SlideShare uma empresa Scribd logo
Universidade Estadual Vale do Acaraú

                Centro de Ciências Agrárias e Biológicas

                           Curso de Zootecnia

                             Química Geral

                         Professor Kaires Braga




                 Separação de misturas
                         e suas vidrarias




Ytamara da Silva Gomes
Na química, a separação de misturas é muito importante, pois para obtermos
resultados mais corretos em pesquisas e experiências é necessário que
as substâncias químicas utilizadas sejam as mais puras possíveis. Para isso, utilizam-
se vários métodos de separação. Para facilitar o processo de separação de uma
mistura, deve-se observar primeiro, a própria mistura. Ela pode ser homogênea ou
heterogênea. Na homogênea as misturas tem um aspecto comum, dando a
impressão de que não é uma mistura. Na heterogênea nota-se claramente que se trata
de duas ou mais substâncias, como por exemplo, água misturada com areia.
Nas misturas homogêneas, deve-se aplicar primeiro métodos que envolvam
fenômenos físicos. Nas misturas heterogêneas, devem-se separar as “fases” (os
diferentes aspectos da mistura), e depois os mesmos métodos utilizados em
substâncias homogêneas, pois cada fase poderá ter mais de uma substância. Sendo
assim algumas misturas necessitam de mais do que um processo para a completa
separação dos seus constituintes.



Abaixo está a lista com alguns métodos utilizados para separação de misturas que
serão explicados:

       Decantação
       Centrifugação
       Filtração Simples
       Filtração a Vácuo
       Dissolução Fracionada
       Evaporação
       Destilação Simples
       Destilação Fracionada



Decantação
A decantação é um processo de separação de misturas heterogêneas, principalmente
de misturas compostas por líquidos imiscíveis (que não se misturam). O recipiente
contendo as substâncias é inclinado, derramando a substância mais leve (que fica em
cima), em outro recipiente. O processo mais eficiente é realizado com a utilização de
um sifão ou com um funil de separação, também conhecido como funil de bromo.

Sifonação:

Sifonação é a transferência, através de uma mangueira, de um líquido em uma
posição mais elevada para outra, num nível mais baixo. A mangueira é colocada de
forma que fique uma ponta em um recipiente vazio, e a outra, no meio da substância
mais leve no outro recipiente, como mostra a figura abaixo:
Funil de bromo:

O funil de bromo é um recipiente de vidro em forma de balão, com uma abertura em
cima e uma torneira em baixo. A mistura dos líquidos imiscíveis é colocada no balão, e
um béquer fica em baixo da torneira. A torneira é aberta, e o líquido mais denso (que
fica em baixo) vai escorrer para o béquer através da torneira, como mostra a figura
abaixo:




Pode-se ainda usar o princípio da decantação para a separação de misturas de sólido
com gás (câmara de poeira). A mistura atravessa um sistema em zigue-zague, o pó,
sendo mais denso, se deposita pelo trajeto:




Centrifugação
É realizada para separar líquidos imiscíveis ou um líquido que contém um sólido
insolúvel em suspensão. Neste processo a mistura é submetida a uma centrífuga
dentro de tubos de ensaio. Esta máquina é ligada e começa a rotacionar de forma bem
acelerada, fazendo rodar a mistura em alta velocidade, provocando a separação pela
ação da força que é aplicada, do centro para fora, fazendo com que as partículas
sólidas sejam depositadas no fundo. A separação dá-se devido às diferenças de
densidades dos materiais.
Filtração

Filtração simples:

Processo realizado para separação dos componentes de misturas heterogêneas
sólido-líquidas. São utilizados funil, papel-filtro, e copo de béquer para reter o filtrado.
O filtro é colocado no funil, a mistura atravessa o filtro no qual a substância sólida é
retida e a fase líquida flui através do filtro que é retida no copo de béquer.




Filtração a vácuo:

Processo      utilizado na   separação    dos     componentes      de  uma mistura
heterogênea sólido-líquido por meio de pressão negativa. São utilizados, funil de
Buchner, bomba de vácuo ou trompa d’água. De acordo com sua finalidade, os filtros
podem ser classificados como clarificadores, purificadores ou concentradores. Nos
sistemas de filtros sob pressão, o líquido flui através do meio filtrante devido à
diferença de pressão gerada. Nos sistemas de filtros de pressão negativa, estas são
obtidas geralmente por meio de bombas de vácuo. Os clarificadores são empregados
para remoção de pequenas quantidades de sólidos, deixando os líquidos límpidos. Os
purificadores são processos que se destinam a retirar impurezas de gases, ar
comprimido ou vapores. Já os concentradores atuam promovendo a separação parcial
de borras fluidas em uma suspensão de sólidos contidos no líquido.




Evaporação

Método de separação de misturas sólido-líquido por evaporação do solvente, também
conhecido como cristalização. Em recipiente aberto, simplesmente permite-se que o
solvente evapore, deixando o sólido. Nas salinas, o sal é obtido a partir da água do
mar através deste processo.
Destilação simples

A destilação simples serve para a separação de uma mistura homogênea de sólido
com líquido. É importante que os pontos de ebulição das duas substâncias sejam
bastante diferentes. A solução é colocada em um balão de destilação, feito de vidro
com fundo redondo e plano, que é esquentado por uma chama. A boca do balão é
tampada com uma rolha, junto com um termômetro. O balão possui uma saída lateral,
inclinada para baixo, na sua parte superior. Nessa saída é acoplado o condensador. O
condensador é formado por um duto interno, onde em volta desse duto passa água fria
corrente. Esse duto desemboca em um béquer ou erlenmeyer. A solução no balão é
esquentada, até que o líquido com menor ponto de ebulição comece a evaporar.
Ao evaporar, ele só tem o condensador como caminho a seguir. As paredes do
condensador são frias, pois a sua volta passa água fria. Ao entrar em contato com
essas paredes frias, o vapor se condensa, retornando ao estado líquido. Após algum
tempo, todo o líquido de menor ponto de ebulição terá passado para o béquer, e
sobrará a outra substância, sólida, no balão de vidro.




Destilação Fracionada
A destilação fracionada serve para separar uma mistura homogênea composta
por dois líquidos, com pontos de ebulição diferentes. O aparato de destilação
fracionada é constituído por um balão de vidro com fundo plano, que é aquecido por
uma chama. Nesse balão está a mistura homogênea. Na boca do balão está presa
uma coluna de fracionamento, com bolinhas de vidro no seu fundo (geralmente). No
topo da coluna de fracionamento está um termômetro, e na lateral, há uma saída para
um condensador. O condensador é feito por um tubo interior, que será envolvido
externamente por água fria. Ao final do condensador está um béquer. No balão de
vidro é colocada a mistura. Ao ser aquecido, a substância de menor ponto de ebulição
irá evaporar, e logo em seguida, a outra substância vai evaporar também. Porém, ao
encostar-se às bolinhas da coluna de fracionamento, a primeira substância vai
condensar, voltando para o balão, e a outra substância continuará subindo,
até encontrar o condensador. O termômetro serve para manter uma temperatura
constante, um pouco acima do maior ponto de ebulição. Ao final do processo, o
béquer conterá o líquido mais volátil, e o balão de vidro terá o líquido menos volátil.
Dissolução fracionada

Dissolução Fracionada é uma técnica ou método de processo de separação para
separar misturas heterogêneas de dois ou mais sólidos, quando apenas um dos
componentes se dissolve em um dado solvente.

Exemplo: Temos uma mistura de sal mais areia e a ela adicionamos água aonde
somente o sal irá se dissolver. Portanto, temos solução salina mais areia, uma mistura
ou sistema heterogêneo, na qual em seguida será feita a filtração sendo a areia retida
no papel de filtro. O filtrado, no caso a solução salina, passará por processo de
evaporação ou destilação simples, isto é, a água líquida passará para o estado gasoso
e o sal permanece no fundo do balão de destilação ou outro recipiente.


                                    Vidrarias
Balão de fundo chato: Para armazenar, preparar, aquecer ou recolher soluções.
Podem ser de vidro transparente ou âmbar.




Erlenmeyer: Serve para recolher frações de materiais destilados ou para conter
misturas que serão homogeneizadas.
Béquer: Resistem ao aquecimento, resfriamento e ataques de produtos químicos,
com escala de pouca precisão.




Funil de vidro: Empregado para transferir líquidos e para apoiar o papel de filtro.




Tubos de ensaio: Recipientes de vidro onde ocorrem reações e análises. Também
utilizados para coleta de amostras em pequena quantidade.




Condensadores: São colunas de vidro com tamanho variável entre 10 cm e 1,7
metros, dentro das quais existem tubos em forma reta, espiral ou bolas sequenciais.
São utilizados em destilações.




Bastão ou baqueta: é um bastão maciço de vidro. Serve para agitar e facilitar as
dissoluções ou manter massas líquidas em constante movimento.




Proveta ou cilindro graduado: Serve para medição precisa de volumes maiores de
líquidos.
Bureta: Serve para determinar pequenos volumes de reagentes com precisão. Pode
ser de vidro ou de polietileno.




Pipetas: Utilizadas para medir e transferir mínimas quantidades de líquidos com
precisão. Podem ser graduadas ou volumétricas.




Balão volumétrico com saída lateral: Empregado na ebulição de líquidos em
pequenas destilações.




Bico de Bunsen: Aquecedor a gás com chama de temperatura variável, de acordo
com a regulagem.
Cadinho ou cápsula de porcelana: É usada em evaporação ou secagem e pode ser
levada ao fogo sobre tela de amianto.




Suporte universal, garra e pinças de fixação: Usados para segurar e sustentar
vidrarias, como balões e condensadores, entre outros.




Tripé de ferro: Usado como apoio para tela de amianto e outros objetos a serem
aquecidos.




Tela de amianto: suporte para as peças a serem aquecidas. A função do amianto é
distribuir uniformemente o calor recebido pela chama do bico de Bunsen.
Estante para tubos de ensaio: É utilizado para apoiar tubos de ensaio.




Funil de Buchner: Usado em filtrações a vácuo, pode substituir os cadinhos de
Gooch.




Kitassato: Recipiente de vidro com paredes super-reforçadas e indicado para
filtrações a vácuo.




Funil de separação: Utilizado na separação de misturas de líquidos imiscíveis.
Também pode ser chamado funil de decantação ou funil de bromo.




Pisseta: Deve conter solventes, água ou soluções de sabões e é utilizada para efetuar
lavagens de outras vidrarias.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Separação de misturas.
Separação de misturas.Separação de misturas.
Separação de misturas.
Lara Lídia
 
Relatório de Cromatografia
Relatório de CromatografiaRelatório de Cromatografia
Relatório de Cromatografia
Mario Monteiro
 
Relatório 4 hplc
Relatório 4   hplcRelatório 4   hplc
Relatório 4 hplc
Carla Soares
 
Métodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasMétodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturas
Karol Maia
 
Aula de Digital de Química - Sais
Aula de Digital de Química - SaisAula de Digital de Química - Sais
Aula de Digital de Química - Sais
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Processos de separação de misturas
Processos de separação de misturasProcessos de separação de misturas
Processos de separação de misturas
Rafael Vieira de Araújo
 
3. separação de misturas
3. separação de misturas3. separação de misturas
3. separação de misturas
Rebeca Vale
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
Bio Sem Limites
 
Cromatografia
CromatografiaCromatografia
Cromatografia
Isabelle Macedo
 
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Karen Pirovano
 
coloides
   coloides   coloides
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
Cláudia Moura
 
Processo de separação de misturas.
Processo de separação de misturas.Processo de separação de misturas.
Processo de separação de misturas.
Polo UAB de Alagoinhas
 
Dispersoes
DispersoesDispersoes
Dispersoes
Ana Maria Reis
 
aula 1 separação de misturas.pptx
aula 1 separação de misturas.pptxaula 1 separação de misturas.pptx
aula 1 separação de misturas.pptx
AlanaBrito11
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICARELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
Ezequias Guimaraes
 
Substancias puras simples, compostas e misturas.
Substancias  puras simples, compostas e misturas.Substancias  puras simples, compostas e misturas.
Substancias puras simples, compostas e misturas.
Renata Oliveira
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
PIBID Joel Job
 
Teste chama 2014
Teste chama 2014Teste chama 2014

Mais procurados (20)

Separação de misturas.
Separação de misturas.Separação de misturas.
Separação de misturas.
 
Relatório de Cromatografia
Relatório de CromatografiaRelatório de Cromatografia
Relatório de Cromatografia
 
Relatório 4 hplc
Relatório 4   hplcRelatório 4   hplc
Relatório 4 hplc
 
Métodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasMétodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturas
 
Aula de Digital de Química - Sais
Aula de Digital de Química - SaisAula de Digital de Química - Sais
Aula de Digital de Química - Sais
 
Processos de separação de misturas
Processos de separação de misturasProcessos de separação de misturas
Processos de separação de misturas
 
3. separação de misturas
3. separação de misturas3. separação de misturas
3. separação de misturas
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Cromatografia
CromatografiaCromatografia
Cromatografia
 
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
 
coloides
   coloides   coloides
coloides
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 
Processo de separação de misturas.
Processo de separação de misturas.Processo de separação de misturas.
Processo de separação de misturas.
 
Dispersoes
DispersoesDispersoes
Dispersoes
 
aula 1 separação de misturas.pptx
aula 1 separação de misturas.pptxaula 1 separação de misturas.pptx
aula 1 separação de misturas.pptx
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICARELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
 
Substancias puras simples, compostas e misturas.
Substancias  puras simples, compostas e misturas.Substancias  puras simples, compostas e misturas.
Substancias puras simples, compostas e misturas.
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Teste chama 2014
Teste chama 2014Teste chama 2014
Teste chama 2014
 

Destaque

Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
Jaqueline Sarges
 
Trabalho de quimica ensino médio
Trabalho de quimica ensino médioTrabalho de quimica ensino médio
Trabalho de quimica ensino médio
WANDERSON JONER
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
charleslucas
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
quipibid
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
Isadora Girio
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
Bio Sem Limites
 
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escritoComo redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Biblioteca Escolar Ourique
 
Trabalho - Apresentações
Trabalho -   ApresentaçõesTrabalho -   Apresentações
Trabalho - Apresentações
EEB Francisco Mazzola
 
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
Vania Lima "Somos Físicos"
 
Traalho de quimica
Traalho de quimicaTraalho de quimica
Traalho de quimica
EEB Francisco Mazzola
 
Trabalho de química 2º ano - turma 201
Trabalho de química   2º ano - turma 201Trabalho de química   2º ano - turma 201
Trabalho de química 2º ano - turma 201
Lucas Carvalho
 
Tecnicas separação misturas
Tecnicas separação misturasTecnicas separação misturas
Tecnicas separação misturas
cbaratinha
 
Tecnicas de separacao de misturas
Tecnicas de separacao de misturasTecnicas de separacao de misturas
Tecnicas de separacao de misturas
Maria Dias
 
Aulão solidário 2015
Aulão solidário 2015Aulão solidário 2015
Aulão solidário 2015
Cláudio Santos
 
extraçao por solventes
extraçao por solventesextraçao por solventes
extraçao por solventes
EEB Francisco Mazzola
 
Capitulo 02 processo de separação de misturas
Capitulo 02   processo de separação de misturasCapitulo 02   processo de separação de misturas
Capitulo 02 processo de separação de misturas
Marcos França
 
Separação de Misturas
Separação de MisturasSeparação de Misturas
Separação de Misturas
lilliancosta
 
Separação de misturas 8ª série
Separação de misturas 8ª sérieSeparação de misturas 8ª série
Separação de misturas 8ª série
Colégio Cardeal Arcoverde
 
Como elaborar um trabalho escrito
Como elaborar um trabalho escritoComo elaborar um trabalho escrito
Como elaborar um trabalho escrito
colegio elite
 
2016 química - separação de misturas (3)
2016   química - separação de misturas (3)2016   química - separação de misturas (3)
2016 química - separação de misturas (3)
cezaoo
 

Destaque (20)

Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
 
Trabalho de quimica ensino médio
Trabalho de quimica ensino médioTrabalho de quimica ensino médio
Trabalho de quimica ensino médio
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escritoComo redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
 
Trabalho - Apresentações
Trabalho -   ApresentaçõesTrabalho -   Apresentações
Trabalho - Apresentações
 
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
 
Traalho de quimica
Traalho de quimicaTraalho de quimica
Traalho de quimica
 
Trabalho de química 2º ano - turma 201
Trabalho de química   2º ano - turma 201Trabalho de química   2º ano - turma 201
Trabalho de química 2º ano - turma 201
 
Tecnicas separação misturas
Tecnicas separação misturasTecnicas separação misturas
Tecnicas separação misturas
 
Tecnicas de separacao de misturas
Tecnicas de separacao de misturasTecnicas de separacao de misturas
Tecnicas de separacao de misturas
 
Aulão solidário 2015
Aulão solidário 2015Aulão solidário 2015
Aulão solidário 2015
 
extraçao por solventes
extraçao por solventesextraçao por solventes
extraçao por solventes
 
Capitulo 02 processo de separação de misturas
Capitulo 02   processo de separação de misturasCapitulo 02   processo de separação de misturas
Capitulo 02 processo de separação de misturas
 
Separação de Misturas
Separação de MisturasSeparação de Misturas
Separação de Misturas
 
Separação de misturas 8ª série
Separação de misturas 8ª sérieSeparação de misturas 8ª série
Separação de misturas 8ª série
 
Como elaborar um trabalho escrito
Como elaborar um trabalho escritoComo elaborar um trabalho escrito
Como elaborar um trabalho escrito
 
2016 química - separação de misturas (3)
2016   química - separação de misturas (3)2016   química - separação de misturas (3)
2016 química - separação de misturas (3)
 

Semelhante a Química trabalho sobre separação de misturas

Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
matheusrl98
 
Separacão de materiais
Separacão de materiaisSeparacão de materiais
Separacão de materiais
EEB Francisco Mazzola
 
Aula 2 - Separação de misturas
Aula 2 - Separação de misturasAula 2 - Separação de misturas
Aula 2 - Separação de misturas
profmauricioquimcia
 
Vidrarias de laboratório
Vidrarias de laboratórioVidrarias de laboratório
Vidrarias de laboratório
evelizebarbosa
 
8a SéRie SeparaçãO De Misturas
8a SéRie   SeparaçãO De Misturas8a SéRie   SeparaçãO De Misturas
8a SéRie SeparaçãO De Misturas
SESI 422 - Americana
 
Aula 1 parte 2
Aula 1 parte 2Aula 1 parte 2
Aula 1 parte 2
Andrea Marli Dos Santos
 
Separação de materiais!
Separação de materiais!Separação de materiais!
Separação de materiais!
EEB Francisco Mazzola
 
Unidade ii substâncias e misturas
Unidade ii   substâncias e misturasUnidade ii   substâncias e misturas
Unidade ii substâncias e misturas
Cristiano Franco
 
Métodos de separação fab
Métodos de separação fabMétodos de separação fab
Métodos de separação fab
EEB Francisco Mazzola
 
Separação de materiais!
Separação de materiais!Separação de materiais!
Separação de materiais!
EEB Francisco Mazzola
 
Ft métodos de separação
Ft   métodos de separaçãoFt   métodos de separação
Ft métodos de separação
ct-esma
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
Carlos Brito
 
Pp quimica 10 08_12
Pp quimica 10 08_12Pp quimica 10 08_12
Pp quimica 10 08_12
samuelrgrg
 
Novo trabalho de quimica
Novo trabalho de quimicaNovo trabalho de quimica
Novo trabalho de quimica
EEB Francisco Mazzola
 
Apresentação Separação de Misturas
Apresentação  Separação de MisturasApresentação  Separação de Misturas
Apresentação Separação de Misturas
MariaDahiana
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
Ezequias Guimaraes
 
Separacão de materiais
Separacão de materiaisSeparacão de materiais
Separacão de materiais
EEB Francisco Mazzola
 
Bruna
BrunaBruna
Bruna
BrunaBruna
Decantação
Decantação Decantação
Decantação
EEB Francisco Mazzola
 

Semelhante a Química trabalho sobre separação de misturas (20)

Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Separacão de materiais
Separacão de materiaisSeparacão de materiais
Separacão de materiais
 
Aula 2 - Separação de misturas
Aula 2 - Separação de misturasAula 2 - Separação de misturas
Aula 2 - Separação de misturas
 
Vidrarias de laboratório
Vidrarias de laboratórioVidrarias de laboratório
Vidrarias de laboratório
 
8a SéRie SeparaçãO De Misturas
8a SéRie   SeparaçãO De Misturas8a SéRie   SeparaçãO De Misturas
8a SéRie SeparaçãO De Misturas
 
Aula 1 parte 2
Aula 1 parte 2Aula 1 parte 2
Aula 1 parte 2
 
Separação de materiais!
Separação de materiais!Separação de materiais!
Separação de materiais!
 
Unidade ii substâncias e misturas
Unidade ii   substâncias e misturasUnidade ii   substâncias e misturas
Unidade ii substâncias e misturas
 
Métodos de separação fab
Métodos de separação fabMétodos de separação fab
Métodos de separação fab
 
Separação de materiais!
Separação de materiais!Separação de materiais!
Separação de materiais!
 
Ft métodos de separação
Ft   métodos de separaçãoFt   métodos de separação
Ft métodos de separação
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Pp quimica 10 08_12
Pp quimica 10 08_12Pp quimica 10 08_12
Pp quimica 10 08_12
 
Novo trabalho de quimica
Novo trabalho de quimicaNovo trabalho de quimica
Novo trabalho de quimica
 
Apresentação Separação de Misturas
Apresentação  Separação de MisturasApresentação  Separação de Misturas
Apresentação Separação de Misturas
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
 
Separacão de materiais
Separacão de materiaisSeparacão de materiais
Separacão de materiais
 
Bruna
BrunaBruna
Bruna
 
Bruna
BrunaBruna
Bruna
 
Decantação
Decantação Decantação
Decantação
 

Química trabalho sobre separação de misturas

  • 1. Universidade Estadual Vale do Acaraú Centro de Ciências Agrárias e Biológicas Curso de Zootecnia Química Geral Professor Kaires Braga Separação de misturas e suas vidrarias Ytamara da Silva Gomes
  • 2. Na química, a separação de misturas é muito importante, pois para obtermos resultados mais corretos em pesquisas e experiências é necessário que as substâncias químicas utilizadas sejam as mais puras possíveis. Para isso, utilizam- se vários métodos de separação. Para facilitar o processo de separação de uma mistura, deve-se observar primeiro, a própria mistura. Ela pode ser homogênea ou heterogênea. Na homogênea as misturas tem um aspecto comum, dando a impressão de que não é uma mistura. Na heterogênea nota-se claramente que se trata de duas ou mais substâncias, como por exemplo, água misturada com areia. Nas misturas homogêneas, deve-se aplicar primeiro métodos que envolvam fenômenos físicos. Nas misturas heterogêneas, devem-se separar as “fases” (os diferentes aspectos da mistura), e depois os mesmos métodos utilizados em substâncias homogêneas, pois cada fase poderá ter mais de uma substância. Sendo assim algumas misturas necessitam de mais do que um processo para a completa separação dos seus constituintes. Abaixo está a lista com alguns métodos utilizados para separação de misturas que serão explicados: Decantação Centrifugação Filtração Simples Filtração a Vácuo Dissolução Fracionada Evaporação Destilação Simples Destilação Fracionada Decantação A decantação é um processo de separação de misturas heterogêneas, principalmente de misturas compostas por líquidos imiscíveis (que não se misturam). O recipiente contendo as substâncias é inclinado, derramando a substância mais leve (que fica em cima), em outro recipiente. O processo mais eficiente é realizado com a utilização de um sifão ou com um funil de separação, também conhecido como funil de bromo. Sifonação: Sifonação é a transferência, através de uma mangueira, de um líquido em uma posição mais elevada para outra, num nível mais baixo. A mangueira é colocada de forma que fique uma ponta em um recipiente vazio, e a outra, no meio da substância mais leve no outro recipiente, como mostra a figura abaixo:
  • 3. Funil de bromo: O funil de bromo é um recipiente de vidro em forma de balão, com uma abertura em cima e uma torneira em baixo. A mistura dos líquidos imiscíveis é colocada no balão, e um béquer fica em baixo da torneira. A torneira é aberta, e o líquido mais denso (que fica em baixo) vai escorrer para o béquer através da torneira, como mostra a figura abaixo: Pode-se ainda usar o princípio da decantação para a separação de misturas de sólido com gás (câmara de poeira). A mistura atravessa um sistema em zigue-zague, o pó, sendo mais denso, se deposita pelo trajeto: Centrifugação É realizada para separar líquidos imiscíveis ou um líquido que contém um sólido insolúvel em suspensão. Neste processo a mistura é submetida a uma centrífuga dentro de tubos de ensaio. Esta máquina é ligada e começa a rotacionar de forma bem acelerada, fazendo rodar a mistura em alta velocidade, provocando a separação pela ação da força que é aplicada, do centro para fora, fazendo com que as partículas sólidas sejam depositadas no fundo. A separação dá-se devido às diferenças de densidades dos materiais.
  • 4. Filtração Filtração simples: Processo realizado para separação dos componentes de misturas heterogêneas sólido-líquidas. São utilizados funil, papel-filtro, e copo de béquer para reter o filtrado. O filtro é colocado no funil, a mistura atravessa o filtro no qual a substância sólida é retida e a fase líquida flui através do filtro que é retida no copo de béquer. Filtração a vácuo: Processo utilizado na separação dos componentes de uma mistura heterogênea sólido-líquido por meio de pressão negativa. São utilizados, funil de Buchner, bomba de vácuo ou trompa d’água. De acordo com sua finalidade, os filtros podem ser classificados como clarificadores, purificadores ou concentradores. Nos sistemas de filtros sob pressão, o líquido flui através do meio filtrante devido à diferença de pressão gerada. Nos sistemas de filtros de pressão negativa, estas são obtidas geralmente por meio de bombas de vácuo. Os clarificadores são empregados para remoção de pequenas quantidades de sólidos, deixando os líquidos límpidos. Os purificadores são processos que se destinam a retirar impurezas de gases, ar comprimido ou vapores. Já os concentradores atuam promovendo a separação parcial de borras fluidas em uma suspensão de sólidos contidos no líquido. Evaporação Método de separação de misturas sólido-líquido por evaporação do solvente, também conhecido como cristalização. Em recipiente aberto, simplesmente permite-se que o solvente evapore, deixando o sólido. Nas salinas, o sal é obtido a partir da água do mar através deste processo.
  • 5. Destilação simples A destilação simples serve para a separação de uma mistura homogênea de sólido com líquido. É importante que os pontos de ebulição das duas substâncias sejam bastante diferentes. A solução é colocada em um balão de destilação, feito de vidro com fundo redondo e plano, que é esquentado por uma chama. A boca do balão é tampada com uma rolha, junto com um termômetro. O balão possui uma saída lateral, inclinada para baixo, na sua parte superior. Nessa saída é acoplado o condensador. O condensador é formado por um duto interno, onde em volta desse duto passa água fria corrente. Esse duto desemboca em um béquer ou erlenmeyer. A solução no balão é esquentada, até que o líquido com menor ponto de ebulição comece a evaporar. Ao evaporar, ele só tem o condensador como caminho a seguir. As paredes do condensador são frias, pois a sua volta passa água fria. Ao entrar em contato com essas paredes frias, o vapor se condensa, retornando ao estado líquido. Após algum tempo, todo o líquido de menor ponto de ebulição terá passado para o béquer, e sobrará a outra substância, sólida, no balão de vidro. Destilação Fracionada A destilação fracionada serve para separar uma mistura homogênea composta por dois líquidos, com pontos de ebulição diferentes. O aparato de destilação fracionada é constituído por um balão de vidro com fundo plano, que é aquecido por uma chama. Nesse balão está a mistura homogênea. Na boca do balão está presa uma coluna de fracionamento, com bolinhas de vidro no seu fundo (geralmente). No topo da coluna de fracionamento está um termômetro, e na lateral, há uma saída para um condensador. O condensador é feito por um tubo interior, que será envolvido externamente por água fria. Ao final do condensador está um béquer. No balão de vidro é colocada a mistura. Ao ser aquecido, a substância de menor ponto de ebulição irá evaporar, e logo em seguida, a outra substância vai evaporar também. Porém, ao encostar-se às bolinhas da coluna de fracionamento, a primeira substância vai condensar, voltando para o balão, e a outra substância continuará subindo, até encontrar o condensador. O termômetro serve para manter uma temperatura constante, um pouco acima do maior ponto de ebulição. Ao final do processo, o béquer conterá o líquido mais volátil, e o balão de vidro terá o líquido menos volátil.
  • 6. Dissolução fracionada Dissolução Fracionada é uma técnica ou método de processo de separação para separar misturas heterogêneas de dois ou mais sólidos, quando apenas um dos componentes se dissolve em um dado solvente. Exemplo: Temos uma mistura de sal mais areia e a ela adicionamos água aonde somente o sal irá se dissolver. Portanto, temos solução salina mais areia, uma mistura ou sistema heterogêneo, na qual em seguida será feita a filtração sendo a areia retida no papel de filtro. O filtrado, no caso a solução salina, passará por processo de evaporação ou destilação simples, isto é, a água líquida passará para o estado gasoso e o sal permanece no fundo do balão de destilação ou outro recipiente. Vidrarias Balão de fundo chato: Para armazenar, preparar, aquecer ou recolher soluções. Podem ser de vidro transparente ou âmbar. Erlenmeyer: Serve para recolher frações de materiais destilados ou para conter misturas que serão homogeneizadas.
  • 7. Béquer: Resistem ao aquecimento, resfriamento e ataques de produtos químicos, com escala de pouca precisão. Funil de vidro: Empregado para transferir líquidos e para apoiar o papel de filtro. Tubos de ensaio: Recipientes de vidro onde ocorrem reações e análises. Também utilizados para coleta de amostras em pequena quantidade. Condensadores: São colunas de vidro com tamanho variável entre 10 cm e 1,7 metros, dentro das quais existem tubos em forma reta, espiral ou bolas sequenciais. São utilizados em destilações. Bastão ou baqueta: é um bastão maciço de vidro. Serve para agitar e facilitar as dissoluções ou manter massas líquidas em constante movimento. Proveta ou cilindro graduado: Serve para medição precisa de volumes maiores de líquidos.
  • 8. Bureta: Serve para determinar pequenos volumes de reagentes com precisão. Pode ser de vidro ou de polietileno. Pipetas: Utilizadas para medir e transferir mínimas quantidades de líquidos com precisão. Podem ser graduadas ou volumétricas. Balão volumétrico com saída lateral: Empregado na ebulição de líquidos em pequenas destilações. Bico de Bunsen: Aquecedor a gás com chama de temperatura variável, de acordo com a regulagem.
  • 9. Cadinho ou cápsula de porcelana: É usada em evaporação ou secagem e pode ser levada ao fogo sobre tela de amianto. Suporte universal, garra e pinças de fixação: Usados para segurar e sustentar vidrarias, como balões e condensadores, entre outros. Tripé de ferro: Usado como apoio para tela de amianto e outros objetos a serem aquecidos. Tela de amianto: suporte para as peças a serem aquecidas. A função do amianto é distribuir uniformemente o calor recebido pela chama do bico de Bunsen.
  • 10. Estante para tubos de ensaio: É utilizado para apoiar tubos de ensaio. Funil de Buchner: Usado em filtrações a vácuo, pode substituir os cadinhos de Gooch. Kitassato: Recipiente de vidro com paredes super-reforçadas e indicado para filtrações a vácuo. Funil de separação: Utilizado na separação de misturas de líquidos imiscíveis. Também pode ser chamado funil de decantação ou funil de bromo. Pisseta: Deve conter solventes, água ou soluções de sabões e é utilizada para efetuar lavagens de outras vidrarias.