SlideShare uma empresa Scribd logo
O voo do Jika

   O Jika era o mais novo da minha rua. Assim: o Tibas
era o mais velho, depois havia o Bruno Ferraz, eu e o Ji-
ka. Nós até às vezes lhe protegíamos doutros mais-
-velhos que vinham fazer confusão na nossa rua.
   O almoço na minha casa era perto do meio-dia. Às
vezes quase à uma. Ao meio-dia e quinze, o Jika tocava
à campainha.
   – O Ndalu tá? – perguntava à minha irmã ou ao ca-
marada António.
   – Sim, tá.
   – Chama só, faz favor.
   Eu interrompia o que estivesse a fazer, descia.
   – Mó Jika, comé?
   – Ndalu, vinha te perguntar uma coisa.
   – Diz.
   – Hoje num queres me convidar pra almoçar na tua
casa?
   – Deixinda ir perguntar à minha mãe.
   Entrei. O Jika ficou ansioso na porta, aguardando a
resposta. Quase sempre a minha mãe dizia sim. Só se
fosse mesmo maka de pouca comida, ou muita gente
que já estava combinada para o almoço. Se a avó Chica
viesse, ia trazer também a Helda, e assim já não ia dar.

                                                      11
Mas normalmente a minha mãe dizia mesmo «sim».
E ficava a rir.
   – A minha mãe disse que podes.
   – Ah é? – ele pareceu surpreendido. – E a que horas
é que vocês vão almoçar?
   – Ao meio-dia e meia, Jika.
   – Então vou pedir na minha mãe.
   Deixei a porta aberta. O Jika devia voltar sem demo-
ra quase nenhuma. Gritou contente, cá de baixo, na di-
recção da janela do quarto da mãe dele:
   – Maaaaãe, a tia Sita me convidou pra almoçar na ca-
sa dela. Posso?
   – Podes. Mas vem mudar essa camisa suada.
   O Jika deu uma esquindiva, fingiu que já tinha mu-
dado, veio a correr numa transpiração respirada. Con-
tente. Olhos do miúdo que ele era. Fosse o melhor pro-
grama da semana dele. E eu, mesmo miúdo candengue,
fiquei a pensar nas razões do Jika não gostar nada de al-
moçar na própria casa dele.
   O Jika estava habituado a muita gasosa. Nesse tem-
po, se houvesse gasosa na minha casa era para dividir.
Como nós éramos três, eu e duas irmãs, quando o Jika
vinha almoçar, até a divisão corria melhor. Ele por vezes
queria fugir desse ritual:
   – Tia Sita, posso beber uma gasosa sozinho?
   – Sozinho, bebes na tua casa – a minha mãe respon-
deu. – Aqui divide-se.
   Depois do almoço, o Jika disse que ia à casa dele
buscar «uma coisa». Eu fiquei à espera, no portão aber-
to. Prometeu não demorar. Voltou com a tal coisa es-
condida debaixo do braço, e entrámos rapidamente na
minha casa. Subimos ao primeiro andar, fomos até ao
quarto da minha irmã Tchi, e saltámos da varanda para
uma espécie de telhado. Aproximámo-nos da berma. Lá
em baixo estava a relva verde do jardim. O Jika abriu
um muito, muito pequenino guarda-chuva azul.

12
– Põe a mão aqui – ensinou-me. – Agora podemos
saltar.
    – Tens a certeza? – olhei para baixo.
    – Vamos só.
    Saltámos.
    A infância é uma coisa assim bonita: caímos juntos
na relva, magoamo-nos um bocadinho, mas sobretudo
rimos. O Jika teve outra ideia.
    – Calma só, mô Ndalu. Vou na minha casa buscar
um maior.
    – Não, Jika, desculpa lá. Vais saltar sozinho, eu já
num vou saltar mais de guarda-chuva.
    – Nem num bem grande que tenho, daqueles da
praia, anti-sol e tudo, colorido tipo arco-íris?
    – Nem esse!
    O Jika ficou desanimado. Sem outras propostas para
brincadeiras perigosas, decidiu ir para casa. Ao cruzar
o portão, falou ainda:
    – Posso te perguntar uma coisa?
    – Diz, Jika.
    – Amanhã num queres me convidar pra almoçar na
tua casa?




                                                      13

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Luís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o AbsolutismoLuís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o Absolutismo
JoanaRitaSilva
 
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatívelA guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatível
Anabela Sobral
 
Os pastorinhos de Fátima
Os pastorinhos de FátimaOs pastorinhos de Fátima
Os pastorinhos de Fátima
vera martins
 
A sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em PortugalA sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em Portugal
Joana Filipa Rodrigues
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
BarbaraSilveira9
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Historia2000
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
Gonçalo Paiva
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
ana pinho
 
A vida no estado novo (ana mendonça)
A vida no estado novo (ana mendonça)A vida no estado novo (ana mendonça)
A vida no estado novo (ana mendonça)
Ana Cristina F
 
Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820
Maria Gomes
 
Seguranca na Internet
Seguranca na InternetSeguranca na Internet
Seguranca na Internet
nratao
 
S. martinho 1
S. martinho 1S. martinho 1
S. martinho 1
sandra subtil
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
Susana Simões
 
Absolutismo joanino
Absolutismo joaninoAbsolutismo joanino
Absolutismo joanino
patriciafrocha
 
Ensaio pobreza
Ensaio pobrezaEnsaio pobreza
Ensaio pobreza
Inês Mota
 
Cronica d. pedro
Cronica d. pedroCronica d. pedro
Cronica d. pedro
Cidalia Silva
 
David hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidadeDavid hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidade
Francis Mary Rosa
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Raffaella Ergün
 
A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820
jdlimaaear
 
10 de Junho
10 de Junho10 de Junho
10 de Junho
guest535878c
 

Mais procurados (20)

Luís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o AbsolutismoLuís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o Absolutismo
 
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatívelA guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatível
 
Os pastorinhos de Fátima
Os pastorinhos de FátimaOs pastorinhos de Fátima
Os pastorinhos de Fátima
 
A sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em PortugalA sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em Portugal
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
A vida no estado novo (ana mendonça)
A vida no estado novo (ana mendonça)A vida no estado novo (ana mendonça)
A vida no estado novo (ana mendonça)
 
Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820
 
Seguranca na Internet
Seguranca na InternetSeguranca na Internet
Seguranca na Internet
 
S. martinho 1
S. martinho 1S. martinho 1
S. martinho 1
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
 
Absolutismo joanino
Absolutismo joaninoAbsolutismo joanino
Absolutismo joanino
 
Ensaio pobreza
Ensaio pobrezaEnsaio pobreza
Ensaio pobreza
 
Cronica d. pedro
Cronica d. pedroCronica d. pedro
Cronica d. pedro
 
David hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidadeDavid hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidade
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
 
A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820
 
10 de Junho
10 de Junho10 de Junho
10 de Junho
 

Destaque

Verificação de leitura "Os da minha rua"
Verificação de leitura "Os da minha rua"Verificação de leitura "Os da minha rua"
Verificação de leitura "Os da minha rua"
Sheyla Tasso
 
Projeto leitura 10ºano
Projeto leitura 10ºanoProjeto leitura 10ºano
Projeto leitura 10ºano
BibliotecaESDS
 
Ondjaki 3
Ondjaki 3Ondjaki 3
Ondjaki 3
Carla Nunes
 
4e avaliação de leituras
4e avaliação de leituras4e avaliação de leituras
4e avaliação de leituras
Isabel DA COSTA
 
O bigode do_professor_de_geografia
O bigode do_professor_de_geografiaO bigode do_professor_de_geografia
O bigode do_professor_de_geografia
Sandra Nunes
 
A televisão mais_bonita_do_mundo
A televisão mais_bonita_do_mundoA televisão mais_bonita_do_mundo
A televisão mais_bonita_do_mundo
Sandra Nunes
 
Os óculos de_charlita
Os óculos de_charlitaOs óculos de_charlita
Os óculos de_charlita
Sandra Nunes
 
Antologia 07 08
Antologia 07 08Antologia 07 08
Antologia 07 08
Sandra Nunes
 
"A menina do mar" - Ficha Pedagógica nº1 "Orientações pedagógicas"
"A menina do mar" - Ficha Pedagógica nº1 "Orientações pedagógicas" "A menina do mar" - Ficha Pedagógica nº1 "Orientações pedagógicas"
"A menina do mar" - Ficha Pedagógica nº1 "Orientações pedagógicas"
Associação Viver a Ciência
 
O kazukuta
O kazukutaO kazukuta
O kazukuta
Sandra Nunes
 
A menina do mar
A menina do marA menina do mar
A menina do mar
bomjoaob2a
 
Os calções verdes_do_bruno
Os calções verdes_do_brunoOs calções verdes_do_bruno
Os calções verdes_do_bruno
Sandra Nunes
 
A menina do mar
A menina do marA menina do mar
A menina do mar
Lurdes Pelarigo
 
Ondjaki perguntasdefinitivo
Ondjaki perguntasdefinitivoOndjaki perguntasdefinitivo
Ondjaki perguntasdefinitivo
Biblioteca Gil Vicente
 
Teste Ondjaki (correção)
Teste Ondjaki (correção)Teste Ondjaki (correção)
Teste Ondjaki (correção)
Sílvia Baltazar
 

Destaque (15)

Verificação de leitura "Os da minha rua"
Verificação de leitura "Os da minha rua"Verificação de leitura "Os da minha rua"
Verificação de leitura "Os da minha rua"
 
Projeto leitura 10ºano
Projeto leitura 10ºanoProjeto leitura 10ºano
Projeto leitura 10ºano
 
Ondjaki 3
Ondjaki 3Ondjaki 3
Ondjaki 3
 
4e avaliação de leituras
4e avaliação de leituras4e avaliação de leituras
4e avaliação de leituras
 
O bigode do_professor_de_geografia
O bigode do_professor_de_geografiaO bigode do_professor_de_geografia
O bigode do_professor_de_geografia
 
A televisão mais_bonita_do_mundo
A televisão mais_bonita_do_mundoA televisão mais_bonita_do_mundo
A televisão mais_bonita_do_mundo
 
Os óculos de_charlita
Os óculos de_charlitaOs óculos de_charlita
Os óculos de_charlita
 
Antologia 07 08
Antologia 07 08Antologia 07 08
Antologia 07 08
 
"A menina do mar" - Ficha Pedagógica nº1 "Orientações pedagógicas"
"A menina do mar" - Ficha Pedagógica nº1 "Orientações pedagógicas" "A menina do mar" - Ficha Pedagógica nº1 "Orientações pedagógicas"
"A menina do mar" - Ficha Pedagógica nº1 "Orientações pedagógicas"
 
O kazukuta
O kazukutaO kazukuta
O kazukuta
 
A menina do mar
A menina do marA menina do mar
A menina do mar
 
Os calções verdes_do_bruno
Os calções verdes_do_brunoOs calções verdes_do_bruno
Os calções verdes_do_bruno
 
A menina do mar
A menina do marA menina do mar
A menina do mar
 
Ondjaki perguntasdefinitivo
Ondjaki perguntasdefinitivoOndjaki perguntasdefinitivo
Ondjaki perguntasdefinitivo
 
Teste Ondjaki (correção)
Teste Ondjaki (correção)Teste Ondjaki (correção)
Teste Ondjaki (correção)
 

Semelhante a O voo do_jika

Billy e a fera
Billy e a feraBilly e a fera
Billy e a fera
Freekidstories
 
A casa do penhasco (psicografia vera lúcia marinzeck de carvalho espírito a...
A casa do penhasco (psicografia vera lúcia marinzeck de carvalho   espírito a...A casa do penhasco (psicografia vera lúcia marinzeck de carvalho   espírito a...
A casa do penhasco (psicografia vera lúcia marinzeck de carvalho espírito a...
Ricardo Akerman
 
Letras com rugas
Letras com rugasLetras com rugas
Letras com rugas
Biblioteca Escolar Portel
 
Conto alice vieira-rosa-minha-irma-rosa_58pag
Conto alice vieira-rosa-minha-irma-rosa_58pagConto alice vieira-rosa-minha-irma-rosa_58pag
Conto alice vieira-rosa-minha-irma-rosa_58pag
Central Didática
 
Uma aventura literária 2013 texto original - uma aventura no prédio - jamil...
Uma aventura literária 2013   texto original - uma aventura no prédio - jamil...Uma aventura literária 2013   texto original - uma aventura no prédio - jamil...
Uma aventura literária 2013 texto original - uma aventura no prédio - jamil...
tecaromeugil
 
Chapeuzinho feliz maria tereza e verônica.
Chapeuzinho feliz maria tereza e verônica.Chapeuzinho feliz maria tereza e verônica.
Chapeuzinho feliz maria tereza e verônica.
Milena Sampaio
 
Uma vida atrapalhada e outras coisas
Uma vida atrapalhada e outras coisasUma vida atrapalhada e outras coisas
Uma vida atrapalhada e outras coisas
Antónia Almeida ESanto
 
Contos
ContosContos
Contos
Dior FG
 

Semelhante a O voo do_jika (8)

Billy e a fera
Billy e a feraBilly e a fera
Billy e a fera
 
A casa do penhasco (psicografia vera lúcia marinzeck de carvalho espírito a...
A casa do penhasco (psicografia vera lúcia marinzeck de carvalho   espírito a...A casa do penhasco (psicografia vera lúcia marinzeck de carvalho   espírito a...
A casa do penhasco (psicografia vera lúcia marinzeck de carvalho espírito a...
 
Letras com rugas
Letras com rugasLetras com rugas
Letras com rugas
 
Conto alice vieira-rosa-minha-irma-rosa_58pag
Conto alice vieira-rosa-minha-irma-rosa_58pagConto alice vieira-rosa-minha-irma-rosa_58pag
Conto alice vieira-rosa-minha-irma-rosa_58pag
 
Uma aventura literária 2013 texto original - uma aventura no prédio - jamil...
Uma aventura literária 2013   texto original - uma aventura no prédio - jamil...Uma aventura literária 2013   texto original - uma aventura no prédio - jamil...
Uma aventura literária 2013 texto original - uma aventura no prédio - jamil...
 
Chapeuzinho feliz maria tereza e verônica.
Chapeuzinho feliz maria tereza e verônica.Chapeuzinho feliz maria tereza e verônica.
Chapeuzinho feliz maria tereza e verônica.
 
Uma vida atrapalhada e outras coisas
Uma vida atrapalhada e outras coisasUma vida atrapalhada e outras coisas
Uma vida atrapalhada e outras coisas
 
Contos
ContosContos
Contos
 

Mais de Sandra Nunes

Problema do mês de maio
Problema do mês de maioProblema do mês de maio
Problema do mês de maio
Sandra Nunes
 
Resulatados prob mes abril
Resulatados prob mes abrilResulatados prob mes abril
Resulatados prob mes abril
Sandra Nunes
 
Inform@te 7 abr_1112
Inform@te 7 abr_1112Inform@te 7 abr_1112
Inform@te 7 abr_1112
Sandra Nunes
 
Resultados problema do mês até março
Resultados problema do mês até marçoResultados problema do mês até março
Resultados problema do mês até março
Sandra Nunes
 
Problema do mês de abril (1)
Problema do mês de abril (1)Problema do mês de abril (1)
Problema do mês de abril (1)
Sandra Nunes
 
Regulamento concurso 11 12
Regulamento concurso 11 12Regulamento concurso 11 12
Regulamento concurso 11 12
Sandra Nunes
 
Problema do mês de março
Problema do mês de marçoProblema do mês de março
Problema do mês de março
Sandra Nunes
 
Paaf problema mes
Paaf problema mesPaaf problema mes
Paaf problema mes
Sandra Nunes
 
Livromes fevereiro
Livromes fevereiroLivromes fevereiro
Livromes fevereiro
Sandra Nunes
 
Paaj[1]
Paaj[1]Paaj[1]
Paaj[1]
Sandra Nunes
 
Livro mês janeiro[1]
Livro mês janeiro[1]Livro mês janeiro[1]
Livro mês janeiro[1]
Sandra Nunes
 
Problema janeiro
Problema janeiroProblema janeiro
Problema janeiro
Sandra Nunes
 
Livro dezembro[1]
Livro dezembro[1]Livro dezembro[1]
Livro dezembro[1]
Sandra Nunes
 
Problemadezembro[1]
Problemadezembro[1]Problemadezembro[1]
Problemadezembro[1]
Sandra Nunes
 
Livromêsnovembro
LivromêsnovembroLivromêsnovembro
Livromêsnovembro
Sandra Nunes
 
Problema novembro[1]
Problema novembro[1]Problema novembro[1]
Problema novembro[1]
Sandra Nunes
 
Livromêsoutubro
LivromêsoutubroLivromêsoutubro
Livromêsoutubro
Sandra Nunes
 
Problema outubro
Problema outubroProblema outubro
Problema outubro
Sandra Nunes
 

Mais de Sandra Nunes (20)

Problema do mês de maio
Problema do mês de maioProblema do mês de maio
Problema do mês de maio
 
Resulatados prob mes abril
Resulatados prob mes abrilResulatados prob mes abril
Resulatados prob mes abril
 
Inform@te 7 abr_1112
Inform@te 7 abr_1112Inform@te 7 abr_1112
Inform@te 7 abr_1112
 
Resultados problema do mês até março
Resultados problema do mês até marçoResultados problema do mês até março
Resultados problema do mês até março
 
Problema do mês de abril (1)
Problema do mês de abril (1)Problema do mês de abril (1)
Problema do mês de abril (1)
 
Regulamento concurso 11 12
Regulamento concurso 11 12Regulamento concurso 11 12
Regulamento concurso 11 12
 
Problema do mês de março
Problema do mês de marçoProblema do mês de março
Problema do mês de março
 
Paaf problema mes
Paaf problema mesPaaf problema mes
Paaf problema mes
 
Livromes fevereiro
Livromes fevereiroLivromes fevereiro
Livromes fevereiro
 
Paaj[1]
Paaj[1]Paaj[1]
Paaj[1]
 
Livro mês janeiro[1]
Livro mês janeiro[1]Livro mês janeiro[1]
Livro mês janeiro[1]
 
Problema janeiro
Problema janeiroProblema janeiro
Problema janeiro
 
Livro dezembro[1]
Livro dezembro[1]Livro dezembro[1]
Livro dezembro[1]
 
Problemadezembro[1]
Problemadezembro[1]Problemadezembro[1]
Problemadezembro[1]
 
Livromêsnovembro
LivromêsnovembroLivromêsnovembro
Livromêsnovembro
 
Problema novembro[1]
Problema novembro[1]Problema novembro[1]
Problema novembro[1]
 
Livromêsoutubro
LivromêsoutubroLivromêsoutubro
Livromêsoutubro
 
Problema outubro
Problema outubroProblema outubro
Problema outubro
 
Facebook
FacebookFacebook
Facebook
 
Sent
SentSent
Sent
 

O voo do_jika

  • 1. O voo do Jika O Jika era o mais novo da minha rua. Assim: o Tibas era o mais velho, depois havia o Bruno Ferraz, eu e o Ji- ka. Nós até às vezes lhe protegíamos doutros mais- -velhos que vinham fazer confusão na nossa rua. O almoço na minha casa era perto do meio-dia. Às vezes quase à uma. Ao meio-dia e quinze, o Jika tocava à campainha. – O Ndalu tá? – perguntava à minha irmã ou ao ca- marada António. – Sim, tá. – Chama só, faz favor. Eu interrompia o que estivesse a fazer, descia. – Mó Jika, comé? – Ndalu, vinha te perguntar uma coisa. – Diz. – Hoje num queres me convidar pra almoçar na tua casa? – Deixinda ir perguntar à minha mãe. Entrei. O Jika ficou ansioso na porta, aguardando a resposta. Quase sempre a minha mãe dizia sim. Só se fosse mesmo maka de pouca comida, ou muita gente que já estava combinada para o almoço. Se a avó Chica viesse, ia trazer também a Helda, e assim já não ia dar. 11
  • 2. Mas normalmente a minha mãe dizia mesmo «sim». E ficava a rir. – A minha mãe disse que podes. – Ah é? – ele pareceu surpreendido. – E a que horas é que vocês vão almoçar? – Ao meio-dia e meia, Jika. – Então vou pedir na minha mãe. Deixei a porta aberta. O Jika devia voltar sem demo- ra quase nenhuma. Gritou contente, cá de baixo, na di- recção da janela do quarto da mãe dele: – Maaaaãe, a tia Sita me convidou pra almoçar na ca- sa dela. Posso? – Podes. Mas vem mudar essa camisa suada. O Jika deu uma esquindiva, fingiu que já tinha mu- dado, veio a correr numa transpiração respirada. Con- tente. Olhos do miúdo que ele era. Fosse o melhor pro- grama da semana dele. E eu, mesmo miúdo candengue, fiquei a pensar nas razões do Jika não gostar nada de al- moçar na própria casa dele. O Jika estava habituado a muita gasosa. Nesse tem- po, se houvesse gasosa na minha casa era para dividir. Como nós éramos três, eu e duas irmãs, quando o Jika vinha almoçar, até a divisão corria melhor. Ele por vezes queria fugir desse ritual: – Tia Sita, posso beber uma gasosa sozinho? – Sozinho, bebes na tua casa – a minha mãe respon- deu. – Aqui divide-se. Depois do almoço, o Jika disse que ia à casa dele buscar «uma coisa». Eu fiquei à espera, no portão aber- to. Prometeu não demorar. Voltou com a tal coisa es- condida debaixo do braço, e entrámos rapidamente na minha casa. Subimos ao primeiro andar, fomos até ao quarto da minha irmã Tchi, e saltámos da varanda para uma espécie de telhado. Aproximámo-nos da berma. Lá em baixo estava a relva verde do jardim. O Jika abriu um muito, muito pequenino guarda-chuva azul. 12
  • 3. – Põe a mão aqui – ensinou-me. – Agora podemos saltar. – Tens a certeza? – olhei para baixo. – Vamos só. Saltámos. A infância é uma coisa assim bonita: caímos juntos na relva, magoamo-nos um bocadinho, mas sobretudo rimos. O Jika teve outra ideia. – Calma só, mô Ndalu. Vou na minha casa buscar um maior. – Não, Jika, desculpa lá. Vais saltar sozinho, eu já num vou saltar mais de guarda-chuva. – Nem num bem grande que tenho, daqueles da praia, anti-sol e tudo, colorido tipo arco-íris? – Nem esse! O Jika ficou desanimado. Sem outras propostas para brincadeiras perigosas, decidiu ir para casa. Ao cruzar o portão, falou ainda: – Posso te perguntar uma coisa? – Diz, Jika. – Amanhã num queres me convidar pra almoçar na tua casa? 13