SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
ROTEIRIZAÇÃO
PARTE 1
NOÇÕES
GERAIS
OFICINA DE
ROTEIRIZAÇÃO
(NOÇOES SOBRE ROTEIRIZAÇÃO) PARTE 1
– ROTEIROS PARA OS ENCONTROS DE FORMAÇÃO–
FORMAÇÃO DE PREGADORES
“ Pregar e Formar com simplicidade, sem renunciar a ciência, e dominar a
técnica sem extinguir a unção”.
OFICINA DE ROTEIRIZAÇÃO
OBJETIVO GERAL:
- Promover a cultura de pentecostes a partir da experiência do Batismo no Espirito
Santo.
OBJETIVOS ESPECIFICOS:
- Fazer discípulos de nosso Senhor Jesus Cristo, evangelizando o povo de Deus no
Brasil, a partir da experiência do Batismo no Espirito Santo;
- Promover a capacitação das pregadoras e dos pregadores a fim de
que consigam elaborar roteiros de pregação e de ensinos
inspirados por Deus, e com técnica adequada que lhes facilite o uso
correto dos recursos da oratória sacra sem extinguir a unção do
Espirito Santo.
PROJETO DE FORMAÇÃO DE PREGADORES
METODOLOGIA COM O PODER DO ESPIRITO SANTO
O QUE É UM ROTEIRO? Conjunto de indicações orientadoras... Você não é um navio
sem bússola
Um roteiro de viagem é nada mais do que o planejamento da sua viagem: em qual
cidade você chega, que programa pretende fazer, que lugares visitar, qual é o seu
objetivo de chegada.
“Falar harmoniosamente e ritmicamente sem dizer nada é uma estupidez, e falar
dando boas ideias mas sem ordem e sem medida nas palavras é uma infantilidade”.
CONCEITO E NOÇÃO DE ROTEIROS.
Roteirização, como o próprio nome indica, é a ação de confeccionar roteiros, é o ato de
roteirizar. É pela roteirização que o ensino e a pregação começam a ganhar corpo.
“Quem domina a Técnica da roteirização já começa a vencer um dos principais inimigos
do evangelizador, que é o medo de não ter o que falar”. A Falta de roteiro gera uma
sobrecarga, a de estar constantemente “ligado” na memória, buscando o que anunciar.
“A mente preocupada é engrenagem enferrujada, a preocupação trava a inteligência,
extingue a criatividade e obstrui o canal da graça e poderá extinguir a unção do
evangelizador.
Exemplo de que usar Roteiro não extingue a unção!
O QUE O ROTEIROS COMBATE?
INIBIÇÃO – não passar o que sabe.
A palavra inibir significa proibir, impedir.
DESCONEXÃO – não saber o que fala
Falta de sequência lógica nas ideias, incoerência
PROLIXIDADE – falar muito sem falar nada
Prolixo é aquela pessoa que se prende a um longo discurso, com explicações
supérfluas e se estende demoradamente, tornando o discurso enfadonho e
entediante. Ex: O discurso prolixo do político acabou com o problema de insônia da
plateia.
 ENSINOS E PREGAÇÕES ESCRITOS E NÃO ESCRITOS.
ROTEIRO ESCRITO E NÃO ESCRITO
a) Pregações e ensinos não escritos
- Vantagens
= Grande flexibilidade
= Boa abertura para as inspirações, moções e toques do Espírito
Santo
- Desvantagens
= Possibilita ensinos e pregações “sem pé e sem cabeça”
= Possibilita pregações e ensinos “intermináveis”
PREGAR COM SIMPLICIDADE E COM TÉCNICAS, SEM RENUNCIAR À CIÊNCIA E SEM EXTINGUIR A UNÇÃO.
Pregações e ensinos escritos
- Vantagens
= Possibilita ao evangelizador ter sempre à
mão o que pregar ou ensinar
= Libera o evangelizador da preocupação de
saber o que dizer
- Desvantagens
= Possibilita pregações e ensinos “engessados”
= Dificulta o acolhimento de novas inspirações,
moções, profecias, etc.
Roteiro ideal é o escrito
(O roteiro escrito oferece perigos semelhantes ao ensino não escrito, porém é
preferível um roteiro escrito a uma pregação ou ensino não escrito).
- Vantagens do roteiro escrito
= Boa flexibilidade
= Boa abertura para as inspirações, moções e toques do Espírito Santo
= Possibilita ao evangelizador ter sempre à mão as principais ideias
= Libera o evangelizador do medo de não ter o que pregar ou ensinar
= Permite a inserção de histórias, parábolas, técnicas pedagógicas e recursos
variados
TEMPO DE PREPARAÇÃO
- Tempo ideal
= É o tempo necessário para imbuir-se do assunto a ser anunciado
- Tempo prático
= É o tempo que se tem. É o tempo que Deus nos disponibiliza
= Deus nos dá tempo por meio de quem nos convida
= Se o tempo for um ano, nos preparemos por um ano; se for um
minuto,
nos preparemos por um minuto.
FIDELIDADE AO TEMA
- A fidelidade ao tema começa com organização do
roteiro
- O roteiro estando dentro do tema proposto
dificilmente o pregador e o formador sairão dele.
Marchemos! Vamos para a Roteirizarão do Grupo de Oração!
ROTEIRIZAÇÃO PARA PREGAÇÃO EM
REUNIÃO DE ORAÇÃO DE GRUPO DE
ORAÇÃO.
Uma pregação tem que ter começo, meio e fim,
seguindo uma seqüência lógica. Por isto, é
recomendável a utilização do roteiro, para que o
pregador “ não se perca no meio do caminho”
“ O Roteiro é a organização da pregação em tópicos,
visando auxiliar o pregador no exercício de sua missão
de evangelizar”.
Note Bem Oficineiro: É importante ter um roteiro
escrito, pois não sabemos quais as distrações poderemos
ter nos instantes antes que antecedem a nossa ida ao
Grupo de Oração! Com freqüência ocorre que
justamente no dia em que vamos pregar, acontece
algum imprevisto no trabalho, ou em casa, ou outra
coisa que tenta “ roubar a nossa paz”, e nos
desconcentrar e assim corremos oi risco de esquecer
aquilo que o Senhor já nos revelou para a pregação.
Mesmo acontecendo imprevistos ou distrações, caso o
pregador tenha feito um roteiro por escrito, as moções
proféticas de Deus para a pregação estarão seguras e de
fácil acesso na mão do pregador! Entendeste Pregador
e Pregadora ( Grifo meu).
ESTRUTURA DE UM ROTEIRO
Para fazer um roteiro de uma pregação é preciso
preparar passo a passo a Introdução, o
Desenvolvimento e a Conclusão, conforme o modelo
a seguir:
I – INTRODUÇÃO
( Apresentação do Pregador, Dados pessoais, Grupo de Oração, e
Comunidade que participa.
Observação: A apresentação do Pregador no G.O ( Reunião de
Oração), deve ser feita, ou pelo menos seria o ideal, pelo
Coordenador do G.O ou dirigente de oração, para facilitar a
pregação e não diminuir o tempo, assim o pregador já começa a
pregação pela Introdução.
Apresentação da Pregação, Tema e Citação Bíblica – sendo que a
citação bíblica e Motivação, poderá ser feita no
Desenvolvimento, conforme critério do pregador.
II – DESENVOLVIMENTO
Idéia (s) Principal (s)
Idéia (s) Secundária (s)
III – CONCLUSÃO
Peroração
Convite a ação
Oração Final
A Importância de todas as partes do Roteiro:
ROTEIRO DE PREGAÇÃO (GRÁFICO)
I – INTRODUÇÃO
1. Apresentação do Pregador
“Tem a finalidade de atender as regras da boa educação, quebrar a frieza
inicial, estabelecer contato com a assembleia da maneira menos
traumática possível e evitar que a curiosidade dos ouvintes sobre a
pessoa do pregador dispersa-lhe a atenção.
Precaução: Não inserir na apresentação nenhuma informação para
satisfazer a vaidade.
(Nome, estado civil, G.O, comunidade, Paróquia).
Tema: Precisamos dizer, porque a principal de todas as ideias chaves, a
partir do tema facilitará toda a argumentação no desenvolvimento, e
também para que as pessoas possam ligar as idéias com o tema.
1. Motivação:
“Tem o objetivo de provocar no irmão – ouvinte um desejo sincero de ouvir
e entender a pregação”.
Conforme Mauricio Góis, o máximo de atenção espontânea que se
consegue de um auditório chega no máximo três minutos. Mas em média
dura alguns segundos em pessoas normais, que são a maioria da
população. Essa atenção só volta a subir, curiosamente, na conclusão.
Passagem Bíblica: Citar a Passagem ( Fundamental).
II – DESENVOLVIMENTO:
( SE DESEJAR IR PARA A PALESTRA INDIVIDUAL SOBRE ROTERIRIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO)
“O desenvolvimento é também o fato de progredir, aumentar, melhorar.
Desenvolver a pregação é faze-lo crescer, No desenvolvimento vamos esmiuçar
o assunto já delineado. É semelhante à ação de alguém que desenrola um
novelo de linha.
 Facilita nossa argumentação.
 A compreensão dos ouvintes.
 E a eficácia da pregação.
1. ITEM (IDÉIA CHAVE) ou IDÉIA PRINCIPAL
“Sabemos que é só por um milagre uma pessoa se lembrará de tudo o
que ouviu durante um encontro. Por outro lado, temos descoberto que o
uso de ideias – chave tem ajudado as pessoas a sempre levar parte
substanciosa dos ensinos e das pregações, principalmente se forem
trabalhadas com técnica boa e ungida”.
A) SUBITEM OU IDÉIA SECUNDÁRIA.
“Servem realmente para sustentar e explicitar os itens”.
B) SUBITEM
C) SUBITEM
2. ITEM (IDÉIA CHAVE)
A) SUBITEM
B) SUBITEM
C) SUBITEM
3. ITEM (IDÉIA CHAVE)
A) SUBITEM
B) SUBITEM
C) SUBITEM
III – CONCLUSÃO:
1. PERORAÇÃO:
“Peroração a arte de terminar bem” é o encerramento de uma peça de
oratória” é ponto culminante, nela o pregador costuma atingir o seu ponto
máximo, momento mais vibrante, mais tocante e mais emocionante. É a última
esperança de tocar os corações dos ouvintes”.
 A Peroração é usada para içar a assembleia e conduzi-la ao alto, para onde está
Deus, para onde Jesus transforma os corações feridos, magoados, ressentidos,
duvidosos, incrédulos e desiludidos, a fim de que o Espirito Santo possa
conduzi-lo.
 Nela compõe se um resumo das principais ideias da pregação e por aquela mensagem
formada pela ideia central que REALMENTE O SENHOR queria que seu povo ouvisse.
1. Chamado a ação:
“Não é bom que a pregação simplesmente seja encerrado, como se encerrasse uma
festa, um evento esportivo qualquer, um passatempo. Ao terminar o ensino os ouvintes
devem ser convidados a alguma ação. Ou se comprometerem com a mensagem
recebida”.
1. ORAÇÃO FINAL
“Ao terminar o ensino, após convidar á ação, ora-se para que os ouvintes
recebam ajuda divina para viver o que ouviram, bem como para serem fiéis aos
compromissos feitos”.
PASSOS PARA A ELABORAÇÃO DE ROTEIRO DE
PREGAÇÃO
Podemos fazer uma analogia entre a elaboração de Roteiro
com a preparação de um bolo, conforme a seqüência
apresentada abaixo:
Seqüência Roteiro Analogia-Comparação
1º Elaborar o Desenvolvimento Recheio (a massa ou base)
do bolo
2º Elaborar a Conclusão Cobertura do bolo
3º Elaborar a Introdução Decoração do bolo
FAZER O
CICLO
CARISMÁTICO
NA
REVELAÇÃO
DA PREGAÇÃO
1º Massa do Bolo e o Recheio
2º A Cobertura do bolo e 3º A Decoração do
Bolo.
A principio,a seqüência acima pode causar estranheza, principalmente
porque a introdução é a última parte a ser elaborada, porém vamos refletir o
seguinte: a primeira coisa que vemos quando olhamos para um bolo é a sua
decoração, porém sabemos a decoração foi a última coisa a que foi feita e que
a primeira coisa preparada foi o seu recheio! Assim, na elaboração do
Roteiro de uma pregação, a primeira coisa a ser preparada é o recheio da
pregação, ou seja o desenvolvimento!
Desenvolvimento:
O Desenvolvimento é a primeira parte que se elabora em um roteiro.
Fazendo uma analogia ( comparação) com um bolo, podemos dizer que o
desenvolvimento é o recheio do bolo da pregação. E todos nós sabemos que a
primeira coisa a se fazer quando se prepara um bolo é o seu recheio ou
massa e, por último, a cobertura e a decoração do bolo!
Para que possamos preparar o desenvolvimento de uma pregação de forma
adequada, primeiramente temos que ter a consciência de que, não importa
qual seja o tema, a pregação já esta pronta no coração de Deus!
Cabe ao pregador extraí-la do coração de Deus através da escuta profética!
Muito mais do que nós pregadores, Deus quer que seus filhos sejam tocados
pelas nossas pregações e assim, tenham suas vidas transformadas pelo poder
de seu Espirito!
Como preparar um Desenvolvimento:
Na preparação do Desenvolvimento da pregação devemos realizar um estudo
sobre o tema ser pregado, utilizando as fontes de revelação.
VAMOS ENTÃO CONHECER QUAIS SÃO AS FONTES DE REVELAÇÃO PARA A PREGAÇÃO.
APRESENTAR A PALESTRA “ ACOLHIMENTO PARA A REVELAÇÃO”
Obs. Depois de compreendermos quais são as fontes de revelação e como
recebe- lá através do Ciclo Carismático, passamos para a montagem do
Desenvolvimento, a partir do que Deus nos revelou, usando a seguinte
estrutura:
a) Ideias Principais: As ideias principais são tópicos que se referem
diretamente ao tema;
b) Ideias Secundárias: As ideias secundárias são tópicos que se referem a
cada ideia principal. A utilização de ideias secundárias varia de acordo com
cada pessoa, algumas pessoas gostam de usar somente uma ou duas palavras
como referência, outros usam frases inteiras, citações bíblicas, outros usam
figuras, desenhos, etc.
É importante lembrar que o tempo de uma pregação no Grupo de Oração, é de apenas 20 minutos,
sendo assim, não convém para este tipo de pregação ter muitas ideias Principais e Secundárias!
EXEMPLO PRÁTICO DA CHUVA DE IDÉIAS:
O AMOR DE DEUS
Deus é amor
Acolhedor, (Paixão morte e ressurreição), poderoso
Paciente, Felicidade (Entrega total) Maravilhoso,, liberdade, Natureza de Deus,
Vida, fiel, Santo, incomensurável, caridoso, esperança, compassivo…
Amai-vos uns aos outros, solidário, cruz, eterno, cuidadoso,
Quem ama serve, infinito, luz, ciumento
tudo., com Deus faremos proezas, protetor, apaixonado….
Apaixonado, suave, onipotente, humilde, me amou primeiro, saiu de si para ir em busca
do outro, mistério, amigo fiel, alfa e ômega, único,
Is 43,4,
Jo 3,16b) Natureza de Deus é amor
Paciente, incansável, misericordioso, compassivo, perfeito
Zeloso, experiência
Auxilio e salvação INCOMENSURÁVEL (João 3, 16)
- CARIDOSO (I Coríntios 13, 4-6)
- ETERNO (I Coríntios 13, 8 : "A caridade jamais acabará.";
A História da Casa pegando fogo, “ O Sol no meu rosto”, o livro do Pe. Léo que fala do
Deus amoroso... Livro Ide Evangelizai....Carta do Papa Bento Carit est.
LIVROS PARA LER:
Ide Evangelizai
Cura interior Pe. Leo
CIC PAR
155
A HISTÓRIA DA
CASA PEGANDO
FOGO.
Exercicios
Aqui neste momento, o Formador, contando
com ajuda dos participantes, deve montar um
Roteiro ( Ideias Chaves e auxiliares) baseando
nas anotações que estão no quadro; ou seja,
mostrar na prática como se roteiriza.( Deve ser
montado no quadro mesmo todos ajudando e
observando) Lembremo – nos que a Revelação
de Deus é uma proposta! Nunca deverá ser
imposta!
A seguir temos um ex.. De estrutura de Pregação
Preparação do Roteiro Passo a Passo:
II – DESENVOLVIMENTO:
1º Parte a se preparar é o desenvolvimento:
1. DEUS É AMOR – Ideia primária.
a) I João 4, 16
b) Natureza de Deus é amor Ideias secundárias
c) Moisés (na sarça) “ Eu sou Aquele que sou” Ex
2. CARACTERÍSTICAS DO AMOR DE DEUS
a) INCOMENSURÁVEL (João 3, 16)
b) CARIDOSO (I Coríntios 13, 4-6)
c) ETERNO (I Coríntios 13, 8 : "A caridade jamais acabará."; Jeremias 31, 3 : "De
longe me aparecia o Senhor: amo-te com eterno amor")
3. EXPERIÊNCIA DO AMOR DE DEUS É TRANSFORMADORA:
- Moisés (na sarça)
- Pedro (na negação)
- Paulo (no caminho de Damasco)
2º Parte a se preparar é a Conclusão:
a) Peroração:
É por isso que o Senhor nos trouxe aqui, te trouxe aqui, para
derramar sobre você, todo seu amor, a primeira coisa que Ele te
pede não é que você o ame, mais que se deixe ser amado por Ele....
b) Chamado a ação:
Amados abramos o nosso coração para experimentar este amor que
nos constrange, diga com suas palavras eu quero experimentar o o
Teu amor, eu desejo!
c) Oração final do Pregador:
Querido Deus de Amor diante de tudo aquilo que o Senhor falou
neste dia, eu quero neste momento te suplicar derrama sobre mim,
sobre nós o teu amor, que cada um de Nós possa experimentar
neste momento o teu amor que cura, que liberta...
Exemplo da diferença entre o Roteiro de uma Pregação e de uma Formação
ROTEIRO DE ENSINO
I. INTRODUÇÃO
1. Apresentação do Formador
2. Motivação
3. Apresentação do Ensino
II – DESENVOLVIMENTO
1. Idéias primárias
2. Idéias secundárias
3. Idéias primárias.
4. Idéias secundárias.
III – CONCLUSÃO
1. Resumo
2. Recapitulação
3. Fecho
4. Convite a ação
5. Oração final.
ROTEIRO DE PREGAÇÃO
I. INTRODUÇÃO
( Parte única)
II – DESENVOLVIMENTO
1. Idéias primárias
2. Idéias secundárias
3. Idéias primárias.
4. Idéias secundárias.
III – CONCLUSÃO
1. Peroração.
2. Oração final.
3º e última parte a ser preparada é a INTRODUÇÃO:
I – INTRODUÇÃO:
A) Apresentação do Pregador.
Meu nome é o Ricardo, sou casado, temos duas filhas, participo do G.O Rosa de
Saron, na Comunidade N.S da Boa Viagem na Paróquia São Francisco de Paula.
E é com grande alegria que estou aqui hoje com vocês!
B) Apresentação da Pregação.
E o Tema proposto para nós hoje é O AMOR DE DEUS!
• Deus é amor.
• O Amor de Deus que incomensurável, caridoso e eterno.
• E a experiência com o Amor de Deus é transformadora.
C) Motivação:
1. O que você mais deseja na vida?
2. Ninguém é feliz sem amor (amar e ser amado).
•O desejo de Deus
•O desejo de Deus está inscrito no coração do homem, já que o homem é criado por
Deus e para Deus; e Deus não cessa de atrair o homem a si, e somente em Deus o
homem há de encontrar a verdade e a felicidade que não cessa de procurar, amém.
Pegue sua Bíblia então em Jeremias 31
PRÁTICA DOS PARTICIPANTES:
Neste momento, avançamos para uma prática dos participantes, o formador
propõe um novo CICLO CARISMÁTICO, com um novo tema ( Sugestões de Tema:
Temas do Querigma, Deus existe, Salva-te a ti mesmo.... Desde que seja uma
tema querigmático pensando sempre em temas para Grupo de Oração.
Dica: Melhor que todos trabalhem a principio com o mesmo tema.
O Formador deve fazer junto com os participantes um novo Ciclo Carismático,
durante uns 15 minutos, ( se discernir pode pedir para algum participante
conduzir), agora no momento de silêncio será individual, cada participante
deverá fazer suas anotações particularmente.
Em seguida os participantes devem organizar o que anotaram! Simples, muito
fácil... ( Conforme a realidade se dá de 15 á 30 minutos).
Livro a ser utilizado como subsidio de Estudo “ Querigma” do
Luizinho Santana.
Os Formadores são facilitadores, com ajuda deles, todos
conseguem aprender a roteirizar.
Obs. Caso o Formador perceber muitas dificuldades, na
montagem do Roteiro por completo, poderá fazer exercícios
e dinâmicas das estruturas partes por partes.
( Desenvolvimento, Conclusão e Introdução).
APRESENTAR AS PALETRAS SEPARADAS 1 POR VEZ.
Temos a três partes divididas em palestras consultar.
Mãos a obra, Marchemos!
LIVROS E APOSTILAS PARA
APRODAFUNDAMENTO, A CRITÉRIO DO
FORMADOR.
APÓS A ORGANIZAÇÃO É SÓ PREGAR O TEMA PROPOSTO!
( tempo de pregação de 5 á 10 minutos).
Obs. Antes de começarem a pregar escolha alguns para explicar
como fez o seu Roteiro, não pregação!
DEUS OS ABENÇOE! MARCHEMOS!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O ministério do leitor
O ministério do leitorO ministério do leitor
O ministério do leitorNúccia Ortega
 
CURRICULO DA EBD 2012 - Completo
CURRICULO DA EBD 2012 - CompletoCURRICULO DA EBD 2012 - Completo
CURRICULO DA EBD 2012 - CompletoSergio Silva
 
Práticas espirituais
Práticas espirituaisPráticas espirituais
Práticas espirituaisCassio Felipe
 
Capítulo 3 dom de profecia e de interpretação
Capítulo 3   dom de profecia e de interpretaçãoCapítulo 3   dom de profecia e de interpretação
Capítulo 3 dom de profecia e de interpretaçãoKlaus Newman
 
apostila_pregacao-material formador-oficial (1).doc
apostila_pregacao-material formador-oficial (1).docapostila_pregacao-material formador-oficial (1).doc
apostila_pregacao-material formador-oficial (1).docitamar2019
 
Formação em Liturgia
Formação em LiturgiaFormação em Liturgia
Formação em Liturgiaiaymesobrino
 
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUSAPOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUSPASTOR CARLOS SILVA
 
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da EucarístiaMissa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da EucarístiaCris-Keka Mania
 
Capítulo 6 dom da palavra de sabedoria
Capítulo 6   dom da palavra de sabedoriaCapítulo 6   dom da palavra de sabedoria
Capítulo 6 dom da palavra de sabedoriaKlaus Newman
 
O Louvor No Grupo De Oração
O Louvor No Grupo De OraçãoO Louvor No Grupo De Oração
O Louvor No Grupo De OraçãoWiliam2008
 
Formação para leitores e salmistas
Formação para leitores e salmistasFormação para leitores e salmistas
Formação para leitores e salmistaspascomichu
 
Slides equipe de serviço
Slides   equipe de serviçoSlides   equipe de serviço
Slides equipe de serviçoCarlos Junior
 
Ensino 02 o ministério de formação
Ensino 02   o ministério de formaçãoEnsino 02   o ministério de formação
Ensino 02 o ministério de formaçãoMinistério Paraná
 
Metologia na catequese
Metologia na catequeseMetologia na catequese
Metologia na catequeseJorge Felliphe
 
Metodologia na Catequese ~ VER-ILUMINAR-AGIR-CELEBRAR-REVER
Metodologia na Catequese ~ VER-ILUMINAR-AGIR-CELEBRAR-REVERMetodologia na Catequese ~ VER-ILUMINAR-AGIR-CELEBRAR-REVER
Metodologia na Catequese ~ VER-ILUMINAR-AGIR-CELEBRAR-REVERJorge Felliphe
 

Mais procurados (20)

O ministério do leitor
O ministério do leitorO ministério do leitor
O ministério do leitor
 
Primeira etapa
Primeira etapaPrimeira etapa
Primeira etapa
 
CURRICULO DA EBD 2012 - Completo
CURRICULO DA EBD 2012 - CompletoCURRICULO DA EBD 2012 - Completo
CURRICULO DA EBD 2012 - Completo
 
Sagrado Magistério da Igreja Católica
Sagrado Magistério da Igreja Católica Sagrado Magistério da Igreja Católica
Sagrado Magistério da Igreja Católica
 
Práticas espirituais
Práticas espirituaisPráticas espirituais
Práticas espirituais
 
Capítulo 3 dom de profecia e de interpretação
Capítulo 3   dom de profecia e de interpretaçãoCapítulo 3   dom de profecia e de interpretação
Capítulo 3 dom de profecia e de interpretação
 
apostila_pregacao-material formador-oficial (1).doc
apostila_pregacao-material formador-oficial (1).docapostila_pregacao-material formador-oficial (1).doc
apostila_pregacao-material formador-oficial (1).doc
 
Formação em Liturgia
Formação em LiturgiaFormação em Liturgia
Formação em Liturgia
 
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUSAPOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
 
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da EucarístiaMissa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da Eucarístia
 
Capítulo 6 dom da palavra de sabedoria
Capítulo 6   dom da palavra de sabedoriaCapítulo 6   dom da palavra de sabedoria
Capítulo 6 dom da palavra de sabedoria
 
O Louvor No Grupo De Oração
O Louvor No Grupo De OraçãoO Louvor No Grupo De Oração
O Louvor No Grupo De Oração
 
Formação para leitores e salmistas
Formação para leitores e salmistasFormação para leitores e salmistas
Formação para leitores e salmistas
 
Slides equipe de serviço
Slides   equipe de serviçoSlides   equipe de serviço
Slides equipe de serviço
 
Culto a virgem maria
Culto a virgem mariaCulto a virgem maria
Culto a virgem maria
 
Ensino 02 o ministério de formação
Ensino 02   o ministério de formaçãoEnsino 02   o ministério de formação
Ensino 02 o ministério de formação
 
Ensino 02 o dom das línguas
Ensino 02   o dom das línguasEnsino 02   o dom das línguas
Ensino 02 o dom das línguas
 
Metologia na catequese
Metologia na catequeseMetologia na catequese
Metologia na catequese
 
Metodologia na Catequese ~ VER-ILUMINAR-AGIR-CELEBRAR-REVER
Metodologia na Catequese ~ VER-ILUMINAR-AGIR-CELEBRAR-REVERMetodologia na Catequese ~ VER-ILUMINAR-AGIR-CELEBRAR-REVER
Metodologia na Catequese ~ VER-ILUMINAR-AGIR-CELEBRAR-REVER
 
Pastoral da Catequese
Pastoral da CatequesePastoral da Catequese
Pastoral da Catequese
 

Destaque

Softwares de roteirização softwares roteirizadores e características
Softwares de roteirização   softwares roteirizadores  e característicasSoftwares de roteirização   softwares roteirizadores  e características
Softwares de roteirização softwares roteirizadores e característicasjhjhj ooi
 
Pregação e pregadores d. martyn lloyd-jones
Pregação e pregadores  d. martyn lloyd-jonesPregação e pregadores  d. martyn lloyd-jones
Pregação e pregadores d. martyn lloyd-jonesleandro faistauer
 
Querigma parte por parte
Querigma parte por parteQuerigma parte por parte
Querigma parte por parteCassio Felipe
 
Ensino 4 preparação e condução da reunião de oração
Ensino 4   preparação e condução da reunião de oraçãoEnsino 4   preparação e condução da reunião de oração
Ensino 4 preparação e condução da reunião de oraçãoministerioformacao
 
Roteirização para distribuição de refrigerantes na região sul do es
Roteirização para distribuição de refrigerantes na região sul do esRoteirização para distribuição de refrigerantes na região sul do es
Roteirização para distribuição de refrigerantes na região sul do esGlaucoVelosodosSantos
 
Roteirização pura de veículos utilizando algoritmos genéticos
Roteirização pura de veículos utilizando algoritmos genéticosRoteirização pura de veículos utilizando algoritmos genéticos
Roteirização pura de veículos utilizando algoritmos genéticosRicidleiv Tondatto
 
Aula epa apostila 03- ensino 01 , 03 e 04 - grupo de oração, os serviços e p...
Aula epa  apostila 03- ensino 01 , 03 e 04 - grupo de oração, os serviços e p...Aula epa  apostila 03- ensino 01 , 03 e 04 - grupo de oração, os serviços e p...
Aula epa apostila 03- ensino 01 , 03 e 04 - grupo de oração, os serviços e p...Tatiano Ribeiro Dos Santos
 
Apostila de Formação - Ministério de Música e Artes - RCC
Apostila de Formação - Ministério de Música e Artes - RCCApostila de Formação - Ministério de Música e Artes - RCC
Apostila de Formação - Ministério de Música e Artes - RCCtalvanes braga
 
Roteiro 0002
Roteiro 0002Roteiro 0002
Roteiro 0002Bruno G.
 
Unidade ii.2 estratégia de distribuição
Unidade ii.2   estratégia de distribuiçãoUnidade ii.2   estratégia de distribuição
Unidade ii.2 estratégia de distribuiçãoDaniel Moura
 
Seminário decisões sobre transportes
Seminário decisões sobre transportesSeminário decisões sobre transportes
Seminário decisões sobre transportesLaslley Freitas
 
Texto 1 carisma do ministério pastoral - bispo josué adam lazier
Texto 1   carisma do ministério pastoral - bispo josué adam lazierTexto 1   carisma do ministério pastoral - bispo josué adam lazier
Texto 1 carisma do ministério pastoral - bispo josué adam lazierPaulo Dias Nogueira
 

Destaque (20)

Roteirização
RoteirizaçãoRoteirização
Roteirização
 
Softwares de roteirização softwares roteirizadores e características
Softwares de roteirização   softwares roteirizadores  e característicasSoftwares de roteirização   softwares roteirizadores  e características
Softwares de roteirização softwares roteirizadores e características
 
Anuncio querigmatico
Anuncio querigmaticoAnuncio querigmatico
Anuncio querigmatico
 
Pregação e pregadores d. martyn lloyd-jones
Pregação e pregadores  d. martyn lloyd-jonesPregação e pregadores  d. martyn lloyd-jones
Pregação e pregadores d. martyn lloyd-jones
 
Querigma parte por parte
Querigma parte por parteQuerigma parte por parte
Querigma parte por parte
 
23 erros do pregador
23 erros do pregador23 erros do pregador
23 erros do pregador
 
Planos
PlanosPlanos
Planos
 
Ensino 4 preparação e condução da reunião de oração
Ensino 4   preparação e condução da reunião de oraçãoEnsino 4   preparação e condução da reunião de oração
Ensino 4 preparação e condução da reunião de oração
 
Roteirização para distribuição de refrigerantes na região sul do es
Roteirização para distribuição de refrigerantes na região sul do esRoteirização para distribuição de refrigerantes na região sul do es
Roteirização para distribuição de refrigerantes na região sul do es
 
Roteirização pura de veículos utilizando algoritmos genéticos
Roteirização pura de veículos utilizando algoritmos genéticosRoteirização pura de veículos utilizando algoritmos genéticos
Roteirização pura de veículos utilizando algoritmos genéticos
 
Querigma e catequese
Querigma e catequeseQuerigma e catequese
Querigma e catequese
 
Ensino 01 carismas
Ensino 01   carismasEnsino 01   carismas
Ensino 01 carismas
 
Ensino 6 carisma de sabedoria
Ensino 6 carisma de sabedoriaEnsino 6 carisma de sabedoria
Ensino 6 carisma de sabedoria
 
Aula epa apostila 03- ensino 01 , 03 e 04 - grupo de oração, os serviços e p...
Aula epa  apostila 03- ensino 01 , 03 e 04 - grupo de oração, os serviços e p...Aula epa  apostila 03- ensino 01 , 03 e 04 - grupo de oração, os serviços e p...
Aula epa apostila 03- ensino 01 , 03 e 04 - grupo de oração, os serviços e p...
 
Apostila de Formação - Ministério de Música e Artes - RCC
Apostila de Formação - Ministério de Música e Artes - RCCApostila de Formação - Ministério de Música e Artes - RCC
Apostila de Formação - Ministério de Música e Artes - RCC
 
Roteiro 0002
Roteiro 0002Roteiro 0002
Roteiro 0002
 
Unidade ii.2 estratégia de distribuição
Unidade ii.2   estratégia de distribuiçãoUnidade ii.2   estratégia de distribuição
Unidade ii.2 estratégia de distribuição
 
Seminário decisões sobre transportes
Seminário decisões sobre transportesSeminário decisões sobre transportes
Seminário decisões sobre transportes
 
Texto 1 carisma do ministério pastoral - bispo josué adam lazier
Texto 1   carisma do ministério pastoral - bispo josué adam lazierTexto 1   carisma do ministério pastoral - bispo josué adam lazier
Texto 1 carisma do ministério pastoral - bispo josué adam lazier
 
Catequese Renovada
Catequese RenovadaCatequese Renovada
Catequese Renovada
 

Semelhante a Roteirizando pregações para Grupos de Oração

HOMILÉTICA -a arte de preparar e pregar sermões.docx
HOMILÉTICA -a arte de preparar e pregar sermões.docxHOMILÉTICA -a arte de preparar e pregar sermões.docx
HOMILÉTICA -a arte de preparar e pregar sermões.docxKellySousa49
 
Homilética arte de pregar
Homilética   arte de pregar Homilética   arte de pregar
Homilética arte de pregar Paulo Ferreira
 
Evangélico curso de teologia - homilética
Evangélico   curso de teologia - homiléticaEvangélico   curso de teologia - homilética
Evangélico curso de teologia - homiléticaDr. Silvio Vieira
 
Curso de oratória
Curso de oratória Curso de oratória
Curso de oratória Osmar Luiz
 
Cursobasicoepraticodehomiletica 130211091526-phpapp01 (1)
Cursobasicoepraticodehomiletica 130211091526-phpapp01 (1)Cursobasicoepraticodehomiletica 130211091526-phpapp01 (1)
Cursobasicoepraticodehomiletica 130211091526-phpapp01 (1)Marcos Gomes
 
Como pregar-a-palavra-sermao-seminario
Como pregar-a-palavra-sermao-seminarioComo pregar-a-palavra-sermao-seminario
Como pregar-a-palavra-sermao-seminarioJose Vertiz
 
O preparo do pregador e da sua mensagem 4/4
O preparo do pregador e da sua mensagem   4/4O preparo do pregador e da sua mensagem   4/4
O preparo do pregador e da sua mensagem 4/4Daniel Felipe Kroth
 
Curso basico e pratico de homiletica
Curso basico e pratico de homileticaCurso basico e pratico de homiletica
Curso basico e pratico de homileticaSimão Paulo Chinoca
 
Formação para pregador.pptx
Formação para pregador.pptxFormação para pregador.pptx
Formação para pregador.pptxssuser21d2b1
 
Curso para intrutores da doutrina espirita!
Curso para intrutores da doutrina espirita!Curso para intrutores da doutrina espirita!
Curso para intrutores da doutrina espirita!ThiagoPereiraSantos2
 

Semelhante a Roteirizando pregações para Grupos de Oração (20)

Homilética
HomiléticaHomilética
Homilética
 
HOMILÉTICA -a arte de preparar e pregar sermões.docx
HOMILÉTICA -a arte de preparar e pregar sermões.docxHOMILÉTICA -a arte de preparar e pregar sermões.docx
HOMILÉTICA -a arte de preparar e pregar sermões.docx
 
Homiletica artedepregar1-151116223307-lva1-app6891
Homiletica artedepregar1-151116223307-lva1-app6891Homiletica artedepregar1-151116223307-lva1-app6891
Homiletica artedepregar1-151116223307-lva1-app6891
 
Homilética arte de pregar
Homilética   arte de pregar Homilética   arte de pregar
Homilética arte de pregar
 
Homilética
HomiléticaHomilética
Homilética
 
Homiltica 170618212022
Homiltica 170618212022Homiltica 170618212022
Homiltica 170618212022
 
Evangélico curso de teologia - homilética
Evangélico   curso de teologia - homiléticaEvangélico   curso de teologia - homilética
Evangélico curso de teologia - homilética
 
Curso de teologia - homilética
Curso de teologia - homiléticaCurso de teologia - homilética
Curso de teologia - homilética
 
Curso de oratória
Curso de oratória Curso de oratória
Curso de oratória
 
Trabalho da gilvana
Trabalho da gilvanaTrabalho da gilvana
Trabalho da gilvana
 
Slide show modulo ii
Slide show modulo iiSlide show modulo ii
Slide show modulo ii
 
Cursobasicoepraticodehomiletica 130211091526-phpapp01 (1)
Cursobasicoepraticodehomiletica 130211091526-phpapp01 (1)Cursobasicoepraticodehomiletica 130211091526-phpapp01 (1)
Cursobasicoepraticodehomiletica 130211091526-phpapp01 (1)
 
Curso basico e pratico de homiletica ronaldo gomes da silva
Curso basico e pratico de homiletica   ronaldo gomes da silvaCurso basico e pratico de homiletica   ronaldo gomes da silva
Curso basico e pratico de homiletica ronaldo gomes da silva
 
Como pregar-a-palavra-sermao-seminario
Como pregar-a-palavra-sermao-seminarioComo pregar-a-palavra-sermao-seminario
Como pregar-a-palavra-sermao-seminario
 
O preparo do pregador e da sua mensagem 4/4
O preparo do pregador e da sua mensagem   4/4O preparo do pregador e da sua mensagem   4/4
O preparo do pregador e da sua mensagem 4/4
 
Curso basico e pratico de homiletica
Curso basico e pratico de homileticaCurso basico e pratico de homiletica
Curso basico e pratico de homiletica
 
Homilética
HomiléticaHomilética
Homilética
 
Formação para pregador.pptx
Formação para pregador.pptxFormação para pregador.pptx
Formação para pregador.pptx
 
Homilética 1 - M1
Homilética 1 - M1Homilética 1 - M1
Homilética 1 - M1
 
Curso para intrutores da doutrina espirita!
Curso para intrutores da doutrina espirita!Curso para intrutores da doutrina espirita!
Curso para intrutores da doutrina espirita!
 

Último

Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfSamuel Ramos
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréGuilhermeLucio9
 
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individualpablocastilho3
 
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralFranciscaArrudadaSil
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaGuilhermeLucio9
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraGuilhermeLucio9
 
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.ppt
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.pptA EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.ppt
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.pptssuserb964fe
 

Último (7)

Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
 
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
 
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
 
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.ppt
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.pptA EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.ppt
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.ppt
 

Roteirizando pregações para Grupos de Oração

  • 2. OFICINA DE ROTEIRIZAÇÃO (NOÇOES SOBRE ROTEIRIZAÇÃO) PARTE 1 – ROTEIROS PARA OS ENCONTROS DE FORMAÇÃO– FORMAÇÃO DE PREGADORES “ Pregar e Formar com simplicidade, sem renunciar a ciência, e dominar a técnica sem extinguir a unção”.
  • 3. OFICINA DE ROTEIRIZAÇÃO OBJETIVO GERAL: - Promover a cultura de pentecostes a partir da experiência do Batismo no Espirito Santo. OBJETIVOS ESPECIFICOS: - Fazer discípulos de nosso Senhor Jesus Cristo, evangelizando o povo de Deus no Brasil, a partir da experiência do Batismo no Espirito Santo; - Promover a capacitação das pregadoras e dos pregadores a fim de que consigam elaborar roteiros de pregação e de ensinos inspirados por Deus, e com técnica adequada que lhes facilite o uso correto dos recursos da oratória sacra sem extinguir a unção do Espirito Santo.
  • 4. PROJETO DE FORMAÇÃO DE PREGADORES METODOLOGIA COM O PODER DO ESPIRITO SANTO O QUE É UM ROTEIRO? Conjunto de indicações orientadoras... Você não é um navio sem bússola Um roteiro de viagem é nada mais do que o planejamento da sua viagem: em qual cidade você chega, que programa pretende fazer, que lugares visitar, qual é o seu objetivo de chegada. “Falar harmoniosamente e ritmicamente sem dizer nada é uma estupidez, e falar dando boas ideias mas sem ordem e sem medida nas palavras é uma infantilidade”.
  • 5. CONCEITO E NOÇÃO DE ROTEIROS. Roteirização, como o próprio nome indica, é a ação de confeccionar roteiros, é o ato de roteirizar. É pela roteirização que o ensino e a pregação começam a ganhar corpo. “Quem domina a Técnica da roteirização já começa a vencer um dos principais inimigos do evangelizador, que é o medo de não ter o que falar”. A Falta de roteiro gera uma sobrecarga, a de estar constantemente “ligado” na memória, buscando o que anunciar. “A mente preocupada é engrenagem enferrujada, a preocupação trava a inteligência, extingue a criatividade e obstrui o canal da graça e poderá extinguir a unção do evangelizador. Exemplo de que usar Roteiro não extingue a unção!
  • 6. O QUE O ROTEIROS COMBATE? INIBIÇÃO – não passar o que sabe. A palavra inibir significa proibir, impedir. DESCONEXÃO – não saber o que fala Falta de sequência lógica nas ideias, incoerência PROLIXIDADE – falar muito sem falar nada Prolixo é aquela pessoa que se prende a um longo discurso, com explicações supérfluas e se estende demoradamente, tornando o discurso enfadonho e entediante. Ex: O discurso prolixo do político acabou com o problema de insônia da plateia.
  • 7.  ENSINOS E PREGAÇÕES ESCRITOS E NÃO ESCRITOS. ROTEIRO ESCRITO E NÃO ESCRITO a) Pregações e ensinos não escritos - Vantagens = Grande flexibilidade = Boa abertura para as inspirações, moções e toques do Espírito Santo - Desvantagens = Possibilita ensinos e pregações “sem pé e sem cabeça” = Possibilita pregações e ensinos “intermináveis”
  • 8. PREGAR COM SIMPLICIDADE E COM TÉCNICAS, SEM RENUNCIAR À CIÊNCIA E SEM EXTINGUIR A UNÇÃO. Pregações e ensinos escritos - Vantagens = Possibilita ao evangelizador ter sempre à mão o que pregar ou ensinar = Libera o evangelizador da preocupação de saber o que dizer - Desvantagens = Possibilita pregações e ensinos “engessados” = Dificulta o acolhimento de novas inspirações, moções, profecias, etc. Roteiro ideal é o escrito (O roteiro escrito oferece perigos semelhantes ao ensino não escrito, porém é preferível um roteiro escrito a uma pregação ou ensino não escrito). - Vantagens do roteiro escrito = Boa flexibilidade = Boa abertura para as inspirações, moções e toques do Espírito Santo = Possibilita ao evangelizador ter sempre à mão as principais ideias = Libera o evangelizador do medo de não ter o que pregar ou ensinar = Permite a inserção de histórias, parábolas, técnicas pedagógicas e recursos variados
  • 9. TEMPO DE PREPARAÇÃO - Tempo ideal = É o tempo necessário para imbuir-se do assunto a ser anunciado - Tempo prático = É o tempo que se tem. É o tempo que Deus nos disponibiliza = Deus nos dá tempo por meio de quem nos convida = Se o tempo for um ano, nos preparemos por um ano; se for um minuto, nos preparemos por um minuto. FIDELIDADE AO TEMA - A fidelidade ao tema começa com organização do roteiro - O roteiro estando dentro do tema proposto dificilmente o pregador e o formador sairão dele. Marchemos! Vamos para a Roteirizarão do Grupo de Oração!
  • 10. ROTEIRIZAÇÃO PARA PREGAÇÃO EM REUNIÃO DE ORAÇÃO DE GRUPO DE ORAÇÃO. Uma pregação tem que ter começo, meio e fim, seguindo uma seqüência lógica. Por isto, é recomendável a utilização do roteiro, para que o pregador “ não se perca no meio do caminho” “ O Roteiro é a organização da pregação em tópicos, visando auxiliar o pregador no exercício de sua missão de evangelizar”.
  • 11. Note Bem Oficineiro: É importante ter um roteiro escrito, pois não sabemos quais as distrações poderemos ter nos instantes antes que antecedem a nossa ida ao Grupo de Oração! Com freqüência ocorre que justamente no dia em que vamos pregar, acontece algum imprevisto no trabalho, ou em casa, ou outra coisa que tenta “ roubar a nossa paz”, e nos desconcentrar e assim corremos oi risco de esquecer aquilo que o Senhor já nos revelou para a pregação.
  • 12. Mesmo acontecendo imprevistos ou distrações, caso o pregador tenha feito um roteiro por escrito, as moções proféticas de Deus para a pregação estarão seguras e de fácil acesso na mão do pregador! Entendeste Pregador e Pregadora ( Grifo meu). ESTRUTURA DE UM ROTEIRO Para fazer um roteiro de uma pregação é preciso preparar passo a passo a Introdução, o Desenvolvimento e a Conclusão, conforme o modelo a seguir:
  • 13. I – INTRODUÇÃO ( Apresentação do Pregador, Dados pessoais, Grupo de Oração, e Comunidade que participa. Observação: A apresentação do Pregador no G.O ( Reunião de Oração), deve ser feita, ou pelo menos seria o ideal, pelo Coordenador do G.O ou dirigente de oração, para facilitar a pregação e não diminuir o tempo, assim o pregador já começa a pregação pela Introdução. Apresentação da Pregação, Tema e Citação Bíblica – sendo que a citação bíblica e Motivação, poderá ser feita no Desenvolvimento, conforme critério do pregador.
  • 14. II – DESENVOLVIMENTO Idéia (s) Principal (s) Idéia (s) Secundária (s) III – CONCLUSÃO Peroração Convite a ação Oração Final
  • 15. A Importância de todas as partes do Roteiro: ROTEIRO DE PREGAÇÃO (GRÁFICO) I – INTRODUÇÃO 1. Apresentação do Pregador “Tem a finalidade de atender as regras da boa educação, quebrar a frieza inicial, estabelecer contato com a assembleia da maneira menos traumática possível e evitar que a curiosidade dos ouvintes sobre a pessoa do pregador dispersa-lhe a atenção. Precaução: Não inserir na apresentação nenhuma informação para satisfazer a vaidade. (Nome, estado civil, G.O, comunidade, Paróquia). Tema: Precisamos dizer, porque a principal de todas as ideias chaves, a partir do tema facilitará toda a argumentação no desenvolvimento, e também para que as pessoas possam ligar as idéias com o tema.
  • 16. 1. Motivação: “Tem o objetivo de provocar no irmão – ouvinte um desejo sincero de ouvir e entender a pregação”. Conforme Mauricio Góis, o máximo de atenção espontânea que se consegue de um auditório chega no máximo três minutos. Mas em média dura alguns segundos em pessoas normais, que são a maioria da população. Essa atenção só volta a subir, curiosamente, na conclusão. Passagem Bíblica: Citar a Passagem ( Fundamental). II – DESENVOLVIMENTO: ( SE DESEJAR IR PARA A PALESTRA INDIVIDUAL SOBRE ROTERIRIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO) “O desenvolvimento é também o fato de progredir, aumentar, melhorar. Desenvolver a pregação é faze-lo crescer, No desenvolvimento vamos esmiuçar o assunto já delineado. É semelhante à ação de alguém que desenrola um novelo de linha.  Facilita nossa argumentação.  A compreensão dos ouvintes.  E a eficácia da pregação.
  • 17. 1. ITEM (IDÉIA CHAVE) ou IDÉIA PRINCIPAL “Sabemos que é só por um milagre uma pessoa se lembrará de tudo o que ouviu durante um encontro. Por outro lado, temos descoberto que o uso de ideias – chave tem ajudado as pessoas a sempre levar parte substanciosa dos ensinos e das pregações, principalmente se forem trabalhadas com técnica boa e ungida”. A) SUBITEM OU IDÉIA SECUNDÁRIA. “Servem realmente para sustentar e explicitar os itens”. B) SUBITEM C) SUBITEM 2. ITEM (IDÉIA CHAVE) A) SUBITEM B) SUBITEM C) SUBITEM 3. ITEM (IDÉIA CHAVE) A) SUBITEM B) SUBITEM C) SUBITEM
  • 18. III – CONCLUSÃO: 1. PERORAÇÃO: “Peroração a arte de terminar bem” é o encerramento de uma peça de oratória” é ponto culminante, nela o pregador costuma atingir o seu ponto máximo, momento mais vibrante, mais tocante e mais emocionante. É a última esperança de tocar os corações dos ouvintes”.  A Peroração é usada para içar a assembleia e conduzi-la ao alto, para onde está Deus, para onde Jesus transforma os corações feridos, magoados, ressentidos, duvidosos, incrédulos e desiludidos, a fim de que o Espirito Santo possa conduzi-lo.  Nela compõe se um resumo das principais ideias da pregação e por aquela mensagem formada pela ideia central que REALMENTE O SENHOR queria que seu povo ouvisse. 1. Chamado a ação: “Não é bom que a pregação simplesmente seja encerrado, como se encerrasse uma festa, um evento esportivo qualquer, um passatempo. Ao terminar o ensino os ouvintes devem ser convidados a alguma ação. Ou se comprometerem com a mensagem recebida”. 1. ORAÇÃO FINAL “Ao terminar o ensino, após convidar á ação, ora-se para que os ouvintes recebam ajuda divina para viver o que ouviram, bem como para serem fiéis aos compromissos feitos”.
  • 19. PASSOS PARA A ELABORAÇÃO DE ROTEIRO DE PREGAÇÃO Podemos fazer uma analogia entre a elaboração de Roteiro com a preparação de um bolo, conforme a seqüência apresentada abaixo: Seqüência Roteiro Analogia-Comparação 1º Elaborar o Desenvolvimento Recheio (a massa ou base) do bolo 2º Elaborar a Conclusão Cobertura do bolo 3º Elaborar a Introdução Decoração do bolo
  • 20. FAZER O CICLO CARISMÁTICO NA REVELAÇÃO DA PREGAÇÃO 1º Massa do Bolo e o Recheio 2º A Cobertura do bolo e 3º A Decoração do Bolo.
  • 21. A principio,a seqüência acima pode causar estranheza, principalmente porque a introdução é a última parte a ser elaborada, porém vamos refletir o seguinte: a primeira coisa que vemos quando olhamos para um bolo é a sua decoração, porém sabemos a decoração foi a última coisa a que foi feita e que a primeira coisa preparada foi o seu recheio! Assim, na elaboração do Roteiro de uma pregação, a primeira coisa a ser preparada é o recheio da pregação, ou seja o desenvolvimento! Desenvolvimento: O Desenvolvimento é a primeira parte que se elabora em um roteiro. Fazendo uma analogia ( comparação) com um bolo, podemos dizer que o desenvolvimento é o recheio do bolo da pregação. E todos nós sabemos que a primeira coisa a se fazer quando se prepara um bolo é o seu recheio ou massa e, por último, a cobertura e a decoração do bolo!
  • 22. Para que possamos preparar o desenvolvimento de uma pregação de forma adequada, primeiramente temos que ter a consciência de que, não importa qual seja o tema, a pregação já esta pronta no coração de Deus! Cabe ao pregador extraí-la do coração de Deus através da escuta profética! Muito mais do que nós pregadores, Deus quer que seus filhos sejam tocados pelas nossas pregações e assim, tenham suas vidas transformadas pelo poder de seu Espirito! Como preparar um Desenvolvimento: Na preparação do Desenvolvimento da pregação devemos realizar um estudo sobre o tema ser pregado, utilizando as fontes de revelação. VAMOS ENTÃO CONHECER QUAIS SÃO AS FONTES DE REVELAÇÃO PARA A PREGAÇÃO. APRESENTAR A PALESTRA “ ACOLHIMENTO PARA A REVELAÇÃO”
  • 23. Obs. Depois de compreendermos quais são as fontes de revelação e como recebe- lá através do Ciclo Carismático, passamos para a montagem do Desenvolvimento, a partir do que Deus nos revelou, usando a seguinte estrutura: a) Ideias Principais: As ideias principais são tópicos que se referem diretamente ao tema; b) Ideias Secundárias: As ideias secundárias são tópicos que se referem a cada ideia principal. A utilização de ideias secundárias varia de acordo com cada pessoa, algumas pessoas gostam de usar somente uma ou duas palavras como referência, outros usam frases inteiras, citações bíblicas, outros usam figuras, desenhos, etc. É importante lembrar que o tempo de uma pregação no Grupo de Oração, é de apenas 20 minutos, sendo assim, não convém para este tipo de pregação ter muitas ideias Principais e Secundárias!
  • 24. EXEMPLO PRÁTICO DA CHUVA DE IDÉIAS: O AMOR DE DEUS Deus é amor Acolhedor, (Paixão morte e ressurreição), poderoso Paciente, Felicidade (Entrega total) Maravilhoso,, liberdade, Natureza de Deus, Vida, fiel, Santo, incomensurável, caridoso, esperança, compassivo… Amai-vos uns aos outros, solidário, cruz, eterno, cuidadoso, Quem ama serve, infinito, luz, ciumento tudo., com Deus faremos proezas, protetor, apaixonado…. Apaixonado, suave, onipotente, humilde, me amou primeiro, saiu de si para ir em busca do outro, mistério, amigo fiel, alfa e ômega, único, Is 43,4, Jo 3,16b) Natureza de Deus é amor Paciente, incansável, misericordioso, compassivo, perfeito Zeloso, experiência Auxilio e salvação INCOMENSURÁVEL (João 3, 16) - CARIDOSO (I Coríntios 13, 4-6) - ETERNO (I Coríntios 13, 8 : "A caridade jamais acabará."; A História da Casa pegando fogo, “ O Sol no meu rosto”, o livro do Pe. Léo que fala do Deus amoroso... Livro Ide Evangelizai....Carta do Papa Bento Carit est. LIVROS PARA LER: Ide Evangelizai Cura interior Pe. Leo CIC PAR 155 A HISTÓRIA DA CASA PEGANDO FOGO.
  • 25. Exercicios Aqui neste momento, o Formador, contando com ajuda dos participantes, deve montar um Roteiro ( Ideias Chaves e auxiliares) baseando nas anotações que estão no quadro; ou seja, mostrar na prática como se roteiriza.( Deve ser montado no quadro mesmo todos ajudando e observando) Lembremo – nos que a Revelação de Deus é uma proposta! Nunca deverá ser imposta! A seguir temos um ex.. De estrutura de Pregação
  • 26. Preparação do Roteiro Passo a Passo: II – DESENVOLVIMENTO: 1º Parte a se preparar é o desenvolvimento: 1. DEUS É AMOR – Ideia primária. a) I João 4, 16 b) Natureza de Deus é amor Ideias secundárias c) Moisés (na sarça) “ Eu sou Aquele que sou” Ex 2. CARACTERÍSTICAS DO AMOR DE DEUS a) INCOMENSURÁVEL (João 3, 16) b) CARIDOSO (I Coríntios 13, 4-6) c) ETERNO (I Coríntios 13, 8 : "A caridade jamais acabará."; Jeremias 31, 3 : "De longe me aparecia o Senhor: amo-te com eterno amor") 3. EXPERIÊNCIA DO AMOR DE DEUS É TRANSFORMADORA: - Moisés (na sarça) - Pedro (na negação) - Paulo (no caminho de Damasco)
  • 27. 2º Parte a se preparar é a Conclusão: a) Peroração: É por isso que o Senhor nos trouxe aqui, te trouxe aqui, para derramar sobre você, todo seu amor, a primeira coisa que Ele te pede não é que você o ame, mais que se deixe ser amado por Ele.... b) Chamado a ação: Amados abramos o nosso coração para experimentar este amor que nos constrange, diga com suas palavras eu quero experimentar o o Teu amor, eu desejo! c) Oração final do Pregador: Querido Deus de Amor diante de tudo aquilo que o Senhor falou neste dia, eu quero neste momento te suplicar derrama sobre mim, sobre nós o teu amor, que cada um de Nós possa experimentar neste momento o teu amor que cura, que liberta...
  • 28. Exemplo da diferença entre o Roteiro de uma Pregação e de uma Formação ROTEIRO DE ENSINO I. INTRODUÇÃO 1. Apresentação do Formador 2. Motivação 3. Apresentação do Ensino II – DESENVOLVIMENTO 1. Idéias primárias 2. Idéias secundárias 3. Idéias primárias. 4. Idéias secundárias. III – CONCLUSÃO 1. Resumo 2. Recapitulação 3. Fecho 4. Convite a ação 5. Oração final. ROTEIRO DE PREGAÇÃO I. INTRODUÇÃO ( Parte única) II – DESENVOLVIMENTO 1. Idéias primárias 2. Idéias secundárias 3. Idéias primárias. 4. Idéias secundárias. III – CONCLUSÃO 1. Peroração. 2. Oração final.
  • 29. 3º e última parte a ser preparada é a INTRODUÇÃO: I – INTRODUÇÃO: A) Apresentação do Pregador. Meu nome é o Ricardo, sou casado, temos duas filhas, participo do G.O Rosa de Saron, na Comunidade N.S da Boa Viagem na Paróquia São Francisco de Paula. E é com grande alegria que estou aqui hoje com vocês! B) Apresentação da Pregação. E o Tema proposto para nós hoje é O AMOR DE DEUS! • Deus é amor. • O Amor de Deus que incomensurável, caridoso e eterno. • E a experiência com o Amor de Deus é transformadora. C) Motivação: 1. O que você mais deseja na vida? 2. Ninguém é feliz sem amor (amar e ser amado). •O desejo de Deus •O desejo de Deus está inscrito no coração do homem, já que o homem é criado por Deus e para Deus; e Deus não cessa de atrair o homem a si, e somente em Deus o homem há de encontrar a verdade e a felicidade que não cessa de procurar, amém. Pegue sua Bíblia então em Jeremias 31
  • 30. PRÁTICA DOS PARTICIPANTES: Neste momento, avançamos para uma prática dos participantes, o formador propõe um novo CICLO CARISMÁTICO, com um novo tema ( Sugestões de Tema: Temas do Querigma, Deus existe, Salva-te a ti mesmo.... Desde que seja uma tema querigmático pensando sempre em temas para Grupo de Oração. Dica: Melhor que todos trabalhem a principio com o mesmo tema. O Formador deve fazer junto com os participantes um novo Ciclo Carismático, durante uns 15 minutos, ( se discernir pode pedir para algum participante conduzir), agora no momento de silêncio será individual, cada participante deverá fazer suas anotações particularmente. Em seguida os participantes devem organizar o que anotaram! Simples, muito fácil... ( Conforme a realidade se dá de 15 á 30 minutos). Livro a ser utilizado como subsidio de Estudo “ Querigma” do Luizinho Santana.
  • 31. Os Formadores são facilitadores, com ajuda deles, todos conseguem aprender a roteirizar. Obs. Caso o Formador perceber muitas dificuldades, na montagem do Roteiro por completo, poderá fazer exercícios e dinâmicas das estruturas partes por partes. ( Desenvolvimento, Conclusão e Introdução). APRESENTAR AS PALETRAS SEPARADAS 1 POR VEZ. Temos a três partes divididas em palestras consultar. Mãos a obra, Marchemos!
  • 32. LIVROS E APOSTILAS PARA APRODAFUNDAMENTO, A CRITÉRIO DO FORMADOR.
  • 33. APÓS A ORGANIZAÇÃO É SÓ PREGAR O TEMA PROPOSTO! ( tempo de pregação de 5 á 10 minutos). Obs. Antes de começarem a pregar escolha alguns para explicar como fez o seu Roteiro, não pregação! DEUS OS ABENÇOE! MARCHEMOS!