SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
Revolução Cubana Caroliny Brito, Gabriela Sarria, Mariana Muniz, Ana Carolina Barcelos, Warley Ferreira – 3M5
CUBA PRÉ REVOLUCIONÁRIA No ínicio do séc XX, Cuba era uma colônia norte americana, sua economia era baseada na monocultura de cana de açúcar, sendo os EUA  seu comprador exclusivo e responsável por 70% da economia do país.
Em 10 de março de 1952, o sargento Fulgêncio Batista  tomou o poder de Cuba através de um golpe assistido e apoiado pelos norte-americanos. Passou a governar, então, como ditador, num regime de corrupção e violência.
A ditadura sangrenta e corrupta de Batista sofreu algumas tentativas de derrubada, através de movimentos, sendo todos fracassados.
A primeira delas, chefiada por Fidel Castro – recém- formado advogado pela Universidade de Havana – buscou tomar o quartel de Moncada, em Santiago, no dia 26 de julho de 1953.
A ação conjunta fracassou, resultando na morte de vários combatentes, em sua maioria jovens estudantes e a prisão de outros tantos. Entre os presos estava Fidel Castro, condenado a 15 anos de prisão e o seu irmão, Raul Castro, condenado a 13 anos. Em um julgamento eminentemente político, Fidel Castro fez um dicuscurso de quase quatro horas, em sua defesa, terminando com as palavras: "Condenem-me, não importa. A história me absolverá".
Saindo da prisão, Fidel partiu para exilio no México, onde, junto com o irmão, além de Che Guevara, criou o Movimento 26 de Julho.
O movimento se organizou usando celulas clandestina, voltadas para a guerrilha, através de toda Cuba, somando esforços na luta contra a ditadura de Batista.
INÍCIO DA REVOLUÇÃO
Em 1956, o M-26- 7 partiu clandestinamente do México para Cuba, a bordo do iate Granma, com 82 combatentes, armamento, medicamentos e escassa munição. A viagem que durou 2 dias a mais que o planejado, fora desastrosa e cheia de incidentes. Imediatemente, os rebeldes iniciaram uma marcha para Sierra Maestra, no extremo sudeste de Cuba, considerada por Fidel como a chave para iniciar a luta contra Batista, um local com intesas disputas por terras, onde os camponeses poderiam acabar se interessando pela causa revolucionária.
Porém, apenas três dias após, os rebeldes foram cercados por tropas de Batista.  A maioria dos guerrilheiros morreu.
Os sobreviventes recomeçaram tudo do zero e precisava garantir a sua sobrevivência e reestruturação. Seja como for, partindo da Sierra Maestra, Fidel, auxiliado por Frank Pais, Ramos Latour e Huber Matos, adotou táticas de guerrilha, atacando pequenas guarnições da policia e exército, em busca de armas e munições.
Che  Guevara  e  Raúl  Castro  ficaram nas  montanhas, arregimentando e treinando novos recrutas, muitas vezes executando  suspeitos  de  serem  pró-Batista  ou  de  grupos rivais  ao  M-26-7.  Além disso, a função dos dois era prestar apoio logistico aos homens de Fidel, protegendo linhas de alimentação e de intercâmbio de informações.
O veiculo de transmissão das idéias revolucionárias era a Radio Rebelde, criada em fevereiro de 1958. A rádio transmitia mensagens diárias para todo país, inclusive em território controlado pelas tropas de Batista, exortando a população a se unir aos revolucionários.
Em pouco tempo, os duzentos combatentes rebeldes iniciais foram se multiplicando; enquanto o exército cubano, somado a força policial, que contava entre trinta e quarenta mil homens, registrava deserções em massa. Mesmo assim, através das táticas de guerrilha, quase toda vez que o exército enfrentou os rebeldes foi forçado a recuar. As colunas rebeldes foram impondo derrota após derrota.
As colunas rebeldes foram impondo derrota após derrota. A tropa rebelde  marcha para a capital de Cuba, Havana.
A vitória se tornou evidente quando próximo a capital, os rebeldes interceptaram e tomaram um trem blindado repleto de material bélico que não chegou ao seu destino. Esse foi um importante contra-golpe que as forças revolucionárias impuseram à ditadura de Fungêncio, que depositava nesse trem suas últimas forças realmente significativas.
Já com as forças bastistianas batendo em retirada e se dispersando, o M-26-7 chegou, em 01/01/59 à capital Havana para travar o último e definitivo combate. O então ex-presidente, Fulgêncio Batista já havia fugido do país na madrugada anterior, junto com a cúpula de seu governo corrupto.
Sabendo disso o povo pega em armas e em pleno cenário urbano travam-se combates isolados com as poucas forças resistentes e atiradores de elite.
Num período de 2 anos, as forças guerrilheiras do Movimento Revolucionário 26 de Julho lutaram contra forças desiguais, mas entre altos e baixos, conseguiam empurrar as tropas inimigas para trás de suas linhas. Politicamente a guerra também era intensa; envolvia as 2 maiores potências do mundo na época e uma pequena ilha no Caribe. Nas palavras de Fidel, “foi uma briga de Davi e Golias”.
As tropas são recebidas na cidade como verdadeiros heróis. Durante os anos que a guerrilha durou, o personagem barbudo e maltrapilho que se fez dos revolucionários já era conhecido da população
Sabe-se que nesses anos a TV e a moda em Cuba valorizou a barba e os cabelos grandes, que no caso dos guerrilheiros não era uma opção. A muitas crianças deu-se o nome de Fidel e Ernesto.
PÓS REVOLUÇÃO Depois de um discurso de posse, transmitido pela TV, onde as forças libertadoras entregavam Cuba para os cubanos, tem início em Cuba uma nova era.
Os muitos anos seguintes seriam dedicados ao expurgo dos ex-funcionários batistianos e ao julgamento daqueles que se quedaram ou foram feitos presos durante as batalhas. Muito criticou-se também os métodos utilizados para o julgamento e os pelotões de fuzilamento, que era o destino final dos condenados. Che era o responsável pelo Tribunal Sumário e há quem se refira, como holocausto. Porém esquecem que foi uma guerra e das milhares de pessoas que morreram nas mão desses a quem estava se dando a chance de um julgamento.
O papel do Estados Unidos durante a revolução era de indiscutível e declarado apoio às forças batistianas. Enquanto que o da União Soviética também se fez presente apoiando Fidel e o regime comunista que aos poucos foi emergindo. Estamos em plena Guerra Fria.
Depois da vitória rebelde ainda muitas águas rolariam. Desde tentativas de contra-revolução, financiadas pela CIA, como a da Baía dos Porcos; ou a Crise dos Mísseis envolvendo os EUA e a URSS que por pouco não deu início s temida Guerra Nuclear. Também foi feita uma tentativa de envenenar Fidel.
Admitindo que não conseguiria reverter a situação militarmente sem causar um grande alvoroço internacional, os Estados Unidos decidem então apelar para a “violência econômica”, assim denominada por Fidel. Em outras palavras, colocaram em prática o embargo comercial, (ainda em vigor), onde não mais comprariam nem venderiam nada a Cuba. Não satisfeitos, pressionaram muitos outros países da América e Europa a fazer o mesmo. Com o passar dos anos a maioria desses países voltou a se relacionar comercialmente, porém as relações diplomáticas entre Cuba e os EUA estão cortadas até os dias de hoje.
No governo com Fidel Castro, Guevara exerceu diversas funções, incluindo a de ministro da Indústria (1961-1965). Seu objetivo primordial, no entanto, era estender a revolução a outros países. Por isso, deixou suas funções em Havana para juntar-se a um grupo de guerrilheiros bolivianos, cuja meta era derrubar o regime ditatorial que vigorava na Bolívia.
Entretanto, Che Guevara foi capturado e morto pelo exército boliviano, em 9 de outubro de 1967. Suas mãos foram amputadas e levadas para os EUA, a fim de confirmar a identidade do "principal inimigo do imperialismo norte-americano nas Américas".
As circunstâncias de sua morte, em combate e alvejado indiretamente pelos Estados Unidos, serviria para firmar ainda mais sua imagem como um símbolo de luta revolucionária, adotado por qualquer movimento de mudança, especialmente entre aqueles ligados a movimentos políticos de esquerda.
"Acima de tudo procurem sentir no mais profundo de vocês qualquer injustiça cometida contra qualquer pessoa em qualquer parte do mundo. É a mais bela qualidade de um revolucionário“ Che Guevara
A revolução cubana, com suas particularidades, fomentou um socialismo internacional, extremamente vinculado com aspectos humanos de busca de alternativas para o subdesenvolvimento e a desigualdade.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revolução Cubana
 Revolução Cubana Revolução Cubana
Revolução Cubana
richard17sl
 
Revolucão Cubana
Revolucão CubanaRevolucão Cubana
Revolucão Cubana
eiprofessor
 
Revolução cubana (1959)
Revolução cubana (1959)Revolução cubana (1959)
Revolução cubana (1959)
João Marcelo
 
Revolução Cubana
Revolução CubanaRevolução Cubana
Revolução Cubana
Robert Plant
 

Mais procurados (20)

Revolução cubana
Revolução cubanaRevolução cubana
Revolução cubana
 
Revolução Cubana
 Revolução Cubana Revolução Cubana
Revolução Cubana
 
Revolução Cubana
 Revolução Cubana Revolução Cubana
Revolução Cubana
 
Revolução cubana
Revolução cubanaRevolução cubana
Revolução cubana
 
Revolução cubana
Revolução cubanaRevolução cubana
Revolução cubana
 
Revolução cubana
Revolução cubanaRevolução cubana
Revolução cubana
 
24 Revolução Cubana
24  Revolução  Cubana24  Revolução  Cubana
24 Revolução Cubana
 
Revolução Cubana
Revolução CubanaRevolução Cubana
Revolução Cubana
 
Revolução cubana
Revolução cubanaRevolução cubana
Revolução cubana
 
Revolução Cubana
Revolução CubanaRevolução Cubana
Revolução Cubana
 
Revolucão Cubana
Revolucão CubanaRevolucão Cubana
Revolucão Cubana
 
A Revolução Cubana
A Revolução CubanaA Revolução Cubana
A Revolução Cubana
 
Revolução Cubana - HISTÓRIA
Revolução Cubana - HISTÓRIARevolução Cubana - HISTÓRIA
Revolução Cubana - HISTÓRIA
 
Revolução cubana 1959
Revolução cubana   1959Revolução cubana   1959
Revolução cubana 1959
 
A revolução cubana richard camara
A revolução cubana   richard camaraA revolução cubana   richard camara
A revolução cubana richard camara
 
Revolução cubana (1959)
Revolução cubana (1959)Revolução cubana (1959)
Revolução cubana (1959)
 
ATUALIDADES CUBA Prof. Marco Aurelio Gondim [www.mgondim.blogspot.com]
ATUALIDADES CUBA Prof. Marco Aurelio Gondim [www.mgondim.blogspot.com]ATUALIDADES CUBA Prof. Marco Aurelio Gondim [www.mgondim.blogspot.com]
ATUALIDADES CUBA Prof. Marco Aurelio Gondim [www.mgondim.blogspot.com]
 
Revolução cubana
Revolução cubanaRevolução cubana
Revolução cubana
 
Revolução Cubana
Revolução CubanaRevolução Cubana
Revolução Cubana
 
Revolução Cubana
Revolução CubanaRevolução Cubana
Revolução Cubana
 

Destaque

Slide-cuba pre e pos fidel castro
Slide-cuba pre e pos fidel  castro Slide-cuba pre e pos fidel  castro
Slide-cuba pre e pos fidel castro
daianespereira
 
A vinda da família real para o brasil
A vinda da família real para o brasilA vinda da família real para o brasil
A vinda da família real para o brasil
Brunno Andrade
 
Aula 09 republica populista 1
Aula 09  republica populista 1Aula 09  republica populista 1
Aula 09 republica populista 1
Fabiana Tonsis
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasil
Cristianerocharibas
 
Desenvolvimento dos eua
Desenvolvimento dos euaDesenvolvimento dos eua
Desenvolvimento dos eua
Lutero Ramos
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
vr1a2011
 
Início e fim da ditadura militar
Início e fim da  ditadura militar Início e fim da  ditadura militar
Início e fim da ditadura militar
escola
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média A Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média
Isaquel Silva
 

Destaque (20)

Slide-cuba pre e pos fidel castro
Slide-cuba pre e pos fidel  castro Slide-cuba pre e pos fidel  castro
Slide-cuba pre e pos fidel castro
 
A vinda da família real para o brasil
A vinda da família real para o brasilA vinda da família real para o brasil
A vinda da família real para o brasil
 
Colonização da america 1
Colonização da america 1Colonização da america 1
Colonização da america 1
 
13 república populista
13  república populista13  república populista
13 república populista
 
República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)
 
Aula 09 republica populista 1
Aula 09  republica populista 1Aula 09  republica populista 1
Aula 09 republica populista 1
 
Da aprovação recorde ao impeachment: os principais momentos do governo Dilma
Da aprovação recorde ao impeachment: os principais momentos do governo DilmaDa aprovação recorde ao impeachment: os principais momentos do governo Dilma
Da aprovação recorde ao impeachment: os principais momentos do governo Dilma
 
Guerra do Vietnã e Contracultura
Guerra do Vietnã e ContraculturaGuerra do Vietnã e Contracultura
Guerra do Vietnã e Contracultura
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasil
 
Desenvolvimento dos eua
Desenvolvimento dos euaDesenvolvimento dos eua
Desenvolvimento dos eua
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Lei da AtraçAo
Lei da AtraçAoLei da AtraçAo
Lei da AtraçAo
 
Início e fim da ditadura militar
Início e fim da  ditadura militar Início e fim da  ditadura militar
Início e fim da ditadura militar
 
O fascismo
O fascismo O fascismo
O fascismo
 
Ditadura militar no brasil
Ditadura militar no brasilDitadura militar no brasil
Ditadura militar no brasil
 
Período democrático 1946 a 1964 - História do Brasil
Período democrático 1946 a 1964 - História do BrasilPeríodo democrático 1946 a 1964 - História do Brasil
Período democrático 1946 a 1964 - História do Brasil
 
A cultura como campo de luta e interpretação social no Brasil do Século XX - ...
A cultura como campo de luta e interpretação social no Brasil do Século XX - ...A cultura como campo de luta e interpretação social no Brasil do Século XX - ...
A cultura como campo de luta e interpretação social no Brasil do Século XX - ...
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média A Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média
 
Arte egipcía
Arte egipcíaArte egipcía
Arte egipcía
 
Visão do governo Dilma Rousseff por uma ótica maquiavélica.
Visão do governo Dilma Rousseff por uma ótica maquiavélica.Visão do governo Dilma Rousseff por uma ótica maquiavélica.
Visão do governo Dilma Rousseff por uma ótica maquiavélica.
 

Semelhante a Revolução cubana

Aula 3 - Júlio Cortázar
Aula 3 - Júlio CortázarAula 3 - Júlio Cortázar
Aula 3 - Júlio Cortázar
isadoravivacqua
 
A revolução cubana
A revolução cubanaA revolução cubana
A revolução cubana
historiando
 
Movimentos políticos na década 50
Movimentos políticos na década 50Movimentos políticos na década 50
Movimentos políticos na década 50
dinicmax
 
DistensãO Entre Eua E Cuba
DistensãO Entre Eua E CubaDistensãO Entre Eua E Cuba
DistensãO Entre Eua E Cuba
ecsette
 
Revolução e Contra-Revolução na América Latina
Revolução e Contra-Revolução na América LatinaRevolução e Contra-Revolução na América Latina
Revolução e Contra-Revolução na América Latina
Carson Souza
 

Semelhante a Revolução cubana (20)

revoluocubana-110509210255-phpapp01.pdf
revoluocubana-110509210255-phpapp01.pdfrevoluocubana-110509210255-phpapp01.pdf
revoluocubana-110509210255-phpapp01.pdf
 
Rev.cubana
Rev.cubanaRev.cubana
Rev.cubana
 
Revolução Cubana.
Revolução Cubana.Revolução Cubana.
Revolução Cubana.
 
Guerrilhas latinas
Guerrilhas latinasGuerrilhas latinas
Guerrilhas latinas
 
Aula 3 - Júlio Cortázar
Aula 3 - Júlio CortázarAula 3 - Júlio Cortázar
Aula 3 - Júlio Cortázar
 
A revolução cubana
A revolução cubanaA revolução cubana
A revolução cubana
 
A revolução cubana
A revolução cubanaA revolução cubana
A revolução cubana
 
Revolução cubana (of)
Revolução cubana (of)Revolução cubana (of)
Revolução cubana (of)
 
Junior belle revolucao_cubana
Junior belle revolucao_cubanaJunior belle revolucao_cubana
Junior belle revolucao_cubana
 
Especifica de História e Atualidades (1)
Especifica de História e Atualidades (1)Especifica de História e Atualidades (1)
Especifica de História e Atualidades (1)
 
Movimentos políticos na década 50
Movimentos políticos na década 50Movimentos políticos na década 50
Movimentos políticos na década 50
 
Revisão 9º ano
Revisão 9º ano Revisão 9º ano
Revisão 9º ano
 
Revolução cubana
Revolução cubanaRevolução cubana
Revolução cubana
 
364 abcd socialismo real em cuba
364 abcd socialismo real em cuba364 abcd socialismo real em cuba
364 abcd socialismo real em cuba
 
Revolução cubana
Revolução cubanaRevolução cubana
Revolução cubana
 
DistensãO Entre Eua E Cuba
DistensãO Entre Eua E CubaDistensãO Entre Eua E Cuba
DistensãO Entre Eua E Cuba
 
Fidel Castro
Fidel CastroFidel Castro
Fidel Castro
 
Revolução e Contra-Revolução na América Latina
Revolução e Contra-Revolução na América LatinaRevolução e Contra-Revolução na América Latina
Revolução e Contra-Revolução na América Latina
 
A revolução cubana
A revolução cubanaA revolução cubana
A revolução cubana
 
Revolução cubana
Revolução cubanaRevolução cubana
Revolução cubana
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 

Revolução cubana

  • 1. Revolução Cubana Caroliny Brito, Gabriela Sarria, Mariana Muniz, Ana Carolina Barcelos, Warley Ferreira – 3M5
  • 2. CUBA PRÉ REVOLUCIONÁRIA No ínicio do séc XX, Cuba era uma colônia norte americana, sua economia era baseada na monocultura de cana de açúcar, sendo os EUA seu comprador exclusivo e responsável por 70% da economia do país.
  • 3. Em 10 de março de 1952, o sargento Fulgêncio Batista tomou o poder de Cuba através de um golpe assistido e apoiado pelos norte-americanos. Passou a governar, então, como ditador, num regime de corrupção e violência.
  • 4. A ditadura sangrenta e corrupta de Batista sofreu algumas tentativas de derrubada, através de movimentos, sendo todos fracassados.
  • 5. A primeira delas, chefiada por Fidel Castro – recém- formado advogado pela Universidade de Havana – buscou tomar o quartel de Moncada, em Santiago, no dia 26 de julho de 1953.
  • 6. A ação conjunta fracassou, resultando na morte de vários combatentes, em sua maioria jovens estudantes e a prisão de outros tantos. Entre os presos estava Fidel Castro, condenado a 15 anos de prisão e o seu irmão, Raul Castro, condenado a 13 anos. Em um julgamento eminentemente político, Fidel Castro fez um dicuscurso de quase quatro horas, em sua defesa, terminando com as palavras: "Condenem-me, não importa. A história me absolverá".
  • 7. Saindo da prisão, Fidel partiu para exilio no México, onde, junto com o irmão, além de Che Guevara, criou o Movimento 26 de Julho.
  • 8. O movimento se organizou usando celulas clandestina, voltadas para a guerrilha, através de toda Cuba, somando esforços na luta contra a ditadura de Batista.
  • 10. Em 1956, o M-26- 7 partiu clandestinamente do México para Cuba, a bordo do iate Granma, com 82 combatentes, armamento, medicamentos e escassa munição. A viagem que durou 2 dias a mais que o planejado, fora desastrosa e cheia de incidentes. Imediatemente, os rebeldes iniciaram uma marcha para Sierra Maestra, no extremo sudeste de Cuba, considerada por Fidel como a chave para iniciar a luta contra Batista, um local com intesas disputas por terras, onde os camponeses poderiam acabar se interessando pela causa revolucionária.
  • 11. Porém, apenas três dias após, os rebeldes foram cercados por tropas de Batista. A maioria dos guerrilheiros morreu.
  • 12. Os sobreviventes recomeçaram tudo do zero e precisava garantir a sua sobrevivência e reestruturação. Seja como for, partindo da Sierra Maestra, Fidel, auxiliado por Frank Pais, Ramos Latour e Huber Matos, adotou táticas de guerrilha, atacando pequenas guarnições da policia e exército, em busca de armas e munições.
  • 13. Che  Guevara  e  Raúl  Castro  ficaram nas  montanhas, arregimentando e treinando novos recrutas, muitas vezes executando  suspeitos  de  serem  pró-Batista  ou  de  grupos rivais  ao  M-26-7. Além disso, a função dos dois era prestar apoio logistico aos homens de Fidel, protegendo linhas de alimentação e de intercâmbio de informações.
  • 14. O veiculo de transmissão das idéias revolucionárias era a Radio Rebelde, criada em fevereiro de 1958. A rádio transmitia mensagens diárias para todo país, inclusive em território controlado pelas tropas de Batista, exortando a população a se unir aos revolucionários.
  • 15. Em pouco tempo, os duzentos combatentes rebeldes iniciais foram se multiplicando; enquanto o exército cubano, somado a força policial, que contava entre trinta e quarenta mil homens, registrava deserções em massa. Mesmo assim, através das táticas de guerrilha, quase toda vez que o exército enfrentou os rebeldes foi forçado a recuar. As colunas rebeldes foram impondo derrota após derrota.
  • 16.
  • 17. As colunas rebeldes foram impondo derrota após derrota. A tropa rebelde marcha para a capital de Cuba, Havana.
  • 18. A vitória se tornou evidente quando próximo a capital, os rebeldes interceptaram e tomaram um trem blindado repleto de material bélico que não chegou ao seu destino. Esse foi um importante contra-golpe que as forças revolucionárias impuseram à ditadura de Fungêncio, que depositava nesse trem suas últimas forças realmente significativas.
  • 19. Já com as forças bastistianas batendo em retirada e se dispersando, o M-26-7 chegou, em 01/01/59 à capital Havana para travar o último e definitivo combate. O então ex-presidente, Fulgêncio Batista já havia fugido do país na madrugada anterior, junto com a cúpula de seu governo corrupto.
  • 20. Sabendo disso o povo pega em armas e em pleno cenário urbano travam-se combates isolados com as poucas forças resistentes e atiradores de elite.
  • 21. Num período de 2 anos, as forças guerrilheiras do Movimento Revolucionário 26 de Julho lutaram contra forças desiguais, mas entre altos e baixos, conseguiam empurrar as tropas inimigas para trás de suas linhas. Politicamente a guerra também era intensa; envolvia as 2 maiores potências do mundo na época e uma pequena ilha no Caribe. Nas palavras de Fidel, “foi uma briga de Davi e Golias”.
  • 22. As tropas são recebidas na cidade como verdadeiros heróis. Durante os anos que a guerrilha durou, o personagem barbudo e maltrapilho que se fez dos revolucionários já era conhecido da população
  • 23.
  • 24. Sabe-se que nesses anos a TV e a moda em Cuba valorizou a barba e os cabelos grandes, que no caso dos guerrilheiros não era uma opção. A muitas crianças deu-se o nome de Fidel e Ernesto.
  • 25. PÓS REVOLUÇÃO Depois de um discurso de posse, transmitido pela TV, onde as forças libertadoras entregavam Cuba para os cubanos, tem início em Cuba uma nova era.
  • 26.
  • 27. Os muitos anos seguintes seriam dedicados ao expurgo dos ex-funcionários batistianos e ao julgamento daqueles que se quedaram ou foram feitos presos durante as batalhas. Muito criticou-se também os métodos utilizados para o julgamento e os pelotões de fuzilamento, que era o destino final dos condenados. Che era o responsável pelo Tribunal Sumário e há quem se refira, como holocausto. Porém esquecem que foi uma guerra e das milhares de pessoas que morreram nas mão desses a quem estava se dando a chance de um julgamento.
  • 28. O papel do Estados Unidos durante a revolução era de indiscutível e declarado apoio às forças batistianas. Enquanto que o da União Soviética também se fez presente apoiando Fidel e o regime comunista que aos poucos foi emergindo. Estamos em plena Guerra Fria.
  • 29.
  • 30. Depois da vitória rebelde ainda muitas águas rolariam. Desde tentativas de contra-revolução, financiadas pela CIA, como a da Baía dos Porcos; ou a Crise dos Mísseis envolvendo os EUA e a URSS que por pouco não deu início s temida Guerra Nuclear. Também foi feita uma tentativa de envenenar Fidel.
  • 31. Admitindo que não conseguiria reverter a situação militarmente sem causar um grande alvoroço internacional, os Estados Unidos decidem então apelar para a “violência econômica”, assim denominada por Fidel. Em outras palavras, colocaram em prática o embargo comercial, (ainda em vigor), onde não mais comprariam nem venderiam nada a Cuba. Não satisfeitos, pressionaram muitos outros países da América e Europa a fazer o mesmo. Com o passar dos anos a maioria desses países voltou a se relacionar comercialmente, porém as relações diplomáticas entre Cuba e os EUA estão cortadas até os dias de hoje.
  • 32. No governo com Fidel Castro, Guevara exerceu diversas funções, incluindo a de ministro da Indústria (1961-1965). Seu objetivo primordial, no entanto, era estender a revolução a outros países. Por isso, deixou suas funções em Havana para juntar-se a um grupo de guerrilheiros bolivianos, cuja meta era derrubar o regime ditatorial que vigorava na Bolívia.
  • 33. Entretanto, Che Guevara foi capturado e morto pelo exército boliviano, em 9 de outubro de 1967. Suas mãos foram amputadas e levadas para os EUA, a fim de confirmar a identidade do "principal inimigo do imperialismo norte-americano nas Américas".
  • 34. As circunstâncias de sua morte, em combate e alvejado indiretamente pelos Estados Unidos, serviria para firmar ainda mais sua imagem como um símbolo de luta revolucionária, adotado por qualquer movimento de mudança, especialmente entre aqueles ligados a movimentos políticos de esquerda.
  • 35. "Acima de tudo procurem sentir no mais profundo de vocês qualquer injustiça cometida contra qualquer pessoa em qualquer parte do mundo. É a mais bela qualidade de um revolucionário“ Che Guevara
  • 36. A revolução cubana, com suas particularidades, fomentou um socialismo internacional, extremamente vinculado com aspectos humanos de busca de alternativas para o subdesenvolvimento e a desigualdade.