SlideShare uma empresa Scribd logo
FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE
COIMBRA
UNIDADE CURRICULAR DE INTRODUÇÃO À MEDICINA
– 1º ANO
VERTENTE DE MEDICINA INTERNA – RESPONSÁVEL: PROFª
DOUTORA LÈLITA SANTOS
INTRODUÇÃO PARA A AULA PRÁTICA DE TREINO DE COMPETÊNCIAS
- Notas para leitura prévia A punção venosa periférica, também
chamada de cateterização de veia periférica, venopunção ou flebotomia, é a cateterização mais comum
na prática clínica e deve ser considerada um acto
médico. É usada principalmente para a colheita de
sangue e para infusão de substâncias (como
medicamentos ou contraste radiológico). Como o nome
indica é feita uma punção de uma veia periférica,
geralmente no membro superior.
Podem ainda ser feitas, pelos médicos,
punções a outros níveis, mais especializadas, para as
quais são necessários conhecimentos técnicos e treino,
muito específicos:
- Veia central: (jugular, subclávia, femoral) chamamoslhe cateterização venosa central. Permite, para além de
colheita sangue e infusões, medir parâmetros da
hemodinamica cardio-vascular, administrar alguns
medicamentos que não podem ser administrados por
veia periférica, etc.
- Artéria: é a cateterização arterial. A indicação mais
frequente é a punção arterial para medição de gases
arteriais (também conhecida como gasometria). Pode
ainda ser utilizada para monitorização constante da
pressão arterial ou técnicas específicas como a
colocação de stent.
- Cavidade pleural – toracocentese (no caso de líquido
ou ar na cavidade pleural).
- Cavidade peritoneal – paracentese abdominal (se
derrame peritoneal).
- Cavidade pericárdica – pericardiocente (drenagem
de líquido pericárdico).
- Articulação – artrocentese (usa-se para retirar líquido
de articulações).
- Medula óssea – realizada no esterno ou osso ilíaco
para colheita de células precursoras do sangue.
- Espaço sub-aracnoideo – punção lombar, para
colheita de líquido cefalo-raquídeo e/ou administração
de medicamentos.
Qualquer destas técnicas exige condições de assepsia
rigorosas, posicionamento adequado do doente, prática

regular da técnica, por parte do clínico, para manter a
experiência, tem indicações precisas e contraindicações absolutas e relativas, riscos e benefícios,
tendo de ser ponderadas caso a caso e sempre bem
explicadas ao doente.
Exemplos:
- Uma trombocitopenia grave ou alterações importantes da coagulação
são contra-indicaçãos para colocação de dreno torácico, pois implica a
realização de uma grande incisão, o que pode provocar uma
hemorragia grave; no entanto, se o doente apresentar uma situação
emergente que ameace a sua vida e que possa apenas ser resolvida
pela colocação de dreno (ex. pneumotórax hipertensivo), o número de
plaquetas deixa de ser importante; este é um exemplo de contraindicação relativa.
- Punção lombar em doente agitado – é uma contra-indicação absoluta,
pois o doente pode-se mexer durante o procedimento e provocar lesões
a nível neurológico; pode ser ultrapassada, por exemplo, sedando ou
anestesiando o doente.
- Risco 1: o risco de infecção grave é muito mais comum a partir de
cateter central que periférico
- Risco 2: quando se faz a punção da veia ou artéria femoral corre-se o
risco de puncionar o nervo femoral (o que pode originar lesão
neurológica).
- Risco 3: ao colocar um cateter na veia subclávia pode-se perfurar a
pleura e provocar um pneumotórax; este é um risco que se assume
sempre que se coloca este tipo de cateteres (ocorre em cerca de 1:100
procedimentos).

Punção Venosa Periférica - Procedimento
Como esta punção é a mais frequente, a sua técnica será explorada
durante a aula prática.

Indicações:
- Colheita de sangue venoso.
- Administração de substâncias.
Contra-indicações/precauções:
- Doente agitado (pelo risco que coloca a quem está a
fazer a punção).
- Infecção no local da punção ou Flebite (inflamação da
veia).
- Punção recente nesse local.
- Obstrução venosa a montante (ex. trombose venosa).
Complicações:
- Infecção (no local da punção/porta de entrada para
infecção sistémica).
- Dor, hemorragia, hematoma.
Material necessário:
- Luvas.
- Desinfectante (solução iodada, álcool ).
- Compressas esterilizadas.
- Seringa, agulha/abocath.
- Contentor para objectos cortantes/perfurantes.
- Garrote.
- Tubos para colheitas (se for o caso).
- Material de penso e/ou adesivo.
Técnica
- Preparar o material.

- Identificar o doente (para evitar que fármacos sejam
administrados a doentes errados ou que os resultados de
análises não sejam daquele doente).
- Explicar ao doente o procedimento
- Palpar e escolher a veia a puncionar
- Lavar as mãos e colocar as luvas
- Aplicar o torniquete (garrote) a cerca de 15 cm do
local a puncionar evitando pressão excessiva (não deve
provocar colapso arterial). Para promover a dilatação
das veias pode ser solicitado ao doente que abra e
feche a mão.
- Promover anti-sepsia rigorosa do local a puncionar.
- Com o cateter colocado a 10-15º (quase paralelo à
pele) e o bisel voltado para cima é introduzida a agulha
até haver passagem de sangue para a seringa.
- Libertar o torniquete.
- Aspirar a quantidade de sangue pretendida.
- Caso se pretenda deixar cateter após punção:
provocar a oclusão da veia a montante através de
digitopressão; posteriormente pode ser adaptado
sistema de soro ou obturador que impede a saída de
sangue. O cateter é fixado com adesivo.
- Caso apenas se pretenda colheita de sangue: colocar
gaze no local de punção, retirar agulha e fazer
compressão; colocar penso após hemostase.
- Realizar registos: data e hora do procedimento,
material colhido, diferenciar punção simples de
colocação de cateter, complicações registadas.
Tubos de colheitas

Existem diversos tipos de tubos para colheita de sangue.

Os dois primeiros da imagem são “garrafas” de Hemocultura:
servem para inoculação se sangue (10 ml) e de seguida
incubação em estufa. Caso haja crescimento de bactérias dizse que foi positiva. Permite identificar qual a bactéria e testar
nessa bactéria diversos antibióticos, de forma a ajustar o
tratamento do doente (tampa verde: hemoculturas para aeróbios;
tampa laranja: anaeróbio; existem ainda garrafas específicas para
micobactérias – bactérias da tuberculose).

Os restantes tubos apresentam da mesma forma um código
de cores que, infelizmente, não é universal. Cada tubo possui
um aditivo específico e um volume que deve ser respeitado.
Os 3 tubos assinalados são os mais usados na prática clínica:
- Coagulação – tem tampa azul clara (“royal blue”); o
seu aditivo é o citrato (anticoagulante) e tem volume de
2,5 ml de sangue. É muito importante que este seja o
primeiro sangue a ser colocado, visto que a
permanência na seringa leva à formação de coágulos o
que altera o resultado. O tubo possui um volume
determinado de citrato, pelo que é muito importante
respeitar o volume do tubo (indicado por uma seta preta
na extremidade superior) visto que esta “diluição” está
contemplada nas determinações analíticas.
- Hemograma – tampa roxa (“lavanda”); o seu aditivo é
o EDTA (anticoagulante), contém 3 ml de sangue.
Estes dois tubos devem ser movidos (não agitados)
após acondicionamento do sangue para evitar
formação de coágulos. Recomenda-se “rolar” 8 vezes
os dois tubos na mão.
- Bioquímica – tampa vermelha em Portugal (nos EUA
pode ser vermelho com riscas pretas “tiger” ou laranja);
possui um activador da coagulação no seu fundo,
permitindo separar mais rapidamente o soro e portanto
ter resultados mais depressa. Contém 5 ml de sangue.

- Intra-venosas (iv) (ou endo-venosas): tamanho médio,
usadas nas punções venosas.
- Intra-musculares (im): as mais compridas, usadas
para administração i.m. de fármacos (ex. penicilina),
bem como administração de fármacos “em
profundidade” (ex. anestesia local)
Cada uma destas agulhas pode ter vários calibres
(“grossura”). A designação internacional em que vem
expressa numa unidade: Gauge (G). Quanto maior o G
mais fina é a agulha. (ex. 30 G mais fina que 20 G).

Glossário
•

•

•

Agulhas:

•

•

iv
sc

im

iv
sc

sc
•
•
•

As três agulhas mais frequentemente usadas na clínica
podem ser de 3 tipos
- Subcutâneas (sc): as mais curtas, usam-se para
administração de fármacos (ex. insulina, heparina
fraccionada, lidocaína, etc), para punções arteriais
(gasometria); utilizam-se, ainda, para injecções intradérmicas (ex. prova de Mantoux).

•
•

As agulhas de menor calibre não devem ser usadas na colheita de
sangue venoso pois há maior grau de hemólise.

Assim, se o objectivo for colher sangue para um
hemograma e uma bioquímica sabemos que temos de
colher apenas 8 ml de sangue, evitando desperdício.

im

•
•

•

Abocath – cateter de plástico que reveste agulha;
após punção da veia retira-se a agulha, ficando o
cateter na veia.
Assepsia – refere-se à manutenção de condições
de esterilidade, isto é, isenta de
contaminação
por
bactérias,
fungos, parasitas e vírus.
Bisel – extremidade distal da
agulha.
Cateterização – acto de colocar
cateter em cavidade corporal; na
prática todas as punções são cateterizações; se
bem que na prática utiliza-se o termo cateterização
quando se deixa o cateter (ex. administração de
soro) e punção quando se retira o catéter no fim do
procedimento (ex. colheita de sangue).
Catéter – “tubo” colocado numa cavidade corporal;
pode ser metálico (ex. agulha com lúmen) ou de
diferentes polímeros. Outros exemplos: sonda de
Foley para cateterização vesical (também
conhecida por algaliação), drenos torácicos, SwanGanz (cateter para medir pressões no coração),
etc.
Incisão – corte
Digitopressão- literalmente, pressão com os
dedos.
Obturador – sistema valvular que se adapta a
cateter; permite apenas a passagem de fluído
quando tem seringa ou sistema de soro conectado.
Hemólise – destruição/lise (“rebentamento”) dos
elementos figurados do sangue (glóbulos
vermelhos, brancos e plaquetas); provoca a
libertação de enzimas e iões presentes no interior
das
células,
provocando
elevação
das
concentrações normais destes elementos no soro
(ex. desidrogenase láctica e potássio existem em

•

•

grandes quantidades nas células, mas em
pequena quantidade no soro; a lise celular provoca
um falso aumento o que dificulta a interpretação
dos resultados).
Pneumotórax- presença de ar na cavidade pleural
Prova de Mantoux – injecção intradérmica de
tuberculina.
Trombocitopenia – diminuição do número de
plaquetas
Sangue arterial – sangue que sai do coração em
direcção aos tecidos depois de ter sido oxigenado
nos pulmões; cor vermelha viva; sangue sob maior
pressão, sendo capaz de “subir” espontaneamente
em seringas especiais (“kits” de gasometria).
Sangue venoso – sangue que corre em direcção
ao coração, após ter perfundido os tecidos; possui
menor concentração de oxigénio e maior
concentração de dióxido de carbono e produtos do
metabolismo celular como lactatos; cor vermelha
escura; pode “subir” nos kits de gasometria, mas
mais lentamente e geralmente de forma não
pulsátil.
Stent – prótese colocada no interior de um vaso;
são usados, por exemplo, nos enfartes do
miocárdio para desobstruir artérias ocluídas.
Última actualização: Setembro 2013

Notas:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2o ano.bioquimica.seminario de pratica coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica coleta
rasg75
 
Introdução a análises clínicas
Introdução a análises clínicasIntrodução a análises clínicas
Introdução a análises clínicas
Stephany Strombeck
 
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
Julio Dutra
 
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
Maria Jaqueline Mesquita
 
Aula 7 alunos
Aula 7 alunosAula 7 alunos
Aula 7 alunos
Marcela Costa
 
Aula margarete nóbrega 2012
Aula margarete nóbrega 2012Aula margarete nóbrega 2012
Aula margarete nóbrega 2012
Katia Pontes Remijo
 
Administração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdfAdministração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdf
jaddy xavier
 
Apostila puncao venosa periferica
Apostila puncao venosa perifericaApostila puncao venosa periferica
Apostila puncao venosa periferica
Mikael Figueredo Gonçalves
 
Principais exames na infância ...
Principais exames na infância ...Principais exames na infância ...
Principais exames na infância ...
WAGNER OLIVEIRA
 
Flebografia - Castedo instituto vascular
Flebografia - Castedo instituto vascularFlebografia - Castedo instituto vascular
Flebografia - Castedo instituto vascular
anyelaryston
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
Mateus Camargo
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
Julio Cesar Matias
 
43630965 flebografia
43630965 flebografia43630965 flebografia
43630965 flebografia
Ney Menezes
 
Flebografia conhecer saúde
Flebografia   conhecer saúdeFlebografia   conhecer saúde
Flebografia conhecer saúde
anyelaryston
 
Punção venosa
Punção venosaPunção venosa
Punção venosa
joselene beatriz
 
Instruções de coleta para exames laboratoriais
Instruções de coleta para exames laboratoriaisInstruções de coleta para exames laboratoriais
Instruções de coleta para exames laboratoriais
clinicansl
 
Acesso Venosos Em CriançAs E Adultos
Acesso Venosos Em CriançAs E AdultosAcesso Venosos Em CriançAs E Adultos
Acesso Venosos Em CriançAs E Adultos
Renato Bach
 
Tcnicas de coagulao apostila usp
Tcnicas de coagulao  apostila  uspTcnicas de coagulao  apostila  usp
Tcnicas de coagulao apostila usp
Maykon Avalo Berndt
 
Procedimentos Especiais
Procedimentos EspeciaisProcedimentos Especiais
Procedimentos Especiais
resenfe2013
 

Mais procurados (19)

2o ano.bioquimica.seminario de pratica coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica coleta
 
Introdução a análises clínicas
Introdução a análises clínicasIntrodução a análises clínicas
Introdução a análises clínicas
 
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
 
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
 
Aula 7 alunos
Aula 7 alunosAula 7 alunos
Aula 7 alunos
 
Aula margarete nóbrega 2012
Aula margarete nóbrega 2012Aula margarete nóbrega 2012
Aula margarete nóbrega 2012
 
Administração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdfAdministração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdf
 
Apostila puncao venosa periferica
Apostila puncao venosa perifericaApostila puncao venosa periferica
Apostila puncao venosa periferica
 
Principais exames na infância ...
Principais exames na infância ...Principais exames na infância ...
Principais exames na infância ...
 
Flebografia - Castedo instituto vascular
Flebografia - Castedo instituto vascularFlebografia - Castedo instituto vascular
Flebografia - Castedo instituto vascular
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
 
43630965 flebografia
43630965 flebografia43630965 flebografia
43630965 flebografia
 
Flebografia conhecer saúde
Flebografia   conhecer saúdeFlebografia   conhecer saúde
Flebografia conhecer saúde
 
Punção venosa
Punção venosaPunção venosa
Punção venosa
 
Instruções de coleta para exames laboratoriais
Instruções de coleta para exames laboratoriaisInstruções de coleta para exames laboratoriais
Instruções de coleta para exames laboratoriais
 
Acesso Venosos Em CriançAs E Adultos
Acesso Venosos Em CriançAs E AdultosAcesso Venosos Em CriançAs E Adultos
Acesso Venosos Em CriançAs E Adultos
 
Tcnicas de coagulao apostila usp
Tcnicas de coagulao  apostila  uspTcnicas de coagulao  apostila  usp
Tcnicas de coagulao apostila usp
 
Procedimentos Especiais
Procedimentos EspeciaisProcedimentos Especiais
Procedimentos Especiais
 

Semelhante a Panfleto alunos im versao final13

1. coleta de sangue
1. coleta de sangue1. coleta de sangue
1. coleta de sangue
Jéssica Bomfim
 
3MONITORIZAÇÃO EsssssssssssssM UTI.pdf
3MONITORIZAÇÃO EsssssssssssssM UTI.pdf3MONITORIZAÇÃO EsssssssssssssM UTI.pdf
3MONITORIZAÇÃO EsssssssssssssM UTI.pdf
JooHenriqueCarvallho
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
CATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptx
CATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptxCATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptx
CATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptx
alecsandrorachidferr
 
acessos vasculare 2.pptx
acessos vasculare 2.pptxacessos vasculare 2.pptx
acessos vasculare 2.pptx
EnfermagemUniavan
 
Guia de coleta_de_sangue
Guia de coleta_de_sangueGuia de coleta_de_sangue
Guia de coleta_de_sangue
Sabrina Mourao
 
Guia de coleta_de_sangue
Guia de coleta_de_sangueGuia de coleta_de_sangue
Guia de coleta_de_sangue
Joselaine Ozaki
 
Guia de coleta_de_sangue
Guia de coleta_de_sangueGuia de coleta_de_sangue
Guia de coleta_de_sangue
Manoel Francisco Nunes Netto Papito
 
Medicação ev 2015 ligia
Medicação ev 2015 ligiaMedicação ev 2015 ligia
Medicação ev 2015 ligia
Silvano Abutres
 
Aula Sangue
Aula SangueAula Sangue
Aula Sangue
MaianaTeixeira1
 
Simp5 acesso vascular
Simp5 acesso vascularSimp5 acesso vascular
Simp5 acesso vascular
Joana Romão
 
Relatorio de estagio 2
Relatorio de estagio 2Relatorio de estagio 2
Relatorio de estagio 2
Jeronimo Oliveira
 
utieacon201swwd7parte2-170130105529.pptx
utieacon201swwd7parte2-170130105529.pptxutieacon201swwd7parte2-170130105529.pptx
utieacon201swwd7parte2-170130105529.pptx
JooHenriqueCarvallho
 
CURSO DE PUNÇÃO VENOSA.pptx
CURSO DE PUNÇÃO VENOSA.pptxCURSO DE PUNÇÃO VENOSA.pptx
CURSO DE PUNÇÃO VENOSA.pptx
vanellepriscila
 
_Monitorização.ppt
_Monitorização.ppt_Monitorização.ppt
_Monitorização.ppt
BereniceCristina3
 
Apostila puncao venosa periferica
Apostila puncao venosa periferica Apostila puncao venosa periferica
Apostila puncao venosa periferica
Mikael Figueredo Gonçalves
 
Acesso Venoso Central
Acesso Venoso Central Acesso Venoso Central
Acesso Venoso Central
RicardoBorsatti1
 
exames
examesexames
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentes
Aroldo Gavioli
 
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdfEnfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
pososospos
 

Semelhante a Panfleto alunos im versao final13 (20)

1. coleta de sangue
1. coleta de sangue1. coleta de sangue
1. coleta de sangue
 
3MONITORIZAÇÃO EsssssssssssssM UTI.pdf
3MONITORIZAÇÃO EsssssssssssssM UTI.pdf3MONITORIZAÇÃO EsssssssssssssM UTI.pdf
3MONITORIZAÇÃO EsssssssssssssM UTI.pdf
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
CATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptx
CATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptxCATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptx
CATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptx
 
acessos vasculare 2.pptx
acessos vasculare 2.pptxacessos vasculare 2.pptx
acessos vasculare 2.pptx
 
Guia de coleta_de_sangue
Guia de coleta_de_sangueGuia de coleta_de_sangue
Guia de coleta_de_sangue
 
Guia de coleta_de_sangue
Guia de coleta_de_sangueGuia de coleta_de_sangue
Guia de coleta_de_sangue
 
Guia de coleta_de_sangue
Guia de coleta_de_sangueGuia de coleta_de_sangue
Guia de coleta_de_sangue
 
Medicação ev 2015 ligia
Medicação ev 2015 ligiaMedicação ev 2015 ligia
Medicação ev 2015 ligia
 
Aula Sangue
Aula SangueAula Sangue
Aula Sangue
 
Simp5 acesso vascular
Simp5 acesso vascularSimp5 acesso vascular
Simp5 acesso vascular
 
Relatorio de estagio 2
Relatorio de estagio 2Relatorio de estagio 2
Relatorio de estagio 2
 
utieacon201swwd7parte2-170130105529.pptx
utieacon201swwd7parte2-170130105529.pptxutieacon201swwd7parte2-170130105529.pptx
utieacon201swwd7parte2-170130105529.pptx
 
CURSO DE PUNÇÃO VENOSA.pptx
CURSO DE PUNÇÃO VENOSA.pptxCURSO DE PUNÇÃO VENOSA.pptx
CURSO DE PUNÇÃO VENOSA.pptx
 
_Monitorização.ppt
_Monitorização.ppt_Monitorização.ppt
_Monitorização.ppt
 
Apostila puncao venosa periferica
Apostila puncao venosa periferica Apostila puncao venosa periferica
Apostila puncao venosa periferica
 
Acesso Venoso Central
Acesso Venoso Central Acesso Venoso Central
Acesso Venoso Central
 
exames
examesexames
exames
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentes
 
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdfEnfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
 

Mais de commed1

Student questionnaire 2015_english (2)
Student questionnaire 2015_english (2)Student questionnaire 2015_english (2)
Student questionnaire 2015_english (2)commed1
 
Salas da fmuc 2014 15 1º-semestre
Salas da fmuc 2014 15 1º-semestreSalas da fmuc 2014 15 1º-semestre
Salas da fmuc 2014 15 1º-semestre
commed1
 
Notas - recurso IM II
Notas - recurso IM II Notas - recurso IM II
Notas - recurso IM II
commed1
 
Pauta avaliação prática ii 14-07-2014
Pauta avaliação prática ii   14-07-2014Pauta avaliação prática ii   14-07-2014
Pauta avaliação prática ii 14-07-2014
commed1
 
Pauta avaliação prática ii 02-07-2014
Pauta avaliação prática ii   02-07-2014Pauta avaliação prática ii   02-07-2014
Pauta avaliação prática ii 02-07-2014
commed1
 
Pauta avaliação prática ii 26-06-2014
Pauta avaliação prática ii   26-06-2014Pauta avaliação prática ii   26-06-2014
Pauta avaliação prática ii 26-06-2014
commed1
 
Notas teoricas im ii normal
Notas teoricas  im ii normalNotas teoricas  im ii normal
Notas teoricas im ii normal
commed1
 
Faltas aulas teorico praticas
Faltas aulas teorico  praticasFaltas aulas teorico  praticas
Faltas aulas teorico praticas
commed1
 
Faltas aulas teoricas
Faltas aulas teoricasFaltas aulas teoricas
Faltas aulas teoricas
commed1
 
Pauta avaliação prática ii 11-06-2014
Pauta avaliação prática ii   11-06-2014Pauta avaliação prática ii   11-06-2014
Pauta avaliação prática ii 11-06-2014
commed1
 
Pauta avaliação prática i licenciados
Pauta avaliação prática i licenciadosPauta avaliação prática i licenciados
Pauta avaliação prática i licenciados
commed1
 
Exames 2semest 1ano cópia
Exames 2semest 1ano   cópiaExames 2semest 1ano   cópia
Exames 2semest 1ano cópia
commed1
 
Exames 2semest 1anosesp
Exames 2semest 1anosespExames 2semest 1anosesp
Exames 2semest 1anosesp
commed1
 
Curso de dissecção final-alunos
Curso de dissecção   final-alunosCurso de dissecção   final-alunos
Curso de dissecção final-alunos
commed1
 
Turmas im
Turmas imTurmas im
Turmas im
commed1
 
Considerações 2013 2014 - 2º semestre
Considerações 2013 2014 - 2º semestreConsiderações 2013 2014 - 2º semestre
Considerações 2013 2014 - 2º semestre
commed1
 
Calendário aulas teorico praticas 13-14
Calendário aulas teorico praticas 13-14Calendário aulas teorico praticas 13-14
Calendário aulas teorico praticas 13-14
commed1
 
Indicacoe alunos13
Indicacoe alunos13Indicacoe alunos13
Indicacoe alunos13
commed1
 
Aviso faltas
Aviso faltasAviso faltas
Aviso faltascommed1
 
Relatorio indicacoes
Relatorio indicacoesRelatorio indicacoes
Relatorio indicacoes
commed1
 

Mais de commed1 (20)

Student questionnaire 2015_english (2)
Student questionnaire 2015_english (2)Student questionnaire 2015_english (2)
Student questionnaire 2015_english (2)
 
Salas da fmuc 2014 15 1º-semestre
Salas da fmuc 2014 15 1º-semestreSalas da fmuc 2014 15 1º-semestre
Salas da fmuc 2014 15 1º-semestre
 
Notas - recurso IM II
Notas - recurso IM II Notas - recurso IM II
Notas - recurso IM II
 
Pauta avaliação prática ii 14-07-2014
Pauta avaliação prática ii   14-07-2014Pauta avaliação prática ii   14-07-2014
Pauta avaliação prática ii 14-07-2014
 
Pauta avaliação prática ii 02-07-2014
Pauta avaliação prática ii   02-07-2014Pauta avaliação prática ii   02-07-2014
Pauta avaliação prática ii 02-07-2014
 
Pauta avaliação prática ii 26-06-2014
Pauta avaliação prática ii   26-06-2014Pauta avaliação prática ii   26-06-2014
Pauta avaliação prática ii 26-06-2014
 
Notas teoricas im ii normal
Notas teoricas  im ii normalNotas teoricas  im ii normal
Notas teoricas im ii normal
 
Faltas aulas teorico praticas
Faltas aulas teorico  praticasFaltas aulas teorico  praticas
Faltas aulas teorico praticas
 
Faltas aulas teoricas
Faltas aulas teoricasFaltas aulas teoricas
Faltas aulas teoricas
 
Pauta avaliação prática ii 11-06-2014
Pauta avaliação prática ii   11-06-2014Pauta avaliação prática ii   11-06-2014
Pauta avaliação prática ii 11-06-2014
 
Pauta avaliação prática i licenciados
Pauta avaliação prática i licenciadosPauta avaliação prática i licenciados
Pauta avaliação prática i licenciados
 
Exames 2semest 1ano cópia
Exames 2semest 1ano   cópiaExames 2semest 1ano   cópia
Exames 2semest 1ano cópia
 
Exames 2semest 1anosesp
Exames 2semest 1anosespExames 2semest 1anosesp
Exames 2semest 1anosesp
 
Curso de dissecção final-alunos
Curso de dissecção   final-alunosCurso de dissecção   final-alunos
Curso de dissecção final-alunos
 
Turmas im
Turmas imTurmas im
Turmas im
 
Considerações 2013 2014 - 2º semestre
Considerações 2013 2014 - 2º semestreConsiderações 2013 2014 - 2º semestre
Considerações 2013 2014 - 2º semestre
 
Calendário aulas teorico praticas 13-14
Calendário aulas teorico praticas 13-14Calendário aulas teorico praticas 13-14
Calendário aulas teorico praticas 13-14
 
Indicacoe alunos13
Indicacoe alunos13Indicacoe alunos13
Indicacoe alunos13
 
Aviso faltas
Aviso faltasAviso faltas
Aviso faltas
 
Relatorio indicacoes
Relatorio indicacoesRelatorio indicacoes
Relatorio indicacoes
 

Panfleto alunos im versao final13

  • 1. FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA UNIDADE CURRICULAR DE INTRODUÇÃO À MEDICINA – 1º ANO VERTENTE DE MEDICINA INTERNA – RESPONSÁVEL: PROFª DOUTORA LÈLITA SANTOS INTRODUÇÃO PARA A AULA PRÁTICA DE TREINO DE COMPETÊNCIAS - Notas para leitura prévia A punção venosa periférica, também chamada de cateterização de veia periférica, venopunção ou flebotomia, é a cateterização mais comum na prática clínica e deve ser considerada um acto médico. É usada principalmente para a colheita de sangue e para infusão de substâncias (como medicamentos ou contraste radiológico). Como o nome indica é feita uma punção de uma veia periférica, geralmente no membro superior. Podem ainda ser feitas, pelos médicos, punções a outros níveis, mais especializadas, para as quais são necessários conhecimentos técnicos e treino, muito específicos: - Veia central: (jugular, subclávia, femoral) chamamoslhe cateterização venosa central. Permite, para além de colheita sangue e infusões, medir parâmetros da hemodinamica cardio-vascular, administrar alguns medicamentos que não podem ser administrados por veia periférica, etc. - Artéria: é a cateterização arterial. A indicação mais frequente é a punção arterial para medição de gases arteriais (também conhecida como gasometria). Pode ainda ser utilizada para monitorização constante da pressão arterial ou técnicas específicas como a colocação de stent. - Cavidade pleural – toracocentese (no caso de líquido ou ar na cavidade pleural). - Cavidade peritoneal – paracentese abdominal (se derrame peritoneal). - Cavidade pericárdica – pericardiocente (drenagem de líquido pericárdico). - Articulação – artrocentese (usa-se para retirar líquido de articulações). - Medula óssea – realizada no esterno ou osso ilíaco para colheita de células precursoras do sangue. - Espaço sub-aracnoideo – punção lombar, para colheita de líquido cefalo-raquídeo e/ou administração de medicamentos. Qualquer destas técnicas exige condições de assepsia rigorosas, posicionamento adequado do doente, prática regular da técnica, por parte do clínico, para manter a experiência, tem indicações precisas e contraindicações absolutas e relativas, riscos e benefícios, tendo de ser ponderadas caso a caso e sempre bem explicadas ao doente. Exemplos: - Uma trombocitopenia grave ou alterações importantes da coagulação são contra-indicaçãos para colocação de dreno torácico, pois implica a realização de uma grande incisão, o que pode provocar uma hemorragia grave; no entanto, se o doente apresentar uma situação emergente que ameace a sua vida e que possa apenas ser resolvida pela colocação de dreno (ex. pneumotórax hipertensivo), o número de plaquetas deixa de ser importante; este é um exemplo de contraindicação relativa. - Punção lombar em doente agitado – é uma contra-indicação absoluta, pois o doente pode-se mexer durante o procedimento e provocar lesões a nível neurológico; pode ser ultrapassada, por exemplo, sedando ou anestesiando o doente. - Risco 1: o risco de infecção grave é muito mais comum a partir de cateter central que periférico - Risco 2: quando se faz a punção da veia ou artéria femoral corre-se o risco de puncionar o nervo femoral (o que pode originar lesão neurológica). - Risco 3: ao colocar um cateter na veia subclávia pode-se perfurar a pleura e provocar um pneumotórax; este é um risco que se assume sempre que se coloca este tipo de cateteres (ocorre em cerca de 1:100 procedimentos). Punção Venosa Periférica - Procedimento Como esta punção é a mais frequente, a sua técnica será explorada durante a aula prática. Indicações: - Colheita de sangue venoso. - Administração de substâncias. Contra-indicações/precauções: - Doente agitado (pelo risco que coloca a quem está a fazer a punção). - Infecção no local da punção ou Flebite (inflamação da veia). - Punção recente nesse local. - Obstrução venosa a montante (ex. trombose venosa). Complicações: - Infecção (no local da punção/porta de entrada para infecção sistémica). - Dor, hemorragia, hematoma. Material necessário: - Luvas. - Desinfectante (solução iodada, álcool ). - Compressas esterilizadas. - Seringa, agulha/abocath. - Contentor para objectos cortantes/perfurantes. - Garrote. - Tubos para colheitas (se for o caso). - Material de penso e/ou adesivo. Técnica - Preparar o material. - Identificar o doente (para evitar que fármacos sejam administrados a doentes errados ou que os resultados de análises não sejam daquele doente). - Explicar ao doente o procedimento - Palpar e escolher a veia a puncionar - Lavar as mãos e colocar as luvas - Aplicar o torniquete (garrote) a cerca de 15 cm do local a puncionar evitando pressão excessiva (não deve provocar colapso arterial). Para promover a dilatação das veias pode ser solicitado ao doente que abra e feche a mão. - Promover anti-sepsia rigorosa do local a puncionar. - Com o cateter colocado a 10-15º (quase paralelo à pele) e o bisel voltado para cima é introduzida a agulha até haver passagem de sangue para a seringa. - Libertar o torniquete. - Aspirar a quantidade de sangue pretendida. - Caso se pretenda deixar cateter após punção: provocar a oclusão da veia a montante através de digitopressão; posteriormente pode ser adaptado sistema de soro ou obturador que impede a saída de sangue. O cateter é fixado com adesivo. - Caso apenas se pretenda colheita de sangue: colocar gaze no local de punção, retirar agulha e fazer compressão; colocar penso após hemostase. - Realizar registos: data e hora do procedimento, material colhido, diferenciar punção simples de colocação de cateter, complicações registadas. Tubos de colheitas Existem diversos tipos de tubos para colheita de sangue. Os dois primeiros da imagem são “garrafas” de Hemocultura: servem para inoculação se sangue (10 ml) e de seguida incubação em estufa. Caso haja crescimento de bactérias dizse que foi positiva. Permite identificar qual a bactéria e testar nessa bactéria diversos antibióticos, de forma a ajustar o tratamento do doente (tampa verde: hemoculturas para aeróbios; tampa laranja: anaeróbio; existem ainda garrafas específicas para micobactérias – bactérias da tuberculose). Os restantes tubos apresentam da mesma forma um código de cores que, infelizmente, não é universal. Cada tubo possui um aditivo específico e um volume que deve ser respeitado. Os 3 tubos assinalados são os mais usados na prática clínica:
  • 2. - Coagulação – tem tampa azul clara (“royal blue”); o seu aditivo é o citrato (anticoagulante) e tem volume de 2,5 ml de sangue. É muito importante que este seja o primeiro sangue a ser colocado, visto que a permanência na seringa leva à formação de coágulos o que altera o resultado. O tubo possui um volume determinado de citrato, pelo que é muito importante respeitar o volume do tubo (indicado por uma seta preta na extremidade superior) visto que esta “diluição” está contemplada nas determinações analíticas. - Hemograma – tampa roxa (“lavanda”); o seu aditivo é o EDTA (anticoagulante), contém 3 ml de sangue. Estes dois tubos devem ser movidos (não agitados) após acondicionamento do sangue para evitar formação de coágulos. Recomenda-se “rolar” 8 vezes os dois tubos na mão. - Bioquímica – tampa vermelha em Portugal (nos EUA pode ser vermelho com riscas pretas “tiger” ou laranja); possui um activador da coagulação no seu fundo, permitindo separar mais rapidamente o soro e portanto ter resultados mais depressa. Contém 5 ml de sangue. - Intra-venosas (iv) (ou endo-venosas): tamanho médio, usadas nas punções venosas. - Intra-musculares (im): as mais compridas, usadas para administração i.m. de fármacos (ex. penicilina), bem como administração de fármacos “em profundidade” (ex. anestesia local) Cada uma destas agulhas pode ter vários calibres (“grossura”). A designação internacional em que vem expressa numa unidade: Gauge (G). Quanto maior o G mais fina é a agulha. (ex. 30 G mais fina que 20 G). Glossário • • • Agulhas: • • iv sc im iv sc sc • • • As três agulhas mais frequentemente usadas na clínica podem ser de 3 tipos - Subcutâneas (sc): as mais curtas, usam-se para administração de fármacos (ex. insulina, heparina fraccionada, lidocaína, etc), para punções arteriais (gasometria); utilizam-se, ainda, para injecções intradérmicas (ex. prova de Mantoux). • • As agulhas de menor calibre não devem ser usadas na colheita de sangue venoso pois há maior grau de hemólise. Assim, se o objectivo for colher sangue para um hemograma e uma bioquímica sabemos que temos de colher apenas 8 ml de sangue, evitando desperdício. im • • • Abocath – cateter de plástico que reveste agulha; após punção da veia retira-se a agulha, ficando o cateter na veia. Assepsia – refere-se à manutenção de condições de esterilidade, isto é, isenta de contaminação por bactérias, fungos, parasitas e vírus. Bisel – extremidade distal da agulha. Cateterização – acto de colocar cateter em cavidade corporal; na prática todas as punções são cateterizações; se bem que na prática utiliza-se o termo cateterização quando se deixa o cateter (ex. administração de soro) e punção quando se retira o catéter no fim do procedimento (ex. colheita de sangue). Catéter – “tubo” colocado numa cavidade corporal; pode ser metálico (ex. agulha com lúmen) ou de diferentes polímeros. Outros exemplos: sonda de Foley para cateterização vesical (também conhecida por algaliação), drenos torácicos, SwanGanz (cateter para medir pressões no coração), etc. Incisão – corte Digitopressão- literalmente, pressão com os dedos. Obturador – sistema valvular que se adapta a cateter; permite apenas a passagem de fluído quando tem seringa ou sistema de soro conectado. Hemólise – destruição/lise (“rebentamento”) dos elementos figurados do sangue (glóbulos vermelhos, brancos e plaquetas); provoca a libertação de enzimas e iões presentes no interior das células, provocando elevação das concentrações normais destes elementos no soro (ex. desidrogenase láctica e potássio existem em • • grandes quantidades nas células, mas em pequena quantidade no soro; a lise celular provoca um falso aumento o que dificulta a interpretação dos resultados). Pneumotórax- presença de ar na cavidade pleural Prova de Mantoux – injecção intradérmica de tuberculina. Trombocitopenia – diminuição do número de plaquetas Sangue arterial – sangue que sai do coração em direcção aos tecidos depois de ter sido oxigenado nos pulmões; cor vermelha viva; sangue sob maior pressão, sendo capaz de “subir” espontaneamente em seringas especiais (“kits” de gasometria). Sangue venoso – sangue que corre em direcção ao coração, após ter perfundido os tecidos; possui menor concentração de oxigénio e maior concentração de dióxido de carbono e produtos do metabolismo celular como lactatos; cor vermelha escura; pode “subir” nos kits de gasometria, mas mais lentamente e geralmente de forma não pulsátil. Stent – prótese colocada no interior de um vaso; são usados, por exemplo, nos enfartes do miocárdio para desobstruir artérias ocluídas. Última actualização: Setembro 2013 Notas: