SlideShare uma empresa Scribd logo
Os calções verdes do Bruno

       Até a camarada professora ficou espantada e interrompeu a aula quando o Bruno
entrou na sala. Não era só o que se via na mudança das roupas, mas também o que se
podia cheirar com a chegada daquele Bruno tão lavadinho.
       No intervalo, em vez de irmos todos brincar a correr, cada um ficou só espantado
a passar perto do Bruno, mesmo a fingir que ia lá fazer outra coisa qualquer. A antiga
blusa vermelha tinha sido substituída por uma camisa de manga curta esverdeada e
flores brancas tipo Havai. Mas o mais espantoso era o Bruno não trazer os calções dele
verdes justos com duas barras brancas de lado. A pele cheirava a sabonete azul limpo,
as orelhas não tinham cera, as unhas cortadas e limpas, o cabelo lavado e cheio de gel.
Até os óculos estavam limpos. Tortos mas limpos.
       Lá fora a gritaria continuava. O Bruno, ao contrário dos últimos seis anos de
partilha escolar, estava mais sério e mais triste.
       Fiquei no fundo da sala. Eu era grande amigo do Bruno e mesmo assim não
consegui entender aquela transformação. Olhei o pátio onde as meninas brincavam
“trinta e cinco vitórias”. Na porta, uma contra-luz do meio-dia iluminava a cara
espantada da Romina. Eu olhava a Romina, o sol na porta e o Bruno também.
       O mujimbo já tinha circulado lá fora e eu nem sabia. Havia uma explicação para
tanto banho e perfumaria. Parece que o Bruno estava apaixonado pela Ró. A mãe do
Bruno tinha contado à mãe do Hélder todos os acontecimentos incríveis da tarde
anterior: a procura de um bom perfume, o gel no cabelo, os sapatos limpos e brilhantes,
a camisa de botões. A mãe do Bruno disse à mãe do Hélder, “foi ele mesmo que me
chamou para eu lhe esfregar as costas”.
       Depois do intervalo o Bruno passou-me secretamente a carta. Começava assim:

     Romina: nos últimos dias já não consigo lanchar pão com marmelada e
manteiga, e mesmo que a minha mãe faça batatas fritas nunca tenho apetite de comer.
Ainda por cima de noite só sonho com os caracóis dos teus cabelos tipo cacho de uva…

      A carta continuava bonita como eu nunca soube que o Bruno sabia escrever assim.
Ele tinha a cara afundada nos braços, parecia adormecido, eu lia a carta sem acreditar
que o Bruno tinha escrito aquilo mas os erros de português eram muito dele mesmo. Era
uma das cartas de amor mais bonitas que ia ler na minha vida, e eu próprio, anos mais
tarde, ia escrever uma carta de amor também muito bonita, mas nunca tão sincera como
aquela.
      A camarada professora era muito má. Veio a correr e riu-se porque eu tinha
lágrimas nos olhos. Pegou na carta e rasgou tudo em pedacinhos tão pequenos como as
minhas lágrimas e as do Bruno. A Romina desconfiou de alguma coisa, porque também
tinha os olhos molhados.
      O sino tocou. Saímos. Era o último tempo.
      No dia seguinte, com um riso que era também de tristeza e uma espécie de
saudade, o Bruno apareceu com a blusa dele vermelha e os calções verdes justos com
duas riscas brancas de lado. Deu a gargalhada dele que incomodava a escola toda e veio
brincar connosco.
      Na porta da sala, uma contra-luz amarela do meio-dia iluminava a cara bonita da
Romina e os olhos dela molhados com lágrimas de ternura. E o Bruno também.

                                                            Ondjaki, Os da Minha Rua
 

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Julia silva
Julia silvaJulia silva
Julia silva
jsilva52
 
Planificação 8.º ano-alunos
Planificação 8.º ano-alunosPlanificação 8.º ano-alunos
Planificação 8.º ano-alunos
Cristina Fontes
 
Mar me quer
Mar me querMar me quer
Mar me quer
LeitorX
 
Mar Me Quer, Mia Couto
Mar Me Quer, Mia CoutoMar Me Quer, Mia Couto
Mar Me Quer, Mia Couto
catiasgs
 
Mar Me Quer Resumo E Personagens
Mar Me Quer   Resumo E PersonagensMar Me Quer   Resumo E Personagens
Mar Me Quer Resumo E Personagens
catiasgs
 
A televisão mais_bonita_do_mundo
A televisão mais_bonita_do_mundoA televisão mais_bonita_do_mundo
A televisão mais_bonita_do_mundo
Sandra Nunes
 
Antologia 07 08
Antologia 07 08Antologia 07 08
Antologia 07 08
Sandra Nunes
 
O voo do_jika
O voo do_jikaO voo do_jika
O voo do_jika
Sandra Nunes
 
Daniela
DanielaDaniela
Daniela
Alice Azevedo
 
Ficha de leitura 8
Ficha de leitura 8Ficha de leitura 8
Ficha de leitura 8
PAFB
 
Margarida
MargaridaMargarida
Margarida
Alice Azevedo
 
O kazukuta
O kazukutaO kazukuta
O kazukuta
Sandra Nunes
 
Ficha de leitura 7
Ficha de leitura 7Ficha de leitura 7
Ficha de leitura 7
PAFB
 
Rafaela
RafaelaRafaela
Rafaela
Alice Azevedo
 
Os óculos de_charlita
Os óculos de_charlitaOs óculos de_charlita
Os óculos de_charlita
Sandra Nunes
 
Avaliação de software educativo exel
Avaliação de software educativo exelAvaliação de software educativo exel
Avaliação de software educativo exel
Greiciele Bisognin Rodrigues
 
Escritor mia couto ganha prémio camões
Escritor mia couto ganha prémio camõesEscritor mia couto ganha prémio camões
Escritor mia couto ganha prémio camões
Maria Paredes
 
Lição nº 83
Lição nº 83Lição nº 83
Lição nº 83
Sílvia Baltazar
 
2 t10 pt
2 t10 pt2 t10 pt
2 t10 pt
CSURIWEB
 
Ejercicio 1
Ejercicio 1Ejercicio 1
Ejercicio 1
georgecopete
 

Destaque (20)

Julia silva
Julia silvaJulia silva
Julia silva
 
Planificação 8.º ano-alunos
Planificação 8.º ano-alunosPlanificação 8.º ano-alunos
Planificação 8.º ano-alunos
 
Mar me quer
Mar me querMar me quer
Mar me quer
 
Mar Me Quer, Mia Couto
Mar Me Quer, Mia CoutoMar Me Quer, Mia Couto
Mar Me Quer, Mia Couto
 
Mar Me Quer Resumo E Personagens
Mar Me Quer   Resumo E PersonagensMar Me Quer   Resumo E Personagens
Mar Me Quer Resumo E Personagens
 
A televisão mais_bonita_do_mundo
A televisão mais_bonita_do_mundoA televisão mais_bonita_do_mundo
A televisão mais_bonita_do_mundo
 
Antologia 07 08
Antologia 07 08Antologia 07 08
Antologia 07 08
 
O voo do_jika
O voo do_jikaO voo do_jika
O voo do_jika
 
Daniela
DanielaDaniela
Daniela
 
Ficha de leitura 8
Ficha de leitura 8Ficha de leitura 8
Ficha de leitura 8
 
Margarida
MargaridaMargarida
Margarida
 
O kazukuta
O kazukutaO kazukuta
O kazukuta
 
Ficha de leitura 7
Ficha de leitura 7Ficha de leitura 7
Ficha de leitura 7
 
Rafaela
RafaelaRafaela
Rafaela
 
Os óculos de_charlita
Os óculos de_charlitaOs óculos de_charlita
Os óculos de_charlita
 
Avaliação de software educativo exel
Avaliação de software educativo exelAvaliação de software educativo exel
Avaliação de software educativo exel
 
Escritor mia couto ganha prémio camões
Escritor mia couto ganha prémio camõesEscritor mia couto ganha prémio camões
Escritor mia couto ganha prémio camões
 
Lição nº 83
Lição nº 83Lição nº 83
Lição nº 83
 
2 t10 pt
2 t10 pt2 t10 pt
2 t10 pt
 
Ejercicio 1
Ejercicio 1Ejercicio 1
Ejercicio 1
 

Mais de Sandra Nunes

Problema do mês de maio
Problema do mês de maioProblema do mês de maio
Problema do mês de maio
Sandra Nunes
 
Resulatados prob mes abril
Resulatados prob mes abrilResulatados prob mes abril
Resulatados prob mes abril
Sandra Nunes
 
Inform@te 7 abr_1112
Inform@te 7 abr_1112Inform@te 7 abr_1112
Inform@te 7 abr_1112
Sandra Nunes
 
Resultados problema do mês até março
Resultados problema do mês até marçoResultados problema do mês até março
Resultados problema do mês até março
Sandra Nunes
 
Problema do mês de abril (1)
Problema do mês de abril (1)Problema do mês de abril (1)
Problema do mês de abril (1)
Sandra Nunes
 
Regulamento concurso 11 12
Regulamento concurso 11 12Regulamento concurso 11 12
Regulamento concurso 11 12
Sandra Nunes
 
Problema do mês de março
Problema do mês de marçoProblema do mês de março
Problema do mês de março
Sandra Nunes
 
Paaf problema mes
Paaf problema mesPaaf problema mes
Paaf problema mes
Sandra Nunes
 
Livromes fevereiro
Livromes fevereiroLivromes fevereiro
Livromes fevereiro
Sandra Nunes
 
Paaj[1]
Paaj[1]Paaj[1]
Paaj[1]
Sandra Nunes
 
Livro mês janeiro[1]
Livro mês janeiro[1]Livro mês janeiro[1]
Livro mês janeiro[1]
Sandra Nunes
 
Problema janeiro
Problema janeiroProblema janeiro
Problema janeiro
Sandra Nunes
 
Livro dezembro[1]
Livro dezembro[1]Livro dezembro[1]
Livro dezembro[1]
Sandra Nunes
 
Problemadezembro[1]
Problemadezembro[1]Problemadezembro[1]
Problemadezembro[1]
Sandra Nunes
 
Livromêsnovembro
LivromêsnovembroLivromêsnovembro
Livromêsnovembro
Sandra Nunes
 
Problema novembro[1]
Problema novembro[1]Problema novembro[1]
Problema novembro[1]
Sandra Nunes
 
Livromêsoutubro
LivromêsoutubroLivromêsoutubro
Livromêsoutubro
Sandra Nunes
 
Problema outubro
Problema outubroProblema outubro
Problema outubro
Sandra Nunes
 

Mais de Sandra Nunes (20)

Problema do mês de maio
Problema do mês de maioProblema do mês de maio
Problema do mês de maio
 
Resulatados prob mes abril
Resulatados prob mes abrilResulatados prob mes abril
Resulatados prob mes abril
 
Inform@te 7 abr_1112
Inform@te 7 abr_1112Inform@te 7 abr_1112
Inform@te 7 abr_1112
 
Resultados problema do mês até março
Resultados problema do mês até marçoResultados problema do mês até março
Resultados problema do mês até março
 
Problema do mês de abril (1)
Problema do mês de abril (1)Problema do mês de abril (1)
Problema do mês de abril (1)
 
Regulamento concurso 11 12
Regulamento concurso 11 12Regulamento concurso 11 12
Regulamento concurso 11 12
 
Problema do mês de março
Problema do mês de marçoProblema do mês de março
Problema do mês de março
 
Paaf problema mes
Paaf problema mesPaaf problema mes
Paaf problema mes
 
Livromes fevereiro
Livromes fevereiroLivromes fevereiro
Livromes fevereiro
 
Paaj[1]
Paaj[1]Paaj[1]
Paaj[1]
 
Livro mês janeiro[1]
Livro mês janeiro[1]Livro mês janeiro[1]
Livro mês janeiro[1]
 
Problema janeiro
Problema janeiroProblema janeiro
Problema janeiro
 
Livro dezembro[1]
Livro dezembro[1]Livro dezembro[1]
Livro dezembro[1]
 
Problemadezembro[1]
Problemadezembro[1]Problemadezembro[1]
Problemadezembro[1]
 
Livromêsnovembro
LivromêsnovembroLivromêsnovembro
Livromêsnovembro
 
Problema novembro[1]
Problema novembro[1]Problema novembro[1]
Problema novembro[1]
 
Livromêsoutubro
LivromêsoutubroLivromêsoutubro
Livromêsoutubro
 
Problema outubro
Problema outubroProblema outubro
Problema outubro
 
Facebook
FacebookFacebook
Facebook
 
Sent
SentSent
Sent
 

Os calções verdes_do_bruno

  • 1. Os calções verdes do Bruno Até a camarada professora ficou espantada e interrompeu a aula quando o Bruno entrou na sala. Não era só o que se via na mudança das roupas, mas também o que se podia cheirar com a chegada daquele Bruno tão lavadinho. No intervalo, em vez de irmos todos brincar a correr, cada um ficou só espantado a passar perto do Bruno, mesmo a fingir que ia lá fazer outra coisa qualquer. A antiga blusa vermelha tinha sido substituída por uma camisa de manga curta esverdeada e flores brancas tipo Havai. Mas o mais espantoso era o Bruno não trazer os calções dele verdes justos com duas barras brancas de lado. A pele cheirava a sabonete azul limpo, as orelhas não tinham cera, as unhas cortadas e limpas, o cabelo lavado e cheio de gel. Até os óculos estavam limpos. Tortos mas limpos. Lá fora a gritaria continuava. O Bruno, ao contrário dos últimos seis anos de partilha escolar, estava mais sério e mais triste. Fiquei no fundo da sala. Eu era grande amigo do Bruno e mesmo assim não consegui entender aquela transformação. Olhei o pátio onde as meninas brincavam “trinta e cinco vitórias”. Na porta, uma contra-luz do meio-dia iluminava a cara espantada da Romina. Eu olhava a Romina, o sol na porta e o Bruno também. O mujimbo já tinha circulado lá fora e eu nem sabia. Havia uma explicação para tanto banho e perfumaria. Parece que o Bruno estava apaixonado pela Ró. A mãe do Bruno tinha contado à mãe do Hélder todos os acontecimentos incríveis da tarde anterior: a procura de um bom perfume, o gel no cabelo, os sapatos limpos e brilhantes, a camisa de botões. A mãe do Bruno disse à mãe do Hélder, “foi ele mesmo que me chamou para eu lhe esfregar as costas”. Depois do intervalo o Bruno passou-me secretamente a carta. Começava assim: Romina: nos últimos dias já não consigo lanchar pão com marmelada e manteiga, e mesmo que a minha mãe faça batatas fritas nunca tenho apetite de comer. Ainda por cima de noite só sonho com os caracóis dos teus cabelos tipo cacho de uva… A carta continuava bonita como eu nunca soube que o Bruno sabia escrever assim. Ele tinha a cara afundada nos braços, parecia adormecido, eu lia a carta sem acreditar que o Bruno tinha escrito aquilo mas os erros de português eram muito dele mesmo. Era uma das cartas de amor mais bonitas que ia ler na minha vida, e eu próprio, anos mais tarde, ia escrever uma carta de amor também muito bonita, mas nunca tão sincera como aquela. A camarada professora era muito má. Veio a correr e riu-se porque eu tinha lágrimas nos olhos. Pegou na carta e rasgou tudo em pedacinhos tão pequenos como as minhas lágrimas e as do Bruno. A Romina desconfiou de alguma coisa, porque também tinha os olhos molhados. O sino tocou. Saímos. Era o último tempo. No dia seguinte, com um riso que era também de tristeza e uma espécie de saudade, o Bruno apareceu com a blusa dele vermelha e os calções verdes justos com duas riscas brancas de lado. Deu a gargalhada dele que incomodava a escola toda e veio brincar connosco. Na porta da sala, uma contra-luz amarela do meio-dia iluminava a cara bonita da Romina e os olhos dela molhados com lágrimas de ternura. E o Bruno também. Ondjaki, Os da Minha Rua