SlideShare uma empresa Scribd logo
PEA – População
Economicamente Ativa e
Setores da Economia
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Observe as imagens.
Colheita de café no
fim do século XIX.
Colheita de café no ano de 2001.
MarcFerrez/AcervoInstitutoMoreiraSalles
DelfimMartins/PulsarImagens
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Indústria automobilística
brasileira nos anos 1950.
AcercoIconographia
Indústria automobilística
brasileira nos anos 2000.
JucaMartins/OlharImagem
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Extração de petróleo em
Santos, SP, em 2000.
Extração de petróleo em
Lobato, BA, em 1939.
AcercoIconographia
RogérioReis/PulsarImagens
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
AcercoIconographia
JucaMartins/OlharImagem
Loja de roupas em 1906.
Loja de roupas em 2008.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Conversa
 A que períodos as fotografias se referem?
 Que atividades econômicas estão sendo
desenvolvidas nas fotografias?
 Descreva as características da atividade
produtiva que se observa nas fotografias.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
A população e os setores da economia
A população que exerce atividade remunerada constitui a
População Economicamente Ativa (PEA) de um país.
Os desempregados,
desde que estejam à
procura de emprego,
também fazem parte da
PEA.
As crianças de modo
geral, as donas de casa,
os aposentados e os
idosos que não trabalham
constituem o grupo
chamado população
economicamente inativa
(PEI).
9
PRIMÁRIO
SECUNDÁRIO
TERCIÁRIO
A PEA de um país se distribui em três grandes
setores de atividades:
10
O conjunto de atividades econômicas
que produzem matérias-primas, implica
geralmente na transformação de
recursos naturais em produtos primários.
11
Muitos produtos do setor primário são
matérias-primas levadas para indústrias,
a fim de serem transformadas em
produtos industrializados.
12
Agricultura;
Pecuária;
Silvicultura;
Caça;
Mineração.
Pesca;
13
Pecuária é a arte ou o conjunto de
processos técnicos usados na
domesticação e produção de animais
com objetivos econômicos.
14
Utiliza recursos tecnológicos avançados,
tais como: gado confinado, reprodução
através de inseminação artificial, controle
via satélite, dentre outros.
15
Desenvolvida em grandes extensões de
terras, com gado solto, geralmente sem
grandes aplicação de recursos tecnológicos,
investimentos financeiros nem recursos
veterinários importantes.
16
Atualmente a pecuária utiliza recursos
tecnológicos avançados.
Inseminação artificial
Identificação eletrônica
EXPLORAÇÃO DAS FLORESTAS
EXPLORAÇÃO DAS FLORESTAS
Vegetação
original do
mundo
Vegetação do
mundo em 2006
EXPLORAÇÃO DAS FLORESTAS
 Para preparar a terra para o
cultivo agrícola, é preciso retirar
sua cobertura vegetal natural.
 Em muitas áreas de novos
cultivos, utiliza-se o fogo para
isso. Isso causa devastação no
espaço natural e reduz as
florestas do mundo
EXPLORAÇÃO DAS FLORESTAS
A Europa é o continente onde
ocorreu maior devastação de
florestas:
- De início a devastação ocorria
em zonas que margeavam mares
e rios;
- O desenvolvimento dos meios de
transporte expandiu o processo
de destruição, pois ampliou as
possibilidades de produção em
áreas distantes dos centros de
consumo.
Desmatamento na Europa
DESMATAMENTO NO BRASIL
• A maior destruição ocorre na Amazônia;
• São derrubadas, em média, mais de 10 mil Km² de floresta
por ano.
DESMATAMENTO NO BRASILProfessor Henry
DESMATAMENTO EM SÃO PAULO
25
Entende-se por
silvicultura, o
ato de criar e
desenvolver
povoamentos
florestais,
satisfazendo as
necessidades de
mercado.
Para compensar os efeitos do desmatamento, em alguns lugares pratica-se
o cultivo organizado de espécies de floresta (floresta replantada),
sobretudo arvores, processo esse chamado de silvicultura.
A multifuncionalidade da floresta
replantada
Função social – ar puro e lazer.
Função ambiental – preservação dos solos,
conservação da água, regularização do ciclo
hidrológico armazenamento de carbono e protecção
da biodiversidade.
Função económica : produz matérias e frutos; gera
emprego e riqueza
29
Consiste na extração de organismos
aquáticos para diversos fins, tais
como: a alimentação, a recreação
(pesca recreativa ou pesca
desportiva), a ornamentação (captura
de espécies ornamentais), ou para fins
industriais, incluindo o fabricação de
rações para o alimento de animais.
30
ALIMENTAÇÃO
RECREATIVA
ORNAMENTAÇÃOINDUSTRIAL
31
A atividade pesqueira é uma das
mais antigas práticas dos povos do
litoral do Brasil, sendo responsável
pelo fornecimento de proteína
animal e fonte de renda para uma
importante parcela da população.
32
Consiste na extração de recursos minerais
que são transformados em matérias-primas
para o desenvolvimento de diversos produtos,
desde os mais simples, até os que agregam
muita tecnologia.
33
Alguns métodos de exploração dos
recursos minerais, ao longo do tempo,
mostraram-se predatórios e degradantes
ao ambiente.
34
As minas de
extração de
minérios provocam
perda da vegetação
e erosão do solo. O
uso de substâncias
químicas podem
contaminar o solo.
35
O prefixo agro tem origem no verbete
latino agru que significa "terra cultivável
ou campo”.
AGRICULTURA
É o cultivo de espécies de plantas
FINALIDADE
S:
Produção de:
ALIMENTOS
ENERGIA
MATÉRIA-PRIMA
PARA ROUPAS
MEDICAMENTOS
-Tradicional
- Moderno
- Alternativo
AGROSSISTE
MAS
 Utilização da tração animal
 Trabalho Humano
 Tecnologia mínima ou ausente
 Exemplos: Pastoreio nômade, sistema de roças, agricultura
de jardinagem e o plantation.
GRANDE PARTE DA PRODUÇÃO DESTINADO AO
MERCADO INTERNO E SUBSISTÊNCIA
TRADICIONAIS
 Utilização de tecnologias (adubos, transgênicos, maquinário
agrícola)
 Emprega menos mão de obra que os agrossistemas
tradicionais
 Utilização de tecnologia no transporte da produção
 Exemplo: Agricultura empresarial.
MODERNOS
GRANDE PARTE DA PRODUÇÃO ABASTECE O MERCADO EXTERNO
 Procuram minimizar os impactos ambientais
 Não utilizam insumos químicos
 Também são chamados de sistemas ecológicos, orgânicos e
sustentáveis
 Exemplos: Hidropônica, terraceamento e orgânicos.
ALTERNATIVOS
DESTINADO PRINCIPALMENTE PARA O MERCADO INTERNO
41
Abrange as indústrias de beneficiamento,
construção civil e transformação.
42
43
Beneficiamento: consiste em
transformar um produto para que possa
ser consumido, como descascar cereais
ou refinar o açúcar.
44
Construção: utiliza diferentes
matérias primas para criar um novo
produto, como o a construção civil.
45
Transformação: emprega sistemas,
com diferentes graus de sofisticação,
nas atividades de reelaboração de uma
matéria prima.
46
 Indústria de base: é aquela que
produz bens que servirão de base para
outras indústrias, como a metalurgia, a
indústria química, fabricação de
cimento.
47
 Indústria de bens de produção: é a
indústria de máquinas e ferramentas.
48
 Indústria de bens de consumo:
produz o que o mercado consumidor
necessita.
49
Envolve a comercialização de
produtos: Mercados, bancos,
administração e o oferecimento de
serviços comerciais: transporte,
educação, saúde, dentre outros.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
• Setor terciário: atividades que
não produzem mercadorias
mas são fundamentais à
organização da vida em
sociedade e da economia
51
52
ATELIERESCOLASEGURANÇA
LIMPEZA PÚBLICA RESTAURANTESSERVIÇOS GERAIS
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Observe os dados.
*Inclui indústria de transformação.
** inclui outros serviços coletivos, sociais e pessoais e atividades não definidas ou não declaradas.
Fonte: IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. 2005-2006.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
TAREFA
 Qual a porcentagem de trabalhadores em
cada setor da atividade (primário, secundário
e terciário) no Brasil?
 Em que região brasileira há mais
trabalhadores no setor primário? E no setor
secundário?
 Qual região possui mais trabalhadores nas
atividades relacionadas a educação, saúde e
serviços sociais?
ParteintegrantedaobraGeografiaHomemeEspaço,EditoraSaraiva
A mudança de um setor para o outro decorreu do
processo de industrialização e modernização da
economia e da sociedade brasileira.
Predominam no Brasil as atividades do setor terciário.
Nem sempre foi assim:
Há cerca de 50 anos, a maior parte dos trabalhadores
brasileiros exercia atividades no setor primário.
Transporte de contêiner
no porto de Santos (SP).
AgênciaEstado
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
A industrialização brasileira
No decorrer do século XX
A atividade industrial se
expandiu para diversos lugares
do globo
A partir
Dos países que se
industrializaram
primeiro (Reino
Unido, França,
Alemanha, Holanda,
Itália, Estados
Unidos, Japão).
Sobretudo após 1950
Linha de montagem de uma fábrica de
automóveis, São Paulo, SP, no fim dos
anos 1950.
AcervoIconographia
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Esse processo de expansão da atividade industrial foi marcado:
Pela expansão de empresas multinacionais, grandes grupos
empresariais que haviam acumulado enormes quantias de capital e
queriam ampliar ainda mais seus lucros instalando-se em outros países.
Multinacionais de diversos ramos instalaram-se
nos países subdesenvolvidos.
$$$ Investimentos do Estado $$$
em infraestrutura e inúmeros
incentivos criaram condições
para que essas empresas se
instalassem fora de seus países.
No Brasil instalaram-se
indústrias têxteis, alimentícias,
químicas, farmacêuticas, de
eletrodomésticos, cigarros,
bebidas e máquinas, com
destaque para a indústria
automobilística.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Construção de fábrica de indústria
automobilística na década de 1950,
em São Bernardo do Campo (SP).
Indústria siderúrgica em
Cubatão (SP).
FabioColombini/KinoFotoarquivo
AgênciaEstado
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
O Estado teve participação significativa nesse processo, pois
estimulou a vinda das multinacionais por meio de uma série
de incentivos, como diminuição ou isenção de impostos e
doação de terrenos.
Além disso, o Estado garantiu:
• fornecimento de energia, por meio da construção de usinas
hidrelétricas;
• fornecimento de matérias-primas para a indústria, como o aço, por
meio de construção de indústrias siderúrgicas;
• criação de infraestrutura de transporte, com modernização de portos
e aeroportos e, principalmente, construção de rodovias;
• produção de combustíveis e matérias-primas para as indústrias
químicas, com a formação da Petrobras, e com a construção de
diversas refinarias;
• proteção em relação a concorrência externa por meio de impostos
altos de importação e fixação de cotas.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
• A falta de produtos durante a Segunda Guerra Mundial;
• as quedas de preço do café no mercado internacional nos anos 1930;
• a forte dependência da economia brasileira em relação a este produto.
Também contribuíram para que o
governo estimulasse intensamente o
processo de industrialização.
Havia se formado um mercado consumidor, com condições de
adquirir produtos industrializados, além de terem acesso aos
benefícios da energia elétrica. Dessa forma, o Brasil foi, a partir
da década de 1930 e mais intensamente a partir da década de
1950, conhecendo uma mudança na estrutura de sua economia.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Observe o gráfico:
Fonte: IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2005-2006.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Continuação da TAREFA
 Quais setores tiveram diminuição e aumento
na participação da PEA no período de 1940 a
2006?
 Por que o processo de industrialização
contribuiu também para o crescimento do setor
terciário?
 Qual foi o papel do Estado Brasileiro neste
processo?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
A partir do gráfico é possível perceber
que o Brasil foi se transformando
gradativamente num país de
economia basicamente industrial e
terciária, cujas atividades são
desenvolvidas principalmente no
espaço urbano.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
A concentração industrial e econômica no Centro-Sul
A concentração de
atividades industriais no
Centro-Sul foi uma
característica marcante
do processo de
industrialização, o que
contribuiu para a
concentração na região
das atividades
econômicas em geral. Essa região, principalmente os estados de
São Paulo e Rio de Janeiro, era a área do
país que reunia melhores condições de
infraestrutura, mão-de-obra qualificada e
mercado de consumo amplo.
Vista aérea parcial do distrito industrial de
Campinas (SP).
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
A industrialização brasileira foi acompanhada
de profundas desigualdades regionais.
Centro-Sul: Mercadorias Industrializadas
Até meados da década de 1960, praticamente todas as multinacionais,
empresas siderúrgicas, refinarias de petróleo e boa parte das usinas
hidrelétricas que se instalaram no país concentraram-se nos estados de
São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.
Outras regiões do país: Matérias-primas
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Distribuição de empresas no território brasileiro – início da década de 2000
Fonte: Hervé Théry e Neli Aparecida de Mello. Atlas do Brasil – disparidades e dinâmicas do território. São
Paulo: EDUSP, 2005. p. 147 (adaptado).
CarlosTadeudeCarvalhoGamba
Onde há maior concentração de empresas?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Urbanização e integração da economia brasileira
Entre elas:
• o aumento da
concentração populacional
nas cidades,
• a ampliação do número
de municípios,
• o estabelecimento de
áreas industriais,
• a construção de novas
rodovias, portos e
aeroportos.
Processo caracterizado, entre
outros fatores, pela expansão
das cidades e pelo crescimento
da população urbana.
O espaço geográfico do Centro-Sul
conheceu, desde 1950, profundas
modificações.
A urbanização
É consequência imediata
da industrialização,
apesar de não ser causada
exclusivamente por ela.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
A integração entre os mercados das diversas regiões do país e a
integração da economia brasileira com a economia mundial foram
possíveis em virtude dos avanços nos setores de produção e
distribuição de energia, de transportes e de telecomunicações.
Produção de suco de laranja em industria
de Bebedouro (SP). Trata-se de um
exemplo de integração entre indústria e
agricultura.
Transporte de contêiner no
porto de Santos (SP).
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Crescimento e modernização da economia
Entre 1950 e 1980, enquanto o
Produto Interno Bruto (PIB)
cresceu em média 7,5% ao ano.
No setor secundário, o PIB
industrial apresentou crescimento
um pouco maior, atingindo 8,3%.
Apesar do crescimento bastante
expressivo, as desigualdades
sociais permanecem.
Foram até reforçadas.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Crescimento e modernização da economia
Assim, a economia brasileira cresceu e o país se modernizou, mas
em um processo dependente do capital e da tecnologia
estrangeiros, que não trouxe melhorias significativas para a
população mais carente,
tanto da cidade quanto do campo, a miséria está presente tanto
nas localidades mais pobres como nas mais desenvolvidas do
Brasil.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Favela do Manguezal, no Guarujá,
SP (2003).
Morador de rua, em Santa Maria,
RS (2008).
GersonGerlof
NarcisoLourenço/PulsarImagens
Os anos 1990 foram caracterizados por grandes aumentos dos
preços de mercadorias e serviços, e elevação do desemprego.
Assim, a situação das camadas mais pobres da população acabou se
agravando. Em razão disso, tem havido aumento no número de
moradias que oferecem pouco conforto às famílias. O aumento desses
tipos de moradia não se limita às grandes cidades, atinge também
cidades médias e pequenas.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Desemprego, subemprego e trabalho infantil
No Brasil as taxas de desemprego aumentaram bastante,
sobretudo entre o final do século XX e o início do século XXI.
Por consequência dos baixos índices de crescimento
econômico, com redução da produção de mercadorias e
da geração de empregos.
Isso foi resultado de uma política econômica adotada
pelos governos, a partir do início dos anos 1990.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Observe o gráfico.
Fonte: Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial) Folha de S. Paulo. 10 de fevereiro de 2002. p.B-1.
Retomada do crescimento e renda e emprego 2004/2014
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Observe os gráficos.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Desemprego, subemprego e trabalho infantil
Outro fator que contribuiu para o aumento do
desemprego foi a introdução da microeletrônica
e da informática, que possibilita o aumento da
capacidade de produção e a substituição da
mão-de-obra na agricultura, na indústria, nos
serviços e no comércio.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Observe o gráfico e a fotografia a seguir:
Este trabalhador, como os camelôs,
guardadores de carro, empregadas
domésticas diaristas, são pessoas que
exercem atividades de subemprego.
Muitos deles estão sem proteção
social, ou seja, estão na
informalidade, não contribuem com a
previdência social e não pagam
impostos.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
MarcosMichael/JCImagem
Crianças trabalhando em
plantação em Caetés, PE
(2006).
Outra consequência do aumento do
desemprego e do subemprego é a
grande quantidade de crianças e jovens
no mercado de trabalho: mão-de-obra
infantil.
A exploração do trabalho infantil,
proibida por lei para menores de 16
anos, acontece em todos os
estados brasileiros e pode levar à
evasão escolar.
Sem poder continuar estudando, as
crianças terão poucas chances de
competir futuramente no mercado de
trabalho e de encontrar emprego que
lhes garanta uma renda razoável, a
fim de satisfazer suas necessidades
e as de seus familiares.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Responda:
 Quais as causas da concentração industrial na
Região Centro Sul do País?
 Quais as consequências deste crescimento
desigual entre as regiões?
 Por que as desigualdades sociais
aumentaram?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
A Modernização da agropecuária
A industrialização modernizou a agricultura, com
a introdução de produtos químicos, máquinas e
implementos.
Grande grupos empresariais
passaram a controlar a
produção, comercialização e a
industrialização de gêneros
agrícolas.
As multinacionais estão
presentes nos setores de
produção e distribuição de
agrotóxicos, fertilizantes e
adubos, sementes, entre
outros.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Agricultura Familiar (camponesa)
É no grupo de pequenos
agricultores que se encaixa a
responsável por agricultura
familiar, aproximadamente
70% da produção de
alimentos consumidos pelos
brasileiros.
A falta de incentivo governamental
às pequenas propriedades fez com
que muitos agricultores
precisassem vender suas terras às
grandes empresas agropecuárias.
Com isso, a concentração da
propriedade rural nas mãos de poucos
aumentou.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Reforma agrária
Acampamento de trabalhadores rurais sem-
terra ligados ao MST, em Japaratuba, SE
(2007).
Observe a fotografia ao lado.
Ela mostra uma ocupação de
terras promovida pelo
Movimento dos Trabalhadores
Rurais Sem-Terra (MST),
criado em 1984.
O MST é um movimento que
promove ocupações de terras
com o objetivo de
pressionar o governo a
acelerar o processo de
reforma agrária.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Reforma agrária
Além disso, o MST ampara o pequeno agricultor e luta pelo fim do latifúndio.
Também organiza as famílias em cooperativas de produção que recebem
terras do governo. Assim, os pequenos produtores podem comprar máquinas,
equipamentos, adubos, fertilizantes e pesticidas e ter condições de inserir seus
produtos no mercado de forma competitiva.
Responda
 Quais as principais diferenças entre a
agricultura camponesa (familiar) x
Agronegócio?
 O MST costuma usar o termo “ocupação”
para se referir ao assentamento de seus
acampamentos em áreas rurais. Os meios
de comunicação geralmente usam o termo
invasão. Em sua opinião, por que há essa
diferença?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Observe a charge.
Charge “Círculo vicioso” de Angeli, publicada na Folha de S. Paulo, 1º de março de 2004.
Responda
 Que “círculo vicioso” está presente na
charge?
 Quais políticas poderiam ser desenvolvidas
para diminuir as desigualdades sociais e
evitar o desemprego e o subemprego?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Agropecuária Brasileira - Geografia
Agropecuária Brasileira - GeografiaAgropecuária Brasileira - Geografia
Agropecuária Brasileira - Geografia
Bruna M
 
Introdução A Geografia
Introdução A GeografiaIntrodução A Geografia
Introdução A Geografia
Luciano Pessanha
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
Prof.Paulo/geografia
 
Teorias demográficas
Teorias demográficasTeorias demográficas
Teorias demográficas
Rodrigo Baglini
 
Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.
Camila Brito
 
Revolução Verde
Revolução VerdeRevolução Verde
Revolução Verde
Zeca B.
 
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 anoIndustrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
Eponina Alencar
 
A formação do território brasileiro - 7º ano
A formação do território brasileiro - 7º anoA formação do território brasileiro - 7º ano
A formação do território brasileiro - 7º ano
Josi Zanette do Canto
 
As revoluções industriais
As revoluções industriaisAs revoluções industriais
As revoluções industriais
vdailce
 
Questão agrária no brasil
Questão agrária no brasilQuestão agrária no brasil
Questão agrária no brasil
Artur Lara
 
01 geopolítica
01 geopolítica01 geopolítica
01 geopolítica
edsonluz
 
O Território Brasileiro
O Território BrasileiroO Território Brasileiro
O Território Brasileiro
André Luiz Marques
 
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRAINDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
Bruno Lima
 
REVOLUÇÃO VERDE
REVOLUÇÃO VERDEREVOLUÇÃO VERDE
REVOLUÇÃO VERDE
Conceição Fontolan
 
O espaço industrial brasileiro
O espaço industrial brasileiroO espaço industrial brasileiro
O espaço industrial brasileiro
Fernanda Lopes
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura
Dell Andrade
 
Setores da Economia
Setores da EconomiaSetores da Economia
Setores da Economia
Ricardo Alex de Sousa
 
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
Agropecuária geral e do brasil
Agropecuária   geral e do brasilAgropecuária   geral e do brasil
Agropecuária geral e do brasil
Professor
 
Industrialização brasil
Industrialização brasilIndustrialização brasil
Industrialização brasil
edsonluz
 

Mais procurados (20)

Agropecuária Brasileira - Geografia
Agropecuária Brasileira - GeografiaAgropecuária Brasileira - Geografia
Agropecuária Brasileira - Geografia
 
Introdução A Geografia
Introdução A GeografiaIntrodução A Geografia
Introdução A Geografia
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
 
Teorias demográficas
Teorias demográficasTeorias demográficas
Teorias demográficas
 
Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.
 
Revolução Verde
Revolução VerdeRevolução Verde
Revolução Verde
 
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 anoIndustrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
 
A formação do território brasileiro - 7º ano
A formação do território brasileiro - 7º anoA formação do território brasileiro - 7º ano
A formação do território brasileiro - 7º ano
 
As revoluções industriais
As revoluções industriaisAs revoluções industriais
As revoluções industriais
 
Questão agrária no brasil
Questão agrária no brasilQuestão agrária no brasil
Questão agrária no brasil
 
01 geopolítica
01 geopolítica01 geopolítica
01 geopolítica
 
O Território Brasileiro
O Território BrasileiroO Território Brasileiro
O Território Brasileiro
 
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRAINDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
 
REVOLUÇÃO VERDE
REVOLUÇÃO VERDEREVOLUÇÃO VERDE
REVOLUÇÃO VERDE
 
O espaço industrial brasileiro
O espaço industrial brasileiroO espaço industrial brasileiro
O espaço industrial brasileiro
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura
 
Setores da Economia
Setores da EconomiaSetores da Economia
Setores da Economia
 
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
 
Agropecuária geral e do brasil
Agropecuária   geral e do brasilAgropecuária   geral e do brasil
Agropecuária geral e do brasil
 
Industrialização brasil
Industrialização brasilIndustrialização brasil
Industrialização brasil
 

Destaque

Aulas 1º Téc. Integrados - Cartografia e Escala
Aulas 1º Téc. Integrados - Cartografia e EscalaAulas 1º Téc. Integrados - Cartografia e Escala
Aulas 1º Téc. Integrados - Cartografia e Escala
Eduardo Mendes
 
Violência Urbana e Geografia
Violência Urbana e GeografiaViolência Urbana e Geografia
Violência Urbana e Geografia
Eduardo Mendes
 
Aula 1º anos Téc. Integrados - Localização Geográfica
Aula 1º anos Téc. Integrados - Localização GeográficaAula 1º anos Téc. Integrados - Localização Geográfica
Aula 1º anos Téc. Integrados - Localização Geográfica
Eduardo Mendes
 
Geografia dos conflitos - Terrorismo e Choque de Civilizações
Geografia dos conflitos - Terrorismo e Choque de CivilizaçõesGeografia dos conflitos - Terrorismo e Choque de Civilizações
Geografia dos conflitos - Terrorismo e Choque de Civilizações
Eduardo Mendes
 
Geografia da População
Geografia da PopulaçãoGeografia da População
Geografia da População
Eduardo Mendes
 
Síntese História das Coisas
Síntese História das CoisasSíntese História das Coisas
Síntese História das Coisas
Eduardo Mendes
 
Aula estrutura da terra e placas tectônicas - 1série 3 bimestre - geografia f...
Aula estrutura da terra e placas tectônicas - 1série 3 bimestre - geografia f...Aula estrutura da terra e placas tectônicas - 1série 3 bimestre - geografia f...
Aula estrutura da terra e placas tectônicas - 1série 3 bimestre - geografia f...
Eduardo Mendes
 
Cpm geo - 2 ano - fontes de energia 03
Cpm   geo -  2 ano - fontes de energia 03Cpm   geo -  2 ano - fontes de energia 03
Cpm geo - 2 ano - fontes de energia 03
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Preschoolfundraising
PreschoolfundraisingPreschoolfundraising
Preschoolfundraising
theartblossom
 
Fontes de Energia
Fontes de EnergiaFontes de Energia
Fontes de Energia
Rodrigo Pavesi
 
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticosModulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Energias renováveis ppt
Energias renováveis pptEnergias renováveis ppt
Energias renováveis ppt
Cátia Oliveira
 
1.ot saresp cht ativuidade 2 síntese autores
1.ot saresp cht ativuidade 2 síntese autores1.ot saresp cht ativuidade 2 síntese autores
1.ot saresp cht ativuidade 2 síntese autores
Eduardo Mendes
 
Modulo 10 - A exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A exploração dos recursos energéticosModulo 10 - A exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A exploração dos recursos energéticos
Claudio Henrique Ramos Sales
 
A revolução haitiana
A revolução haitiana A revolução haitiana
A revolução haitiana
DeaaSouza
 
Independência das colônias espanholas
Independência das colônias espanholasIndependência das colônias espanholas
Independência das colônias espanholas
Fatima Freitas
 
As Energias RenováVeis
As Energias RenováVeisAs Energias RenováVeis
As Energias RenováVeis
Leomark7
 
Fontes de energia geografia
Fontes de energia geografia Fontes de energia geografia
Fontes de energia geografia
Eduardo Mendes
 
Estados Unidos da América (EUA) geografia
Estados Unidos da América (EUA) geografia Estados Unidos da América (EUA) geografia
Estados Unidos da América (EUA) geografia
Eduardo Mendes
 
Atividade - A História Das Coisas
Atividade  - A História Das CoisasAtividade  - A História Das Coisas
Atividade - A História Das Coisas
Linguagem Geográfica
 

Destaque (20)

Aulas 1º Téc. Integrados - Cartografia e Escala
Aulas 1º Téc. Integrados - Cartografia e EscalaAulas 1º Téc. Integrados - Cartografia e Escala
Aulas 1º Téc. Integrados - Cartografia e Escala
 
Violência Urbana e Geografia
Violência Urbana e GeografiaViolência Urbana e Geografia
Violência Urbana e Geografia
 
Aula 1º anos Téc. Integrados - Localização Geográfica
Aula 1º anos Téc. Integrados - Localização GeográficaAula 1º anos Téc. Integrados - Localização Geográfica
Aula 1º anos Téc. Integrados - Localização Geográfica
 
Geografia dos conflitos - Terrorismo e Choque de Civilizações
Geografia dos conflitos - Terrorismo e Choque de CivilizaçõesGeografia dos conflitos - Terrorismo e Choque de Civilizações
Geografia dos conflitos - Terrorismo e Choque de Civilizações
 
Geografia da População
Geografia da PopulaçãoGeografia da População
Geografia da População
 
Síntese História das Coisas
Síntese História das CoisasSíntese História das Coisas
Síntese História das Coisas
 
Aula estrutura da terra e placas tectônicas - 1série 3 bimestre - geografia f...
Aula estrutura da terra e placas tectônicas - 1série 3 bimestre - geografia f...Aula estrutura da terra e placas tectônicas - 1série 3 bimestre - geografia f...
Aula estrutura da terra e placas tectônicas - 1série 3 bimestre - geografia f...
 
Cpm geo - 2 ano - fontes de energia 03
Cpm   geo -  2 ano - fontes de energia 03Cpm   geo -  2 ano - fontes de energia 03
Cpm geo - 2 ano - fontes de energia 03
 
Preschoolfundraising
PreschoolfundraisingPreschoolfundraising
Preschoolfundraising
 
Fontes de Energia
Fontes de EnergiaFontes de Energia
Fontes de Energia
 
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticosModulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
 
Energias renováveis ppt
Energias renováveis pptEnergias renováveis ppt
Energias renováveis ppt
 
1.ot saresp cht ativuidade 2 síntese autores
1.ot saresp cht ativuidade 2 síntese autores1.ot saresp cht ativuidade 2 síntese autores
1.ot saresp cht ativuidade 2 síntese autores
 
Modulo 10 - A exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A exploração dos recursos energéticosModulo 10 - A exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A exploração dos recursos energéticos
 
A revolução haitiana
A revolução haitiana A revolução haitiana
A revolução haitiana
 
Independência das colônias espanholas
Independência das colônias espanholasIndependência das colônias espanholas
Independência das colônias espanholas
 
As Energias RenováVeis
As Energias RenováVeisAs Energias RenováVeis
As Energias RenováVeis
 
Fontes de energia geografia
Fontes de energia geografia Fontes de energia geografia
Fontes de energia geografia
 
Estados Unidos da América (EUA) geografia
Estados Unidos da América (EUA) geografia Estados Unidos da América (EUA) geografia
Estados Unidos da América (EUA) geografia
 
Atividade - A História Das Coisas
Atividade  - A História Das CoisasAtividade  - A História Das Coisas
Atividade - A História Das Coisas
 

Semelhante a PEA e Setores da Economia

População Economicamente Ativa PEA e Setores economia
População Economicamente Ativa PEA e Setores economiaPopulação Economicamente Ativa PEA e Setores economia
População Economicamente Ativa PEA e Setores economia
Eduardo Mendes
 
Administração rural
Administração ruralAdministração rural
Administração rural
Bruno Rodrigues
 
Trabalho de grupo paulo vicente - sónia lopes - sónia gomes
Trabalho de grupo   paulo vicente - sónia lopes - sónia gomesTrabalho de grupo   paulo vicente - sónia lopes - sónia gomes
Trabalho de grupo paulo vicente - sónia lopes - sónia gomes
figo
 
Trabalho ..
Trabalho ..Trabalho ..
Trabalho ..
Sónia
 
Trabalho ..
Trabalho ..Trabalho ..
Trabalho ..
sonia
 
45 152-1-pb
45 152-1-pb45 152-1-pb
45 152-1-pb
Fouad Paracat
 
Educação Ambiental em Escolas do Campo - algumas possibilidades
Educação Ambiental em  Escolas do Campo - algumas possibilidadesEducação Ambiental em  Escolas do Campo - algumas possibilidades
Educação Ambiental em Escolas do Campo - algumas possibilidades
Angela Ewerling
 
Geografia Agrária
Geografia Agrária Geografia Agrária
Geografia Agrária
Luciano Pessanha
 
Trabalho de STC grupo paulo sonia sonia
Trabalho de STC grupo paulo sonia soniaTrabalho de STC grupo paulo sonia sonia
Trabalho de STC grupo paulo sonia sonia
sonia
 
Trabalho de STC6 DR2 / Grupo paulo - sonia sonia
Trabalho de STC6 DR2 / Grupo paulo - sonia soniaTrabalho de STC6 DR2 / Grupo paulo - sonia sonia
Trabalho de STC6 DR2 / Grupo paulo - sonia sonia
sonia
 
Geo h e_8ano_cap5_site_finalizado
Geo h e_8ano_cap5_site_finalizadoGeo h e_8ano_cap5_site_finalizado
Geo h e_8ano_cap5_site_finalizado
rdbtava
 
Aula eixo meio ambiente
Aula eixo meio ambienteAula eixo meio ambiente
Aula eixo meio ambiente
Clécio Bubela
 
Espaço rural
Espaço ruralEspaço rural
Espaço rural
Fernanda Lopes
 
Aula 06 de ciências humanas e suas tecnologias
Aula 06 de ciências humanas e suas tecnologiasAula 06 de ciências humanas e suas tecnologias
Aula 06 de ciências humanas e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Apostila Modelo no Ar
Apostila Modelo no ArApostila Modelo no Ar
Apostila Modelo no Ar
Escola Modelo de Iguatu
 
AULA-01-Relação campo cidad-GEO-IV UNIDADE-ETECS.pptx
AULA-01-Relação campo cidad-GEO-IV UNIDADE-ETECS.pptxAULA-01-Relação campo cidad-GEO-IV UNIDADE-ETECS.pptx
AULA-01-Relação campo cidad-GEO-IV UNIDADE-ETECS.pptx
ProfessorAlamyVerssi
 
Cuidar do meio ambiente
Cuidar do meio ambienteCuidar do meio ambiente
Cuidar do meio ambiente
Acrópole - História & Educação
 
G7. 2.bim 2.0.1.3._aluno
G7. 2.bim 2.0.1.3._alunoG7. 2.bim 2.0.1.3._aluno
G7. 2.bim 2.0.1.3._aluno
Gelson Gbb
 
Caderno pedagogico de geografia 2° bimestre
Caderno pedagogico de geografia   2° bimestreCaderno pedagogico de geografia   2° bimestre
Caderno pedagogico de geografia 2° bimestre
anakarolinarocha
 
Aquecimento global no brasil
Aquecimento global no brasil  Aquecimento global no brasil
Aquecimento global no brasil
Tômisson Silva
 

Semelhante a PEA e Setores da Economia (20)

População Economicamente Ativa PEA e Setores economia
População Economicamente Ativa PEA e Setores economiaPopulação Economicamente Ativa PEA e Setores economia
População Economicamente Ativa PEA e Setores economia
 
Administração rural
Administração ruralAdministração rural
Administração rural
 
Trabalho de grupo paulo vicente - sónia lopes - sónia gomes
Trabalho de grupo   paulo vicente - sónia lopes - sónia gomesTrabalho de grupo   paulo vicente - sónia lopes - sónia gomes
Trabalho de grupo paulo vicente - sónia lopes - sónia gomes
 
Trabalho ..
Trabalho ..Trabalho ..
Trabalho ..
 
Trabalho ..
Trabalho ..Trabalho ..
Trabalho ..
 
45 152-1-pb
45 152-1-pb45 152-1-pb
45 152-1-pb
 
Educação Ambiental em Escolas do Campo - algumas possibilidades
Educação Ambiental em  Escolas do Campo - algumas possibilidadesEducação Ambiental em  Escolas do Campo - algumas possibilidades
Educação Ambiental em Escolas do Campo - algumas possibilidades
 
Geografia Agrária
Geografia Agrária Geografia Agrária
Geografia Agrária
 
Trabalho de STC grupo paulo sonia sonia
Trabalho de STC grupo paulo sonia soniaTrabalho de STC grupo paulo sonia sonia
Trabalho de STC grupo paulo sonia sonia
 
Trabalho de STC6 DR2 / Grupo paulo - sonia sonia
Trabalho de STC6 DR2 / Grupo paulo - sonia soniaTrabalho de STC6 DR2 / Grupo paulo - sonia sonia
Trabalho de STC6 DR2 / Grupo paulo - sonia sonia
 
Geo h e_8ano_cap5_site_finalizado
Geo h e_8ano_cap5_site_finalizadoGeo h e_8ano_cap5_site_finalizado
Geo h e_8ano_cap5_site_finalizado
 
Aula eixo meio ambiente
Aula eixo meio ambienteAula eixo meio ambiente
Aula eixo meio ambiente
 
Espaço rural
Espaço ruralEspaço rural
Espaço rural
 
Aula 06 de ciências humanas e suas tecnologias
Aula 06 de ciências humanas e suas tecnologiasAula 06 de ciências humanas e suas tecnologias
Aula 06 de ciências humanas e suas tecnologias
 
Apostila Modelo no Ar
Apostila Modelo no ArApostila Modelo no Ar
Apostila Modelo no Ar
 
AULA-01-Relação campo cidad-GEO-IV UNIDADE-ETECS.pptx
AULA-01-Relação campo cidad-GEO-IV UNIDADE-ETECS.pptxAULA-01-Relação campo cidad-GEO-IV UNIDADE-ETECS.pptx
AULA-01-Relação campo cidad-GEO-IV UNIDADE-ETECS.pptx
 
Cuidar do meio ambiente
Cuidar do meio ambienteCuidar do meio ambiente
Cuidar do meio ambiente
 
G7. 2.bim 2.0.1.3._aluno
G7. 2.bim 2.0.1.3._alunoG7. 2.bim 2.0.1.3._aluno
G7. 2.bim 2.0.1.3._aluno
 
Caderno pedagogico de geografia 2° bimestre
Caderno pedagogico de geografia   2° bimestreCaderno pedagogico de geografia   2° bimestre
Caderno pedagogico de geografia 2° bimestre
 
Aquecimento global no brasil
Aquecimento global no brasil  Aquecimento global no brasil
Aquecimento global no brasil
 

Mais de Eduardo Mendes

Minicursoanarquismo
MinicursoanarquismoMinicursoanarquismo
Minicursoanarquismo
Eduardo Mendes
 
Dit territorios
Dit territoriosDit territorios
Dit territorios
Eduardo Mendes
 
Projeções Cartográficas
Projeções CartográficasProjeções Cartográficas
Projeções Cartográficas
Eduardo Mendes
 
Orientacao absoluta coordenadas geográficas
Orientacao absoluta coordenadas geográficasOrientacao absoluta coordenadas geográficas
Orientacao absoluta coordenadas geográficas
Eduardo Mendes
 
Orientação relativa
Orientação relativaOrientação relativa
Orientação relativa
Eduardo Mendes
 
Aula Geologia
Aula Geologia Aula Geologia
Aula Geologia
Eduardo Mendes
 
Aula globalização ok
Aula globalização okAula globalização ok
Aula globalização ok
Eduardo Mendes
 
Cartografia: Elementos do Mapa
Cartografia: Elementos do MapaCartografia: Elementos do Mapa
Cartografia: Elementos do Mapa
Eduardo Mendes
 
O.T. Ciências Humanas "Situações de aprendizagem" 2105
O.T. Ciências Humanas "Situações de aprendizagem" 2105O.T. Ciências Humanas "Situações de aprendizagem" 2105
O.T. Ciências Humanas "Situações de aprendizagem" 2105
Eduardo Mendes
 
O.T. Oficinas de Cartografia - Abril 2014
O.T. Oficinas de Cartografia - Abril 2014O.T. Oficinas de Cartografia - Abril 2014
O.T. Oficinas de Cartografia - Abril 2014
Eduardo Mendes
 
O.T. Desenvolvendo a Cartografia no Currículo de Geografia 03.2014
O.T. Desenvolvendo a Cartografia no Currículo de Geografia 03.2014O.T. Desenvolvendo a Cartografia no Currículo de Geografia 03.2014
O.T. Desenvolvendo a Cartografia no Currículo de Geografia 03.2014
Eduardo Mendes
 
3.leitura resultados saresp
3.leitura resultados saresp3.leitura resultados saresp
3.leitura resultados saresp
Eduardo Mendes
 
Oficinadeitens
OficinadeitensOficinadeitens
Oficinadeitens
Eduardo Mendes
 
Ppt ot geografia fontes de energia e infográficos no currículo de geografia
Ppt ot geografia fontes de energia e infográficos no currículo de geografiaPpt ot geografia fontes de energia e infográficos no currículo de geografia
Ppt ot geografia fontes de energia e infográficos no currículo de geografia
Eduardo Mendes
 
Entendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestinaEntendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestina
Eduardo Mendes
 

Mais de Eduardo Mendes (15)

Minicursoanarquismo
MinicursoanarquismoMinicursoanarquismo
Minicursoanarquismo
 
Dit territorios
Dit territoriosDit territorios
Dit territorios
 
Projeções Cartográficas
Projeções CartográficasProjeções Cartográficas
Projeções Cartográficas
 
Orientacao absoluta coordenadas geográficas
Orientacao absoluta coordenadas geográficasOrientacao absoluta coordenadas geográficas
Orientacao absoluta coordenadas geográficas
 
Orientação relativa
Orientação relativaOrientação relativa
Orientação relativa
 
Aula Geologia
Aula Geologia Aula Geologia
Aula Geologia
 
Aula globalização ok
Aula globalização okAula globalização ok
Aula globalização ok
 
Cartografia: Elementos do Mapa
Cartografia: Elementos do MapaCartografia: Elementos do Mapa
Cartografia: Elementos do Mapa
 
O.T. Ciências Humanas "Situações de aprendizagem" 2105
O.T. Ciências Humanas "Situações de aprendizagem" 2105O.T. Ciências Humanas "Situações de aprendizagem" 2105
O.T. Ciências Humanas "Situações de aprendizagem" 2105
 
O.T. Oficinas de Cartografia - Abril 2014
O.T. Oficinas de Cartografia - Abril 2014O.T. Oficinas de Cartografia - Abril 2014
O.T. Oficinas de Cartografia - Abril 2014
 
O.T. Desenvolvendo a Cartografia no Currículo de Geografia 03.2014
O.T. Desenvolvendo a Cartografia no Currículo de Geografia 03.2014O.T. Desenvolvendo a Cartografia no Currículo de Geografia 03.2014
O.T. Desenvolvendo a Cartografia no Currículo de Geografia 03.2014
 
3.leitura resultados saresp
3.leitura resultados saresp3.leitura resultados saresp
3.leitura resultados saresp
 
Oficinadeitens
OficinadeitensOficinadeitens
Oficinadeitens
 
Ppt ot geografia fontes de energia e infográficos no currículo de geografia
Ppt ot geografia fontes de energia e infográficos no currículo de geografiaPpt ot geografia fontes de energia e infográficos no currículo de geografia
Ppt ot geografia fontes de energia e infográficos no currículo de geografia
 
Entendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestinaEntendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestina
 

Último

A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 

Último (20)

A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 

PEA e Setores da Economia