SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
A Favelização e a
Segregação Sócio
Espacial
A cidade: centro e periferia
A cidade é a mais profunda e radical intervenção humana
sobre a superfície do planeta.
A ocupação, o fluxo e os usos
do espaço geográfico determinam a
valorização
ou a desvalorização das
diferentes localizações.
Pode ser resultado de uma
aglomeração espontânea, como a vila
de São Paulo
de Piratininga.
Pode ser planejada, como Belo
Horizonte, inaugurada em 12 de
dezembro de 1897, para substituir
Ouro Preto.
Atributos paisagísticos e
climáticos das áreas elevadas
serviram de
berço para bairros
residenciais sofisticados.
4 A segregação socioespacial e a exclusão social
Segundo o minidicionário da língua portuguesa, favela quer dizer “conjunto
de casebres desprovidos de recursos higiênicos” (Olinto, 2001).
Imagem: Favela dos Trilhos - 2009 – Goiânia / autor: Cauan Kaizen / Creative Commons Atribuição-Partilha
nos Termos da Mesma Licença 3.0 Unported
A ORIGEM DA PALAVRA FAVELA
A palavra favela, que consagrou as habitações da periferia do Rio de Janeiro e, depois, de todo Brasil,
tem sua origem numa planta da caatinga existente no Arraial de Canudos. A origem do termo se
encontra no episódio histórico conhecido por Guerra de Canudos. A cidadela de Canudos foi construída
junto a alguns morros, entre eles o Morro da Favela, assim batizado em virtude de uma planta
(chamada de favela) que encobria a região. Alguns dos soldados que foram para a guerra, ao
regressarem ao Rio de Janeiro em 1897, deixaram de receber o soldo, instalando-se em construções
provisórias erguidas sobre o Morro da Providência. O local passou então a ser designado popularmente
Morro da Favela, em referência à “favela” original. O nome favela ficou conhecido na década de 1920,
as habitações improvisadas, sem infraestrutura, que ocupavam os morros passaram a ser chamadas de
favelas. Com a destruição do arraial de resistência de Antônio Conselheiro, em Canudos, muitos dos
beatos migraram para o Rio de Janeiro em navios oferecidos pelo poder público, como forma de
desativar o foco de resistência.
SANTOS, I. M. M. dos. Sobre o Nordeste. Disponível em:
http://www.onordeste.com/onordeste/sobreonordeste/index.php
Data de acesso: 23.05.12
Imagem: Cnidoscolus phyllacanthus seed / autor: João Medeirps / Creative Commons Attribution 2.0 Generic
OUTRA VERSÃO PARA A ORIGEM DAS FAVELAS
Com o declínio do mercado negreiro, ex-escravos e outras
parcelas da população acabaram se fixando em fundos de vale e
encostas de morros, que, por estarem dentro da cidade, ficavam
mais próximos do mercado de trabalho (Campos, 2005).
Imagem:Favela/autor:FabioPozzebom/Abr/Creative
CommonsLicenseAttribution3.0Brazil
Favelização cresce 159,6% em dez anos
Aos pés do morro, dois crânios de bode e uma cabeceira de cama fazem a delimitação imaginária do que deveria
ser a parte da frente do terreno de Hailton Lopes dos Santos.
Entre os crânios, sua casa – ou o mais próximo que ele conseguiu chegar disso. Homem falante de 55 anos que diz
ser líder comunitário, presidente de clube carnavalesco, artista plástico, bonequeiro, técnico em refrigeração e em
conserto de eletrodomésticos, ele mora em um cubículo que parece mal se sustentar de pé.
Feito de tábuas de cores e formatos diferentes, mal abriga seu dono e seus quatro companheiros, os cachorros
Tobi, Pop, Cenoura e Já Morreu.
Hailton é um dos 349.920 moradores de aglomerados de baixa renda existentes no Recife/PE. Situação de 9,95%
dos habitantes de todo o estado e de 6% da população brasileira.
No Recife de 1991, 108.025 pessoas moravam nos chamados aglomerados subnormais, nomenclatura usada para
designar favelas, invasões, comunidades de baixa renda, palafitas e outros tipos de assentamentos irregulares.
Em 2000, esse número aumentou para 134.790, uma diferença de 24,7%. O boom ocorreu na década que se
seguiria, com um crescimento de 159,6 em dez anos.
NOGUEIRA, J. Recife favelizado: falta de planejamento na pauta de 2012. in: Diário de Pernambuco, 22/12/2011.
Disponível em: http://blogs.diariodepernambuco.com.br/politica/?tag=favela
Mas o que impulsiona o surgimento das
favelas?
FATORES CONDICIONANTES PARA O CRESCIMENTO DAS CIDADES E O
SURGIMENTO DAS FAVELAS
ÊXODO
RURAL
Mecanização
da agricultura
Falta de
incentivo
/apoio ao
homem do
campo
Problemas
climáticos
(secas,
geadas)
Falta de
infraestrutura
no campo
(escola,
hospitais, etc)
FALTA DE
PERSPECTIVA
CRESCIMENTO
DAS
CIDADES
FALTA DE
PLANEJAMENTO
SURGIMENTO
DAS
FAVELAS
O crescimento acelerado das cidades, quando não é
acompanhado com o devido planejamento, faz surgir
inúmeros problemas. Dentre eles, a favelização.
Imagem:RocinhaFavela/autor:paulaledieu/Creative
CommonsAtribuição2.0Genérica.
Exclusão social e violência urbana
Pobreza e exclusão expressam ideias diferentes.
Pobreza: falta de acesso à
satisfação das necessidades
consideradas mínimas para se ter
uma vida digna e adequada na
sociedade
em que se vive.
Exclusão social: não está associada à ideia
de pobreza originalmente. Trata-se de um
termo que surgiu na luta de segmentos da
sociedade francesa contra a injustiça social
ou contra a falta de igualdade plena de
direitos.
O aumento da pobreza implica reforço desse processo, uma
vez que os direitos do cidadão não estão garantidos.
O processo de globalização agrava as diferenças econômicas e sociais. Na busca por lucros
crescentes, empresas transnacionais fazem exigências em outros países para que lhes sejam
oferecidos mão de obra, infraestrutura
e meios de comunicação mais baratos.
4 A segregação socioespacial e a exclusão social
Exclusão social e violência urbana
Proporção de municípios com incidência de pobreza acima de 50% e índice Gini
acima de 40% − Brasil e grandes regiões (2003)
Uma das principais preocupações da população nas grandes
metrópoles é a segurança.
A violência é resultado da
segmentação
socioespacial e da
diferença de renda.
4 A segregação socioespacial e a exclusão social
O que é planejamento?
O planejamento é uma intervenção do Estado
na cidade. Existe para alterar e dirigir a cidade
na forma considerada necessária e desejável
pela sociedade (CLARK, 1990).
Qual instrumento, no Brasil, que trata da
política urbana e do planejamento urbano?
A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DO BRASIL E A POLÍTICA URBANA
A Constituição Federal do Brasil, nos Art. 182 e 183, trata da questão da política
urbana:
“Art. 182. A política de desenvolvimento urbano, executada pelo Poder Público
municipal, conforme diretrizes gerais fixadas em lei, tem por objetivo ordenar o pleno
desenvolvimento das funções sociais da cidade e garantir o bem-estar de seus
habitantes.
§ 1° O plano diretor, aprovado pela Câmara Municipal, obrigatório para cidades com
mais de vinte mil habitantes, é instrumento básico da política de desenvolvimento e
expansão urbana;
§ A propriedade urbana cumpre sua função social quando atende às exigências
fundamentais de ordenação da cidade expressas no plano diretor.
De acordo com o Art. 182 da Constituição do Brasil, fica claro que a responsabilidade
pela política urbana no Brasil é do poder municipal, ou seja, cabe ao município prover
meios que tornem a cidade um espaço de convivência melhor. Vale salientar que tal
situação é alcançada quando a cidade atende a requisitos básicos que envolvem a sua
função social. Dentre esses requisitos, podemos destacar:
• habitação (moradia digna para todos, envolvendo água, luz e saneamento);
• circulação (questão relacionada ao transporte público de qualidade);
• lazer (praças, parques. Afinal, uma pessoa sem lazer é uma pessoa estressada,
fato que poderá gerar violência);
• trabalho (a cidade que não oferece trabalho formal aos seus habitantes sofrerá
com problemas de mendicância, aumento do consumo do álcool e das drogas e,
por fim, o aumento da violência).
PLANO DIRETOR
Documento obrigatório para cidades com mais de 20 mil habitantes, devendo
ser aprovado pela câmara municipal, reflete os anseios da sociedade e tem
inciativa do prefeito.
Espera-se que o PLANO DIRETOR aponte meios para o desenvolvimento
economicamente viável , socialmente justo e ambientalmente equilibrado.
ESTATUTO DA CIDADE
O Estatuto da Cidade (Lei 10.257 de 10 de julho de 2001) regulamenta a
questão da política urbana no Brasil expressa na constituição brasileira, nos
seus Art. 182 e 183. Tem como princípios básicos o planejamento
participativo e a função social da propriedade.
A PARTICIPAÇÃO POPULAR
A mobilização da sociedade, por meio das associações de moradores de
bairros, dos sindicatos, associações ambientalistas, movimentos estudantis,
de defesa dos direitos humanos e de defesa dos direitos dos consumidores,
poderá auxiliar na modificação da realidade dos grandes centros urbanos,
uma vez que se torna cada vez mais difícil o poder público resolver todos os
problemas que atingem o espaço urbano.
GEOGRAFIA, 7º Ano do Ensino Fundamental
A favelização das cidades
A URBANIZAÇÃO DAS FAVELAS
Com o intuito de fazer cumprir o que determina a lei e resgatar a cidadania de pessoas
que sobrevivem à margem da sociedade, os governos federal, estadual e municipal
vêm tentando, por meio de convênios, amenizar a situação de quem vive nas favelas.
Para tanto, lançam programas de urbanização desses espaços. Como exemplo,
podemos citar a urbanização do Complexo do Alemão no Rio de Janeiro/RJ, das
Comunidades do V8 e V9 em Olinda/PE e a remoção de pessoas que viviam em
palafitas na comunidade de Brasília Teimosa, para conjuntos habitacionais, com o
posterior ordenamento da orla.
Imagem: Chegando na Estação da Baiana do Teleférico no
Complexo do Alemão / autor: ATigre / Creative Commons
Atribuição-Partilha nos Termos da Mesma Licença 3.0
Unported
PONTOS QUE DEVEM SER DISCUTIDOS ANTES DO
PROCESSO DE URBANIZAÇÃO DE UMA FAVELA:
• Quais os anseios da comunidade?
• Qual a vocação da comunidade (com o que a comunidade trabalha)?
• Vale a pena relocar a comunidade para uma área distante de seu local de
origem?
• Caso haja a necessidade de relocar a comunidade, esse novo local será
perto do trabalho que a comunidade costumava exercer?
• Se não for possível a comunidade continuar com o mesmo tipo de
trabalho exercido anteriormente, como qualificá-la para um novo
exercício?
Tais repostas serão encontradas com base no diálogo entre comunidade, seus
representantes (associações) e o governo.
Quem vive nas favelas?
GEOGRAFIA, 7º Ano do Ensino Fundamental
A favelização das cidades
É comum escutarmos piadas preconceituosas a respeito de quem vive em
favelas. O preconceito, muitas vezes, além do viés social e econômico, vem
encoberto com uma máscara de preconceito racial. Será que são verdades as
afirmativas seguintes?
• Todo mundo que mora na favela é traficante ou ladrão.
• Favelado não tem cultura.
• Favelado é tudo mal educado.
• Só podia ser negro e favelado para fazer o que não presta.
• Lugar de negro e favelado é na cadeia, pois lugar de bandido é na cadeia.
ASSISTA AO SEGUINTE VIDEO
Vídeo: “A minha alma” – O Rappa.
Disponível em:
http://www.youtube.com/watch?v=vF1Ad3hr
dzY
O vídeo “A Minha Alma”, da banda o Rappa, retrata o dia a dia de um grupo
de garotos que são negros, pobres e moram na favela. O grupo, sem muita
pretensão, dirigia-se à praia para divertir-se quando foi abordado por
policiais. Será que, se o grupo tivesse uma outra formação: composto por
garotos brancos, ricos e que morassem num bairro nobre à beira mar, teria
sido tratado da mesma forma?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teorias demográficas e estrutura da população
Teorias demográficas e estrutura da populaçãoTeorias demográficas e estrutura da população
Teorias demográficas e estrutura da população
robertobraz
 
Formação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do BrasilFormação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do Brasil
Luciano Pessanha
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográfico
Carminha
 
Conceitos demográficos
Conceitos demográficosConceitos demográficos
Conceitos demográficos
Professor
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
Professor
 

Mais procurados (20)

Teorias demográficas e estrutura da população
Teorias demográficas e estrutura da populaçãoTeorias demográficas e estrutura da população
Teorias demográficas e estrutura da população
 
Território e Poder
Território e PoderTerritório e Poder
Território e Poder
 
Formação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do BrasilFormação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do Brasil
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográfico
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
 
Introdução A Geografia
Introdução A GeografiaIntrodução A Geografia
Introdução A Geografia
 
Conceitos demográficos
Conceitos demográficosConceitos demográficos
Conceitos demográficos
 
População Brasileira
População BrasileiraPopulação Brasileira
População Brasileira
 
Aula 3 - fluxos migratórios
Aula 3 -  fluxos migratóriosAula 3 -  fluxos migratórios
Aula 3 - fluxos migratórios
 
O Território Brasileiro
O Território BrasileiroO Território Brasileiro
O Território Brasileiro
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
 
IDH - Índice de Desenvolvimento Humano
IDH - Índice de Desenvolvimento HumanoIDH - Índice de Desenvolvimento Humano
IDH - Índice de Desenvolvimento Humano
 
Cartografia 1º ano
Cartografia 1º anoCartografia 1º ano
Cartografia 1º ano
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
Formação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroFormação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiro
 
Formação do território brasileiro
Formação do território brasileiroFormação do território brasileiro
Formação do território brasileiro
 
População Brasileira
População BrasileiraPopulação Brasileira
População Brasileira
 
Evolução do pensamento geográfico
Evolução do pensamento geográficoEvolução do pensamento geográfico
Evolução do pensamento geográfico
 
Fuso Horário
Fuso HorárioFuso Horário
Fuso Horário
 
O espaço rural no Brasil (Reforma Agrária) -7º ANO (2016)
O espaço rural no Brasil (Reforma Agrária) -7º ANO (2016)O espaço rural no Brasil (Reforma Agrária) -7º ANO (2016)
O espaço rural no Brasil (Reforma Agrária) -7º ANO (2016)
 

Destaque

Assentamentos urbanos
Assentamentos urbanosAssentamentos urbanos
Assentamentos urbanos
abokaiuka
 
Desigualdade segregação espacial 1
Desigualdade segregação espacial 1Desigualdade segregação espacial 1
Desigualdade segregação espacial 1
orlandoguedess
 
Agência Mandacaru
Agência MandacaruAgência Mandacaru
Agência Mandacaru
DNA Digital
 
8. impactos ambientais da urbanização
8. impactos ambientais da urbanização8. impactos ambientais da urbanização
8. impactos ambientais da urbanização
Virna Salgado Barra
 
Espaços da cidade e segregação social
Espaços da cidade e segregação socialEspaços da cidade e segregação social
Espaços da cidade e segregação social
Grupo Educacional Opet
 

Destaque (20)

Assentamentos urbanos
Assentamentos urbanosAssentamentos urbanos
Assentamentos urbanos
 
Favelas
FavelasFavelas
Favelas
 
Favelas
FavelasFavelas
Favelas
 
São Paulo: Segregação urbana e desigualdade
São Paulo: Segregação urbana e desigualdadeSão Paulo: Segregação urbana e desigualdade
São Paulo: Segregação urbana e desigualdade
 
Desigualdade segregação espacial 1
Desigualdade segregação espacial 1Desigualdade segregação espacial 1
Desigualdade segregação espacial 1
 
Fernanda Salles - Projeto de Urbanização da Comunidade Santa Marta
Fernanda Salles - Projeto de Urbanização da Comunidade Santa MartaFernanda Salles - Projeto de Urbanização da Comunidade Santa Marta
Fernanda Salles - Projeto de Urbanização da Comunidade Santa Marta
 
Salvador mostra que Paulo Souto realiza pra valer
Salvador mostra que Paulo Souto realiza pra valerSalvador mostra que Paulo Souto realiza pra valer
Salvador mostra que Paulo Souto realiza pra valer
 
Programa de governo - Priscila Krause 2016
Programa de governo - Priscila Krause 2016Programa de governo - Priscila Krause 2016
Programa de governo - Priscila Krause 2016
 
A vulnerabilidade de populações desassistidas: propostas de estudos futuros
A vulnerabilidade de populações desassistidas: propostas de estudos futurosA vulnerabilidade de populações desassistidas: propostas de estudos futuros
A vulnerabilidade de populações desassistidas: propostas de estudos futuros
 
Privest - Cap. 08 - Situação do espaço urbano
Privest - Cap. 08 - Situação do espaço urbanoPrivest - Cap. 08 - Situação do espaço urbano
Privest - Cap. 08 - Situação do espaço urbano
 
Agência Mandacaru
Agência MandacaruAgência Mandacaru
Agência Mandacaru
 
Favelas
FavelasFavelas
Favelas
 
Area tfg norte_atualizado
Area tfg norte_atualizadoArea tfg norte_atualizado
Area tfg norte_atualizado
 
Favela nova
Favela novaFavela nova
Favela nova
 
Favela
FavelaFavela
Favela
 
8. impactos ambientais da urbanização
8. impactos ambientais da urbanização8. impactos ambientais da urbanização
8. impactos ambientais da urbanização
 
Espaços da cidade e segregação social
Espaços da cidade e segregação socialEspaços da cidade e segregação social
Espaços da cidade e segregação social
 
Afinal, O que é Favela?
Afinal, O que é Favela?Afinal, O que é Favela?
Afinal, O que é Favela?
 
7ª aula- Gestão ambiental urbana.
7ª aula- Gestão ambiental urbana. 7ª aula- Gestão ambiental urbana.
7ª aula- Gestão ambiental urbana.
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
 

Semelhante a Favelização

Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
karolpoa
 
CLÁUDIA FAVARO - Contribuições UFRGS
CLÁUDIA FAVARO - Contribuições UFRGSCLÁUDIA FAVARO - Contribuições UFRGS
CLÁUDIA FAVARO - Contribuições UFRGS
Rafael Barros
 
áReas de fixação da população
áReas de fixação da populaçãoáReas de fixação da população
áReas de fixação da população
Paula Tomaz
 
Tcd de geografia urbana wallace
Tcd de geografia urbana   wallaceTcd de geografia urbana   wallace
Tcd de geografia urbana wallace
wallacemachado2011
 
Texto desigualdades sociespaciais-
Texto  desigualdades sociespaciais-Texto  desigualdades sociespaciais-
Texto desigualdades sociespaciais-
blogarlete
 
Trabalho de Mídias locais - Sergio Bonato
Trabalho de Mídias locais - Sergio BonatoTrabalho de Mídias locais - Sergio Bonato
Trabalho de Mídias locais - Sergio Bonato
agccf
 
PLANEJAMENTO URBANO E O DIREITO A VIDA: Algumas provocações para o debate
PLANEJAMENTO URBANO E O DIREITO A VIDA: Algumas provocações para o debatePLANEJAMENTO URBANO E O DIREITO A VIDA: Algumas provocações para o debate
PLANEJAMENTO URBANO E O DIREITO A VIDA: Algumas provocações para o debate
UFPB
 

Semelhante a Favelização (20)

Geografia a favelizacao das cidades
Geografia   a favelizacao das cidadesGeografia   a favelizacao das cidades
Geografia a favelizacao das cidades
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
 
CLÁUDIA FAVARO - Contribuições UFRGS
CLÁUDIA FAVARO - Contribuições UFRGSCLÁUDIA FAVARO - Contribuições UFRGS
CLÁUDIA FAVARO - Contribuições UFRGS
 
M1D2 - Aula 1
M1D2 - Aula 1M1D2 - Aula 1
M1D2 - Aula 1
 
Maricato, e. erradicar o analfabetismo urbanístico
Maricato, e. erradicar o analfabetismo urbanísticoMaricato, e. erradicar o analfabetismo urbanístico
Maricato, e. erradicar o analfabetismo urbanístico
 
Slide romina
Slide   rominaSlide   romina
Slide romina
 
áReas de fixação da população
áReas de fixação da populaçãoáReas de fixação da população
áReas de fixação da população
 
Tcd de geografia urbana wallace
Tcd de geografia urbana   wallaceTcd de geografia urbana   wallace
Tcd de geografia urbana wallace
 
Apostila Modelo no Ar
Apostila Modelo no ArApostila Modelo no Ar
Apostila Modelo no Ar
 
Texto desigualdades sociespaciais-
Texto  desigualdades sociespaciais-Texto  desigualdades sociespaciais-
Texto desigualdades sociespaciais-
 
Trabalho de Mídias locais - Sergio Bonato
Trabalho de Mídias locais - Sergio BonatoTrabalho de Mídias locais - Sergio Bonato
Trabalho de Mídias locais - Sergio Bonato
 
PLANEJAMENTO URBANO E O DIREITO A VIDA: Algumas provocações para o debate
PLANEJAMENTO URBANO E O DIREITO A VIDA: Algumas provocações para o debatePLANEJAMENTO URBANO E O DIREITO A VIDA: Algumas provocações para o debate
PLANEJAMENTO URBANO E O DIREITO A VIDA: Algumas provocações para o debate
 
Aula 14- 8º GEO -As diferenças e desigualdades das grandes cidades latino-ame...
Aula 14- 8º GEO -As diferenças e desigualdades das grandes cidades latino-ame...Aula 14- 8º GEO -As diferenças e desigualdades das grandes cidades latino-ame...
Aula 14- 8º GEO -As diferenças e desigualdades das grandes cidades latino-ame...
 
Aspectos Do Brasil 1º Ma
Aspectos Do Brasil 1º MaAspectos Do Brasil 1º Ma
Aspectos Do Brasil 1º Ma
 
TCC Operação Defesa das Águas - Bairro dos Sonhos? Urbanização na periferia é...
TCC Operação Defesa das Águas - Bairro dos Sonhos? Urbanização na periferia é...TCC Operação Defesa das Águas - Bairro dos Sonhos? Urbanização na periferia é...
TCC Operação Defesa das Águas - Bairro dos Sonhos? Urbanização na periferia é...
 
Bairro dos Sonhos? Urbanização na periferia é aprovada pela população, mas cr...
Bairro dos Sonhos? Urbanização na periferia é aprovada pela população, mas cr...Bairro dos Sonhos? Urbanização na periferia é aprovada pela população, mas cr...
Bairro dos Sonhos? Urbanização na periferia é aprovada pela população, mas cr...
 
PRIVEST - Urbanização - 3º em
PRIVEST - Urbanização - 3º emPRIVEST - Urbanização - 3º em
PRIVEST - Urbanização - 3º em
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
Geografia – meio urbano 01 – 2013
Geografia – meio urbano 01 – 2013 Geografia – meio urbano 01 – 2013
Geografia – meio urbano 01 – 2013
 

Mais de Artur Lara

Mais de Artur Lara (20)

Cartografia completa
Cartografia completaCartografia completa
Cartografia completa
 
Oriente médio e estado islâmico
Oriente médio e estado islâmicoOriente médio e estado islâmico
Oriente médio e estado islâmico
 
Israel e palestina
Israel e palestinaIsrael e palestina
Israel e palestina
 
Mundo multipolar - Geopolítica
Mundo multipolar - GeopolíticaMundo multipolar - Geopolítica
Mundo multipolar - Geopolítica
 
Clima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
Clima Geral e Brasileiro para Ensino MédioClima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
Clima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
 
Hidrografia geral e do Brasileira
Hidrografia geral e do Brasileira Hidrografia geral e do Brasileira
Hidrografia geral e do Brasileira
 
Questão agrária no brasil
Questão agrária no brasilQuestão agrária no brasil
Questão agrária no brasil
 
O espaço agrário mundial
O espaço agrário mundialO espaço agrário mundial
O espaço agrário mundial
 
Estrututa geológica
Estrututa geológicaEstrututa geológica
Estrututa geológica
 
Brexit
BrexitBrexit
Brexit
 
Onu
OnuOnu
Onu
 
Exercícios fuso horário
Exercícios fuso horárioExercícios fuso horário
Exercícios fuso horário
 
Estrutura geológica brasil e do paraná
Estrutura geológica brasil e do paranáEstrutura geológica brasil e do paraná
Estrutura geológica brasil e do paraná
 
Exercícios coordenadas
Exercícios coordenadasExercícios coordenadas
Exercícios coordenadas
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
Blocos econômicos
Blocos econômicosBlocos econômicos
Blocos econômicos
 
Brics
BricsBrics
Brics
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Demografia aplicada ao vestibular - População mundial
Demografia aplicada ao vestibular - População mundialDemografia aplicada ao vestibular - População mundial
Demografia aplicada ao vestibular - População mundial
 
Urbanização Mundial e Brasileira
Urbanização Mundial e BrasileiraUrbanização Mundial e Brasileira
Urbanização Mundial e Brasileira
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 

Último (20)

Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 

Favelização

  • 1. A Favelização e a Segregação Sócio Espacial
  • 2. A cidade: centro e periferia A cidade é a mais profunda e radical intervenção humana sobre a superfície do planeta. A ocupação, o fluxo e os usos do espaço geográfico determinam a valorização ou a desvalorização das diferentes localizações. Pode ser resultado de uma aglomeração espontânea, como a vila de São Paulo de Piratininga. Pode ser planejada, como Belo Horizonte, inaugurada em 12 de dezembro de 1897, para substituir Ouro Preto. Atributos paisagísticos e climáticos das áreas elevadas serviram de berço para bairros residenciais sofisticados. 4 A segregação socioespacial e a exclusão social
  • 3.
  • 4. Segundo o minidicionário da língua portuguesa, favela quer dizer “conjunto de casebres desprovidos de recursos higiênicos” (Olinto, 2001). Imagem: Favela dos Trilhos - 2009 – Goiânia / autor: Cauan Kaizen / Creative Commons Atribuição-Partilha nos Termos da Mesma Licença 3.0 Unported
  • 5. A ORIGEM DA PALAVRA FAVELA A palavra favela, que consagrou as habitações da periferia do Rio de Janeiro e, depois, de todo Brasil, tem sua origem numa planta da caatinga existente no Arraial de Canudos. A origem do termo se encontra no episódio histórico conhecido por Guerra de Canudos. A cidadela de Canudos foi construída junto a alguns morros, entre eles o Morro da Favela, assim batizado em virtude de uma planta (chamada de favela) que encobria a região. Alguns dos soldados que foram para a guerra, ao regressarem ao Rio de Janeiro em 1897, deixaram de receber o soldo, instalando-se em construções provisórias erguidas sobre o Morro da Providência. O local passou então a ser designado popularmente Morro da Favela, em referência à “favela” original. O nome favela ficou conhecido na década de 1920, as habitações improvisadas, sem infraestrutura, que ocupavam os morros passaram a ser chamadas de favelas. Com a destruição do arraial de resistência de Antônio Conselheiro, em Canudos, muitos dos beatos migraram para o Rio de Janeiro em navios oferecidos pelo poder público, como forma de desativar o foco de resistência. SANTOS, I. M. M. dos. Sobre o Nordeste. Disponível em: http://www.onordeste.com/onordeste/sobreonordeste/index.php Data de acesso: 23.05.12 Imagem: Cnidoscolus phyllacanthus seed / autor: João Medeirps / Creative Commons Attribution 2.0 Generic
  • 6. OUTRA VERSÃO PARA A ORIGEM DAS FAVELAS Com o declínio do mercado negreiro, ex-escravos e outras parcelas da população acabaram se fixando em fundos de vale e encostas de morros, que, por estarem dentro da cidade, ficavam mais próximos do mercado de trabalho (Campos, 2005). Imagem:Favela/autor:FabioPozzebom/Abr/Creative CommonsLicenseAttribution3.0Brazil
  • 7. Favelização cresce 159,6% em dez anos Aos pés do morro, dois crânios de bode e uma cabeceira de cama fazem a delimitação imaginária do que deveria ser a parte da frente do terreno de Hailton Lopes dos Santos. Entre os crânios, sua casa – ou o mais próximo que ele conseguiu chegar disso. Homem falante de 55 anos que diz ser líder comunitário, presidente de clube carnavalesco, artista plástico, bonequeiro, técnico em refrigeração e em conserto de eletrodomésticos, ele mora em um cubículo que parece mal se sustentar de pé. Feito de tábuas de cores e formatos diferentes, mal abriga seu dono e seus quatro companheiros, os cachorros Tobi, Pop, Cenoura e Já Morreu. Hailton é um dos 349.920 moradores de aglomerados de baixa renda existentes no Recife/PE. Situação de 9,95% dos habitantes de todo o estado e de 6% da população brasileira. No Recife de 1991, 108.025 pessoas moravam nos chamados aglomerados subnormais, nomenclatura usada para designar favelas, invasões, comunidades de baixa renda, palafitas e outros tipos de assentamentos irregulares. Em 2000, esse número aumentou para 134.790, uma diferença de 24,7%. O boom ocorreu na década que se seguiria, com um crescimento de 159,6 em dez anos. NOGUEIRA, J. Recife favelizado: falta de planejamento na pauta de 2012. in: Diário de Pernambuco, 22/12/2011. Disponível em: http://blogs.diariodepernambuco.com.br/politica/?tag=favela
  • 8. Mas o que impulsiona o surgimento das favelas?
  • 9. FATORES CONDICIONANTES PARA O CRESCIMENTO DAS CIDADES E O SURGIMENTO DAS FAVELAS ÊXODO RURAL Mecanização da agricultura Falta de incentivo /apoio ao homem do campo Problemas climáticos (secas, geadas) Falta de infraestrutura no campo (escola, hospitais, etc) FALTA DE PERSPECTIVA CRESCIMENTO DAS CIDADES FALTA DE PLANEJAMENTO SURGIMENTO DAS FAVELAS
  • 10. O crescimento acelerado das cidades, quando não é acompanhado com o devido planejamento, faz surgir inúmeros problemas. Dentre eles, a favelização. Imagem:RocinhaFavela/autor:paulaledieu/Creative CommonsAtribuição2.0Genérica.
  • 11. Exclusão social e violência urbana Pobreza e exclusão expressam ideias diferentes. Pobreza: falta de acesso à satisfação das necessidades consideradas mínimas para se ter uma vida digna e adequada na sociedade em que se vive. Exclusão social: não está associada à ideia de pobreza originalmente. Trata-se de um termo que surgiu na luta de segmentos da sociedade francesa contra a injustiça social ou contra a falta de igualdade plena de direitos. O aumento da pobreza implica reforço desse processo, uma vez que os direitos do cidadão não estão garantidos. O processo de globalização agrava as diferenças econômicas e sociais. Na busca por lucros crescentes, empresas transnacionais fazem exigências em outros países para que lhes sejam oferecidos mão de obra, infraestrutura e meios de comunicação mais baratos. 4 A segregação socioespacial e a exclusão social
  • 12. Exclusão social e violência urbana Proporção de municípios com incidência de pobreza acima de 50% e índice Gini acima de 40% − Brasil e grandes regiões (2003) Uma das principais preocupações da população nas grandes metrópoles é a segurança. A violência é resultado da segmentação socioespacial e da diferença de renda. 4 A segregação socioespacial e a exclusão social
  • 13. O que é planejamento?
  • 14. O planejamento é uma intervenção do Estado na cidade. Existe para alterar e dirigir a cidade na forma considerada necessária e desejável pela sociedade (CLARK, 1990).
  • 15. Qual instrumento, no Brasil, que trata da política urbana e do planejamento urbano?
  • 16. A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DO BRASIL E A POLÍTICA URBANA A Constituição Federal do Brasil, nos Art. 182 e 183, trata da questão da política urbana: “Art. 182. A política de desenvolvimento urbano, executada pelo Poder Público municipal, conforme diretrizes gerais fixadas em lei, tem por objetivo ordenar o pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade e garantir o bem-estar de seus habitantes. § 1° O plano diretor, aprovado pela Câmara Municipal, obrigatório para cidades com mais de vinte mil habitantes, é instrumento básico da política de desenvolvimento e expansão urbana; § A propriedade urbana cumpre sua função social quando atende às exigências fundamentais de ordenação da cidade expressas no plano diretor.
  • 17. De acordo com o Art. 182 da Constituição do Brasil, fica claro que a responsabilidade pela política urbana no Brasil é do poder municipal, ou seja, cabe ao município prover meios que tornem a cidade um espaço de convivência melhor. Vale salientar que tal situação é alcançada quando a cidade atende a requisitos básicos que envolvem a sua função social. Dentre esses requisitos, podemos destacar: • habitação (moradia digna para todos, envolvendo água, luz e saneamento); • circulação (questão relacionada ao transporte público de qualidade); • lazer (praças, parques. Afinal, uma pessoa sem lazer é uma pessoa estressada, fato que poderá gerar violência); • trabalho (a cidade que não oferece trabalho formal aos seus habitantes sofrerá com problemas de mendicância, aumento do consumo do álcool e das drogas e, por fim, o aumento da violência).
  • 18. PLANO DIRETOR Documento obrigatório para cidades com mais de 20 mil habitantes, devendo ser aprovado pela câmara municipal, reflete os anseios da sociedade e tem inciativa do prefeito. Espera-se que o PLANO DIRETOR aponte meios para o desenvolvimento economicamente viável , socialmente justo e ambientalmente equilibrado.
  • 19. ESTATUTO DA CIDADE O Estatuto da Cidade (Lei 10.257 de 10 de julho de 2001) regulamenta a questão da política urbana no Brasil expressa na constituição brasileira, nos seus Art. 182 e 183. Tem como princípios básicos o planejamento participativo e a função social da propriedade.
  • 20. A PARTICIPAÇÃO POPULAR A mobilização da sociedade, por meio das associações de moradores de bairros, dos sindicatos, associações ambientalistas, movimentos estudantis, de defesa dos direitos humanos e de defesa dos direitos dos consumidores, poderá auxiliar na modificação da realidade dos grandes centros urbanos, uma vez que se torna cada vez mais difícil o poder público resolver todos os problemas que atingem o espaço urbano. GEOGRAFIA, 7º Ano do Ensino Fundamental A favelização das cidades
  • 21. A URBANIZAÇÃO DAS FAVELAS Com o intuito de fazer cumprir o que determina a lei e resgatar a cidadania de pessoas que sobrevivem à margem da sociedade, os governos federal, estadual e municipal vêm tentando, por meio de convênios, amenizar a situação de quem vive nas favelas. Para tanto, lançam programas de urbanização desses espaços. Como exemplo, podemos citar a urbanização do Complexo do Alemão no Rio de Janeiro/RJ, das Comunidades do V8 e V9 em Olinda/PE e a remoção de pessoas que viviam em palafitas na comunidade de Brasília Teimosa, para conjuntos habitacionais, com o posterior ordenamento da orla. Imagem: Chegando na Estação da Baiana do Teleférico no Complexo do Alemão / autor: ATigre / Creative Commons Atribuição-Partilha nos Termos da Mesma Licença 3.0 Unported
  • 22. PONTOS QUE DEVEM SER DISCUTIDOS ANTES DO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO DE UMA FAVELA: • Quais os anseios da comunidade? • Qual a vocação da comunidade (com o que a comunidade trabalha)? • Vale a pena relocar a comunidade para uma área distante de seu local de origem? • Caso haja a necessidade de relocar a comunidade, esse novo local será perto do trabalho que a comunidade costumava exercer? • Se não for possível a comunidade continuar com o mesmo tipo de trabalho exercido anteriormente, como qualificá-la para um novo exercício? Tais repostas serão encontradas com base no diálogo entre comunidade, seus representantes (associações) e o governo.
  • 23. Quem vive nas favelas? GEOGRAFIA, 7º Ano do Ensino Fundamental A favelização das cidades
  • 24. É comum escutarmos piadas preconceituosas a respeito de quem vive em favelas. O preconceito, muitas vezes, além do viés social e econômico, vem encoberto com uma máscara de preconceito racial. Será que são verdades as afirmativas seguintes? • Todo mundo que mora na favela é traficante ou ladrão. • Favelado não tem cultura. • Favelado é tudo mal educado. • Só podia ser negro e favelado para fazer o que não presta. • Lugar de negro e favelado é na cadeia, pois lugar de bandido é na cadeia.
  • 25. ASSISTA AO SEGUINTE VIDEO Vídeo: “A minha alma” – O Rappa. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=vF1Ad3hr dzY
  • 26. O vídeo “A Minha Alma”, da banda o Rappa, retrata o dia a dia de um grupo de garotos que são negros, pobres e moram na favela. O grupo, sem muita pretensão, dirigia-se à praia para divertir-se quando foi abordado por policiais. Será que, se o grupo tivesse uma outra formação: composto por garotos brancos, ricos e que morassem num bairro nobre à beira mar, teria sido tratado da mesma forma?

Notas do Editor

  1. Professor: o índice Gini mede a igualdade ou desigualdade dos países na distribuição de renda da população.