SlideShare uma empresa Scribd logo
Geografia
Homem & Espaço
7º ano
Unidade II – Brasil: Economia e Sociedade
Capítulo 5 – Brasil: de país agrário a país industrial
ELIAN ALABI LUCCI e ANSELMO LAZARO BRANCO
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Observe as imagens.
Colheita de café no
fim do século XIX.
Colheita de café no ano de 2001.
MarcFerrez/AcervoInstitutoMoreiraSalles
DelfimMartins/PulsarImagens
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Indústria automobilística
brasileira nos anos 1950.
AcercoIconographia
Indústria automobilística
brasileira nos anos 2000.
JucaMartins/OlharImagem
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Extração de petróleo em
Santos, SP, em 2000.
Extração de petróleo em
Lobato, BA, em 1939.
AcercoIconographia
RogérioReis/PulsarImagens
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
AcercoIconographia
JucaMartins/OlharImagem
Loja de roupas em 1906.
Loja de roupas em 2008.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Conversa
 A que períodos as fotografias se referem?
 Que atividades econômicas estão sendo
desenvolvidas nas fotografias?
 Copie a tabela no caderno e complete
descrevendo características da atividade
produtiva que se observa nas fotografias.
Siga o modelo.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
A população e os setores da economia
A população que exerce atividade remunerada constitui a
população economicamente ativa (PEA) de um país.
Os desempregados, desde
que estejam à procura de
emprego, também fazem
parte da PEA.
Os estudantes que
não trabalham, as
crianças de modo
geral, as donas de
casa, os aposentados
e os idosos que não
trabalham constituem
o grupo chamado
população
economicamente
inativa (PEI).
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
A PEA de um país se distribui em três grandes
setores de atividades:
• Setor primário: compreende
a agricultura, a pecuária e o
extrativismo animal, vegetal e
mineral, desde que a
quantidade extraída seja
pequena e os equipamentos
utilizados para a extração
sejam simples.
Criação de gado bovino em São
Gabriel, RS (2008).
Mauricio Simonetti/ Pulsar Imagens
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Fábrica de calçados em Ivoti, RS
(2008).
DelfimMartins/PulsarImagens
• Setor secundário: abrange a
indústria, a construção civil e
o extrativismo em geral,
desde que nessa atividade
sejam utilizados máquinas e
equipamentos
tecnologicamente avançados
e a quantidade extraída seja
grande.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Sede da prefeitura de Belém, PA
(2003).
• Setor terciário: atividades
que não produzem
mercadorias mas são
fundamentais à organização
da vida em sociedade e da
economia, como o comércio
e os serviços (transportes,
bancos, meios de
comunicação, administração
pública, saúde, educação). MiguelChikaoka/OlharImagem
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Observe os dados.
*Inclui indústria de transformação.
** inclui outros serviços coletivos, sociais e pessoais e atividades não definidas ou não declaradas.
Fonte: IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. 2005-2006.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Conversa
 Qual a porcentagem de trabalhadores em
cada setor da atividade (primário, secundário
e terciário) no Brasil?
 Em que região brasileira há mais
trabalhadores no setor primário? E no setor
secundário?
 Qual região possui mais trabalhadores na
administração pública? E nas atividades
relacionadas a educação, saúde e serviços
sociais?
ParteintegrantedaobraGeografiaHomemeEspaço,EditoraSaraiva
A mudança de um setor para o outro decorreu do
processo de industrialização e modernização da
economia e da sociedade brasileira.
Predominam no Brasil as atividades do setor terciário.
Nem sempre foi assim:
Há cerca de 50 anos, a maior parte dos trabalhadores
brasileiros exercia atividades no setor primário.
Transporte de contêiner
no porto de Santos (SP).
AgênciaEstado
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
A industrialização brasileira
No decorrer do século XX
A atividade industrial se
expandiu para diversos lugares
do globo
A partir
Dos países que se
industrializaram
primeiro (Reino
Unido, França,
Alemanha, Holanda,
Itália, Estados
Unidos, Japão).
Sobretudo após 1950
Linha de montagem de uma
fábrica de automóveis, São Paulo,
SP, no fim dos anos 1950.
AcervoIconographia
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Esse processo de expansão da atividade
industrial foi marcado:
Pela expansão de empresas multinacionais, grandes grupos
empresariais que haviam acumulado enormes quantias de capital e
queriam ampliar ainda mais seus lucros instalando-se em outros países.
Multinacionais de diversos ramos instalaram-se
nos países subdesenvolvidos.
Investimentos do Estado em
infraestrutura e inúmeros
incentivos criaram condições
para que essas empresas se
instalassem fora de seus países.
No Brasil instalaram-se
indústrias têxteis, alimentícias,
químicas, farmacêuticas, de
eletrodomésticos, cigarros,
bebidas e máquinas, com
destaque para a indústria
automobilística.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Construção de fábrica de indústria
automobilística na década de 1950,
em São Bernardo do Campo (SP).
Indústria siderúrgica em
Cubatão (SP).
FabioColombini/Kino
Fotoarquivo
AgênciaEstado
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
O Estado teve participação significativa nesse processo, pois estimulou a
vinda das multinacionais por meio de uma série de incentivos, como
diminuição ou isenção de impostos e doação de terrenos.
Além disso, o Estado garantiu:
• fornecimento de energia, por meio da construção de usinas
hidrelétricas;
• fornecimento de matérias-primas para a indústria, como o aço, por
meio de construção de indústrias siderúrgicas;
• criação de infraestrutura de transporte, com modernização de
portos e aeroportos e, principalmente, construção de rodovias;
• produção de combustíveis e matérias-primas para as indústrias
químicas, com a formação da Petrobras, e com a construção de
diversas refinarias;
• proteção em relação a concorrência externa por meio de impostos
altos de importação e fixação de cotas.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
• A falta de produtos durante a Segunda Guerra Mundial;
• as quedas de preço do café no mercado internacional nos anos 1930;
• a forte dependência da economia brasileira em relação a este
produto.
Também contribuíram para que o
governo estimulasse intensamente o
processo de industrialização.
Havia se formado um mercado consumidor, com condições de
adquirir produtos industrializados, além de terem acesso aos
benefícios da energia elétrica. Dessa forma, o Brasil foi, a partir da
década de 1930 e mais intensamente a partir da década de 1950,
conhecendo uma mudança na estrutura de sua economia.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Observe o gráfico:
Fonte: IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2005-
2006.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Conversa
 Em 1940, qual era a ordem de importância
dos três setores?
 Qual setor teve diminuição na participação
da PEA no período de 1940 a 2006?
 Que setor aumentou significativamente sua
importância a partir de 1940?
 Por que o processo de industrialização
contribuiu também para o crescimento do
setor terciário?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
A partir do gráfico é possível perceber
que o Brasil foi se transformando
gradativamente num país de economia
basicamente industrial e terciária,
cujas atividades são desenvolvidas
principalmente no espaço urbano.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
A concentração industrial e econômica no Centro-Sul
A concentração de
atividades industriais no
Centro-Sul foi uma
característica marcante
do processo de
industrialização, o que
contribuiu para a
concentração na região
das atividades
econômicas em geral.
Essa região, principalmente os estados de
São Paulo e Rio de Janeiro, era a área do
país que reunia melhores condições de
infraestrutura, mão-de-obra qualificada e
mercado de consumo amplo.
Vista aérea parcial do distrito industrial de
Campinas (SP).
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
A industrialização brasileira foi acompanhada de
profundas desigualdades regionais.
O Centro-Sul consolidou-
se como polo econômico
do país, especialmente a
partir dos anos 1950.
É nesse período que passa a existir
um mercado interno integrado no
país: por exemplo, mercadorias
industrializadas produzidas no
Centro-Sul são distribuídas em
outras regiões do país, matérias
primas dessas regiões são
encaminhadas para o Centro-Sul.
Até meados da década de 1960, praticamente todas as
multinacionais, empresas siderúrgicas, refinarias de petróleo e boa
parte das usinas hidrelétricas que se instalaram no país
concentraram-se nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas
Gerais.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Distribuição de empresas no território brasileiro – início da década de 2000
Fonte: Hervé Théry e Neli Aparecida de Mello. Atlas do Brasil – disparidades e dinâmicas do território. São
Paulo: EDUSP, 2005. p. 147 (adaptado).
CarlosTadeudeCarvalhoGamba
Onde há maior concentração de empresas?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Urbanização e integração da economia brasileira
Entre elas:
• o aumento da
concentração populacional
nas cidades,
• a ampliação do número
de municípios,
• o estabelecimento de
áreas industriais,
• a construção de novas
rodovias, portos e
aeroportos.
Processo caracterizado, entre
outros fatores, pela expansão
das cidades e pelo crescimento
da população urbana.
O espaço geográfico do Centro-Sul
conheceu, desde 1950, profundas
modificações.
A urbanização
É consequência
imediata da
industrialização, apesar
de não ser causada
exclusivamente por ela.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
A integração entre os mercados das diversas regiões do país e a
integração da economia brasileira com a economia mundial foram
possíveis em virtude dos avanços nos setores de produção e
distribuição de energia, de transportes e de telecomunicações.
Produção de suco de laranja em
industria de Bebedouro (SP). Trata-
se de um exemplo de integração
entre indústria e agricultura.
Transporte de contêiner no
porto de Santos (SP).
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Fonte: Empresa de Pesquisa Energética – EPE, maio 2008.
S/CComunicação
A fonte petróleo e
derivados aparece
como mais
utilizada porque o
gráfico agrupa o
combustível
veicular com o
utilizado por usinas
na geração da
energia elétrica.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Crescimento e modernização da economia
Entre 1950 e 1980, enquanto o
Produto Interno Bruto (PIB)
cresceu em média 7,5% ao ano.
No setor secundário, o PIB
industrial apresentou crescimento
um pouco maior, atingindo 8,3%.
Apesar do crescimento bastante
expressivo, as desigualdades
sociais permanecem.
Foram até reforçadas.
Assim, a economia brasileira cresceu e o país se modernizou, mas em
um processo dependente do capital e da tecnologia estrangeiros, que
não trouxe melhorias significativas para a população mais carente,
tanto da cidade quanto do campo, a miséria está presente tanto nas
localidades mais pobres como nas mais desenvolvidas do Brasil.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Favela do Manguezal, no Guarujá,
SP (2003).
Morador de rua, em Santa Maria,
RS (2008).
GersonGerlof
NarcisoLourenço/PulsarImagens
Os anos 1990 foram caracterizados por grandes aumentos dos
preços de mercadorias e serviços, e elevação do desemprego.
Assim, a situação das camadas mais pobres da população acabou
se agravando. Em razão disso, tem havido aumento no número de
moradias que oferecem pouco conforto às famílias. O aumento
desses tipos de moradia não se limita às grandes cidades, atinge
também cidades médias e pequenas.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Desemprego, subemprego e trabalho infantil
No Brasil as taxas de desemprego aumentaram bastante,
sobretudo entre o final do século XX e o início do século XXI.
Por consequência dos baixos índices de crescimento
econômico, com redução da produção de mercadorias e
da geração de empregos.
Isso foi resultado de uma política econômica adotada
pelos governos, a partir do início dos anos 1990.
Outro fator que contribuiu para o aumento do desemprego foi a
introdução da microeletrônica e da informática, que possibilita o
aumento da capacidade de produção e a substituição da mão-de-obra
na agricultura, na indústria, nos serviços e no comércio.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Observe o gráfico.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Observe o gráfico e a fotografia a seguir:
Fonte: Ciência hoje. V.39, n 234, jan/fev. 2007.
Este trabalhador, como os camelôs,
guardadores de carro, empregadas
domésticas diaristas, são pessoas que
exercem atividades de subemprego.
Muitos deles estão sem proteção
social, ou seja, estão na
informalidade, não contribuem com a
previdência social e não pagam
impostos.
JucaMartins/OlharImagem
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
MarcosMichael/JCImagem
Crianças trabalhando em
plantação em Caetés, PE
(2006).
Outra consequência do aumento do
desemprego e do subemprego é a
grande quantidade de crianças e jovens
no mercado de trabalho: mão-de-obra
infantil.
A exploração do trabalho infantil,
proibida por lei para menores de 16
anos, acontece em todos os
estados brasileiros e pode levar à
evasão escolar.
Sem poder continuar estudando, as
crianças terão poucas chances de
competir futuramente no mercado de
trabalho e de encontrar emprego que
lhes garanta uma renda razoável, a
fim de satisfazer suas necessidades
e as de seus familiares.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
A Modernização da agropecuária
A industrialização modernizou a agricultura, com
a introdução de produtos químicos, máquinas e
implementos.
Grande grupos empresariais
passaram a controlar a
produção, comercialização e a
industrialização de gêneros
agrícolas.
As multinacionais estão
presentes nos setores de
produção e distribuição de
agrotóxicos, fertilizantes e
adubos, sementes, entre
outros.
É no grupo de pequenos
agricultores que se encaixa a
agricultura familiar,
responsável por
aproximadamente 60% da
produção de alimentos
consumidos pelos brasileiros.
A falta de incentivo governamental
às pequenas propriedades fez com
que muitos agricultores precisassem
vender suas terras às grandes
empresas agropecuárias. Com isso,
a concentração da propriedade rural
nas mãos de poucos aumentou.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Reforma agrária
Acampamento de trabalhadores rurais sem-terra
ligados ao MST, em Japaratuba, SE (2007).
MarceloRuschel/NextFoto
Observe a fotografia ao lado.
Ela mostra uma ocupação de
terras promovida pelo
Movimento dos Trabalhadores
Rurais Sem-Terra (MST),
criado em 1984. O MST é um
movimento que promove
ocupações de terras com o
objetivo de pressionar o
governo a acelerar o processo
de reforma agrária.
Além disso, ampara o pequeno agricultor e luta pelo fim do latifúndio. Também
organiza as famílias em cooperativas de produção que recebem terras do
governo. Assim, os pequenos produtores podem comprar máquinas,
equipamentos, adubos, fertilizantes e pesticidas e ter condições de inserir seus
produtos no mercado de forma competitiva.
Conversa
 Qual poderia ser a causa do crescimento do
MST nos últimos 20 anos?
 O MST costuma usar o termo “ocupação”
para se referir ao assentamento de seus
acampamentos em áreas rurais. Os meios
de comunicação geralmente usam o termo
invasão. Em sua opinião, por que há essa
diferença?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
O campo e o turismo
Grupo fazendo trilha no Parque Nacional da
Chapada do Veadeiros, em Goiás (2007).
Nessas atividades é importante a presença de
um guia que conheça bem a região.
DorivalMoreira/PulsarImagens
Outra modificação importante que
vem ocorrendo no espaço rural
brasileiro nas últimas décadas é o
crescimento de atividades do
setor de serviços, como as de
jardineiro, caseiro, cozinheiro,
arrumadeira, gerente de hotel,
garçom. Com o turismo rural,
novos empregos surgem em
pousadas e hotéis-fazenda, além
de equipamentos ligados às
atividades de lazer rural, como
pesqueiros, trilhas para
caminhadas, instalações para
esportes de aventura, serviços
para visitação a parques e
reservas, entre outros.
Conversa
 Que tipo de atividade está sendo praticada?
 Que benefícios ela pode trazer para o
espaço rural?
 A atividade existe em seu município?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Observe o gráfico.
Fonte: Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial) Folha de S. Paulo. 10 de fevereiro de 2002. p.B-1.
Conversa
 De acordo com o gráfico, quais mudanças
podem ser observadas na economia
brasileira?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Observe a charge.
Charge “Círculo vicioso” de Angeli, publicada na Folha de S. Paulo, 1º de março de 2004.
Conversa
 Que “círculo vicioso” está presente na
charge?
 Que relação pode ser feita entre a situação
mostrada na charge e a saída de indústrias
da região da grande São Paulo?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Geografia
Homem & Espaço
7º ano
Unidade II – Brasil: Economia e Sociedade
Capítulo 5 – Brasil: de país agrário a país industrial
ELIAN ALABI LUCCI e ANSELMO LAZARO BRANCO
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Geo 7o homem_espa_o_cap1_site
Geo 7o homem_espa_o_cap1_siteGeo 7o homem_espa_o_cap1_site
Geo 7o homem_espa_o_cap1_site
rdbtava
 
Brasil Industrializado
Brasil IndustrializadoBrasil Industrializado
Brasil Industrializado
Charlies Ponciano
 
Indústria gabarito 05.02
Indústria gabarito 05.02Indústria gabarito 05.02
Indústria gabarito 05.02
Suely Takahashi
 
Slides de Geografia do Brasil
Slides de Geografia do BrasilSlides de Geografia do Brasil
Slides de Geografia do Brasil
Laisa Cabral Caetano
 
Brasil país gigante pela própria natureza
Brasil país  gigante pela própria naturezaBrasil país  gigante pela própria natureza
Brasil país gigante pela própria natureza
Salageo Cristina
 
Geo30
Geo30Geo30
América central
América centralAmérica central
América central
TI Medianeira
 
Dieese
DieeseDieese
Geo22
Geo22Geo22
Estados unidos sociedade e economia
Estados unidos sociedade e economiaEstados unidos sociedade e economia
Estados unidos sociedade e economia
TI Medianeira
 
Slides segundo. brasil
Slides  segundo. brasilSlides  segundo. brasil
Slides segundo. brasil
Laisa Cabral Caetano
 
Brasil país rico
Brasil país ricoBrasil país rico
Brasil país rico
Salageo Cristina
 
Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...
Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...
Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...
Imobiliárias e Imóveis em Rio Preto
 
IECJ - Cap. 7 - A urbanização brasileira
IECJ - Cap. 7 - A urbanização brasileiraIECJ - Cap. 7 - A urbanização brasileira
IECJ - Cap. 7 - A urbanização brasileira
profrodrigoribeiro
 
Lista de Exercícos - Introdução Brasil
Lista de Exercícos - Introdução BrasilLista de Exercícos - Introdução Brasil
Lista de Exercícos - Introdução Brasil
Rogério Bartilotti
 
Espaço urbano
Espaço urbano  Espaço urbano
Espaço urbano
Salageo Cristina
 
Aula 1 o brasil
Aula 1   o brasilAula 1   o brasil
Aula 1 o brasil
Péricles Penuel
 
Slide terceiro ano geral
Slide terceiro ano geralSlide terceiro ano geral
Slide terceiro ano geral
Laisa Cabral Caetano
 
íNdia
íNdiaíNdia
2012 07 20_17_20_14_eja_7_ce_geografia_unidades_3-4
2012 07 20_17_20_14_eja_7_ce_geografia_unidades_3-42012 07 20_17_20_14_eja_7_ce_geografia_unidades_3-4
2012 07 20_17_20_14_eja_7_ce_geografia_unidades_3-4
Edjania dos Anjos
 

Mais procurados (20)

Geo 7o homem_espa_o_cap1_site
Geo 7o homem_espa_o_cap1_siteGeo 7o homem_espa_o_cap1_site
Geo 7o homem_espa_o_cap1_site
 
Brasil Industrializado
Brasil IndustrializadoBrasil Industrializado
Brasil Industrializado
 
Indústria gabarito 05.02
Indústria gabarito 05.02Indústria gabarito 05.02
Indústria gabarito 05.02
 
Slides de Geografia do Brasil
Slides de Geografia do BrasilSlides de Geografia do Brasil
Slides de Geografia do Brasil
 
Brasil país gigante pela própria natureza
Brasil país  gigante pela própria naturezaBrasil país  gigante pela própria natureza
Brasil país gigante pela própria natureza
 
Geo30
Geo30Geo30
Geo30
 
América central
América centralAmérica central
América central
 
Dieese
DieeseDieese
Dieese
 
Geo22
Geo22Geo22
Geo22
 
Estados unidos sociedade e economia
Estados unidos sociedade e economiaEstados unidos sociedade e economia
Estados unidos sociedade e economia
 
Slides segundo. brasil
Slides  segundo. brasilSlides  segundo. brasil
Slides segundo. brasil
 
Brasil país rico
Brasil país ricoBrasil país rico
Brasil país rico
 
Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...
Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...
Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...
 
IECJ - Cap. 7 - A urbanização brasileira
IECJ - Cap. 7 - A urbanização brasileiraIECJ - Cap. 7 - A urbanização brasileira
IECJ - Cap. 7 - A urbanização brasileira
 
Lista de Exercícos - Introdução Brasil
Lista de Exercícos - Introdução BrasilLista de Exercícos - Introdução Brasil
Lista de Exercícos - Introdução Brasil
 
Espaço urbano
Espaço urbano  Espaço urbano
Espaço urbano
 
Aula 1 o brasil
Aula 1   o brasilAula 1   o brasil
Aula 1 o brasil
 
Slide terceiro ano geral
Slide terceiro ano geralSlide terceiro ano geral
Slide terceiro ano geral
 
íNdia
íNdiaíNdia
íNdia
 
2012 07 20_17_20_14_eja_7_ce_geografia_unidades_3-4
2012 07 20_17_20_14_eja_7_ce_geografia_unidades_3-42012 07 20_17_20_14_eja_7_ce_geografia_unidades_3-4
2012 07 20_17_20_14_eja_7_ce_geografia_unidades_3-4
 

Destaque

Geo h e_7ano_cap6_site_pronto
Geo h e_7ano_cap6_site_prontoGeo h e_7ano_cap6_site_pronto
Geo h e_7ano_cap6_site_pronto
rdbtava
 
Geo 6o Homem Espaco Cap2 Site
Geo 6o Homem Espaco Cap2 SiteGeo 6o Homem Espaco Cap2 Site
Geo 6o Homem Espaco Cap2 Site
Nailson Medeiros Lima
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
Nilberte Correia
 
Geo h e_9_ano_cap3_site_edit
Geo h e_9_ano_cap3_site_editGeo h e_9_ano_cap3_site_edit
Geo h e_9_ano_cap3_site_edit
rdbtava
 
Dinâmica das músicas 2011
Dinâmica das músicas 2011Dinâmica das músicas 2011
Dinâmica das músicas 2011
Adrinic
 
Finmeccanica: La Polonia seleziona l'addestratore M-346 di Alenia Aermacchi
Finmeccanica: La Polonia seleziona l'addestratore M-346 di Alenia AermacchiFinmeccanica: La Polonia seleziona l'addestratore M-346 di Alenia Aermacchi
Finmeccanica: La Polonia seleziona l'addestratore M-346 di Alenia Aermacchi
Leonardo
 
Dossier grupo net
Dossier grupo netDossier grupo net
Dossier grupo net
Grupo Net
 
WD-40 Saturday Presentation
WD-40 Saturday PresentationWD-40 Saturday Presentation
WD-40 Saturday Presentation
Ike Ekeh
 
21 06 rosa cruz www.gftaognosticaespiritual.org
21 06 rosa cruz www.gftaognosticaespiritual.org21 06 rosa cruz www.gftaognosticaespiritual.org
21 06 rosa cruz www.gftaognosticaespiritual.org
Gran Fratervidad Tao Gnostica Espiritual Org
 
2015 tis servi_tecno_endian-v4_emt2
2015 tis servi_tecno_endian-v4_emt22015 tis servi_tecno_endian-v4_emt2
2015 tis servi_tecno_endian-v4_emt2
Enzo M. Tieghi
 
Linnaeus Handout
Linnaeus HandoutLinnaeus Handout
Linnaeus Handout
Vasil Penchev
 
Programa San Roque 2013 - Rabano
Programa San Roque 2013 - RabanoPrograma San Roque 2013 - Rabano
Programa San Roque 2013 - Rabano
Asociación Viejo
 
Efectividad Del Email Marketing
Efectividad Del Email MarketingEfectividad Del Email Marketing
Efectividad Del Email Marketing
CRM a MEDIDA
 
Campaña las cavenes es donde, tú decides cuando
Campaña las cavenes es donde, tú decides cuandoCampaña las cavenes es donde, tú decides cuando
Campaña las cavenes es donde, tú decides cuando
panade
 
Presentación colección de láminas scalae arquitectos sin fronteras
Presentación colección de láminas scalae   arquitectos sin fronterasPresentación colección de láminas scalae   arquitectos sin fronteras
Presentación colección de láminas scalae arquitectos sin fronterasAsfes Ong
 
Trending Top Ten 2011 populars search
Trending Top Ten 2011 populars searchTrending Top Ten 2011 populars search
Trending Top Ten 2011 populars search
Laurence Svekis
 
Pavimento Sportivo Hevea - Dalla Riva Parquet Sportivi
Pavimento Sportivo Hevea - Dalla Riva Parquet SportiviPavimento Sportivo Hevea - Dalla Riva Parquet Sportivi
Pavimento Sportivo Hevea - Dalla Riva Parquet Sportivi
Parquet Pavimenti Sportivi Dalla Riva
 
GreenZoneProject.07.10.15.
GreenZoneProject.07.10.15.GreenZoneProject.07.10.15.
GreenZoneProject.07.10.15.
Martin Beale
 
Revista Mundo Contact Abril 2016
Revista Mundo Contact Abril 2016Revista Mundo Contact Abril 2016
Revista Mundo Contact Abril 2016
Mundo Contact
 
El Convento de San Francisco Casa Grande y su patrimonio inmueble. Alonso Can...
El Convento de San Francisco Casa Grande y su patrimonio inmueble. Alonso Can...El Convento de San Francisco Casa Grande y su patrimonio inmueble. Alonso Can...
El Convento de San Francisco Casa Grande y su patrimonio inmueble. Alonso Can...
Alonso Cano Revista Andaluza de Arte
 

Destaque (20)

Geo h e_7ano_cap6_site_pronto
Geo h e_7ano_cap6_site_prontoGeo h e_7ano_cap6_site_pronto
Geo h e_7ano_cap6_site_pronto
 
Geo 6o Homem Espaco Cap2 Site
Geo 6o Homem Espaco Cap2 SiteGeo 6o Homem Espaco Cap2 Site
Geo 6o Homem Espaco Cap2 Site
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
 
Geo h e_9_ano_cap3_site_edit
Geo h e_9_ano_cap3_site_editGeo h e_9_ano_cap3_site_edit
Geo h e_9_ano_cap3_site_edit
 
Dinâmica das músicas 2011
Dinâmica das músicas 2011Dinâmica das músicas 2011
Dinâmica das músicas 2011
 
Finmeccanica: La Polonia seleziona l'addestratore M-346 di Alenia Aermacchi
Finmeccanica: La Polonia seleziona l'addestratore M-346 di Alenia AermacchiFinmeccanica: La Polonia seleziona l'addestratore M-346 di Alenia Aermacchi
Finmeccanica: La Polonia seleziona l'addestratore M-346 di Alenia Aermacchi
 
Dossier grupo net
Dossier grupo netDossier grupo net
Dossier grupo net
 
WD-40 Saturday Presentation
WD-40 Saturday PresentationWD-40 Saturday Presentation
WD-40 Saturday Presentation
 
21 06 rosa cruz www.gftaognosticaespiritual.org
21 06 rosa cruz www.gftaognosticaespiritual.org21 06 rosa cruz www.gftaognosticaespiritual.org
21 06 rosa cruz www.gftaognosticaespiritual.org
 
2015 tis servi_tecno_endian-v4_emt2
2015 tis servi_tecno_endian-v4_emt22015 tis servi_tecno_endian-v4_emt2
2015 tis servi_tecno_endian-v4_emt2
 
Linnaeus Handout
Linnaeus HandoutLinnaeus Handout
Linnaeus Handout
 
Programa San Roque 2013 - Rabano
Programa San Roque 2013 - RabanoPrograma San Roque 2013 - Rabano
Programa San Roque 2013 - Rabano
 
Efectividad Del Email Marketing
Efectividad Del Email MarketingEfectividad Del Email Marketing
Efectividad Del Email Marketing
 
Campaña las cavenes es donde, tú decides cuando
Campaña las cavenes es donde, tú decides cuandoCampaña las cavenes es donde, tú decides cuando
Campaña las cavenes es donde, tú decides cuando
 
Presentación colección de láminas scalae arquitectos sin fronteras
Presentación colección de láminas scalae   arquitectos sin fronterasPresentación colección de láminas scalae   arquitectos sin fronteras
Presentación colección de láminas scalae arquitectos sin fronteras
 
Trending Top Ten 2011 populars search
Trending Top Ten 2011 populars searchTrending Top Ten 2011 populars search
Trending Top Ten 2011 populars search
 
Pavimento Sportivo Hevea - Dalla Riva Parquet Sportivi
Pavimento Sportivo Hevea - Dalla Riva Parquet SportiviPavimento Sportivo Hevea - Dalla Riva Parquet Sportivi
Pavimento Sportivo Hevea - Dalla Riva Parquet Sportivi
 
GreenZoneProject.07.10.15.
GreenZoneProject.07.10.15.GreenZoneProject.07.10.15.
GreenZoneProject.07.10.15.
 
Revista Mundo Contact Abril 2016
Revista Mundo Contact Abril 2016Revista Mundo Contact Abril 2016
Revista Mundo Contact Abril 2016
 
El Convento de San Francisco Casa Grande y su patrimonio inmueble. Alonso Can...
El Convento de San Francisco Casa Grande y su patrimonio inmueble. Alonso Can...El Convento de San Francisco Casa Grande y su patrimonio inmueble. Alonso Can...
El Convento de San Francisco Casa Grande y su patrimonio inmueble. Alonso Can...
 

Semelhante a Geo h e_7ano_cap5_site_finalizado

Urbanização e industrialização no Brasil
Urbanização e industrialização no Brasil Urbanização e industrialização no Brasil
Urbanização e industrialização no Brasil
ELTONDASILVARODRIGUE
 
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRAA INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
Ninho Cristo
 
Brasil: paradoxos entre o crescimento econômico e a desigualdade social - [TC...
Brasil: paradoxos entre o crescimento econômico e a desigualdade social - [TC...Brasil: paradoxos entre o crescimento econômico e a desigualdade social - [TC...
Brasil: paradoxos entre o crescimento econômico e a desigualdade social - [TC...
Diógenes de Oliveira
 
A grande concentração industrial na região sudeste
A grande concentração industrial na região sudesteA grande concentração industrial na região sudeste
A grande concentração industrial na região sudeste
Rosemildo Lima
 
COMO REINDUSTRIALIZAR O BRASIL E DESCONCENTRAR, MODERNIZAR E TORNAR SUSTENTÁV...
COMO REINDUSTRIALIZAR O BRASIL E DESCONCENTRAR, MODERNIZAR E TORNAR SUSTENTÁV...COMO REINDUSTRIALIZAR O BRASIL E DESCONCENTRAR, MODERNIZAR E TORNAR SUSTENTÁV...
COMO REINDUSTRIALIZAR O BRASIL E DESCONCENTRAR, MODERNIZAR E TORNAR SUSTENTÁV...
Faga1939
 
A industrialização no Brasil - Material completo
A industrialização no Brasil - Material completoA industrialização no Brasil - Material completo
A industrialização no Brasil - Material completo
Ana Maciel
 
Geo he 8ano_cap4_site
Geo he 8ano_cap4_siteGeo he 8ano_cap4_site
Geo he 8ano_cap4_site
rdbtava
 
Brasil rural x urbano
Brasil   rural x urbanoBrasil   rural x urbano
Brasil rural x urbano
Rafael Marques
 
ECONOMIAS EMERGENTES.pptx
ECONOMIAS EMERGENTES.pptxECONOMIAS EMERGENTES.pptx
ECONOMIAS EMERGENTES.pptx
MarcoTlioAbreu1
 
Geo he-8ano-cap4-site
Geo he-8ano-cap4-siteGeo he-8ano-cap4-site
Geo he-8ano-cap4-site
ivonefrancca
 
Divisão em norte e sul
Divisão em norte e sulDivisão em norte e sul
Divisão em norte e sul
TI Medianeira
 
Obj geografia - industrialização brasileira 01
Obj   geografia - industrialização brasileira 01Obj   geografia - industrialização brasileira 01
Obj geografia - industrialização brasileira 01
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Aula 1 e 2 - TEÓRICA - Aut. Ind. (PIE) - ENG - 6 NA
Aula 1 e 2 - TEÓRICA - Aut. Ind. (PIE) - ENG - 6 NAAula 1 e 2 - TEÓRICA - Aut. Ind. (PIE) - ENG - 6 NA
Aula 1 e 2 - TEÓRICA - Aut. Ind. (PIE) - ENG - 6 NA
Cloves da Rocha
 
Aspectos Do Brasil 1º Mb
Aspectos Do Brasil 1º MbAspectos Do Brasil 1º Mb
Aspectos Do Brasil 1º Mb
ProfMario De Mori
 
Capítulo 6
Capítulo 6Capítulo 6
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
fernandesrafael
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 06 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 06 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 06 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 06 do Tomazi
pascoalnaib
 
Capítulo 6 sociologia
Capítulo 6   sociologiaCapítulo 6   sociologia
Capítulo 6 sociologia
Miro Santos
 
Trabalho das-industrias
Trabalho das-industriasTrabalho das-industrias
Trabalho das-industrias
Isabela Santos
 
Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2
Euna Machado
 

Semelhante a Geo h e_7ano_cap5_site_finalizado (20)

Urbanização e industrialização no Brasil
Urbanização e industrialização no Brasil Urbanização e industrialização no Brasil
Urbanização e industrialização no Brasil
 
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRAA INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
 
Brasil: paradoxos entre o crescimento econômico e a desigualdade social - [TC...
Brasil: paradoxos entre o crescimento econômico e a desigualdade social - [TC...Brasil: paradoxos entre o crescimento econômico e a desigualdade social - [TC...
Brasil: paradoxos entre o crescimento econômico e a desigualdade social - [TC...
 
A grande concentração industrial na região sudeste
A grande concentração industrial na região sudesteA grande concentração industrial na região sudeste
A grande concentração industrial na região sudeste
 
COMO REINDUSTRIALIZAR O BRASIL E DESCONCENTRAR, MODERNIZAR E TORNAR SUSTENTÁV...
COMO REINDUSTRIALIZAR O BRASIL E DESCONCENTRAR, MODERNIZAR E TORNAR SUSTENTÁV...COMO REINDUSTRIALIZAR O BRASIL E DESCONCENTRAR, MODERNIZAR E TORNAR SUSTENTÁV...
COMO REINDUSTRIALIZAR O BRASIL E DESCONCENTRAR, MODERNIZAR E TORNAR SUSTENTÁV...
 
A industrialização no Brasil - Material completo
A industrialização no Brasil - Material completoA industrialização no Brasil - Material completo
A industrialização no Brasil - Material completo
 
Geo he 8ano_cap4_site
Geo he 8ano_cap4_siteGeo he 8ano_cap4_site
Geo he 8ano_cap4_site
 
Brasil rural x urbano
Brasil   rural x urbanoBrasil   rural x urbano
Brasil rural x urbano
 
ECONOMIAS EMERGENTES.pptx
ECONOMIAS EMERGENTES.pptxECONOMIAS EMERGENTES.pptx
ECONOMIAS EMERGENTES.pptx
 
Geo he-8ano-cap4-site
Geo he-8ano-cap4-siteGeo he-8ano-cap4-site
Geo he-8ano-cap4-site
 
Divisão em norte e sul
Divisão em norte e sulDivisão em norte e sul
Divisão em norte e sul
 
Obj geografia - industrialização brasileira 01
Obj   geografia - industrialização brasileira 01Obj   geografia - industrialização brasileira 01
Obj geografia - industrialização brasileira 01
 
Aula 1 e 2 - TEÓRICA - Aut. Ind. (PIE) - ENG - 6 NA
Aula 1 e 2 - TEÓRICA - Aut. Ind. (PIE) - ENG - 6 NAAula 1 e 2 - TEÓRICA - Aut. Ind. (PIE) - ENG - 6 NA
Aula 1 e 2 - TEÓRICA - Aut. Ind. (PIE) - ENG - 6 NA
 
Aspectos Do Brasil 1º Mb
Aspectos Do Brasil 1º MbAspectos Do Brasil 1º Mb
Aspectos Do Brasil 1º Mb
 
Capítulo 6
Capítulo 6Capítulo 6
Capítulo 6
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 06 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 06 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 06 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 06 do Tomazi
 
Capítulo 6 sociologia
Capítulo 6   sociologiaCapítulo 6   sociologia
Capítulo 6 sociologia
 
Trabalho das-industrias
Trabalho das-industriasTrabalho das-industrias
Trabalho das-industrias
 
Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2
 

Mais de rdbtava

Cobertura vegetalbrasil
Cobertura vegetalbrasilCobertura vegetalbrasil
Cobertura vegetalbrasil
rdbtava
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
rdbtava
 
Geografia e o mundo
Geografia e o mundoGeografia e o mundo
Geografia e o mundo
rdbtava
 
Geo he 8o_ano_cap2_site
Geo he 8o_ano_cap2_siteGeo he 8o_ano_cap2_site
Geo he 8o_ano_cap2_site
rdbtava
 
Geo he 8ano_cap3_site
Geo he 8ano_cap3_siteGeo he 8ano_cap3_site
Geo he 8ano_cap3_site
rdbtava
 
Geo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_okGeo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_ok
rdbtava
 
Geo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_okGeo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_ok
rdbtava
 
Geo h e_8o_cap11_site_ok
Geo h e_8o_cap11_site_okGeo h e_8o_cap11_site_ok
Geo h e_8o_cap11_site_ok
rdbtava
 
Geo h e_8o_cap10_site_ok
Geo h e_8o_cap10_site_okGeo h e_8o_cap10_site_ok
Geo h e_8o_cap10_site_ok
rdbtava
 
Geo h e_8o_cap9_site_ok
Geo h e_8o_cap9_site_okGeo h e_8o_cap9_site_ok
Geo h e_8o_cap9_site_ok
rdbtava
 
Geo h e_8o_cap8_site_ok
Geo h e_8o_cap8_site_okGeo h e_8o_cap8_site_ok
Geo h e_8o_cap8_site_ok
rdbtava
 
Geo h e_8ano_cap17_site
Geo h e_8ano_cap17_siteGeo h e_8ano_cap17_site
Geo h e_8ano_cap17_site
rdbtava
 
Geo h e_8ano_cap16_site_final
Geo h e_8ano_cap16_site_finalGeo h e_8ano_cap16_site_final
Geo h e_8ano_cap16_site_final
rdbtava
 
Geo h e_8ano_cap15_site
Geo h e_8ano_cap15_siteGeo h e_8ano_cap15_site
Geo h e_8ano_cap15_site
rdbtava
 
Geo h e_8ano_cap14_site
Geo h e_8ano_cap14_siteGeo h e_8ano_cap14_site
Geo h e_8ano_cap14_site
rdbtava
 
Geo h e_8ano_cap13_site
Geo h e_8ano_cap13_siteGeo h e_8ano_cap13_site
Geo h e_8ano_cap13_site
rdbtava
 
Geo h e_8ano_cap7_pronto
Geo h e_8ano_cap7_prontoGeo h e_8ano_cap7_pronto
Geo h e_8ano_cap7_pronto
rdbtava
 
Geo h e_8ano_cap6_site_pronto
Geo h e_8ano_cap6_site_prontoGeo h e_8ano_cap6_site_pronto
Geo h e_8ano_cap6_site_pronto
rdbtava
 
Geo 8o homem_espaco_cap1_site
Geo 8o homem_espaco_cap1_siteGeo 8o homem_espaco_cap1_site
Geo 8o homem_espaco_cap1_site
rdbtava
 
Geo he 9o_ano_cap2_site
Geo he 9o_ano_cap2_siteGeo he 9o_ano_cap2_site
Geo he 9o_ano_cap2_site
rdbtava
 

Mais de rdbtava (20)

Cobertura vegetalbrasil
Cobertura vegetalbrasilCobertura vegetalbrasil
Cobertura vegetalbrasil
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Geografia e o mundo
Geografia e o mundoGeografia e o mundo
Geografia e o mundo
 
Geo he 8o_ano_cap2_site
Geo he 8o_ano_cap2_siteGeo he 8o_ano_cap2_site
Geo he 8o_ano_cap2_site
 
Geo he 8ano_cap3_site
Geo he 8ano_cap3_siteGeo he 8ano_cap3_site
Geo he 8ano_cap3_site
 
Geo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_okGeo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_ok
 
Geo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_okGeo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_ok
 
Geo h e_8o_cap11_site_ok
Geo h e_8o_cap11_site_okGeo h e_8o_cap11_site_ok
Geo h e_8o_cap11_site_ok
 
Geo h e_8o_cap10_site_ok
Geo h e_8o_cap10_site_okGeo h e_8o_cap10_site_ok
Geo h e_8o_cap10_site_ok
 
Geo h e_8o_cap9_site_ok
Geo h e_8o_cap9_site_okGeo h e_8o_cap9_site_ok
Geo h e_8o_cap9_site_ok
 
Geo h e_8o_cap8_site_ok
Geo h e_8o_cap8_site_okGeo h e_8o_cap8_site_ok
Geo h e_8o_cap8_site_ok
 
Geo h e_8ano_cap17_site
Geo h e_8ano_cap17_siteGeo h e_8ano_cap17_site
Geo h e_8ano_cap17_site
 
Geo h e_8ano_cap16_site_final
Geo h e_8ano_cap16_site_finalGeo h e_8ano_cap16_site_final
Geo h e_8ano_cap16_site_final
 
Geo h e_8ano_cap15_site
Geo h e_8ano_cap15_siteGeo h e_8ano_cap15_site
Geo h e_8ano_cap15_site
 
Geo h e_8ano_cap14_site
Geo h e_8ano_cap14_siteGeo h e_8ano_cap14_site
Geo h e_8ano_cap14_site
 
Geo h e_8ano_cap13_site
Geo h e_8ano_cap13_siteGeo h e_8ano_cap13_site
Geo h e_8ano_cap13_site
 
Geo h e_8ano_cap7_pronto
Geo h e_8ano_cap7_prontoGeo h e_8ano_cap7_pronto
Geo h e_8ano_cap7_pronto
 
Geo h e_8ano_cap6_site_pronto
Geo h e_8ano_cap6_site_prontoGeo h e_8ano_cap6_site_pronto
Geo h e_8ano_cap6_site_pronto
 
Geo 8o homem_espaco_cap1_site
Geo 8o homem_espaco_cap1_siteGeo 8o homem_espaco_cap1_site
Geo 8o homem_espaco_cap1_site
 
Geo he 9o_ano_cap2_site
Geo he 9o_ano_cap2_siteGeo he 9o_ano_cap2_site
Geo he 9o_ano_cap2_site
 

Último

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 

Último (20)

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 

Geo h e_7ano_cap5_site_finalizado

  • 1. Geografia Homem & Espaço 7º ano Unidade II – Brasil: Economia e Sociedade Capítulo 5 – Brasil: de país agrário a país industrial ELIAN ALABI LUCCI e ANSELMO LAZARO BRANCO ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 2. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Observe as imagens. Colheita de café no fim do século XIX. Colheita de café no ano de 2001. MarcFerrez/AcervoInstitutoMoreiraSalles DelfimMartins/PulsarImagens
  • 3. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Indústria automobilística brasileira nos anos 1950. AcercoIconographia Indústria automobilística brasileira nos anos 2000. JucaMartins/OlharImagem
  • 4. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Extração de petróleo em Santos, SP, em 2000. Extração de petróleo em Lobato, BA, em 1939. AcercoIconographia RogérioReis/PulsarImagens
  • 6. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Conversa  A que períodos as fotografias se referem?  Que atividades econômicas estão sendo desenvolvidas nas fotografias?  Copie a tabela no caderno e complete descrevendo características da atividade produtiva que se observa nas fotografias. Siga o modelo.
  • 7. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva A população e os setores da economia A população que exerce atividade remunerada constitui a população economicamente ativa (PEA) de um país. Os desempregados, desde que estejam à procura de emprego, também fazem parte da PEA. Os estudantes que não trabalham, as crianças de modo geral, as donas de casa, os aposentados e os idosos que não trabalham constituem o grupo chamado população economicamente inativa (PEI).
  • 8. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva A PEA de um país se distribui em três grandes setores de atividades: • Setor primário: compreende a agricultura, a pecuária e o extrativismo animal, vegetal e mineral, desde que a quantidade extraída seja pequena e os equipamentos utilizados para a extração sejam simples. Criação de gado bovino em São Gabriel, RS (2008). Mauricio Simonetti/ Pulsar Imagens
  • 9. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Fábrica de calçados em Ivoti, RS (2008). DelfimMartins/PulsarImagens • Setor secundário: abrange a indústria, a construção civil e o extrativismo em geral, desde que nessa atividade sejam utilizados máquinas e equipamentos tecnologicamente avançados e a quantidade extraída seja grande.
  • 10. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Sede da prefeitura de Belém, PA (2003). • Setor terciário: atividades que não produzem mercadorias mas são fundamentais à organização da vida em sociedade e da economia, como o comércio e os serviços (transportes, bancos, meios de comunicação, administração pública, saúde, educação). MiguelChikaoka/OlharImagem
  • 11. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Observe os dados. *Inclui indústria de transformação. ** inclui outros serviços coletivos, sociais e pessoais e atividades não definidas ou não declaradas. Fonte: IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. 2005-2006.
  • 12. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Conversa  Qual a porcentagem de trabalhadores em cada setor da atividade (primário, secundário e terciário) no Brasil?  Em que região brasileira há mais trabalhadores no setor primário? E no setor secundário?  Qual região possui mais trabalhadores na administração pública? E nas atividades relacionadas a educação, saúde e serviços sociais?
  • 13. ParteintegrantedaobraGeografiaHomemeEspaço,EditoraSaraiva A mudança de um setor para o outro decorreu do processo de industrialização e modernização da economia e da sociedade brasileira. Predominam no Brasil as atividades do setor terciário. Nem sempre foi assim: Há cerca de 50 anos, a maior parte dos trabalhadores brasileiros exercia atividades no setor primário. Transporte de contêiner no porto de Santos (SP). AgênciaEstado
  • 14. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva A industrialização brasileira No decorrer do século XX A atividade industrial se expandiu para diversos lugares do globo A partir Dos países que se industrializaram primeiro (Reino Unido, França, Alemanha, Holanda, Itália, Estados Unidos, Japão). Sobretudo após 1950 Linha de montagem de uma fábrica de automóveis, São Paulo, SP, no fim dos anos 1950. AcervoIconographia
  • 15. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Esse processo de expansão da atividade industrial foi marcado: Pela expansão de empresas multinacionais, grandes grupos empresariais que haviam acumulado enormes quantias de capital e queriam ampliar ainda mais seus lucros instalando-se em outros países. Multinacionais de diversos ramos instalaram-se nos países subdesenvolvidos. Investimentos do Estado em infraestrutura e inúmeros incentivos criaram condições para que essas empresas se instalassem fora de seus países. No Brasil instalaram-se indústrias têxteis, alimentícias, químicas, farmacêuticas, de eletrodomésticos, cigarros, bebidas e máquinas, com destaque para a indústria automobilística.
  • 16. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Construção de fábrica de indústria automobilística na década de 1950, em São Bernardo do Campo (SP). Indústria siderúrgica em Cubatão (SP). FabioColombini/Kino Fotoarquivo AgênciaEstado
  • 17. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva O Estado teve participação significativa nesse processo, pois estimulou a vinda das multinacionais por meio de uma série de incentivos, como diminuição ou isenção de impostos e doação de terrenos. Além disso, o Estado garantiu: • fornecimento de energia, por meio da construção de usinas hidrelétricas; • fornecimento de matérias-primas para a indústria, como o aço, por meio de construção de indústrias siderúrgicas; • criação de infraestrutura de transporte, com modernização de portos e aeroportos e, principalmente, construção de rodovias; • produção de combustíveis e matérias-primas para as indústrias químicas, com a formação da Petrobras, e com a construção de diversas refinarias; • proteção em relação a concorrência externa por meio de impostos altos de importação e fixação de cotas.
  • 18. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva • A falta de produtos durante a Segunda Guerra Mundial; • as quedas de preço do café no mercado internacional nos anos 1930; • a forte dependência da economia brasileira em relação a este produto. Também contribuíram para que o governo estimulasse intensamente o processo de industrialização. Havia se formado um mercado consumidor, com condições de adquirir produtos industrializados, além de terem acesso aos benefícios da energia elétrica. Dessa forma, o Brasil foi, a partir da década de 1930 e mais intensamente a partir da década de 1950, conhecendo uma mudança na estrutura de sua economia.
  • 19. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Observe o gráfico: Fonte: IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2005- 2006.
  • 20. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Conversa  Em 1940, qual era a ordem de importância dos três setores?  Qual setor teve diminuição na participação da PEA no período de 1940 a 2006?  Que setor aumentou significativamente sua importância a partir de 1940?  Por que o processo de industrialização contribuiu também para o crescimento do setor terciário?
  • 21. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva A partir do gráfico é possível perceber que o Brasil foi se transformando gradativamente num país de economia basicamente industrial e terciária, cujas atividades são desenvolvidas principalmente no espaço urbano.
  • 22. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva A concentração industrial e econômica no Centro-Sul A concentração de atividades industriais no Centro-Sul foi uma característica marcante do processo de industrialização, o que contribuiu para a concentração na região das atividades econômicas em geral. Essa região, principalmente os estados de São Paulo e Rio de Janeiro, era a área do país que reunia melhores condições de infraestrutura, mão-de-obra qualificada e mercado de consumo amplo. Vista aérea parcial do distrito industrial de Campinas (SP).
  • 23. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva A industrialização brasileira foi acompanhada de profundas desigualdades regionais. O Centro-Sul consolidou- se como polo econômico do país, especialmente a partir dos anos 1950. É nesse período que passa a existir um mercado interno integrado no país: por exemplo, mercadorias industrializadas produzidas no Centro-Sul são distribuídas em outras regiões do país, matérias primas dessas regiões são encaminhadas para o Centro-Sul. Até meados da década de 1960, praticamente todas as multinacionais, empresas siderúrgicas, refinarias de petróleo e boa parte das usinas hidrelétricas que se instalaram no país concentraram-se nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.
  • 24. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Distribuição de empresas no território brasileiro – início da década de 2000 Fonte: Hervé Théry e Neli Aparecida de Mello. Atlas do Brasil – disparidades e dinâmicas do território. São Paulo: EDUSP, 2005. p. 147 (adaptado). CarlosTadeudeCarvalhoGamba Onde há maior concentração de empresas?
  • 25. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Urbanização e integração da economia brasileira Entre elas: • o aumento da concentração populacional nas cidades, • a ampliação do número de municípios, • o estabelecimento de áreas industriais, • a construção de novas rodovias, portos e aeroportos. Processo caracterizado, entre outros fatores, pela expansão das cidades e pelo crescimento da população urbana. O espaço geográfico do Centro-Sul conheceu, desde 1950, profundas modificações. A urbanização É consequência imediata da industrialização, apesar de não ser causada exclusivamente por ela.
  • 26. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva A integração entre os mercados das diversas regiões do país e a integração da economia brasileira com a economia mundial foram possíveis em virtude dos avanços nos setores de produção e distribuição de energia, de transportes e de telecomunicações. Produção de suco de laranja em industria de Bebedouro (SP). Trata- se de um exemplo de integração entre indústria e agricultura. Transporte de contêiner no porto de Santos (SP).
  • 27. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Fonte: Empresa de Pesquisa Energética – EPE, maio 2008. S/CComunicação A fonte petróleo e derivados aparece como mais utilizada porque o gráfico agrupa o combustível veicular com o utilizado por usinas na geração da energia elétrica.
  • 28. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Crescimento e modernização da economia Entre 1950 e 1980, enquanto o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu em média 7,5% ao ano. No setor secundário, o PIB industrial apresentou crescimento um pouco maior, atingindo 8,3%. Apesar do crescimento bastante expressivo, as desigualdades sociais permanecem. Foram até reforçadas. Assim, a economia brasileira cresceu e o país se modernizou, mas em um processo dependente do capital e da tecnologia estrangeiros, que não trouxe melhorias significativas para a população mais carente, tanto da cidade quanto do campo, a miséria está presente tanto nas localidades mais pobres como nas mais desenvolvidas do Brasil.
  • 29. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Favela do Manguezal, no Guarujá, SP (2003). Morador de rua, em Santa Maria, RS (2008). GersonGerlof NarcisoLourenço/PulsarImagens Os anos 1990 foram caracterizados por grandes aumentos dos preços de mercadorias e serviços, e elevação do desemprego. Assim, a situação das camadas mais pobres da população acabou se agravando. Em razão disso, tem havido aumento no número de moradias que oferecem pouco conforto às famílias. O aumento desses tipos de moradia não se limita às grandes cidades, atinge também cidades médias e pequenas.
  • 30. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Desemprego, subemprego e trabalho infantil No Brasil as taxas de desemprego aumentaram bastante, sobretudo entre o final do século XX e o início do século XXI. Por consequência dos baixos índices de crescimento econômico, com redução da produção de mercadorias e da geração de empregos. Isso foi resultado de uma política econômica adotada pelos governos, a partir do início dos anos 1990. Outro fator que contribuiu para o aumento do desemprego foi a introdução da microeletrônica e da informática, que possibilita o aumento da capacidade de produção e a substituição da mão-de-obra na agricultura, na indústria, nos serviços e no comércio.
  • 32. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Observe o gráfico e a fotografia a seguir: Fonte: Ciência hoje. V.39, n 234, jan/fev. 2007. Este trabalhador, como os camelôs, guardadores de carro, empregadas domésticas diaristas, são pessoas que exercem atividades de subemprego. Muitos deles estão sem proteção social, ou seja, estão na informalidade, não contribuem com a previdência social e não pagam impostos. JucaMartins/OlharImagem
  • 33. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva MarcosMichael/JCImagem Crianças trabalhando em plantação em Caetés, PE (2006). Outra consequência do aumento do desemprego e do subemprego é a grande quantidade de crianças e jovens no mercado de trabalho: mão-de-obra infantil. A exploração do trabalho infantil, proibida por lei para menores de 16 anos, acontece em todos os estados brasileiros e pode levar à evasão escolar. Sem poder continuar estudando, as crianças terão poucas chances de competir futuramente no mercado de trabalho e de encontrar emprego que lhes garanta uma renda razoável, a fim de satisfazer suas necessidades e as de seus familiares.
  • 34. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva A Modernização da agropecuária A industrialização modernizou a agricultura, com a introdução de produtos químicos, máquinas e implementos. Grande grupos empresariais passaram a controlar a produção, comercialização e a industrialização de gêneros agrícolas. As multinacionais estão presentes nos setores de produção e distribuição de agrotóxicos, fertilizantes e adubos, sementes, entre outros. É no grupo de pequenos agricultores que se encaixa a agricultura familiar, responsável por aproximadamente 60% da produção de alimentos consumidos pelos brasileiros. A falta de incentivo governamental às pequenas propriedades fez com que muitos agricultores precisassem vender suas terras às grandes empresas agropecuárias. Com isso, a concentração da propriedade rural nas mãos de poucos aumentou.
  • 35. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Reforma agrária Acampamento de trabalhadores rurais sem-terra ligados ao MST, em Japaratuba, SE (2007). MarceloRuschel/NextFoto Observe a fotografia ao lado. Ela mostra uma ocupação de terras promovida pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), criado em 1984. O MST é um movimento que promove ocupações de terras com o objetivo de pressionar o governo a acelerar o processo de reforma agrária. Além disso, ampara o pequeno agricultor e luta pelo fim do latifúndio. Também organiza as famílias em cooperativas de produção que recebem terras do governo. Assim, os pequenos produtores podem comprar máquinas, equipamentos, adubos, fertilizantes e pesticidas e ter condições de inserir seus produtos no mercado de forma competitiva.
  • 36. Conversa  Qual poderia ser a causa do crescimento do MST nos últimos 20 anos?  O MST costuma usar o termo “ocupação” para se referir ao assentamento de seus acampamentos em áreas rurais. Os meios de comunicação geralmente usam o termo invasão. Em sua opinião, por que há essa diferença? ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 37. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva O campo e o turismo Grupo fazendo trilha no Parque Nacional da Chapada do Veadeiros, em Goiás (2007). Nessas atividades é importante a presença de um guia que conheça bem a região. DorivalMoreira/PulsarImagens Outra modificação importante que vem ocorrendo no espaço rural brasileiro nas últimas décadas é o crescimento de atividades do setor de serviços, como as de jardineiro, caseiro, cozinheiro, arrumadeira, gerente de hotel, garçom. Com o turismo rural, novos empregos surgem em pousadas e hotéis-fazenda, além de equipamentos ligados às atividades de lazer rural, como pesqueiros, trilhas para caminhadas, instalações para esportes de aventura, serviços para visitação a parques e reservas, entre outros.
  • 38. Conversa  Que tipo de atividade está sendo praticada?  Que benefícios ela pode trazer para o espaço rural?  A atividade existe em seu município? ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 39. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Observe o gráfico. Fonte: Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial) Folha de S. Paulo. 10 de fevereiro de 2002. p.B-1.
  • 40. Conversa  De acordo com o gráfico, quais mudanças podem ser observadas na economia brasileira? ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 41. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Observe a charge. Charge “Círculo vicioso” de Angeli, publicada na Folha de S. Paulo, 1º de março de 2004.
  • 42. Conversa  Que “círculo vicioso” está presente na charge?  Que relação pode ser feita entre a situação mostrada na charge e a saída de indústrias da região da grande São Paulo? ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 43. Geografia Homem & Espaço 7º ano Unidade II – Brasil: Economia e Sociedade Capítulo 5 – Brasil: de país agrário a país industrial ELIAN ALABI LUCCI e ANSELMO LAZARO BRANCO ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva