SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
PRIMEIRO CULTIVO DO Astyanax Bimaculatus EM SISTEMA DE BIOFLOCOS
Bruna G. Ascoli1
, Samir P. VENERA2
, Yan BORGES3
, Filipe A. da SILVA4
, Felipe do N. Vieira5
, Adolfo JATOBÁ5
.
1 e 2 – Bolsistas PIBIC-EM/CNPq, 3 – Discente LIQ-Campus Araquari; 4 – TAE IFC-Campus Araquari, 5 – Pesquisador
UFSC, 6 – Orientador IFC-Campus Araquari.
Introdução
A aquicultura é uma atividade que possibilita trabalhar com um grande número de
espécies, sejam peixes, crustáceos, microalgas, macroalgas e/ou moluscos. Entre os peixes
podemos destacar o Lambari que é uma espécie utilizada para consumo humano ou como
espécie forrageira (serve de alimento para outra espécie) (vide a revisão GARUTTI, 2003;
vide a revisão PORTO-FORESTI, 2010).
O lambari é uma espécie rústica, de pequeno porte, com ciclo de vida rápido e que
apresenta elevada produtividade em cultivo intensivo. O manejo preconizado aqui permite
produzir 100 t/ha por ano e o início de cultivo em qualquer época. As técnicas utilizadas são
extremamente simples, ao alcance de qualquer pessoa, e o cultivo se processa da forma mais
natural possível, sem a aplicação de hormônios ou outras drogas, apenas com o emprego
adequado das técnicas de manejo. Com este potencial, considera-se importante o
desenvolvimento de novas tecnologias de processamento de pescado, para que o consumidor
tenha outras opções e não somente as formas triviais de peixe resfriado ou congelado (vide a
revisão GARUTTI, 2003; vide a revisão PORTO-FORESTI, 2010).
O potencial de produção do lambari pode ser maximizado, utilizando sistemas
superintensivos. Atualmente, o cultivo em biofloco é amplamente estudado no cultivo
camarões marinho, entretanto sua tecnologia foi iniciada para produção de tilápias com o
intuito de reduzir o custo com a alimentação, aumentar a biosseguridade e produtividade do
sistema de produção, além reduzir o uso de água, pois o manejo de renovação de água é
reduzido ou nulo e incrementar (AVNIMELECH, 1999; MILSTEIN et al., 2001; AZIM e
LITTLE, 2008). Entretanto, esta tecnologia é pouco ou não aplicada ao cultivo das espécies
nativas do Brasil, sendo necessário estudo para avaliação da viabilidade de seu uso. Assim,
objetivou-se avaliar a viabilidade do lambari do rabo amarelo (A. bimaculatus) de se adaptar
ao sistema de bioflocos.
Material e Métodos
Foram utilizados 4.500 lambaris do rabo amarelo (Astyanax bimaculatus), com peso
médio de 1,11 g, provenientes do Laboratório de Aquicultura do IFCatarinense, câmpus
Araquari.
Três dias antes do povoamento foi feita uma fertilização da água dos tanques com
açúcar e ração moída para manutenção da relação carbono:nitrogênio 12:1, (Ebeling et al.,
2006, Avnimelech, 1999) resultando em concentração inicial de sólidos de 200,0 mg.L-1
.
Depois de povoado foi mantida uma fertilização fixa também de 12:1 por uma semana e os 22
dia seguintes foi fertilizado para neutralizar 40% do nitrogênio da ração e para manter a
amônia menor que 1,0 mg.L-1
.
Foram utilizadas duas caixas de polietileno com capacidade para 300 L (úteis), cada
caixa estava equipada com sistema de aquecimento e aeração constante. A primeira caixa
recebeu 3.000 peixes (densidade inicial de 10 peixes.L-1
), enquanto a segunda foi povoada
com 1.500 peixes (densidade inicial de 5 peixes.L-1
).
Os peixes foram alimentados duas vezes ao dia (9:00 e 15:30), com ração contendo
32% proteína bruta e 8% de lipídios, sendo ofertado 6% da biomassa total dos peixes. Após
11 semanas de trabalho, foi avaliado o ganho em peso dos peixes.
Durante o experimento foram monitorados: oxigênio dissolvido, temperatura,
quantidade de flocos (cilindro de Inhoff) duas vezes ao dia, e pH alcalinidade, sólidos
suspensos totais (APHA, 1995) foram mensurados duas vezes na semana.
Paralelo a este experimento, foi realizado um experimento em água clara intitulado
“FREQUÊNCIA NA OFERTA DO PROBIÓTICO (Lactobacillus sp.) NO CULTIVO DE
LAMBARI DO RABO AMARELO” aprovado em EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA
FAPESC Nº 02/2015, ambos os trabalhos foram realizados na mesma época com alevinos
descendentes das mesmas matrizes.
No sistema utilizado os peixes estavam sendo cultivos em caixas de polietileno, com
sistema de recirculação constante, com mesmo manejo alimentar, ofertado aos animais do
biofloco e densidade populacional inferior (125 peixes por m³ = 0,125 peixes por litro).
Resultados e discussão
Após as 11 semanas de cultivo, os parâmetros de qualidade de água comprometeram
o desempenho dos peixes, como observado nas tabelas 1 e 2 não foram observados diferença
na temperatura média, oxigênio dissolvido, pH e turbidez de água nos tanques com as
densidades distintas. Já o volume de floco registrou um maior acúmulo no tanque com a
densidade mais elevada, isto pode ser exemplificado na quinta semana, na qual o tanque 1
possuía aproximadamente três vezes mais volume de floco. Este fato é justificado pela maior
biomassa de peixes, que consequentemente consumia maiores montantes de ração produzindo
mais excretas. O mesmo efeito foi observado no total de sólidos suspensos.
Tabela 1. Média semanal das variáveis de qualidade de água do cultivo de lambari do rabo
amarelo em bioflocos na densidade de 10 peixes.L-1
.
Semanas
Temperatu
ra Média
(°C)
Oxigênio
Dissolvido
(mg.L-1
)
Turbidez
(cm)
Volume
de floco
(ml)
Alcalinida
de (mg.L-
1
)
Total de
Sólidos
Suspensos
(mg.L-1
)
pH
1 27,3 7,3 9,1 65,9 AP 630,0 7,1
2 28,4 6,8 8,9 35,6 180,0 686,1 7,2
3 25,9 7,5 8,1 46,2 190,0 864,9 7,0
4 24,0 8,3 7,8 82,5 AP 973,9 7,1
5 25,3 6,6 6,4 329,3 AP 1180,5 7,1
6 28,3 8,2 6,8 148,4 AP 948,0 7,1
7 26,6 6,8 6,7 121,3 AP 1330,3 7,2
8 26,3 6,2 6,2 105,0 AP 1896,2 7,0
9 24,6 5,7 5,5 235,0 AP 2660,1 7,1
*AP (amostra perdida).
Tabela 2. Média semanal das variáveis de qualidade de água do cultivo de lambari do rabo
amarelo em bioflocos na densidade de 5 peixes.L-1
.
Semanas
Temperatu
ra Média
(°C)
Oxigênio
Dissolvido
(mg.L-1
)
Turbidez
(cm)
Volume
de floco
(ml)
Alcalinida
de (mg.L-
1
)
Total de
Sólidos
Suspensos
(mg.L-1
)
pH
1 26,7 7,9 11,4 16,9 7,9 503,3 7,1
2 27,6 7,6 9,1 24,5 50,0 546,2 7,1
3 25,6 8,2 8,2 48,2 80,0 652,5 7,1
4 23,9 8,3 7,4 56,9 40,0 712,5 7,1
5 24,7 7,6 6,4 111,8 50,0 945,5 7,2
6 27,9 8,5 7,0 148,1 30,0 1120,7 7,1
7 27,1 7,4 6,7 152,5 20,0 1324,0 7,2
8 26,3 7,2 5,7 187,0 180,0 1408,9 7,1
9 24,3 7,2 5,0 220,0 110,0 1521,6 7,0
Ao avaliar o ganho em peso dos peixes e comparar com um experimento executado
em paralelo, observou que nas quatro primeiras semanas um desempenho semelhando, com as
curvas de crescimento em paralelo, na quinta semana, foi registrado uma queda de energia no
laboratório de aquicultura, o que resultou em uma mortalidade de massiva dos peixes. Este
fato comprometeu a obtenção de dados como produtividade, eficiência alimentar, e até
mesmo a sobrevivência, pois a ausência de aeração comprometeu todo o sistema.
Outro fato que comprometeu a execução do experimento, foi a estrutura, pois na
sexta semana ela foi danificada, sendo interrompida a entrada de oxigênio no tanque 1, que
resultou em uma segunda mortalidade. Estes eventos dificultaram à avaliação precisa do
sistema, assim como, a capacidade desta espécie de se adaptar a esta tecnologia.
Figura 1. Ganho em peso médio dos lambaris do rabo amarelo cultivados
em biofloco e água clara.
Conclusão
O lambari do rabo amarelo sobreviveu em condições de bioflocos,
demostrando ser viável cultiva-lo neste sistema. O sistema de biofloco demostrou
grande aplicabilidade, principalmente nas fases iniciais, onde se pode adensar mais
os animais.
0,00
1,00
2,00
3,00
4,00
5,00
6,00
7,00
8,00
9,00
10,00
11,00
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11
Peso
médio
(g)
Semanas
água clara Biofloco
Referências
AVNIMELECH, Yoram. Carbon and nitrogen ratio as a control element in aquaculture systems.
Aquaculture, v. 176, p. 227–235, 1999.
AZIM, Mohammed Ekram.; LITTLE, David C. The biofloc technology (BFT) in indoor tanks: Water
quality, biofloc composition, and growth and welfare of Nile tilapia (Oreochromis niloticus).
Aquaculture, v. 283.p. 29–35, 2008.
GARUTTI, Valdener. Piscicultura ecológica. São Paulo: Editora UNESP, p. 330, 2003.
MILSTEIN, Adam., et al. Growth performance of hybrid bass and hybrid tilapia in conventional and
active suspension intensive ponds. Israeli Journal of Aquaculture — Bamidgeh, v. 53 (3–4), p. 147–
157, 2001.
PORTO-FORESTI, Fabio; et al. Biologia e criação do lambari-do-rabo-amarelo (Astyanax
bimaculatus). In: Espécies nativas para piscicultura no Brasil. Editora UFSM, c. 4, p. 101 – 116, 2010.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cap 3 - tecnicas de cultivo e instrumentos
Cap 3 - tecnicas de cultivo e instrumentosCap 3 - tecnicas de cultivo e instrumentos
Cap 3 - tecnicas de cultivo e instrumentosIvaristo Americo
 
Encontro aquaponia ifce
Encontro aquaponia ifceEncontro aquaponia ifce
Encontro aquaponia ifcetgandr
 
Cap 2 principais ramos da aquacultura
Cap 2  principais ramos da aquaculturaCap 2  principais ramos da aquacultura
Cap 2 principais ramos da aquaculturaIvaristo Americo
 
Aula 1 piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
Aula 1   piscicultura - questões economicas e mercado consumidorAula 1   piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
Aula 1 piscicultura - questões economicas e mercado consumidorJeovaci Martins Da Rocha Júnior
 
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixesBoas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixesFilgueira Nogueira
 
Coliformes totais e termotolerantes e demanda química de oxigênio em dejetos ...
Coliformes totais e termotolerantes e demanda química de oxigênio em dejetos ...Coliformes totais e termotolerantes e demanda química de oxigênio em dejetos ...
Coliformes totais e termotolerantes e demanda química de oxigênio em dejetos ...Rafael Gauchinho
 
Feira Científica e Cultura EEEP JIN 2014
Feira Científica e Cultura EEEP JIN 2014Feira Científica e Cultura EEEP JIN 2014
Feira Científica e Cultura EEEP JIN 2014tgandr
 
Tolerância da tilapia em dferentes concentrações de salinidade
Tolerância da tilapia em dferentes concentrações de salinidadeTolerância da tilapia em dferentes concentrações de salinidade
Tolerância da tilapia em dferentes concentrações de salinidadehyguer
 
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...tgandr
 
Effect of mint's (Mentha X piperita var citrata) root exudate against monogen...
Effect of mint's (Mentha X piperita var citrata) root exudate against monogen...Effect of mint's (Mentha X piperita var citrata) root exudate against monogen...
Effect of mint's (Mentha X piperita var citrata) root exudate against monogen...tgandr
 
Isolamento de bactéria probiótica do surubim híbrido Pseudoplatystoma reticul...
Isolamento de bactéria probiótica do surubim híbrido Pseudoplatystoma reticul...Isolamento de bactéria probiótica do surubim híbrido Pseudoplatystoma reticul...
Isolamento de bactéria probiótica do surubim híbrido Pseudoplatystoma reticul...tgandr
 
Crescimento tor tamboides
Crescimento tor tamboidesCrescimento tor tamboides
Crescimento tor tamboidestgandr
 
Diferentes Densidades de Estocagem na Produção de Alevinos de Trairão (Hoplia...
Diferentes Densidades de Estocagem na Produção de Alevinos de Trairão (Hoplia...Diferentes Densidades de Estocagem na Produção de Alevinos de Trairão (Hoplia...
Diferentes Densidades de Estocagem na Produção de Alevinos de Trairão (Hoplia...Hytalo Rafael
 
Apostila piscicultura - prof manuel vasquez vidal jr - uenf-lzna
Apostila   piscicultura - prof manuel vasquez vidal jr - uenf-lznaApostila   piscicultura - prof manuel vasquez vidal jr - uenf-lzna
Apostila piscicultura - prof manuel vasquez vidal jr - uenf-lznaZ
 
Propagação artificial aula 2
Propagação artificial  aula 2Propagação artificial  aula 2
Propagação artificial aula 2rafaelpicanco
 

Mais procurados (20)

Cap 3 - tecnicas de cultivo e instrumentos
Cap 3 - tecnicas de cultivo e instrumentosCap 3 - tecnicas de cultivo e instrumentos
Cap 3 - tecnicas de cultivo e instrumentos
 
Encontro aquaponia ifce
Encontro aquaponia ifceEncontro aquaponia ifce
Encontro aquaponia ifce
 
Cap 2 principais ramos da aquacultura
Cap 2  principais ramos da aquaculturaCap 2  principais ramos da aquacultura
Cap 2 principais ramos da aquacultura
 
Aula 1 piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
Aula 1   piscicultura - questões economicas e mercado consumidorAula 1   piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
Aula 1 piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
 
Aquários feira
Aquários feiraAquários feira
Aquários feira
 
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixesBoas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
 
Coliformes totais e termotolerantes e demanda química de oxigênio em dejetos ...
Coliformes totais e termotolerantes e demanda química de oxigênio em dejetos ...Coliformes totais e termotolerantes e demanda química de oxigênio em dejetos ...
Coliformes totais e termotolerantes e demanda química de oxigênio em dejetos ...
 
Feira Científica e Cultura EEEP JIN 2014
Feira Científica e Cultura EEEP JIN 2014Feira Científica e Cultura EEEP JIN 2014
Feira Científica e Cultura EEEP JIN 2014
 
Tolerância da tilapia em dferentes concentrações de salinidade
Tolerância da tilapia em dferentes concentrações de salinidadeTolerância da tilapia em dferentes concentrações de salinidade
Tolerância da tilapia em dferentes concentrações de salinidade
 
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
 
34 1 29-38
34 1 29-3834 1 29-38
34 1 29-38
 
Effect of mint's (Mentha X piperita var citrata) root exudate against monogen...
Effect of mint's (Mentha X piperita var citrata) root exudate against monogen...Effect of mint's (Mentha X piperita var citrata) root exudate against monogen...
Effect of mint's (Mentha X piperita var citrata) root exudate against monogen...
 
Isolamento de bactéria probiótica do surubim híbrido Pseudoplatystoma reticul...
Isolamento de bactéria probiótica do surubim híbrido Pseudoplatystoma reticul...Isolamento de bactéria probiótica do surubim híbrido Pseudoplatystoma reticul...
Isolamento de bactéria probiótica do surubim híbrido Pseudoplatystoma reticul...
 
Aula 05
Aula 05Aula 05
Aula 05
 
Sistema de tratamento para dejetos suínos
Sistema de tratamento para dejetos suínosSistema de tratamento para dejetos suínos
Sistema de tratamento para dejetos suínos
 
Residuos da suinocultura
Residuos da suinoculturaResiduos da suinocultura
Residuos da suinocultura
 
Crescimento tor tamboides
Crescimento tor tamboidesCrescimento tor tamboides
Crescimento tor tamboides
 
Diferentes Densidades de Estocagem na Produção de Alevinos de Trairão (Hoplia...
Diferentes Densidades de Estocagem na Produção de Alevinos de Trairão (Hoplia...Diferentes Densidades de Estocagem na Produção de Alevinos de Trairão (Hoplia...
Diferentes Densidades de Estocagem na Produção de Alevinos de Trairão (Hoplia...
 
Apostila piscicultura - prof manuel vasquez vidal jr - uenf-lzna
Apostila   piscicultura - prof manuel vasquez vidal jr - uenf-lznaApostila   piscicultura - prof manuel vasquez vidal jr - uenf-lzna
Apostila piscicultura - prof manuel vasquez vidal jr - uenf-lzna
 
Propagação artificial aula 2
Propagação artificial  aula 2Propagação artificial  aula 2
Propagação artificial aula 2
 

Semelhante a S7 lamabri em bft

Manejo alimentar em tanques rede
Manejo alimentar em tanques redeManejo alimentar em tanques rede
Manejo alimentar em tanques redeRural Pecuária
 
O CONSUMO DO MEXILHÃO PROVENIENTE DA BAÍA DE GUANABARA
O CONSUMO DO MEXILHÃO PROVENIENTE DA BAÍA DE GUANABARAO CONSUMO DO MEXILHÃO PROVENIENTE DA BAÍA DE GUANABARA
O CONSUMO DO MEXILHÃO PROVENIENTE DA BAÍA DE GUANABARASenhor Eco
 
Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...
Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...
Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...Romildo Marques de Farias
 
Avaliação do desempenho Zootécnico da Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus)...
Avaliação do desempenho Zootécnico da Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus)...Avaliação do desempenho Zootécnico da Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus)...
Avaliação do desempenho Zootécnico da Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus)...ISPG-CHOKWE CRTT
 
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixesBoas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixesFilgueira Nogueira
 
Manejo na produção de peixes. parte 2. o uso eficiente da aeração fundamento...
Manejo na produção de peixes. parte 2. o uso eficiente da aeração  fundamento...Manejo na produção de peixes. parte 2. o uso eficiente da aeração  fundamento...
Manejo na produção de peixes. parte 2. o uso eficiente da aeração fundamento...Rafael Carnauba Ferreira
 
Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de frango caipira (Lab...
Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de  frango caipira (Lab...Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de  frango caipira (Lab...
Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de frango caipira (Lab...George Lucas
 
Níveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na seca
Níveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na secaNíveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na seca
Níveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na secaGeorge Lucas
 
Aquicultura - Tilápia
Aquicultura - TilápiaAquicultura - Tilápia
Aquicultura - Tilápiasasarosado
 
Caracterização físico-química de dejetos de poedeiras acumulados por diferent...
Caracterização físico-química de dejetos de poedeiras acumulados por diferent...Caracterização físico-química de dejetos de poedeiras acumulados por diferent...
Caracterização físico-química de dejetos de poedeiras acumulados por diferent...Rafael Gauchinho
 
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixesBoas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixesSamuel Vieira
 
Acidose em ruminantes
Acidose em ruminantesAcidose em ruminantes
Acidose em ruminantesFmodri3
 
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sobUtilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sobJose Carvalho
 
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...Samuel J. Tacuana
 

Semelhante a S7 lamabri em bft (20)

Calculo da c n
Calculo da c nCalculo da c n
Calculo da c n
 
Manejo alimentar em tanques rede
Manejo alimentar em tanques redeManejo alimentar em tanques rede
Manejo alimentar em tanques rede
 
Artigo_Bioterra_V23_N2_10
Artigo_Bioterra_V23_N2_10Artigo_Bioterra_V23_N2_10
Artigo_Bioterra_V23_N2_10
 
O CONSUMO DO MEXILHÃO PROVENIENTE DA BAÍA DE GUANABARA
O CONSUMO DO MEXILHÃO PROVENIENTE DA BAÍA DE GUANABARAO CONSUMO DO MEXILHÃO PROVENIENTE DA BAÍA DE GUANABARA
O CONSUMO DO MEXILHÃO PROVENIENTE DA BAÍA DE GUANABARA
 
Impactos Ambientais da Piscicultura
Impactos Ambientais da PisciculturaImpactos Ambientais da Piscicultura
Impactos Ambientais da Piscicultura
 
Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...
Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...
Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...
 
Artigo_Bioterra_V22_N2_08
Artigo_Bioterra_V22_N2_08Artigo_Bioterra_V22_N2_08
Artigo_Bioterra_V22_N2_08
 
Avaliação do desempenho Zootécnico da Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus)...
Avaliação do desempenho Zootécnico da Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus)...Avaliação do desempenho Zootécnico da Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus)...
Avaliação do desempenho Zootécnico da Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus)...
 
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixesBoas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
 
Manejo na produção de peixes. parte 2. o uso eficiente da aeração fundamento...
Manejo na produção de peixes. parte 2. o uso eficiente da aeração  fundamento...Manejo na produção de peixes. parte 2. o uso eficiente da aeração  fundamento...
Manejo na produção de peixes. parte 2. o uso eficiente da aeração fundamento...
 
Siri mole
Siri moleSiri mole
Siri mole
 
Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de frango caipira (Lab...
Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de  frango caipira (Lab...Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de  frango caipira (Lab...
Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de frango caipira (Lab...
 
Níveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na seca
Níveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na secaNíveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na seca
Níveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na seca
 
Aquacultura
AquaculturaAquacultura
Aquacultura
 
Aquicultura - Tilápia
Aquicultura - TilápiaAquicultura - Tilápia
Aquicultura - Tilápia
 
Caracterização físico-química de dejetos de poedeiras acumulados por diferent...
Caracterização físico-química de dejetos de poedeiras acumulados por diferent...Caracterização físico-química de dejetos de poedeiras acumulados por diferent...
Caracterização físico-química de dejetos de poedeiras acumulados por diferent...
 
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixesBoas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
 
Acidose em ruminantes
Acidose em ruminantesAcidose em ruminantes
Acidose em ruminantes
 
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sobUtilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
 
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
 

Último

Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoQuestões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoCelimaraTiski
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)Centro Jacques Delors
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanomarla71199
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivararambomarcos
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 

Último (20)

Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoQuestões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 

S7 lamabri em bft

  • 1. PRIMEIRO CULTIVO DO Astyanax Bimaculatus EM SISTEMA DE BIOFLOCOS Bruna G. Ascoli1 , Samir P. VENERA2 , Yan BORGES3 , Filipe A. da SILVA4 , Felipe do N. Vieira5 , Adolfo JATOBÁ5 . 1 e 2 – Bolsistas PIBIC-EM/CNPq, 3 – Discente LIQ-Campus Araquari; 4 – TAE IFC-Campus Araquari, 5 – Pesquisador UFSC, 6 – Orientador IFC-Campus Araquari. Introdução A aquicultura é uma atividade que possibilita trabalhar com um grande número de espécies, sejam peixes, crustáceos, microalgas, macroalgas e/ou moluscos. Entre os peixes podemos destacar o Lambari que é uma espécie utilizada para consumo humano ou como espécie forrageira (serve de alimento para outra espécie) (vide a revisão GARUTTI, 2003; vide a revisão PORTO-FORESTI, 2010). O lambari é uma espécie rústica, de pequeno porte, com ciclo de vida rápido e que apresenta elevada produtividade em cultivo intensivo. O manejo preconizado aqui permite produzir 100 t/ha por ano e o início de cultivo em qualquer época. As técnicas utilizadas são extremamente simples, ao alcance de qualquer pessoa, e o cultivo se processa da forma mais natural possível, sem a aplicação de hormônios ou outras drogas, apenas com o emprego adequado das técnicas de manejo. Com este potencial, considera-se importante o desenvolvimento de novas tecnologias de processamento de pescado, para que o consumidor tenha outras opções e não somente as formas triviais de peixe resfriado ou congelado (vide a revisão GARUTTI, 2003; vide a revisão PORTO-FORESTI, 2010). O potencial de produção do lambari pode ser maximizado, utilizando sistemas superintensivos. Atualmente, o cultivo em biofloco é amplamente estudado no cultivo camarões marinho, entretanto sua tecnologia foi iniciada para produção de tilápias com o intuito de reduzir o custo com a alimentação, aumentar a biosseguridade e produtividade do sistema de produção, além reduzir o uso de água, pois o manejo de renovação de água é reduzido ou nulo e incrementar (AVNIMELECH, 1999; MILSTEIN et al., 2001; AZIM e LITTLE, 2008). Entretanto, esta tecnologia é pouco ou não aplicada ao cultivo das espécies nativas do Brasil, sendo necessário estudo para avaliação da viabilidade de seu uso. Assim, objetivou-se avaliar a viabilidade do lambari do rabo amarelo (A. bimaculatus) de se adaptar ao sistema de bioflocos. Material e Métodos
  • 2. Foram utilizados 4.500 lambaris do rabo amarelo (Astyanax bimaculatus), com peso médio de 1,11 g, provenientes do Laboratório de Aquicultura do IFCatarinense, câmpus Araquari. Três dias antes do povoamento foi feita uma fertilização da água dos tanques com açúcar e ração moída para manutenção da relação carbono:nitrogênio 12:1, (Ebeling et al., 2006, Avnimelech, 1999) resultando em concentração inicial de sólidos de 200,0 mg.L-1 . Depois de povoado foi mantida uma fertilização fixa também de 12:1 por uma semana e os 22 dia seguintes foi fertilizado para neutralizar 40% do nitrogênio da ração e para manter a amônia menor que 1,0 mg.L-1 . Foram utilizadas duas caixas de polietileno com capacidade para 300 L (úteis), cada caixa estava equipada com sistema de aquecimento e aeração constante. A primeira caixa recebeu 3.000 peixes (densidade inicial de 10 peixes.L-1 ), enquanto a segunda foi povoada com 1.500 peixes (densidade inicial de 5 peixes.L-1 ). Os peixes foram alimentados duas vezes ao dia (9:00 e 15:30), com ração contendo 32% proteína bruta e 8% de lipídios, sendo ofertado 6% da biomassa total dos peixes. Após 11 semanas de trabalho, foi avaliado o ganho em peso dos peixes. Durante o experimento foram monitorados: oxigênio dissolvido, temperatura, quantidade de flocos (cilindro de Inhoff) duas vezes ao dia, e pH alcalinidade, sólidos suspensos totais (APHA, 1995) foram mensurados duas vezes na semana. Paralelo a este experimento, foi realizado um experimento em água clara intitulado “FREQUÊNCIA NA OFERTA DO PROBIÓTICO (Lactobacillus sp.) NO CULTIVO DE LAMBARI DO RABO AMARELO” aprovado em EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA FAPESC Nº 02/2015, ambos os trabalhos foram realizados na mesma época com alevinos descendentes das mesmas matrizes. No sistema utilizado os peixes estavam sendo cultivos em caixas de polietileno, com sistema de recirculação constante, com mesmo manejo alimentar, ofertado aos animais do biofloco e densidade populacional inferior (125 peixes por m³ = 0,125 peixes por litro). Resultados e discussão Após as 11 semanas de cultivo, os parâmetros de qualidade de água comprometeram o desempenho dos peixes, como observado nas tabelas 1 e 2 não foram observados diferença
  • 3. na temperatura média, oxigênio dissolvido, pH e turbidez de água nos tanques com as densidades distintas. Já o volume de floco registrou um maior acúmulo no tanque com a densidade mais elevada, isto pode ser exemplificado na quinta semana, na qual o tanque 1 possuía aproximadamente três vezes mais volume de floco. Este fato é justificado pela maior biomassa de peixes, que consequentemente consumia maiores montantes de ração produzindo mais excretas. O mesmo efeito foi observado no total de sólidos suspensos. Tabela 1. Média semanal das variáveis de qualidade de água do cultivo de lambari do rabo amarelo em bioflocos na densidade de 10 peixes.L-1 . Semanas Temperatu ra Média (°C) Oxigênio Dissolvido (mg.L-1 ) Turbidez (cm) Volume de floco (ml) Alcalinida de (mg.L- 1 ) Total de Sólidos Suspensos (mg.L-1 ) pH 1 27,3 7,3 9,1 65,9 AP 630,0 7,1 2 28,4 6,8 8,9 35,6 180,0 686,1 7,2 3 25,9 7,5 8,1 46,2 190,0 864,9 7,0 4 24,0 8,3 7,8 82,5 AP 973,9 7,1 5 25,3 6,6 6,4 329,3 AP 1180,5 7,1 6 28,3 8,2 6,8 148,4 AP 948,0 7,1 7 26,6 6,8 6,7 121,3 AP 1330,3 7,2 8 26,3 6,2 6,2 105,0 AP 1896,2 7,0 9 24,6 5,7 5,5 235,0 AP 2660,1 7,1 *AP (amostra perdida). Tabela 2. Média semanal das variáveis de qualidade de água do cultivo de lambari do rabo amarelo em bioflocos na densidade de 5 peixes.L-1 . Semanas Temperatu ra Média (°C) Oxigênio Dissolvido (mg.L-1 ) Turbidez (cm) Volume de floco (ml) Alcalinida de (mg.L- 1 ) Total de Sólidos Suspensos (mg.L-1 ) pH 1 26,7 7,9 11,4 16,9 7,9 503,3 7,1 2 27,6 7,6 9,1 24,5 50,0 546,2 7,1 3 25,6 8,2 8,2 48,2 80,0 652,5 7,1 4 23,9 8,3 7,4 56,9 40,0 712,5 7,1 5 24,7 7,6 6,4 111,8 50,0 945,5 7,2 6 27,9 8,5 7,0 148,1 30,0 1120,7 7,1 7 27,1 7,4 6,7 152,5 20,0 1324,0 7,2 8 26,3 7,2 5,7 187,0 180,0 1408,9 7,1 9 24,3 7,2 5,0 220,0 110,0 1521,6 7,0 Ao avaliar o ganho em peso dos peixes e comparar com um experimento executado em paralelo, observou que nas quatro primeiras semanas um desempenho semelhando, com as curvas de crescimento em paralelo, na quinta semana, foi registrado uma queda de energia no laboratório de aquicultura, o que resultou em uma mortalidade de massiva dos peixes. Este fato comprometeu a obtenção de dados como produtividade, eficiência alimentar, e até mesmo a sobrevivência, pois a ausência de aeração comprometeu todo o sistema.
  • 4. Outro fato que comprometeu a execução do experimento, foi a estrutura, pois na sexta semana ela foi danificada, sendo interrompida a entrada de oxigênio no tanque 1, que resultou em uma segunda mortalidade. Estes eventos dificultaram à avaliação precisa do sistema, assim como, a capacidade desta espécie de se adaptar a esta tecnologia. Figura 1. Ganho em peso médio dos lambaris do rabo amarelo cultivados em biofloco e água clara. Conclusão O lambari do rabo amarelo sobreviveu em condições de bioflocos, demostrando ser viável cultiva-lo neste sistema. O sistema de biofloco demostrou grande aplicabilidade, principalmente nas fases iniciais, onde se pode adensar mais os animais. 0,00 1,00 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 7,00 8,00 9,00 10,00 11,00 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 Peso médio (g) Semanas água clara Biofloco
  • 5. Referências AVNIMELECH, Yoram. Carbon and nitrogen ratio as a control element in aquaculture systems. Aquaculture, v. 176, p. 227–235, 1999. AZIM, Mohammed Ekram.; LITTLE, David C. The biofloc technology (BFT) in indoor tanks: Water quality, biofloc composition, and growth and welfare of Nile tilapia (Oreochromis niloticus). Aquaculture, v. 283.p. 29–35, 2008. GARUTTI, Valdener. Piscicultura ecológica. São Paulo: Editora UNESP, p. 330, 2003. MILSTEIN, Adam., et al. Growth performance of hybrid bass and hybrid tilapia in conventional and active suspension intensive ponds. Israeli Journal of Aquaculture — Bamidgeh, v. 53 (3–4), p. 147– 157, 2001. PORTO-FORESTI, Fabio; et al. Biologia e criação do lambari-do-rabo-amarelo (Astyanax bimaculatus). In: Espécies nativas para piscicultura no Brasil. Editora UFSM, c. 4, p. 101 – 116, 2010.