SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
ESPECIFICA DE HISTORIA E ATUALIDADES

JEOVA CANHETE




Cuba - Ilha da rebeldia Os cubanos lutaram quatro séculos para se
libertar do domínio espanhol. Desde os anos 50, desafiam os Estados
Unidos, o que deu fama internacional ao pequeno e atrevido país por

Véronique Dumas
No dia 1º de janeiro deste ano,
                                  © UMAR LEYLA/GAMMA/OTHER IMAGES
Cuba comemorou 50 anos da
revolução liderada por Fidel
Castro, que apeou do poder o
golpista Fulgencio Batista, em
1958. E 517 anos de rebeldia e
heroísmo que, se jamais
tiraram a ilha da condição de
subdesenvolvimento
econômico, ao menos a
transformaram em um símbolo
mundial de resistência.
Neste 2009, o aniversário da
revolução foi celebrado com
Raúl Castro, irmão de Fidel, no
comando do pequeno país. Mas Os irmãos Raúl e Fidel Castro e um combatente (da
o destino reservaria a ele mais esq. para a dir.) comemoram, em 1957, uma das
do que o poder na ilha. A Raúl muitas vitórias da guerrilha
vem cabendo o papel de
mediador das novas relações diplomáticas e, principalmente, econômicas entre Cuba e
os Estados Unidos, agora sob a batuta do presidente democrata Barack Obama.
Foram dados até aqui passos decisivos para o processo de suspensão do embargo
americano, que isola a ilha do resto do mundo há 46 anos. Contra todas as evidências,
os irmãos Castro afirmam que a revolução está mais forte do que nunca. O bordão de
ambos é conhecido: “Resistir foi a palavra de ordem de cada uma de nossas vitórias
durante esse meio século de batalhas ininterruptas”.
É bem verdade que os 12 milhões de cubanos (renda per capita mensal média entre US$
10 e US$ 15) podem não avaliar as tais “vitórias” da mesma forma. Mas, de fato, os 50
anos de antagonismos entre os Estados Unidos e Cuba se inscrevem em uma trajetória
de relações difíceis entre os dois países, bem anteriores à tomada de poder por Fidel
Castro. E em uma tradição de resistência que nasceu na época colonial espanhola.




A maior ilha das Antilhas, situada a 150 km da costa da Flórida, foi descoberta por
Cristóvão Colombo já em sua
primeira viagem, em 1492. O
navegador tomou posse dela,
em nome da Coroa espanhola.
Mas a colonização só começou
em 1511, com a chegada de
Diego Velásquez de Cuellar,
primeiro governador da ilha e
fundador de Santiago de Cuba
e de Havana.
O tempo correu, e os indígenas,
dizimados por doenças e pelo          De novo ocupada: soldados americanos desembarcam
trabalho forçado em lavouras, no píer de Daiquiri, em 1898
foram substituídos por mão-de-
obra escrava africana, empregada nas plantações de cana-de-açúcar e tabaco e, depois,
de café e cacau. Cuba, encruzilhada estratégica no imenso império colonial espanhol,
também servia de escala e local de reunião dos navios de comércio vindos do continente
americano, antes que partissem em comboio rumo à Espanha.
A ilha, rica e fértil, atraía a atenção dos britânicos, que tentaram uma incursão durante a
Guerra dos Sete Anos. Em 1762, a Inglaterra chegou a ocupar Havana por nove meses.
Durante a primeira metade do século XIX, os movimentos revolucionários que
agitavam os países da América Latina, sob influência de Simon Bolívar, não chegaram à
ilha. A exemplo de Porto Rico, privado em 1837 de sua representação no Parlamento
espanhol, Cuba estava então sob o domínio de um regime militar.



O primeiro levante popular
contra o domínio espanhol
eclodiu em 1868, seguido da
proclamação de uma República
insurreta. A guerrilha que se
seguiu duraria dez anos, mas os
ativistas de então não
conseguiriam se impor como
poder independente.             Ilha de encantos: singela visão de Havana no século
                                XIX/Paisagem de Havana, litografia colorida, Irmãos
Em 1895 começava a segunda Smith, 1851
guerra de independência, dominada por uma figura de proa do nacionalismo local: o
escritor e jornalista cubano José Martí. Exilado nos Estados Unidos, em 1892 ele
fundou o Partido Revolucionário Cubano e, em seguida, organizou uma expedição
militar contra os espanhóis. Morreu de armas em punho, na batalha de Dois Rios, em
1895.Suas idéias e sua obra contribuiriam para forjar a consciência política latino-
americana. Em 1897, um regime de autonomia foi, por fim, conquistado por Cuba. Mas
os americanos, determinados a fazer a ilha entrar para sua zona de influência,
declararam guerra contra a Espanha, derrotada em poucas semanas.
Assim, depois de ter se tornado Estado independente, Cuba foi ocupada, por quatro
anos, pelas tropas americanas. A famosa emenda de Platt, inserida na Constituição
cubana em 1901, definia a ilha como um protetorado americano e conferia aos Estados
Unidos o direito de ocupação militar, caso seus interesses fossem desrespeitados.
A construção da base naval americana na baía de Guantánamo, no sudeste da ilha, data
dessa época. O primeiro presidente cubano, Tomás Estrada Palma, firmou com os
Estados Unidos, em 1903, um contrato perpétuo sobre a zona que cerca a baía, renovado
em 1934. Sob o regime de Fidel Castro, esse contrato se tornaria um dos pomos de
discórdia entre Washington e Havana, que recorreu ao direito internacional para
denunciar o caráter ilícito do documento. Dependente dos Estados Unidos desde o início do
século XX, Cuba se transformou em objeto de sucessivos ditadores, entre eles Gerardo
Machado (que governou entre 1925 e1933), seguido de Fulgencio Batista. Batista, próximo da
esfera do poder cubano desde 1933, foi presidente de 1940 a 1944 e voltou em 1952, depois
de um golpe de Estado. Em 1o de janeiro de 1959, ele foi derrubado pelos guerrilheiros do
Movimento de 26 de julho (M-26-7), em referência ao primeiro golpe de Estado fracassado,
em 26 de julho de 1953, contra o regime de Batista.Oriundos da mata de Sierra Maestra, de
onde promoveram por dez anos a guerrilha, os ativistas foram apoiados pelos Estados Unidos
e pelos camponeses cubanos. E foram liderados por um rival de Batista de primeira hora: Fidel
Castro.Esse advogado, organizador da resistência ao ditador durante anos de exílio no México,
contava entre seus seguidores com sobreviventes dos primeiros combates, como seu meio-
irmão Raúl e seu principal lugar-tenente, Ernesto Che Guevara. Uma vez vitorioso, Fidel se
transformou em ministro, mas negou, na época, querer o poder total e instaurar um regime
comunista. O suposto compromisso agradou aos americanos, e a revolução cubana
entusiasmou a ilha e o mundo.Os Estados Unidos receberam Fidel em abril. O líder teve uma
acolhida triunfal, festejado pela imprensa ao lado do então vice-presidente Richard Nixon.

A lua-de-mel com o capitalismo terminou rapidamente, com a nacionalização de todos os bens
americanos e a instauração da reforma agrária, em junho de 1959, em um país onde 40% das
plantações pertenciam a estrangeiros.A decorrente ruptura de relações diplomáticas entre
Washington e Havana, o embargo americano e a aproximação de Cuba à União Soviética
anunciaram uma era de repetidas tensões e ações de todo tipo, incluindo surpreendentes
tentativas de eliminar o líder, dignas dos melhores filmes de espionagem.

VOLTA DA DITADURA Em abril de 1961, 1.600 refugiados cubanos anticastristas, que haviam
sido treinados pela CIA, tentaram desembarcar na baía dos Porcos, no sul da ilha. A operação
fora decidida pela administração do presidente americano Eisenhower e, em seguida, aceita e
empreendida por Kennedy. A invasão da baía dos Porcos foi um fiasco e envenenou ainda mais
as relações entre os dois países. A crise conheceu o ponto mais agudo depois que um avião de
reconhecimento americano descobriu em Cuba rampas de lançamento de mísseis de ataque
virados para os Estados Unidos. Eram soviéticos.O mundo nunca esteve tão perto de uma
guerra nuclear, como naquele momento da segunda metade do século XX. Começaram as
negociações entre os dois blocos: Kennedy prometeu não invadir Cuba e retirar da Turquia os
mísseis voltados para a Rússia, em troca da retirada dos mísseis russos. O compromisso, aceito
pela União Soviética e assumido sob o controle das Nações Unidas, evitou o conflito
iminente.Foi rápida a evolução do regime de Fidel Castro para uma ditadura militar, com
partido único e culto à personalidade do comandante. A degradação da economia, decorrente
do embargo americano e das experiências comunistas promovidas na ilha, levou milhares de
cubanos ao exílio nos anos 60.Com a corrida de cubanos pedindo asilo na embaixada do Peru
em Havana, em 3 de abril de 1980, Fidel mandou retirar os guardas que protegiam o edifício.
Em 48 horas, mais de 10 mil pessoas se precipitaram para lá. Outras embaixadas também
foram invadidas, em um movimento encorajado pela comunidade cubano-americana.

Em 23 de abril, Fidel anunciou a instauração de uma política de portas abertas a todos os
candidatos ao exílio. Mais de 125 mil cubanos embarcaram no porto de Mariel, a bordo de 17
mil embarcações.O entusiasmo dos Estados Unidos se transformou rapidamente, diante do
fluxo de refugiados. Em 20 de junho, a administração americana pôs fim ao êxodo – que
recomeçaria nos anos 90. Em setembro de 1994, o país firmou com Cuba um acordo
comprometendo-se a receber só 20 mil refugiados por ano. O desaparecimento do “grande
irmão soviético”, que até 1989 dava uma polpuda ajuda financeira à ilha, em troca de
alinhamento político, acelerou o esfacelamento da economia cubana, que se agravou com o
reforço do bloqueio americano. O governo passou então a tomar medidas para preservar as
inegáveis conquistas nas áreas de saúde e educação. Mas a legalização da utilização de
dólares, a criação de empresas mistas destinadas a atrair investidores estrangeiros e a
abertura do turismo não foram suficientes para melhorar o nível de vida dos cubanos.
Agora, a ainda tímida abertura econômica promovida por Raúl Castro permite esperar algumas
mudanças, mesmo que não uma reforma profunda, difícil de ser aplicada enquanto nomes
históricos da revolução ainda estiverem no comando.

Cuba - Ilha da rebeldia Os cubanos lutaram quatro séculos para se libertar do domínio
espanhol. Desde os anos 50, desafiam os Estados Unidos, o que deu fama internacional
ao pequeno e atrevido país por Véronique Dumas CRONOLOGIA 1492
Cristóvão Colombo toma posse da ilha, em nome da Espanha

1762
Os britânicos ocupam Havana durante nove meses
1868
Início da primeira guerra de independência, que dura dez anos
1959
O ditador Batista é apeado do poder pela revolução castrista
2006
Fidel fica doente
2008
Raúl Castro, seu irmão, assume o poder
2009
Posse de Obama nos EUA e abertura do diálogo com Cuba
Véronique Dumas é doutora em história da arte contemporânea e escritora.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

8°ano d. pedro I e o período regencial
8°ano d. pedro I e o período regencial8°ano d. pedro I e o período regencial
8°ano d. pedro I e o período regencialKaique Alves
 
Rep Velha Ate Suicidio
Rep Velha Ate SuicidioRep Velha Ate Suicidio
Rep Velha Ate SuicidioCarlos Glufke
 
Conquista e Colonização da América (Espanhola e Portuguesa)
Conquista e Colonização da América (Espanhola e Portuguesa)Conquista e Colonização da América (Espanhola e Portuguesa)
Conquista e Colonização da América (Espanhola e Portuguesa)Juliana
 
Exercícios de História Império – Primeiro Reinado
Exercícios de História Império – Primeiro ReinadoExercícios de História Império – Primeiro Reinado
Exercícios de História Império – Primeiro ReinadoJesrayne Nascimento
 
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870Isabel Aguiar
 
A Independência dos E.U.A. - PowerPoint
A Independência dos E.U.A. - PowerPointA Independência dos E.U.A. - PowerPoint
A Independência dos E.U.A. - PowerPointNunoAlmeida
 
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...josafaslima
 
Independência dos Estados Unidos - Texto e atividade
Independência dos Estados Unidos  -  Texto e atividade Independência dos Estados Unidos  -  Texto e atividade
Independência dos Estados Unidos - Texto e atividade Mary Alvarenga
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAIsabel Aguiar
 
A independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaA independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaNelia Salles Nantes
 
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOQUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOIsabel Aguiar
 
Independencia das colonias espanholas
Independencia das colonias espanholasIndependencia das colonias espanholas
Independencia das colonias espanholasIsabel Aguiar
 
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILIsabel Aguiar
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasilIsabel Aguiar
 
Rebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blogRebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blogIsabel Aguiar
 
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIALSEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIALIsabel Aguiar
 

Mais procurados (20)

Apostila eja - unid. 7
Apostila eja - unid. 7Apostila eja - unid. 7
Apostila eja - unid. 7
 
8°ano d. pedro I e o período regencial
8°ano d. pedro I e o período regencial8°ano d. pedro I e o período regencial
8°ano d. pedro I e o período regencial
 
Rep Velha Ate Suicidio
Rep Velha Ate SuicidioRep Velha Ate Suicidio
Rep Velha Ate Suicidio
 
Conquista e Colonização da América (Espanhola e Portuguesa)
Conquista e Colonização da América (Espanhola e Portuguesa)Conquista e Colonização da América (Espanhola e Portuguesa)
Conquista e Colonização da América (Espanhola e Portuguesa)
 
Exercícios de História Império – Primeiro Reinado
Exercícios de História Império – Primeiro ReinadoExercícios de História Império – Primeiro Reinado
Exercícios de História Império – Primeiro Reinado
 
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
 
A Independência dos E.U.A. - PowerPoint
A Independência dos E.U.A. - PowerPointA Independência dos E.U.A. - PowerPoint
A Independência dos E.U.A. - PowerPoint
 
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...
 
Independência dos Estados Unidos - Texto e atividade
Independência dos Estados Unidos  -  Texto e atividade Independência dos Estados Unidos  -  Texto e atividade
Independência dos Estados Unidos - Texto e atividade
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
 
A independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaA independência da américa espanhola
A independência da américa espanhola
 
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOQUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
 
Nicaraguan revolution
Nicaraguan revolutionNicaraguan revolution
Nicaraguan revolution
 
Independencia das colonias espanholas
Independencia das colonias espanholasIndependencia das colonias espanholas
Independencia das colonias espanholas
 
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
 
Conteúdos do história
Conteúdos do históriaConteúdos do história
Conteúdos do história
 
América século xix
América século xixAmérica século xix
América século xix
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
Rebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blogRebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blog
 
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIALSEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
 

Semelhante a Especifica de História e Atualidades (1)

DistensãO Entre Eua E Cuba
DistensãO Entre Eua E CubaDistensãO Entre Eua E Cuba
DistensãO Entre Eua E Cubaecsette
 
Revolução cubana
Revolução cubanaRevolução cubana
Revolução cubanaLais Kerry
 
A revolução cubana
A revolução cubanaA revolução cubana
A revolução cubanahistoriando
 
A revolução cubana
A revolução cubanaA revolução cubana
A revolução cubanahistoriando
 
Revolução cubana
Revolução cubanaRevolução cubana
Revolução cubanaLuana Bastos
 
Trabalho de tic
Trabalho de ticTrabalho de tic
Trabalho de ticKaryn XP
 
Aula revolução cubana
Aula revolução cubanaAula revolução cubana
Aula revolução cubanatyromello
 
Revolução cubana (of)
Revolução cubana (of)Revolução cubana (of)
Revolução cubana (of)Vitor Morais
 
Slide-cuba pre e pos fidel castro
Slide-cuba pre e pos fidel  castro Slide-cuba pre e pos fidel  castro
Slide-cuba pre e pos fidel castro daianespereira
 
Revolucão Cubana
Revolucão CubanaRevolucão Cubana
Revolucão Cubanaeiprofessor
 
A Revolução Cubana
A Revolução CubanaA Revolução Cubana
A Revolução CubanaRobert Plant
 

Semelhante a Especifica de História e Atualidades (1) (20)

Revolução Cubana.
Revolução Cubana.Revolução Cubana.
Revolução Cubana.
 
DistensãO Entre Eua E Cuba
DistensãO Entre Eua E CubaDistensãO Entre Eua E Cuba
DistensãO Entre Eua E Cuba
 
Revolução cubana
Revolução cubanaRevolução cubana
Revolução cubana
 
Cuba x eua
Cuba x euaCuba x eua
Cuba x eua
 
A revolução cubana
A revolução cubanaA revolução cubana
A revolução cubana
 
A revolução cubana
A revolução cubanaA revolução cubana
A revolução cubana
 
A revolução cubana
A revolução cubanaA revolução cubana
A revolução cubana
 
Revolução cubana
Revolução cubanaRevolução cubana
Revolução cubana
 
Trabalho de tic
Trabalho de ticTrabalho de tic
Trabalho de tic
 
Aula revolução cubana
Aula revolução cubanaAula revolução cubana
Aula revolução cubana
 
Revolução cubana (of)
Revolução cubana (of)Revolução cubana (of)
Revolução cubana (of)
 
Slide-cuba pre e pos fidel castro
Slide-cuba pre e pos fidel  castro Slide-cuba pre e pos fidel  castro
Slide-cuba pre e pos fidel castro
 
A revolução cubana
A revolução cubanaA revolução cubana
A revolução cubana
 
Revolução cubana
Revolução cubanaRevolução cubana
Revolução cubana
 
Revolução cubana
Revolução cubanaRevolução cubana
Revolução cubana
 
Revolucão Cubana
Revolucão CubanaRevolucão Cubana
Revolucão Cubana
 
A Revolução Cubana
A Revolução CubanaA Revolução Cubana
A Revolução Cubana
 
Revolução cubana
Revolução cubanaRevolução cubana
Revolução cubana
 
Revolução Cubana
Revolução CubanaRevolução Cubana
Revolução Cubana
 
Genoma cuba ontem e hoje
Genoma   cuba ontem e hojeGenoma   cuba ontem e hoje
Genoma cuba ontem e hoje
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSPedro Luis Moraes
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................mariagrave
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaCentro Jacques Delors
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 

Último (20)

Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 

Especifica de História e Atualidades (1)

  • 1. ESPECIFICA DE HISTORIA E ATUALIDADES JEOVA CANHETE Cuba - Ilha da rebeldia Os cubanos lutaram quatro séculos para se libertar do domínio espanhol. Desde os anos 50, desafiam os Estados Unidos, o que deu fama internacional ao pequeno e atrevido país por Véronique Dumas No dia 1º de janeiro deste ano, © UMAR LEYLA/GAMMA/OTHER IMAGES Cuba comemorou 50 anos da revolução liderada por Fidel Castro, que apeou do poder o golpista Fulgencio Batista, em 1958. E 517 anos de rebeldia e heroísmo que, se jamais tiraram a ilha da condição de subdesenvolvimento econômico, ao menos a transformaram em um símbolo mundial de resistência. Neste 2009, o aniversário da revolução foi celebrado com Raúl Castro, irmão de Fidel, no comando do pequeno país. Mas Os irmãos Raúl e Fidel Castro e um combatente (da o destino reservaria a ele mais esq. para a dir.) comemoram, em 1957, uma das do que o poder na ilha. A Raúl muitas vitórias da guerrilha vem cabendo o papel de mediador das novas relações diplomáticas e, principalmente, econômicas entre Cuba e os Estados Unidos, agora sob a batuta do presidente democrata Barack Obama. Foram dados até aqui passos decisivos para o processo de suspensão do embargo americano, que isola a ilha do resto do mundo há 46 anos. Contra todas as evidências, os irmãos Castro afirmam que a revolução está mais forte do que nunca. O bordão de ambos é conhecido: “Resistir foi a palavra de ordem de cada uma de nossas vitórias durante esse meio século de batalhas ininterruptas”. É bem verdade que os 12 milhões de cubanos (renda per capita mensal média entre US$ 10 e US$ 15) podem não avaliar as tais “vitórias” da mesma forma. Mas, de fato, os 50 anos de antagonismos entre os Estados Unidos e Cuba se inscrevem em uma trajetória
  • 2. de relações difíceis entre os dois países, bem anteriores à tomada de poder por Fidel Castro. E em uma tradição de resistência que nasceu na época colonial espanhola. A maior ilha das Antilhas, situada a 150 km da costa da Flórida, foi descoberta por Cristóvão Colombo já em sua primeira viagem, em 1492. O navegador tomou posse dela, em nome da Coroa espanhola. Mas a colonização só começou em 1511, com a chegada de Diego Velásquez de Cuellar, primeiro governador da ilha e fundador de Santiago de Cuba e de Havana. O tempo correu, e os indígenas, dizimados por doenças e pelo De novo ocupada: soldados americanos desembarcam trabalho forçado em lavouras, no píer de Daiquiri, em 1898 foram substituídos por mão-de- obra escrava africana, empregada nas plantações de cana-de-açúcar e tabaco e, depois, de café e cacau. Cuba, encruzilhada estratégica no imenso império colonial espanhol, também servia de escala e local de reunião dos navios de comércio vindos do continente americano, antes que partissem em comboio rumo à Espanha. A ilha, rica e fértil, atraía a atenção dos britânicos, que tentaram uma incursão durante a Guerra dos Sete Anos. Em 1762, a Inglaterra chegou a ocupar Havana por nove meses. Durante a primeira metade do século XIX, os movimentos revolucionários que agitavam os países da América Latina, sob influência de Simon Bolívar, não chegaram à ilha. A exemplo de Porto Rico, privado em 1837 de sua representação no Parlamento espanhol, Cuba estava então sob o domínio de um regime militar. O primeiro levante popular contra o domínio espanhol eclodiu em 1868, seguido da proclamação de uma República insurreta. A guerrilha que se seguiu duraria dez anos, mas os ativistas de então não conseguiriam se impor como poder independente. Ilha de encantos: singela visão de Havana no século XIX/Paisagem de Havana, litografia colorida, Irmãos Em 1895 começava a segunda Smith, 1851
  • 3. guerra de independência, dominada por uma figura de proa do nacionalismo local: o escritor e jornalista cubano José Martí. Exilado nos Estados Unidos, em 1892 ele fundou o Partido Revolucionário Cubano e, em seguida, organizou uma expedição militar contra os espanhóis. Morreu de armas em punho, na batalha de Dois Rios, em 1895.Suas idéias e sua obra contribuiriam para forjar a consciência política latino- americana. Em 1897, um regime de autonomia foi, por fim, conquistado por Cuba. Mas os americanos, determinados a fazer a ilha entrar para sua zona de influência, declararam guerra contra a Espanha, derrotada em poucas semanas. Assim, depois de ter se tornado Estado independente, Cuba foi ocupada, por quatro anos, pelas tropas americanas. A famosa emenda de Platt, inserida na Constituição cubana em 1901, definia a ilha como um protetorado americano e conferia aos Estados Unidos o direito de ocupação militar, caso seus interesses fossem desrespeitados. A construção da base naval americana na baía de Guantánamo, no sudeste da ilha, data dessa época. O primeiro presidente cubano, Tomás Estrada Palma, firmou com os Estados Unidos, em 1903, um contrato perpétuo sobre a zona que cerca a baía, renovado em 1934. Sob o regime de Fidel Castro, esse contrato se tornaria um dos pomos de discórdia entre Washington e Havana, que recorreu ao direito internacional para denunciar o caráter ilícito do documento. Dependente dos Estados Unidos desde o início do século XX, Cuba se transformou em objeto de sucessivos ditadores, entre eles Gerardo Machado (que governou entre 1925 e1933), seguido de Fulgencio Batista. Batista, próximo da esfera do poder cubano desde 1933, foi presidente de 1940 a 1944 e voltou em 1952, depois de um golpe de Estado. Em 1o de janeiro de 1959, ele foi derrubado pelos guerrilheiros do Movimento de 26 de julho (M-26-7), em referência ao primeiro golpe de Estado fracassado, em 26 de julho de 1953, contra o regime de Batista.Oriundos da mata de Sierra Maestra, de onde promoveram por dez anos a guerrilha, os ativistas foram apoiados pelos Estados Unidos e pelos camponeses cubanos. E foram liderados por um rival de Batista de primeira hora: Fidel Castro.Esse advogado, organizador da resistência ao ditador durante anos de exílio no México, contava entre seus seguidores com sobreviventes dos primeiros combates, como seu meio- irmão Raúl e seu principal lugar-tenente, Ernesto Che Guevara. Uma vez vitorioso, Fidel se transformou em ministro, mas negou, na época, querer o poder total e instaurar um regime comunista. O suposto compromisso agradou aos americanos, e a revolução cubana entusiasmou a ilha e o mundo.Os Estados Unidos receberam Fidel em abril. O líder teve uma acolhida triunfal, festejado pela imprensa ao lado do então vice-presidente Richard Nixon. A lua-de-mel com o capitalismo terminou rapidamente, com a nacionalização de todos os bens americanos e a instauração da reforma agrária, em junho de 1959, em um país onde 40% das plantações pertenciam a estrangeiros.A decorrente ruptura de relações diplomáticas entre Washington e Havana, o embargo americano e a aproximação de Cuba à União Soviética anunciaram uma era de repetidas tensões e ações de todo tipo, incluindo surpreendentes tentativas de eliminar o líder, dignas dos melhores filmes de espionagem. VOLTA DA DITADURA Em abril de 1961, 1.600 refugiados cubanos anticastristas, que haviam sido treinados pela CIA, tentaram desembarcar na baía dos Porcos, no sul da ilha. A operação fora decidida pela administração do presidente americano Eisenhower e, em seguida, aceita e empreendida por Kennedy. A invasão da baía dos Porcos foi um fiasco e envenenou ainda mais
  • 4. as relações entre os dois países. A crise conheceu o ponto mais agudo depois que um avião de reconhecimento americano descobriu em Cuba rampas de lançamento de mísseis de ataque virados para os Estados Unidos. Eram soviéticos.O mundo nunca esteve tão perto de uma guerra nuclear, como naquele momento da segunda metade do século XX. Começaram as negociações entre os dois blocos: Kennedy prometeu não invadir Cuba e retirar da Turquia os mísseis voltados para a Rússia, em troca da retirada dos mísseis russos. O compromisso, aceito pela União Soviética e assumido sob o controle das Nações Unidas, evitou o conflito iminente.Foi rápida a evolução do regime de Fidel Castro para uma ditadura militar, com partido único e culto à personalidade do comandante. A degradação da economia, decorrente do embargo americano e das experiências comunistas promovidas na ilha, levou milhares de cubanos ao exílio nos anos 60.Com a corrida de cubanos pedindo asilo na embaixada do Peru em Havana, em 3 de abril de 1980, Fidel mandou retirar os guardas que protegiam o edifício. Em 48 horas, mais de 10 mil pessoas se precipitaram para lá. Outras embaixadas também foram invadidas, em um movimento encorajado pela comunidade cubano-americana. Em 23 de abril, Fidel anunciou a instauração de uma política de portas abertas a todos os candidatos ao exílio. Mais de 125 mil cubanos embarcaram no porto de Mariel, a bordo de 17 mil embarcações.O entusiasmo dos Estados Unidos se transformou rapidamente, diante do fluxo de refugiados. Em 20 de junho, a administração americana pôs fim ao êxodo – que recomeçaria nos anos 90. Em setembro de 1994, o país firmou com Cuba um acordo comprometendo-se a receber só 20 mil refugiados por ano. O desaparecimento do “grande irmão soviético”, que até 1989 dava uma polpuda ajuda financeira à ilha, em troca de alinhamento político, acelerou o esfacelamento da economia cubana, que se agravou com o reforço do bloqueio americano. O governo passou então a tomar medidas para preservar as inegáveis conquistas nas áreas de saúde e educação. Mas a legalização da utilização de dólares, a criação de empresas mistas destinadas a atrair investidores estrangeiros e a abertura do turismo não foram suficientes para melhorar o nível de vida dos cubanos. Agora, a ainda tímida abertura econômica promovida por Raúl Castro permite esperar algumas mudanças, mesmo que não uma reforma profunda, difícil de ser aplicada enquanto nomes históricos da revolução ainda estiverem no comando. Cuba - Ilha da rebeldia Os cubanos lutaram quatro séculos para se libertar do domínio espanhol. Desde os anos 50, desafiam os Estados Unidos, o que deu fama internacional ao pequeno e atrevido país por Véronique Dumas CRONOLOGIA 1492 Cristóvão Colombo toma posse da ilha, em nome da Espanha 1762 Os britânicos ocupam Havana durante nove meses 1868 Início da primeira guerra de independência, que dura dez anos 1959 O ditador Batista é apeado do poder pela revolução castrista 2006 Fidel fica doente 2008 Raúl Castro, seu irmão, assume o poder
  • 5. 2009 Posse de Obama nos EUA e abertura do diálogo com Cuba Véronique Dumas é doutora em história da arte contemporânea e escritora.