SlideShare uma empresa Scribd logo
A PARALISIA CEREBRAL   É
   UMA PERTURBAÇÃO DO
  CONTROLO DA POSTURA E
MOVIMENTO QUE RESULTA DE
UMA ANOMALIA OU LESÃO NÃO
PROGRESSIVA QUE ATINGE O
       CÉREBRO EM
    DESENVOLVIMENTO.
A PARALISIA CEREBRAL PODE SER CLASSIFICADA DE ACORDO COM
 A NATUREZA DA PERTURBAÇÃO DO MOVIMENTO QUE PREDOMINA:
QUAIS SÃO AS CAUSAS DA PARALISIA CEREBRAL?

PRINCIPAIS CAUSAS DURANTE O PARTO

Falta de oxigénio ao nascer ;
Lesões causadas por partos difíceis;
Trabalho de parto demorado;
Mau uso do fórceps, manobras obstétricas violentas;
Os bebés que nascem prematuramente.

 PRINCIPAIS CAUSAS DEPOIS DO NASCIMENTO

Febre prolongada e muito alta;
Desidratação, com perda significativa de líquidos;
Infecções cerebrais causadas por meningite ou encefalite;
Falta de oxigénio por afogamento ou outras causas;
Sarampo;
Traumatismo crânio-encefálico até os três anos de idade.
PARTES DO CORPO AFECTADAS
 A Paralisia Cerebral atinge diversas
           regiões do cérebro.
 Dependendo de onde ocorre a lesão e da
     quantidade de células atingidas,
  diferentes partes do corpo podem ser
afectadas, alterando o tónus muscular, a
    postura e provocando dificuldades
       funcionais nos movimentos.
 Pode gerar movimentos involuntários,
alterações do equilíbrio, do caminhar, da
fala, da visão, da audição, da expressão
facial. Em casos mais graves pode haver
        comprometimento mental.
SABIAS QUE…
   Em cada 1000 bebés, em média, dois serão afectados por
                          Paralisia Cerebral;
             A Paralisia Cerebral não é contagiosa;
A pessoa com Paralisia Cerebral tem inteligência normal, a não
  ser que a lesão tenha afectado áreas do cérebro responsáveis
                pelo pensamento e pela memória.
  Se a pessoa portadora de Paralisia Cerebral tiver sua visão ou
      audição prejudicada pela lesão, terá dificuldades para
  entender as informações como normalmente são transmitidas.
    Se o controle da fala for atingido, terá dificuldades para
         comunicar os seus pensamentos ou necessidades.
   Homens e mulheres portadores de Paralisia Cerebral podem
              ter filhos como qualquer outra pessoa.
TECNOLOGIAS DE APOIO
Capacete com Ponteira          Teclado Adaptado




   É uma haste que é fixa na     O teclado adaptado serve para
     cabeça para facilitar a        pessoas com dificuldades
  digitação para pessoas com      motoras que impedem o uso
     comprometimento de           normativo do computador e
                                 das suas respectivas funções.
     membros superiores.
TECNOLOGIAS DE APOIO
                                           Máscara de teclado


    Pulseira de Pesos




    Algumas pessoas com Paralisia
  Cerebral apresentam movimentos
 involuntários de pequena amplitude         Placa de plástico ou acrílico com
 em diferentes partes do corpo . Tais     perfurações correspondentes a cada
 movimentos, quando presentes nos          tecla do teclado, que quando fixa a
membros superiores podem dificultar      uma certa distância acima deste, tem
o processo de digitação. A Pulseira de   por finalidade evitar que a pessoa que
 Pesos é utilizada para reduzir esses     apresenta movimentos involutários
             movimentos.                      pressione teclas indesejadas.
TECNOLOGIAS DE APOIO
Switch Mouse                      Acesso pelo olhar




                                  Permite ao utilizador controlar o computador
 É um dispositivo que substitui   apenas por olhar para o ecrã, possibilitando
 a acção do rato convencional     que pessoas que tenham movimentos muito
 através de 7 accionadores de     limitados consigam, por exemplo, comunicar
 toque simples, permitindo os     de uma maneira independente utilizando
 movimentos direccionais do       software de comunicação existente no
                                  mercado.
 cursor.
TECNOLOGIAS DE APOIO




MATERIAL ADAPTADO A PESSOAS COM ALGUMAS LIMITAÇÕES MOTORAS DOS MEMBROS SUPERIORES
TECNOLOGIAS DE APOIO
Brinquedo Adaptado             Rato na posição do pé




Carro telecomandado           Computador ligado a um sistema de rato
adaptado para crianças com    coordenado com os movimentos
graves dificuldades motoras   inferiores.
superiores.
TECNOLOGIAS DE APOIO


              O Standing Frame é um
               dispositivo de ajuda a
                pessoas que têm uma
                mobilidade reduzida,
              principalmente que usam
               cadeiras de rodas. Este
            aparelho fornece alternativas
                 de posicionamento,
             nomeadamente na posição
             de pé proporcionando uma
                  maior autonomia e
             participação em actividades
                      diferentes.
MANDAMENTOS PARA UM PC
TERAPÊUTICAS DE INTERVENÇÃO
O Processo ensino-aprendizagem deve ser organizado e estruturado de
 forma a privilegiar o desenvolvimento geral da criança ou jovem com
                          Paralisia Cerebral.
Deve existir uma equipa de profissionais que trabalhem no sentido
 de suprimir as dificuldades da criança ou jovem. A criança/jovem
 com paralisia cerebral deve beneficiar de áreas que possibilitem e
              auxiliem o seu desenvolvimento, tais como:


    Terapia da Fala            Terapia Ocupacional
Para elevar a capacidade de    De forma a desenvolver          Psicomotricidade
    expressão oral e de        aptidões úteis que lhes   Para melhorar a adaptação ao
       comunicação.            permitam desempenhar       mundo exterior, através do
                                  tarefas de rotina.     domínio do equilíbrio; controle
                                                           da inibição voluntária e da
                                                         responsabilidade; consciência
                                                         do corpo; eficácia das diversas
    Apoio Psicológico                                         coordenações globais
      Para acompanhar a            Massagens              e segmentárias; organização
   criança/jovem durante o       Aliviam espasmos e           do esquema corporal;
Processo Ensino-Aprendizagem    reduzem contracções            orientação espacial.
     ao nível psicológico.           musculares.
Fisioterapia
 Através da utilização do       Áreas de Expressão
   exercício e técnicas de     A Dança e Música podem            Expressão Plástica
relaxamento; para ensinar       auxiliar as crianças ou         Como a Pintura podem
 a caminhar com o auxílio      jovens a elevarem a sua                 ajudar no
 de canadianas muletas e             coordenação,                desenvolvimento da
  outros aparelhos (como       desenvolverem o tónus e         motricidade, comunicação,
  cadeira de rodas); para          força muscular,                        etc.
auxiliar a rotina diária da       autoconfiança, etc.
     criança ou jovem.




            Actividades Aquáticas
    O contacto com a água ou realização de                     Informática
 exercícios dentro de água auxiliam um melhor                  A utilização do
     funcionamento do sistema circulatório,               computador pode ajudar
   respiratório, fortalecimento dos músculos,             ao nível da comunicação,
 aumento do equilíbrio, relaxamento muscular,              assim como ao nível da
diminuição de espasmos, aumento da amplitude                  motricidade fina.
              de movimentos, etc.
FISIOTERAPIA
PSICOMOTRICIDADE
HIDROMASSAGEM
MASSAGENS
COMUNICA O AUMENTATIVA E
               ALTERNATIVA
A fala é a forma de expressão mais utilizada pelas pessoas quando
pretendem comunicar, assumindo uma importância fundamental
na interacção social. No entanto, e no caso de indivíduos com
algum tipo de incapacidade, essas interacções podem ser
totalmente afectadas. Por exemplo, e no caso de crianças com
deficiências neuromotoras graves, as incapacidades motoras
originam nessas crianças restrições muito consideráveis em todo o
seu processo de desenvolvimento pessoal, com reflexos
necessariamente negativos nos processos de inclusão social e
                              escolar.
No caso das pessoas que aliam às incapacidades motoras graves as
dificuldades de comunicação, o problema torna-se ainda mais
complexo. A Comunicação Aumentativa pode constituir um
poderoso meio de combate às incapacidades mencionadas,
constituindo um conjunto de técnicas, ajudas, estratégias e
habilidades, que uma pessoa sem comunicação oral necessita, para
substituir a sua incapacidade de comunicar através da fala. Pode
definir-se Comunicação Aumentativa Alternativa como um
conjunto integrado de técnicas, ajudas, estratégias e capacidades
com pessoa com disfunção comunicativa usa para comunicar.
SISTEMA DE SÍMBOLOS GRÁFICOS SPC
O Sistema SPC – Símbolos Pictográficos
     para a Comunicação – é o sistema
  gráfico para comunicação aumentativa
    mais usado a nível internacional e
    também em Portugal. São mais de
 8.000 símbolos que representam grande
    parte do vocabulário. São de fácil
     reconhecimento e por isso muito
  utilizado para crianças ou indivíduos
      que apresentam dificuldades em
        compreender representações
  abstractas. Utilizado frequentemente
  por portadores de Paralisia Cerebral.
INCLUS O DE UMA CRIAN A COM PARALISIA
    CEREBRAL NAS CLASSES REGULARES
                    -Relacionamento interpessoal,
                    socialização;
   É importante     -Desenvolvimento cognitivo;
      porque:       -Desenvolvimento da linguagem;
                    -Participação em actividades de
                    grupo;
                    - Estabelecimento da rotina diária
                    estimulam o seu desenvolvimento
                    global.
O PAPEL DA FAM LIA
As atitudes e sentimentos dos pais terão forte influência no desenvolvimento da criança.
Sendo assim, eles devem ser consciencializados das suas responsabilidade e do quanto a
qualidade da relação entre eles e o filho com deficiência influenciará no seu bem-estar
físico, mental, psicológico e social.
UM SORRISO QUE VALE MIL PALAVRAS
                        Agradecemos a todos os
                         que colaboraram neste
                        projecto sobre Paralisia
                        Cerebral, em especial à
                         família da Laura e da
                          Sara. O nosso muito
                       obrigada por partilharem
                          connosco toda a vossa
                            dedicação, amor e
                       empenho. Que a vida vos
                         sorria sempre e que vos
                       ilumine nesta caminhada.
                                Obrigada!
Pela Equipa de Educação Especial do Agrupamento de
  Escolas e Jardins de Infância Professor Galopim de
                        Carvalho

 As Educadoras de Intervenção Precoce



Dina Simões
                     Sara Sena

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Praxia dispraxia apraxia gnosia agnosia
Praxia dispraxia apraxia gnosia agnosiaPraxia dispraxia apraxia gnosia agnosia
Praxia dispraxia apraxia gnosia agnosia
MarceloJota30
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
gersonfisio
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
Nay Ribeiro
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
CARTILHA - PREV. QUEDAS IDOSOS.pdf
CARTILHA - PREV. QUEDAS IDOSOS.pdfCARTILHA - PREV. QUEDAS IDOSOS.pdf
CARTILHA - PREV. QUEDAS IDOSOS.pdf
ELIDICRSIAOLIVEIRA
 
Paralisia cerebral atetóide - Revisão
Paralisia cerebral atetóide - RevisãoParalisia cerebral atetóide - Revisão
Paralisia cerebral atetóide - Revisão
Fisioterapeuta
 
Neurofisiologia TDAH
Neurofisiologia   TDAHNeurofisiologia   TDAH
Neurofisiologia TDAH
Mary Psol
 
Revisão sobre paralisia cerebral ataxia
Revisão sobre paralisia cerebral  ataxiaRevisão sobre paralisia cerebral  ataxia
Revisão sobre paralisia cerebral ataxia
Fisioterapeuta
 
Autismo
AutismoAutismo
Deficiência motora
Deficiência motoraDeficiência motora
Deficiência motora
Hélder Santos
 
TDAH
TDAH TDAH
Epilepsia
EpilepsiaEpilepsia
Epilepsia
Anderson Santana
 
Psicomotricidade
PsicomotricidadePsicomotricidade
Psicomotricidade
マル シオ
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
Fabiana Mourão
 
Demências
DemênciasDemências
Demências
Inaiara Bragante
 
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivosNocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
Nilce Nascimento
 
Aula 09 2014_ doença de alzheimer
Aula 09 2014_ doença de alzheimerAula 09 2014_ doença de alzheimer
Aula 09 2014_ doença de alzheimer
Via Seg
 
Psicomotricidade - Aula 1 (29/05/2013)
Psicomotricidade - Aula 1 (29/05/2013)Psicomotricidade - Aula 1 (29/05/2013)
Psicomotricidade - Aula 1 (29/05/2013)
Fernando S. S. Barbosa
 
Noções do Método Bobath
Noções do Método Bobath Noções do Método Bobath

Mais procurados (20)

Praxia dispraxia apraxia gnosia agnosia
Praxia dispraxia apraxia gnosia agnosiaPraxia dispraxia apraxia gnosia agnosia
Praxia dispraxia apraxia gnosia agnosia
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
 
CARTILHA - PREV. QUEDAS IDOSOS.pdf
CARTILHA - PREV. QUEDAS IDOSOS.pdfCARTILHA - PREV. QUEDAS IDOSOS.pdf
CARTILHA - PREV. QUEDAS IDOSOS.pdf
 
Paralisia cerebral atetóide - Revisão
Paralisia cerebral atetóide - RevisãoParalisia cerebral atetóide - Revisão
Paralisia cerebral atetóide - Revisão
 
Neurofisiologia TDAH
Neurofisiologia   TDAHNeurofisiologia   TDAH
Neurofisiologia TDAH
 
Revisão sobre paralisia cerebral ataxia
Revisão sobre paralisia cerebral  ataxiaRevisão sobre paralisia cerebral  ataxia
Revisão sobre paralisia cerebral ataxia
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Deficiência motora
Deficiência motoraDeficiência motora
Deficiência motora
 
TDAH
TDAH TDAH
TDAH
 
Epilepsia
EpilepsiaEpilepsia
Epilepsia
 
Psicomotricidade
PsicomotricidadePsicomotricidade
Psicomotricidade
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 
Demências
DemênciasDemências
Demências
 
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivosNocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
 
Aula 09 2014_ doença de alzheimer
Aula 09 2014_ doença de alzheimerAula 09 2014_ doença de alzheimer
Aula 09 2014_ doença de alzheimer
 
Psicomotricidade - Aula 1 (29/05/2013)
Psicomotricidade - Aula 1 (29/05/2013)Psicomotricidade - Aula 1 (29/05/2013)
Psicomotricidade - Aula 1 (29/05/2013)
 
Noções do Método Bobath
Noções do Método Bobath Noções do Método Bobath
Noções do Método Bobath
 

Semelhante a Paralisia cerebral

Jornal Paralisia Cerebral
 Jornal Paralisia Cerebral  Jornal Paralisia Cerebral
Jornal Paralisia Cerebral
tevl
 
Atividades motoras-e-esportivas-na-deficiencia-fisica[1]
Atividades motoras-e-esportivas-na-deficiencia-fisica[1]Atividades motoras-e-esportivas-na-deficiencia-fisica[1]
Atividades motoras-e-esportivas-na-deficiencia-fisica[1]
Elisabeth Mattos
 
Atividades motoras-e-esportivas-na-deficiencia-fisica
Atividades motoras-e-esportivas-na-deficiencia-fisicaAtividades motoras-e-esportivas-na-deficiencia-fisica
Atividades motoras-e-esportivas-na-deficiencia-fisica
Ivone Reges
 
A educação do_dia_a_dia
A educação do_dia_a_diaA educação do_dia_a_dia
A educação do_dia_a_dia
Veronica Santana
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
ausendanunes
 
Deficiência física
Deficiência físicaDeficiência física
Deficiência física
yurigadelha
 
Guia de estimulação para BEBÊS com SÍNDROME de DOWN
Guia de estimulação para BEBÊS com SÍNDROME de DOWNGuia de estimulação para BEBÊS com SÍNDROME de DOWN
Guia de estimulação para BEBÊS com SÍNDROME de DOWN
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Nataçao palestra
 Nataçao palestra Nataçao palestra
Nataçao palestra
somarrecife
 
Deficiências
DeficiênciasDeficiências
Deficiências
fernandapinho2014
 
Autismo
AutismoAutismo
Melhorar entendimento comunicacional de idosos, que estratégias?
Melhorar entendimento comunicacional de idosos, que estratégias?Melhorar entendimento comunicacional de idosos, que estratégias?
Melhorar entendimento comunicacional de idosos, que estratégias?
ISCSP
 
96 abordagem fisioterap-yutica_da_syndrome_de_down_em_crianyas
96 abordagem fisioterap-yutica_da_syndrome_de_down_em_crianyas96 abordagem fisioterap-yutica_da_syndrome_de_down_em_crianyas
96 abordagem fisioterap-yutica_da_syndrome_de_down_em_crianyas
Luiza Doro
 
Apresentação Método Padovan
Apresentação Método PadovanApresentação Método Padovan
Apresentação Método Padovan
Marcelo Mendes
 
Multideficiência no Contexto Educativo - Comunicação Alternativa para o Multi...
Multideficiência no Contexto Educativo - Comunicação Alternativa para o Multi...Multideficiência no Contexto Educativo - Comunicação Alternativa para o Multi...
Multideficiência no Contexto Educativo - Comunicação Alternativa para o Multi...
andreadc
 
CADERNO TV ESCOLA - DEFICIÊNCIA VISUAL
CADERNO TV ESCOLA - DEFICIÊNCIA VISUALCADERNO TV ESCOLA - DEFICIÊNCIA VISUAL
CADERNO TV ESCOLA - DEFICIÊNCIA VISUAL
fatimafalciferreira
 
Função Executiva - Percepção
Função Executiva - PercepçãoFunção Executiva - Percepção
Função Executiva - Percepção
Wélende Barreto
 
Guia de-estimulação-2014
Guia de-estimulação-2014Guia de-estimulação-2014
Guia de-estimulação-2014
Nuria
 
Promoção e Atenção ao Neurodesenvolvimento
Promoção e Atenção ao NeurodesenvolvimentoPromoção e Atenção ao Neurodesenvolvimento
Processo de Design de um Jogo para Ambientes Multissensoriais
Processo de Design de um Jogo para Ambientes MultissensoriaisProcesso de Design de um Jogo para Ambientes Multissensoriais
Processo de Design de um Jogo para Ambientes Multissensoriais
Andre Luiz Abrahão
 
Promoção do desenvolvimento motor
Promoção do desenvolvimento motorPromoção do desenvolvimento motor
Promoção do desenvolvimento motor
Tae Escola D. Maria II
 

Semelhante a Paralisia cerebral (20)

Jornal Paralisia Cerebral
 Jornal Paralisia Cerebral  Jornal Paralisia Cerebral
Jornal Paralisia Cerebral
 
Atividades motoras-e-esportivas-na-deficiencia-fisica[1]
Atividades motoras-e-esportivas-na-deficiencia-fisica[1]Atividades motoras-e-esportivas-na-deficiencia-fisica[1]
Atividades motoras-e-esportivas-na-deficiencia-fisica[1]
 
Atividades motoras-e-esportivas-na-deficiencia-fisica
Atividades motoras-e-esportivas-na-deficiencia-fisicaAtividades motoras-e-esportivas-na-deficiencia-fisica
Atividades motoras-e-esportivas-na-deficiencia-fisica
 
A educação do_dia_a_dia
A educação do_dia_a_diaA educação do_dia_a_dia
A educação do_dia_a_dia
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 
Deficiência física
Deficiência físicaDeficiência física
Deficiência física
 
Guia de estimulação para BEBÊS com SÍNDROME de DOWN
Guia de estimulação para BEBÊS com SÍNDROME de DOWNGuia de estimulação para BEBÊS com SÍNDROME de DOWN
Guia de estimulação para BEBÊS com SÍNDROME de DOWN
 
Nataçao palestra
 Nataçao palestra Nataçao palestra
Nataçao palestra
 
Deficiências
DeficiênciasDeficiências
Deficiências
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Melhorar entendimento comunicacional de idosos, que estratégias?
Melhorar entendimento comunicacional de idosos, que estratégias?Melhorar entendimento comunicacional de idosos, que estratégias?
Melhorar entendimento comunicacional de idosos, que estratégias?
 
96 abordagem fisioterap-yutica_da_syndrome_de_down_em_crianyas
96 abordagem fisioterap-yutica_da_syndrome_de_down_em_crianyas96 abordagem fisioterap-yutica_da_syndrome_de_down_em_crianyas
96 abordagem fisioterap-yutica_da_syndrome_de_down_em_crianyas
 
Apresentação Método Padovan
Apresentação Método PadovanApresentação Método Padovan
Apresentação Método Padovan
 
Multideficiência no Contexto Educativo - Comunicação Alternativa para o Multi...
Multideficiência no Contexto Educativo - Comunicação Alternativa para o Multi...Multideficiência no Contexto Educativo - Comunicação Alternativa para o Multi...
Multideficiência no Contexto Educativo - Comunicação Alternativa para o Multi...
 
CADERNO TV ESCOLA - DEFICIÊNCIA VISUAL
CADERNO TV ESCOLA - DEFICIÊNCIA VISUALCADERNO TV ESCOLA - DEFICIÊNCIA VISUAL
CADERNO TV ESCOLA - DEFICIÊNCIA VISUAL
 
Função Executiva - Percepção
Função Executiva - PercepçãoFunção Executiva - Percepção
Função Executiva - Percepção
 
Guia de-estimulação-2014
Guia de-estimulação-2014Guia de-estimulação-2014
Guia de-estimulação-2014
 
Promoção e Atenção ao Neurodesenvolvimento
Promoção e Atenção ao NeurodesenvolvimentoPromoção e Atenção ao Neurodesenvolvimento
Promoção e Atenção ao Neurodesenvolvimento
 
Processo de Design de um Jogo para Ambientes Multissensoriais
Processo de Design de um Jogo para Ambientes MultissensoriaisProcesso de Design de um Jogo para Ambientes Multissensoriais
Processo de Design de um Jogo para Ambientes Multissensoriais
 
Promoção do desenvolvimento motor
Promoção do desenvolvimento motorPromoção do desenvolvimento motor
Promoção do desenvolvimento motor
 

Último

Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
rickriordan
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 

Último (8)

Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 

Paralisia cerebral

  • 1. A PARALISIA CEREBRAL É UMA PERTURBAÇÃO DO CONTROLO DA POSTURA E MOVIMENTO QUE RESULTA DE UMA ANOMALIA OU LESÃO NÃO PROGRESSIVA QUE ATINGE O CÉREBRO EM DESENVOLVIMENTO.
  • 2. A PARALISIA CEREBRAL PODE SER CLASSIFICADA DE ACORDO COM A NATUREZA DA PERTURBAÇÃO DO MOVIMENTO QUE PREDOMINA:
  • 3. QUAIS SÃO AS CAUSAS DA PARALISIA CEREBRAL? PRINCIPAIS CAUSAS DURANTE O PARTO Falta de oxigénio ao nascer ; Lesões causadas por partos difíceis; Trabalho de parto demorado; Mau uso do fórceps, manobras obstétricas violentas; Os bebés que nascem prematuramente. PRINCIPAIS CAUSAS DEPOIS DO NASCIMENTO Febre prolongada e muito alta; Desidratação, com perda significativa de líquidos; Infecções cerebrais causadas por meningite ou encefalite; Falta de oxigénio por afogamento ou outras causas; Sarampo; Traumatismo crânio-encefálico até os três anos de idade.
  • 4. PARTES DO CORPO AFECTADAS A Paralisia Cerebral atinge diversas regiões do cérebro. Dependendo de onde ocorre a lesão e da quantidade de células atingidas, diferentes partes do corpo podem ser afectadas, alterando o tónus muscular, a postura e provocando dificuldades funcionais nos movimentos. Pode gerar movimentos involuntários, alterações do equilíbrio, do caminhar, da fala, da visão, da audição, da expressão facial. Em casos mais graves pode haver comprometimento mental.
  • 5. SABIAS QUE… Em cada 1000 bebés, em média, dois serão afectados por Paralisia Cerebral; A Paralisia Cerebral não é contagiosa; A pessoa com Paralisia Cerebral tem inteligência normal, a não ser que a lesão tenha afectado áreas do cérebro responsáveis pelo pensamento e pela memória. Se a pessoa portadora de Paralisia Cerebral tiver sua visão ou audição prejudicada pela lesão, terá dificuldades para entender as informações como normalmente são transmitidas. Se o controle da fala for atingido, terá dificuldades para comunicar os seus pensamentos ou necessidades. Homens e mulheres portadores de Paralisia Cerebral podem ter filhos como qualquer outra pessoa.
  • 6. TECNOLOGIAS DE APOIO Capacete com Ponteira Teclado Adaptado É uma haste que é fixa na O teclado adaptado serve para cabeça para facilitar a pessoas com dificuldades digitação para pessoas com motoras que impedem o uso comprometimento de normativo do computador e das suas respectivas funções. membros superiores.
  • 7. TECNOLOGIAS DE APOIO Máscara de teclado Pulseira de Pesos Algumas pessoas com Paralisia Cerebral apresentam movimentos involuntários de pequena amplitude Placa de plástico ou acrílico com em diferentes partes do corpo . Tais perfurações correspondentes a cada movimentos, quando presentes nos tecla do teclado, que quando fixa a membros superiores podem dificultar uma certa distância acima deste, tem o processo de digitação. A Pulseira de por finalidade evitar que a pessoa que Pesos é utilizada para reduzir esses apresenta movimentos involutários movimentos. pressione teclas indesejadas.
  • 8. TECNOLOGIAS DE APOIO Switch Mouse Acesso pelo olhar Permite ao utilizador controlar o computador É um dispositivo que substitui apenas por olhar para o ecrã, possibilitando a acção do rato convencional que pessoas que tenham movimentos muito através de 7 accionadores de limitados consigam, por exemplo, comunicar toque simples, permitindo os de uma maneira independente utilizando movimentos direccionais do software de comunicação existente no mercado. cursor.
  • 9. TECNOLOGIAS DE APOIO MATERIAL ADAPTADO A PESSOAS COM ALGUMAS LIMITAÇÕES MOTORAS DOS MEMBROS SUPERIORES
  • 10. TECNOLOGIAS DE APOIO Brinquedo Adaptado Rato na posição do pé Carro telecomandado Computador ligado a um sistema de rato adaptado para crianças com coordenado com os movimentos graves dificuldades motoras inferiores. superiores.
  • 11. TECNOLOGIAS DE APOIO O Standing Frame é um dispositivo de ajuda a pessoas que têm uma mobilidade reduzida, principalmente que usam cadeiras de rodas. Este aparelho fornece alternativas de posicionamento, nomeadamente na posição de pé proporcionando uma maior autonomia e participação em actividades diferentes.
  • 13. TERAPÊUTICAS DE INTERVENÇÃO O Processo ensino-aprendizagem deve ser organizado e estruturado de forma a privilegiar o desenvolvimento geral da criança ou jovem com Paralisia Cerebral. Deve existir uma equipa de profissionais que trabalhem no sentido de suprimir as dificuldades da criança ou jovem. A criança/jovem com paralisia cerebral deve beneficiar de áreas que possibilitem e auxiliem o seu desenvolvimento, tais como: Terapia da Fala Terapia Ocupacional Para elevar a capacidade de De forma a desenvolver Psicomotricidade expressão oral e de aptidões úteis que lhes Para melhorar a adaptação ao comunicação. permitam desempenhar mundo exterior, através do tarefas de rotina. domínio do equilíbrio; controle da inibição voluntária e da responsabilidade; consciência do corpo; eficácia das diversas Apoio Psicológico coordenações globais Para acompanhar a Massagens e segmentárias; organização criança/jovem durante o Aliviam espasmos e do esquema corporal; Processo Ensino-Aprendizagem reduzem contracções orientação espacial. ao nível psicológico. musculares.
  • 14. Fisioterapia Através da utilização do Áreas de Expressão exercício e técnicas de A Dança e Música podem Expressão Plástica relaxamento; para ensinar auxiliar as crianças ou Como a Pintura podem a caminhar com o auxílio jovens a elevarem a sua ajudar no de canadianas muletas e coordenação, desenvolvimento da outros aparelhos (como desenvolverem o tónus e motricidade, comunicação, cadeira de rodas); para força muscular, etc. auxiliar a rotina diária da autoconfiança, etc. criança ou jovem. Actividades Aquáticas O contacto com a água ou realização de Informática exercícios dentro de água auxiliam um melhor A utilização do funcionamento do sistema circulatório, computador pode ajudar respiratório, fortalecimento dos músculos, ao nível da comunicação, aumento do equilíbrio, relaxamento muscular, assim como ao nível da diminuição de espasmos, aumento da amplitude motricidade fina. de movimentos, etc.
  • 19. COMUNICA O AUMENTATIVA E ALTERNATIVA A fala é a forma de expressão mais utilizada pelas pessoas quando pretendem comunicar, assumindo uma importância fundamental na interacção social. No entanto, e no caso de indivíduos com algum tipo de incapacidade, essas interacções podem ser totalmente afectadas. Por exemplo, e no caso de crianças com deficiências neuromotoras graves, as incapacidades motoras originam nessas crianças restrições muito consideráveis em todo o seu processo de desenvolvimento pessoal, com reflexos necessariamente negativos nos processos de inclusão social e escolar. No caso das pessoas que aliam às incapacidades motoras graves as dificuldades de comunicação, o problema torna-se ainda mais complexo. A Comunicação Aumentativa pode constituir um poderoso meio de combate às incapacidades mencionadas, constituindo um conjunto de técnicas, ajudas, estratégias e habilidades, que uma pessoa sem comunicação oral necessita, para substituir a sua incapacidade de comunicar através da fala. Pode definir-se Comunicação Aumentativa Alternativa como um conjunto integrado de técnicas, ajudas, estratégias e capacidades com pessoa com disfunção comunicativa usa para comunicar.
  • 20. SISTEMA DE SÍMBOLOS GRÁFICOS SPC O Sistema SPC – Símbolos Pictográficos para a Comunicação – é o sistema gráfico para comunicação aumentativa mais usado a nível internacional e também em Portugal. São mais de 8.000 símbolos que representam grande parte do vocabulário. São de fácil reconhecimento e por isso muito utilizado para crianças ou indivíduos que apresentam dificuldades em compreender representações abstractas. Utilizado frequentemente por portadores de Paralisia Cerebral.
  • 21. INCLUS O DE UMA CRIAN A COM PARALISIA CEREBRAL NAS CLASSES REGULARES -Relacionamento interpessoal, socialização; É importante -Desenvolvimento cognitivo; porque: -Desenvolvimento da linguagem; -Participação em actividades de grupo; - Estabelecimento da rotina diária estimulam o seu desenvolvimento global.
  • 22. O PAPEL DA FAM LIA As atitudes e sentimentos dos pais terão forte influência no desenvolvimento da criança. Sendo assim, eles devem ser consciencializados das suas responsabilidade e do quanto a qualidade da relação entre eles e o filho com deficiência influenciará no seu bem-estar físico, mental, psicológico e social.
  • 23. UM SORRISO QUE VALE MIL PALAVRAS Agradecemos a todos os que colaboraram neste projecto sobre Paralisia Cerebral, em especial à família da Laura e da Sara. O nosso muito obrigada por partilharem connosco toda a vossa dedicação, amor e empenho. Que a vida vos sorria sempre e que vos ilumine nesta caminhada. Obrigada!
  • 24.
  • 25. Pela Equipa de Educação Especial do Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância Professor Galopim de Carvalho As Educadoras de Intervenção Precoce Dina Simões Sara Sena