SlideShare uma empresa Scribd logo
Projeto juventude ppt_uemg (1)
JUVENTUDE E O DIREITO À CIDADE
TEIXEIRA, Maria Antonieta¹
Síntese: Juventude e o direito à cidade é um projeto de pesquisa, financiado pela UEMG/PAPq 2016 que
busca compreender, a partir da análise do documento do Fórum da Juventude de Cláudio/MG, como se
estabelece a relação jovens e a cidade, bem como a compreensão dessas categorias podem ampliar ou
limitar os direitos sociais. Duas questões estruturadoras Juventude de Cláudio: o quê o Município pode
lhe oferecer? e Juventude de Cláudio: o que você pode oferecer? revelaram o entendimento dos jovens
sobre a vida que levam, a formação que recebem e a cidade em que vivem. A literatura recente aborda
as temáticas propostas de forma isolada. Por um lado, a juventude é tratada sob o viés geracional ou na
perspectiva classista, bem como sobre a diversidade, especialmente gênero e raça. Por outro lado, o
direito à cidade remete à crítica da ordem urbana capitalista, pois o direito à cidade deve ser formulado
como direito à vida urbana renovada como um lugar de encontro. Não como espaço que segrega. O
desafio de articular a compreensão da juventude e o direito à cidade implica em (re)pensar sobre os
processos, agentes e lugares de socialização que in(de)formam a autonomia dos jovens. Acredita-se que
a reflexão oriunda da relação do jovem com sua cidade possibilita trazer o jovem para o lugar de
protagonista, como sujeito social que constrói seu modo de ser.
Palavras-chave: Cidadania; direitos sociais; educação; socialização.
1 maria.teixeira@uemg.br. Professora UEMG Unidades Cláudio e Divinópolis.
INTRODUÇÃO
A pesquisa busca contribuir com os estudos sobre a juventude e sua relação com a cidade a partir da análise do processo do Fórum da
Juventude, realizado em Cláudio/MG, no ano de 2014, pela rede intersetorial de políticas sociais do município, aqui denominada Rede. Aos
jovens participantes, foi dada a oportunidade de expressarem-se a partir de duas questões estruturadoras: Juventude de Cláudio: o que o
Município pode lhe oferecer? e Juventude de Cláudio: o que você pode oferecer?
O Fórum da Juventude foi realizado como estratégia de aproximação com as juventudes locais envolvidas com atos infracionais ocorridos no
município, considerando a divergência das possíveis intervenções públicas que oscilavam entre ações punitivas em defesa da ordem ou o
investimento em ações preventivas. A Rede, frente ao desafio de pensar sobre a questão da violência local e ainda sensível à recente
experiência da revisão do Plano Diretor Participativo de Cláudio (2015), percebe a necessidade de identificar os anseios dos jovens em relação
a sua cidade, como lócus de sociabilidade e de vínculos.
A literatura recente aborda as temáticas propostas de forma isolada. Por um lado, a juventude é tratada sob o viés geracional ou na
perspectiva classista, bem como sobre a diversidade, especialmente gênero e raça. (DAYRELL, 2003; DAYRELL & GOMES, 2008; PAIS, 1990;
PERALVA, 1997; TOMAZ, 2015) Importa esclarecer que, nesta reflexão, a categoria juventude refere-se ao momento posterior à infância,
envolvendo a adolescência e a juventude propriamente dita (ABRAMO, 1997). Cumpre acrescentar como elemento relevante para o
entendimento do fenômeno contemporâneo da juventude, o chamado alargamento da juventude baseado em ideais estetizados na figura
jovem, tanto com a juvenilização da infância ou com a teenaginazação dos adultos. Os chamados tweens que informam a juventude como
construção social (TOMAZ, 2015).
Por outro lado, o direito à cidade remete à crítica da ordem urbana capitalista elaborada por Lefebvre (2001), pois o direito à cidade “só pode
ser formulado como direito à vida urbana, transformada, renovada [...] lugar de encontro”. Não como espaço que segrega. Além disso, o
direito à cidade deve preservar o espaço como valor de uso e não de troca. A produção do espaço não deve estar subordinada aos circuitos
capitalistas, como mercadoria. “A proclamação e a realização da vida urbana como reino do uso (da troca e do encontro separados do valor
de troca [...]” (LEFEBVRE, 2001, p.139). O pensamento lefebvriano é utópico e inspirador ao sugerir vencer a produção do espaço urbano sob
o domínio econômico.
O direito à cidade integra a literatura científica, desde então (Fernandes, 2013), (Saulo Junior, 2005), (Harvey, 2012), (Maricato, 2006),
(Trindade, 2012), além de ser incorporado como bandeira dos movimentos políticos e sociais, notadamente no V Fórum Urbano Mundial, que
discutiu “Levando Adiante o Direito à Cidade” (ONU Brasil, 2001). Trindade (2012) propõe compreender a noção de direito à cidade sob dois
enfoques: em termos legais, o direito à cidade se justifica na perspectiva da função social da propriedade e, em segundo, um debate teórico
que possibilita a compreensão do direito à cidade como direito social e cidadania.
O desafio de articular a compreensão da juventude e o direito à cidade implica em (re)pensar sobre os processos, agentes e lugares de
socialização que in(de)formam a autonomia dos jovens. Assim, cabe perguntar: O que significa pensar a relação juventude e cidade? Quem
são os jovens de Cláudio? É no sentido de responder esses questionamentos que a interlocução com a Universidade se faz necessária e a
pesquisa se justifica! Acredita-se que a reflexão oriunda da relação do jovem com sua cidade possibilita trazer o jovem para o lugar de
protagonista, como sujeito social que constrói seu modo de ser (DAYRELL, 2003) e exerce sua cidadania. Como bem afirma Freire (2003): a
cidade somos nós e nós somos a cidade!
MÉTODOS
A pesquisa, de natureza qualitativa, busca compreender o processo de
realização do Fórum da Juventude Cláudio, tendo como objeto de pesquisa o
documento síntese do evento de 2014. Para tanto, foi adotada a análise de
conteúdo (BARDIN, 1977), compreendida como um conjunto de técnicas de
pesquisa que buscam o sentido ou interpretação de um documento. Ressalta-
se a importância de o esforço hermenêutico considerar o contexto social e
histórico em que foram produzidas as comunicações. Além disso, a análise de
conteúdo tem por finalidade a produção de inferências. O ato de inferir
significa a realização de uma operação lógica, pela qual se admite uma
proposição em virtude de sua ligação com outras proposições já aceitas,
permitindo a definição de categorias analíticas das representações da
realidade juvenil: educação, cultura, violência, cidade etc. Entrevistas
semiestruturadas estão sendo realizadas com os atores sociais envolvidos nos
processos, bem como observação das reuniões da Rede. Além disso, o uso de
word cloud será associado como método heurístico de análise, bem como de
apresentação e visualização das respostas dos jovens.
RESULTADOS
As análises iniciais referem-se à questão proposta
Juventude de Cláudio: o que você pode oferecer? à cidade
e revelam algumas categorias que permitem identificar as
representações dos jovens de Cláudio em relação à
socialização, participação, à prática do voluntariado e ao
cuidado com o patrimônio e à consciência ambiental.
Importa salientar a expressiva réplica dos jovens: não
posso fazer nada frente ao questionamento. As nuvens
revelam a frequência de palavras geradoras das
categorias, como demonstra a FIG. 1:
FIGURA 1: Juventude de Cláudio: o que você pode oferecer? à sua cidade
Fonte: Fórum da Juventude 2014 – Cláudio/MG
DISCUSSÃO
Os resultados parciais sugerem que, em Cláudio, o processo socializador liderado pelas instituições
escolares promove comportamentos baseados na moralidade e na obediência, haja vista a frequência
dos termos respeitar, obedecer e ajudar (os idosos, os professores, aos pais, autoridades, o próximo, o
funcionário público)., pilares da ordem. É possível observar vínculos religiosos entre os jovens,
expressos na forma de “ir mais à igreja” e “ajudar a terminar a obra da igreja” ou nas várias citações dos
mandamentos divinos como “não roubar” e “não matar”. Em meio ao contraditório “respeitar os
adultos” e “agir como os adultos”, os jovens revelam o quanto seu processo de formação tem sido
repressivo: a palavra “não” aparece repetidamente em diferentes situações, como “Não desperdiçar
energia”, “não usar drogas”, “não ser vândalo” ou “Não desfazer coisas que a prefeitura faz” a despeito
da possibilidade de educar pela via da positividade. É possível afirmar que a escola exerce um controle
social sobre os alunos, inculcando valores e normas que alimentam um habitus local, especialmente em
relação ao costume de “ajudar o próximo”, fazer “trabalho voluntário e “doações”, que reforça práticas
tradicionais de caridade e fragiliza o fortalecimento das políticas públicas. Por outro lado, os jovens
manifestaram firmemente o desejo de “participar” na “melhoria da cidade” e “das reuniões da
comunidade e dos movimentos”, bem como apresentando “ideias para melhorar o município”, dando
“opinião a respeito da política”, procurando “saber em quem votar” e cobrando “das autoridades”.
“Lutar para o que é preciso na cidade” e “tomar atitude” anunciam o protagonista juvenil que precisa
ser estimulado. Além disso, a demonstração de compartilhar habilidades e gostos como forma de agir
na e para a cidade: “praticar esporte” e “Incentivar as outras pessoas a praticar esportes”, oferecer
“meu conhecimento sobre música para as pessoas” ou “Aula de jiu-jitsu”. O jovem aprende que “precisa
estudar” e se preparar para o futuro.
CONCLUSÃO
O processo de socialização secundária da juventude
claudiense apresenta tendência conservadora e moralista.
A educação, ante o desafio contemporâneo de adaptar ou
emancipar, privilegia uma formação para a heteronomia e que
desconsidera as mudanças e a preparação para enfrentá-las.
A concepção geracional de juventude permanece em
detrimento da autonomia do jovem como ser social, sujeito
de direitos.
Os cidadãos jovens não se apropriam da cidade como espaço
de pertencimento e socialmente construído.
REFERÊNCIAS
ABRAMO, Helena W. Considerações sobre a tematização social da juventude no Brasil. Revista Brasileira de Educação. Mai/Jun/Jul/Ago 1997 N º 5 Set/Out/Nov/Dez 1997
BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977
DAYRELL, Juarez. O jovem como sujeito social. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 24, p.40-53, set/out/nov/dez 2003
DAYRELL, Juarez e GOMES, Nilma Lino. Juventude no Brasil: questões e desafios. 2008 mimeo.
FERNANDES, Edésio. ESTATUTO DA CIDADE, MAIS DE 10 ANOS DEPOIS: razão de descrença, ou razão de otimismo? rev. ufmg, belo horizonte, v. 20, n.1, p.212-233, jan./jun.
2013
FREIRE, Paulo. Política e educação: ensaios. São Paulo, Cortez, 2003. Coleção Questões de nossa época; v.23
HARVEY, David. O direito à cidade. Lutas Sociais, São Paulo, n.29, p.73-89, jul./dez. 2012.
LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. Editora Centauro. SP. 2001
MARICATO, Ermínia. O Ministério das Cidades e a Política Nacional de Desenvolvimento Urbano.
Ipea. Políticas sociais - acompanhamento e análise. 12. fev. 2006
PAIS, José Machado. A construção sociológica da juventude – alguns contributos. Análise Social, vol. XXV (105-106), 1990
PERALVA, Angelina, (1997). O jovem como modelo cultural. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, ANPEd, no 5/6.
SAULO JUNIOR, Nelson. O Direito à Cidade como paradigma da governança urbana democrática. Disponível em http://www.polis.org.br/uploads/750/750.pdf 2005. Acesso
em 21/09/2016.
SILVA, Tarcísio. O que se esconde por trás de uma nuvem de palavras.http://tarciziosilva.com.br/blog/o-que-se-esconde-por-tras-de-uma-nuvem-de-palavras/ Acesso em
16/11/2016.
ONU BRASIL. V Fórum Social Mundial. Disponível em http://forumsocialportoalegre.org.br/forum-social-mundial/ 2001 Acesso em 21/09/2016.
TOMAZ, Renata. A criação da pré-adolescência. Uma discussão sobre a juvenilização da infância. 39º Encontro Anual da Anpocs GT 36 – Sociologia da adolescência e da
Juventude. Caxambu/MG. 2015.
TRINDADE. Thiago Aparecido. Direitos e cidadania: reflexões sobre o direito à cidade. Lua Nova. SP. n. 87. p. 139-165. 2012

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A cultura e a cooperação como ferramentas de aprendizagem e de inserção social
A cultura e a cooperação como ferramentas de aprendizagem e de inserção socialA cultura e a cooperação como ferramentas de aprendizagem e de inserção social
A cultura e a cooperação como ferramentas de aprendizagem e de inserção social
Mário Cruz
 
Diversidade, cidadania e direitos
Diversidade, cidadania e direitosDiversidade, cidadania e direitos
Diversidade, cidadania e direitos
Andréa Kochhann
 
PROJETO BETINHO: EMPREENDEDORISMO SOCIAL E PROTAGONISMO JUVENIL
PROJETO BETINHO: EMPREENDEDORISMO SOCIAL E PROTAGONISMO JUVENILPROJETO BETINHO: EMPREENDEDORISMO SOCIAL E PROTAGONISMO JUVENIL
PROJETO BETINHO: EMPREENDEDORISMO SOCIAL E PROTAGONISMO JUVENIL
Edenilson Morais
 
Capital social
Capital socialCapital social
Capital social
Bianca Pulice
 
(1 12 2009 09 26 33) artigo (1)
(1 12 2009 09 26 33) artigo (1)(1 12 2009 09 26 33) artigo (1)
(1 12 2009 09 26 33) artigo (1)
Kamila Santos
 
Conselhos de Juventude: Espaço de Participação Juvenil
Conselhos de Juventude: Espaço de Participação JuvenilConselhos de Juventude: Espaço de Participação Juvenil
Conselhos de Juventude: Espaço de Participação Juvenil
Aniervson Santos
 
Licere V10 N03 A3
Licere V10 N03 A3Licere V10 N03 A3
Licere V10 N03 A3
guest7fe715
 
Civismo?
Civismo?Civismo?
Civismo?
Francisco Gomes
 
Pcn história
Pcn históriaPcn história
Pcn história
Eduardo Mariño Rial
 
Congresso
CongressoCongresso
Congresso
Emile Froes
 
Cidadania e diversidade af 4
Cidadania e diversidade af 4Cidadania e diversidade af 4
Cidadania e diversidade af 4
bbetocosta77
 
Projeto Ser Um Mano
Projeto Ser Um ManoProjeto Ser Um Mano
Projeto Ser Um Mano
Alexandra Machado Costa
 
Aula2 Participação nas Políticas
Aula2 Participação nas PolíticasAula2 Participação nas Políticas
Aula2 Participação nas Políticas
eadcedaps
 
Escola e comunidade
Escola e comunidadeEscola e comunidade
Escola e comunidade
Vagner Machado
 
Etica e cidadania
Etica e cidadaniaEtica e cidadania
Etica e cidadania
Alex Alecrim
 
Campanha da Fraternidade 2013 apresentacao-dom-eduardo
Campanha da Fraternidade 2013 apresentacao-dom-eduardoCampanha da Fraternidade 2013 apresentacao-dom-eduardo
Campanha da Fraternidade 2013 apresentacao-dom-eduardo
Bernadetecebs .
 
Aula2 Participação nas Políticas
Aula2 Participação nas PolíticasAula2 Participação nas Políticas
Aula2 Participação nas Políticas
eadcedaps
 
Workshop sobre la definicion de trabajo social
Workshop sobre la definicion de trabajo socialWorkshop sobre la definicion de trabajo social
Workshop sobre la definicion de trabajo social
Igui
 

Mais procurados (18)

A cultura e a cooperação como ferramentas de aprendizagem e de inserção social
A cultura e a cooperação como ferramentas de aprendizagem e de inserção socialA cultura e a cooperação como ferramentas de aprendizagem e de inserção social
A cultura e a cooperação como ferramentas de aprendizagem e de inserção social
 
Diversidade, cidadania e direitos
Diversidade, cidadania e direitosDiversidade, cidadania e direitos
Diversidade, cidadania e direitos
 
PROJETO BETINHO: EMPREENDEDORISMO SOCIAL E PROTAGONISMO JUVENIL
PROJETO BETINHO: EMPREENDEDORISMO SOCIAL E PROTAGONISMO JUVENILPROJETO BETINHO: EMPREENDEDORISMO SOCIAL E PROTAGONISMO JUVENIL
PROJETO BETINHO: EMPREENDEDORISMO SOCIAL E PROTAGONISMO JUVENIL
 
Capital social
Capital socialCapital social
Capital social
 
(1 12 2009 09 26 33) artigo (1)
(1 12 2009 09 26 33) artigo (1)(1 12 2009 09 26 33) artigo (1)
(1 12 2009 09 26 33) artigo (1)
 
Conselhos de Juventude: Espaço de Participação Juvenil
Conselhos de Juventude: Espaço de Participação JuvenilConselhos de Juventude: Espaço de Participação Juvenil
Conselhos de Juventude: Espaço de Participação Juvenil
 
Licere V10 N03 A3
Licere V10 N03 A3Licere V10 N03 A3
Licere V10 N03 A3
 
Civismo?
Civismo?Civismo?
Civismo?
 
Pcn história
Pcn históriaPcn história
Pcn história
 
Congresso
CongressoCongresso
Congresso
 
Cidadania e diversidade af 4
Cidadania e diversidade af 4Cidadania e diversidade af 4
Cidadania e diversidade af 4
 
Projeto Ser Um Mano
Projeto Ser Um ManoProjeto Ser Um Mano
Projeto Ser Um Mano
 
Aula2 Participação nas Políticas
Aula2 Participação nas PolíticasAula2 Participação nas Políticas
Aula2 Participação nas Políticas
 
Escola e comunidade
Escola e comunidadeEscola e comunidade
Escola e comunidade
 
Etica e cidadania
Etica e cidadaniaEtica e cidadania
Etica e cidadania
 
Campanha da Fraternidade 2013 apresentacao-dom-eduardo
Campanha da Fraternidade 2013 apresentacao-dom-eduardoCampanha da Fraternidade 2013 apresentacao-dom-eduardo
Campanha da Fraternidade 2013 apresentacao-dom-eduardo
 
Aula2 Participação nas Políticas
Aula2 Participação nas PolíticasAula2 Participação nas Políticas
Aula2 Participação nas Políticas
 
Workshop sobre la definicion de trabajo social
Workshop sobre la definicion de trabajo socialWorkshop sobre la definicion de trabajo social
Workshop sobre la definicion de trabajo social
 

Destaque

M7 Unit 4B Study Guide - Area, Surface Area, Volume
M7 Unit 4B Study Guide - Area, Surface Area, VolumeM7 Unit 4B Study Guide - Area, Surface Area, Volume
M7 Unit 4B Study Guide - Area, Surface Area, Volume
cssyork
 
Brand awareness Case Study
Brand awareness Case Study Brand awareness Case Study
Brand awareness Case Study
Will Sharick
 
Choque eletrico
Choque eletricoChoque eletrico
Choque eletrico
RenataFaisca
 
Menumbuhan iklim usaha umkm
Menumbuhan iklim usaha umkmMenumbuhan iklim usaha umkm
Menumbuhan iklim usaha umkm
Wahono Diphayana
 
Memoria Virtual
Memoria VirtualMemoria Virtual
Memoria Virtual
Danianny Verónica Senju
 
Pengembangan usaha umkm
Pengembangan usaha umkmPengembangan usaha umkm
Pengembangan usaha umkm
Wahono Diphayana
 
Pemberdayaan umkm
Pemberdayaan umkmPemberdayaan umkm
Pemberdayaan umkm
Wahono Diphayana
 
FDI.for.Myanmar.1.2.3.article.by.zarni gyi.2017
FDI.for.Myanmar.1.2.3.article.by.zarni gyi.2017FDI.for.Myanmar.1.2.3.article.by.zarni gyi.2017
FDI.for.Myanmar.1.2.3.article.by.zarni gyi.2017
Zarni Gyi
 
CJ Assignment
CJ AssignmentCJ Assignment
CJ Assignment
Christina Olet
 
Clase grupo-familiar-sin-amo-enero
Clase grupo-familiar-sin-amo-eneroClase grupo-familiar-sin-amo-enero
Clase grupo-familiar-sin-amo-enero
YESENIA SANCHEZ
 
Encontro de Personal Organizer Nordeste - Fortaleza
Encontro de Personal Organizer Nordeste - FortalezaEncontro de Personal Organizer Nordeste - Fortaleza
Encontro de Personal Organizer Nordeste - Fortaleza
Kalinka Carvalho
 
Seguridad y proteccion en Sistemas Operativos
Seguridad y proteccion en Sistemas OperativosSeguridad y proteccion en Sistemas Operativos
Seguridad y proteccion en Sistemas Operativos
Danianny Verónica Senju
 
Capítulo 1 - História, tempo e cultura
Capítulo 1 - História, tempo e culturaCapítulo 1 - História, tempo e cultura
Capítulo 1 - História, tempo e cultura
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Instalando o windows 7
Instalando o windows 7Instalando o windows 7
Instalando o windows 7
Roney Sousa
 
Sociedade em Rede
Sociedade em RedeSociedade em Rede
Sociedade em Rede
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Pembiayaan, penjaminan & kemitraan UMKM
Pembiayaan, penjaminan & kemitraan UMKMPembiayaan, penjaminan & kemitraan UMKM
Pembiayaan, penjaminan & kemitraan UMKM
Wahono Diphayana
 
Introduccion a la estadistica
Introduccion a la estadisticaIntroduccion a la estadistica
Introduccion a la estadistica
Eunice Ramos
 
Uma reflexão sobre a sexualidade dos adolescentes
Uma reflexão sobre a sexualidade dos adolescentesUma reflexão sobre a sexualidade dos adolescentes
Uma reflexão sobre a sexualidade dos adolescentes
erlonmoreira
 
Apresentaçao Renata Menasche cba agroecologia 2013
Apresentaçao  Renata Menasche   cba agroecologia 2013Apresentaçao  Renata Menasche   cba agroecologia 2013
Apresentaçao Renata Menasche cba agroecologia 2013
Agroecologia
 
A teoria vivida e outros ensaios de antropologia
A teoria vivida e outros ensaios de antropologiaA teoria vivida e outros ensaios de antropologia
A teoria vivida e outros ensaios de antropologia
César Augusto de Oliveira
 

Destaque (20)

M7 Unit 4B Study Guide - Area, Surface Area, Volume
M7 Unit 4B Study Guide - Area, Surface Area, VolumeM7 Unit 4B Study Guide - Area, Surface Area, Volume
M7 Unit 4B Study Guide - Area, Surface Area, Volume
 
Brand awareness Case Study
Brand awareness Case Study Brand awareness Case Study
Brand awareness Case Study
 
Choque eletrico
Choque eletricoChoque eletrico
Choque eletrico
 
Menumbuhan iklim usaha umkm
Menumbuhan iklim usaha umkmMenumbuhan iklim usaha umkm
Menumbuhan iklim usaha umkm
 
Memoria Virtual
Memoria VirtualMemoria Virtual
Memoria Virtual
 
Pengembangan usaha umkm
Pengembangan usaha umkmPengembangan usaha umkm
Pengembangan usaha umkm
 
Pemberdayaan umkm
Pemberdayaan umkmPemberdayaan umkm
Pemberdayaan umkm
 
FDI.for.Myanmar.1.2.3.article.by.zarni gyi.2017
FDI.for.Myanmar.1.2.3.article.by.zarni gyi.2017FDI.for.Myanmar.1.2.3.article.by.zarni gyi.2017
FDI.for.Myanmar.1.2.3.article.by.zarni gyi.2017
 
CJ Assignment
CJ AssignmentCJ Assignment
CJ Assignment
 
Clase grupo-familiar-sin-amo-enero
Clase grupo-familiar-sin-amo-eneroClase grupo-familiar-sin-amo-enero
Clase grupo-familiar-sin-amo-enero
 
Encontro de Personal Organizer Nordeste - Fortaleza
Encontro de Personal Organizer Nordeste - FortalezaEncontro de Personal Organizer Nordeste - Fortaleza
Encontro de Personal Organizer Nordeste - Fortaleza
 
Seguridad y proteccion en Sistemas Operativos
Seguridad y proteccion en Sistemas OperativosSeguridad y proteccion en Sistemas Operativos
Seguridad y proteccion en Sistemas Operativos
 
Capítulo 1 - História, tempo e cultura
Capítulo 1 - História, tempo e culturaCapítulo 1 - História, tempo e cultura
Capítulo 1 - História, tempo e cultura
 
Instalando o windows 7
Instalando o windows 7Instalando o windows 7
Instalando o windows 7
 
Sociedade em Rede
Sociedade em RedeSociedade em Rede
Sociedade em Rede
 
Pembiayaan, penjaminan & kemitraan UMKM
Pembiayaan, penjaminan & kemitraan UMKMPembiayaan, penjaminan & kemitraan UMKM
Pembiayaan, penjaminan & kemitraan UMKM
 
Introduccion a la estadistica
Introduccion a la estadisticaIntroduccion a la estadistica
Introduccion a la estadistica
 
Uma reflexão sobre a sexualidade dos adolescentes
Uma reflexão sobre a sexualidade dos adolescentesUma reflexão sobre a sexualidade dos adolescentes
Uma reflexão sobre a sexualidade dos adolescentes
 
Apresentaçao Renata Menasche cba agroecologia 2013
Apresentaçao  Renata Menasche   cba agroecologia 2013Apresentaçao  Renata Menasche   cba agroecologia 2013
Apresentaçao Renata Menasche cba agroecologia 2013
 
A teoria vivida e outros ensaios de antropologia
A teoria vivida e outros ensaios de antropologiaA teoria vivida e outros ensaios de antropologia
A teoria vivida e outros ensaios de antropologia
 

Semelhante a Projeto juventude ppt_uemg (1)

A Escola na Cidade que Educa
A Escola na Cidade que EducaA Escola na Cidade que Educa
A Escola na Cidade que Educa
Denise Vilardo
 
3 texto correto ciso 2012 otavio luiz machado múltiplas juventudes protestos ...
3 texto correto ciso 2012 otavio luiz machado múltiplas juventudes protestos ...3 texto correto ciso 2012 otavio luiz machado múltiplas juventudes protestos ...
3 texto correto ciso 2012 otavio luiz machado múltiplas juventudes protestos ...
Otavio Luiz Machado
 
Texto sobre protestos públicos em Recife
Texto sobre protestos públicos em RecifeTexto sobre protestos públicos em Recife
Texto sobre protestos públicos em Recife
Otavio Luiz Machado
 
Texto correto ciso 2012 otávio luiz machado gt19 08
Texto correto ciso 2012 otávio luiz machado gt19 08Texto correto ciso 2012 otávio luiz machado gt19 08
Texto correto ciso 2012 otávio luiz machado gt19 08
otaviomachado3
 
Os movimentos Sociais em Parauapebas
Os movimentos  Sociais em ParauapebasOs movimentos  Sociais em Parauapebas
Os movimentos Sociais em Parauapebas
Adilson P Motta Motta
 
Pluralidade Cultural e Etnia
Pluralidade Cultural e EtniaPluralidade Cultural e Etnia
Pluralidade Cultural e Etnia
Welton Castro
 
Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012
Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012
Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
Biblioteca Campus VII
 
Slideaula gleiva
Slideaula gleivaSlideaula gleiva
Slideaula gleiva
Gleiva Giuvannucci
 
Conselhos de juventude espaço de participação juvenil
Conselhos de juventude espaço de participação juvenilConselhos de juventude espaço de participação juvenil
Conselhos de juventude espaço de participação juvenil
Adrielle Saldanha
 
Texto a Pluralidade das Juventudes Militantes no Recife, de Otávio Luiz Macha...
Texto a Pluralidade das Juventudes Militantes no Recife, de Otávio Luiz Macha...Texto a Pluralidade das Juventudes Militantes no Recife, de Otávio Luiz Macha...
Texto a Pluralidade das Juventudes Militantes no Recife, de Otávio Luiz Macha...
Otavio Luiz Machado
 
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidadeMovimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
Gracy Garcia
 
O terceiro setor em favelas do Rio de Janeiro
O terceiro setor em favelas do Rio de JaneiroO terceiro setor em favelas do Rio de Janeiro
O terceiro setor em favelas do Rio de Janeiro
Favela é isso aí
 
Jovens na cidade
Jovens na cidade Jovens na cidade
Jovens na cidade
Andréia De Bernardi
 
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidadeMovimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
Gracy Garcia
 
A sociedade da informação e o novo paradigma de construção de aprendizagens s...
A sociedade da informação e o novo paradigma de construção de aprendizagens s...A sociedade da informação e o novo paradigma de construção de aprendizagens s...
A sociedade da informação e o novo paradigma de construção de aprendizagens s...
Happy family
 
União da juventude do campo e cidade
União da juventude do campo e  cidadeUnião da juventude do campo e  cidade
União da juventude do campo e cidade
Adilson P Motta Motta
 
Tcc de yuri kieling gama na ufsc em 2011
Tcc de yuri kieling gama na ufsc em 2011Tcc de yuri kieling gama na ufsc em 2011
Tcc de yuri kieling gama na ufsc em 2011
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Jovens da periferia de salvador os bondes
Jovens da periferia de salvador   os bondesJovens da periferia de salvador   os bondes
Jovens da periferia de salvador os bondes
Fernando Sousa
 
Roda de planejamento fase 2 de março 2013
Roda de planejamento fase 2 de março  2013Roda de planejamento fase 2 de março  2013
Roda de planejamento fase 2 de março 2013
Rozario Mota
 

Semelhante a Projeto juventude ppt_uemg (1) (20)

A Escola na Cidade que Educa
A Escola na Cidade que EducaA Escola na Cidade que Educa
A Escola na Cidade que Educa
 
3 texto correto ciso 2012 otavio luiz machado múltiplas juventudes protestos ...
3 texto correto ciso 2012 otavio luiz machado múltiplas juventudes protestos ...3 texto correto ciso 2012 otavio luiz machado múltiplas juventudes protestos ...
3 texto correto ciso 2012 otavio luiz machado múltiplas juventudes protestos ...
 
Texto sobre protestos públicos em Recife
Texto sobre protestos públicos em RecifeTexto sobre protestos públicos em Recife
Texto sobre protestos públicos em Recife
 
Texto correto ciso 2012 otávio luiz machado gt19 08
Texto correto ciso 2012 otávio luiz machado gt19 08Texto correto ciso 2012 otávio luiz machado gt19 08
Texto correto ciso 2012 otávio luiz machado gt19 08
 
Os movimentos Sociais em Parauapebas
Os movimentos  Sociais em ParauapebasOs movimentos  Sociais em Parauapebas
Os movimentos Sociais em Parauapebas
 
Pluralidade Cultural e Etnia
Pluralidade Cultural e EtniaPluralidade Cultural e Etnia
Pluralidade Cultural e Etnia
 
Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012
Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012
Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012
 
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
 
Slideaula gleiva
Slideaula gleivaSlideaula gleiva
Slideaula gleiva
 
Conselhos de juventude espaço de participação juvenil
Conselhos de juventude espaço de participação juvenilConselhos de juventude espaço de participação juvenil
Conselhos de juventude espaço de participação juvenil
 
Texto a Pluralidade das Juventudes Militantes no Recife, de Otávio Luiz Macha...
Texto a Pluralidade das Juventudes Militantes no Recife, de Otávio Luiz Macha...Texto a Pluralidade das Juventudes Militantes no Recife, de Otávio Luiz Macha...
Texto a Pluralidade das Juventudes Militantes no Recife, de Otávio Luiz Macha...
 
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidadeMovimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
 
O terceiro setor em favelas do Rio de Janeiro
O terceiro setor em favelas do Rio de JaneiroO terceiro setor em favelas do Rio de Janeiro
O terceiro setor em favelas do Rio de Janeiro
 
Jovens na cidade
Jovens na cidade Jovens na cidade
Jovens na cidade
 
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidadeMovimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
 
A sociedade da informação e o novo paradigma de construção de aprendizagens s...
A sociedade da informação e o novo paradigma de construção de aprendizagens s...A sociedade da informação e o novo paradigma de construção de aprendizagens s...
A sociedade da informação e o novo paradigma de construção de aprendizagens s...
 
União da juventude do campo e cidade
União da juventude do campo e  cidadeUnião da juventude do campo e  cidade
União da juventude do campo e cidade
 
Tcc de yuri kieling gama na ufsc em 2011
Tcc de yuri kieling gama na ufsc em 2011Tcc de yuri kieling gama na ufsc em 2011
Tcc de yuri kieling gama na ufsc em 2011
 
Jovens da periferia de salvador os bondes
Jovens da periferia de salvador   os bondesJovens da periferia de salvador   os bondes
Jovens da periferia de salvador os bondes
 
Roda de planejamento fase 2 de março 2013
Roda de planejamento fase 2 de março  2013Roda de planejamento fase 2 de março  2013
Roda de planejamento fase 2 de março 2013
 

Último

Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 

Projeto juventude ppt_uemg (1)

  • 2. JUVENTUDE E O DIREITO À CIDADE TEIXEIRA, Maria Antonieta¹ Síntese: Juventude e o direito à cidade é um projeto de pesquisa, financiado pela UEMG/PAPq 2016 que busca compreender, a partir da análise do documento do Fórum da Juventude de Cláudio/MG, como se estabelece a relação jovens e a cidade, bem como a compreensão dessas categorias podem ampliar ou limitar os direitos sociais. Duas questões estruturadoras Juventude de Cláudio: o quê o Município pode lhe oferecer? e Juventude de Cláudio: o que você pode oferecer? revelaram o entendimento dos jovens sobre a vida que levam, a formação que recebem e a cidade em que vivem. A literatura recente aborda as temáticas propostas de forma isolada. Por um lado, a juventude é tratada sob o viés geracional ou na perspectiva classista, bem como sobre a diversidade, especialmente gênero e raça. Por outro lado, o direito à cidade remete à crítica da ordem urbana capitalista, pois o direito à cidade deve ser formulado como direito à vida urbana renovada como um lugar de encontro. Não como espaço que segrega. O desafio de articular a compreensão da juventude e o direito à cidade implica em (re)pensar sobre os processos, agentes e lugares de socialização que in(de)formam a autonomia dos jovens. Acredita-se que a reflexão oriunda da relação do jovem com sua cidade possibilita trazer o jovem para o lugar de protagonista, como sujeito social que constrói seu modo de ser. Palavras-chave: Cidadania; direitos sociais; educação; socialização. 1 maria.teixeira@uemg.br. Professora UEMG Unidades Cláudio e Divinópolis.
  • 3. INTRODUÇÃO A pesquisa busca contribuir com os estudos sobre a juventude e sua relação com a cidade a partir da análise do processo do Fórum da Juventude, realizado em Cláudio/MG, no ano de 2014, pela rede intersetorial de políticas sociais do município, aqui denominada Rede. Aos jovens participantes, foi dada a oportunidade de expressarem-se a partir de duas questões estruturadoras: Juventude de Cláudio: o que o Município pode lhe oferecer? e Juventude de Cláudio: o que você pode oferecer? O Fórum da Juventude foi realizado como estratégia de aproximação com as juventudes locais envolvidas com atos infracionais ocorridos no município, considerando a divergência das possíveis intervenções públicas que oscilavam entre ações punitivas em defesa da ordem ou o investimento em ações preventivas. A Rede, frente ao desafio de pensar sobre a questão da violência local e ainda sensível à recente experiência da revisão do Plano Diretor Participativo de Cláudio (2015), percebe a necessidade de identificar os anseios dos jovens em relação a sua cidade, como lócus de sociabilidade e de vínculos. A literatura recente aborda as temáticas propostas de forma isolada. Por um lado, a juventude é tratada sob o viés geracional ou na perspectiva classista, bem como sobre a diversidade, especialmente gênero e raça. (DAYRELL, 2003; DAYRELL & GOMES, 2008; PAIS, 1990; PERALVA, 1997; TOMAZ, 2015) Importa esclarecer que, nesta reflexão, a categoria juventude refere-se ao momento posterior à infância, envolvendo a adolescência e a juventude propriamente dita (ABRAMO, 1997). Cumpre acrescentar como elemento relevante para o entendimento do fenômeno contemporâneo da juventude, o chamado alargamento da juventude baseado em ideais estetizados na figura jovem, tanto com a juvenilização da infância ou com a teenaginazação dos adultos. Os chamados tweens que informam a juventude como construção social (TOMAZ, 2015). Por outro lado, o direito à cidade remete à crítica da ordem urbana capitalista elaborada por Lefebvre (2001), pois o direito à cidade “só pode ser formulado como direito à vida urbana, transformada, renovada [...] lugar de encontro”. Não como espaço que segrega. Além disso, o direito à cidade deve preservar o espaço como valor de uso e não de troca. A produção do espaço não deve estar subordinada aos circuitos capitalistas, como mercadoria. “A proclamação e a realização da vida urbana como reino do uso (da troca e do encontro separados do valor de troca [...]” (LEFEBVRE, 2001, p.139). O pensamento lefebvriano é utópico e inspirador ao sugerir vencer a produção do espaço urbano sob o domínio econômico. O direito à cidade integra a literatura científica, desde então (Fernandes, 2013), (Saulo Junior, 2005), (Harvey, 2012), (Maricato, 2006), (Trindade, 2012), além de ser incorporado como bandeira dos movimentos políticos e sociais, notadamente no V Fórum Urbano Mundial, que discutiu “Levando Adiante o Direito à Cidade” (ONU Brasil, 2001). Trindade (2012) propõe compreender a noção de direito à cidade sob dois enfoques: em termos legais, o direito à cidade se justifica na perspectiva da função social da propriedade e, em segundo, um debate teórico que possibilita a compreensão do direito à cidade como direito social e cidadania. O desafio de articular a compreensão da juventude e o direito à cidade implica em (re)pensar sobre os processos, agentes e lugares de socialização que in(de)formam a autonomia dos jovens. Assim, cabe perguntar: O que significa pensar a relação juventude e cidade? Quem são os jovens de Cláudio? É no sentido de responder esses questionamentos que a interlocução com a Universidade se faz necessária e a pesquisa se justifica! Acredita-se que a reflexão oriunda da relação do jovem com sua cidade possibilita trazer o jovem para o lugar de protagonista, como sujeito social que constrói seu modo de ser (DAYRELL, 2003) e exerce sua cidadania. Como bem afirma Freire (2003): a cidade somos nós e nós somos a cidade!
  • 4. MÉTODOS A pesquisa, de natureza qualitativa, busca compreender o processo de realização do Fórum da Juventude Cláudio, tendo como objeto de pesquisa o documento síntese do evento de 2014. Para tanto, foi adotada a análise de conteúdo (BARDIN, 1977), compreendida como um conjunto de técnicas de pesquisa que buscam o sentido ou interpretação de um documento. Ressalta- se a importância de o esforço hermenêutico considerar o contexto social e histórico em que foram produzidas as comunicações. Além disso, a análise de conteúdo tem por finalidade a produção de inferências. O ato de inferir significa a realização de uma operação lógica, pela qual se admite uma proposição em virtude de sua ligação com outras proposições já aceitas, permitindo a definição de categorias analíticas das representações da realidade juvenil: educação, cultura, violência, cidade etc. Entrevistas semiestruturadas estão sendo realizadas com os atores sociais envolvidos nos processos, bem como observação das reuniões da Rede. Além disso, o uso de word cloud será associado como método heurístico de análise, bem como de apresentação e visualização das respostas dos jovens.
  • 5. RESULTADOS As análises iniciais referem-se à questão proposta Juventude de Cláudio: o que você pode oferecer? à cidade e revelam algumas categorias que permitem identificar as representações dos jovens de Cláudio em relação à socialização, participação, à prática do voluntariado e ao cuidado com o patrimônio e à consciência ambiental. Importa salientar a expressiva réplica dos jovens: não posso fazer nada frente ao questionamento. As nuvens revelam a frequência de palavras geradoras das categorias, como demonstra a FIG. 1:
  • 6. FIGURA 1: Juventude de Cláudio: o que você pode oferecer? à sua cidade Fonte: Fórum da Juventude 2014 – Cláudio/MG
  • 7. DISCUSSÃO Os resultados parciais sugerem que, em Cláudio, o processo socializador liderado pelas instituições escolares promove comportamentos baseados na moralidade e na obediência, haja vista a frequência dos termos respeitar, obedecer e ajudar (os idosos, os professores, aos pais, autoridades, o próximo, o funcionário público)., pilares da ordem. É possível observar vínculos religiosos entre os jovens, expressos na forma de “ir mais à igreja” e “ajudar a terminar a obra da igreja” ou nas várias citações dos mandamentos divinos como “não roubar” e “não matar”. Em meio ao contraditório “respeitar os adultos” e “agir como os adultos”, os jovens revelam o quanto seu processo de formação tem sido repressivo: a palavra “não” aparece repetidamente em diferentes situações, como “Não desperdiçar energia”, “não usar drogas”, “não ser vândalo” ou “Não desfazer coisas que a prefeitura faz” a despeito da possibilidade de educar pela via da positividade. É possível afirmar que a escola exerce um controle social sobre os alunos, inculcando valores e normas que alimentam um habitus local, especialmente em relação ao costume de “ajudar o próximo”, fazer “trabalho voluntário e “doações”, que reforça práticas tradicionais de caridade e fragiliza o fortalecimento das políticas públicas. Por outro lado, os jovens manifestaram firmemente o desejo de “participar” na “melhoria da cidade” e “das reuniões da comunidade e dos movimentos”, bem como apresentando “ideias para melhorar o município”, dando “opinião a respeito da política”, procurando “saber em quem votar” e cobrando “das autoridades”. “Lutar para o que é preciso na cidade” e “tomar atitude” anunciam o protagonista juvenil que precisa ser estimulado. Além disso, a demonstração de compartilhar habilidades e gostos como forma de agir na e para a cidade: “praticar esporte” e “Incentivar as outras pessoas a praticar esportes”, oferecer “meu conhecimento sobre música para as pessoas” ou “Aula de jiu-jitsu”. O jovem aprende que “precisa estudar” e se preparar para o futuro.
  • 8. CONCLUSÃO O processo de socialização secundária da juventude claudiense apresenta tendência conservadora e moralista. A educação, ante o desafio contemporâneo de adaptar ou emancipar, privilegia uma formação para a heteronomia e que desconsidera as mudanças e a preparação para enfrentá-las. A concepção geracional de juventude permanece em detrimento da autonomia do jovem como ser social, sujeito de direitos. Os cidadãos jovens não se apropriam da cidade como espaço de pertencimento e socialmente construído.
  • 9. REFERÊNCIAS ABRAMO, Helena W. Considerações sobre a tematização social da juventude no Brasil. Revista Brasileira de Educação. Mai/Jun/Jul/Ago 1997 N º 5 Set/Out/Nov/Dez 1997 BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977 DAYRELL, Juarez. O jovem como sujeito social. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 24, p.40-53, set/out/nov/dez 2003 DAYRELL, Juarez e GOMES, Nilma Lino. Juventude no Brasil: questões e desafios. 2008 mimeo. FERNANDES, Edésio. ESTATUTO DA CIDADE, MAIS DE 10 ANOS DEPOIS: razão de descrença, ou razão de otimismo? rev. ufmg, belo horizonte, v. 20, n.1, p.212-233, jan./jun. 2013 FREIRE, Paulo. Política e educação: ensaios. São Paulo, Cortez, 2003. Coleção Questões de nossa época; v.23 HARVEY, David. O direito à cidade. Lutas Sociais, São Paulo, n.29, p.73-89, jul./dez. 2012. LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. Editora Centauro. SP. 2001 MARICATO, Ermínia. O Ministério das Cidades e a Política Nacional de Desenvolvimento Urbano. Ipea. Políticas sociais - acompanhamento e análise. 12. fev. 2006 PAIS, José Machado. A construção sociológica da juventude – alguns contributos. Análise Social, vol. XXV (105-106), 1990 PERALVA, Angelina, (1997). O jovem como modelo cultural. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, ANPEd, no 5/6. SAULO JUNIOR, Nelson. O Direito à Cidade como paradigma da governança urbana democrática. Disponível em http://www.polis.org.br/uploads/750/750.pdf 2005. Acesso em 21/09/2016. SILVA, Tarcísio. O que se esconde por trás de uma nuvem de palavras.http://tarciziosilva.com.br/blog/o-que-se-esconde-por-tras-de-uma-nuvem-de-palavras/ Acesso em 16/11/2016. ONU BRASIL. V Fórum Social Mundial. Disponível em http://forumsocialportoalegre.org.br/forum-social-mundial/ 2001 Acesso em 21/09/2016. TOMAZ, Renata. A criação da pré-adolescência. Uma discussão sobre a juvenilização da infância. 39º Encontro Anual da Anpocs GT 36 – Sociologia da adolescência e da Juventude. Caxambu/MG. 2015. TRINDADE. Thiago Aparecido. Direitos e cidadania: reflexões sobre o direito à cidade. Lua Nova. SP. n. 87. p. 139-165. 2012