SlideShare uma empresa Scribd logo
Dialogando com as diferentes cosmologias:
o céu, a agricultura e a vida

Renata Menasche
1. COSMOLOGIA: o que é? o que abarca?
2. SOCIEDADE E NATUREZA em diferentes
sociedades
3. CAMPESINIDADE
4. DIFERENTES COSMOLOGIAS
Cosmologia
Todos os povos desenvolvem teorias
para entender o mundo.
A cosmologia de cada sociedade
representa a ordenação do universo,
ordem esta que está vinculada a todos os
aspectos da vida societária.
(Giannini, 1992)
Cosmologia abarca:
as estruturas espácio-temporais da sociabilidade
a posição dos humanos na ordem dos seres vivos
as classificações étnicas e sociopolíticas
os dispositivos e condições de articulação entre o
socius e seu exterior
os idiomas simbólicos organizados em torno das
substâncias que comunicam o corpo e o mundo
a ideologia do parentesco, a etnopsicologia, a
concepção de pessoa, a escatologia, etc.
(Viveiros de Castro, 2000)
1. COSMOLOGIA: o que é? o que abarca?
2. SOCIEDADE E NATUREZA em diferentes
sociedades
3. CAMPESINIDADE
4. DIFERENTES COSMOLOGIAS
Sociedade e Natureza
A prática social da natureza se articula
sobre a ideia que uma dada sociedade
faz de si própria,
sobre a ideia que ela faz do ambiente
que a circunda e
sobre a ideia que ela faz de sua
intervenção sobre o meio ambiente.
(Descola, 1986)
Sociedade e natureza entre os Xikrin
Sociedade indígena habitante das margens do rio
Cateté, no Pará
Os índios Xikrin definem espaços naturais distintos:
a terra (dividida em clareira e floresta), o céu, o
mundo aquático e o mundo subterrâneo.
Os espaços naturais são os diferentes domínios que
compõem o cosmos.
(Giannini, 1992)
Sociedade e natureza entre os Xikrin
Os nomes pessoais dos Xikrin colocam em relação
os humanos, os animais terrestres e os peixes,
estabelecendo-se assim um parentesco simbólico
entre os habitantes dos diferentes domínios.
É a interligação dos domínios, que tem por centro
domínios
os próprios Xikrin, que permite a construção de sua
sociedade.
[no caso dos Xikrin, a sociedade é parte da natureza]
(Giannini, 1992)
Sociedade e natureza nas sociedades urbanas contemporâneas

DEUS
fora do mundo
subordinação

separação

HOMEM

religião formal

NATUREZA
(E. Woortmann, 2011)
ade

ão

roc
id

sub
or d
inaç
rec
ip

o
a çã
din
e
bor idad

reli
gio
sid
ade

DEUS
su iproc
rec

pop
ula
r

Sociedade e natureza em grupos camponeses

reciprocidade

HOMEM

igualdade

NATUREZA

(criaturas de um mesmo Criador)
K. Woortmannn (2000) apud E. Woortmann (2011)
Práticas etno-ecológicas camponesas: resultantes de
um domínio cognitivo do meio ambiente

seca: não resultante de fenômeno
climático, mas castigo de Deus
para expulsar cobras da roça: rezador
“negociação” entre necessidades da
família e o que a “terra quer dar”
humanização da terra: “precisa
descansar”, necessita de “vitamina”
“beber água esquentada no sol faz
mal”
(E. Woortmann, 2011)
1. COSMOLOGIA: o que é? o que abarca?
2. SOCIEDADE E NATUREZA em diferentes
sociedades
3. CAMPESINIDADE
4. DIFERENTES COSMOLOGIAS
Campesinidade
terra, família e trabalho: em interdependência
conformando uma ordem moral
presente em contextos camponeses, em diferentes
épocas e locais
mas presente
(intensidade)

em

maior

ou

menor

grau

campesinidade como qualidade
(K. Woortmann, 1990)
Apresentaçao  Renata Menasche   cba agroecologia 2013
1. COSMOLOGIA: o que é? o que abarca?
2. SOCIEDADE E NATUREZA em diferentes
sociedades
3. CAMPESINIDADE
4. DIFERENTES COSMOLOGIAS
O ritual do corpo entre os Sonacirema
A crença fundamental subjacente a todo o sistema
parece ser a de que o corpo humano é feio, e que
sua tendência natural é a debilidade e a doença.
Encarcerado em tal corpo, a única esperança do
homem é evitar essas características, através do uso
de poderosas influências do ritual e da cerimônia.
Todo grupo doméstico possui um ou mais santuários
dedicados a tal propósito. Os indivíduos mais
poderosos dessa sociedade têm vários santuários
em sua casa...
(Miner, 1956)
O ritual do corpo entre os Sonacirema
Americanos
O ponto focal do santuário é uma caixa ou arca
embutida na parede. Nessa arca são guardados os
inúmeros feitiços e porções mágicas, sem os quais
nenhum nativo acredita que poderia viver.
Embaixo da caixa de mágica existe uma pequena
fonte. Todo dia, cada membro da família, em
sucessão, entra no santuário, curva a cabeça diante
da caixa de mágica, mistura diferentes tipos de água
sagrada na fonte e realiza um breve rito de ablução.
(Miner, 1956)
Diferentes cosmologias?

distintos grupos de agricultores
agroecologistas
neo-rurais
...
Referências
DESCOLA, Philippe. La nature domestique: symbolisme et praxis dans l’écologie
des Achuar. Paris: Éditions de la Maison des Sciences de l’Homme, 1986.
GIANNINI, Isabelle Vidal. Os índios e suas relações com a natureza. In: GRUPIONI
L. D. (Org.). Índios no Brasil. São Paulo: Secretaria Municipal da Cultura, 1992.
MINER, Horace. Body ritual among the Nacirema. American Anthropologist, n.58,
p.503-507, 1956.
VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. O campo na selva, visto da praia. Estudos
Históricos, Rio de Janeiro, v.5, n.10, p.170-190, 1992.
WOORTMANN, Ellen F. Práticas eco-agrícolas tradicionais: ontem e hoje. Retratos
de Assentamento, Araraquara, v.14, n.2, p.15-32, 2011.
WOORTMANN, Klaas. Com parente não se neguceia: o campesinato como ordem
moral. Anuário Antropológico, Rio de Janeiro, n.87, 1990.
WOORTMANN, Klaas. O Selvagem na História: Heródoto e a questão do outro.
Revista de Antropologia, São Paulo, v.43, n.1, 2000.
Dialogando com as diferentes cosmologias:
o céu, a agricultura e a vida

Renata Menasche

renata.menasche@pq.cnpq.br

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Painel didatico filosofia politica
Painel didatico filosofia politicaPainel didatico filosofia politica
Painel didatico filosofia politica
Jorci Ponce
 
Sociologia, introdução.
Sociologia, introdução.Sociologia, introdução.
Sociologia, introdução.
Douglas Gregorio
 
Painel didatico teoria do conhecimento
Painel didatico teoria do conhecimentoPainel didatico teoria do conhecimento
Painel didatico teoria do conhecimento
Jorci Ponce
 
A antropologia social
A antropologia socialA antropologia social
A antropologia social
Kaio Maluf
 
Breve Introdução à Antropologia Urbana
Breve Introdução à Antropologia UrbanaBreve Introdução à Antropologia Urbana
Breve Introdução à Antropologia Urbana
mabuse h.d.
 
Painel didatico linha do tempo moderna
Painel didatico linha do tempo modernaPainel didatico linha do tempo moderna
Painel didatico linha do tempo moderna
Jorci Ponce
 
Laplantine.françoise. aprender antropologia
Laplantine.françoise. aprender antropologiaLaplantine.françoise. aprender antropologia
Laplantine.françoise. aprender antropologia
FelipeMiguel12
 
A filosofia e outras formas de pensar (mito, religião e senso comum)
A filosofia e outras formas de pensar (mito, religião e senso comum)A filosofia e outras formas de pensar (mito, religião e senso comum)
A filosofia e outras formas de pensar (mito, religião e senso comum)
Marcela Marangon Ribeiro
 
Charles Darwin
Charles DarwinCharles Darwin
Charles Darwin
Carlos Pinheiro
 
Evolução das espécies.
Evolução das espécies.Evolução das espécies.
Evolução das espécies.
Brenno Miranda
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
Alison Nunes
 
Os Tipos de Conhecimento
Os Tipos de ConhecimentoOs Tipos de Conhecimento
Os Tipos de Conhecimento
Jonathan Nascyn
 
Projeto juventude ppt_uemg (1)
Projeto juventude ppt_uemg (1)Projeto juventude ppt_uemg (1)
Projeto juventude ppt_uemg (1)
Maria Antonieta Teixeira
 

Destaque (14)

Painel didatico filosofia politica
Painel didatico filosofia politicaPainel didatico filosofia politica
Painel didatico filosofia politica
 
Sociologia, introdução.
Sociologia, introdução.Sociologia, introdução.
Sociologia, introdução.
 
Painel didatico teoria do conhecimento
Painel didatico teoria do conhecimentoPainel didatico teoria do conhecimento
Painel didatico teoria do conhecimento
 
A antropologia social
A antropologia socialA antropologia social
A antropologia social
 
Breve Introdução à Antropologia Urbana
Breve Introdução à Antropologia UrbanaBreve Introdução à Antropologia Urbana
Breve Introdução à Antropologia Urbana
 
Painel didatico linha do tempo moderna
Painel didatico linha do tempo modernaPainel didatico linha do tempo moderna
Painel didatico linha do tempo moderna
 
Laplantine.françoise. aprender antropologia
Laplantine.françoise. aprender antropologiaLaplantine.françoise. aprender antropologia
Laplantine.françoise. aprender antropologia
 
A filosofia e outras formas de pensar (mito, religião e senso comum)
A filosofia e outras formas de pensar (mito, religião e senso comum)A filosofia e outras formas de pensar (mito, religião e senso comum)
A filosofia e outras formas de pensar (mito, religião e senso comum)
 
Charles Darwin
Charles DarwinCharles Darwin
Charles Darwin
 
Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
 
Evolução das espécies.
Evolução das espécies.Evolução das espécies.
Evolução das espécies.
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
Os Tipos de Conhecimento
Os Tipos de ConhecimentoOs Tipos de Conhecimento
Os Tipos de Conhecimento
 
Projeto juventude ppt_uemg (1)
Projeto juventude ppt_uemg (1)Projeto juventude ppt_uemg (1)
Projeto juventude ppt_uemg (1)
 

Semelhante a Apresentaçao Renata Menasche cba agroecologia 2013

Os legados da reforma protestante 4 de 9
Os legados da reforma protestante 4 de 9Os legados da reforma protestante 4 de 9
Os legados da reforma protestante 4 de 9
Pedro Siena
 
COLONIZAÇÃO, QUILOMBOS - MODOS E SIGNIFICADOS.pdf
COLONIZAÇÃO, QUILOMBOS - MODOS E SIGNIFICADOS.pdfCOLONIZAÇÃO, QUILOMBOS - MODOS E SIGNIFICADOS.pdf
COLONIZAÇÃO, QUILOMBOS - MODOS E SIGNIFICADOS.pdf
RuanLima41
 
Apresent. apreensão conc._bás._ciênc._soc._ambientais_2
Apresent. apreensão conc._bás._ciênc._soc._ambientais_2Apresent. apreensão conc._bás._ciênc._soc._ambientais_2
Apresent. apreensão conc._bás._ciênc._soc._ambientais_2
Pedro Almeida
 
Homem e consciência ecológica
Homem e consciência ecológicaHomem e consciência ecológica
Homem e consciência ecológica
Kelly da Silva
 
Thomas Berry e a Era Ecozóica
Thomas Berry e a Era EcozóicaThomas Berry e a Era Ecozóica
Thomas Berry e a Era Ecozóica
Carina Lucindo Borrego
 
Primeiro Ano - Introdução à Sociologia
Primeiro Ano - Introdução à SociologiaPrimeiro Ano - Introdução à Sociologia
Primeiro Ano - Introdução à Sociologia
Paulo Alexandre
 
A Voz Indígena - por Evandro Vieira Ouriques
A Voz Indígena -  por Evandro Vieira OuriquesA Voz Indígena -  por Evandro Vieira Ouriques
A Voz Indígena - por Evandro Vieira Ouriques
Instituto Uka
 
Sustentabilidade como valor espiritual
Sustentabilidade como valor espiritualSustentabilidade como valor espiritual
Sustentabilidade como valor espiritual
ARILMA TAVARES
 
Cultura e ecocidadania
Cultura e ecocidadaniaCultura e ecocidadania
Cultura e ecocidadania
Alex Santiago Nina
 
Panorama ConteúDo Betel 2° Tr 2010
Panorama ConteúDo Betel 2° Tr 2010Panorama ConteúDo Betel 2° Tr 2010
Panorama ConteúDo Betel 2° Tr 2010
Jesiel cruz
 
Conflitos Geografia
Conflitos  GeografiaConflitos  Geografia
Conflitos Geografia
MÁRIO CÉSAR SOUZA
 
3º ano cultura - ii período
3º ano   cultura - ii período3º ano   cultura - ii período
3º ano cultura - ii período
Socorro Vasconcelos
 
Prova 9ano ensino religioso 2b pet 2
Prova 9ano ensino religioso 2b pet 2Prova 9ano ensino religioso 2b pet 2
Prova 9ano ensino religioso 2b pet 2
Atividades Diversas Cláudia
 
Ecologia e Meio Ambiente_NOÇÕES GERAIS DE ECOLOGIA_aula 1.pdf
Ecologia e Meio Ambiente_NOÇÕES GERAIS DE ECOLOGIA_aula 1.pdfEcologia e Meio Ambiente_NOÇÕES GERAIS DE ECOLOGIA_aula 1.pdf
Ecologia e Meio Ambiente_NOÇÕES GERAIS DE ECOLOGIA_aula 1.pdf
GeanGomes8
 
Simplicidade voluntária, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, Revista o Instalad...
Simplicidade voluntária, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, Revista o Instalad...Simplicidade voluntária, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, Revista o Instalad...
Simplicidade voluntária, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, Revista o Instalad...
Jorge Moreira
 
Aula um
Aula umAula um
Aula um
Luciane Dias
 
HISTORICO-DA-ECOLOGIA.ppt
HISTORICO-DA-ECOLOGIA.pptHISTORICO-DA-ECOLOGIA.ppt
HISTORICO-DA-ECOLOGIA.ppt
DaniPaiva7
 
HISTORICO-DA-ECOLOGIA.ppt
HISTORICO-DA-ECOLOGIA.pptHISTORICO-DA-ECOLOGIA.ppt
HISTORICO-DA-ECOLOGIA.ppt
JeffersonPereira360732
 
Origens da moral
Origens da moralOrigens da moral
Origens da moral
renanmedonho
 
sld_1 (1).pdf
sld_1 (1).pdfsld_1 (1).pdf
sld_1 (1).pdf
SammuelFabricio1
 

Semelhante a Apresentaçao Renata Menasche cba agroecologia 2013 (20)

Os legados da reforma protestante 4 de 9
Os legados da reforma protestante 4 de 9Os legados da reforma protestante 4 de 9
Os legados da reforma protestante 4 de 9
 
COLONIZAÇÃO, QUILOMBOS - MODOS E SIGNIFICADOS.pdf
COLONIZAÇÃO, QUILOMBOS - MODOS E SIGNIFICADOS.pdfCOLONIZAÇÃO, QUILOMBOS - MODOS E SIGNIFICADOS.pdf
COLONIZAÇÃO, QUILOMBOS - MODOS E SIGNIFICADOS.pdf
 
Apresent. apreensão conc._bás._ciênc._soc._ambientais_2
Apresent. apreensão conc._bás._ciênc._soc._ambientais_2Apresent. apreensão conc._bás._ciênc._soc._ambientais_2
Apresent. apreensão conc._bás._ciênc._soc._ambientais_2
 
Homem e consciência ecológica
Homem e consciência ecológicaHomem e consciência ecológica
Homem e consciência ecológica
 
Thomas Berry e a Era Ecozóica
Thomas Berry e a Era EcozóicaThomas Berry e a Era Ecozóica
Thomas Berry e a Era Ecozóica
 
Primeiro Ano - Introdução à Sociologia
Primeiro Ano - Introdução à SociologiaPrimeiro Ano - Introdução à Sociologia
Primeiro Ano - Introdução à Sociologia
 
A Voz Indígena - por Evandro Vieira Ouriques
A Voz Indígena -  por Evandro Vieira OuriquesA Voz Indígena -  por Evandro Vieira Ouriques
A Voz Indígena - por Evandro Vieira Ouriques
 
Sustentabilidade como valor espiritual
Sustentabilidade como valor espiritualSustentabilidade como valor espiritual
Sustentabilidade como valor espiritual
 
Cultura e ecocidadania
Cultura e ecocidadaniaCultura e ecocidadania
Cultura e ecocidadania
 
Panorama ConteúDo Betel 2° Tr 2010
Panorama ConteúDo Betel 2° Tr 2010Panorama ConteúDo Betel 2° Tr 2010
Panorama ConteúDo Betel 2° Tr 2010
 
Conflitos Geografia
Conflitos  GeografiaConflitos  Geografia
Conflitos Geografia
 
3º ano cultura - ii período
3º ano   cultura - ii período3º ano   cultura - ii período
3º ano cultura - ii período
 
Prova 9ano ensino religioso 2b pet 2
Prova 9ano ensino religioso 2b pet 2Prova 9ano ensino religioso 2b pet 2
Prova 9ano ensino religioso 2b pet 2
 
Ecologia e Meio Ambiente_NOÇÕES GERAIS DE ECOLOGIA_aula 1.pdf
Ecologia e Meio Ambiente_NOÇÕES GERAIS DE ECOLOGIA_aula 1.pdfEcologia e Meio Ambiente_NOÇÕES GERAIS DE ECOLOGIA_aula 1.pdf
Ecologia e Meio Ambiente_NOÇÕES GERAIS DE ECOLOGIA_aula 1.pdf
 
Simplicidade voluntária, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, Revista o Instalad...
Simplicidade voluntária, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, Revista o Instalad...Simplicidade voluntária, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, Revista o Instalad...
Simplicidade voluntária, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, Revista o Instalad...
 
Aula um
Aula umAula um
Aula um
 
HISTORICO-DA-ECOLOGIA.ppt
HISTORICO-DA-ECOLOGIA.pptHISTORICO-DA-ECOLOGIA.ppt
HISTORICO-DA-ECOLOGIA.ppt
 
HISTORICO-DA-ECOLOGIA.ppt
HISTORICO-DA-ECOLOGIA.pptHISTORICO-DA-ECOLOGIA.ppt
HISTORICO-DA-ECOLOGIA.ppt
 
Origens da moral
Origens da moralOrigens da moral
Origens da moral
 
sld_1 (1).pdf
sld_1 (1).pdfsld_1 (1).pdf
sld_1 (1).pdf
 

Mais de Agroecologia

Palestra Alan boccato viii cba agroecologia
Palestra Alan boccato viii cba agroecologiaPalestra Alan boccato viii cba agroecologia
Palestra Alan boccato viii cba agroecologia
Agroecologia
 
Caderno da Programação do VIII CBA-Agroecologia
Caderno da Programação do VIII CBA-AgroecologiaCaderno da Programação do VIII CBA-Agroecologia
Caderno da Programação do VIII CBA-Agroecologia
Agroecologia
 
Desde la aportación de José Antonio Costabeber por Guzmán CBA-Agroecologia2013
Desde la aportación de José Antonio Costabeber  por Guzmán CBA-Agroecologia2013Desde la aportación de José Antonio Costabeber  por Guzmán CBA-Agroecologia2013
Desde la aportación de José Antonio Costabeber por Guzmán CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentaçao Stéphane Bellon CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Stéphane Bellon  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Stéphane Bellon  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Stéphane Bellon CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentaçao Santiago j. Sarandón CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Santiago j. Sarandón  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Santiago j. Sarandón  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Santiago j. Sarandón CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentaçao Islandia Bezerra CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Islandia Bezerra  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Islandia Bezerra  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Islandia Bezerra CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentaçao Eduardo Sevilla Guzmán CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Eduardo Sevilla Guzmán  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Eduardo Sevilla Guzmán  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Eduardo Sevilla Guzmán CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentaçao Jaime Morales Hernández CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Jaime Morales Hernández   CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Jaime Morales Hernández   CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Jaime Morales Hernández CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentaçao Clara Nicholls CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Clara Nicholls CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Clara Nicholls CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Clara Nicholls CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentaçao Adriana Galvão CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Adriana Galvão CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Adriana Galvão CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Adriana Galvão CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentaçao Abdalaziz de Moura CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Abdalaziz de Moura  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Abdalaziz de Moura  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Abdalaziz de Moura CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentação Pedro Vieira CBA-Agroecologia2013
Apresentação Pedro Vieira  CBA-Agroecologia2013Apresentação Pedro Vieira  CBA-Agroecologia2013
Apresentação Pedro Vieira CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentação Neus Monllor Rico CBA-Agroecologia2013
Apresentação Neus Monllor Rico   CBA-Agroecologia2013Apresentação Neus Monllor Rico   CBA-Agroecologia2013
Apresentação Neus Monllor Rico CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentação Myriam Paredes CBA-Agroecologia2013
Apresentação Myriam Paredes   CBA-Agroecologia2013Apresentação Myriam Paredes   CBA-Agroecologia2013
Apresentação Myriam Paredes CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentação Ingrid de Barros CBA-Agroecologia2013
Apresentação Ingrid de Barros   CBA-Agroecologia2013Apresentação Ingrid de Barros   CBA-Agroecologia2013
Apresentação Ingrid de Barros CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentação Inês Rugani CBA-Agroecologia2013
Apresentação Inês Rugani CBA-Agroecologia2013Apresentação Inês Rugani CBA-Agroecologia2013
Apresentação Inês Rugani CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentação Guilherme Radomsky CBA-Agroecologia 2013
Apresentação Guilherme Radomsky CBA-Agroecologia 2013Apresentação Guilherme Radomsky CBA-Agroecologia 2013
Apresentação Guilherme Radomsky CBA-Agroecologia 2013
Agroecologia
 
Apresentação Gema Galgani Esmeraldo CBA-Agroecologia 2013
Apresentação Gema Galgani Esmeraldo  CBA-Agroecologia 2013Apresentação Gema Galgani Esmeraldo  CBA-Agroecologia 2013
Apresentação Gema Galgani Esmeraldo CBA-Agroecologia 2013
Agroecologia
 
Apresentaçao Mariana Oliveira Ramos CBA-Agroecologia 2013
Apresentaçao Mariana Oliveira Ramos  CBA-Agroecologia 2013Apresentaçao Mariana Oliveira Ramos  CBA-Agroecologia 2013
Apresentaçao Mariana Oliveira Ramos CBA-Agroecologia 2013
Agroecologia
 

Mais de Agroecologia (20)

Palestra Alan boccato viii cba agroecologia
Palestra Alan boccato viii cba agroecologiaPalestra Alan boccato viii cba agroecologia
Palestra Alan boccato viii cba agroecologia
 
Caderno da Programação do VIII CBA-Agroecologia
Caderno da Programação do VIII CBA-AgroecologiaCaderno da Programação do VIII CBA-Agroecologia
Caderno da Programação do VIII CBA-Agroecologia
 
Desde la aportación de José Antonio Costabeber por Guzmán CBA-Agroecologia2013
Desde la aportación de José Antonio Costabeber  por Guzmán CBA-Agroecologia2013Desde la aportación de José Antonio Costabeber  por Guzmán CBA-Agroecologia2013
Desde la aportación de José Antonio Costabeber por Guzmán CBA-Agroecologia2013
 
Apresentaçao Stéphane Bellon CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Stéphane Bellon  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Stéphane Bellon  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Stéphane Bellon CBA-Agroecologia2013
 
Apresentaçao Santiago j. Sarandón CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Santiago j. Sarandón  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Santiago j. Sarandón  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Santiago j. Sarandón CBA-Agroecologia2013
 
Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa CBA-Agroecologia2013
 
Apresentaçao Islandia Bezerra CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Islandia Bezerra  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Islandia Bezerra  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Islandia Bezerra CBA-Agroecologia2013
 
Apresentaçao Eduardo Sevilla Guzmán CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Eduardo Sevilla Guzmán  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Eduardo Sevilla Guzmán  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Eduardo Sevilla Guzmán CBA-Agroecologia2013
 
Apresentaçao Jaime Morales Hernández CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Jaime Morales Hernández   CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Jaime Morales Hernández   CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Jaime Morales Hernández CBA-Agroecologia2013
 
Apresentaçao Clara Nicholls CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Clara Nicholls CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Clara Nicholls CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Clara Nicholls CBA-Agroecologia2013
 
Apresentaçao Adriana Galvão CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Adriana Galvão CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Adriana Galvão CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Adriana Galvão CBA-Agroecologia2013
 
Apresentaçao Abdalaziz de Moura CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Abdalaziz de Moura  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Abdalaziz de Moura  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Abdalaziz de Moura CBA-Agroecologia2013
 
Apresentação Pedro Vieira CBA-Agroecologia2013
Apresentação Pedro Vieira  CBA-Agroecologia2013Apresentação Pedro Vieira  CBA-Agroecologia2013
Apresentação Pedro Vieira CBA-Agroecologia2013
 
Apresentação Neus Monllor Rico CBA-Agroecologia2013
Apresentação Neus Monllor Rico   CBA-Agroecologia2013Apresentação Neus Monllor Rico   CBA-Agroecologia2013
Apresentação Neus Monllor Rico CBA-Agroecologia2013
 
Apresentação Myriam Paredes CBA-Agroecologia2013
Apresentação Myriam Paredes   CBA-Agroecologia2013Apresentação Myriam Paredes   CBA-Agroecologia2013
Apresentação Myriam Paredes CBA-Agroecologia2013
 
Apresentação Ingrid de Barros CBA-Agroecologia2013
Apresentação Ingrid de Barros   CBA-Agroecologia2013Apresentação Ingrid de Barros   CBA-Agroecologia2013
Apresentação Ingrid de Barros CBA-Agroecologia2013
 
Apresentação Inês Rugani CBA-Agroecologia2013
Apresentação Inês Rugani CBA-Agroecologia2013Apresentação Inês Rugani CBA-Agroecologia2013
Apresentação Inês Rugani CBA-Agroecologia2013
 
Apresentação Guilherme Radomsky CBA-Agroecologia 2013
Apresentação Guilherme Radomsky CBA-Agroecologia 2013Apresentação Guilherme Radomsky CBA-Agroecologia 2013
Apresentação Guilherme Radomsky CBA-Agroecologia 2013
 
Apresentação Gema Galgani Esmeraldo CBA-Agroecologia 2013
Apresentação Gema Galgani Esmeraldo  CBA-Agroecologia 2013Apresentação Gema Galgani Esmeraldo  CBA-Agroecologia 2013
Apresentação Gema Galgani Esmeraldo CBA-Agroecologia 2013
 
Apresentaçao Mariana Oliveira Ramos CBA-Agroecologia 2013
Apresentaçao Mariana Oliveira Ramos  CBA-Agroecologia 2013Apresentaçao Mariana Oliveira Ramos  CBA-Agroecologia 2013
Apresentaçao Mariana Oliveira Ramos CBA-Agroecologia 2013
 

Último

Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 

Apresentaçao Renata Menasche cba agroecologia 2013

  • 1. Dialogando com as diferentes cosmologias: o céu, a agricultura e a vida Renata Menasche
  • 2. 1. COSMOLOGIA: o que é? o que abarca? 2. SOCIEDADE E NATUREZA em diferentes sociedades 3. CAMPESINIDADE 4. DIFERENTES COSMOLOGIAS
  • 3. Cosmologia Todos os povos desenvolvem teorias para entender o mundo. A cosmologia de cada sociedade representa a ordenação do universo, ordem esta que está vinculada a todos os aspectos da vida societária. (Giannini, 1992)
  • 4. Cosmologia abarca: as estruturas espácio-temporais da sociabilidade a posição dos humanos na ordem dos seres vivos as classificações étnicas e sociopolíticas os dispositivos e condições de articulação entre o socius e seu exterior os idiomas simbólicos organizados em torno das substâncias que comunicam o corpo e o mundo a ideologia do parentesco, a etnopsicologia, a concepção de pessoa, a escatologia, etc. (Viveiros de Castro, 2000)
  • 5. 1. COSMOLOGIA: o que é? o que abarca? 2. SOCIEDADE E NATUREZA em diferentes sociedades 3. CAMPESINIDADE 4. DIFERENTES COSMOLOGIAS
  • 6. Sociedade e Natureza A prática social da natureza se articula sobre a ideia que uma dada sociedade faz de si própria, sobre a ideia que ela faz do ambiente que a circunda e sobre a ideia que ela faz de sua intervenção sobre o meio ambiente. (Descola, 1986)
  • 7. Sociedade e natureza entre os Xikrin Sociedade indígena habitante das margens do rio Cateté, no Pará Os índios Xikrin definem espaços naturais distintos: a terra (dividida em clareira e floresta), o céu, o mundo aquático e o mundo subterrâneo. Os espaços naturais são os diferentes domínios que compõem o cosmos. (Giannini, 1992)
  • 8. Sociedade e natureza entre os Xikrin Os nomes pessoais dos Xikrin colocam em relação os humanos, os animais terrestres e os peixes, estabelecendo-se assim um parentesco simbólico entre os habitantes dos diferentes domínios. É a interligação dos domínios, que tem por centro domínios os próprios Xikrin, que permite a construção de sua sociedade. [no caso dos Xikrin, a sociedade é parte da natureza] (Giannini, 1992)
  • 9. Sociedade e natureza nas sociedades urbanas contemporâneas DEUS fora do mundo subordinação separação HOMEM religião formal NATUREZA (E. Woortmann, 2011)
  • 10. ade ão roc id sub or d inaç rec ip o a çã din e bor idad reli gio sid ade DEUS su iproc rec pop ula r Sociedade e natureza em grupos camponeses reciprocidade HOMEM igualdade NATUREZA (criaturas de um mesmo Criador) K. Woortmannn (2000) apud E. Woortmann (2011)
  • 11. Práticas etno-ecológicas camponesas: resultantes de um domínio cognitivo do meio ambiente seca: não resultante de fenômeno climático, mas castigo de Deus para expulsar cobras da roça: rezador “negociação” entre necessidades da família e o que a “terra quer dar” humanização da terra: “precisa descansar”, necessita de “vitamina” “beber água esquentada no sol faz mal” (E. Woortmann, 2011)
  • 12. 1. COSMOLOGIA: o que é? o que abarca? 2. SOCIEDADE E NATUREZA em diferentes sociedades 3. CAMPESINIDADE 4. DIFERENTES COSMOLOGIAS
  • 13. Campesinidade terra, família e trabalho: em interdependência conformando uma ordem moral presente em contextos camponeses, em diferentes épocas e locais mas presente (intensidade) em maior ou menor grau campesinidade como qualidade (K. Woortmann, 1990)
  • 15. 1. COSMOLOGIA: o que é? o que abarca? 2. SOCIEDADE E NATUREZA em diferentes sociedades 3. CAMPESINIDADE 4. DIFERENTES COSMOLOGIAS
  • 16. O ritual do corpo entre os Sonacirema A crença fundamental subjacente a todo o sistema parece ser a de que o corpo humano é feio, e que sua tendência natural é a debilidade e a doença. Encarcerado em tal corpo, a única esperança do homem é evitar essas características, através do uso de poderosas influências do ritual e da cerimônia. Todo grupo doméstico possui um ou mais santuários dedicados a tal propósito. Os indivíduos mais poderosos dessa sociedade têm vários santuários em sua casa... (Miner, 1956)
  • 17. O ritual do corpo entre os Sonacirema Americanos O ponto focal do santuário é uma caixa ou arca embutida na parede. Nessa arca são guardados os inúmeros feitiços e porções mágicas, sem os quais nenhum nativo acredita que poderia viver. Embaixo da caixa de mágica existe uma pequena fonte. Todo dia, cada membro da família, em sucessão, entra no santuário, curva a cabeça diante da caixa de mágica, mistura diferentes tipos de água sagrada na fonte e realiza um breve rito de ablução. (Miner, 1956)
  • 18. Diferentes cosmologias? distintos grupos de agricultores agroecologistas neo-rurais ...
  • 19. Referências DESCOLA, Philippe. La nature domestique: symbolisme et praxis dans l’écologie des Achuar. Paris: Éditions de la Maison des Sciences de l’Homme, 1986. GIANNINI, Isabelle Vidal. Os índios e suas relações com a natureza. In: GRUPIONI L. D. (Org.). Índios no Brasil. São Paulo: Secretaria Municipal da Cultura, 1992. MINER, Horace. Body ritual among the Nacirema. American Anthropologist, n.58, p.503-507, 1956. VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. O campo na selva, visto da praia. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v.5, n.10, p.170-190, 1992. WOORTMANN, Ellen F. Práticas eco-agrícolas tradicionais: ontem e hoje. Retratos de Assentamento, Araraquara, v.14, n.2, p.15-32, 2011. WOORTMANN, Klaas. Com parente não se neguceia: o campesinato como ordem moral. Anuário Antropológico, Rio de Janeiro, n.87, 1990. WOORTMANN, Klaas. O Selvagem na História: Heródoto e a questão do outro. Revista de Antropologia, São Paulo, v.43, n.1, 2000.
  • 20. Dialogando com as diferentes cosmologias: o céu, a agricultura e a vida Renata Menasche renata.menasche@pq.cnpq.br