SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Título da palestra Advocacy para
Terceiro Setor
Ana Carrenho é sócia-fundadora do escritório, conduzindo de
forma estratégica e eficiente os desafios das organizações,
prezando pela tecnicidade e resolutividade. Iniciou atividade
de Advocacy junto à organização internacional de defesa e
proteção de direitos humanos, atuando até os dias atuais.
Foi conselheira em conselhos de políticas publicas tais como
de meio ambiente e, cultura de paz e assistência social.
Atualmente é membro da Comissão de Direito do Terceiro
Setor da OAB/SP.
Palestrante Ana Carolina Carrenho
• Contexto: a voz da sociedade na ‘política’
• Conceitos: advocacy, lobby e ativismo social
• Defesa de interesses no Estado Democrático de Direito
A importância do advocacy – Conceitos e Objetivos
• Legislação para Relações governamentais e Institucionais
é insuficiente e não reflete o espectro de atuação
• Estratégia para mudar Política Pública em nome de uma
causa
Regulamentação da prática
Conceitos
Ativismo
Ações pensadas para convencer
ou informar as pessoas para, por
exemplo, obter apoio popular
para uma causa ou colocar um
problema na agenda pública.
Ao realizar tais atividades, pode-
se pressionar stakeholders
específicos para que mudem de
opinião sobre determinada
matéria mesmo de forma remota
ou on line. Exemplo de leitura de
tweets no plenário da câmara.
Lobby
Pode ser definido como uma
estratégia focada na relação direta
com os tomadores de decisão,
voltada para apresentar demandas
e influenciar políticas públicas.
Ação
Atuação frente a frente com o
tomador de decisão, assessoria
parlamentar.
Fidelização, engajamento, percurso
de construção relacional
institucional.
Advocacy
Advocacy é o conjunto de
ações, estrategicamente
definidas e orientadas, que
busca promover mudanças
em políticas públicas locais,
regionais, nacionais ou
internacionais, visando
alcançar a missão, a visão e
os objetivos estratégicos de
uma organização ou
coalizão de organizações.
Estratégia
As estratégias de advocacy incluem
ferramentas como o próprio ativismo e o
lobby, assim como dados e sistemas de
gerenciamento de informações
dinâmico.
Advocacy no Brasil
- Não está regulamentado no Brasil ainda, há projeto de lei sobre o tema. O
Brasil é um país com problemas de base, estruturais e por essa razão existe a
necessidade de aprofundamento de estudos empíricos e de argumentação
- Atendimento direto ou mudanças com diferentes estratégias formação,
comunicação, coalizações)
- Qual é a mudança que se pretende, para posteriormente ser definida as
melhores estratégias e ações
- Como ser mais efetivo para influenciar os tomadores de decisão? Não é só
intuição ou atividades soltas é preciso ter um bom plano, para inclusive poder
medir
- Ações focadas também frente as questões políticas que envolvem as suas
causas, no âmbito, municipal, estadual, federal.
- Produção de Conteúdo Técnico: Relatórios, Informação técnica de qualidade
- Conhecimento técnico e científico, teste na sua organização, discuta sua ideia e
veja quanto tempo ela se sustenta, quem está interessado? Construção técnica
e conceitual
Resumo
Advocacy é a atividade que
desenvolve ações planejadas e
estratégicas voltadas para influenciar
políticas públicas.
Assim, atividades de comunicação,
pesquisa, sensibilização e mobilização
da sociedade podem fazer parte de
uma estratégia de advocacy, mas
somente quando estiverem articuladas
e claramente orientadas para gerar
uma mudança em uma determinada
política pública.
Os três Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário
PODER EXECUTIVO:
• Administrar o país/estado ou município é a função principal do Poder
Executivo. Poder delegado a realizar as políticas públicas, de acordo com o
interesse da população e aplicar as leis corretamente para que o propósito e
a ordem não saiam do controle.
• Dividido em três esferas - Federal, Estadual e Municipal, o Poder Executivo
tem suas figuras representativas, respectivamente, em Presidente da
República, Governadores dos Estados e Prefeitos nos Municípios escolhidos
por meio de votação da população.
• Além disso, cada uma das três esferas pode escolher seus representantes
auxiliares. Possuem autonomia para escolher, por exemplo, secretários e
outros cargos de confiança para que a execução das políticas públicas seja
feita da melhor forma.
Os três Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário
PODER EXECUTIVO = FUNÇÕES
É sua responsabilidade entender e priorizar programas que, por
meio de um programa de governo pré-estabelecido, seguem
diretrizes orçamentárias.
Cobrar corretamente os impostos;
Definir a aplicabilidade de investimentos em serviços públicos
por meio da arrecadação dos impostos;
A quantidade de escolas, hospitais, pavimentos e infraestrutura
que atenderão à determinada área (de acordo com suas
necessidades);
A titularidade das relações internacionais e representatividade
em atos cívicos, de acordo com o regido na Constituição
Federal.
Os três Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário
PODER LEGISLATIVO
Os três Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário
PODER LEGISLATIVO: FUNÇÕES
• Assim, os órgãos federais são compostos pelo
Congresso Nacional e Senado Federal; os órgãos
estaduais, pela Assembleia Legislativa, com
representação por meio dos Deputados Estaduais; e os
órgãos municipais, com a Câmara Municipal
representada pelos Vereadores.
• Além disso, a esfera Federal também conta com o
Tribunal de Contas da União (TCU), que auxilia o
Congresso Nacional sobre o controle e fiscalização
orçamentária, contábil, financeira e operacional, além de
cuidar e zelar pelo patrimônio e administração pública. (
TCEs e TCM/SP)
Os três Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário
PODER JUDICIÁRIO
• O Poder Judiciário é composto pelo Supremo Tribunal Federal
(STF), Superior Tribunal de Justiça (STJ) e pelas Justiças
Estaduais - por meio de seus Tribunais de Justiça (TJ). O STF
é o órgão máximo do Poder Judiciário.
• Transforma os resultados das ações em leis é uma das funções
do Poder Judiciário. Assim, por meio de dois papéis
importantes, sobre o controle de constitucionalidade, o Poder
Legislativo julga as leis criadas pelo Poder Legislativo e pela
Constituição Federal (CF).
• Além disso, as normas gerais e abstratas, bem como a
composição dos conflitos em casos de processos judiciais,
também são avaliadas por este órgão.
Os três Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário
PODER JUDICIÁRIO:FUNÇÕES
• O STF é formado por 11 Ministros a partir da indicação do
Presidente da República, que são aprovados pelo Senado. Não
se trata de um cargo obtido por meio de concurso, mas por
indicação e confiança. Todas as normas constitucionais bem
como o cumprimento da Constituição Federal, são de controle
do STF.
• O Superior Tribunal de Justiça aponta e julga as causas de
conflito jurisprudenciais, de desembargadores, governadores e
outros com foro privilegiado.
• As Justiças Eleitorais são formadas a partir de cada Tribunal de
Justiça de estado e os Juízes Estaduais.
A chave de planos de ação
efetivos está em dedicar tempo
de qualidade na primeira
etapa: diagnóstico
É necessário ter clareza dos
principais elementos que envolvem
a sua agenda para entender e
conhecer o ambiente que a
organização atua e atuará
“Sem um planejamento estratégico
competente, ninguém sobreviverá
nesses tempos globalizados”
Michael Porter
Vivemos num mundo mais
complexo, não linear e
conectado
Definir os temas e/ou causas
importantes para a sua
organização, a SUA AGENDA
Mapear os stakeholders
(públicos de interesse) que
influenciam a sua agenda
Identificar elementos de apoio
e de ‘ameaça’ para
levantamento de PAUTAS e
políticas públicas
Temas
Pautas
Públicos
Um bom
diagnóstico
envolve...
“A maioria das pessoas não planeja
fracassar, fracassa por não planejar”
John L. Beckley
DELIMITANDO O ESCOPO DA SUA AGENDA
DELIMITANDO O ESCOPO DA SUA AGENDA
Participação interdisciplinar para planejamento e execução
Comunicação:
Sensibilizar os membros da organização para conhecer melhor a dinâmica que as
políticas públicas são elaboradas e implementadas;
Buscar estratégias de relações externas para desenvolver capital político e de
reputação;
Engajar Stakeholders
Gestão:
Definir resultados intermediários, enquanto mantem-se uma visão de longo prazo;
Buscar oportunidades de coordenação e de colaboração, minimizando a
duplicação de esforços;
apoio de entidades setoriais alinhadas para fornecer planos de defesa eficazes;
Gerir cronograma, com alinhamento das ações de advocacy entre as diferentes
áreas e com os objetivos estratégicos da organização no longo, médio e curto
prazos;
Planejar ajuda a alocar, da forma mais efetiva possível, os recursos existentes
(tempo, recursos financeiros e habilidades);
Revisar dados e análises fornecidas pelas equipes de monitoramento legislativo
Avaliar tendências e estratégias de atuação
O que o Jurídico pode fazer pelo trabalho de Advocacy:
- Fornecer apoio técnico para manter a organização inserida em com incidência
no ambiente regulatório;
- Instruir a equipe interna sobre os processos decisórios e políticos;
- Capacitar sobre sistema de poderes e suas competências;
- Prevenir questões relacionadas a LGPD e ações de advocacy;
- Desenvolver material técnico para memoriais, notas técnicas, para assessoria de
imprensa, atuação como amicus curiae em processos de interesse da
Organização, utilizar ferramentas jurídicas como Lei de Acesso a Informação;
- Desenvolvimento de pareceres e notas de apoio de Projetos de Lei;
- Formatar textos para sugestão de Projetos de Lei.
Participação interdisciplinar para planejamento e execução
Obrigado!
Ana Carrenho
11 98183 9809 11 2691 1311
anacarolina@pinheirocarrenho.com.br
#pinheirocarrenho
PPT_FIFE_2022_ANA_CARRENHO.pptx

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a PPT_FIFE_2022_ANA_CARRENHO.pptx

Curso de politicas publicas - professor Tadeu
Curso de politicas publicas - professor TadeuCurso de politicas publicas - professor Tadeu
Curso de politicas publicas - professor TadeuTio Hatiro
 
OFICINA PRÁTICA Elaboração Plano de Ação e Relatório de Atividades
OFICINA PRÁTICA Elaboração Plano de Ação e Relatório de AtividadesOFICINA PRÁTICA Elaboração Plano de Ação e Relatório de Atividades
OFICINA PRÁTICA Elaboração Plano de Ação e Relatório de AtividadesKelsonAlmeida1
 
Apostila admfinancorc01
Apostila admfinancorc01Apostila admfinancorc01
Apostila admfinancorc01Sandra Dória
 
Centro Universitário Luterano de Jí-Paraná Curso de Serviço Social Disciplin...
Centro Universitário Luterano de Jí-Paraná Curso de Serviço Social  Disciplin...Centro Universitário Luterano de Jí-Paraná Curso de Serviço Social  Disciplin...
Centro Universitário Luterano de Jí-Paraná Curso de Serviço Social Disciplin...LOCIMAR MASSALAI
 
Projetos Politicos e Arranjos Participativos Nacionais
Projetos Politicos e Arranjos Participativos NacionaisProjetos Politicos e Arranjos Participativos Nacionais
Projetos Politicos e Arranjos Participativos NacionaisEnid Rocha
 
João Domingos - Experiência das Organizações da Sociedade Civil, 05/23/2014
 João Domingos - Experiência das Organizações da Sociedade Civil, 05/23/2014 João Domingos - Experiência das Organizações da Sociedade Civil, 05/23/2014
João Domingos - Experiência das Organizações da Sociedade Civil, 05/23/2014Development Workshop Angola
 
A importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2 -apresentação final
A importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2 -apresentação finalA importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2 -apresentação final
A importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2 -apresentação finalHeloísa Ximenes
 
Oficina AdministraçãO PúBlica E Sociedade
Oficina AdministraçãO PúBlica E SociedadeOficina AdministraçãO PúBlica E Sociedade
Oficina AdministraçãO PúBlica E SociedadeSimone Elisa Heitor
 
Aula 12 2014.1 ucam - gestão contemporânea - lobista
Aula 12   2014.1 ucam - gestão contemporânea - lobistaAula 12   2014.1 ucam - gestão contemporânea - lobista
Aula 12 2014.1 ucam - gestão contemporânea - lobistaAngelo Peres
 
MELHORIA DA QUALIDADE REGULATÓRIA: UM OLHAR PARA AS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDE...
MELHORIA DA QUALIDADE REGULATÓRIA: UM OLHAR PARA AS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDE...MELHORIA DA QUALIDADE REGULATÓRIA: UM OLHAR PARA AS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDE...
MELHORIA DA QUALIDADE REGULATÓRIA: UM OLHAR PARA AS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDE...Mauricio Moraes
 
politicas publicas AULA 21-9.pdf Estudo dirigido
politicas publicas AULA 21-9.pdf Estudo dirigidopoliticas publicas AULA 21-9.pdf Estudo dirigido
politicas publicas AULA 21-9.pdf Estudo dirigidoLedaMariadaSilva1
 
CONSELHO DO IDOSO
CONSELHO DO IDOSO CONSELHO DO IDOSO
CONSELHO DO IDOSO Allan Vieira
 
Cronograma.docx
Cronograma.docxCronograma.docx
Cronograma.docxBia Avelar
 
Acesso à informação e criação de ouvidorias
Acesso à informação e criação de ouvidoriasAcesso à informação e criação de ouvidorias
Acesso à informação e criação de ouvidoriasRobert W. Ribeiro
 

Semelhante a PPT_FIFE_2022_ANA_CARRENHO.pptx (20)

Curso de politicas publicas - professor Tadeu
Curso de politicas publicas - professor TadeuCurso de politicas publicas - professor Tadeu
Curso de politicas publicas - professor Tadeu
 
OFICINA PRÁTICA Elaboração Plano de Ação e Relatório de Atividades
OFICINA PRÁTICA Elaboração Plano de Ação e Relatório de AtividadesOFICINA PRÁTICA Elaboração Plano de Ação e Relatório de Atividades
OFICINA PRÁTICA Elaboração Plano de Ação e Relatório de Atividades
 
Apostila admfinancorc01
Apostila admfinancorc01Apostila admfinancorc01
Apostila admfinancorc01
 
Noções básicas de direito administrativo
Noções básicas de direito administrativoNoções básicas de direito administrativo
Noções básicas de direito administrativo
 
Centro Universitário Luterano de Jí-Paraná Curso de Serviço Social Disciplin...
Centro Universitário Luterano de Jí-Paraná Curso de Serviço Social  Disciplin...Centro Universitário Luterano de Jí-Paraná Curso de Serviço Social  Disciplin...
Centro Universitário Luterano de Jí-Paraná Curso de Serviço Social Disciplin...
 
Projetos Politicos e Arranjos Participativos Nacionais
Projetos Politicos e Arranjos Participativos NacionaisProjetos Politicos e Arranjos Participativos Nacionais
Projetos Politicos e Arranjos Participativos Nacionais
 
N assistência social
N assistência socialN assistência social
N assistência social
 
João Domingos - Experiência das Organizações da Sociedade Civil, 05/23/2014
 João Domingos - Experiência das Organizações da Sociedade Civil, 05/23/2014 João Domingos - Experiência das Organizações da Sociedade Civil, 05/23/2014
João Domingos - Experiência das Organizações da Sociedade Civil, 05/23/2014
 
Administração e Política
Administração e PolíticaAdministração e Política
Administração e Política
 
A importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2 -apresentação final
A importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2 -apresentação finalA importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2 -apresentação final
A importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2 -apresentação final
 
Introdução aos sistemas e programas federais de financiamento, convênio e pat...
Introdução aos sistemas e programas federais de financiamento, convênio e pat...Introdução aos sistemas e programas federais de financiamento, convênio e pat...
Introdução aos sistemas e programas federais de financiamento, convênio e pat...
 
Oficina AdministraçãO PúBlica E Sociedade
Oficina AdministraçãO PúBlica E SociedadeOficina AdministraçãO PúBlica E Sociedade
Oficina AdministraçãO PúBlica E Sociedade
 
Rede social sao_paulo
Rede social sao_pauloRede social sao_paulo
Rede social sao_paulo
 
Aula 12 2014.1 ucam - gestão contemporânea - lobista
Aula 12   2014.1 ucam - gestão contemporânea - lobistaAula 12   2014.1 ucam - gestão contemporânea - lobista
Aula 12 2014.1 ucam - gestão contemporânea - lobista
 
MELHORIA DA QUALIDADE REGULATÓRIA: UM OLHAR PARA AS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDE...
MELHORIA DA QUALIDADE REGULATÓRIA: UM OLHAR PARA AS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDE...MELHORIA DA QUALIDADE REGULATÓRIA: UM OLHAR PARA AS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDE...
MELHORIA DA QUALIDADE REGULATÓRIA: UM OLHAR PARA AS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDE...
 
politicas publicas AULA 21-9.pdf
politicas publicas AULA 21-9.pdfpoliticas publicas AULA 21-9.pdf
politicas publicas AULA 21-9.pdf
 
politicas publicas AULA 21-9.pdf Estudo dirigido
politicas publicas AULA 21-9.pdf Estudo dirigidopoliticas publicas AULA 21-9.pdf Estudo dirigido
politicas publicas AULA 21-9.pdf Estudo dirigido
 
CONSELHO DO IDOSO
CONSELHO DO IDOSO CONSELHO DO IDOSO
CONSELHO DO IDOSO
 
Cronograma.docx
Cronograma.docxCronograma.docx
Cronograma.docx
 
Acesso à informação e criação de ouvidorias
Acesso à informação e criação de ouvidoriasAcesso à informação e criação de ouvidorias
Acesso à informação e criação de ouvidorias
 

Mais de Ana Carolina Pinheiro Carrenho

Mais de Ana Carolina Pinheiro Carrenho (6)

ODS e captacão de recursos.pdf
ODS e captacão de recursos.pdfODS e captacão de recursos.pdf
ODS e captacão de recursos.pdf
 
Quadro Comparativo CEBAS- 07_julho_22.pdf
Quadro Comparativo CEBAS- 07_julho_22.pdfQuadro Comparativo CEBAS- 07_julho_22.pdf
Quadro Comparativo CEBAS- 07_julho_22.pdf
 
PL_2991_19_Latera_LAI_e_13.019.pdf
PL_2991_19_Latera_LAI_e_13.019.pdfPL_2991_19_Latera_LAI_e_13.019.pdf
PL_2991_19_Latera_LAI_e_13.019.pdf
 
PLP 19_2022_pdf.pdf
PLP 19_2022_pdf.pdfPLP 19_2022_pdf.pdf
PLP 19_2022_pdf.pdf
 
Novo Marco Regulatório das OSC's
Novo Marco Regulatório das OSC'sNovo Marco Regulatório das OSC's
Novo Marco Regulatório das OSC's
 
Lei 13.019/2014 Novo Marco Regulatório terceiro Setor
Lei 13.019/2014 Novo Marco Regulatório terceiro SetorLei 13.019/2014 Novo Marco Regulatório terceiro Setor
Lei 13.019/2014 Novo Marco Regulatório terceiro Setor
 

PPT_FIFE_2022_ANA_CARRENHO.pptx

  • 1. Título da palestra Advocacy para Terceiro Setor
  • 2. Ana Carrenho é sócia-fundadora do escritório, conduzindo de forma estratégica e eficiente os desafios das organizações, prezando pela tecnicidade e resolutividade. Iniciou atividade de Advocacy junto à organização internacional de defesa e proteção de direitos humanos, atuando até os dias atuais. Foi conselheira em conselhos de políticas publicas tais como de meio ambiente e, cultura de paz e assistência social. Atualmente é membro da Comissão de Direito do Terceiro Setor da OAB/SP. Palestrante Ana Carolina Carrenho
  • 3. • Contexto: a voz da sociedade na ‘política’ • Conceitos: advocacy, lobby e ativismo social • Defesa de interesses no Estado Democrático de Direito A importância do advocacy – Conceitos e Objetivos
  • 4. • Legislação para Relações governamentais e Institucionais é insuficiente e não reflete o espectro de atuação • Estratégia para mudar Política Pública em nome de uma causa Regulamentação da prática
  • 6. Ativismo Ações pensadas para convencer ou informar as pessoas para, por exemplo, obter apoio popular para uma causa ou colocar um problema na agenda pública. Ao realizar tais atividades, pode- se pressionar stakeholders específicos para que mudem de opinião sobre determinada matéria mesmo de forma remota ou on line. Exemplo de leitura de tweets no plenário da câmara.
  • 7. Lobby Pode ser definido como uma estratégia focada na relação direta com os tomadores de decisão, voltada para apresentar demandas e influenciar políticas públicas. Ação Atuação frente a frente com o tomador de decisão, assessoria parlamentar. Fidelização, engajamento, percurso de construção relacional institucional.
  • 8. Advocacy Advocacy é o conjunto de ações, estrategicamente definidas e orientadas, que busca promover mudanças em políticas públicas locais, regionais, nacionais ou internacionais, visando alcançar a missão, a visão e os objetivos estratégicos de uma organização ou coalizão de organizações. Estratégia As estratégias de advocacy incluem ferramentas como o próprio ativismo e o lobby, assim como dados e sistemas de gerenciamento de informações dinâmico.
  • 9. Advocacy no Brasil - Não está regulamentado no Brasil ainda, há projeto de lei sobre o tema. O Brasil é um país com problemas de base, estruturais e por essa razão existe a necessidade de aprofundamento de estudos empíricos e de argumentação - Atendimento direto ou mudanças com diferentes estratégias formação, comunicação, coalizações) - Qual é a mudança que se pretende, para posteriormente ser definida as melhores estratégias e ações - Como ser mais efetivo para influenciar os tomadores de decisão? Não é só intuição ou atividades soltas é preciso ter um bom plano, para inclusive poder medir - Ações focadas também frente as questões políticas que envolvem as suas causas, no âmbito, municipal, estadual, federal. - Produção de Conteúdo Técnico: Relatórios, Informação técnica de qualidade - Conhecimento técnico e científico, teste na sua organização, discuta sua ideia e veja quanto tempo ela se sustenta, quem está interessado? Construção técnica e conceitual
  • 10. Resumo Advocacy é a atividade que desenvolve ações planejadas e estratégicas voltadas para influenciar políticas públicas. Assim, atividades de comunicação, pesquisa, sensibilização e mobilização da sociedade podem fazer parte de uma estratégia de advocacy, mas somente quando estiverem articuladas e claramente orientadas para gerar uma mudança em uma determinada política pública.
  • 11. Os três Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário PODER EXECUTIVO: • Administrar o país/estado ou município é a função principal do Poder Executivo. Poder delegado a realizar as políticas públicas, de acordo com o interesse da população e aplicar as leis corretamente para que o propósito e a ordem não saiam do controle. • Dividido em três esferas - Federal, Estadual e Municipal, o Poder Executivo tem suas figuras representativas, respectivamente, em Presidente da República, Governadores dos Estados e Prefeitos nos Municípios escolhidos por meio de votação da população. • Além disso, cada uma das três esferas pode escolher seus representantes auxiliares. Possuem autonomia para escolher, por exemplo, secretários e outros cargos de confiança para que a execução das políticas públicas seja feita da melhor forma.
  • 12. Os três Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário PODER EXECUTIVO = FUNÇÕES É sua responsabilidade entender e priorizar programas que, por meio de um programa de governo pré-estabelecido, seguem diretrizes orçamentárias. Cobrar corretamente os impostos; Definir a aplicabilidade de investimentos em serviços públicos por meio da arrecadação dos impostos; A quantidade de escolas, hospitais, pavimentos e infraestrutura que atenderão à determinada área (de acordo com suas necessidades); A titularidade das relações internacionais e representatividade em atos cívicos, de acordo com o regido na Constituição Federal.
  • 13. Os três Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário PODER LEGISLATIVO
  • 14. Os três Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário PODER LEGISLATIVO: FUNÇÕES • Assim, os órgãos federais são compostos pelo Congresso Nacional e Senado Federal; os órgãos estaduais, pela Assembleia Legislativa, com representação por meio dos Deputados Estaduais; e os órgãos municipais, com a Câmara Municipal representada pelos Vereadores. • Além disso, a esfera Federal também conta com o Tribunal de Contas da União (TCU), que auxilia o Congresso Nacional sobre o controle e fiscalização orçamentária, contábil, financeira e operacional, além de cuidar e zelar pelo patrimônio e administração pública. ( TCEs e TCM/SP)
  • 15. Os três Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário PODER JUDICIÁRIO • O Poder Judiciário é composto pelo Supremo Tribunal Federal (STF), Superior Tribunal de Justiça (STJ) e pelas Justiças Estaduais - por meio de seus Tribunais de Justiça (TJ). O STF é o órgão máximo do Poder Judiciário. • Transforma os resultados das ações em leis é uma das funções do Poder Judiciário. Assim, por meio de dois papéis importantes, sobre o controle de constitucionalidade, o Poder Legislativo julga as leis criadas pelo Poder Legislativo e pela Constituição Federal (CF). • Além disso, as normas gerais e abstratas, bem como a composição dos conflitos em casos de processos judiciais, também são avaliadas por este órgão.
  • 16. Os três Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário PODER JUDICIÁRIO:FUNÇÕES • O STF é formado por 11 Ministros a partir da indicação do Presidente da República, que são aprovados pelo Senado. Não se trata de um cargo obtido por meio de concurso, mas por indicação e confiança. Todas as normas constitucionais bem como o cumprimento da Constituição Federal, são de controle do STF. • O Superior Tribunal de Justiça aponta e julga as causas de conflito jurisprudenciais, de desembargadores, governadores e outros com foro privilegiado. • As Justiças Eleitorais são formadas a partir de cada Tribunal de Justiça de estado e os Juízes Estaduais.
  • 17. A chave de planos de ação efetivos está em dedicar tempo de qualidade na primeira etapa: diagnóstico É necessário ter clareza dos principais elementos que envolvem a sua agenda para entender e conhecer o ambiente que a organização atua e atuará “Sem um planejamento estratégico competente, ninguém sobreviverá nesses tempos globalizados” Michael Porter Vivemos num mundo mais complexo, não linear e conectado
  • 18. Definir os temas e/ou causas importantes para a sua organização, a SUA AGENDA Mapear os stakeholders (públicos de interesse) que influenciam a sua agenda Identificar elementos de apoio e de ‘ameaça’ para levantamento de PAUTAS e políticas públicas Temas Pautas Públicos Um bom diagnóstico envolve... “A maioria das pessoas não planeja fracassar, fracassa por não planejar” John L. Beckley
  • 19. DELIMITANDO O ESCOPO DA SUA AGENDA
  • 20.
  • 21. DELIMITANDO O ESCOPO DA SUA AGENDA
  • 22.
  • 23.
  • 24. Participação interdisciplinar para planejamento e execução Comunicação: Sensibilizar os membros da organização para conhecer melhor a dinâmica que as políticas públicas são elaboradas e implementadas; Buscar estratégias de relações externas para desenvolver capital político e de reputação; Engajar Stakeholders Gestão: Definir resultados intermediários, enquanto mantem-se uma visão de longo prazo; Buscar oportunidades de coordenação e de colaboração, minimizando a duplicação de esforços; apoio de entidades setoriais alinhadas para fornecer planos de defesa eficazes; Gerir cronograma, com alinhamento das ações de advocacy entre as diferentes áreas e com os objetivos estratégicos da organização no longo, médio e curto prazos; Planejar ajuda a alocar, da forma mais efetiva possível, os recursos existentes (tempo, recursos financeiros e habilidades); Revisar dados e análises fornecidas pelas equipes de monitoramento legislativo Avaliar tendências e estratégias de atuação
  • 25. O que o Jurídico pode fazer pelo trabalho de Advocacy: - Fornecer apoio técnico para manter a organização inserida em com incidência no ambiente regulatório; - Instruir a equipe interna sobre os processos decisórios e políticos; - Capacitar sobre sistema de poderes e suas competências; - Prevenir questões relacionadas a LGPD e ações de advocacy; - Desenvolver material técnico para memoriais, notas técnicas, para assessoria de imprensa, atuação como amicus curiae em processos de interesse da Organização, utilizar ferramentas jurídicas como Lei de Acesso a Informação; - Desenvolvimento de pareceres e notas de apoio de Projetos de Lei; - Formatar textos para sugestão de Projetos de Lei. Participação interdisciplinar para planejamento e execução
  • 26. Obrigado! Ana Carrenho 11 98183 9809 11 2691 1311 anacarolina@pinheirocarrenho.com.br #pinheirocarrenho

Notas do Editor

  1. Exemplos dos participantes sobre os conceitos. Mobilização e articulação política Comunicação LAI Inteligência Técnica ( dados) Autores ou relatores de propostas legislativas Esforço por longo período de tempo Advogar pela causa
  2. Exemplos dos participantes sobre os conceitos. Mobilização e articulação política Comunicação LAI Inteligência Técnica ( dados) Autores ou relatores de propostas legislativas Esforço por longo período de tempo Advogar pela causa
  3. Exemplos dos participantes sobre os conceitos. Mobilização e articulação política Comunicação LAI Inteligência Técnica ( dados) Autores ou relatores de propostas legislativas Esforço por longo período de tempo Advogar pela causa
  4. Exemplos dos participantes sobre os conceitos. Mobilização e articulação política Comunicação LAI Inteligência Técnica ( dados) Autores ou relatores de propostas legislativas Esforço por longo período de tempo Advogar pela causa
  5. Exemplos dos participantes sobre os conceitos. Mobilização e articulação política Comunicação LAI Inteligência Técnica ( dados) Autores ou relatores de propostas legislativas Esforço por longo período de tempo Advogar pela causa
  6. Exemplos dos participantes sobre os conceitos. Mobilização e articulação política Comunicação LAI Inteligência Técnica ( dados) Autores ou relatores de propostas legislativas Esforço por longo período de tempo Advogar pela causa
  7. Exemplos dos participantes sobre os conceitos. Mobilização e articulação política Comunicação LAI Inteligência Técnica ( dados) Autores ou relatores de propostas legislativas Esforço por longo período de tempo Advogar pela causa
  8. https://cortex-intelligence.com/blog/inteligencia-de-mercado/o-que-e-mundo-bani/ https://crescimentum.com.br/de-vuca-a-bani-entenda-o-novo-conceito/
  9. Doenças raras > hemofilia > doação de sangue > etc Quais atores (stakeholders) possuem o poder de influenciar quem toma decisões sobre os temas da organização? Como a indústria, a sociedade, o judiciário, os pacientes influenciam?
  10. https://www.linkedin.com/pulse/o-que-%C3%A9-matriz-de-materialidade-e-qual-sua-para-esg-felipe/?trk=public_profile_article_view
  11. https://www.linkedin.com/pulse/o-que-%C3%A9-matriz-de-materialidade-e-qual-sua-para-esg-felipe/?trk=public_profile_article_view
  12. https://www.linkedin.com/pulse/o-que-%C3%A9-matriz-de-materialidade-e-qual-sua-para-esg-felipe/?trk=public_profile_article_view
  13. https://maisdiversidade.com.br/pdf/calendariodadiversidade.pdf (mídia gratuita, pauta natural da imprensa)