivos, também existem fora deles, na natureza inanimada. • Seres vivos: proteínas, carboidratos, lipídios, ácidos nucleicos. • Diferença entre a matéria viva e a matéria bruta está no grau de organização desses quatro elementos combinados. • Formação de substâncias orgânicas complexas nos seres vivos. • Na natureza, eles constituem substâncias inorgânicas, predominantemente. •Ambiente: H2O, CO2, N2
  • 21. As ideias precursoras de Oparin • Atmosfera Primitiva: metano (CH4), dióxido de carbono (CO2), nitrogênio (N2), amônia ((NH3), vapor de água (H2O) e hidrogênio (H2). • Ativo ciclo de chuvas: condensação do vapor de água à medida que a temperatura da crosta diminuía  chuvas sobre as rochas quentes  evaporação  condensação ... • Radiações ultravioletas + descargas elétricas (tempestades) + moléculas da atmosfera primitiva = rompimento/surgimento de ligações químicas. • Formação de novos compostos na atmosfera (ex.: aminoácidos, açúcares simples).
  • 22. As ideias precursoras de Oparin • Lançados nos mares primitivos, esses compostos orgânicos simples reagiriam entre si para produzir compostos mais complexos. • Sopa orgânica primordial  aparecimento das primeiras células. • Compostos complexos, como proteínas, poderiam formar aglomerados envolvidos por películas de água, denominados coacervados. • Ponto de partida para a formação de protocélulas, que usariam os compostos da sopa orgânica como fonte de energia e de materiais para possibilitar o desenvolvimento dos processos metabólicos que permitem a vida.
  • 25. A experiência de Miller • Bioquímico norte americano que tentou, em 1953, reproduzir em laboratório algumas condições previstas por Oparin. • Construção de um aparelho (sistema fechado), no qual fez circular uma mistura de gases (metano, amônia, hidrogênio e vapor de água). • Reservatório de água quente (temp. ebulição)  formação de mais vapor de água  circulação dos gases. • A mistura de gases era submetida a descargas elétricas constantes (simulação das condições da Terra primitiva). • Resfriamento e condensação. • A água que acumulava no reservatório final revelava a presença de muitas moléculas orgânicas, entre as quais, alguns aminoácidos. • Miller comprovou que a síntese de aminoácidos é perfeitamente possível, sob as condições que Oparin já descrevia e defendia.
  • 26. Os gases introduzidos simulava a atmosfera da Terra primitiva O aquecimento do líquido representava a temperatura da Terra primitiva As descargas elétricas representava os raios das chuvas torrenciais. A circulação de água fria representava o resfriamento dos gases nas grandes altitudes A água acumulada na base do aparelho representava os grandes mares e lagos primitivos.
  • 27. Atmosfera Primitiva Composição mais provável • A maioria dos pesquisadores da área acredita que a composição da atmosfera primitiva era diferente da proposta por Oparin. • Gases predominantes: CO2, N2 e vapor de água. • Pequena quantidade de H2 e CH4. • Simulações com essa composição atmosférica, usando equipamentos semelhantes aos de Miller, conseguiram obter aminoácidos e outras substâncias.
  • 28. Experimento de Fox (Microesferas) • Baseado na teoria de Oparin, que dizia que a água da Terra primitiva continha vários aminoácidos e era levada pelas chuvas para a superfície das rochas quentes, e esse calor provocava a união dessas moléculas, Fox realizou um experimento muito parecido em seu laboratório. • Preparou uma solução líquida contendo aminoácidos e colocou essa solução em uma superfície seca e aquecida. Em seguida, adicionou água salgada ao sistema, simulando a água do mar que molhava as rochas. • Após algum tempo, Fox analisou a solução no microscópio e observou a formação de umas pequenas esferas (microesferas proteinoides). Essas pequenas esferas tinham a propriedade de aumentar seu tamanho e se dividirem em esferas menores. • Essas esferas eram formadas por proteínas em seu interior, resultantes das ligações entre os aminoácidos. Ao redor dessas esferas havia pequenas bolsas, provavelmente formadas por moléculas de água. • Essas esferas eram muito semelhantes com células bacterianas simples.
  • 29. As primeiras células • Provavelmente surgiram a partir de um sistema organizado como o dos coacervados. • Aquisição de uma membrana de fosfolipídios  separação entre o meio interno e o meio externo maior  estabilidade para a realização de reações.
  • 30. O surgimento dos ácidos nucleicos • Hipótese de Oparin: não há referência aos ácidos nucleicos e nem se sabia que eles constituem os genes. • 1ª molécula informacional: RNA. • Pedaços de RNA possuem atividade catalítica (permitem a produção de outras fitas de RNA, a partir de um RNA molde) = Ribozimas • Isso permite explicar o eventual surgimento e a duplicação dos ácidos nucleicos na ausência das complexas polimerases que atuam hoje. • DNA: estágio mais avançado na confecção de um material genético estável. • Primeiros DNAs: teriam sido feitos a partir de um molde de RNA original. Esse mecanismo existe em alguns vírus (retrovírus), que possuem um mecanismo de transcrição reversa.
  • 33. A ORIGEM DA CÉLULA • Provável que em determinado momento da história da vida na Terra tenha surgido uma membrana protetora. – Seleção, ao longo da evolução, de uma membrana lipoproteica, suficientemente resistente e com certo grau de elasticidade. • Registro fóssil  1,7 bilhão de anos atrás: – supõe-se que tenham surgido um pouco antes. – organismos parecidos com as bactérias atuais. • Primeiras células eucarióticas  teriam surgido de células procarióticas que passaram a desenvolver evaginações e invaginações da membrana plasmática procariótica. – tornaram-se maiores e mais complexas. • Dobramentos da membrana  origem de estruturas membranosas: – organelas citoplasmáticas delimitadas por membrana; – carioteca (membrana ou envelope nuclear)
  • 35. A ORIGEM DAS MITOCÔNDRIAS E CLOROPLASTOS (Teoria Endossimbionte)
  • 36. SURGIMENTO DOS SERES MULTICELULARES • Origem a partir de seres unicelulares  entre 1 milhão e 670 milhões de anos. • Suposição  células resultantes da divisão celular não se separaram e passaram a apresentar divisão de trabalho e cooperação: – não puderam mais viver de forma independente.
  • 37. EXERCÍCIOS (Pág. 273) A experiência de Redi demonstrou a falsidade da ideia da geração espontânea (abiogênese) para organismos pluricelulares. A experiência de Pasteur provou que os micróbios não eram formados por abiogênese e confirmou o conceito da biogênese.